Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXII(1-2)La recherche : Genre et rapports ...Le genre à la maison, au travail ...Mulher é aquela que « comeu o boi »

La recherche : Genre et rapports sociaux dans les espaces lusophones
Le genre à la maison, au travail et dans la maison

Mulher é aquela que « comeu o boi »

O efuko e a construção do género no grupo étnico Handa
Est femme qui « a mangé le boeuf ». L’efuko et la construction du genre dans le groupe ethnique Handa
Women are Those who “Ate the Ox”. The Efuko and Gender Construction in the Handa Ethnic Group
Rosa Maria Amélia João Melo
p. 139-160

Résumés

Cet article examine le processus de construction du genre parmi les Handa. En partant du présupposé que, dans ce groupe ethnique, les rituels d’initiation féminine et masculine constituent un attribut du genre et confèrent du prestige aux hommes et aux femmes, la famille et le mariage sont considérés comme le cœur de cible de cette analyse. Les distinctions du genre, qui se reflètent notamment dans la sexualité, le comportement, l’attitude corporelle, le langage, le style vestimentaire et dans la coiffure, sont examinées tout au long du processus complet de socialisation des individus, mettant en relief la relation entre les hommes et les femmes, ainsi que la place de la femme au sein du groupe.

Haut de page

Notes de l’auteur

Este artigo emerge de uma pesquisa mais vasta que deu origem à elaboração de uma dissertação de doutoramento em antropologia ; cf. R. Melo, Efuko. Ritual de iniciação feminina entre os Handa (Angola), dissertação de doutoramento em antropologia social, Lisboa, ISCTE (Instituto superior de ciências do trabalho e da empresa), 2001.

Texte intégral

  • 1 . Efuko é a designação do ritual de iniciação feminina entre os Handa que constituem um grupo étnic (...)
  • 2 . A vergonha vai ao ponto de os indivíduos com echutu não serem capazes de despir-se ou lavar-se ju (...)

1Entre os Handa, os indivíduos que não tenham sido circuncidados ou iniciados no efuko1, conforme sejam do sexo masculino ou feminino, respectivamente, são marginalizados pela sociedade. Os não circuncidados são tidos como possuidores de echutu (termo pejorativo que designa o prepúcio) e, portanto, « sujos », imperfeitos, causadores de perturbações na prole. São alvo de troça quer das pessoas do mesmo sexo, quer das do sexo oposto, o que constitui uma vergonha para si e para a família2. As não iniciadas são apelidadas de hengu. Este termo possui uma conotação depreciativa e está relacionado com sujidade moral e emocional, impureza e perigo, colocando a mulher à margem da vida da comunidade e da cultura. Pode também ter o sentido de aborto (okuhengula). Assim, o não ter passado pelo efuko significará também ter abortado o processo de crescimento, facto que mancha a mulher de impureza, o que, por sua vez, se repercutirá em toda a sua prole.

2Este artigo aborda questões relativas ao processo de construção do género entre os Handa. Estando tal processo indelevelmente ligado aos rituais de iniciação feminina (efuko) e masculina (ekwendje), o presente artigo analisa a relevância do efuko entre os Handa no processo de construção do género, facto que permite explicitar, por um lado, os mecanismos afectos à mencionada construção, neste contexto sociocultural particular e, por outro lado, permite averiguar em que medida este ritual se torna um atributo do género.

  • 3 . J. Collier & M. Rosaldo, « Politics and Gender in Simple Societies », in S. Ortner & H. Whitehead(...)
  • 4 . C. Coquery-Vidrovitch, Les Africains. Histoire des femmes d’Afrique noire du xixe au xxe siècle, (...)
  • 5 . S. Ortner & H. Whitehead, « Introduction : Accounting for Sexual Meanings », in S. Ortner & H. Wh (...)

3A caracterização do género tornou-se uma questão em torno da qual se abrem discussões cada vez mais candentes no contexto da antropologia, e se vão agenciando estratégias para a sua análise e compreensão nas mais diversas sociedades. Os esforços para a análise, compreensão e conceptualização do género e da sexualidade têm obedecido a enfoques distintos, em função das sensibilidades e interesses dos diferentes autores. Com efeito, além da evidência que se dá à consideração do sexo como um dado natural, autores como J. Collier e M. Rosaldo revelam que as questões referentes à sexualidade emanam da organização da desigualdade social, razão pela qual o género é parte da sociedade3. Outros autores embrenham-se na família para discutir a questão do género e para a análise de relações entre homens e mulheres4. Aqui, são referenciados os estereótipos que rotulam tanto os homens como as mulheres e marcam as suas diferenças. Outros ainda enquadram as suas discussões e reflexões a este respeito no contexto do matrimónio e do parentesco, tido como um lugar privilegiado para o efeito. É neste contexto que S. Ortner e H. Whitehead destacam o prestígio como um elemento com implicações profundas na conceptualização do género5.

  • 6 . A. Giddens, Sociologia, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1997 1a ed. : 1993 ; A. Loforte, (...)
  • 7 . E. Evans-Pritchard, La Femme dans les sociétés primitives, Paris, PUF (Presses Universitaires de (...)

4Não obstante os diferentes enfoques, é ponto assente que o género é uma construção sociocultural, com carácter dinâmico e de ocorrência incessante influenciada por práticas e experiências culturais diversas6. Além das dificuldades relativas à sua própria definição, algumas das quais resultantes do facto de os homens e de as mulheres adoptarem comportamentos diferentes conforme os usos e costumes das sociedades onde estejam inseridos, este assunto tem sido imbuído de algumas conjecturas7. As mesmas são, em geral, evidenciadas sobretudo nas referências sobre sociedades africanas, nas quais erroneamente se considera que a mulher é dependente do homem e também explorada por ele.

5Tendo em linha de conta o exposto, as considerações que se seguem retratam a construção do género no grupo étnico Handa, tendo como principais focos de análise a família e o matrimónio. Começando por caracterizar o efuko, enquanto parte da construção de uma identidade do género, pretende-se compreender o seu papel neste processo e revelar em que medida o mesmo se torna um atributo do género.

Caracterização do efuko

  • 8 . Para um entendimento mais amplo sobre o efuko, cf. R. Melo, Efuko. Ritual… op. cit.

6Pela sua extensão, significado, essência e carácter ; pela sua importância e lugar na cultura Handa ; pelas inter-relações existentes entre si e vários outros elementos da cultura mencionada (como o parentesco e a religião), bem como pelos simbolismos a ele inerentes, é difícil definir, compreender e interpretar o efuko, sem ter em conta a diversidade de aspectos sociais e culturais com os quais se interliga e nos quais emerge. Entretanto, não sendo aqui objectivo analisar o efuko enquanto ritual, limitar-me-ei apenas a apontar alguns dos seus traços gerais característicos que permitam identificá-lo e revelar, nas linhas subsequentes, a sua relação com o género na cultura Handa8.

7O efuko é a designação do ritual de iniciação entre os Handa, ao qual todos os indivíduos do sexo feminino, em idade púbere, são submetidos. É parte de um processo de ensino e aprendizagem iniciado desde o dia do nascimento de um ser feminino. Possui um carácter obrigatório, intensivo, irrepetível e muito bem delineado, durante o qual as iniciandas vivem uma dramatização da rotura com a infância, passam por uma angústia que envolve aceitação, submissão, obediência, pudor, cumprimento, acatamento, contenção e discrição, executam um conjunto de técnicas corporais que as distingue dos rapazes e, também, de outras raparigas já iniciadas ou ainda não iniciadas.

8É um ritual de natureza preceptiva e reflexiva e integra um conjunto de momentos particulares com significados e objectivos diversos marcados por uma solenidade, dramatismo, excitação, entretenimento e simbolismo. O encadeamento de elementos simbólicos mais ou menos expressivos, nos diversos momentos do ritual (como técnicas corporais, elocuções verbais e canções) conduz as iniciandas a uma mudança de estatuto, no contexto social a que estão inseridas.

9O efuko é um meio de classificação etária entre os indivíduos do sexo feminino. É uma experiência cognitiva, estética e emocional de particular relevância. Com efeito, passar pelo efuko é uma forma de adquirir poder. Este ritual legitima a transformação de um ser feminino em mulher, sanciona-o para o cumprimento das obrigações legais futuras no campo matrimonial, publicita a sua nubilidade e pudicícia e prepara-o para a maternidade. Também ele patenteia a oposição entre o masculino e o feminino, manifesta a relevância da mulher no seio da família e do grupo, promove o respeito pelas cerimónias e pelos mais velhos, revela a importância do trabalho e inculca a ideologia do parentesco, os princípios de sucessão e herança, das hierarquias sociais e do poder ; proclama a maturidade social, a fertilidade, a maternidade e a procriação. A passagem pelo efuko toma um carácter irreversível.

10O efuko confere aos indivíduos do sexo feminino um atributo especial e aptidão para o matrimónio. Tendo em atenção o papel social das mulheres, o efuko também lhes inculca preceitos genéricos do grupo, tornando-se um instrumento propenso para a educação de ambos os sexos, para a distinção do género e para a inculcação das técnicas corporais prescritas para cada um dos géneros.

11Por oposição, os indivíduos do sexo masculino devem também passar pelo ekwendje – ritual de iniciação masculina – no fim do qual a sua aptidão sexual e, consequentemente matrimonial se manifesta, essencialmente, na ablação do prepúcio, e também na aprendizagem e acumulação de saberes e experiências sobre a vida em geral ministrados no decurso da cerimónia.

12Ao contrário do ekwendje, que é um ritual de carácter secreto, desenrolado longe do ambiente doméstico, e onde, para além da ablação do prepúcio, das provas duras e das regras mais ou menos severas, se celebram os poderes da masculinidade, o efuko é um ritual de carácter público, desenrola-se próximo das habitações e não prescreve qualquer tipo de mutilação corporal das iniciandas. Apesar das diferenças entre estes dois rituais, cuja essência opõe o masculino ao feminino, tanto um como o outro actuam como instrumento da moral cívica, adquirindo um carácter sagrado na vida e cultura Handa.

