Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros76Editorial

Editorial

José Vicente Serrão
p. 5-6

Texto integral

1Preparado e publicado durante a maior crise epidémica de que há registo, pelo menos no que toca à dimensão global da sua percepção colectiva e dos seus efeitos, neste número cabe destacar, pela actualidade dos temas tratados, a entrevista com o historiador Cormac Ó Grada, publicada na secção Espelho de Clio. A partir do seu próprio percurso de investigação e publicação, o historiador irlandês, que é uma autoridade de referência mundial na matéria, fala-nos de uma longa história da humanidade marcada por episódios recorrentes, por vezes endémicos, de fome, doenças e mortalidade.

2Quanto ao mais, o número agora publicado acolhe uma variedade de contribuições cujo alinhamento, como é regra habitual na revista, segue a ordem cronológica dos conteúdos tratados. No primeiro deles, Nahuel Vassallo aborda a problemática da fronteira em contextos coloniais, fronteira entendida como um espaço de dinâmicas relacionais de natureza política, geoestratégica, económica, religiosa, social e interétnica, onde os diferentes actores projectam, disputam e negoceiam os seus interesses. No caso em apreço, este modelo interpretativo é aplicado à região das Pampas e do Rio da Prata nas décadas de 1730 e 1740. Ali se confrontaram os interesses dos colonos e das autoridades espanholas de Buenos Aires com os dos portugueses recém-estabelecidos na vizinha Colónia do Sacramento e os seus aliados ingleses, mais os das diversas populações indígenas da região, mais os da Companhia de Jesus, apostada em alargar a sua influência na zona. O segundo artigo transporta-nos para os domínios coloniais portugueses do Índico e da África Oriental, mais propriamente para a pequena Ilha de Moçambique, sede da capitania-geral com o mesmo nome. O propósito da autora, Maria Bastião, é analisar as formas de acesso à terra, concluindo que também ali prevaleceu o sistema dos “prazos” – uma fórmula híbrida, indo-portuguesa, que combinava elementos das instituições fundiárias portuguesas com as instituições nativas –, já antes utilizado na Província do Norte (Índia), no Ceilão e no Vale do Zambeze; fórmula híbrida mas também flexível, o que explica as especificidades encontradas na Ilha de Moçambique.

3Vem depois um trabalho que se poderá considerar de sociologia histórica, dedicado a traçar o perfil dos estudantes universitários de Coimbra: quantos eram, como se distribuíam pelos diferentes cursos, qual era a sua origem social e geográfica, onde e como viviam na cidade. Estas são algumas das perguntas a que Irene Vaquinhas e Manuela Tavares Ribeiro procuram dar resposta. O arco temporal considerado é bastante amplo, desde 1772 até 1910, embora o seu foco principal seja o século XIX. É também neste enquadramento cronológico que se situa o estudo de Rita Guimarães Melo, baseado em documentação judicial, sobre a lenta afirmação da lei e da justiça codificada (a “civilização do papel selado”) numa região remota do interior do Brasil onde ainda imperava a lei do costume e da violência individual e social (a “civilização do couro”).

4Seguem-se dois artigos no âmbito da história económica e das políticas económicas durante o longo período de regimes autoritários na Península Ibérica, entre as décadas de 1930 e 1970. Durante este período, Portugal substituiu-se a Espanha na hegemonia mundial do negócio da cortiça e é uma explicação para essa mudança, remetendo para o papel desempenhado pelas políticas alfandegárias dos dois estados, que os autores nos propõem no primeiro destes dois artigos. No segundo, também dedicado à agro-indústria mas, neste caso, à transformação industrial de bens alimentares, Leonardo Aboim Pires discute as condições de mercado do sector e a sua evolução sob os efeitos da política de “condicionamento industrial” do Estado Novo. Num registo e num contexto diferente, Cláudia Castelo oferece-nos uma investigação sobre um projecto de desenvolvimento rural levado a cabo no Andulo (Angola) nos anos de 1960 e 1970, em plena guerra colonial, onde são patentes as contradições de um regime já em fase terminal: por um lado, a utilização do projecto como instrumento de contra-subversão, por outro, a sua abertura à cooperação internacional e a novas concepções de desenvolvimento que combinavam o progresso técnico com a protecção das populações nativas. A finalizar a secção de artigos, César Madureira analisa as mudanças ocorridas em Portugal nos últimos 30 anos no que se refere ao modelo de administração pública e às principais áreas de actuação do estado-providência (saúde, educação e proteção social), destacando a tendência para a empresarialização e redução do peso da administração e para o desinvestimento público em domínios sociais.

5Com este conjunto de artigos, uma entrevista e várias recensões se compõe o presente número 76 – o primeiro do 37º ano de publicação da revista. Para terminar, não podemos deixar de referir com satisfação que, na recente actualização anual do prestigiado Índice SJR (Scimago Journal & Country Rank), a Ler História mantém, pelo terceiro ano consecutivo, a classificação Q2, o que significa que se situa no segundo quartil entre todas as revistas de história publicadas a nível mundial e indexadas na SCOPUS, assim como consolida a sua posição de liderança entre as revistas portuguesas da especialidade.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Vicente Serrão, « Editorial »Ler História, 76 | 2020, 5-6.

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Editorial »Ler História [Online], 76 | 2020, posto online no dia 30 junho 2020, consultado no dia 28 outubro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/6342; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.6342

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search