Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros76RecensõesTiago Saraiva, Marta Macedo (org)...

Recensões

Tiago Saraiva, Marta Macedo (org), Capital Científica: Práticas da Ciência em Lisboa e a História Contemporânea de Portugal. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2019, 410 pp. ISBN 978-972-671-540-5

Tiago Brandão
p. 226-230
Referência(s):

Tiago Saraiva, Marta Macedo (org), Capital Científica: Práticas da Ciência em Lisboa e a História Contemporânea de Portugal. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2019, 410 pp. ISBN 978-972-671-540-5

Texto integral

  • 1 D. N. Livingstone, Putting Science in its Place: Geographies of Scientific Knowledge. Chicago: Univ (...)
  • 2 A. L. Janeira, Sistemas Epistémicos e Ciências: Do Noviciado da Cotovia à Faculdade de Ciências (...)

1Reunindo um grupo seleto de historiadores da ciência em Portugal, este livro coletivo composto por 10 capítulos procura explorar a “framework dos espaços”1 a partir da perspetiva das “práticas”, particularmente cara à história das ciências. É uma perspetiva internacionalizada da historiografia das ciências que assegura a pluralidade dos contributos e das áreas disciplinares que pontuaram o desenvolvimento da ciência nos séculos XIX e XX. Simultaneamente, busca lembrar a materialidade e o quotidiano da vida científica, dando a conhecer o habitat do cientista, como curiosamente se refere, e sublinhando o papel da instrumentação, ao mesmo tempo que nos dá conta de importantes aspetos das trajetórias e dinâmicas institucionais e políticas da ciência contemporânea, incluindo os “contextos sociais e políticos em que esta foi produzida” (p. 30). É sobretudo particularmente feliz a forma como sucede em nos contar a história da cidade de Lisboa, no que acreditamos ser o ponto forte deste volume, transportando-nos para lugares queridos da mitologia alfacinha. Segue nesta linha trabalhos seminais que exploraram a relação entre práticas científicas e cidade.2

2Esclarecem os organizadores que a investigação desta obra coletiva deriva de projetos do Instituto de Ciências Sociais (ICS) e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), representando grupos de investigação de duas universidades do país, a Universidade de Lisboa e a Universidade Nova de Lisboa. Os capítulos propõem-se inclusive seguir uma metodologia semelhante entre si, ainda que com algumas nuances, descrevendo, com maior ou menor fidelidade ao mote dos organizadores, a ideia de cientistas e engenheiros liderando (de forma algo voluntarista) a construção de novas paisagens urbanas, produzindo-se assim “uma narrativa visual que junta espaços científicos e urbanos, laboratórios e avenidas” (p. 38) e, de caminho, realçando-se o papel das instituições e práticas científicas “na imaginação dos projetos políticos do Portugal contemporâneo” (p. 25). Com efeito, é patente o esforço em demonstrar que a ciência foi “um elemento essencial para a compreensão das dinâmicas históricas do Portugal contemporâneo” (p. 28).

  • 3 K. Gavroglu, M. Patiniotis, A. Carneiro, M. P. Diogo, A. Simões, F. Papanelopoulou, J. R. B. Sánche (...)