O masculino e o feminino : o processo de construção do género entre os Handa

  • 9 . C. Bell, Ritual Theory, Ritual Practice, New York, Oxford University Press, 1992.

13Dados os vários condicionalismos da própria vida, os Handa vão dinamizando uma série de acções por forma a reforçar e perpetuar as experiências e os ensinamentos acumulados desde os seus antecessores, a enfrentar a força da natureza com a qual se confrontam no dia-a-dia e a manter, na medida do possível, a estabilidade e a continuidade da sua cultura. Obviamente, as transformações socio-políticas operadas em Angola, sobretudo nos últimos vinte e sete anos, as vicissitudes evidentes, consequência das sucessivas guerras civis e, também, as mudanças no plano internacional, provocam, em certa medida, algumas transformações relativas à cultura em todo o espaço angolano. Entre os Handa, por exemplo, as tradições – vistas como um conjunto de valores herdado dos antepassados, e cuja preservação se pretende escrupulosa, por forma a permitir a sua continuidade ao longo do tempo –9 deixam hoje de ser o que eram. Ou seja, as mesmas vão-se alterando, vão-se reajustando, nomeadamente no que diz respeito à sua estrutura, bem como aos seus mais pormenorizados detalhes.

  • 10 . Ibid.
  • 11 . S. Kimbal, « Gennep, Arnold Van », in David L. Sills (ed.), Enciclopedia Internacional de las Cie (...)

14Apesar desta constatação, os mais velhos – embora revelem uma certa angústia pelo facto de as tradições não serem como eram, isto é, por não se manterem ; apesar de viverem as alterações que nelas ocorrem – não reconhecem, em grande medida, as ditas transformações, facto também observável entre populações de outros pontos do globo10. Retenha-se, consequentemente, que sendo o homem parte da natureza sujeita-se, por isso mesmo, tanto à estabilidade como a uma variabilidade e câmbio11. E o que se puder dizer hodiernamente da sexualidade e género entre os Handa estará de algum modo associado a transformações, fruto da sua adaptabilidade às ditas inconstâncias e variabilidades típicas da ordem social.

15Partindo do princípio que o género se manifesta e se constrói no interior (e a partir) de um contexto sociocultural particular, para analisar este fenómeno no contexto dos Handa começo por destrinçar, nas linhas subsequentes, os primeiros passos de socialização de um muhanda na vida do grupo, imediatamente após o nascimento. Moldando-se na sequência desse processo, os detalhes da configuração do género surgem a posteriori, ocasião em que ponho em destaque, entre vários aspectos, o entendimento do que é ser-se homem ou mulher entre os Handa. Note-se, entretanto, que a sequência dos temas, bem como os aspectos neles destacados obedecem ao esforço de análise contextual do objecto, ao interesse em clarificar o conteúdo dos dados e à preocupação em revelar as interligações existentes entre os diferentes aspectos do tema em análise.

Okupita pondje12. Os primeiros passos de socialização

  • 12 . Literalmente, okupita pondje quer dizer « passar para fora ». Designa um ritual ao qual o recém-n (...)
  • 13 . Algumas bebidas e comida preparada pelos familiares mais próximos são, em geral, suficientes para (...)
  • 14 . Mas há algumas excepções à regra. Eventuais incidentes no período de gestação podem determinar ta (...)

16Independentemente do sexo, qualquer recém-nascido entre os Handa está sujeito a uma inserção na vida da família e da comunidade. Tal inserção é levada a cabo pelos adultos da família através de um ritual, designado por okupita pondje, que assinala a integração sociofamiliar do indivíduo reiterada pelos espíritos ancestrais aos quais os Handa recorrem para garantir a protecção da criança desde a sua concepção. O okupita pondje não exige, todavia, muitos custos13 (comparativamente a outros rituais como o efuko) e, embora conte com a participação dos familiares e amigos (que acorrem ao local da cerimónia com oferendas em género ou em espécie), é semi-restrito. Neste ritual, o recém-nascido recebe um nome, em geral o de um parente paterno ou materno falecido ou ainda em vida. Salvo raras excepções, os filhos primogénitos recebem o nome de um parente paterno, os secundogénitos o de um parente materno e os restantes seguem esta mesma ordem, alternando-se continuamente por ordem do nascimento14.

  • 15 . Desta forma se efectua igualmente a representação das linhagens entre os Handa. Embora não seja a (...)

17No caso de ser colocado ao recém-nascido o nome de um parente vivo este facto não é realçado com qualquer simbolismo. Porém, se o nome dado à criança for o de um parente já falecido (homem ou mulher), coloca-se-lhe no pulso uma pulseira de missangas de cor branca, que ela usa durante vários meses (em geral até se romper), simbolizando o seu homónimo espírito ancestral. Se este for um parente paterno da criança a referida pulseira é-lhe posta no pulso do braço direito, e se for um parente materno é-lhe colocada no pulso do braço esquerdo15.

18Com efeito, ao longo do processo de crescimento da criança, é comum as pessoas tratarem-na com a atenção e respeito que revelam em relação ao seu homónimo vivo ou morto, sobretudo tratando-se de uma pessoa mais velha. E neste contexto entram, inclusive, as designações de parentesco.

19Depois dos primeiros passos de socialização da criança, a sua integração completa-se graças às relações que a mesma vai estabelecendo com os pais, irmãos, parentes próximos e outros, factos esses que permitem a sua passagem de um tipo restrito de relação para um meio relacional mais amplo, dando-se assim uma outra fase de socialização. Esta é conduzida por forma a atingir o seu apogeu com os rituais de iniciação masculina (ekwendje) e feminina (efuko), diferentes entre si pelas suas exigências e carácter, mas ambos com um grande peso social, cultural, espiritual, ético e moral. Ao longo desta etapa exige-se aos mais novos (rapazes e raparigas) uma observação atenta dos factos e dos gestos elaborados pelos mais velhos e pelos seus próprios coevos, sobretudo aqueles cujo comportamento seja digno de realce. Daí, quiçá, a razão das prerrogativas dadas às crianças, entre as quais as de presenciarem certos actos reservados, por se crer que as crianças nada têm de malícia e que são incapazes de fazer insinuações ou conjecturas e até de elaborar ou entender os conceitos tal como os mais velhos o podem fazer.

  • 16 . O comportamento das crianças de outros contextos culturais mostra uma tal similitude. É o caso da (...)

20Por via disso, praticamente nada é vedado às crianças vahanda, o que facilita o seu contacto directo com factos ; com sentimentos expressos por palavras e gestos ; com movimentos corporais intensivos ou ligeiros ; com instrumentos especiais usados em cerimónias particulares ; com objectos simbólicos. Elas vivenciam em silêncio momentos íntimos de exaltação, por exemplo de briga dos pais ou de outros parentes e amigos. Ouvem palavras de desabafo, ofensas esporádicas ou meditadas, súplicas ou condenações ou momentos de espasmos e de dor que, em certa medida, permeiam a vida de toda a comunidade. Tornam-se testemunhas fiéis de situações diversas com as quais vão interagindo no dia-a-dia e que moldam a sua relação com os outros. E com tudo isso elas aprendem. Elas aprendem como se comportam os do sexo masculino e os do feminino, bem como as regras para alcançar o prestígio social, importante na vida de um adulto, seja este homem ou mulher16. Nas suas brincadeiras, elas reproduzem as atitudes, as actividades dos mais velhos e tudo o que elas vão observando atentas, embora passivamente, no dia-a-dia. Digamos que a criança, mecanicamente – e dada a liberdade que tem de circular entre os adultos e de apreciar até as cerimónias mais recônditas – vai efectuando uma espécie de treino através da imitação e da repetição, vai-se capacitando e aperfeiçoando o seu conhecimento, vai alargando o seu horizonte, vai elaborando (ainda que o adulto o não reconheça) os seus próprios conceitos, vai tomando atitudes através das quais evidencia a forma como ela encara o mundo e as pessoas que a rodeiam e vai, enfim, moldando o seu corpo e preparando-se para ser homem ou mulher em função do sexo.

21Nas suas reproduções a criança pode tomar posturas típicas de adulto (indiferentemente do sexo), assumindo, por exemplo, determinados papéis estabelecidos socioculturalmente para os homens e para as mulheres ou simulando reacções e comportamentos dos mesmos em certas cerimónias, sejam elas religiosas ou iniciáticas. Por outro lado, usando da sua fantasia e imaginação, as crianças imitam o comportamento umas das outras e o dos mais crescidos. No caso das raparigas, dado a passagem pelo efuko constituir uma honra para si próprias e para a sua família, todo o seu processo de socialização visa atingir esse fim. E é com esse ritual que, como se poderá ver mais adiante, se fecha um ciclo do seu processo de socialização, se consagra a sua transformação em mulher, se marca a sua feminilidade e se adquire uma parte considerável do seu prestígio social. Igual prestígio cabe aos membros do sexo masculino com a sujeição ao ekwendje.

Mulher é aquela que passou pelo efuko

22Na concepção dos Handa, possuir sexo feminino não é condição bastante para se ser mulher. Mulher é o indivíduo do sexo feminino sobre o qual se pode dizer : « walia ongombe » (isto é, « comeu o boi ») – expressão que denota uma relação mulher/boi. Qual o sentido dessa relação ? Entender uma tal relação pressupõe, em primeira mão, compreender o lugar do gado bovino na vida dos Handa. Pressupõe, outrossim, apreender a condição da mulher na família e no matrimónio.

  • 17 . Noutros grupos africanos como os Tshidi e os Tsonga também são observáveis certos tabus no que di (...)
  • 18 . Eumbo é a designação de uma unidade habitacional composta por várias vivendas independentes e cad (...)

