Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXXII(1)DossierRessignificar: Paulo Freire e a E...

Dossier

Ressignificar: Paulo Freire e a Escolinha de Arte do Recife

Resignifier : Paulo Freire et l’école d’art de Recife
Resignify: Paulo Freire and the Recife Art School
Teresinha Maria de Castro Vilela et Aristóteles de Paula Berino

Résumés

L’objectif de cette étude est de présenter les points d’intersection entre la pédagogie de Paulo Freire en matière d’art et d’éducation et le projet de l’Escolinha de Arte à Recife (Brésil). Pour ce faire, nous concentrons l’analyse sur une lettre écrite par l’éducatrice Noêmia Varela, adressée à l’artiste multifacette Augusto Rodrigues, en 1958, avec des suggestions de Paulo Freire pour l’Escolinha. Nous proposons en conséquence de revisiter certaines questions liées à la pensée de Freire dans les domaines de l’art et de l’éducation.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 A Escolinha de Arte do Recife registrada como sociedade civil é uma instituição sem fins lucrativos (...)

1A Escolinha de Arte do Recife1, que completou 70 anos em 2023, mantém-se localizada no estado de Pernambuco, Região Nordeste do Brasil, no mesmo endereço desde a sua fundação em 1953, onde salvaguarda importante acervo sobre a história da Arte e da Educação. Este estudo tem como objetivo apresentar pontos que entrecruzam a pedagogia freireana, no que concerne a Arte e a Educação, com a Escolinha de Arte do Recife. Para tanto, nos detemos a uma carta escrita por uma das fundadoras da Escolinha, a educadora Noêmia Varela (1917-2016), endereçada em 1958 ao multiartista e outro fundador, Augusto Rodrigues (1913-1993), com sugestões de Paulo Freire. Parte do conteúdo da carta conduzirá este estudo.

  • 2 Pesquisa de Pós-doutoramento, realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Conte (...)

2Uma das premissas para nossa pesquisa2 foi a ausência das referências sobre a participação de Paulo Freire na Escolinha de Arte do Recife. Em Ferraz e Fusari (1993), entre outras obras sobre a metodologia no ensino da Arte da década de 1990, duas páginas separam a Escolinha de Arte do Brasil e a metodologia de alfabetização de adultos conhecida como Método Paulo Freire. A primeira faz referência à Escolinha de Arte, que se encontra no Movimento da Escola Nova, e se relaciona a John Dewey, Viktor Lowenfeld e Herbert Read. A segunda faz referência a Paulo Freire, porém, destaca mais especificamente a importância e a repercussão política do método de alfabetização de adultos, entre 1961 e 1964. Entretanto, aparecem totalmente distantes, apesar do entrecruzamento da participação direta de Paulo Freire como um dos fundadores da Escolinha de Arte do Recife, que não é referida.

3Com essa referência, focamos este estudo no período desde o nascimento de Paulo Freire até o seu forçado exílio, após duas prisões no início da ditadura no Brasil em 1964. Paulo Reglus Neves Freire nasceu na cidade de Recife, em Pernambuco, em 1921. Fez seu Ensino Médio no Colégio Oswaldo Cruz, local que estudou com Bolsa de Estudos, na década de 1930. Paulo Freire refere-se ao professor Moacir de Albuquerque do Colégio Oswaldo Cruz nos seguintes termos: “Aguçou em quão gostoso e fundamental era perseguir o momento estético, a boniteza da linguagem” (Freire 2021: 93). Em sua trajetória profissional, Paulo Freire iniciou-se neste mesmo colégio como professor.

4Além de lecionar no Colégio Oswaldo Cruz, Paulo Freire trabalhava como professor particular e é assim que conheceu Elza Maia Costa Oliveira (1916-1986), que era professora alfabetizadora. Casaram-se em 1944 e tiveram cinco filhos: Maria Madalena, Maria Cristina, Maria de Fátima, Joaquim e Lutgardes. Elza Freire, como passou a ser reconhecida, foi uma grande incentivadora para os métodos de alfabetização com arte utilizando imagens: “Elza aprofundou seus estudos; ampliou atividades com a arte-educação; compôs equipes técnicas; integrou e fundou instituições.” (Spigolon 2009: 111).

5Elza e Paulo Freire eram amigos de Noêmia Varela, que nasceu no Rio Grande do Norte e foi morar em Recife ainda criança. Formada, em 1939, pela Escola Normal de Pernambuco, ela começou a lecionar nos anos iniciais da Escola Básica. Dez anos depois, quando cursava o último ano de Pedagogia, fez uma viagem para o Rio de Janeiro, quando conheceu as propostas de educação através da arte, desenvolvidas na Escolinha de Arte do Brasil com Augusto Rodrigues (Varela 1978).

