Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXXII(1)DossierA atualidade da praxis freireana,...

Dossier

A atualidade da praxis freireana, a dialética da crítica situada e os movimentos anti-Freire

Diálogo por escrito com Joana Salém Vasconcelos, por Débora Dias e Mélanie Toulhoat
Actualité de la praxis freirienne, dialectique de la critique située et mouvements anti-Freire. Dialogue écrit avec Joana Salém Vasconcelos, par Débora Dias et Mélanie Toulhoat
The timeliness of Freirean praxis, the dialectics of situated criticism and the anti-Freire movements. Written dialogue with Joana Salém Vasconcelos, by Débora Dias and Mélanie Toulhoat
Joana Salém Vasconcelos, Débora Dias et Mélanie Toulhoat

Texte intégral

  • 1 Joana Salém Vasconcelos é historiadora e professora visitante do curso de Economia na Universidade (...)

A reflexão sobre a obra de Paulo Freire e sobre as práxis que reivindicam sua influência desde o Brasil foram o ponto de partida para o encontro com a historiadora Joana Salém Vasconcelos1. Doutora em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), defendeu em 2020 a tese “O lápis é mais pesado que a enxada”: reforma agrária no Chile e pedagogias camponesas para a transformação econômica (1955-1973), investigação que, entre outros tópicos, aborda a influência de Paulo Freire na reforma agrária chilena, numa perspectiva dialética entre Economia e Cultura. No contexto de celebração do centenário do educador, Joana foi uma das organizadoras do livro Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie (Vasconcelos et al. 2023), coletânea que reúne 65 autoras e autores ligadas/os à pesquisa e ao ativismo em educação popular e pedagogia crítica. O livro também comemora os quinze anos da Rede Emancipa, iniciativa de educação popular que oferece, gratuitamente, cursos para o acesso de estudantes de escolas públicas às universidades brasileiras, em mais de 20 cidades no país, especialmente no Estado de São Paulo. Joana Salém Vasconcelos é uma das fundadoras e integrante do movimento-projeto.

Este diálogo, que é publicado na íntegra, se guiou pelo nosso interesse nos escritos e na intervenção da pesquisadora-professora, especialmente quanto ao protagonismo que garante à escola pública como espaço privilegiado para os processos de conscientização com vistas à transformação social. Por e-mail, propusemos apresentar a ela quatro tópicos, com comentários seguidos de questões, sobre os quais a autora teria total liberdade de resposta. O desafio foi aceito de pronto e com generosidade. Desde Lisboa, buscamos ativar questões abordadas em diferentes contextos pela educadora na sua intervenção pública como intelectual: artigos, tese, entrevista em podcasts. De São Paulo, Joana Salém Vasconcelos desenvolveu tópicos que se complementam e, simultaneamente, destacam a atualidade não somente do pensamento freireano, mas também das discordâncias de variado quilate à Paulo Freire e dos ataques que seguem ao autor, à sua obra. De um espaço comum com perspectiva internacionalista, trata-se aqui de um diálogo sobre o potencial de emancipação por via da conscientização, quer sobre aquelas que brotaram, quer sobre as que ainda germinam (Débora Dias e Mélanie Toulhoat).

A recepção de Paulo Freire no Brasil

  • 2 Green, E. 2016, “What are the most-cited publications in the social sciences (according to Google S (...)
  • 3 Gonçalves, Y. 2020, “Fundação Lemann e os ataques à Educação Básica Pública em tempos de Covid-19”, (...)