23O gado bovino é o símbolo do poder económico e de riqueza, entre os Handa. É o meio que confere aos vahanda o status e os meios de subsistência para si e para a família. Vivendo os Handa, nos meios rurais, da agricultura e da criação de gado bovino, estabelecem com o último uma relação muito estreita, constituindo o mesmo o centro da sua atenção. Em geral, observam-se alguns tabus em relação ao gado17. As mulheres que não tenham passado pelo efuko, por exemplo, não devem lidar com o gado, e a sua permanência nessa condição num eumbo18 é motivo de repulsa, uma vez que se crê que provoca danos no armentio. Daí que se acredite que a proibição do matrimónio com mulheres hengu permita evitar, entre outras coisas, a destruição do armentio como património familiar e bem comunitário.

  • 19 . Existem outras ocasiões especiais nas quais os bois podem ser abatidos. Tais ocasiões são, por ex (...)
  • 20 . Estas características são também evidentes entre os vizinhos Nyaneka, Nkhumbi, Muila, cf. C. Este (...)

24Pelo seu valor, o gado não é abatido fortuitamente, e o efuko constitui o ritual no qual a matança do boi, além de prescrita, constitui um momento de júbilo e de esplendor19. Neste sentido, o ser-se mulher, está associado, entre outros aspectos, ao prestígio que é conferido por via do efuko e guarnecido com a matança do boi, este último, um bem inestimável quer no sentido individual, quer no colectivo20. A relação evidente entre a mulher e o gado bovino mostra a relevância e o lugar preeminente da mulher na cultura Handa.

25Ser mulher é ter passado pelo efuko. O passar pelo efuko (okufukala) confere, por si só, prestígio e status a qualquer indivíduo do sexo feminino, facto que o leva a ser respeitado como tal. Confere-lhe aptidão para procriar, dá-lhe a possibilidade de, no seio do grupo, exercer plenamente a sua actividade como mulher, de ser sujeito de direitos e deveres, de agir e partilhar momentos cruciais da vida com outras mulheres que tenham passado pelo efuko. O estado de hengu coarcta qualquer uma dessas possibilidades, além de constituir um obstáculo para o matrimónio no seio do grupo. Por muito bela que seja a rapariga, nenhum homem Handa a pretenderá para esposa e mãe dos seus filhos, dado que traz consigo maldições, é considerada « suja » e constitui vergonha para a família.

26Por oposição, os homens devem também passar pelo ekwendje – ritual de iniciação masculina – no fim do qual a sua aptidão sexual e, consequentemente, matrimonial se manifesta, essencialmente, na ablação do prepúcio, e também na aprendizagem e acumulação de saberes e experiências sobre a vida em geral ministrados no decurso da cerimónia. Um homem não circuncidado é rejeitado pelas mulheres, ridicularizado tanto por estas como por outros homens, é tido como imperfeito, causador de perturbações na sua prole, e está proibido de participar das comezainas com homens circuncidados, o que constitui uma vergonha para si e para a família.

27Infira-se, do exposto, que, tal como em qualquer outra cultura, existe, entre os Handa, um modelo ideológico das categorias « masculino » e « feminino », bem como um conjunto de atributos que as distinguem e opõem uma a outra. Nesse grupo étnico, do mesmo modo que o sentido da vida de uma mulher, bem como a transformação de um ser feminino em mulher está intimamente relacionado com o efuko – tornando-se este o meão em torno do qual se converge a dinâmica do processo educativo e da construção e distinção do género – o ser-se homem está intimamente relacionado com o ekwendje, ritual no qual o iniciando além de aprender a conhecer o mundo que o rodeia, de vivenciar momentos únicos da sua vida, aprende igualmente a ser audaz, impetuoso e solidário.

As marcas da feminilidade. A passagem de menina a mulher

  • 21 . M. Mauss, Sociologia e antropologia, II, São Paulo, ed. da Universidade de São Paulo, 1974. 1a e (...)
  • 22 . Contudo, assevera M. Mauss, revela-se importante que as técnicas (ou posturas corporais) que se i (...)
  • 23 . P. Bourdieu, « La domination masculine », Actes de la Recherche en Sciences Sociales (Paris, Édit (...)

28As marcas da feminilidade e da masculinidade inculcadas no corpo e na mente de um muhanda, ao longo do seu processo de socialização, ultrapassam a questão do biológico para serem algo de social. Aliás, é sob o olhar atento das mães que mulheres e homens da família e da comunidade Handa em geral modelam com atitudes, gestos e palavras a imagem de um indivíduo por forma a tornar-se homem ou mulher em função do sexo. Além das diferenças fisiológicas e anatómicas entre os indivíduos, a modelação dos corpos, os estilos de linguagem, de vestuário, de dança, de penteado, de comer, bem como o comportamento corporal são elementos que estão implicitamente marcados no género, distinguindo o masculino do feminino. E como cada sociedade possui os seus próprios hábitos21, os Handa também cultivam os seus, que se manifestam, designadamente, na sua maneira de estar, de andar, de falar, de rir, de dançar, de olhar, de cortejar, de se sentar, de comer, de dormir, de indumentar de se pentear, de agir e de expressar os sentimentos. Estes hábitos constituem, no dizer de M. Mauss, a sua « idiossincrasia social ». É neste contexto que os Handa educam a postura corporal e de linguagem quer das raparigas, quer dos rapazes, que se vão modelando, com o decorrer do tempo, conforme o « habitus », termo que na perspectiva de M. Mauss ultrapassa o « hábito », o « adquirido », a « faculdade » e o « exigido », para envolver um conjunto de técnicas e uma prática colectiva e individual22. Daí a consideração de P. Bourdieu segundo a qual o corpo masculino e o feminino são criados « de acordo com os esquemas práticos do habitus »23. O modelo de comportamento de cada um dos géneros altera-se progressivamente, tornando-se mais cuidado e rigoroso à medida que o indivíduo cresce. Isto pressupõe a existência de uma variação nas técnicas corporais, nomeadamente em função do sexo, da idade e do estatuto. As marcas quer da feminilidade, quer da masculinidade delimitam as etapas desse crescimento e são reforçadas por distintos graus de responsabilidade tidos ao longo do crescimento do indivíduo. No decurso do seu processo de crescimento, enquanto os indivíduos do sexo masculino são designados primeiro por mukwendje, mumati e depois por mulume e mais tarde por mbwale, os do sexo feminino são distinguidos com designações diferentes : mukaínu, mufuko, ekunga, mukai e hulukai. Estas definições referem-se a categorias associadas à idade, nubilidade, sexualidade e maturidade. Em função disso, cada uma delas é caracterizada de forma distinta, como passarei a indicar.

  • 24 . Este estilo indumentário, que é depois substituído por outros subsequentes ao longo do desenvolvi (...)

29Desde que nasce até à altura da sua cerimónia de efuko a rapariga é designada por mukaínu. Nesta fase ela goza de todas as prerrogativas que a infância lhe confere, saltando e brincando tanto com raparigas como com rapazes sem distinção nem preconceito. Logo que comece a falar, a rapariga aprende a distinguir expressões típicas do género feminino como, por exemplo, dizer « ka » para agradecer, ao invés de « cetu », como dirão os do sexo masculino. Embora partilhe o seu tempo também com meninos da sua idade, à medida que cresce ela enfrenta alguns constrangimentos impostos pela natureza do seu sexo ; por exemplo, não pode trepar livremente às árvores para apanhar frutos ou destruir ninhos dos pássaros, tal como fazem os rapazes, sem se confrontar com os cuidados no posicionamento do corpo, garantindo uma ocultação (o maior possível) dos seus órgãos genitais que, na infância, se tornam objecto de curiosidade entre os garotos. Nos primeiros meses de vida (isto é, dos 0 aos 12 meses aproximadamente) a sua indumentária é praticamente idêntica à dos rapazes : tronco nu com a parte inferior coberta por ondambo – uma tira de pano estreita e ligeiramente comprida que passa por entre as pernas para cobrir as virilhas e é atada à cintura com outra tira ainda mais estreita24. Algum tempo depois, enquanto que os rapazes substituem o ondambo pelo ocinkwani, que é a designação de uma tira de pano, relativamente estreita (que se vai alargando e tomando forma à medida que o rapaz vai crescendo), que eles usam atada à cintura por um fio ou por um cinto, franzindo-se ligeiramente à frente, resguardando as nádegas e as virilhas, as raparigas substituem-no pelo ovindyondyo. Este consiste em duas tiras de pano igualmente estreitas, sendo uma, a mais curta, usada para cobrir a virilha, e a outra o traseiro. As extremidades superiores de cada uma das tiras são também atadas à cintura. Este estilo de vestuário tipicamente infantil prolonga-se, no caso dos rapazes, até por volta dos 12, 13 anos e, no caso das raparigas até ao momento do efuko.

  • 25 . Para uma apreciação dos detalhes desta complexidade, diversidade e beleza, cf. C. Estermann, Álbu (...)

30Como se pode depreender, um dos elementos diferenciadores do género, já nessa fase, para além do estilo indumentário é, por exemplo, o uso por parte das raparigas de colares de missangas ao pescoço, de algumas fiadas de missangas na cintura, outras cruzadas no peito (ovipatakano) e de ovikeka (pulseiras) nos braços e nas pernas (junto aos tornozelos). A simplicidade da indumentária feminina contrasta, entretanto, com a complexidade e beleza dos penteados típicos de cada uma das etapas de desenvolvimento de uma mulher25.

31Desde a mais tenra idade que a cabeça das mulheres se apresenta sempre descoberta e é objecto de variados penteados, caracterizando as mencionadas etapas de crescimento, bem como o estado de espírito da mulher, nomeadamente o luto. Enquanto mukaínu a rapariga usa um penteado infantil muito simples (em comparação com os posteriores), designado por ocitandavala. Este é adornado de missangas que, a cada movimento da cabeça da menina, conferem uma certa graciosidade. Nesta mesma idade, as raparigas vankhumbi usam o chamado onosandji e pouco depois, um outro penteado designado por ovinyenye. Embora as mulheres mucilenge muso tragam, normalmente, a cabeça coberta, enquanto pequenas usam um penteado designado por olumbwambwa, e já mais perto do ritual de iniciação ostentam um outro designado por olunhonga.

