Skip to navigation – Site map

HomeIssues62Materiais da MemóriaLembrando o Movimento Estudantil ...

Materiais da Memória

Lembrando o Movimento Estudantil de 1962

Três testemunhos
Magda Pinheiro
p. 171-172

Full text

1Reunindo um conjunto de testemunhos sobre o dia do estudante de 1962, pretendemos assinalar a importância desta data para as diversas gerações de estudantes que entre 1962 e 1975 lutaram contra o regime autoritário em Portugal. Como em qualquer acontecimento marcante de uma época, a sua perceção pelo conjunto dos estudantes foi marcada por canais de difusão e quadros materiais e culturais pré-existentes. As limitações à liberdade de expressão dificultaram o seu conhecimento pelo conjunto da população e mesmo pelos alunos dos últimos anos do Ensino Secundário que foram, em anos subsequentes, chegando à Universidade.

  • 1 Caiado, Nuno, Movimentos estudantis em Portugal: 1945-1980, Lisboa, IED, 1990, p. 34.
  • 2 Documentos da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1960, p. 44.

2Como escreveu Nuno Caiado, o Ensino Universitário em 1962 era totalmente dependente do Estado não existindo autonomia de modelo, de filosofia, de orientações ou sequer administrativa1. Um indicativo dessa dependência pode ser evidenciado no seguinte episódio. Em 1960, Marcelo Caetano envolvera-se numa querela com a Universidade de Coimbra apenas por ter divulgado um programa de solenidades para honrar a memória do Infante D. Henrique «enquanto primeiro protetor da Universidade de Lisboa». Coimbra considerava-se a verdadeira representante da antiga Universidade e o seu Senado enviou um aviso contundente ao Senado da Universidade de Lisboa acusando-o de tentativa de falseamento da verdade histórica. Apesar do que estava em causa ser apenas uma missa que deveria ter tido lugar no dia 25 de março, Marcelo Caetano recebeu um ofício do ministro em que este «agradecia» que a missa fosse cancelada2.

3Existiam poucos cursos e poucas escolas. O mundo estudantil em Lisboa estava pouco vinculado à escola. Os estudantes encontravam-se entre amigos ou em tertúlias de café, o que era facilitado pela sua pequena heterogeneidade social. Algumas escolas de Ensino Superior tinham Associações de Estudantes legalizadas, como o Instituto Superior Técnico (IST), o Instituto Superior de Agronomia (ISA), a Faculdade de Ciências de Lisboa (FCL), a Faculdade de Direito de Lisboa (FDL), o Instituto Nacional de Educação Física (INEF), o Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (ISCEF). Outras, como a Faculdade de Letras de Lisboa (FLL), a Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa (ESBAL) só tinham comissões pró-associação. As Associações de Estudantes prestavam serviços de edição de material escolar, de manutenção das cantinas, na área do desporto, entre outras. A sua atividade era fiscalizada e as eleições eram homologadas, ou não, pelo Ministério da Educação Nacional.

4As atividades interassociativas eram proibidas. Apesar disso, os contactos existiam através de organismos sem existência legal como a RIA (Reunião Inter-Associações). As actividades associativas eram um espaço de acção que, não sendo clandestino, se situava nos limites da legalidade.

5Saliente-se, seguindo os testemunhos publicados, a grande transformação representada pela recente mudança para o novo espaço da Cidade Universitária das Faculdades de Letras, Direito e Medicina, antes espalhadas pela cidade antiga. É bem certo que o ISCEF e a ESBAL continuavam a existir em edifícios conventuais, que o ISA e o IST dispunham de campus próprios e a Faculdade de Veterinária tinha também um edifício próprio. Os acontecimentos de 1962 foram o batismo mítico do novo espaço local de luta estudantil deslocando para cidade moderna movimentos que antes se dirimiam em zonas de povoamento anterior ao século XIX, então ainda densamente habitadas.

  • 3 Oliveira, César, Anos Decisivos, Lisboa, Presença, 1993, p. 37.
  • 4 Testemunho incluído no livro de Manuela Rego, Em volta do Campo Grande, Lisboa, Contexto, 1996, p. (...)

6Parte substancial do Ensino Universitário concentrava-se então em Lisboa, mas a proibição do Dia do Estudante, a 24 de março, provocou uma crise estudantil que daqui irradiou para Coimbra. Já a 3 de fevereiro desse ano fora constituído um Secretariado Nacional dos Estudantes Portugueses. O Plenário dos Estudantes Lisboetas, convocado pela RIA para a esplanada da Cidade Universitária, contou com o apoio dos colegas de Coimbra que, segundo César Oliveira escreveu, vieram em autocarros alugados, automóveis e de comboio3. Medeiros Ferreira relata esse momento fundacional para a sua geração como um «Esplendor na Relva» que constituiu o espaço da Alameda Universitária como espaço mítico onde ainda ecoam as vozes de Jorge Sampaio, Abílio Mendes e Valentim Alexandre4. A invenção do «luto académico», a ocupação e greve de fome na cantina, a edição de discos de Zeca Afonso, criaram uma nova cultura de luta. As prisões de estudantes e a expulsão dos mais implicados no movimento provocaram mudanças de Universidade que apenas serviram para aumentar a politização e generalizar o descontentamento e a cultura de protesto.

Top of page

Notes

1 Caiado, Nuno, Movimentos estudantis em Portugal: 1945-1980, Lisboa, IED, 1990, p. 34.

2 Documentos da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1960, p. 44.

3 Oliveira, César, Anos Decisivos, Lisboa, Presença, 1993, p. 37.

4 Testemunho incluído no livro de Manuela Rego, Em volta do Campo Grande, Lisboa, Contexto, 1996, p. 178.

Top of page

References

Bibliographical reference

Magda Pinheiro, Lembrando o Movimento Estudantil de 1962Ler História, 62 | 2012, 171-172.

Electronic reference

Magda Pinheiro, Lembrando o Movimento Estudantil de 1962Ler História [Online], 62 | 2012, Online since 14 April 2015, connection on 22 April 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/615; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.615

Top of page

About the author

Magda Pinheiro

magda.pinheiro@iscte.pt
Professora catedrática do Departamento de História da Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL, investigadora e directora do CEHC, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

By this author

Top of page
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search