Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXII(1-2)Lusotopie na editora Brill.

Lusotopie na editora Brill.

Nova etapa para uma revista com doze anos de idade
Michel Cahen
p. viii-x

Texte intégral

1Lusotopie foi fundada entre 1992 (a associação) e 1994 (a revista anual) por um antropólogo, Christian Geffray, uma socióloga, Christine Messiant e um historiador, Michel Cahen, todos os três decididos a desenvolver a análise política dos espaços contemporâneos oriundos da história e da colonização portuguesas. A este trio inicial rapidamente se juntaram numerosos especialistas de ciências sociais, de cerca de trinta nacionalidades diferentes, e cujas línguas de trabalho eram o português, o francês e o inglês. O que interessava à rede assim formada não era uma « área cultural lusófona » cuja pregnância contestava, nem o estudo de Portugal por Portugal, do Brasil pelo Brasil ou de Moçambique por Moçambique. O que lhe interessava era levantar os problemas gerais da análise social e politica no mundo contemporâneo – a reforma do Estado, a democracia política, a etnicidade, o neo-liberalismo, as guerras civis, os movimentos sociais, o nacionalismo, etc. – tendo como única especificidade que a sua « área empírica de investigação » era formada pelos espaços oriundos da história e da colonização portuguesas. Christian Geffray indicou-o muito nitidamente : o objectivo era fazer emergir os desafios contemporâneos que, graças a este terreno específico, seria possível entregar à reflexão global das ciências sociais.

2No entanto, justamente porque o facto linguístico era relativizado, eram apontados outros « vestígios » históricos. Por exemplo, se ninguém fala português em Goa, se os Goeses, longe de serem « todos católicos » os quais formam apenas uma pequena minoria, em compensação, Goa é o único Estado da Índia regido pelo direito romano e a minoria católica é ali mais importante que em qualquer outro lado. Por exemplo, o modelo do Estado centralizador, principal actor da economia, o imaginário da nação homogénea a produzir pelo partido único, pela uniformidade linguística, pelo luso-tropicalismo, etc., todos estes traços muito « portugueses » não eram conservados na Angola e no Moçambique « marxistas-leninistas » dos anos 1977-1989 ? No Brasil, além do luso-tropicalismo e outra « cordialidade », o facto que, na tradição sindical local, os trabalhadores duma empresa só possam aderir a um só sindicato afiliado a uma única central, e que os sindicalistas sejam muitas vezes « peritos » exteriores à empresa, será que tudo isto não vem muito claramente da tradição corporativista portuguesa ? Não terá sido o facto católico um eixo de resistência e de identidade em Timor ?

3E naturalmente o facto linguístico lusófono existe, mesmo se é relativo. Como muito bem disse Eduardo Lourenço, a lusofonia só pode ser uma área específica de intersecção com outras identidades. Mas quando ninguém fala português, mesmo esta definição rigorosa liberta dos ouripéis de uma lusofonia pós-imperial muitas vezes sinónimo de uma dilatação de lusitanidade, já não é operatória. Os lugares (topoi) modelados, pelo menos parcialmente pela história e pela colonização portuguesas nem por isso deixaram de existir. Veio pois a « lusotopia », conceito inventado por Louis Marrou em 1992, e, logo a seguir, Lusotopie, a revista !

4Não obstante, revistas como Lusotopie são frequentemente consignadas (relegadas ?) no estatuto de revistas de estudos de « área cultural », expressão que, em francês, é mais precisa e restritiva que a inglesa Area Studies. Área cultural ou Area Studies designam todavia tudo excepto estudos generalistas : deste modo nunca se está longe dos Subaltern Studies... Ora Lusotopie reclama-se francamente de uma área empírica de investigação : é completamente diferente. Os espaços contemporâneos oriundos da história e da colonização portuguesas desenham (sem a definir) uma área com tanta pregnância como outras « áreas » que contudo não se nomeiam de modo nenhum nas revistas parentes que a tal se consagram. Porque seria Lusotopie uma revista de « área cultural » visto que analisa os espaços oriundos da história portuguesa, quando seriam « generalistas » a Revue française de Sciences politiques, a Revue Historique, o American Journal of Political Science, a Political Science Quarterly, o Journal of Contemporary History, etc., todas elas excelentes revistas que estudam, em 95 % do seu conteúdo, apenas o mundo ocidental ? O centro do mundo considerar-se-ia, mesmo cientificamente, como a totalidade ? Mede-se aqui o peso das hegemonias no seio das ciências sociais, e residia ali, e continua a residir, uma das dificuldades principais do projecto : quem não trabalha sobre o centro tem dificuldade em se fazer admitir como « generalista » !

  • 1 A lista destes dossiers pode ser recuperada no site da revista (<www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr>) ou no editorial do número de (...)