3Ao mesmo tempo, a fórmula proposta segue a agenda de reabilitar as periferias para a história das ciências e da tecnologia, na linha de Gavroglu et al.3 Alerta-se, todavia, que “não se trata de revelar Edisons, Plancks ou Einsteins alfacinhas, mas sim de demonstrar que Vitorino Damásio, Câmara Pestana, Marck Athias ou Francisco Gentil são figuras importantes para compreendermos cada um dos períodos referidos”. Contudo, semelhante perspetiva não deve escamotear o atraso de fundo (estrutural) que caracterizava a sociedade (e a economia) portuguesa, tão soberbamente apreendida pela nossa literatura finissecular, e amplamente debatida (e compreendida) pela literatura académica portuguesa. Como os próprios organizadores o referem, avisadamente, “a ciência produzida em Lisboa não atingiu os padrões estabelecidos em Berlim, Paris, Cambridge ou Boston, centros do sistema científico mundial” (p. 29), do que de resto se depreende de vários casos que nos são apresentados pelos autores em seus capítulos – exemplo da astronomia praticada no Observatório da Ajuda (p. 94), ou das limitações de toda a ordem com que os Serviços Geológicos laboraram, comprometendo as suas possibilidades posteriores (p. 126 ss.). Esta perspetiva de reabilitação do que da ciência mesmo assim se fez em Portugal oferece, contudo, uma tautologia que é resolvida de forma diferente pelos autores desta obra coletiva. Subsiste assim, pode dizer-se, uma tensão entre a ciência enquanto ideologia e a ciência enquanto prática (ex. p. 29), o que, pôde reconhecer-se desta leitura, se entende melhor nalguns capítulos do que noutros.

4Um aspeto que pontua como sendo marcante da historiografia da ciência (e da portuguesa em particular) é a tónica nos atores, em individualidades. Abre bem o livro com citação de Augusto P. Celestino da Costa e do seu escrito “Lisboa, Capital de Portugal” (1942), personalidade que vem sendo trabalhada pela historiografia nos últimos anos. Em todos os capítulos é sublinhado o papel de determinadas personalidades – Luís de Almeida Albuquerque (1819-1906) na cadeira de Economia Política da Escola Politécnica; Filipe Folque (1800-1874), Campos Rodrigues (1836-1919), Frederico Augusto Oom (1830-1890) e Frederico Thomaz Oom (1864-1930) e o Real Observatório Astronómico de Lisboa; Carlos Ribeiro (1813-1882), Nery Delgado (1835-1888) e os Serviços Geológicos da capital; J. Vitorino Damásio (1807-1875), Fonseca Benavides (1836-1911), Oliveira Marreca (1805-1889) e o Instituto Industrial de Lisboa; Miguel Bombarda (1851-1910), Luís da Câmara Pestana (1863-1899) e o ideário da chamada “geração médica de 1911”; Ferreira de Mira (1875-1953), Simões Raposo (1898-1934) e o Instituto Rocha Cabral; António Cabreira (1868-1953) e Alexandre Ferreira (1877-1950), dentre outros que protagonizaram as instituições lisboetas de formação superior para adultos; Ezequiel de Campos (1874-1965) e as continuidades com as políticas “engenheiristas” do Estado Novo, pontuando-se nesse caso Manuel Rocha (1913-1981), o modelo barragista e o célebre LNEC – Laboratório Nacional de Engenharia Civil; a construção fundacional do Pavilhão do Rádio do Instituto Português do Cancro e as personalidades de Francisco Gentil (1878-1964) e Francisco Bénard Guedes (1887-1965); e, por fim, homens do regime como Frederico Ulrich (1905-1982) e Francisco de Paula Leite Pinto (1902-2000) e a criação e (in)evolução do Laboratório de Física e Engenharia Nucleares (LFEN) da Junta de Energia Nuclear, já no segundo pós-guerra.

5Igualmente, em diversos capítulos, se procura mostrar que foram os engenheiros e médicos os principais “responsáveis por se fazer e falar de ciência em Lisboa” (p. 28), no que se pode facilmente anuir, pelo menos até aos anos 1950. Embora sendo esse espaço político disputado pelos bacharéis em Direito e sendo notado por alguns autores que a “era dos engenheiros” será sobreposta pela “era dos economistas”, já desde a transição para a década de 1960. De qualquer forma, embora não seja propriamente uma novidade e originalidade deste livro, é fato que “os engenheiros desempenharam [papel importante] na modernização da burocracia estatal, na transformação física do território e na construção de um imaginário coletivo” (p. 32) – surgindo inclusive como articuladores privilegiados com os setores da alta finança (bem explorado por Marta Macedo, p. 70 ss.). Todos os capítulos propõem-se então seguir as práticas concretas de cientistas-engenheiros/engenheiros-burocratas e cientistas-médicos, e o seu papel na transformação física e cultural de Lisboa, compreendendo o seu papel na “construção dos imaginários políticos dos regimes liberais, republicano e fascista” (p. 32-33).