Débora Dias, Mélanie Toulhoat - Em uma entrevista, no ano de 2007, Ana Maria Araújo Freire afirmou que “Paulo é muito estudado na academia, mas ele é muito mais bem visto, mais bem quisto, mais querido e mais estudado nos movimentos populares” (Freire 2007: 685). Enquanto métricas são repetidas com recorrência para atestar a influência de Paulo Freire2 nos estudos de Educação, de Filosofia, de Sociologia, de Ciência Política, de Psicologia, de Serviço Social, de História, de Artes – numa lógica de ranking que é contrária às matrizes desse próprio pensamento (Fischman et al. 2018) – há uma leitura que não é tão fácil de medir ou de dimensionar quanto a suas práticas e alcance, como a realizada coletivamente por movimentos sociais. Numa mirada panorâmica, há experiências de educação quilombola, de educação indígena e práticas pedagógicas do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Terra (MST) no Brasil, com fortes vínculos com a pedagogia freireana (Gonçalves et al. 2022: 34). Por outro lado, há propostas que se reivindicam freireanas ou inspiradas em Paulo Freire, mas que não se implicam em uma compreensão libertária e problematizadora da Educação. Como um exemplo, há defensores da proposta chamada de “Novo Ensino Médio” no Brasil, ou o Ensino Médio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que inclui, entre seus apoiadores, fundações e institutos vinculados a bancos3 e editoras de livros didáticos [manuais escolares]. A despeito da ênfase excessiva da proposta em disciplinas técnicas em detrimento das humanidades, esses grupos defendem haver mais “liberdade” de adequar o programa aos interesses dos alunos, o que a aproximaria do pensamento de Paulo Freire. Que questões, dificuldades, desafios e, especialmente, potencialidades, gostaria de refletir em torno deste tema, como exercício para percebermos melhor a leitura de Freire no Brasil?

Joana Salém Vasconcelos - Foram muitas as tentativas de apagar e difamar Paulo Freire no Brasil desde o golpe de 1964. Apesar de sistemáticas e contínuas, podemos firmar com certeza que deram substancialmente errado. Os detratores de Paulo Freire da época da ditadura civil-militar (1964-1988) se tornaram minúsculos perto da força mundial e socialmente enraizada da sua pedagogia (Veras 2023). Aliás, Pedagogia do Oprimido consta entre os dez livros mais importantes do mundo no século XX, segundo a Associação Americana pelo Desenvolvimento dos Estudos Curriculares. Algo semelhante ocorre hoje quando a extrema-direita brasileira o elege como inimigo prioritário e, involuntariamente, o torna ainda mais celebrado pelas velhas gerações e reconhecido pelas novas.

  • 4 Sobre a precarização estrutural do mundo do trabalho e seus impactos na subjetividade do trabalhado (...)

Concordo com a interpretação de que os movimentos sociais brasileiros são os maiores impulsionadores da pedagogia freiriana na prática, muito mais do que a educação formal e as políticas públicas de Estado. Diferentemente do que a extrema-direita propaga, o sistema educacional brasileiro, em linhas gerais, não é tributário da pedagogia freiriana. Ao contrário, a escola brasileira ainda é, muitas vezes, um espaço de verticalidade, educação bancária e seleção social – o que se impõem retroativamente pela lógica excludente do vestibular na ponta final do percurso escolar que, por sua vez, se vincula a um mercado de trabalho hierarquizado pelo diploma4. As desigualdades educacionais no Brasil são as principais reprodutoras das desigualdades sociais e, portanto, ocupam um lugar estratégico na engrenagem do capitalismo brasileiro.

A presença da pedagogia freiriana na educação formal é contraditória. É certo que existem dezenas de milhares de educadores freirianos espalhados pelas escolas de todo Brasil, que praticam metodologias emancipatórias e pedagogias críticas. Contudo, esse professorado freiriano é frequentemente desfavorecido por uma estrutura de trabalho precarizada, que massacra o tempo de pesquisa autônoma e de preparo de aulas. A construção da comunidade escolar democrática também custa tempo e o docente precarizado simplesmente não dispõe desse tempo, porque precisa trabalhar em três escolas e dar mais de 40 aulas por semana. O tempo necessário para política da emancipação é sequestrado pela exploração do trabalho intelectual precarizado do professor. Apesar da hierarquia do diploma, o professor brasileiro tem os piores salários do mercado proporcionais à sua qualificação acadêmica, que é maior que a média. Docentes são socialmente reconhecidos no Brasil como quem não recebe remuneração adequada. De tal maneira que é impraticável uma pedagogia freiriana plena no atual sistema de exploração do trabalho dos professores.