  • 26 . Plural de ongalo ; objecto artesanal do género da cimbala que serve para peneirar, guardar os ali (...)

32Convém notar, em jeito de parêntese, que a educação atribuída às crianças, quer sejam rapazes, quer sejam raparigas, visa estimular a sua aprendizagem e desenvolver as suas habilidades para que, por elas mesmas, se sintam estimuladas a desenrolar as suas tarefas individualmente e possam estabelecer um equilíbrio entre aquilo que a sociedade espera de si e a reputação que cada um adquire em função das suas aptidões e dedicação ao trabalho. Nesta conformidade, aos 6 ou 7 anos aproximadamente, uma mukainu conhece os limites do seu comportamento, os perigos de que tem que se resguardar e as actividades sobre as quais se exige a sua atenção. Por isso, já nessa idade pode-lhe ser confiado o cuidado de irmãos mais novos. Aprende contos, cânticos, jogos infantis e também a dançar, a limpar o pátio, a pisar a fuba, a transportar a água à cabeça e a confeccionar objectos artesanais de carácter feminino como ovimbala e onongalo26. Do mesmo modo, aprende a observar tabus sexuais relativamente aos irmãos e outros parentes próximos.

33Aos 9 ou 10 anos, aproximadamente, começa-se a exigir da mukainu uma maior atenção à cozinha, e já nessa altura aprende a cozinhar os alimentos, sobretudo a ohita que constitui uma alimentação básica do grupo. Começa também a dominar o uso de utensílios como ovimbala, onongalo, panelas e a ajudar nos terrenos agrícolas. Nessa idade, conhece as suas limitações quanto ao relacionamento com os rapazes, visto que lhe são desencorajadas quaisquer actividades de carácter sexual antes do efuko. Os rapazes também cuidam dos mais novos, e embora pisar a fuba não seja uma actividade masculina podem fazê-lo circunstancialmente, conquanto com bastante raridade. Os rapazes são responsáveis pelo pasto, pela ordenha, pela apanha de frutos, pela caça e também pela agricultura.

  • 27 . J. Sobral, Trajectos : o presente e o passado na vida de uma freguesia da Beira, Lisboa, Imprensa (...)

34Verifica-se, por conseguinte, que no seio da família as crianças aprendem, desde cedo, a diferenciar os papéis femininos dos masculinos. E, em função do sexo, aprendem também a fazer uso do corpo nas suas brincadeiras, bem como na execução das actividades de que são incumbidas. Para isso contribuem tanto os familiares com os quais elas partilham o espaço habitacional como outros adultos que, atentos aos seus movimentos, podem repreender para corrigir. E, desta forma, vão-se construindo « os alicerces de uma identidade social futura, que se vai afirmando com maior nitidez à medida que se cresce »27.

  • 28 . Termo que designa o processo de ritualização do efuko.

35Perto do período do efuko, isto é, aos 11 ou 12 anos aproximadamente, nota-se entre as raparigas Handa uma certa mudança no seu visual, evidenciada, sobretudo, por um novo penteado, o epando, que doravante elas passarão a usar até ao dia do okufukala28. O epando assinala a fase de transição de mukaínu para mufuko, mais exactamente ilustra a última etapa da meninice.

36Tendo em conta, por um lado, as exigências e limitações da vida adulta e, por outro lado, a beleza e ingenuidades típicas da infância em vias de ser ultrapassada por forma a que a rapariga aceda a outra fase de idade, as mães, de modo geral, capricham grandemente tanto no epando das filhas como nos adornos (por exemplo ovikeka) que estas trazem nos braços e nas pernas. Nesta fase, as raparigas têm minimamente consciência de que não tarda muito que sejam submetidas ao efuko, embora desconheçam o dia exacto. Por isso, as mães e os restantes membros da família procuram distraí-las com mimos, dando-lhes permissão para efectuarem digressões pelos eumbo dos parentes, satisfazendo os seus desejos, etc., facto que torna mais forte o impacto resultante da quebra ritual com a infância. No período em referência, as raparigas ovankhumbi também usam um penteado designado por epando.

37A submissão da rapariga ao efuko fecha o ciclo da infância e marca o início de um outro ao longo do qual são introduzidas alterações consideráveis na sua vida : passa a ser designada por mufuko, assumindo novas responsabilidades. É-lhe imposta uma postura diferente da anterior, devendo comportar-se como uma mulher adulta, uma vez despojada inelutavelmente da infância. São-lhe interditas brincadeiras com indivíduos de sexo oposto. É-lhe atribuída responsabilidade pela educação dos mais novos, pela cozinha e uma parte de terreno para o cultivo, bem como apontadas falhas na sua conduta. Ganha um novo estatuto, o de mulher, exibindo por isso um penteado e indumentária adequados ao mesmo. Quanto à indumentária, os panos passam a ser mais largos, o suficiente para se manterem franzidos e ligeiramente curtos à frente (nas virilhas), enquanto que o detrás se alarga sem franzido por forma a cobrir as coxas. Portanto, embora o tronco se mantenha despido, a parte inferior do corpo passa a ser resguardada com maior discrição.

  • 29 . O significado e a estrutura do penteado de efuko foram detalhadamente analisados e interpretados (...)

38O penteado típico desta fase varia consoante as regiões. Por exemplo, as raparigas Handa de Cipungu e arredores usam em geral ehala enquanto as de Cilenge e Kakula usam ondongo. Ambos os tipos diferenciam-se entre si, embora na essência apresentem uma mesma significação. Noutros grupos vizinhos como os Ovacilenge Muso, Ovankhumbi e Ovamuila, as raparigas exibem nesta fase outros tipos de penteado, como o omphonde, o ongava e o ocipukika, respectivamente. Mais recentemente, sobretudo nos meios urbanos, está a vulgarizar-se o uso de um outro género de penteado, o onhewe, para as raparigas iniciadas, sejam elas vahanda, vamuila, ou vankhumbi29.

39Ao contrário dos outros, qualquer um dos penteados típicos de efuko é usado uma só vez. Ou seja, é irrepetível tal como o é a infância. O mesmo simboliza a cisão da rapariga com a infância e o início de uma nova etapa da sua vida como mulher.

  • 30 . Nessas circunstâncias, ao contrário das mulheres, os homens limitam-se a fazer um corte de cabelo
  • 31 . De modo distinto, entre as mulheres kwanyama (parte integrante do grupo etnolinguístico dos Ovamb (...)

40Após largos meses exibindo o penteado de efuko – uma fase em que normalmente a rapariga começa a despertar grandemente a atenção dos homens interessados no matrimónio – o mesmo é depois substituído por omakhonkha avali. Este é um penteado muito simples que, ao contrário dos anteriores, é completamente destituído de adornos, simbolizando o luto por uma infância irrecuperável. Este género de penteado é também usado pelas mulheres adultas como símbolo de luto em casos de morte30. Nesta fase, que se segue ao efuko, a rapariga é designada por ekunga (jovem mulher), entra numa idade casadoira e é-lhe exigido destreza e resultados satisfatórios dos trabalhos que faça. Segue-se-lhe depois uma outra etapa na qual ela é designada por mukai (mulher), uma fase simbolizada por um novo penteado, agora adornado, designado por omakhonkha atatu31.

41No seu último ciclo de vida a mulher é designada por hulukai. Nesta fase não se registam alterações, pois tanto a indumentária quanto o penteado mantêm a estrutura anterior. Contudo, a mulher converte-se em depositário da tradição. Com a autoridade que lhe é conferida pela idade, conhecimento e sabedoria, ela orienta, corrige e controla as acções dos mais novos, incluindo jovens e crianças.

  • 32 . Note-se que, não obstante o uso, ainda hoje, das designações referentes às categorias mukwendje, (...)
  • 33 . Estes últimos termos são mais elaborados do que o anterior, e no grupo etário subsequente podem s (...)

42Os rapazes, designados de ovakwendje (plural de mukwendje) desde o seu nascimento, diferentemente das raparigas, só aos 19, 20 anos aproximadamente é que passam a ser designados por ovamati (plural de omumati ou mumati). Este termo caracteriza um jovem rapaz, em plena flor da idade, robustecido pela sua jovialidade e destreza. Nesta altura, e por vezes um pouco antes, os seus órgãos genitais e as nádegas passam a ser melhor resguardados ; deixam de usar o simples cinkwani, como vestuário, e substituem-no pelo ompholeko. Este, embora não se distinga grandemente do anterior, requer uma maior quantidade de pano, cobrindo uma maior extensão do corpo, isto é, da barriga para baixo. Só depois de ultrapassar esta idade, e particularmente quando casado, é que passa a ser designado de omulume, pressupondo todas as nuances desta categoria como, por exemplo, o ter passado pelo ritual ekwendje32. Na categoria mencionada, o indivíduo em vez de usar o termo cetu, para responder e agradecer aos cumprimentos dos outros, pode fazê-lo por vaketu, e alguns anos depois alterná-lo com mwĕ33. Contudo, independentemente do grupo etário de um indivíduo, um mbwale (homem mais velho) na sua conversa com outrem pode referir-se a um jovem da categoria de omulume, usando o termo mukwendje para, por exemplo, enfatizar a sua jovialidade.

43A categoria de mbwale é, normalmente, atribuída aos indivíduos do sexo masculino na faixa dos 50 anos. Nela estão incluídos os indivíduos com netos ou em idade disso e todos os outros mais idosos. É nesta categoria que, regra geral, os mais velhos, pronunciado com uma entoação típica, substituem o termo vaketu por mwĕ e também por outros com carácter mais majestático como mwĕ cetu, mba e kalunga (este último usado também para designar Deus, o mar e o lugar para onde vão os mortos), para manifestarem agradecimento e para responderem às chamadas e aos cumprimentos.