5Mesmo assim não nos afastámos de um centímetro desta orientação fundadora, que permitiu a colaboração fecunda, na Lusotopie, de autores de cerca de trinta nacionalidades, e muitas vezes originários dos países do Sul. A existência de uma revista trilingue (francês, português, inglês), criou um espaço original e igualitário de intercâmbios científicos. Assim, durante onze anos, Lusotopie publicou grandes volumes anuais, cada vez com um dossier temático1.

* * *

  • 2 À data de 12 de Julho de 2005, o site <www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr> tinha sido visitado por 33 532 visitantes, ou seja uma cente</www> (...)

6Para que o conteúdo internacionalizado (temas, autores) de Lusotopie fosse eficaz, era no entanto preciso que a difusão da revista fosse também cada vez mais internacionalizada. Certamente o site internet (<www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr>) permitiu parcialmente isso2, pondo à disposição dos leitores os seus artigos em texto integral e gratuito. A revista será doravante electronicamente alojada, como as outras revistas publicadas por Brill (<www.brill.nl>), na base Ingenta, e o acesso será livre para todos os assinantes individuais, assim como para todos os utentes das instituições assinantes. Os resumos trilingues e alguns artigos continuarão a estar em acesso livre no site da revista.

  • 3 Um único volume saiu até à presente data : Jacky Picard (ed.), Le Brésil de Lula. Les défis d'un so (...)

7Mas jamais algo substituirá a edição « papel » : nem tudo se pode ler no ecrã, e nem tudo se poderia imprimir em folhas A4 ! A revista « papel » permanece, na realidade, como o coração de todas as revistas que publicam artigos bastante longos, mesmo se o site internet é o seu complemento indispensável. Foi em consideração de tudo isto que Lusotopie decidiu « migrar » da editora francesa  Karthala (Paris), para Brill (Leiden), editora antiga fortemente internacionalizada que já publica uma centena de revistas. A revista aguarda uma maior difusão internacional, particularmente nos países anglo-saxões e na América latina. Brill espera de Lusotopie um utensílio para uma melhor penetração dos mercados brasileiro e luso-africano. A parceria com Karthala prossegue, dado que a colecção de livro « Lusotopie » fica nesta editora 3.

* * *

8A revista era um grande calhamaço anual : será doravante semestral e mais magra, se bem que ainda consistente (de 150 a 250 páginas por número). Ela incluirá frequente, mas não sistematicamente, dossiers temáticos (tal como o do presente volume sobre « Género e relações sociais nos espaços lusófonos ») ; a secção dos artigos de miscelânea poderá pôr o acento sobre um tema tratado entre três e cinco artigos ; a secção bibliografia continuará a ser muito importante.

9Temos muitas ideias para o futuro : islão na lusofonia ; judaísmo na lusofonia ; nacionalismos ; racismo, racialismo, anti-racismo ; mundialização e desafios geopolíticos lusófonos ; Macau chinês ; Lula II ; a Galiza sem Fraga ; trinta anos de independência na África lusófona ; género e política ; Timor sem a Indonésia ; Portugal e Espanha ; etc. Desejamos que a secção dos artigos de miscelânea aborde mais sistematicamente a actualidade. Haverá pois mudanças através de pequenos retoques. Mas Lusotopie não muda de projecto editorial, e empenha-se numa nova fase, mais profissionalizada, mais internacionalizada, da sua existência.

10Descubra este primeiro número publicado por Brill, o duodécimo volume desde 1994. E envie-nos as suas críticas, as suas ideias. E as suas assinaturas, está claro !

Bordéus, 12 de Julho de 2005

Haut de page

Notes

1 A lista destes dossiers pode ser recuperada no site da revista (<www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr>) ou no editorial do número de Lusotopie 2004 : M. Cahen, « Lusotopie 1994-2004 : vive la suite ! », Lusotopie 2004 (Paris, Karthala), XI, Setembro 2005 : 7-14.

2 À data de 12 de Julho de 2005, o site <www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr> tinha sido visitado por 33 532 visitantes, ou seja uma centena de visitas por semana desde 1998, e mais de 200 visitas semanais desde há um ano. Isto é notável, mas ainda largamente insuficiente.

3 Um único volume saiu até à presente data : Jacky Picard (ed.), Le Brésil de Lula. Les défis d'un socialisme démocratique à la périphérie du capitalisme, , Paris, Karthala 344 p., ISBN : 2-84586-410-8, resumos em francês, português e inglês (« Livros Lusotopie », 1). Entre diversos projectos em vias de estudo ou de preparação : Viriato da Cruz ; Economia política da Angola pós-colonial ; O partido comunista português e a questão colonial ; o racismo em Portugal ; etc.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Michel Cahen, « Lusotopie na editora Brill. »Lusotopie, XII(1-2) | 2005, viii-x.

Référence électronique

Michel Cahen, « Lusotopie na editora Brill. »Lusotopie [En ligne], XII(1-2) | 2005, mis en ligne le 30 mars 2016, consulté le 13 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/1152

Haut de page

Auteur

Michel Cahen

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Lusotopie

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search