Navigation – Plan du site

2018-2 Desportos & nacionalismos

Editores convidados

  • Nuno Domingos, Instituto de Ciências Sociais

  • Victor Pereira, Université de Pau et des Pays de l’Adour

Entre os inúmeros recursos à sua disposição para difundir o sentimento nacional pela população, as elites políticas e intelectuais de muitos países (ou os grupos que aspiravam a essa condição) usaram os desportos modernos, organizados no final do século XIX, o período de industrialização.

Diversas modalidades desportivas, bem como vários eventos internacionais (como os Jogos Olímpicos modernos, cuja primeira edição foi realizada em 1896) ajudaram a elaborar discursos - muitas vezes antagónicos – sobre a nação. Os desportos praticados ou os estilos de jogo criados deveriam ser expressões de um pretenso caráter nacional, das qualidades e defeitos da nação. Relacionando desporto e nação, estes discursos, ao contrário das propostas intelectuais e políticas, possuíam a vantagem de chegar a grande parte da população, beneficiando do trabalho dos media e da apropriação comercial das competições desportivas por diferentes atores económicos. O historiador britânico Eric Hobsbawm, que trabalhou sobre o nacionalismo em particular, resumiu assim a importância do desporto no desenvolvimento do sentimento nacional: "O que tornou o desporto tão singularmente eficaz como meio de inculcação de sentimentos nacionais, pelo menos entre os homens, é a facilidade com que os menos politizados e os menos integrados na esfera pública se podem identificar com a nação quando esta é simbolizada por jovens que se destacam numa área na qual quase todos os homens querem ser bons, ou pelo menos assim o desejaram num qualquer momento das suas vidas. A comunidade imaginada de milhões parece mais real enquanto uma equipa de onze indivíduos conhecidos" (Hobsbawm 1990 : 143). Através das competições desportivas que mobilizam mascotes, símbolos, bandeiras, hinos nacionais – símbolos e representações então projetados em larga escala – o desporto estabelece-se como uma dimensão do "nacionalismo banal" referido por Michael Billig (1995): banaliza os diferentes meios destinados a identificar uma nação natural.

Ao mesmo tempo, a insistência na relação entre narrativas nacionais e práticas desportivas obscurece as funções e usos do desporto enquanto meio de identificação quotidiana e como mecanismo de sociabilidade. A falta de estudos sob a condição do adepto e a hegemonia do uso de fontes oficiais nos estudos sobre desporto, principalmente arquivos estatais e notícias de imprensa, contribuem para que a experiência do adepto, mais versátil do que uma muitas vezes é considerado, seja uma mera projeção do discurso nacionalista. A adesão dos adeptos à mundividência nacional é mais frequentemente considerada como óbvia, ocultando outras identificações e outras formas de apropriação das competições desportivas.

Este número especial tem como objetivo ampliar os trabalhos que, nos últimos anos, investigaram a relação entre desportos e nações na área da Lusotopia, principalmente no Brasil (Leite Lopes & Faguer 1994, Drumond 2014), Cabo Verde (Melo 2011), Guiné-Bissau (Melo 2015), São Tomé e Príncipe (Nascimento 2013), Angola (Bittencourt 2010), Moçambique (Domingos 2012, 2015, Cleveland 2013), Goa (Mills 2001, 2002) e Portugal (Coelho 2001, Neves 2004, Domingos & Kumar 2011, Pereira 2016, Kumar 2017). Esses estudos revelam processos que também ocorreram noutras regiões e sociedades (Singaravélou &, Sorez 2010, Archambault, Beaud, Gasparini 2016) e destacam, com maior frequência, o caso do futebol, o desporto mais popular.

A análise das práticas e dos consumos desportivos também é frutífera para questionar o espaço da Lusotopia, que no século XX foi marcado pelo domínio dos regimes autoritários (o Estado Novo português e imperial de 1933 a o Estado Novo brasileiro de 1937 a 1945 e mais tarde a sua ditadura militar, de 1964 a 1985).

A análise do futebol revela uma das ambiguidades que queremos explorar neste número da Lusotopie: como é que este desporto, que se espalhou amplamente em muitas sociedades, representa para alguns autores um exemplo de globalização, através da circulação de imagens, de jogadores e da organização de competições internacionais, tem sido usado para disseminar o discurso sobre a nação, suportando mesmo ideologias nacionalistas. A criação de um mercado desportivo imperial interconectado pelo associativismo e pela imprensa incentivou a circulação de representações e vínculos identitários que, em alguns casos, se articularam com os interesses dos Estados, mas que, noutras ocasiões, revelaram uma autonomia própria.

Associados ao desenvolvimento de uma configuração social moderna, os desportos, como demonstrou Norbert Elias, são fenómenos sociais que nos permitem compreender dinâmicas estruturais, como o processo de construção do estado moderno, a evolução da divisão social do trabalho, o crescimento do associativismo como meio de promoção de atividades de lazer no contexto das sociedades urbanas.

Nesta perspetiva, privilegiamos três linhas de pesquisa:

  • Usos Nacionalistas e Resistências: De que formas e em que contextos o nacionalismo se tornou num instrumento de mobilização política? Como foi usado como meio de gestão política do quotidiano, consagrado em leis e no trabalho das instituições? Inversamente, de que modo o nacionalismo desportivo, enquanto campo conflitual de conversão política, foi apropriado por movimentos de oposição ao poder? Como foram mobilizados os desportos pelos diferentes movimentos que defendiam a independência de seus territórios? Nos territórios que se tornaram independentes, como foi o desporto usado na pedagogia da nação? E quais foram os desportos privilegiados para revelar a "identidade nacional"?