44O estilo do corte de cabelo, que outrora diferenciava um jovem rapaz de um mais velho, nomeadamente pela concentração de cabelo que o primeiro dispunha longitudinalmente no centro da cabeça, hoje é praticamente indiferenciado. Ou seja, o corte, não obedecendo a esta diferenciação, vai-se uniformizando nos moldes outrora usados pelos mais velhos (isto é, preferencialmente curtos e uniformes), qualquer que seja a idade do indivíduo. Note-se, contudo, que, diferentemente do homem, a mulher muhanda ao usar o cabelo sempre trançado tem-no normalmente crescido. E quando o tem curtinho é normalmente comparada a um homem.

45Todas as fases acima referidas marcam os momentos cruciais de transição na vida da mulher e do homem Handa, sublinham a diferença entre homens e mulheres quanto ao seu comportamento e maneira de estar, e afirmam os novos vínculos sociais pela elevação de status.

46Apesar de nos meios urbanos ser mais difícil a classificação das mulheres na ordem acima descrita, pelo facto de os seus traços exteriores serem menos visíveis devido à europeização dos trajes e dos penteados, o comportamento da mulher cumpre mais ou menos o que foi referido, sobretudo naquelas famílias mais tradicionalistas. Contudo, nestas famílias, são as alterações fisiológicas que, em geral, primam na determinação da mudança de comportamento das raparigas – mudança imposta pelos mais velhos – com vista à sujeição das mesmas ao efuko. Em contrapartida, tanto nos meios rurais quanto nos meios urbanos, os homens manifestam a sua virilidade, não só pela força e capacidade de resposta imediata às situações de emergência mas também pela submissão ao ritual ekwendje no qual aprendem os segredos da sua tradição e cultura. Por força do seu papel de mando, permite-se-lhes que sejam muito mais liberais e destemidos do que as mulheres.

Os atributos dos homens e das mulheres

  • 34 . Edifício central onde se desenrola o ritual de efuko. Pormenores sobre a sua estrutura, simbolism (...)

47Os Handa traçam o parentesco através da mãe, figurando a mulher como pilar de toda a estrutura de parentesco e, por extensão, da própria sociedade. Com efeito, todo o sistema sucessório, qualquer que seja a natureza dos bens envolvidos, materiais ou espirituais, incluindo o poder nas diferentes esferas da vida social, é determinado pelo parentesco traçado pela via feminina. Não obstante, as mulheres vahanda, praticamente, não têm acesso à liderança pública. A divisão de tarefas entre homens e mulheres afasta-as da assunção de cargos de chefia. Quando são indigitadas para o efeito, por exemplo para os poderes relativos aos ombelo34, são os homens da sua matrilinhagem que assumem esta liderança. Note-se, entretanto, que em condições excepcionais ela pode ser eleita pelos espíritos ancestrais para usufruir de poderes como o do ombelo que, por serem essencialmente masculinos, jamais exercerá, transferindo-os a posteriori aos homens qualificados da sua matrilinhagem. Entretanto, elas partilham com os homens a responsabilidade de importantes decisões da esfera socio-política, familiar, religiosa e outras. Embora não ocupem cargos administrativos nem políticos, as mulheres vahanda adquirem um grande prestígio social pelos actos que realizam, pelo número de filhos, pelo matrimónio, pelo efuko e pelos sacrifícios do parto.

« Homem é homem, a mulher é sapo »35

  • 35 . Tradução do provérbio Handa « mulume omulume, mukai ocimboto ».
  • 36 . Veja nota anterior.
  • 37 . Parte constituinte do conjunto habitacional típico dos Handa.
  • 38 . Plural de ocimbala ; objecto artesanal produzido pelas mulheres, que se destina a guardar e servi (...)

48A colocação dos problemas sociais é, regra geral, feita aos homens e não às mulheres, dada a sua categoria sempre secundarizada e ilustrada em máximas como a que se segue : « mulume omulume, mukai ocimboto »36. Estes estereótipos, socialmente criados, estão ligados à diferenciação entre o masculino e o feminino e parecem constituir fonte de inspiração para o tipo de educação que se inculca a cada um dos géneros, levando os rapazes a tornarem-se fortes física e espiritualmente e a desenvolverem aptidões para cargos de direcção e chefia, enquanto as raparigas se tornam mais recolhidas, ocupando-se da casa e dos parentes. O homem está geralmente associado a trabalhos pesados, obscenidades, ocoto37, instrumentos, gado e transformação da natureza, enquanto as mulheres se associam ao lar, omafua (cozinha), filhos e ovimbala38.

49A mulher muhanda revela um carácter mais reservado do que o homem mas, depois de ter os filhos crescidos, goza de um estatuto mais elevado e imprime uma dinâmica diferente aos seus gestos, à sua maneira de falar e de tratar das coisas. Mas, ainda assim, nunca são as mulheres a falar primeiro em assuntos que dizem respeito à família ou ao lar. No campo sexual ela deve manifestar uma certa discrição, uma timidez aparente, e salvo algumas excepções são os homens quem primeiro deve tomar iniciativas nas relações sexuais, reservando-se a mulher ao papel de lhes agradar sem, contudo, ser sexualmente passiva.

  • 39 Melissa Llewelyn-Davies, « Women, Warriors and Patriarchs », , in S.B. Ortner &  H. Whitehead (eds)(...)

50Os homens têm sobre as suas mulheres direitos exclusivos nas relações sexuais. Nem mesmo os seus coetâneos de circuncisão partilham as suas esposas, como entre os Maasai de Loita Hills no Kénia39, sob pena de serem acusados de prática de adultério e castigados com uma indemnização (em gado) a favor do marido lesado. Enquanto os homens casam (tahombola), as mulheres são casadas (tahombolwa) e, em condições normais, nem as mulheres nem os homens devem abdicar do casamento, optando pelo celibato.

  • 40 . Tradução literal : « Dar à luz um filho é carregá-lo às costas ».

51A designação « mulher » tem subjacente a noção de maternidade, tida também como uma importante fonte de prestígio e motivo de representação ritual no efuko. Contudo, para se ser mãe não basta dar à luz um filho. Ser mãe é também poder criar um filho, facto explícito na expressão « okucita okuveleka »40, inúmeras vezes reproduzida ao longo da cerimónia do efuko. Assim, a maternidade só incrementa o status da mulher, caso seja antecedida pelo efuko, precedência esta que torna este último uma instituição central e primária na atribuição dos atributos da mulher.

  • 41 . É também assim entre os Bemba, em que as mulheres atingem o estatuto de mulher não pelo facto de (...)
  • 42 . Situações como estas podem ser observadas também entre os Ndembu, cf. V. Turner, La selva de los (...)

52Ser mulher é mostrar-se dócil, trabalhadeira, sensata e cortês ; é ser fértil, saber gerir e suportar a vida do lar. Mas é sobretudo ter sido alvo do ritual, ter interiorizado os ensinamentos do efuko, não possuir impurezas consequentes do estado de hengu e estar apta socialmente para o matrimónio e procriação41. Por oposição, ser homem pressupõe também ser iniciado e estar circuncidado. Requer a rejeição da infância que o liga ao mundo feminino e a estigmas como o de possuir pénis inviril, fraco e gerador de filhos indolentes, frouxos e imperfeitos – estigmas que, por sua vez, obrigam as mulheres a rejeitá-lo, e o impedem de assistir, por exemplo, a certos rituais típicos dos homens adultos, podendo levá-lo a humilhações públicas ou a ouvir comentários a despropósito em circunstâncias ritualísticas42.

53A condição de hengu para as mulheres, e a de incircunciso para os homens, diminui, consequentemente, o status dos filhos e desprestigia o indivíduo em si, bem como a sua família.

54Num olhar sobre si mesma a mulher muhanda caracteriza-se como um ser diferente do homem do ponto de vista físico e social. Contudo, ela não se sente nem desestimada nem inferior ao homem pela sua condição de mulher, embora realize tarefas diferentes das do homem e seja obrigada a obedecer-lhe e respeitá-lo como irmão, pai ou marido e a amá-lo como filho. Entretanto, o homem, apesar de a respeitar como sua companheira, mãe, filha ou irmã, de reconhecer, no seu íntimo, a sua competência nas tarefas do seu pelouro, tem-na como um ser física e emocionalmente mais fraco e, por isso, merecedor de protecção e apoio masculino.

Relações homem/mulher no matrimónio

55Apesar de os Handa constituírem uma população matrilinear, são as mulheres que se deslocam do eumbo dos seus pais para se juntarem ao do homem com quem contraem o matrimónio. Ou seja, os recém-casados constróem a sua habitação no eumbo dos pais ou do tio materno do marido estabelecendo, por isso, uma residência do tipo patrilocal ou avuncolocal. Nestas condições, os recém-casados procuram adaptar-se à nova realidade e ajustar os seus defeitos e feitios. Entretanto, nesse período de adaptação, os mesmos são controlados de perto pelos mais velhos com os quais partilham o eumbo, e que muito atentamente ousam criticar os seus desvios de conduta, procuram transmitir-lhes as suas experiências de vida e de trabalho e ajudá-los no fortalecimento das suas relações conjugais. Só depois de alguns anos passados no eumbo dos pais ou do tio materno do marido, ao longo dos quais o novo casal fortalece o matrimónio e acumula experiências de vida conjugal, é que um indivíduo casado poderá, se o desejar, construir o seu próprio eumbo para viver com os seus filhos e mulheres.

  • 43 . Na perspectiva de Van Gennep, a separação do indivíduo do seu meio leva ao enfraquecimento deste (...)
  • 44 . Este género de situação é caracterizado como parte de uma cadeia de favores mútuos (L. Mair, Intr (...)
  • 45 . Entre os vanyaneka o reconhecimento do matrimónio é feito numa cerimónia designada por ovilombwa, (...)
  • 46 . C. Estermann, Etnografia… op. cit. : 95.

