Navigation – Plan du site
Dossier : Islam en lusophonies
Après les Croisades… Voyageurs musulmans et rencontres culturelles transnationales avant la lettre

Um relato do século xix acerca dos muçulmanos no Brasil

Descrição, práticas e impressões
Report from the 19th century on Muslims in Brazil. Description, practices and impressions
Un rapport du xixe siècle sur les musulmans du Brésil. Description, pratiques et impressions
Paulo Daniel Farah
p. 115-126

Résumés

Dans la seconde moitié du xixe siècle, un imam irakien s’est retrouvé au Brésil, son navire battant pavillon de l'Empire Ottoman ayant dérivé, suite à des tempêtes inattendues. Il est resté dans le pays entre deux ans et demi et trois ans à partir de juin 1866 dans l'intention d’« améliorer » les pratiques religieuses des musulmans d'origine africaine qui vivaient à Rio de Janeiro, Bahia et Pernambouc. Dans l’ouvrage issu de cette expérience, il décrit comment les Musulmans du Brésil priaient, célébraient le Ramadan, se réunissaient et récitaient le Coran. Pendant ses cours, il s'est consacré à leur expliquer minutieusement les piliers (arkán) de l'islam et la conduite qu’il considérait adéquate au respect de ces piliers.

Haut de page

Texte intégral

1O relato Brésil – de um imã iraquiano que viajou ao Brasil em um navio do Império Otomano na segunda metade do século xix vem ajudando a trazer à luz a situação dos muçulmanos que viviam no país à época e deve contribuir para o aprofundamento das análises comparativas diacrônicas e dos estudos concernentes ao papel dos imãs nas comunidades diaspóricas e à função da ortodoxia religiosa nos processos de ensinamento doutrinal e ritual.

  • 1  ‘Abdurrahman al-Baghdádi emprega o calendário islâmico, que é lunar e se inicia com a hégira, a mi (...)
  • 2  A. Al-Baghdádi, Deleite do prodigioso em tudo o que é maravilhoso, São Paulo, Cálamo, 2005 : 9 (tr (...)

2‘Abdurrahman al-Baghdádi permaneceu no Brasil de dois anos e meio a três anos, a partir de junho de 18661, com o intuito de « apaziguar o coração dos muçulmanos com a verdade »2. O relato autobiográfico que descreve essa experiência ajuda a compreender o processo por meio do qual as autoridades religiosas (neste caso, Al-Baghdádi) tentam promover uma mediação entre o Islã e a realidade cultural africana ou brasileira – embora o imã iraquiano a princípio conhecesse pouco a história e as sociedades das cidades brasileiras onde morou e das localidades originais dos africanos escravizados, o que dificultou a orientação a que se propôs.

  • 3  A partir da segunda metade do século xix, a imigração árabe era majoritariamente cristã ; a imigra (...)

3Este artigo pretende auxiliar a formação de um campo de pesquisa acerca do Islã e das comunidades muçulmanas diaspóricas no Brasil, especialmente da comunidade africana e da sua relação com a cultura árabe. Se é verdade que escasseiam os estudos sobre o Islã no Brasil, a situação se agrava quando se fala em muçulmanos africanos que vivem no país. O relato de Al-Baghdádi pode abrir caminho para análises que focalizem esse grupo e que busquem compreender o porquê da ausência ou fragilidade de representatividade dos africanos em instituições muçulmanas no Brasil na atualidade. Ademais, fornece elementos para estudar a presença histórica de muçulmanos no país desde pelo menos o século xix, seguido pelo fluxo de imigração de árabes muçulmanos no período pós-Segunda Guerra Mundial3, até as conversões de brasileiros.

  • 4  Sabe-se que a diáspora produziu uma rede de identidades que sustentam fenômenos sociais de caráter (...)

4Em termos contemporâneos, o estudo de diásporas e de culturas e sistemas religiosos transnacionais (caso do Islã)4 tem ganhado relevância nas ciências sociais dada a demanda de quadros explicativos para os fenômenos constitutivos do mundo contemporâneo que se organizam em quadros de referências globalizadas em termos políticos, econômicos, culturais e religiosos.

  • 5  J.W. anderson, « The Internet and Islam’s New Interpreters », in J.W. Anderson & D. Eickelman (eds (...)
  • 6  D. Eickelman, Knowledge and Power in Morocco : The Education of a Twentieth-Century Notable, Princ (...)
  • 7  P. Gaffney, The Profet’s Pulpit : Islamic Preaching in Contemporary Egypt, Berkeley, University of (...)

5Este artigo permitirá realizar uma comparação entre uma época em que muçulmanos com formação religiosa tradicional dominavam os processos educacionais e os tempos atuais marcados pelas novas tecnologias de comunicação e pela expansão da Internet (apesar do abismo digital), que promoveram uma participação mais ampla não apenas de especialistas mas também de leigos no debate e nos questionamentos que dizem respeito ao Islã. Esse estudo diacrônico, que deve incluir as comunidades muçulmanas diaspóricas, pode se apoiar em autores como Jon Anderson5, Dale Eickelman6 e Patrick Gaffney7, entre outros.

