Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXV(2)Les chroniquesLes comptes rendusFátima Monteiro et al., Portugal....

Les chroniques
Les comptes rendus

Fátima Monteiro et al., Portugal. Strategic Options in a European Context

Lanham, Boulder – Nova Iorque, Oxford, Lexington Books, 2003, 222 p.
Carmo Ponte
p. 259-261
Référence(s) :

Fátima Monteiro et al., Portugal. Strategic Options in a European Context, Lanham, Boulder – Nova Iorque, Oxford, Lexington Books, 2003, 222 p., ISBN : 0-73911-0509-4.

Texte intégral

1Este volume contém as comunicações apresentadas numa conferência no Minda de Gunzburg Center of European Studies, Universidade de Harvard, em Outubro de 1999, com o patrocínio do então director do Centro, Charles Maier. Direccionado para um público inglês, iniciativas deste género devem ser devidamente louvadas, uma vez que permitem a um maior número de leitores acesso a informação sobre Portugal.

2A introdução elaborada pelos editores define o objectivo da conferência como sendo o de dar, a investigadores da cultura, economia e ciência portuguesas, a oportunidade de avaliarem comparativamente o modo como Portugal e as suas instituições evoluíram durante os trezes anos da sua integração na União europeia. O conteúdo do volume foi organizado em quatro partes com os seguintes títulos : « Literatura e Identidade Nacional », « Economia e Finança, « Estado e Política Social, e « Ciência e Política de Investigação » ; e, por sua vez, cada parte contém vários capítulos que variam em número. Pela estrutura física do livro, pode o leitor desde já avaliar que a sua organização não é homogénea, havendo muito mais peso na parte que contém os artigos sobre economia, política social e política da ciência e investigação. A qualidade dos artigos é também variável, sendo os da primeira parte no geral inferiores aos das restantes partes do livro.

3No primeiro artigo dedicado à identidade nacional, foca-se o papel desempenhado pelos símbolos nacionais, entre os quais Camões e o seu poema épico Os Lusíadas tem lugar de destaque. Pensa-se que demasiado ênfase é dado ao uso que dele fez o Estado Novo, que, se bem o tenha utilizado como instrumento de propaganda colonialista, não impediu que nessa mesma data leitores inteligentes mais à esquerda politicamente, como por exemplo, António Sérgio, António José Saraiva, Jorge de Sena, fossem admiradores de Camões e usassem os seus textos de uma maneira totalmente diferente. É preciso não esquecer que Os Lusíadas, através dos tempos, ganharam na educação cívica portuguesa uma importância dominante, que fez do livro o breviário do patriotismo em momentos difíceis da nossa história. A revolução de 25 de Abril de 1974, ao pôr termo à censura, permitiu uma larga gama de experimentação literária como não se conhecera dantes. Daí que a leitura que Saramago fez de Os Lusíadas no seu livro O Ano da Morte de Ricardo Reis seja mais a sua própria interpretação da realidade encoberta pela retórica do estilo épico do que a representação das sensibilidades actuais portuguesas.

4Outro artigo sobre a identidade nacional foca a popularidade do poeta Fernando Pessoa, cujo contraste com Camões não poderia ser maior. Curiosamente, enquanto este se tornou famoso por « cantar » os feitos dos portugueses, Pessoa ficou famoso pelo que não disse, ou melhor, pela crítica que dirigiu aos seus compatriotas. Na verdade, Pessoa, o ícone da cultura portuguesa do século xx não era realmente « um dos nossos », como muito bem o definiu Casais Monteiro, apelidando-o de « estrangeiro definitivo ».

5Fecha esta primeira parte o artigo intitulado « A perda da Memória ». Embora muitas das asserções aí contidas sejam verdadeiras, haverá a dizer que especulações literárias sobre a identidade nacional podem ser enganadoras na medida em que representam apenas a opinião de uma pequena elite, enquanto que a maior parte dos portugueses se mantém indiferente. O conceito de identidade tem a sua utilidade, sempre e quando for usado com discrição e subtileza.

6Em completo contraste, os artigos contidos nas outras três partes do volume focam assuntos de natureza económica, política e científica e cuja objectividade pode ser comprovada nas tabelas e gráficos incluídos, fornecendo ao leitor a mais recente informação sobre o progresso que se tem vindo a operar em Portugal desde a sua adesão à União europeia. Sendo um dos mais pequenos países da União, Portugal é um laboratório interessante para avaliar as consequências políticas e económicas da integração, as mudanças que se operaram, ao mesmo tempo que no capítulo que trata das finanças se esboçam aquelas que não estão ainda concretizadas. Entretanto, Portugal tem feito renovados esforços para acompanhar o desenvolvimento dos países do norte da Europa na área da providência social, se bem que em termos que são nitidamente portugueses. Até à data o país tem investido numa estratégia mais tradicional, mas a forma do modelo social português do futuro depende muito de como o problema do mercado de trabalho, dentro e fora do país, irá ser resolvido.

7A tomada de consciência por sucessivos governos portugueses da necessidade de implementar programas na área da educação e da ciência e tecnologia levou finalmente ao financiamento de programas para preencher esta lacuna, usando contribuições substanciais da UE. Cabe aos futuros governos a responsabilidade de continuar a apoiar a educação, a ciência e a tecnologia, promovendo medidas e leis que se ajustem às novas realidades e desafios que se apresentam a Portugal. Finalmente, os artigos fornecem uma avaliação detalhada da emergência de Portugal na diplomacia e comércio internacionais, constituindo um modelo importante para estudos a serem efectuados num futuro próximo que avaliem o impacte que a integração na UE teve sobre a sociedade e a cultura dos novos países membros.

Maio de 2007

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Carmo Ponte, « Fátima Monteiro et al., Portugal. Strategic Options in a European Context »Lusotopie, XV(2) | 2008, 259-261.

Référence électronique

Carmo Ponte, « Fátima Monteiro et al., Portugal. Strategic Options in a European Context »Lusotopie [En ligne], XV(2) | 2008, mis en ligne le 01 février 2016, consulté le 18 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/689

Haut de page

Auteur

Carmo Ponte

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Lusotopie

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search