56O matrimónio retira a mulher do convívio da sua família e coloca-a no seio de uma outra, a do seu marido, na qual se integra, convive, tem os filhos e cultiva os seus mantimentos43. A deslocação da rapariga para o novo meio cobre a sua própria família de um sentimento de perda e de descompensação, mas este é mitigado, pelo menos aparente e circunstancialmente, com a entrega de uma dádiva – a qual se designa por ovionda – proveniente da família do rapaz à família da noiva. Esta entrega é um acto simbólico que remete para o estreitamento dos laços interfamiliares dos nubentes, para o reconforto dos parentes da noiva pela descompensação causada com o matrimónio, para uma proximidade e amizade cultivada entre ambas as famílias e também para a legitimação do matrimónio44. Digamos que os que se tornam mais fortes compensam simbolicamente o vazio sentido nos meios de que procedem as mulheres e aos quais elas estão presas por laços de consanguinidade. A referida dádiva consiste essencialmente em bebida (sobretudo omakao), reforçada, naturalmente, por alguns panos, cobertores, adornos, etc., e a ocorrência da entrega do ovionda é um facto que distingue a esposa da concubina, sendo para a primeira um elemento de prestígio. Ao contrário de alguns grupos vizinhos como os ovanyaneka45, aquando do matrimónio a família do rapaz não está obrigada a entregar nenhuma cabeça de gado bovino à família da rapariga, circunstância também apurada por Carlos Estermann : « O costume geral do « dote », em forma de uma ou mais cabeças de gado pago à família da rapariga não é uma prática dos Handas [Handa], Quilenges-Humbes [Cilenge Humbi] e Quipungos [Cipungu]. Aqui, (…) o tal dote (…) é coisa que entre esta gente não existe »46.

  • 47 . Considerar « a ideia de que um africano compra uma esposa à maneira de um lavrador inglês que com (...)
  • 48 . Numa grande parte das sociedades ocidentais e asiáticas as prestações do casamento que os noivos (...)

57Questionados sobre a essência do ovionda, os Handa não o relacionam com qualquer acto de compra ou de venda da mulher a homens de outras famílias. Na sua perspectiva, no acto em si não está subjacente qualquer tipo de transacção, tratando-se apenas de uma regra para o estabelecimento da legalidade, de um sinal confirmando a validade do pacto entre os dois grupos de parentes, de um manifesto de benquerença e também de uma forma de evidenciar e prestigiar a mulher47. O ovionda também não constitui um dote, uma vez que, além de não acompanhar a noiva, o mesmo não se destina a ela ; é recebido pelos parentes da noiva48.

  • 49 . Em ambientes restritos, as mulheres, em geral, ao invés de chamarem os maridos pelo nome, fazem-n (...)

58O matrimónio, além de levar a mulher a trocar de residência e de elevar o seu prestígio como esposa e mãe, leva, em alguns casos, a uma mudança da sua identidade. É comum os homens atribuírem um nome às suas esposas (diferente daquele que lhe é dado pela família ao nascer) pelo qual elas se tornam conhecidas quer na família, quer na sociedade. O contrário praticamente não acontece49, embora a identidade de um homem possa mudar ao longo da sua passagem pelo ekwendje ou por qualquer outra circunstância relacionada com qualquer façanha, pela sua maneira de falar, de andar, etc.

  • 50 . Ao contrário da Europa o estatuto de não casado não está instituído entre os Handa tal como em to (...)

59O matrimónio reforça o estatuto ganho pela mulher aquando da sua passagem pelo efuko. Quando casada, a mulher, então já designada por mukai, ganha, tal como o homem, uma relevância estatutária, e realiza tarefas de grande responsabilidade familiar e social50. Como mulher deve respeitar e cuidar do marido, receber e tratar cordialmente os parentes deste, e não lhe é permitido « falar mais alto » que o homem em casa. Em contrapartida, ela também deve ser tratada pelo marido com respeito e dignidade, podendo este sofrer represálias dos tios maternos da mulher se se verificar o contrário. Ela pode permanecer no matrimónio a vida inteira, contudo, tem o direito de manifestar o seu desagrado se eventualmente for maltratada pelo marido, podendo por este motivo, e com o apoio dos seus tios maternos, desfazer o matrimónio. Em situações de adultério, só quando é a mulher a cometê-lo é que se verifica o divórcio e, ainda assim, casos há em que o mesmo não se processa. A acontecer, o divórcio só se concretiza depois de o homem com quem ela cometer o adultério indemnizar o marido ofendido com um certo número de cabeças de gado – acto designado por ukoi.

  • 51 . Contudo, questões desta natureza têm sido examinadas apenas do ponto de vista dos direitos adquir (...)

60No lar regista-se uma divisão sexual do trabalho, conduzindo a uma não ingerência mútua nas actividades do cônjuge. Por isso, a mulher pode, em determinadas circunstâncias, desobrigar-se das suas tarefas sempre que o desejar, sem, contudo, pôr em causa os seus deveres como mulher, esposa e mãe. Em geral, o seu domínio central circunscreve-se no omafua, e a sua tarefa principal consiste em cuidar do marido e dos filhos, educar, ajudar, acarinhar e orientar a todos os que a circundam, incluindo os mais velhos. Ela também cuida das suas próprias lavras, dos seus instrumentos de trabalho, dos animais domésticos, e gere individualmente o dinheiro ganho na venda dos seus produtos ou animais. Sempre que achar conveniente, ela pode decidir, embora com anuência do marido, deslocar-se sozinha para visitar os seus parentes residentes em localidades distantes daquela onde vive. Mesmo nas pequenas deslocações anda normalmente desacompanhada do marido, o que a torna muito independente. Nas questões que têm a ver com o seu domínio, tem um grande poder de controle e decisão e não depende das ordens do marido. Este tem como domínio central o ocoto, mas também ordena e controla questões ligadas ao pastoreio, à protecção física do eumbo, às suas próprias colheitas, às querelas com a vizinhança e às rixas entre as suas co-esposas. Por outro lado, apoia as suas mulheres nas tarefas agrícolas mais árduas ou outras igualmente penosas. Portanto, com o matrimónio criam-se reciprocidades de direitos e deveres entre o homem e suas mulheres, quanto mais não seja porque nessa relação cada um dos membros do casal, em princípio, tem algo a ganhar, sejam filhos, seja apenas o estatuto51.

61Pode-se inferir, no entanto, que a mulher exerce a sua competência no ambiente doméstico ou a ele relativo, num espaço familiar e num contexto interior. Este constitui o seu campo por excelência, no qual o homem respeita a sua liberdade e deve garantir o seu poder de acção. Já o homem assenhoreia-se de um contexto mais alargado, via de regra, exterior, onde exerce, designadamente, funções de relações públicas e de juiz ou árbitro nos conflitos sociais. Aliás, um homem não pode ser visto constantemente com mulheres nem deve permanecer extensamente em casa, sob pena de ser apelidado de « mulher » ou de « inútil ». O homem desbrava a natureza, estabelece contactos com famílias e grupos vizinhos ou distantes e, também, com pessoas particulares. Embora longe da cozinha, ele também contribui para a economia da família graças ao seu empenho físico na prossecução de outras tarefas. Mas, também, pode afastar-se das mulheres e dos filhos por questões de serviço, guerra ou outras. A poliginia, o matrimónio em si e a grandeza do armentio constituem não só fontes importantes do prestígio do homem como também contribuem para a sua própria definição como homem. Porém, antes do casamento, a circuncisão torna-se para o mesmo a condição primordial de prestígio e ponto de partida para um casamento, tal como o efuko o é para a mulher.

62Como acabei de frisar, as mulheres e os homens ocupam posições diferentes no conjunto social e assumem responsabilidades distintas, embora complementares. Apesar de as mulheres obedecerem aos maridos, não admitem humilhação nem consentem, de ânimo leve, maus tratos físicos ou de qualquer outra ordem, sob pena de eles terem de responder perante a sua própria família e a da mulher.

A hegemonia masculina é relativa

63No contexto das relações de parentesco, a mulher constitui um ponto fundamental de referência, isto é, através dela são estabelecidos os laços de consanguinidade e as regras de sucessão e de herança. Portanto, embora o homem detenha o poder de mando e represente a linhagem, a hegemonia masculina é relativa, já que é a mulher que assegura esse domínio, garante a manutenção da consanguinidade para as questões de poder, herança e sucessibilidade, continua e reforça essa linhagem, gera e educa os filhos. A sua actividade com os filhos (educação, cuidados médicos, etc.) permite-lhe solidificar e estender as suas relações com o exterior através deles e, também, estreitar laços com a cultura – experiência renovável com o tempo e que ela transmite tanto às filhas como aos filhos. Através destes, a mulher liga a tradição à modernidade, já que ela se projecta neles, e os conhecimentos que acumula são permanentemente dinâmicos. A sua condição de mulher não a inibe de lidar com o sexo masculino, de o educar e de incutir nele valores da família, do grupo e da humanidade em si.

  • 52 . Parte constituinte do conjunto habitacional típico dos Handa.
  • 53 . Parte do conjunto habitacional com características específicas onde pernoitam as iniciandas duran (...)

64A importância e poder da mulher permanece, inclusive, nas relações poligínicas, onde a primeira mulher goza de um estatuto privilegiado, é respeitada pelas suas co-esposas e pela família do marido como « primeira dama », mulher principal ou mulher mais velha (mesmo sendo biologicamente mais nova do que as outras) ; torna-se conselheira do marido (e não raras vezes sua cúmplice) tanto para os seus problemas pessoais como para questões referentes ao lar e à família ; é a representante do marido nas ausências deste e sua acompanhante nas cerimónias de grande vulto em que ele é o centro, ou noutras em que esteja envolvido ; pode interferir na escolha de outras esposas para o marido, passando a orientá-las nas questões ligadas, por exemplo, ao trabalho e à família. É da sua omafua (cozinha) de onde se retira o lume para acender o fogo do ocoto52 e, por ocasião da cerimónia do efuko, o do ociyuvo53. Tal importância e poder mantêm-se porque, mesmo neste tipo de relações, cada uma das co-esposas constitui, como mulher, a base essencial nas relações de parentesco.