É possível dizer que, na sua base, a legislação educacional brasileira até carrega alguns elementos “freirianos” e pode ser interpretada, em termos relativos, pelo viés da emancipação. Por um lado, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, n. 9.394 de 1996), por exemplo, menciona a gestão democrática das escolas, a participação dos professores nos projetos político-pedagógicos, os conselhos escolares de cunho comunitário e a autonomia relativa das direções escolares (Nascimento 2023). No entanto, por outro lado, as relações práticas entre direção, professores e alunos nas escolas brasileiras ainda é bastante marcada por hierarquias rígidas de poder, por relações de mando e, sobretudo, pelas pressões concorrenciais do mercado de trabalho. Quanto mais acirrada a concorrência entre trabalhadores no capitalismo periférico (Antunes 1999, Abílio 2019), mais essa lógica social se reflete na concorrência entre estudantes na escola. Assim, um mercado de trabalho precário se impõe sobre as relações escolares, gera fortes pressões sociais e econômicas sobre a juventude, e fragiliza a solidariedade comunitária que deveria ser a base da escola democrática proposta por Freire.

A pedagogia freiriana desperta muitas tensões políticas no Brasil atual porque vivemos um recrudescimento do autoritarismo. A nova extrema direita brasileira encarna aquilo que a filósofa Marilena Chauí chamou de “sociedade autoritária”, ou seja, um tecido social estruturalmente hierárquico e altamente estratificado, que se disfarça de democracia racial e naturaliza a violência. Como elucidado por Chauí, “porque temos o hábito de supor que o autoritarismo é um fenômeno político que periodicamente afeta o Estado, tendemos a não perceber que é a sociedade brasileira que é autoritária e que dela provêm as diversas manifestações do autoritarismo político” (Chauí 2000).

A noção de sociedade autoritária sintetiza muito bem o problema fundamental da pedagogia freiriana, que é o fenômeno da “aderência ao opressor” ou da internalização do opressor na subjetividade do oprimido. Freire explicou esse conceito em Pedagogia do Oprimido na seguinte passagem: “quase sempre, num primeiro momento, os oprimidos, em vez de buscar a libertação na luta e por ela, tendem a ser opressores também, ou subopressores [...] Daí essa quase aberração: um dos polos da contradição pretendendo não a libertação, mas a identificação com seu contrário. [...] Para eles, o novo homem são eles mesmos tornando-se opressores de outros" (Freire 2018: 43).

No Brasil, a sociedade autoritária e a aderência ao opressor foram forjadas por quase quatro séculos de escravidão, o que as torna processos de longa duração, profundamente enraizados na estrutura cultural-econômica e difíceis de superar. É por isso que o neo-fascismo brasileiro tem forte lastro social, e isso precisa ser reconhecido para ser combatido de maneira apropriada (com educação popular freiriana). A pedagogia freiriana é uma poderosa arma antifascista. Uma sociedade autoritária tem múltiplas camadas de opressão: da exploração do trabalho por mega-empresas de aplicativos ao autoritarismo patronal contra trabalhadoras domésticas, desembocando na violência normalizada contra pretos, pobres, mulheres e dissidências sexuais. A pedagogia do oprimido não apenas lançou luz sobre esse problema (as dinâmicas estruturais da opressão), como também ofereceu um método tremendamente acessível para combatê-lo. Por isso, os grupos opressores organizados reagem furiosamente contra a pedagogia do oprimido, especialmente quando sentem ameaçada sua própria “liberdade de opressão” (que é propositalmente confundida com “liberdade de expressão”).

Apesar da dificuldade da pedagogia emancipadora se enraizar nas escolas, os movimentos sociais brasileiros se tornaram territórios nos quais a práxis freiriana é bastante desenvolvida, justamente porque a pedagogia dos movimentos está mais livre das amarras da exploração do trabalho docente, e tem como objetivo primordial a superação do autoritarismo social e da concorrência do mercado de trabalho, que “invadem” e estruturam a educação formal. A educação popular dos movimentos sociais brasileiros tem sido, nas últimas quatro décadas, um lugar de experimentos pedagógicos freirianos extremamente bem-sucedidos e cada vez mais consolidados.