6Augusto Rodrigues, que nasceu em Recife e se mudou para o Rio de Janeiro em 1935, foi um dos idealizadores da Escolinha de Arte do Brasil, fundada em 1948 no estado do Rio de Janeiro, com a artista americana Margaret Spencer e a professora e artista gaúcha Lúcia Alencastro Valentim (Britto 2008).

7A fundação da Escolinha de Arte do Brasil foi um marco na história do ensino da arte no país, e sua experiência resultou no Movimento de Escolinhas de Arte: “A Escolinha, na medida em que ela começa a se desdobrar, passa a ter uma Escolinha no Rio Grande do Sul, passa a ter uma Escolinha em Recife.” (Rodrigues 1978: 370).

8A Carta escrita por Noêmia Varela para Augusto Rodrigues com sugestões de Paulo Freire:

Augusto, Há dias falei com Raquel Crasto e Paulo Freire sobre o nosso projeto com a primeira, por ter experiência bem próxima do que entendemos como boa orientação de escola pré-primária e primária, tendo procurado, em seu Instituto Capibaribe, respeitar a auto expressão da criança e valorizá-la como parte do currículo. Ainda, pelo contato que tem tido com professoras. (Brasil 1980: 76) [Grifo nosso]

9Quando Noêmia Varela escreveu para Augusto Rodrigues em 1958, ela estava na Escolinha de Arte do Recife e ele, na Escolinha de Arte do Brasil, no Rio de Janeiro. A pernambucana Raquel Crasto, citada na carta, já havia aceito o convite de Paulo Freire, idealizador do Instituto Capibaribe, para participar em 1955 do grupo que criaria uma escola alternativa, “uma escola que priorizava a arte” (Barbosa 2021: 21). A fundação da Escolinha de Arte do Recife foi muito importante para a fundação do Instituto Capibaribe, uma escola regular que abrangia a Educação Básica brasileira.

10A escola tinha como proposta aprofundar novas ideias a respeito do porquê, do para quê e do como, ensinar e aprender3, mas sempre priorizando a arte. No ano da fundação do Instituto Capibaribe, em 1955, Paulo Freire dirigia a escola, mas logo passou o cargo para Raquel Crasto, cuja experiência aparece na observação feita por Noêmia Varela na referida carta: “por ter experiência bem próxima do que entendemos como boa orientação de escola pré-primária e primária”. Ainda neste trecho, chamamos também atenção para o termo auto expressão da criança, pois fazia parte da fundamentação teórica, tanto da Escolinha de Arte do Recife, quanto do Instituto Capibaribe, como identificado a seguir.

11Em outro trecho da carta, Noêmia escreve sobre a participação de Paulo Freire em um projeto. Ressaltamos que neste período, entre 1955 e 1959, Freire era membro da diretoria da Escolinha de Arte do Recife, como Conselheiro Consultivo, quem geralmente elabora e implementa os projetos.

Precisamos dar ao nosso projeto propósitos claros, imediatos, feição prática. (Não o vejo tão longe, em seus fundamentos, de um plano de desenvolvimento econômico. Leia o capítulo de ARTE E INDÚSTRIA, de Read, sobre arte e educação na idade industrial.) com essa observação. Paulo deseja defender nosso projeto frente ao julgamento do M. de Educação. (Brasil 1980: 77) [Grifo nosso]

12A influência das ideias de Herbert Read, desenvolvidas no livro Educação pela Arte, de 1943, ficou conhecida em vários países (Read 1943). A obra foi traduzida em vários idiomas, além do autor realizar palestras e exposições em várias viagens, incluindo ao Brasil. Herbert Read visitou a Escolinha de Arte do Brasil, no Rio de Janeiro, em 1953. A proposta de Read era utilizar a arte como método educacional, com base no desenvolvimento da experiência artística dos estudantes: “a Arte deve ser a base de toda a Educação” (Read 1943: 13).