65Diria, em conclusão, que entre os Handa, apesar dos estereótipos que envolvem a condição feminina, o próprio homem reconhece o prestígio da mulher e valoriza-a como pessoa nas suas vidas. Tanto é que este reconhecimento é manifestado no decurso da cerimónia de efuko com a subtracção do património da família de uma ou mais cabeças de gado bovino para brindar a rapariga por ocasião da sua própria passagem pelo efuko. Com efeito, se o termo « ocimboto » (sapo) permite revelar uma fragilidade, incompetência, ou dependência da mulher e, na pior das hipóteses, a sua subordinação ao domínio masculino não a define integralmente nem com verosimilhança. Aliás, tanto os homens como as mulheres reconhecem que expressões como « mulume omulume, mukai ocimboto » são apenas dicções metafóricas de poder dos homens, embora também admitam que sejam necessárias nas suas relações, principalmente no lar, para evocação e garantia dos seus respectivos lugares.

66Hodiernamente, tanto nos meios rurais como urbanos as mulheres vahanda redobram o seu esforço para garantir o sustento do lar. E, em consequência, o seu dinamismo ultrapassa, em grande medida, o dos homens. As crises de fome, de miséria, bem como os desequilíbrios agravados de ordem social no país fizeram-nas reinventar estratégias de sobrevivência que passam pela sua acção também fora do lar, onde se confrontam directa e permanentemente com o homem. Quer dizer, perante o perigo, a impossibilidade de se deslocarem às lavras para cultivar ou de colherem algum mantimento, somado ao seu baixo nível geral de escolaridade, elas recorrem mais frequentemente às actividades que exigem baixo capital, estando preferencialmente ligadas ao mercado informal. Para o efeito, sacrificam, por exemplo, o gado miúdo para adquirir roupas ou alimentos de primeira necessidade. Contudo, o comércio informal em África é cada vez mais uma actividade corrente levada a cabo, em grande medida, pelas mulheres, tanto nos centros urbanos como rurais. No caso das mulheres Handa, este tipo de actividade leva-as a permanecerem bastante tempo longe da omafua (cozinha), a percorrerem distâncias enormes à procura de bens alimentares e industriais e a exercitar estratégias de negócio, aproximações e contactos estreitos com uma gama variada de pessoas. E tal como as outras mulheres, entre as quais as Umbundu, as Handa, acompanhadas ou não pelos filhos pequenos, desenvolvem pequenos comércios, vendendo bebidas como o omakao, produtos alimentícios como frutos, hortaliças, pão, milho e, inclusive, produtos industriais como tecidos e cigarros.

67Enquanto isso, os homens – muitos deles espoliados do seu gado, impossibilitados de agricultar os seus terrenos, e « destruídos » pela guerra – deambulam, procurando emprego ou algum empreendimento digno, havendo, entretanto, outros, empregados em instituições estatais ou particulares, mas, na maioria dos casos, sem recursos suficientes para o sustento da família.

68Todo este esquema permite às mulheres a ampliação das suas redes de relações e contactos, torna-as mais activas, responsáveis e poderosas, facto que lhes permite afastarem-se sucessivamente da secundarização que afecta os seres femininos em geral. O seu papel no lar ficou reforçado pela garantia que ela dá relativamente à multiplicação dos rendimentos e pelo reforço da sua acção na luta contra a penúria para a preservação da família, ainda que, para o efeito, sacrifique os filhos com trabalho praticamente forçado para as suas idades. Esta situação diminui consideravelmente o Ego masculino educado e habituado a possuir para distribuir, dirigir e controlar. Contudo, apesar desta discrepância, a mulher assegura e faz questão de dar ao homem, ainda que simbolicamente, o seu lugar de chefe.

69Janeiro 2005

Haut de page

Notes

1 . Efuko é a designação do ritual de iniciação feminina entre os Handa que constituem um grupo étnico localizado no Sul de Angola.

2 . A vergonha vai ao ponto de os indivíduos com echutu não serem capazes de despir-se ou lavar-se junto dos outros que já não o possuam.

3 . J. Collier & M. Rosaldo, « Politics and Gender in Simple Societies », in S. Ortner & H. Whitehead (eds), Sexual Meanings : The Cultural Construction of Gender and Sexuality, Cambridge, Cambridge University Press, 1981 : 275-329.

4 . C. Coquery-Vidrovitch, Les Africains. Histoire des femmes d’Afrique noire du xixe au xxe siècle, Paris, Éditions Desjonquères, 1994.

5 . S. Ortner & H. Whitehead, « Introduction : Accounting for Sexual Meanings », in S. Ortner & H. Whitehead (eds), Sexual Meaningsop. cit. : 1-27.

6 . A. Giddens, Sociologia, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1997 1a ed. : 1993 ; A. Loforte, Género, e Poder entre os Tsonga de Moçambique, dissertação de doutoramento em antropologia, Lisboa, ISCTE, 1996.

7 . E. Evans-Pritchard, La Femme dans les sociétés primitives, Paris, PUF (Presses Universitaires de France), 1971 1a ed. : 1965 ; G. Balandier, Anthropologiques, PUF, Paris, 1974, « Sociologie d’Aujourd’hui ».

8 . Para um entendimento mais amplo sobre o efuko, cf. R. Melo, Efuko. Ritual… op. cit.

9 . C. Bell, Ritual Theory, Ritual Practice, New York, Oxford University Press, 1992.

10 . Ibid.

11 . S. Kimbal, « Gennep, Arnold Van », in David L. Sills (ed.), Enciclopedia Internacional de las Ciencias Sociales, 5, Madrid, Aguiar, 1979 : 108-110.

12 . Literalmente, okupita pondje quer dizer « passar para fora ». Designa um ritual ao qual o recém-nascido é submetido, e marca o começo da sua socialização no grupo. O recém-nascido que até então estava ligado só à mãe, tanto no período de gestação como logo após o nascimento, passa, por intermédio deste ritual, a integrar a vida do grupo e a relacionar-se com outros membros da família (mortos e vivos) e não só.

13 . Algumas bebidas e comida preparada pelos familiares mais próximos são, em geral, suficientes para sustentar os participantes no cerimonial.

14 . Mas há algumas excepções à regra. Eventuais incidentes no período de gestação podem determinar tais excepções.

15 . Desta forma se efectua igualmente a representação das linhagens entre os Handa. Embora não seja aqui lugar para tratar do simbolismo do direito e do esquerdo entre os Handa, não deixa de ser interessante referir que na sua língua o (a) esquerdo (a), okumbinda, está associado ao infortúnio, enquanto o (a) direito (a), onkhundio, está associado a comportamentos de dádiva (dá-se e recebe-se com a mão direita ; usar a esquerda é falta de respeito). Isto parece encontrar-se em grande sintonia com o simbolismo da direita e da esquerda evidenciado em termos gerais por R. Hertz ; cf. R. Hertz, La Muerte y la Mano Derecha, Madrid, Alianza Editorial, 1990. 1a ed. : 1909

16 . O comportamento das crianças de outros contextos culturais mostra uma tal similitude. É o caso das crianças índias A’uwe-Xavante do Brasil (A. Nunes, A sociedade das crianças A’uwe-Xavante. Por uma antropologia da criança, temas de investigação 8, Lisboa, Instituto de inovação educacional, Ministério da Educação, 1999), das crianças da aldeia portuguesa de Cotas – Alto Douro (A. Frazão-Moreira, « A aprendizagem no grupo doméstico », in R. Iturra (ed.), O saber das crianças, Setúbal, Cadernos ICE - Inst. das Comunidades Educativas, 3, 1996 : 27-65) e ainda das crianças Tale do Ghana (M. Fortes, « Sociological and Psychological Aspects of Education in Taleland », África Suplemento, XI (4), s. l., Cambridge University Press, 1938 : 5-64). Ilustrando o caso das crianças Tale, M. Fortes sublinha, por exemplo, que elas « são activa e responsavelmente parte da estrutura social, do sistema económico, do sistema ritual e ideológico » (p. 9). Também elas, diz o mesmo autor, « ficam a saber quem foram os seus pais e antepassados …, ouvindo falar sobre eles nos rituais de sacrifício » (p. 12).

17 . Noutros grupos africanos como os Tshidi e os Tsonga também são observáveis certos tabus no que diz respeito à relação da mulher com o gado. Por exemplo, entre os Tshidi, o gado bovino devia ser mantido afastado das mulheres « to whom, it is said, they had an innate antipathy » (J. & J. Comaroff, Ethnography and the Historical Imagination, Boulder (Col.), Westview, 1992 : 109, « Studies in the Ethnographic Imagination »). Segundo H. Junod, entre os Tsonga, uma mulher núbil, por exemplo, que tenha já estabelecido relações sexuais, não é autorizada a tratar do gado. Também entre estes últimos, o « fim da criação de gado não é a obtenção de leite mas sim a aquisição de « riqueza ». Os bois são para os indígenas, a riqueza, o meio de lobolar mulheres e de aumentar assim a família » (H. Junod, Usos e costumes dos Bantu, 2, Maputo, Arquivo Histórico de Moçambique, 1996 : 50).

18 . Eumbo é a designação de uma unidade habitacional composta por várias vivendas independentes e cada uma com uma função particular. No meio tradicional Handa cada eumbo comporta diversos núcleos de uma família alargada.

19 . Existem outras ocasiões especiais nas quais os bois podem ser abatidos. Tais ocasiões são, por exemplo, a recepção de visitas muito importantes e o reaparecimento de um parente desaparecido há anos, cuja vinda permite o reagrupamento ou reaproximação da família.

20 . Estas características são também evidentes entre os vizinhos Nyaneka, Nkhumbi, Muila, cf. C. Estermann, Etnografia do Sudoeste de Angola, grupo étnico Nhaneka-Humbe, II, Memórias Série Antropológica e Etnológica [s.l.], Ministério do Ultramar, Junta de Investigações do Ultramar, 1957, e entre os Ovambo, cf. M. Lima, Nação Ovambo, Lisboa, Editorial Aster, 1977.