Entre os maiores exemplos está o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que incorporou a pedagogia do oprimido como parte de seus processos de formação social desde de sua fundação nos anos 1980. O MST fez da luta pela educação emancipatória uma agenda integrada à luta pela reforma agrária, ambas concretizadas na reivindicação de escolas públicas nos assentamentos do movimento. Como documentado pelos militantes da Comissão Nacional de Educação do MST, “a luta e resistência do povo sem-terra conquistou aproximadamente 1,5 mil escolas públicas (estaduais e municipais), das quais 120 ofertam até o ensino médio, duzentas o ensino fundamental completo e as demais ofertam os anos iniciais. Nelas, estudam em torno de 200 mil crianças, adolescentes, jovens e adultos, e atualmente cerca de dez mil educadores(as)” (Mariano & Oliveira 2023: 222). Segundo os autores, o movimento já alfabetizou mais de 100 mil adultos com a estratégia de Paulo Freire.

Já nos territórios urbanos, um exemplo de pedagogia freiriana impulsionada no âmbito dos movimentos sociais no século XXI é a Rede Emancipa de Educação Popular, criada em 2007 em São Paulo, da qual tenho a alegria de ser cofundadora. A Rede Emancipa luta pelo direito de acesso à universidade pelos jovens periféricos e trabalhadores, numa batalha simultânea pela popularização do conhecimento científico dentro universidade e pela valorização dos saberes populares fora dela. Hoje, o movimento constrói mais de 60 cursinhos populares em doze estados brasileiros, além de centros culturais em bairros populares, trabalhos comunitários e formações livres em alianças com universidades públicas, promovendo cursos gratuitos para jovens e adultos trabalhadores pela pedagogia freiriana.

  • 5 Para mencionar apenas algumas pesquisas que analisam o trabalho da Rede Emancipa: Aquino 2023, Barr (...)
  • 6 O livro Paulo Freire e a Educação Popular: esperançar em tempos de barbárie (Vasconcelos et al. 202 (...)

Em 2019, a Rede Emancipa teve mais de 20 mil estudantes inscritos em seus cursinhos em âmbito nacional. A diversidade de trabalhos populares desse movimento, suas conquistas e suas contradições podem ser observadas na grande quantidade de pesquisas acadêmicas e relatos de experiência já produzidos a respeito5. Durante a pandemia, a Universidade Emancipa (um “braço universitário” do movimento) promoveu cursos online com metodologias de educação popular para mais de 50 mil pessoas, sendo o maior deles uma formação em homenagem ao centenário de Paulo Freire, que resultou no livro coletivo Paulo Freire e a Educação Popular: esperançar em tempos de barbárie, organizado por mim, Maíra Mendes e Daniela Mussi6.

Ao mesmo tempo que se fortalece e se torna progressivamente mais enraizada e diversificada, a pedagogia freiriana dos movimentos populares encontra inimigos muito poderosos. Nesses últimos anos, ficou evidente que neofascismo e neoliberalismo, ambos, tem interesse no enfraquecimento da pedagogia crítica e da educação emancipadora. Contudo, precisamos reconhecer as diferenças entre neofascismo e neoliberalismo, ainda que sejam parceiros na empreitada de destruir a luta popular por educação. É fato que neofascismo e neoliberalismo têm estratégias muito diferentes para exterminar a influência de Paulo Freire na educação brasileira e atacar os movimentos sociais. Enquanto o primeiro disseminou o ódio e a difamação contra Freire, o segundo se instrumentaliza de fragmentos e vocabulários da estratégia freiriana para descaracterizá-la com viés de “liberdade de mercado” (como acontece no Novo Ensino Médio). São necessárias mediações táticas diferentes para combater estes dois inimigos da emancipação social - em ambos os casos a educação popular é estratégica.