6A experiência descrita pelo imã também deve servir para análises sobre os processos de construção das identidades religiosas nas comunidades muçulmanas brasileiras e africanas e sobre as conexões entre etnicidade árabe e identidade muçulmana. Pode-se ainda estudar como as práticas disciplinares ajudam a modelar as condutas dos adeptos de religiões monoteístas através de mecanismos de reprimendas, punições e recompensas.

7No relato, Al-Baghdádi conta o que aconteceu quando desceu ao porto para conhecer a cidade do Rio de Janeiro e como se deparou com muçulmanos de origem africana, que logo buscariam « aprimorar » suas práticas religiosas com ele :

  • 8  « Que a paz esteja contigo ! », cumprimento tradicional entre os muçulmanos, ao qual em geral se r (...)
  • 9  A. al-Baghdádi, op. cit. : 9.

« Os oficiais de nossas forças militares islâmicas saíram para inspecionar essa magnífica cidade, e eu também fiz o mesmo. Quando me dirigi ao porto e contemplava as imagens e as feições, um negro veio a mim e disse assalamu ‘alaykum8. Ele reservou sua saudação a mim apenas e não para as demais pessoas, pois minha roupa integrava um turbante e um traje formal e ainda evidenciava o aspecto de um sábio. Como o traje dele era o de um europeu, não correspondi ao seu cumprimento, pois acreditava que ele o tinha aprendido apenas por escárnio. »9

8Al-Baghdádi ainda tentou conversar com o desconhecido em língua árabe e turca, mas o único idioma que compreendia era o português :

  • 10  Ibid.

« Dirigi-me a ele em árabe e em turco, mas ele não entendia minhas palavras, tampouco meus gestos ; só falava a língua portuguesa. Então eu prossegui e não o observei mais porque estava convencido de que ele não passava de um zombador. »10

  • 11 J.-F de Raymond (ed.), Arthur de Gobineau et le Brésil : correspondance diplomatique du Ministre de (...)

9Com efeito, na segunda metade do século xix, reduzia-se significativamente o número de muçulmanos no Brasil que conheciam o árabe – e o nível de conhecimento dessa língua semítica geralmente era reduzido – embora a polícia continuasse a confiscar, sobretudo na Bahia, manuscritos e livros nesse idioma que freqüentemente consistiam em trechos do Alcorão. Em 1869, portanto três anos após a chegada de Al-Baghdádi ao Rio de Janeiro, o conde Joseph Arthur de Gobineau, representante diplomático da França no Brasil, escreveu que os franceses Fauchon e Dupont, em sua livraria na então capital brasileira, vendiam anualmente a escravos e ex-escravos cerca de cem exemplares do Alcorão, além de gramáticas árabes com explicações em francês11.

  • 12  A. al-BAGHDÁDI, op. cit. : 22.

10Em seu relato, o imã iraquiano revela que encontrou um Alcorão impresso na França em uma livraria carioca e encomendou diversos exemplares para que os muçulmanos pudessem se informar e para que a « censura e a repressão se reduzissem »12.

11À época, ainda que muitos muçulmanos já não pudessem ler o árabe, alguns conseguiam recitar o Alcorão com forte sotaque, de acordo com Al-Baghdádi, que relata ainda que o livro sagrado que possuíam era pouco utilizado para a leitura e visto por parte da comunidade mais como uma espécie de talismã.

12Havia grande semelhança entre os amuletos utilizados no Brasil, em especial na Bahia, e aqueles presentes na África. Com freqüência, escreviam-se trechos corânicos em árabe magrebino ; era nítido o fascínio que a escrita exercia sobre os africanos vindos de sociedades marcadas pela oralidade.

A comunicação com os muçulmanos

13Muitas pessoas no Rio de Janeiro se dirigiram ao navio para observar os recém-chegados. Entre essas pessoas, havia alguns muçulmanos que tentavam se comunicar com os otomanos :

  • 13  Al-Baghdádi translitera em árabe a primeira pessoa do pronome pessoal do caso reto da língua portu (...)
  • 14  A ablução era feita de forma incorreta segundo Al-Baghdádi, e ele também ensinou aos muçulmanos co (...)
  • 15  A. al-Baghdádi, op. cit. : 10.

« Povos incontáveis observavam nosso navio e nesse grupo havia alguns negros. Ao entrar, cada um deles nos saudava (com o assalamu ‘alaykum) e dizia : "Eu13 muçulmano". Mas nenhum de nossos oficiais compreendeu o que eles disseram porque não havia ninguém que entendesse português. [Os oficiais] conheciam o francês e o inglês e se dirigiram aos negros nos dois idiomas, mas eles não entenderam o que lhes foi dito. Permaneceram um pouco mais e foram embora. Logo depois que o número de espectadores diminuiu, veio a nós um grupo venerável desses negros, falou palavras semelhantes às dos primeiros e ficou conosco até a tarde. Então nós fomos realizar um dos deveres que Deus nos incumbiu ; todos se levantaram conosco, fizeram a ablução14 e oraram como nós. Dessa forma, nós reconhecemos que eles eram mulçumanos e que acreditavam na unidade do Criador do ser existente. A surpresa tomou conta de nós e nos mexemos ao som do ritmo e lhe mostramos nossa generosidade e plena atenção. À noite, usaram gestos – como se fossem mudos – para pedir permissão para ir embora, com muitas demonstrações de agradecimento. »15

14A comunicação se tornou mais fácil com o auxílio de um intérprete, um tangerino judeu que falava árabe e português. Al-Baghdádi aproveitou para se informar sobre aquela população de origem africana e vislumbrou uma forma de mudar os hábitos daqueles muçulmanos a fim de que se amoldassem à prática do Islã que o imã iraquiano considerava adequada :

  • 16  Por tirar o chapéu, descobrir a cabeça, ato considerado respeitoso em algumas religiões, e em dive (...)
  • 17  A. al-Baghdádi, op. cit. : 11.

