Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros77EditorialEditorial

Editorial

Editorial

José Vicente Serrão

Texto integral

1Jogo, casinos, comércio marítimo, sindicalismo, literatura política seiscentista, administração colonial, heráldica régia, imprensa, guerra civil de Espanha, partidos políticos, descolonização e história oral – eis, em jeito de palavras-chave, os temas fortes que dão conteúdo a este número. Portugal, Espanha, o Mediterrâneo, a Ásia e o Pacífico constituem a geografia dos seus interesses. Em termos cronológicos, sai desta vez privilegiado o século XX e a época contemporânea. Aliás, tanto a história contemporânea como a história moderna têm-se vindo a consolidar, ao longo dos anos, como as épocas preferenciais dos autores que apostam na Ler História como espaço de publicação dos seus trabalhos. No entanto, como revista generalista de história que é, a Ler História está plenamente receptiva a artigos com outros enfoques cronológicos, nomeadamente a época medieval. Sinal disso mesmo – e cumpre pô-lo em relevo – é o facto de este volume abrir com dois artigos nos quais a Idade Média surge em lugar de destaque. No primeiro deles, Ana Clarinda Cardoso oferece um conjunto de dados novos sobre o comércio e a navegação entre Portugal e o Mediterrâneo no século XV, que permitem discutir, além do mais, como é que essas rotas competiam, ou se articulavam, com as novas oportunidades abertas pela expansão atlântica. O segundo artigo, não sendo estritamente medievalista, já que a sua cronologia se estende até ao final da monarquia em 1910, tem nesse período o essencial do seu desenvolvimento e da explicação que o autor dá para a forma peculiar da assinatura régia portuguesa, que incluía no seu desenho a cruz quinada de cinco pontos.

2O século XVII foi, por toda a Europa, uma época especialmente fértil de discussão política, quer quanto aos fundamentos e aos modelos de governo, quer quanto às relações entre estados e outras formas de soberania. No caso português, a Restauração de 1640 constituiu, tanto por razões de ordem interna como externa, o enquadramento “perfeito” para a proliferação de uma literatura política. É desse tema que se ocupam José María Iñurritegui e David Martín Marcos. É também de história política que trata um outro artigo deste número, assinado por Manuel Baiôa, se bem que o contexto histórico e o enfoque temático sejam bastante diferentes. Neste caso, trata-se de um estudo especificamente dedicado a um partido – o Partido Republicano Nacionalista – que representava a ala direita e conservadora do republicanismo português nos anos 20 e 30 do século XX, e que aqui é analisado quanto ao seu financiamento, imprensa própria e centros políticos. Com o advento do Estado Novo, o PRN extinguir-se-ia em 1935. No ano seguinte começava em Espanha a guerra civil. E são os relatos dessa guerra nos principais títulos da imprensa portuguesa da época que Clara Sanz analisa no seu artigo, para concluir que, ora por opção própria de jornalistas e editores ora por acção dos serviços de censura, essas crónicas de guerra acabaram por ser incorporadas pela máquina de propaganda do regime de Salazar contra as forças republicanas espanholas e em favor do projecto franquista. O último artigo, assinado por Zélia Pereira, transporta-nos para Timor e para a complexa situação política que ali se viveu nos meses que se seguiram à revolução de Abril de 1974 em Portugal. É mais um contributo para a história da descolonização.

3Também merece destaque neste número um par de artigos que têm em comum o jogo, ou melhor, o universo do jogo, ainda que o abordem sob perspectivas bastante distintas. No primeiro caso, Célia Reis analisa o licenciamento e a exploração do jogo em Macau, na viragem do século XIX para o XX, à luz das questões de administração e de política colonial. No caso do artigo de João Gomes, é o jogo na perspectiva dos seus trabalhadores e das características específicas do sindicalismo neste sector. Para além dos artigos, propriamente ditos, a presente edição conta ainda com a habitual secção de recensões e com uma importante entrevista que dá voz ao Professor Paul Thompson, historiador britânico reconhecido como uma das principais referências da história oral – um método de pesquisa e, muitas vezes, uma forma de narrativa histórica cuja essência se resume, nas palavras do entrevistado, a saber ouvir.

4Com este número 77 fechamos o ano de 2020. Num pequeno balanço anual, registe-se que publicámos 18 artigos e 9 recensões, assinados por 33 autores e apreciados por 47 avaliadores externos. A todos, o nosso agradecimento pela colaboração. Mais difícil é avaliar a visibilidade e o impacto do conhecimento que publicamos no mundo académico e na sociedade, mas pode-se apontar as cerca de 340 mil visitas registadas no site da Ler História nos primeiros 11 meses do ano (um aumento de 44% em relação ao ano anterior). São números que valem o que valem e que podem ser interpretados de várias maneiras, mas que, em qualquer caso, traduzem a vitalidade da revista, em contraste com o ambiente pesado e dramático provocado pela calamidade epidémica, económica e social que assola o mundo, e que todos esperamos que passe depressa.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, «Editorial»Ler História [Online], 77 | 2020, posto online no dia 05 janeiro 2021, consultado no dia 25 janeiro 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/7748; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.7748

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Director

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search