As detrações e os/as detratores/as de Paulo Freire à direita e à extrema direita

DD, MT - Em 1964, os militares brasileiros, apoiados por setores da sociedade civil, derrubaram o governo do presidente João Goulart (1919-1976) em um golpe de Estado. O Programa Nacional de Alfabetização, previsto para ser lançado em maio daque ano, foi extinto 13 dias após o golpe militar, e o trabalho desenvolvido por Paulo Freire e sua equipe acusado de “subversivo”. Sérgio Haddad destacou que os militares apontaram “o material didático produzido como contrário aos interesses da nação e acusaram seus autores de querer implantar o comunismo no país. Acabava ali o sonho de lançar 60.870 Círculos de Cultura para alfabetizar 1,8 milhão de pessoas ainda em 1964, 8,9% do total na faixa de quinze a 45 anos que não sabiam ler nem escrever” (Haddad 2019). O próprio Haddad destaca que os militares davam eco a uma discussão já iniciada anteriormente por setores mais conservadores da sociedade, que se declaravam em artigos de jornais e debates parlamentares, contra a inclusão de mais eleitores no sistema político brasileiro. Milhões que seriam alfabetizados e que poderiam ter acesso ao voto, direito vedado então a analfabetos.

Em Recife, Paulo Freire foi preso pela primeira vez em 16 de junho do mesmo ano, somando um total de 72 dias em cárcere. Ao ser chamado para novo depoimento no Rio de Janeiro, o educador recebeu asilo político na Embaixada da Bolívia, quando teve mais um mandato de prisão expedido baseado nos argumentos que estaria implicado “em subversão nos meios intelectuais e de alfabetização; seu método não tinha qualquer originalidade e a velocidade era inferior a de outros modelos; a experiência de Angicos era por si só um atestado de subversão na medida em que mais politizava do que alfabetizava; seria um mistificador, suposto criador de um método e sem pejo de negar que desconhece tudo o que há a respeito; seria um aliciador sistemático do marxismo” (Haddad 2019: s/p). O documento foi assinado pelo tenente-coronel Hélio Ibiapina Lima. Importa notar que esse mesmo militar foi apontado no relatório final da Comissão Nacional da Verdade, em 2014, junto a outros 376 agentes do Estado, por violação dos direitos humanos e crimes cometidos durante o regime militar. Durante o exílio, Freire passou vinte dias na Bolívia, e foi surpreendido por um novo golpe de Estado, que o forçou a seguir para o Chile, onde trabalhou (1964-1969) no governo progressista de Eduardo Freire.

As mesmas acusações que Paulo Freire recebeu, ainda nos anos 1960, retornaram ao debate público com a ascensão de grupos de extrema-direita no Brasil, especialmente a partir de 2016, com o processo de impeachment da presidenta brasileira Dilma Roussef, mas com ataques institucionalizados durante o governo de Jair Bolsonaro (2019-2022).

O potencial de Angicos, como a primeira experiência de alfabetização de adultos liderada por Freire enquanto diretor do Departamento de Extensão Universitária da Universidade de Recife, ainda reverbera na atualidade. Os recentes ataques à universidade e à educação públicas, tanto no Brasil quanto em outros países, se enquadram num contexto mais amplo de criminalização das práticas pedagógicas emancipatórias, que incluem a experiência inaugurada por Paulo Freire. Esta seria a base do ódio que Paulo Freire despertou e segue despertando nos grupos de direita e extrema-direita? Em maio de 2019, por exemplo, um projeto de revogação da Lei 12.612 de 13 de abril de 2012, que declara “o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira”, foi apresentado por integrantes da extrema-direita brasileira. A Educação concentra o ódio de setores conservadores que continuam a repetir que há uma subversão moral e ideológica, de cunho comunista, infiltrada dentro do sistema escolar.

Como analisar estas campanhas de detração a Paulo Freire, este ódio consolidado por parte de movimentos conservadores? Por um lado, o ataque direcionado às ideias pedagógicas freireanas e o potencial emancipatório da conscientização, e, por outro lado, a criação de mitos e imaginários políticos alimentados pela extrema-direita contemporânea?

JSV - As direitas temem a pedagogia do oprimido justamente pela sua eficácia em desarmar o mecanismo fundacional da sociedade autoritária (Chauí 2000), tanto quanto por sua acessibilidade e aplicabilidade na experiência social dos educadores nos mais diferentes recantos brasileiros em que existe opressão. A pedagogia do oprimido abre caminho para multiplicação de sujeitos trabalhadores que não aceitam humilhações, que combatem as violências naturalizadas, rompem silenciamentos, lutam por qualidade de vida, trabalho digno, direitos sociais, e estão lastreados em uma cultura popular subjetivamente poderosa e orgânica.

