Skip to navigation – Site map

HomeCall for papersCall for papers - open2021-2 Distâncias, conveniências ...

2021-2 Distâncias, conveniências e dissensões. A relação de pesquisa em terrenos lusófonos

As pesquisadoras e os pesquisadores de ciências sociais, e particularmente aquelas e aqueles que põem no centro dos seus procedimentos a prática de pesquisa de terreno, têm frequentemente trabalhado no seio de meios sociais pelos quais nutrem simpatia. Podemos facilmente compreender porquê os estudos sobre os grupos que partilham uma orientação ideológica, referências culturais ou uma pertença de classe, desejos políticos ou um interesse estético com o/a pesquisador/a tornam uma tendência central da produção científica. Metodologicamente, a proximidade entre as duas partes que se engajam numa relação de pesquisa apagaria a relutância dos investigados e permitiria à pesquisadora e ao pesquisador entrar em comunicação direta com eles. A conivência essencial ao trabalho de pesquisa de tipo etnográfico, que apela uma empatia, uma compreensão e uma escuta particulares é, no entanto, muitas vezes o resultado de um longo e paciente trabalho de abordagem, de adequação e de reconhecimento mútuo que não tem nada de evidente e natural (Cefaï 2003, Weber 2009).

Decerto, a imersão num grupo próximo daquele do/a pesquisador/a pode tornar a tarefa mais fácil desde o início, se um mínimo de reflexos cognitivos, de hábitos de classe, de experiência de ser minoria ou de representação do mundo são efetivamente comuns. Tal imersão pode, ao inverso, apagar e passar sob silêncio os subentendidos, os preconceitos ou os modos de pensar que deveriam ser explicitados para ser compreendidos e analisados. Ora, e uma boa parte da literatura antropológica das sociedades ocidentais mostra de maneira exemplar os ajustamentos, as aprendizagens, os esforços que são sempre necessários para participar às atividades em análise e levar a cabo uma pesquisa. Jeanne Favret-Saada (1977) impulsionou a lógica etnográfica ao máximo, erigindo a participação do etnólogo no processo de feitiçaria ao risco de passar ao lado do que se passa na realidade.

A partilha da língua, em primeiro lugar, mas também das técnicas corporais (Renahy 2005), das redes interindividuais, de conhecimento das instituições políticas, das topografias ou da história, se não são objetos em si de inquérito, constituem então condições necessárias para criar a proximidade que o trabalho de terreno reclama. Esta partilha existe por vezes antes da pesquisa, mas ela se fina e se complexifica, se atualiza e se reconfigura ao longo da pesquisa de uma maneira mais ou menos radical, segundo o grau de conhecimento de partida. Qualquer que seja a distância cultural, política ou cognitiva que separa o/a pesquisador/a do seu meio de pesquisa, ela deve ser abolida, ao menos parcial e pontualmente, sob o risco de constituir uma deficiência maior no deciframento das situações sociais. A situação de pesquisa, enquanto dispositivo social de dominação, deve ser corrigida para fazer a troca acontecer (Bourdieu 2007: 1389-1424). Isso explicaria uma tendência metodológica a trabalhar com e sobre os meios, os objetos e os contextos com os quais o/a pesquisador/a se sentiria próximo e facilmente em empatia.

Da mesma forma, os trabalhos sobre os arquivos, sobre os documentos ou sobre a materialidade não seriam talvez eficazes se os conhecimentos sociológicos e as afinidades ideológicas não entrariam diretamente em linha de conta no processo de pesquisa. Que o membro de um grupo considerado minoria leve a cabo um trabalho sociológico ou de ciência política sobre o seu próprio grupo abre e simplifica a fase de apreensão do objeto e das fontes. Esta exigência de proximidade traduz-se por vezes hoje numa escolha metodológica e política, mobilizando em certos casos a teoria dos saberes situados (Standpoint Theory, Harding 1991), que exclui os/as pesquisadores/as considerados/as como estrangeiros aos contextos minoritários. Estaríamos assim hoje perante um campo científico cuja epistemologia tornaria indissociável a proximidade, a empatia e o trabalho crítico.

Inversamente, os trabalhos que tomam o contrapé deste facto e que pretendendo descrever, analisar, compreender e comparar as situações sociais, culturais ou políticas distintas, mesmo em oposição à sua própria posição pessoal, descrevem muita vezes a complexidade dos ajustamentos e, por vezes, o travestismo que o/a pesquisador/a teve de operar para inquerir sobre os grupos com os quais partilha pouco ou nenhuma sensibilidade (Laurens 2009). O escopo desses ajustamentos sobre as pesquisas varia segundo as disciplinas e os terrenos de pesquisa. Se o ato de colocar à distância as conceções próprias do/a pesquisador/a se impõe logo no início quando ele ou ela trabalha sobre terrenos longínquos – e então os quadros de pensamento são fortemente distintos da sua sociedade de origem – ou de épocas muito antigas, tal ato torna mais complexo quando o/a pesquisador/a trabalha sobre períodos e terrenos nos quais ele/ela é “tomado/a” como cidadão e universitário ou sobre objetos fortemente comentados no espaço público. Os trabalhos levados a cabo sobre objetos como a imigração, a colonização, o racismo ou os extremos políticos, só para citar alguns (Di Matteo 2007, Dos Santos 2017), engajam o/a pesquisador/a nos debates públicos que atravessam os campos políticos da sua sociedade de origem ou da sociedade que ele ou ela estuda. Esses debates influem sobre o modo como as pesquisas são vistas, interpretadas e difundidas, levando a desafios metodológicos particulares que este dossier excecional pretende questionar.