« Mais tarde veio uma grande quantidade deles, acompanhados por um tradutor que falava árabe e português. Alegrei-me porque meus pensamentos se voltaram para a compreensão de suas verdades e para o que se escondia no íntimo de cada um. Eles se dirigiram à ante-sala da minha cabine, educadamente, mas tinham a cabeça descoberta. Então eu disse para o tradutor mencionado : "Ordene-lhes que cubram a cabeça, pois na nossa religião não se gratifica por isso"16. Isso foi feito depois que eu sorri para eles e lhes ofereci o respeito conveniente. »17

15O imã perguntou ao intérprete sobre os africanos escravizados levados ao continente americano, ao que ele lhe disse que

  • 18  O imã utiliza a forma dual em árabe e grafa a palavra (Amríqa) com qáf.
  • 19  A. al-Baghdádi, op. cit. : 12.

« esses grupos cresceram nos países das duas Américas18 até que atingiram um número maior que 50 milhões. Por causa deles eclodiu a guerra entre os Estados da América do Norte e do Sul. A trégua foi firmada através de uma série de condições importantes, entre elas a de que esses negros não poderiam mais ser vendidos e que a liberdade deveria ser concedida em breve […] Faz vinte anos que há negros livres no Brasil porque alguns compraram sua própria liberdade e livraram sua vida das grades da escravidão »19.

  • 20  Ibid.

16Segundo o relato, « depoisq ue todos conseguiram a liberdade por direito, lembraram-se da religião que tinha sido recebida de seus ancestrais, à qual eles se voltaram após a libertação, e todos os que tinham algum tipo de religião confiaram nela »20.

  • 21  Pequenas bolsas de couro que contêm versículos corânicos e são utilizadas como amuletos.

17O relato de Al-Baghdádi tem o mérito de ser redigido por alguém que conhece o Islã – ainda que considere apenas sua vertente praticada em parte do Machreq como a única aceitável. Assim, condenavam-se, por exemplo, a utilização de grigris21 e de tabuinhas de escrever com versículos que se lavavam para que a água fosse bebida em seguida, a geomancia, os quadrados mágicos e a adivinhação praticada por alguns muçulmanos no Brasil de modo similar àquele na África.

  • 22  O início do século xix foi marcado por uma expansão do islã na África do Oeste e por conflitos pol (...)

18Assim como no continente do qual foram levadas as pessoas escravizadas para a América, no Brasil vários fiéis praticavam ritos de outras religiões africanas ao lado daqueles próprios do Islã22.

  • 23  O autor se refere ao profeta Muhammad, considerado pelos muçulmanos o « selo dos profetas », o que (...)
  • 24  Os pedidos não se limitaram aos muçulmanos de origem africana do Rio de Janeiro (região sudeste). (...)

19O autor explica que os africanos eram levados à força de sua terra natal « quando crianças sem que os instruíssem na religião do profeta escolhido23 » ; como conseqüência não haviam recebido instrução suficiente sobre a doutrina e o culto. Depois de 13 dias a ensinar os muçulmanos de origem africana, « sem proveito », em suas palavras, e após eles manifestarem o desejo de que Al-Baghdádi lhes ensinasse « os importantes conhecimentos da religião »24 a fim de « transmitir confiança » e « apaziguar o coração deles com a verdade », o imã decidiu aprender português e permanecer no Brasil. Em seu relato, descreve essa experiência e as cidades brasileiras pelas quais passou em suas missões de cunho didático.

20A intenção do imã ao propagar os preceitos do Islã se avizinha do que Pierre Bourdieu articulou para o sistema de ensino em que

  • 25  P. Bourdieu, A Economia das Trocas Simbólicas, São Paulo, Editora Perspectiva, 1987 : 218.

« todo ato de transmissão cultural implica necessariamente a afirmação do valor da cultura transmitida (e paralelamente, a desvalorização implícita ou explícita das outras culturas possíveis). Em outros termos, isso significa que todo ensino deve produzir, em grande parte, a necessidade do próprio produto e, assim, constituir enquanto valor ou como valor dos valores, a própria cultura cuja transmissão lhe cabe »25.

21Gaffney destaca a importância da demonstração pública do conhecimento por meio do sermão (khutba), dos aconselhamentos, da orientação religiosa e de outras atividades que representam mecanismos de legitimação das autoridades religiosas. Gaffney afirma que :

  • 26  P. Gaffney, The Profet’s Pulpit : Islamic Preaching in Contemporary Egypt, op. cit : 35.