  • Construções identitárias e circulações: Uma vez que os desportos incentivaram a circulação de representações, jogadores, treinadores e técnicas, de que modo participam em construções identitárias ("eles" versus "nós") que estão na base de muitos nacionalismos? Ou, diferentemente, que modo sugeriram uma imaginação internacional? No contexto das lutas pela independência, em que medida o desporto se tornou numa das ferramentas de integração destes movimentos no campo internacional? De que modo esse nacionalismo reforçou ou desafiou conceções de nacionalidade e de pertença étnica, mas também de género - masculinidade e feminilidade?

  • Grandes eventos desportivos: finalmente, os desportos modernos envolveram a organização de grandes eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos. De acordo com o programa de análise proposto por Pierre Bourdieu (1994), seria uma questão de compreender o "processo de transmutação simbólica" em curso durante esses eventos onde a competição "ocorre sob o signo dos ideais universalistas", embora seja marcado por "um ritual, fortemente nacional, se não nacionalista".

Neste número, privilegiamos trabalhos baseados numa pluralidade de métodos, em trabalho de campo, entrevistas ou fontes de arquivo.

Os autores que desejam propor um artigo devem enviar um resumo de 3.000 carateres antes do dia 15 de dezembro de 2017 para lusotopie@gmail.com

Se o resumo for selecionado, os artigos completos são esperados para o 15 de abril de 2018.

A revista aceita artigos em três línguas: francês, português e inglês.

Archambault, F. Beaud S. & Gasparini W. eds. 2016, Le football des nations. Des terrains de jeu aux communautés imaginées, Paris, Publications de la Sorbonne : 51-74.
Billig, M. 1995, Banal Nationalism, Londres, Sage.
Bittencourt, M. 2010, « Jogando no campo do inimigo : futebol e luta política em Angola » in V. A. Melo, M. Bittencourt & A. Nascimento eds,
Mais do que um jogo : o esporte e o continente africano, Rio de Janeiro, Apicuri : 101-132.
Cleveland, T. 2013, « Following the Ball: African Soccer Players, Labor Strategies, and Emigration across the Portuguese Colonial Empire, 1949–1975 » Cadernos de estudos africanos, 26 : 1–19.
Coelho, J. N. 2001, Portugal a equipa de todos nós. Nacionalismo, futebol e media, Porto, Afrontamento.
Domingos, N. 2012,
Futebol e colonialismo : corpos e cultura popular em Moçambique, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais.
Domingos, N. 2015,
As linguagens do futebol em Moçambique. Colonialismo e cultura popular, Rio de Janeiro, 7 letras.
Domingos, N. & Kumar, R. 2011, « A grande narrativa desportiva: o desporto nos média em Portugal », in J. Neves & N. Domingos eds.,
Uma história do desporto em Portugal, t. I, Corpo, espaços e média, Vila do Conde, Quidnovi : 207-310.
Drumond, M. 2014,
Estado Novo e desporte : a política e o desporto em Getúlio Vargas e Oliveira Salazar (1930-1945), Rio de Janeiro, 7 Letras.
Hobsbawm, E. 1990, Nations and nationalism since 1780. Programme, myth, reality, Cambridge, Cambridge University Press.
Kumar, R. 2017, A pureza perdida do desporto. Futebol no Estado Novo, Lisboa, Paquiderme.
Leite Lopes, J. S. & Faguer, J.-P. 1994, « L’invention du style brésilien. Sport, journalisme et politique », Actes de la recherche en sciences sociales, 103 : 27-35.
Melo, V. A. 2011, Jogos de identidade. O desporte em Cabo Verde, Rio de Janeiro, Apicuri.
Melo, V. A. 2015,
A Nação em Jogo: Esporte e Guerra Colonial na Guiné Portuguesa (1961-1974), Rio de Janeiro, PPGHC/UFRJ.
Mills, J. 2001, « Football in Goa: Sport, Politics and the Portuguese in India », Soccer & Society, 2 (2) : 75-88.
Mills, J. 2002, « 
Colonialism, Christians and Sport: The Catholic Church and Football in Goa, 1883-1951 », Football Studies, 5 (2) : 11-26.
Nascimento, A. 2013, Desporto em vez de política no São Tomé e Príncipe colonial, Rio de Janeiro, 7 Letras.
Neves, J. 2004, « O eterno fado dos últimos trinta metros. Futebol, nacionalismo e corpo », in J. Neves & N. Domingos eds., A época do futebol. O jogo visto pelas ciências sociais, Lisboa, Assírio & Alvim : 102-141.
Pereira, V. 2016, « La
Selecção portugaise, entre dictature, propagande coloniale et horizon européen », in F. Archambault, S. Beaud & W. Gasparini eds, Le football des nations. Des terrains de jeu aux communautés imaginées, Paris, Publications de la Sorbonne : 51-74.
Singaravélou, P. & Sorez, J. eds. 2010, L’empire des sports. Une histoire de la mondialisation culturelle, Paris, Belin.

  • Logo Idemec
  • Logo Aix Marseille Université
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo MMSH
  • OpenEdition Journals