13Adotando esta referência, a Escolinha de Arte do Brasil teve várias propostas, entre elas a livre expressão para crianças e os cursos de formação para professores. Além dos cursos oferecidos, passou a ser um centro de pesquisas com intercâmbios através de palestras, exposições, visitantes, educadores e artistas. A rede chegou a aproximadamente 140 Escolinhas, incluindo duas no Paraguai, uma na Argentina e uma em Portugal. Em 1965, a Escolinha de Arte de Portugal, em Lisboa, foi fundada com a seguinte observação: “A Escola Cecília Menano passou a denominar-se Escolinha de Arte para melhor identificação com o Movimento Escolinhas de Arte” (Brasil 1978: 529). Segundo o depoimento de Noêmia Varela (1972), o Movimento Escolinhas de Arte foi uma consequência da filosofia e da própria dinâmica da Escolinha de Arte do Brasil, como um modelo gerador e não como uma proposta a ser copiada.

14O nome “Escolinha” foi sugerido pelas crianças que frequentavam o espaço, de início um pequeno corredor da Biblioteca Castro Alves, e puderam testar na prática alguns métodos pedagógicos inovadores: “O ato de oferecer tinta para as crianças, nos anos 1940 e 1950, era uma grande prova de confiança e ousadia, o que resultou em adultos que souberam lidar melhor com os desafios da liberdade” (Miranda 2019: 9).

15Uma outra sugestão de Paulo Freire:

16Quando Paulo Freire sugere conferências sobre a realidade brasileira para um dos cursos oferecidos pela Escolinha de Arte do Recife, ele traz a experiência de estudos desenvolvidos por ele com famílias operárias, entre 1947 e 1957 (Souza 2001):

Sugeriu também que o curso poderia ter uma parte introdutória — série de conferências sobre a realidade brasileira no plano da educação de base. Levantamento de problemas críticos da educação entre nós, fundamentação filosófica ligada à arte e educação, como também à indústria e ao desenvolvimento econômico. (Brasil 1980: 77) [Grifo nosso]

17Na década de 1950, em Recife, Paulo Freire e sua esposa Elza Freire iniciavam uma série de experimentos com a alfabetização. Segunda ela, o educador “estava alfabetizando por palavração. Eram vinte e oito palavras geradoras do mundo da criança e estavam dando um resultado fabuloso” (Freire 2001: 348). Elza Freire tinha experiência com alfabetização infantil, e desta forma adaptaram os métodos para a alfabetização de adultos, a partir das “palavras geradoras”. Paulo e Elza Freire utilizavam desenhos e palavras: “Não fizemos por cartaz. Na hora, fazíamos o desenho e escrevíamos também a palavra” (ibid.). As “fichas de cultura”, como ficaram conhecidas depois no Método Paulo Freire, são imagens constituidas por desenhos, fotografias, cartazes ou slides, que surgiam depois de um levantamento realizado a partir do contexto dos estudantes. Dessa forma, a alfabetização não era desvinculada da vida dos estudantes.

18Nos anos de 1960, Paulo Freire pôde confirmar o resultado de seus projetos de educação, trabalhando cada vez mais com uma alfabetização voltada para a conscientização crítica. A metodologia usada ficou mais conhecida com a experiência desenvolvida em 1963 em Angicos, no Rio Grande do Norte, na qual Paulo Freire atuou com 300 adultos em quarenta horas (Lyra 1996).

19A carta que Noêmia Varela escreve para Augusto Rodrigues, além de ser um dos poucos documentos de domínio público que confirma o nome de Paulo Freire na história da Escolinha de Arte do Recife, também demonstra com clareza suas ideias no campo da arte e da educação. Nesta carta, assim como em um texto de Ana Mae Barbosa na década de 1990 intitulado “Paulo Freire e a Arte-Educação”, referem-se à participação de Paulo Freire na Escolinha de Arte do Recife (Barbosa 1996) e colaboraram para este estudo. Ana Mae Barbosa foi aluna de Paulo Freire e de Noêmia Varela. Fernando Azevedo (2001) fez uma pesquisa com Noêmia Varela e Ana Mae Barbosa fazendo uma relação delas com Paulo Freire.

20Ana Mae Barbosa conheceu Paulo Freire em 1955 quando fez um Curso de preparação para o Concurso de Professores de Quarta Instância. Ana Mae Barbosa mudou sua opinião sobre Educação depois que Paulo Freire foi seu professor e Noêmia Varela foi também sua professora. Ana Mae Barbosa passou em concurso para o cargo de professora, alfabetizou durante dois anos com a orientação de Paulo Freire. Depois estagiou e trabalhou na Escolinha de Arte do Recife (Barbosa 2021).