« Para que o conhecimento seja socialmente efetivo, ele precisa se converter em autoridade, e para que a autoridade seja estabelecida, ela precisa ser projetada como conhecimento. Assim, a influência de um pregador em um contexto local depende essencialmente dos conceitos de conhecimento que são localmente encontrados e de como essas qualidades são compreendidas para serem demonstradas. »26

  • 27 M. Weber, A Ética protestante e o espírito do capitalismo, São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 19 (...)
  • 28 É. Durkheim, As formas elementares de vida religiosa, Rio de Janeiro, Edições Paulinas, 1989.
  • 29 C. Geertz, Observando o Islam, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2004.

22Autores como Max Weber27, Émile Durkheim28 e Clifford Geertz29 analisam os fenômenos religiosos como tradições de conhecimento do sagrado que orientam o modo como os agentes religiosos operam ; observa-se que essas tradições de conhecimento se caracterizam por uma variedade de idéias e práticas que se organizam de diversas formas de acordo com a religião e a denominação a que se conectam.

Permissão para permanecer no Brasil

  • 30  A. al-Baghdádi, op. cit. : 14.
  • 31  Os muçulmanos muitas vezes tentavam ocultar sua religião para não ser punidos pelas leis imperiais (...)
  • 32  A. al-baghdádi, op. cit. : 14.

23Depois de retornar ao vapor e pedir permissão para continuar no Brasil ao comandante otomano, este inicialmente o autorizou (« Acompanhe-os e esforce-se para transformar o desejo deles em bênção. Em verdade, se o Islã não estivesse firme no peito deles, eles não teriam pedido para que você se encarregasse desse assunto »30) e depois lhe contou o que ouvira a respeito da proibição da prática do Islã no Império do Brasil (assim como a de qualquer outra religião que não a católica em construções ou edifícios « que tivessem alguma forma exterior de templo »31). « Os mulçumanos que vivem nesta terra precisam esconder sua religião. Eles têm muito medo das sociedades européias que [supostamente] os converteram em cristãos »32, alegou.

  • 33  Ibid. : 28.

24Mais tarde, quando Al-Baghdádi os questionou sobre isso, eles argumentaram que « até agora os mulçumanos renegaram sua religião por medo de que os cristãos matassem, deportassem ou prendessem para o resto da vida aqueles que eles identificassem como adeptos do Islã »33.

  • 34  Prática relativamente recorrente na cidade e em localidades marcadas pela discriminação e/ou pela (...)
  • 35  Ver J.J. Reis, Rebelião escrava no Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 2003.
  • 36  A intenção deste artigo é também fornecer elementos para uma análise comparativa diacrônica. Adema (...)

25Al-Baghdádi narra que, por causa do medo de serem identificados como mulçumanos, muitos praticantes iam para casa durante o dia para rezar secretamente ; outros, para os quais isso não era possível, recuperavam a oração do meio-dia e da tarde no período da noite, em casa34. Após as diversas rebeliões da primeira metade do século xix, e especialmente o levante dos malês de 1835, na cidade de Salvador, a situação piorou drasticamente : os escravos muçulmanos passaram a ser mais coibidos em sua prática religiosa ; muitos decidiram esconder sua religião e evitar exposição pública durante as celebrações35. Al-Baghdádi não emprega em nenhum trecho de seu relato a palavra masjid (mesquita). Aparentemente, os muçulmanos não possuíam nenhuma mesquita propriamente dita, mas salas de reunião que eles descreviam com o termo árabe majlis (« local de reunião »). O imã ministrava suas aulas em um grande prédio na periferia do Rio de Janeiro dotado de um pátio espaçoso onde aproximadamente quinhentas pessoas poderiam se acomodar. Nos dias atuais, a maior parte das comunidades muçulmanas no Brasil está organizada em torno de mesquitas, associações e sociedades beneficentes. No século xix, a situação era bastante diferente.36

  • 37  A cidade, localizada ao sul do atual Iraque, era o porto que se pretendia alcançar desde o início.

26Por temer complicações diplomáticas se as atividades religiosas do imã fossem descobertas, o comandante distanciou-se dele perante o governo brasileiro e anunciou que precisava prosseguir a viagem. Cerca de dois meses depois da chegada ao Rio de Janeiro, o Bursa deixou o Brasil (sem Al-Baghdádi) no dia 22 de agosto e chegou a Basra37 em 26 de novembro de 1866.

27Num capítulo dedicado ao « modo como eles oram », o imã explica que pediu que eles rezassem diante dele a fim de que pudesse observá-los com atenção. A prática religiosa desses muçulmanos é descrita minuciosamente :

  • 38  Dizer Allahu Akbar : Deus é o maior.
  • 39  O homem que estava sendo observado omitiu a súrat al-fátiha, a surata da abertura.
  • 40  Ao final da oração, os muçulmanos dizem assalamu ‘alaykum wa rahmat Allah (Que a paz e a misericór (...)
  • 41  A. al-Baghdádi, op. cit. : 15.

« Entre eles havia um homem que pronunciava a takbira38 da introdução em pé enquanto se curvava uma vez para a direita e outra para a esquerda ; ele se ajoelhava e beijava o chão sem realizar a flexão do tronco na posição horizontal com as mãos nos joelhos e sem efetuar nenhuma recitação39. Repetiu isso quantas vezes quis sem se sentar ao final […] e concluiu a oração sem dizer assalamu ‘alaykum ao final40. Ele pronunciou palavras segundo seu agrado ; vestia uma faixa branca e alguns outros vestiam uma azul. Para o caso de que tivessem catarro, colocavam uma tigela à frente na qual eles pudessem cuspir. »41

  • 42  Ibid.

