Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXIV(2)Les chroniquesComptes rendusOlivier Dabène, Exclusion et poli...

Les chroniques
Comptes rendus

Olivier Dabène, Exclusion et politique à São Paulo. Les outsiders de la démocratie au Brésil

Paris, Karthala, 2006, 248 p.
Marcelo de Almeida Medeiros
p. 200-203
Référence(s) :

Olivier Dabène, Exclusion et politique à São Paulo. Les outsiders de la démocratie au Brésil, Paris, Karthala, 2006, 248 p., ISBN : 2-84586-739-5.

Texte intégral

  • 1  Joseph A. Schumpeter, Capitalism, Socialism and Democracy, Nova Iorque, Harper Perennial, 1975.
  • 2  Robert A. Dahl, Polyarchy, New Haven, Yale University Press, 1971.
  • 3  Adam Przeworski, Capitalism and Social Democracy, Cambridge (RU), Cambridge University Press, 1985 (...)

1Faz mais ou menos um quarto de século que a democracia volta a caracterizar o xadrez político brasileiro. Pelo menos aquela democracia em sua versão minimalista, definida sucessivamente, e com algumas variantes, por Schumpeter1, Dahl2 ou Przeworski3, entre outros. Essa democracia, todavia, não tem demonstrado capacidade de superar os entraves do subdesenvolvimento, o Brasil ainda se constituindo num país de desigualdades profundas.

2Em Exclusion et politique…, Olivier Dabène propõe uma reflexão político-sociológica do Estado brasileiro no seu conjunto, partindo do estudo de caso da cidade de São Paulo. Na verdade, trata-se de um exercício comparativo onde o autor procura um equilíbrio entre o empírico, a generalização e a volta enriquecedora às categorias de análise. Ele privilegia não apenas a dimensão representativa da democracia, mas também sua vertente participativa, valendo-se do que Sartori chama de demo distribution, ou seja : who gets what num regime político. Busca-se, assim, apreciar a articulação politics/policy a fim de escrutar o quão os atores sociais, políticos e econômicos se encontram mobilizados e inseridos na vida pública.

3O texto encontra-se articulado em três eixos solidários : a cartografia urbana da exclusão, a expressão da violência e as políticas de inclusão. Eixos esses que se mostram imbricados através da problemática transversal da democracia, conceito recorrente ao longo da análise.

  • 4  Gilberto Freyre, Maître et Esclaves, Paris, Gallimard, 1997.
  • 5  Sérgio Buarque Hollanda, Raízes do Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

4O primeiro desses eixos examina a questão da exclusão racial no Brasil, re-visitando Freyre4 e Hollanda5, fornecendo rica informação e interpretação de dados. Em seguida, ele avalia o processo de conquista de espaços públicos, assinalando a luta desigual entre os atores sociais e os problemas de apropriação dela decorrentes. Por fim, essa primeira parte avalia o espectro de ação da política urbana na cidade de São Paulo, mais particularmente durante o governo petista de Marta Suplicy, além de apresentar seis mapas esclarecedores sobre o quesito exclusão.

  • 6  François Dubet, « À propos de la violence et des jeunes », Cultures & Conflits (Paris, L’Harmattan (...)
  • 7  « Le retour à la démocratie au Brésil dans la deuxième moitié dês années 1980 s’est accompagné d’u (...)
  • 8  Sérgio Adorno, « Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo », Novos Estudos do Cebrap ( (...)
  • 9  Antônio Sérgio Alfredo Guimarães, « Racismo e anti-racismo no Brasil », Novos Estudos do Cebrap (S (...)
  • 10  Michael Herschmann, O funk e o hip hop invadem a cena, Rio de Janeiro, Editora da UFRJ, 2000.
  • 11  Cf. figura 4 na página 99.
  • 12  Roberto Damatta, Carnavais, malandros e heróis, Rio de Janeiro, Zahar, 1979.
  • 13  Sérgio Buarque Hollanda, op. cit.
  • 14  Jean Leca, « Individualisme et citoyenneté «, in P. Birnbaum & J. Leca, (eds), Sur l’individualism (...)
  • 15 Ibid : 115.

5O segundo eixo parte de um pressuposto construtivista de exclusão6 e constata que a volta à democracia no Brasil é acompanhada por um « súbito e brutal aumento da violência física »7. Apoiado em estudos de Adorno8, Guimarães9 e Herschmann10, Dabène quantifica para, em seguida, qualificar cronologicamente a violência, mais especificamente sua percepção, durante os diferentes momentos políticos brasileiros11. Ele sublinha que a impunidade age como vetor propulsor da violência, apontando como exemplos as ações do PCC e os famosos arrastões, salientando que a visão idílica do malandro12 ou do homem cordial13 é condição necessária, mas não mais suficiente para a compreensão da violência no Brasil e São Paulo contemporâneos. Subseqüentemente, o autor busca uma relação entre a violência e o exercício da cidadania através do conceito de citoyenneté pour soi forjado por Jean Leca14, ancorado nas noções de inteligibilidade, empatia e civilidade. Finalmente, a partir do distrito de Capão Redondo, ele aponta que a resistência contra a violência é forjada através de uma estratégia de consolidação de identidades, um projeto de afirmação e de defesa vigorosa de valores : « la violence est couchée sur le papier, rappée sur scène ou graffée sur les murs, pour exprimer une intense frustration et rompre avec l’image largement répandue d’une jeunesse viloente des périphéries »15.