O estudo de objetos pelos quais o/a pesquisador/a não tem nenhuma simpatia pode desde logo ser questionado sob o ângulo da relação que o/a pesquisador/a mantém com o seu objeto: o que acontece então ao/à pesquisador/a que depara com uma alteridade com a qual a empatia não é evidente ou até parece quase impossível? Que fazer de uma tal diferença que supõe um trabalho permanente de distanciação em relação às suas próprias convicções, por vezes cientificamente construídas, para apreender os meandros de posicionamentos cognitivos ou políticos dos meios observados? Como fazer ciências sociais acerca de situações e grupos com os quais não partilhamos nada?

Além dessa dimensão individual, os desafios metodológicos podem igualmente ser questionados sob o ângulo do posicionamento do/a pesquisador/a nas esferas académica e política: como as simpatias/antipatias em relação a um objeto influem sobre as colaborações científicas? Como os debates que atravessam o campo político influem sobre o modo como o/ pesquisador/a pensa o seu objeto e se posiciona, publicamente, em relação ao mesmo?

A Lusotopia constitui um terreno propício a este tipo de questionamentos em razão de certos processos e evoluções que caraterizam os territórios que a compõem. Se a partilha de uma língua comum facilita as pesquisas comparativas e a circulação de pesquisadoras e pesquisadores, de saberes e de quadros analíticos, esses territórios estão igualmente atravessados por dinâmicas que alimentam oposições, inclusive polarizações fortes no seio dos campos político e académico.

A herança dos episódios coloniais joga sobre a relação que Portugal mantém com os países e os cidadãos anteriormente submetidos à sua administração e, em consequência, sobre as leituras científicas feitas de fenómenos tais como a lusofonia, os contornos do racismo (Machado 2004) ou as migrações (Morier-Genoud & Cahen 2013, Minga 2020). Nos países antigamente colonizados por Portugal, as pesquisadoras e os pesquisadores vistos como portugueses podem ser identificados como representantes de uma potência imperial, mesmo quando negam essa identificação (Pina-Cabral 2002).

Além disso, tendo em conta a história colonial e a distribuição dos territórios da Lusotopia ao “Norte” e ao “Sul”, os saberes produzidos nos seus seios dependem de estruturas económicas, de tradições políticas e de lógicas institucionais distintas e hierarquizadas que influenciam sobre o olhar lançado aos fenómenos políticos e sociais e enquadram os processos de difusão dos saberes e as interpretações julgadas legítimas ou não.

Finalmente, esses territórios abrigaram ou conhecem uma reemergência de regimes e práticas autoritários, de direita e de esquerda que alimentam uma polarização política mas igualmente científica em torno de temáticas ligadas à memória, à violência e às relações de dominação.

Este número excecional da Lusotopie pretende questionar os desafios metodológicos e analíticos de pesquisas levadas a cabo sobre objetos ou grupos sociais com os quais o/a pesquisador/a não partilha nenhuma afinidade social, política ou estética, ou inversamente, com os quais tem muita proximidade. As contribuições para este número poderão assumir a forma de artigos clássicos, mas também de nota de pesquisa (20 000 caracteres), de entrevistas ou de ensaio.

Chamada para contribuições: 22 de março de 2021
Receção das contribuições: 30 de junho de 2021
Versão definitiva: 30 de setembro de 2021
Publicação: 30 de novembro de 2021

Referências citadas

Bourdieu, P. 2007, La misère du monde, Paris, Points.

Cefaï, D. 2003, L'enquête de terrain, Paris, La Découverte.

Di Matteo, L. 2007, L’idiotie en politique, Subversion et populisme en Italie, Paris, CNRS.

Dos Santos, I. 2017, “Postures du chercheur dans les processus mémoriels et patrimoniaux des migrations. Réflexivité revisitée,” Communications, 100 : 57-71.

Favret-Saada, J. 1977, Les Mots, la mort, les sorts, Paris, Gallimard.

Harding, S. G. 1991, Whose Science? Whose Knowledge? Thinking from Women’s Lives, Ithaca, Cornell University Press.

Laurens, S. 2009, Une politisation feutrée. Les hauts-fonctionnaires et l’immigration en France (1962-1981), Paris, Belin

Machado, I. 2004, “Imigrantes brasileiros no Porto. Aproximação à perenidade de ordens raciais e coloniais portuguesas,” Lusotopie, 11 : 121-140.

Minga, E. A. de Paula, 2020, A construção do outro na opinião pública. Representações contemporâneas do Brasil e dos brasileiros na sociedade portuguesa, Dissertação de Doutoramento, Lisboa, FCSH-UNL.

Morier-Genoud, E. & Cahen, M. eds. 2013, Imperial Migrations. Colonial Communities and Diaspora in the Portuguese World, Basingstoke-New York, Palgrave Macmillan.

Pina-Cabral, J. 2002, “Agora podes saber o que é ser pobre. Identificações e diferenciações no mundo da Lusotopia”, Lusotopie, 9 : 215-224.

Renahy, N. 2005, Les gars du coin. Enquête sur une jeunesse rurale, Paris, La Découverte.

Weber, F. 2009, Manuel de l'ethnographie, Paris, Presses universitaires de France.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search