28Decepcionado com o que presenciara, o imã pediu que eles « imitassem suas ações e observassem seus movimentos »42. Como o autor se dirige, em seu relato, a um público muçulmano e que se supõe conhecedor do Islã, ele aponta o que vê como deficiências e divergências na prática religiosa sem explicar os erros que lhe parecem óbvios.

  • 43 H. Whitehouse, Arguments and Icons, Oxford, Oxford University Press, 2000.

29Segundo sua descrição, os fiéis não tinham consciência de que a oração deve ser efetuada na forma prescrita e numa seqüência específica, que se repete em vários ciclos. No Rio de Janeiro, e mais tarde na Bahia e em Pernambuco, Al-Baghdádi insistiu na necessidade de rezar « corretamente » cinco vezes ao dia. De acordo com o modelo elaborado por Harvey Whitehouse43, a repetição dos aspectos rituais que fazem parte das religiões doutrinais desempenha funções disciplinares, pois possibilita a memorização dos esquemas gerais do conhecimento religioso pelos seus adeptos e permite que eles aprendam exatamente como agir durante os rituais.

As madháhib seguidas

  • 44  I. Etienne, « La secte musulmane des Malês au Brésil et leur révolte en 1835 », Anthropos (Viena), (...)

30Não se sabe ao certo quais escolas os muçulmanos de origem africana seguiam no Brasil. Alguns poucos autores, como o missionário jesuíta Ignace Etienne44, afirmam que as quatro maiores madháhib, as escolas sunitas (hanbalita, maliquita, chafi‘ta e hanafita), se faziam representar entre os malês. Como aparentemente não havia especialistas no Islã nem arabistas qualificados à época, a questão permanece insolúvel.

31A escola de direito oficial do Império Otomano era a hanafita, e muitos dos mulçumanos da África do Oeste eram maliquitas. Al-Baghdádi ensinava em suas aulas regulamentações de todas as madháhib ; escolhia a determinação mais fácil do cânone dessas escolas.

32O imã apoiou suas exposições em duas obras do místico egípcio ‘Abdulwahháb ach-Cha‘ráni, descrito como « o pólo dos tempos » : Kachf al-jumma (a descoberta da aflição) e Al-Mízán (balança, equilíbrio, ponderação). Nessa obra, Ach-Cha‘ráni apresenta algumas diferenças das quatro escolas sunitas com o objetivo de promover um « equilíbrio » entre essas interpretações e buscar uma prática religiosa mais flexível. As duas versões da obra, Al-kubra (a maior) e, principalmente, As-sughra (a menor), eram populares no século xix e foram impressas diversas vezes no Cairo.

  • 45  1) A chaháda, ou declaração de fé, que afirma que « não há outra divindade além de Deus e Muhammad (...)

33Al-Baghdádi ensinou-lhe os cinco arkán (pilares) do Islã45, sobre os quais se apóia essa religião. O primeiro pilar – que atesta a unidade de Deus – era conhecido pelos muçulmanos com os quais Al-Baghdádi se relacionou. A oração era realizada de forma imprópria, como se observa na opinião do imã descrita acima.

34O jejum era pouco ou apenas parcialmente praticado ; aparentemente os muçulmanos daquela comunidade haviam aprendido que o jejum podia ser interrompido sem penitência, caso ele se tornasse árduo. No Ramadã, a situação divergia de modo considerável. Al-Baghdádi reivindicou para si a autoridade de anunciar a datação correta desse mês para todo o Brasil. Acerca do jejum praticado no Ramadã, escreveu :

  • 46  A. al-Baghdádi, op. cit. : 25

« Do procedimento deles no jejum eu vi que um homem não cospe sua saliva, mesmo que ele quase se arruíne por causa disso ; até no momento da oração, quando ele cospe em um recipiente específico. Ele não olha no espelho, não se relaciona sexualmente com sua mulher e não lhe dirige a palavra até o pôr do sol. Eles [os muçulmanos] comem antes do nascer do sol e quebram o jejum com bastante apetite quando cai a escuridão. No final [do Ramadã] eles se propõem a passar fome por três dias e não comem nada […]. As mulheres deles não possuem o desejo de jejuar. Elas fazem o que querem assim como as mulheres dos preguiçosos europeus. Elas não aparecem encobertas nos mercados e suas atitudes são repreensíveis. »46

35E, provavelmente, eles desconheciam a obrigação da peregrinação a Meca. De fato, disseram ao imã que não imaginavam que houvesse outros mulçumanos além deles no mundo :

  • 47  Ibid. : 17.