  • 4 Atual Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

21Paulo Freire, professor catedrático da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Recife4 (Silva 2003, Brandão 2005) desde 1952, se manteve como membro do Conselho Consultivo da Escolinha de Arte do Recife até a Assembleia Geral de 1959, quando passou para suplente do Conselho Fiscal. O ano de 1959 é também o da obtenção do doutorado por Paulo Freire, com a tese intitulada “Educação e atualidade brasileira”. O trabalho lhe daria repercussão nacional, porém despertaria também perseguição a partir do golpe militar de 1964 (Haddad 2019). Para ele, o processo de desenvolvimento do Brasil dependia do processo educacional no país, fator chave para a construção de uma sociedade mais consciente e mais participativa.

22Aqui ressaltamos a importância do trabalho com as fontes primárias nesta pesquisa, pois sem o Livro de Atas da Escolinha de Arte do Recife, não teríamos como entrecruzar as informações com a carta de Noêmia Varela endereçada a Augusto Rodrigues e com as sugestões de Paulo Freire, para reconstruir aos poucos esta história. Depois do ano de 1961, a Assembleia Geral da Escolinha de Arte do Recife foi retomada somente quatro anos depois, em 29 de março de 1965. O ano de 1964 iniciou o período da ditadura militar e provocou de fato uma série de mudanças para a Escolinha. A sua Assembleia Geral de 1965 já não constava mais com a presença de Ana Mae Barbosa e Paulo Freire, exilado após duas prisões. Ana Mae Barbosa foi perseguida e teve sua casa “invadida por polícia e exército” (Barbosa 2010: 9), em Recife. Elza Freire e os filhos partiram para encontrar Paulo Freire no Chile em janeiro de 1965: “Com a família em segurança e abastecido de novas experiências profissionais, o educador pensava de longe o Brasil.” (Haddad 2019: 90). O livro Educação como prática da liberdade, que tem como base a tese de doutorado de Paulo Freire, apresenta suas reflexões sobre a prática pedagógica e a metodologia de alfabetização consciente que experimentou em diversos contextos no Brasil. Depois de quinze anos de exílio, na Bolívia, no Chile, nos Estados Unidos e na Suíça, retornou ao Brasil em 1979, para voltar a morar definitivamente no ano seguinte.

23A Escolinha de Arte do Recife teve durante as últimas décadas uma grande importância na formação de crianças e adolescentes, assim como na formação de educadores, como sugerido por Paulo Freire na carta escrita por Elza Freire para Augusto Rodrigues. Não temos dúvidas que tanto a pedagogia freireana, quanto a arte e a educação se entrecruzaram. Paulo Freire e Ana Mae Barbosa mantiveram contatos, ela visitou a família quando estava no exílio (Barbosa 2021) e Paulo Freire continuou a colaborar na formação de Ana Mae Barbosa, influenciando nas suas escolhas.

24Os desdobramentos podem ser vistos nos pontos da Proposta Triangular, na década de 1990, na qual Ana Mae Barbosa afirmou que o conhecimento era construído pelo educando, mediado pelo educador no campo visual, contrapondo com a “educação bancária” (Barbosa 1998), sendo a Proposta Triangular uma proposta assumida como “dialogal” (ibid.: 40-41). Paulo Freire participou, em 1990, da livre-docência de Barbosa na Universidade de São Paulo (Barbosa 2021). A tese foi publicada em 1991 no livro A imagem no Ensino da Arte anos oitenta e novos tempos. Após essa publicação, a discussão sobre o uso de imagens de produções artísticas na sala de aula passou a ser fundamentada. Esta publicação traz outra importante contribuição para o ensino de arte no Brasil, que é a Metodologia Triangular, atualmente conhecida como Abordagem Triangular, sistematizada no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Esta abordagem continua presente nos diferentes espaços formais e não formais, com suas reinterpretações e reorganizações: da leitura da imagem, do fazer e do contextualizar, com o princípio do pensamento de Paulo Freire, que continuam formando educandos e educadores.

Haut de page

Bibliographie

Azevedo, F. 2001, Movimento Escolinha de Arte: em cena memórias de Noêmia Varela e Ana Mae Barbosa, São Paulo, Universidade de São Paulo.

Barbosa, A. M. 2021, “Paulo Freire: uma saudade, uma influência, uma interferência sempre positiva na minha vida”, in Costa, C. ed., Ocupação Paulo Freire, São Paulo, Itaú Cultural: 17-29.

Barbosa, A. M. 2010, “Apresentação”, in Barbosa, A. M. & Cunha, F. eds, Abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais, São Paulo, Cortez: 9-24.

Barbosa, A. M. 1998, Tópicos utópicos, Belo Horizonte, Ed. C/Arte.