21 . M. Mauss, Sociologia e antropologia, II, São Paulo, ed. da Universidade de São Paulo, 1974. 1a ed. : 1950

22 . Contudo, assevera M. Mauss, revela-se importante que as técnicas (ou posturas corporais) que se interiorizam sejam tradicionais e eficazes, aliás, « não há técnica e tampouco transmissão se não há tradição » (M. Mauss, Sociologiaop. cit. : 214, 217).

23 . P. Bourdieu, « La domination masculine », Actes de la Recherche en Sciences Sociales (Paris, Éditions de Minuit), 84, sept., 1990 : 14.

24 . Este estilo indumentário, que é depois substituído por outros subsequentes ao longo do desenvolvimento da criança, reaparecerá, no caso das raparigas, durante o período de efuko.

25 . Para uma apreciação dos detalhes desta complexidade, diversidade e beleza, cf. C. Estermann, Álbum de Penteados do Sudoeste de Angola, Lisboa, Junta de Investigação do Ultramar, 1960 ; o autor elabora uma descrição dos diversos penteados usados pelas mulheres na região do Sudoeste de Angola, nomeadamente pelas vahanda e outras de grupos vizinhos.

26 . Plural de ongalo ; objecto artesanal do género da cimbala que serve para peneirar, guardar os alimentos, etc.

27 . J. Sobral, Trajectos : o presente e o passado na vida de uma freguesia da Beira, Lisboa, Imprensa de ciências sociais, 1999 : 239, (« Análise Social»).

28 . Termo que designa o processo de ritualização do efuko.

29 . O significado e a estrutura do penteado de efuko foram detalhadamente analisados e interpretados pela autora ; para detalhes sobre as características deste penteado bem como as razões da sua vulgarização actualmente, cf. R. Melo, Efuko. Ritual… op. cit.

30 . Nessas circunstâncias, ao contrário das mulheres, os homens limitam-se a fazer um corte de cabelo.

31 . De modo distinto, entre as mulheres kwanyama (parte integrante do grupo etnolinguístico dos Ovambo), o penteado usado após o efundula (ritual de iniciação feminina) designa-se por elende, e na fase seguinte, elas usam um outro designado por ematela, cf. M. Lima, Nação Ovambo, op. cit., 1977 : 174, 177.

32 . Note-se que, não obstante o uso, ainda hoje, das designações referentes às categorias mukwendje, mumati, mulume e mbwale para diferenciar os grupos etários dos indivíduos do sexo masculino, a indumentária a ela correspondente sofreu alterações substanciais, particularmente após os 12 ou 13 anos de idade. Não é raro verem-se rapazes e mais velhos com calças vestidas, ainda que mantenham o tronco nu que é normalmente coberto quando, residindo nos meios rurais, os mesmos se deslocam para os centros urbanos.

33 . Estes últimos termos são mais elaborados do que o anterior, e no grupo etário subsequente podem ser substituídos por outros, como se poderá ver mais adiante.

34 . Edifício central onde se desenrola o ritual de efuko. Pormenores sobre a sua estrutura, simbolismo, importância e características técnico-práticas relativas à sua edificação, cf. R. Melo, Efuko. Ritualop. cit.

35 . Tradução do provérbio Handa « mulume omulume, mukai ocimboto ».

36 . Veja nota anterior.

37 . Parte constituinte do conjunto habitacional típico dos Handa.

38 . Plural de ocimbala ; objecto artesanal produzido pelas mulheres, que se destina a guardar e servir determinados alimentos. É circular, espiralado, e é feito com fibras e um género de capim apropriado. Em geral são enfeitados de motivos decorativos, normalmente geométricos.

39 Melissa Llewelyn-Davies, « Women, Warriors and Patriarchs », , in S.B. Ortner &  H. Whitehead (eds), Sexual Meanings: The Cultural Construction of Gender and Sexuality, Cambridge, Cambridge University Press, 1981 : 330-58.

40 . Tradução literal : « Dar à luz um filho é carregá-lo às costas ».

41 . É também assim entre os Bemba, em que as mulheres atingem o estatuto de mulher não pelo facto de lhes ter aparecido a menstruação, mas sim por terem dançado o chisungu, cf. A. Richards, Chisungu. A Girls’ Initiation Ceremony among the Bemba of Zambia, Londres, Tavistock, 1982 1a ed. : 1956. As mulheres Bemba não iniciadas são apelidadas de « lixo » ou « basura », J. La Fontaine, Iniciación. Drama ritual y conocimiento secreto, Barcelona, Editorial Lerna, 1987 : 149. 1a ed. : 1985

42 . Situações como estas podem ser observadas também entre os Ndembu, cf. V. Turner, La selva de los símbolos. Aspectos del ritual ndembu, Madrid, Siglo Veintiuno Editores, 1980. 1a ed. : 1967

43 . Na perspectiva de Van Gennep, a separação do indivíduo do seu meio leva ao enfraquecimento deste mas, em contrapartida, reforça outro. Cf. A. van Gennep, Os Ritos de Passagem, Brasil, Vozes, 1978. 1ª ed. : 1909 Sendo o enfraquecimento numérico, é também, acrescenta o autor, económico e sentimental.

44 . Este género de situação é caracterizado como parte de uma cadeia de favores mútuos (L. Mair, Introdução à antropologia social, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1979 : 93). Quanto à deslocação da rapariga para outro espaço familiar, não se trata só de uma perda económica (perda, no sentido de diminuição da força de trabalho), mas também, efectivamente, de alguém que deixa de ser membro de um grupo para pertencer a outro, causando assim, uma certa « brecha na solidariedade da família », A. Radcliffe-Brown, « Introdução », in A. Radcliffe-Brown & D. Forde, Sistemas políticos africanos de parentesco e casamento, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1982 : 70. 1ª ed. : 1950

45 . Entre os vanyaneka o reconhecimento do matrimónio é feito numa cerimónia designada por ovilombwa, ocasião em que a família do noivo deve entregar à família da rapariga um boi, o qual designam por « ongombe yo nonthunha », simbolizando o selo matrimonial. A não entrega da referida rês pode ser motivo de dissolução de uma relação conjugal e, segundo os mitos, pode também ser a causa de situações de doença e de mortes sucessivas aos filhos do casal em causa.

46 . C. Estermann, Etnografia… op. cit. : 95.

47 . Considerar « a ideia de que um africano compra uma esposa à maneira de um lavrador inglês que compra o gado é resultado de ignorância … ou de preconceito cego », A. Radcliffe- Brown « Introdução », op. cit. : 67. Aliás, acrescenta o mesmo autor, « se a mulher fosse realmente comprada, e se se pagasse por ela, como, segundo os ignorantes, sucede em África, não haveria lugar para qualquer relação estreita e permanente entre um homem e a família da sua esposa », A. Radcliffe-Brown, Estrutura y función en la sociedad primitiva, Barcelona, Ediciones Península, 1974 : 109, (« Série Universitária História/Ciência/Sociedade, 91 »). 1a ed. : 1952 

48 . Numa grande parte das sociedades ocidentais e asiáticas as prestações do casamento que os noivos ou suas famílias fazem à família da noiva são classificadas por « riqueza da noiva » ou « preço da noiva ». Mas, na verdade, as prestações nessas sociedades, ao contrário do que acontece na generalidade das sociedades africanas, recaem para as mãos da noiva, formando « parte de um fundo conjugal comum (ou por vezes separado) mais do que um fundo social que circula », J. Goody, « Bridewealth and Dowry in Africa and Eurasia », in J. Goody & S. Tambiah, Bridewealth and Dowry, Cambridge, Cambridge University Press, 1973 : 2. E a este tipo de prestação designa-se por « dote ». Embora alguns autores usem frequentemente o termo dote para classificar as prestações matrimoniais em África, a sua aplicação resulta inadequada ; cf. A. Radcliffe-Brown, « Introdução », op. cit. ; C. Lévi-Strauss, As estruturas elementares de parentesco, Brasil, Vozes, 1982. 1a ed. : 1908 O dote não existe em África, sublinha, A. Radcliffe-Brown, « Introdução », op. cit., excepto onde exista um predomínio da lei islâmica. Grosso modo, o dote está « virtualmente confinado à Europa e Ásia », J. Goody, « Bridewealth and Dowry… », op. cit. : 22.

49 . Em ambientes restritos, as mulheres, em geral, ao invés de chamarem os maridos pelo nome, fazem-no usando termos ou expressões carinhosas como, por exemplo, « weiso » (« olhos meus »).

50 . Ao contrário da Europa o estatuto de não casado não está instituído entre os Handa tal como em toda a África, de uma maneira geral, cf. J. Goody, Production and Reproduction. A Comparative Study in Domestic Domain. Cambridge, Cambridge University Press, 1976.

51 . Contudo, questões desta natureza têm sido examinadas apenas do ponto de vista dos direitos adquiridos pelo marido, cf. L. Mair, Introdução à Antropologia… op. cit., o que conduz a interpretações erróneas como aquelas que classificam as mulheres africanas como meras dependentes dos homens.

52 . Parte constituinte do conjunto habitacional típico dos Handa.

53 . Parte do conjunto habitacional com características específicas onde pernoitam as iniciandas durante o cerimonial.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Rosa Maria Amélia João Melo, « Mulher é aquela que « comeu o boi » »Lusotopie, XII(1-2) | 2005, 139-160.

Référence électronique

Rosa Maria Amélia João Melo, « Mulher é aquela que « comeu o boi » »Lusotopie [En ligne], XII(1-2) | 2005, mis en ligne le 30 mars 2016, consulté le 18 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/1218

Haut de page

Auteur

Rosa Maria Amélia João Melo

Centro de Estudos Africanos e Asiáticos, Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), Lisboa

Haut de page

Droits d’auteur

Lusotopie

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search