« Nós acreditávamos que éramos os únicos mulçumanos no mundo, que apenas nós estávamos no caminho correto e que todos os brancos pertenciam às comunidades dos cristãos. Até que, por intervenção de Deus – e Ele é sublime –, nós os vimos e compreendemos que o reino do Criador é vasto e o mundo não é uma terra desolada, mas está repleto de mulçumanos. »47

Algumas pessoas que não se consideravam exímias praticantes ou que queriam converter-se ao Islã ofereceram dinheiro a Al-Baghdádi ; uma delas lhe disse que acreditava que, « por meio do pagamento do dinheiro, revela-se a sinceridade daquele que deseja atestar a unidade de Deus ». Al-Baghdádi escreve que recusou a oferta, devolveu-lhe o dinheiro e ainda lhe entregou « uma certa quantia de dinheiro de presente » antes de convocar uma reunião para expor aos mulçumanos o que era necessário para uma conversão. O imã descreve a reação deles :

  • 48  Ibid. : 21.

« Se nós soubéssemos que era assim, como você explicou, então nós seríamos milhares neste país e a cada dia seríamos mais porque muitas pessoas gostariam de aderir à nossa religião, mas o pagamento do dinheiro dificultava tudo. »48

O autor do relato

36Nascido em Bagdá, em uma família abastada, ‘Abdurrahman bin ‘Abdullah al-Baghdádi ad-Dimachqi cresceu em Damasco, onde estudou árabe e persa, literatura, jurisprudência e teologia.

37Devido a circunstâncias pouco esclarecidas, durante dificuldades ocorridas alguns anos antes da viagem cujo porto de chegada terminou por ser o Rio de Janeiro – dificuldades estas que poderiam estar relacionadas ao massacre de cristãos de 1860 –, Al-Baghdádi ficou detido na prisão da Marinha otomana. O almirante Muhammad Salih Ates Paxá, do qual se diz que apreciava as ciências, indicou-o como imã da Marinha. Como descreve Al-Baghdádi :

  • 49  Ibid. : 9.

« Eu tinha uma posição especial com aquela excelência ; entrava e saía por sua porta. Ele me nomeou imã de sua nobre grandeza quando eu não era digno dessa função. Mesmo mais tarde, após o declínio do sol de sua existência e do desaparecimento da lua cheia de seu augúrio ditoso, mantive meu cargo na função de imã da tropa da Marinha. »49

38Ates Paxá havia lutado na Guerra da Criméia (1853-1856) na Marinha otomana e depois foi promovido a contra-almirante e finalmente a almirante. Nessa função, foi enviado com navios de guerra para uma missão em Londres. Quando ele adoeceu, em 31 de dezembro de 1866, e veio a morrer alguns dias depois, Al-Baghdádi já se encontrava no Brasil.

39Quando o sultão otomano decidiu enviar os navios Bursa e Izmir de Constantinopla para Basra, Al-Baghdádi aproveitou a oportunidade e se instalou no Bursa como o imã a bordo. No dia 24 de setembro de 1865 os dois navios partiram em uma rota ao redor do continente africano. Depois de o Bursa ancorar em Cádiz por vários meses e de enfrentar tempestades e um furacão, avistou-se o farol de Cabo Frio no dia 18 de junho de 1866, e alguns dias depois os navios ancoraram no Rio de Janeiro, onde o Bursa reencontrou o Izmir.

40Al-Baghdádi informa que a parada e permanência no Rio de Janeiro não haviam sido planejadas, mas fruto de uma seqüência de tempestades. O comandante não tomara providências no que diz respeito à questão financeira e precisou pegar dinheiro emprestado em um banco do Rio de Janeiro para os reparos no navio, para a alimentação e outros gastos relacionados à viagem. O consulado inglês serviu de intermediário para essa transação.

41O imã passou pelo menos três Ramadãs no Brasil. Seu primeiro Ramadã em território brasileiro foi no Rio de Janeiro, onde também presenciou a Páscoa antes de ir à Bahia e ali permanecer por cerca de um ano. Ele passou seu segundo Ramadã na Bahia e o terceiro, em Pernambuco, onde viveu durante cerca de um ano e meio. Como o terceiro Ramadã terminou em 14 de janeiro de 1869, o mais cedo que o imã pode ter deixado o Brasil seria após essa data.

  • 50  Al-Baghdádi retornou a Constantinopla no máximo em 1871. Morreu em Meca em 1881.

42Al-Baghdádi iniciou a viagem de retorno em um navio até Lisboa e de lá foi a Gibraltar por via terrestre. Após passar por Argel e Alexandria, foi a Meca em peregrinação. Depois, visitou sua família em Damasco e finalmente se dirigiu a Constantinopla50.

  • 51  Esses termos costumam aparecer, nessa forma ou no singular, no título de relatos de viagem, esse é (...)

43Como se observou acima, de certa forma o livro de viagem de Al-Baghdádi se insere na tradição de relatos de viagem árabes e islâmicos que integra a obra redigida por Ibn Battúta no século xiv. Em seu prefácio, o imã iraquiano afirma que queria apresentar as ‘ajá’ib (maravilhas) e as ghará’ib (coisas estranhas, extraordinárias, espantosas) de sua viagem. O imã iraquiano utiliza esses dois termos51 no título do relato, mas na forma singular : Musalliyat al-gharíb bikull ’amr ‘agíb (Deleite do prodigioso em tudo o que é maravilhoso).

  • 52  O relato também abarca descrições de diferentes regiões brasileiras, de seus costumes e de sua flo (...)
  • 53  Atualmente, a maioria dos eventos inter-religiosos no Brasil conta com a presença de um representa (...)