Barbosa, A. M. 1996, “Paulo Freire e a arte-educação”, in Gadotti, M. ed, Paulo Freire: uma biobibliografia, São Paulo/Brasília, Cortez-Instituto Paulo Freire/UNESCO: 637-639.

Brandão, C. R. 2005, Paulo Freire, educar para transformar: fotobiografia, São Paulo, Mercado Cultural.

Brasil 1980, Escolinha de Arte do Brasil. Coordenação de Augusto Rodrigues. 1. Educação artística. I. Série, Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), Estudos e pesquisas: 6.

Brasil 1978, Escolinha de Arte do Brasil: análise de uma experiência no processo educacional brasileiro (Machado, L. R. D. red.), Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP).

Britto, J. ed. 2008, 60 anos de arte-educação, através da escolinha de arte do Brasil, Rio de Janeiro, Ed. Do Livro.

Ferraz, M. H. C. de T. & Fusari, M. F. de R. 1993, Metodologia do ensino de arte, São Paulo, Ed. Cortez.

Freire, E. 2001, “Como se tivesse tido a coragem de dizer: não existe daqui pra cá”, in Souza, A. ed., Paulo Freire: vida e obra, São Paulo, Expressão Popular: 343-352.

Freire, P. & Freire, A. M. A. eds 2021, Cartas a Cristina: Reflexões sobre minha vida e minha práxis (4. ed), São Paulo, Paz & Terra.

Haddad, S. 2019, O Educador: um perfil de Paulo Freire, São Paulo, Todavia.

Lyra, C. 1996, As quarenta horas de Angicos: uma experiência pioneira de educação, São Paulo, Cortez.

Miranda, L. 2019, “A escolinha de arte era um mundo encantado”, in Rodrigues, A. ed., Augusto Rodrigues Educador, Recife, Companhia Editora de Pernambuco: 8-10.

Read, H. 1943, A educação pela arte, Lisboa, Edições 70.

Rodrigues, A. 1978, “Entrevista com Augusto Rodrigues”, in Brasil 1978, Escolinha de Arte do Brasil: análise de uma experiência no processo educacional brasileiro (Machado, L. R. D. red.), Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP): 261-394.

Rodrigues, A. 2019, “A arte na educação, na visão de Augusto Rodrigues”, in Rodrigues, A. ed., Augusto Rodrigues Educador, Recife, Companhia Editora de Pernambuco: 27-59.

Silva, M. B. 2003, A Inserção da Arte no Currículo Escolar (Pernambuco 1950-1980), dissertação de mestrado em educação, Recife, programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco.

Souza, A. 2001, “Educação e atualidade brasileira: a emersão do povo na história”, in Souza, A. ed., Paulo Freire: vida e obra, São Paulo, Expressão Popular: 34-68.

Spigolon, N. 2009, Pedagogia da Convivência: Elza Freire, uma vida que faz educação, dissertação de mestrado em educação, Campinas, Faculdade de educação da Universidade Estadual de Campinas.

Varela, N. 2019, “Depoimento Noêmia Varela”, in Rodrigues, A. ed., Augusto Rodrigues Educador, Recife, Companhia Editora de Pernambuco: 77-79.

Varela, N. 1978, “Entrevista com Noemia Varela: formação básica de uma educadora”, in Brasil, Escolinha de Arte do Brasil: análise de uma experiência no processo educacional brasileiro (Machado, L. R. D. red.), Brasília, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP): 395-430.

Haut de page

Notes

1 A Escolinha de Arte do Recife registrada como sociedade civil é uma instituição sem fins lucrativos, que continua funcionando no mesmo local, situada a Rua do Cupim, número 124, Bairro Graças, na cidade do Recife, Pernambuco, Brasil.

2 Pesquisa de Pós-doutoramento, realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGEduc/UFRRJ) – Brasil. O objetivo da pesquisa é buscar registros sobre a formação das ideias de Paulo Freire no Campo da Arte e da estética na Educação, a partir do acervo da Escolinha de Arte do Recife.

3 Disponível em: www.institutocapibaribe.com.br, consultado a 7 de junho de 2023.

4 Atual Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Teresinha Maria de Castro Vilela et Aristóteles de Paula Berino, « Ressignificar: Paulo Freire e a Escolinha de Arte do Recife »Lusotopie [En ligne], XXII(1) | 2023, mis en ligne le 01 octobre 2023, consulté le 21 avril 2024. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/6855 ; DOI : https://doi.org/10.4000/lusotopie.6855

Haut de page

Auteurs

Teresinha Maria de Castro Vilela

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
tecabedelo21[at]gmail

Aristóteles de Paula Berino

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
berino[at]gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search