6A introdução, por seu lado, ensaia uma revisão de literatura relativamente ao campo da história da ciência em Portugal. Prezando a alegada “maturidade” da disciplina de história da ciência e da tecnologia em Portugal (p. 32), com certa razão se defende que “a construção do Portugal contemporâneo” deve também ser narrada prestando “a devida atenção ao trabalho de um conjunto vasto de peritos”, isto é, a historiografia política e económica contemporânea deve sem dúvida olhar com maior atenção os contributos da história da ciência. A máxima contrária, contudo, deve também ser tida em consideração, nomeadamente quanto aos historiadores e cientistas que contam as suas estórias sem considerar a história (política, social, económica e cultural) do Portugal contemporâneo.

  • 4 Ver, entre outros, J. P. S. Dias, “O Instituto Bacteriológico: espaço, instrumentos e memória da me (...)
  • 5 T. Brandão, A Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (1967-1974). Organização da c (...)

7Não obstante – e sem prejuízo deste tipo de reflexão de conjunto quanto ao campo da história da ciência em Portugal ser de facto necessário, nisso louve-se a coragem dos organizadores –, o que aqui é ensaiado em termos de revisão de literatura anuncia algumas distorções. Ainda que, certamente, involuntárias e possivelmente reflitam as naturais segmentações de grupos de investigação que vêm contribuindo, nos últimos anos, para o avanço da historiografia das ciências. Destoa um pouco, todavia, e nalguns capítulos mais do que noutros, a insuficiente leitura de contributos já publicados por outras escolas historiográficas. Mormente no que respeita à literatura disponível sobre a temática da construção histórica das políticas científicas em Portugal, que vem descrevendo e caracterizando as trajetórias institucionais que moldam o “sistema científico” português, incluindo algumas instituições que neste volume se abordam (ex. Escola Politécnica e Escola do Exército, Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, Universidade Popular, Junta de Educação Nacional, etc.), que vinham sendo já anteriormente objeto de estudo.4 No que toca à história das políticas científicas em concreto, o primeiro contributo desta linha surgiu em 2008 e, depois, em 2011, não sendo ambos mencionados,5 seguindo-se então outros mais recentes, a maioria também não considerados, e sobretudo muito limitadamente reconhecidos quanto ao alcance das suas proposições.

8A par da lógica narrativa dos espaços e das práticas, o pavio político-institucional é, ainda assim, adotado como fio condutor, estruturante, desta obra coletiva. Os dez capítulos surgem-nos de facto organizados em função de diversas instituições – Escola Politécnica, Observatório Astronómico da Ajuda, Serviços Geológicos, Instituto Câmara Pestana, Instituto Rocha Cabral, Universidade Popular, LNEC, IPO e LFEN –, compreendendo um balizamento cronológico que decorre de meados do século XIX a meados do século XX. A estrutura do livro segue ainda uma divisão convencional de três períodos, e três regimes políticos – Regeneração, República e Estado Novo. Ainda que se declare pouca convicção na divisão adotada, declara-se o intuito de “facilitar o diálogo entre história da ciência e tecnologia e demais historiografias” (p. 34). Tem o condão, de facto, de tentar mostrar “relações de continuidade e rutura entre programas científicos e políticos” (p. 39) e sobretudo logra revelar-nos como “cientistas”, engenheiros e médicos participaram dos sucessivos projetos políticos que marcaram a nossa história contemporânea – Liberalismo, República e Estado Novo.