44Observa-se no relato de Al-Baghdádi52 que, ao contrário do que ocorre atualmente (à exceção de algumas regiões, como o Chuí, no extremo sul), a vivência do Islã no Brasil estava mais voltada ao espaço privado do que como uma atividade pública. Espera-se que este artigo contribua para análises sobre como e por que essa transformação ocorreu53 – ainda que parcialmente.

45Percebe-se claramente que, desde aquela época (como ainda ocorre em algumas comunidades muçulmanas no país), as autoridades religiosas atendem às mais variadas funções, desde a liderança nas orações e no pronunciamento da khutba até as orientações relativas ao jejum e aos outros pilares do Islã, passando por temas do cotidiano. Uma questão recorrente nos dias atuais se refere ao comércio de bebidas alcoólicas. Sabe-se que o consumo é proibido, e Al-Baghdádi convenceu os muçulmanos a renunciar à bebida alcoólica (anteriormente, eles acreditavam que era permitido beber porque o intérprete que convivia com eles lhes havia dito isso, segundo o relato, e a bebida acompanhava as refeições). A dúvida refere-se, no entanto, à possibilidade de um muçulmano trabalhar num bar ou num restaurante. O imã proibiu tanto o consumo quanto a venda/compra ; e esse parece ser o aconselhamento mais comum atualmente nos diversos centros muçulmanos brasileiros.

  • 54  O domínio do árabe e a manifestação pública dessa habilidade integram o capital simbólico (definid (...)

46Por fim, o relato de Al-Baghdádi contribui para a compreensão de como a fluência do árabe, língua litúrgica e que também permite um melhor domínio da tradição textual muçulmana, embora por vezes prejudique a comunicação – no caso do não-domínio da língua portuguesa –, ajuda a legitimar a posição do religioso no interior da comunidade. Atualmente e à época de Al-Baghdádi, a socialização dos convertidos na comunidade ocorre também por meio do aprendizado do idioma árabe54.

Abril de 2006

Haut de page

Notes

1  ‘Abdurrahman al-Baghdádi emprega o calendário islâmico, que é lunar e se inicia com a hégira, a migração do profeta Muhammad de Meca para Medina no ano 622 da era cristã.

2  A. Al-Baghdádi, Deleite do prodigioso em tudo o que é maravilhoso, São Paulo, Cálamo, 2005 : 9 (tradução do manuscrito original árabe por P.D. Farah).

3  A partir da segunda metade do século xix, a imigração árabe era majoritariamente cristã ; a imigração significativa de árabes muçulmanos veio a ocorrer quase um século depois.

4  Sabe-se que a diáspora produziu uma rede de identidades que sustentam fenômenos sociais de caráter translocal.

5  J.W. anderson, « The Internet and Islam’s New Interpreters », in J.W. Anderson & D. Eickelman (eds), New Media in the Muslim World : The Emerging Public Sphere, Bloomington, Indiana University Press, 1999 ; J.W. Anderson & Y. Gonzalez-Quijano, « The Emergence of Transnational Muslim Publics », in A. Salvatore & D. Eickelman (eds), Public Islam and the Common Good, Leiden, Brill, 2004.

6  D. Eickelman, Knowledge and Power in Morocco : The Education of a Twentieth-Century Notable, Princeton, Princeton University Press, 1985.

7  P. Gaffney, The Profet’s Pulpit : Islamic Preaching in Contemporary Egypt, Berkeley, University of California Press, 1994.

8  « Que a paz esteja contigo ! », cumprimento tradicional entre os muçulmanos, ao qual em geral se responde com « Wa´alaykum assalam » (« E que contigo esteja a paz ! »).

9  A. al-Baghdádi, op. cit. : 9.

10  Ibid.

11 J.-F de Raymond (ed.), Arthur de Gobineau et le Brésil : correspondance diplomatique du Ministre de France à Rio de Janeiro, Grenoble, Presses Universitaires de Grenoble, 1990 : 143-148.

12  A. al-BAGHDÁDI, op. cit. : 22.

13  Al-Baghdádi translitera em árabe a primeira pessoa do pronome pessoal do caso reto da língua portuguesa.

14  A ablução era feita de forma incorreta segundo Al-Baghdádi, e ele também ensinou aos muçulmanos como fazer a purificação ritual de forma aceitável.

15  A. al-Baghdádi, op. cit. : 10.

16  Por tirar o chapéu, descobrir a cabeça, ato considerado respeitoso em algumas religiões, e em diversas denominações cristãs. No islã, porém, não se remove o pano ou chapéu da cabeça por polidez ; o costume é o inverso : normalmente, cobrir a cabeça é sinal de respeito.

17  A. al-Baghdádi, op. cit. : 11.

18  O imã utiliza a forma dual em árabe e grafa a palavra (Amríqa) com qáf.

19  A. al-Baghdádi, op. cit. : 12.

20  Ibid.

21  Pequenas bolsas de couro que contêm versículos corânicos e são utilizadas como amuletos.

22  O início do século xix foi marcado por uma expansão do islã na África do Oeste e por conflitos políticos e religiosos na região. Em 1804, o shehu (haussá para xeique) Uthman dan Fodio convocou um jihád contra reinos haussás acusados de paganismo e desleixo ; essa guerra forneceu muitos escravos para o Brasil. Entre as pessoas escravizadas levadas da África do Oeste para o Brasil, havia muçulmanos iorubás (no Brasil chamados de nagôs), haussás e fulanis, entre outros. Uma parte considerável deles foi para a Bahia.