  • 16  Anthony Oberschall, Social conflict and social movements, Englewood Cliffs (NJ), Prentice Hall, 19 (...)
  • 17  Charles Tilly, From mobilization to revolution, Addison-Wesley, Reading, 1978.
  • 18  « Auxílio gratuito que prestam uns aos outros os membros de uma determinada comunidade, reunindo-s (...)

6O terceiro eixo, consagra-se, num primeiro momento, ao fenômeno hip-hop. Aprecia-se então, revisitando Oberschall16 e Tilly17, a conexão entre música e mobilização social, apontando as « posses » como vetor de ação coletiva e de criação de lócus de sociabilidade. Na verdade essas « posses » são compreendidas como entes coletivos que se manifestam através de um leque de atividades artísticas ; elas recuperam a idéia de mutirão18, fomentam a conscientização sobre temas como drogas, sexo e violência, e nutrem contatos com partidos políticos e outros movimentos sociais. Logo após, é abordado o tema das políticas públicas para a juventude, apontando-se o Partido dos Trabalhadores como o precursor de tais políticas e sublinhando-se o caráter essencialmente repressivo da ação governamental : prefere-se a punição à prevenção. Distingui-se nesse caso, de modo restrito as administrações petistas, ações de educação e integração da juventude ao mundo do trabalho. Por fim, Dabène propõe uma reflexão sobre as práticas participativas, fazendo um apanhado histórico sobre a participação popular no Brasil. Ele analisa a prática do orçamento participativo e estuda o voluntariado como mise en scène da participação.

7Exclusion et politique… contribui, sem dúvida, para a compreensão do Brasil contemporâneo. A riqueza de dados e a consistência da imbricação teoria/empirismo fornece ao leitor densa reflexão. Mesmo se, em alguns momentos, o texto se mostre por demais calcado nas experiências petistas de Marta Suplicy e Luíza Erundina, carecendo, por vezes, de largura comparativa, ou seja, de análise da problemática proposta no seio de outras experiências partidárias na administração municipal de São Paulo.

6 de outubro de 2006

Haut de page

Notes

1  Joseph A. Schumpeter, Capitalism, Socialism and Democracy, Nova Iorque, Harper Perennial, 1975.

2  Robert A. Dahl, Polyarchy, New Haven, Yale University Press, 1971.

3  Adam Przeworski, Capitalism and Social Democracy, Cambridge (RU), Cambridge University Press, 1985 (« Studies in Marxism and Social Theory »).

4  Gilberto Freyre, Maître et Esclaves, Paris, Gallimard, 1997.

5  Sérgio Buarque Hollanda, Raízes do Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

6  François Dubet, « À propos de la violence et des jeunes », Cultures & Conflits (Paris, L’Harmattan), 6, 1993.

7  « Le retour à la démocratie au Brésil dans la deuxième moitié dês années 1980 s’est accompagné d’une soudaine et brutale augmentation de la violence physique » (página 91).

8  Sérgio Adorno, « Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo », Novos Estudos do Cebrap (São Paulo), 43, 1995.

9  Antônio Sérgio Alfredo Guimarães, « Racismo e anti-racismo no Brasil », Novos Estudos do Cebrap (São Paulo), 43, 1995.

10  Michael Herschmann, O funk e o hip hop invadem a cena, Rio de Janeiro, Editora da UFRJ, 2000.

11  Cf. figura 4 na página 99.

12  Roberto Damatta, Carnavais, malandros e heróis, Rio de Janeiro, Zahar, 1979.

13  Sérgio Buarque Hollanda, op. cit.

14  Jean Leca, « Individualisme et citoyenneté «, in P. Birnbaum & J. Leca, (eds), Sur l’individualisme, Paris, Presses de la FNSP, 1986.

15 Ibid : 115.

16  Anthony Oberschall, Social conflict and social movements, Englewood Cliffs (NJ), Prentice Hall, 1973.

17  Charles Tilly, From mobilization to revolution, Addison-Wesley, Reading, 1978.

18  « Auxílio gratuito que prestam uns aos outros os membros de uma determinada comunidade, reunindo-se todos em proveito ou de um de seus membros, ou de todos, como no caso, p. ex., da implementação de obra(s) de infra-estrutura. », cf. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, versão magnética.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Marcelo de Almeida Medeiros, « Olivier Dabène, Exclusion et politique à São Paulo. Les outsiders de la démocratie au Brésil »Lusotopie, XIV(2) | 2007, 200-203.

Référence électronique

Marcelo de Almeida Medeiros, « Olivier Dabène, Exclusion et politique à São Paulo. Les outsiders de la démocratie au Brésil »Lusotopie [En ligne], XIV(2) | 2007, mis en ligne le 25 mars 2016, consulté le 16 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/1011

Haut de page

Droits d’auteur

Lusotopie

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search