9Em suma, não se trata, de facto, de uma obra que procure estabelecer pontes com outras escolas historiográficas, no que é efetivamente uma obra produzida em circuito fechado – embora, em boa verdade, também não seja a única obra neste estilo que a historiografia da ciência em Portugal tem dado à luz. De qualquer forma, estamos sem dúvida perante uma obra de referência, tanto pela originalidade e leitura agradável que proporciona, inclusive ao próprio leitor leigo, com diversas curiosidades, trechos de individualidades protagonistas e imprensa da época. Ao mesmo tempo, pelos contributos em si, que incluem inúmeras notas de rodapé e permitem aos nossos estudiosos da história contemporânea aprofundar diversos aspetos – sociológicos, político-institucionais e político-ideológicos de nossas trajetórias científicas e tecnológicas, fundamentais para compreender a formação (em pleno sentido histórico) do nosso “sistema” científico.

Topo da página

Notas

1 D. N. Livingstone, Putting Science in its Place: Geographies of Scientific Knowledge. Chicago: University of Chicago Press, 2003.

2 A. L. Janeira, Sistemas Epistémicos e Ciências: Do Noviciado da Cotovia à Faculdade de Ciências de Lisboa. Lisboa: INCM, 1987; A. Lafuente, T. Saraiva, “The urban scale of science and the enlarge ment of Madrid (1851-1936)”, Social Studies of Science, 34 (4), 2004, pp. 531-569; T. Saraiva, Ciencia y Ciudad: Madrid y Lisboa. Madrid: Ayuntamiento de Madrid, 2005. Dentre outros devidamente reconhecidos nas detalhadas notas do livro.

3 K. Gavroglu, M. Patiniotis, A. Carneiro, M. P. Diogo, A. Simões, F. Papanelopoulou, J. R. B. Sánchez, A. G. Belmar, A. Nieto-Galan, “Science and Technology in the European Periphery: Some Historiographical Reflections”, History of Science, XLVI (2), 2008, pp. 1-23.

4 Ver, entre outros, J. P. S. Dias, “O Instituto Bacteriológico: espaço, instrumentos e memória da medicina laboratorial”, in M. C. Lourenço, M. J. Neto (coord), Património da Universidade de Lisboa. Ciência e Arte. Lisboa: Tinta-da-china, 2011, pp. 139-154; L. M. Carolino, “The making of an academic tradition: the foundation of the Lisbon Polytechnic School and the development of higher technical education in Portugal (1779-1837)”, Paedagogica Historica: International Journal of the History of Education, 48 (3), 2012, pp. 391-410; A. Salgueiro, Ciência e Universidade na I República. Lisboa: Caleidoscópio, 2018.

5 T. Brandão, A Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (1967-1974). Organização da ciência e política científica em Portugal. Lisboa: NOVA-FCSH, 2008 (Dissertação de Mestrado); M. F. Rollo, M. I. Queiroz, T. Brandão, “Pensar e Mandar fazer Ciência. Princípios e pressupostos da criação da Junta de Educação Nacional na génese da política de organização científica do Estado Novo”, Ler História, 61, 2011, pp. 105-145.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Tiago Brandão, «Tiago Saraiva, Marta Macedo (org), Capital Científica: Práticas da Ciência em Lisboa e a História Contemporânea de Portugal. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2019, 410 pp. ISBN 978-972-671-540-5»Ler História, 76 | 2020, 226-230.

Referência eletrónica

Tiago Brandão, «Tiago Saraiva, Marta Macedo (org), Capital Científica: Práticas da Ciência em Lisboa e a História Contemporânea de Portugal. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2019, 410 pp. ISBN 978-972-671-540-5»Ler História [Online], 76 | 2020, posto online no dia 30 junho 2020, consultado no dia 08 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/7041; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.7041

Topo da página

Autor

Tiago Brandão

Instituto de História Contemporânea, NOVA-FCSH, Portugal

tiagobrandao@fcsh.unl.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search