23  O autor se refere ao profeta Muhammad, considerado pelos muçulmanos o « selo dos profetas », o que trouxe a mensagem final de Deus (o Alcorão) para toda a humanidade. A. al-Baghdádi, op. cit. : 12.

24  Os pedidos não se limitaram aos muçulmanos de origem africana do Rio de Janeiro (região sudeste). A Bahia (região nordeste), onde vivia a maior comunidade mala do Brasil, enviou uma delegação ao Rio de Janeiro para pedir ao imã que ele os visitasse ; o mesmo se passou em Pernambuco (nordeste).

25  P. Bourdieu, A Economia das Trocas Simbólicas, São Paulo, Editora Perspectiva, 1987 : 218.

26  P. Gaffney, The Profet’s Pulpit : Islamic Preaching in Contemporary Egypt, op. cit : 35.

27 M. Weber, A Ética protestante e o espírito do capitalismo, São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 1983.

28 É. Durkheim, As formas elementares de vida religiosa, Rio de Janeiro, Edições Paulinas, 1989.

29 C. Geertz, Observando o Islam, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2004.

30  A. al-Baghdádi, op. cit. : 14.

31  Os muçulmanos muitas vezes tentavam ocultar sua religião para não ser punidos pelas leis imperiais, principalmente o Código Penal de 1830.

32  A. al-baghdádi, op. cit. : 14.

33  Ibid. : 28.

34  Prática relativamente recorrente na cidade e em localidades marcadas pela discriminação e/ou pela proibição de interromper o trabalho.

35  Ver J.J. Reis, Rebelião escrava no Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

36  A intenção deste artigo é também fornecer elementos para uma análise comparativa diacrônica. Ademais, este estudo pode ajudar a comparar o perfil social e religioso dos membros da comunidade muçulmana do Rio de Janeiro, da Bahia e de Pernambuco. O campo religioso no qual a comunidade muçulmana se insere no país permanece semelhante ao retratado por Al-Baghdádi. Majoritariamente formado por católicos, nas últimas décadas vem observando o crescimento das igrejas neo-pentecostais e a conseqüente alteração das dinâmicas e dos embates inter-religiosos.

37  A cidade, localizada ao sul do atual Iraque, era o porto que se pretendia alcançar desde o início.

38  Dizer Allahu Akbar : Deus é o maior.

39  O homem que estava sendo observado omitiu a súrat al-fátiha, a surata da abertura.

40  Ao final da oração, os muçulmanos dizem assalamu ‘alaykum wa rahmat Allah (Que a paz e a misericórdia e Deus estejam contigo) voltando-se para a direita e para a esquerda.

41  A. al-Baghdádi, op. cit. : 15.

42  Ibid.

43 H. Whitehouse, Arguments and Icons, Oxford, Oxford University Press, 2000.

44  I. Etienne, « La secte musulmane des Malês au Brésil et leur révolte en 1835 », Anthropos (Viena), 4, 1909.

45  1) A chaháda, ou declaração de fé, que afirma que « não há outra divindade além de Deus e Muhammad é o seu mensageiro » (La illaha illa Allah wa Muhammad rassul Allah) ; 2) a oração (salat), repetida cinco vezes ao dia ; 3) o tributo religioso (zakat) ; 4) o jejum (sawm) no Ramadã ; e 5) a peregrinação a Meca (hajj).

46  A. al-Baghdádi, op. cit. : 25

47  Ibid. : 17.

48  Ibid. : 21.

49  Ibid. : 9.

50  Al-Baghdádi retornou a Constantinopla no máximo em 1871. Morreu em Meca em 1881.

51  Esses termos costumam aparecer, nessa forma ou no singular, no título de relatos de viagem, esse é o caso da obra de Ibn Battúta.

52  O relato também abarca descrições de diferentes regiões brasileiras, de seus costumes e de sua flora ; aqui se optou pela ênfase na exposição acerca dos muçulmanos.

53  Atualmente, a maioria dos eventos inter-religiosos no Brasil conta com a presença de um representante muçulmano.

54  O domínio do árabe e a manifestação pública dessa habilidade integram o capital simbólico (definido por Bourdieu como a acumulação simbólica de bens como a educação ou o talento artístico que são transformados em poder e prestígio social) que propicia aos falantes do idioma uma posição de destaque no campo religioso em que a comunidade local se insere.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Paulo Daniel Farah, « Um relato do século xix acerca dos muçulmanos no Brasil », Lusotopie, XIV(1) | 2007, 115-126.

Référence électronique

Paulo Daniel Farah, « Um relato do século xix acerca dos muçulmanos no Brasil », Lusotopie [En ligne], XIV(1) | 2007, mis en ligne le 30 mars 2016, consulté le 21 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/1070

Haut de page

Auteur

Paulo Daniel Farah

Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Centro de Estudos Árabes

Haut de page

Droits d’auteur

Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo Idemec
  • Logo Aix Marseille Université
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo MMSH
  • OpenEdition Journals