A história de perseguição contra Paulo Freire já completou 60 anos, tem diversas etapas históricas, mas com difamações bastante repetitivas. Um dos documentos mais interessantes da longeva perseguição contra Paulo Freire é o Inquérito Policial Militar (IPM) aberto contra ele na ditadura brasileira iniciada em 1964, que registra os interrogatórios conduzidos pelo coronel Hélio Ibiapina (mencionado por vocês) contra o educador. Ainda em 2023 publicarei um livrinho no Brasil com título “Inquérito de Paulo Freire”, propondo uma análise histórica desse documento, seu uso em sala de aula e sua transcrição na íntegra (está no prelo).

  • 7 Ibid.: 93, 106, 196. Exemplos de relato de torturas comandadas por Ibiapina podem ser encontrados e (...)
  • 8 Disse Ibiapina: “Em 1965, fui escalado para fazer o curso na Escola das Américas, no Panamá. Não ti (...)

O Coronel Ibiapina, interrogador de Freire, se dedicou especialmente a perseguir quem chamava de “comunistas disfarçados de anjo” e “desordeiros disfarçados de reformadores” (CEMV-PE 2012: 274). Ele também dizia que “sociologia é igual a leninismo” e que existiam “padres comunistas que não sabem que são comunistas” (ibidem: 77). Sabe-se que Ibiapina foi adepto da tortura irrestrita, sendo mais extremista que o próprio ditador Castelo Branco, como registrado em cartas trocadas por ambos no começo da ditadura (ibid.: 112). Não por acaso, Ibiapina foi um dos maiores responsáveis pelas torturas em Pernambuco, chefe do IPM do Nordeste e do IPM Rural7. Além de comandar a repressão, as emboscadas e a sistemática da tortura em Pernambuco, em 1965 o coronel foi destacado para fazer um curso na Escola das Américas, no Panamá, com instrutores estadunidenses. Décadas mais tarde, em 1998, Ibiapina criticou numa entrevista que na Escola das Américas “não ensinavam a matar gente” e que era “muito fraca” (sic). Ou seja, a maior escola de tortura internacional criada na história do hemisfério Ocidental era pouco para ele! Suas expectativas foram frustradas, talvez esperasse tópicos mais avançados no quesito “matar gente”8.

  • 9 Prontuário Individual de Paulo Reglus Neves Freire. Arquivo Público de Pernambuco Jordão Emerencian (...)
  • 10 Ibid.

Em 1964, constava no prontuário da Delegacia de Segurança Pública de Pernambuco, que Freire “era um dos responsáveis pela subversão no campo da alfabetização de adultos” e que “essa subversão era executada com recursos financeiros do próprio governo federal, com ajuda da Aliança para o Progresso”9. O IPM aberto para perseguir Paulo Freire dizia que o pedagogo teria conseguido “ludibriar o governo com seu ‘suposto método’ de alfabetização para vendê-lo em diversas situações”10. Freire nunca “patenteou” seu método para ganhar royalties! Aliás, isso seria uma contradição insustentável com o viés anticapitalista da sua pedagogia. Na pesquisa de Dimas Brasileiro Veras, encontramos que os jornais da época do golpe, porta-vozes das classes dominantes do Nordeste e de todo país, se referiam à pedagogia freiriana como “sistema de doutrinação marxista”, “perigo para as instituições”, “método nazista” (sic), “filocomunista”, “criptocomuinista”, “stalinista” (Veras 2023: 79), entre outros.

É curioso como as difamações da direita atual contra Freire seguem quase idênticas àquela época, com a diferença de que são veiculadas na velocidade da luz pelas redes sociais. Na última década, especialmente nos quatro anos de governo de Jair Bolsonaro, o neofascismo brasileiro buscou implementar medidas de censura aos professores, organizada pelo grupo Escola Sem Partido (Souza et al. 2016); ações de perseguição, ameaça, amedrontamento e vigilância contra o pensamento crítico nas escolas. Os professores brasileiros foram um dos segmentos de trabalhadores mais atacados politicamente nos últimos tempos: com jornadas extenuantes, salários baixos e repressão ideológica. Dezenas de professores foram agredidos pela militância da direita e acossados por neofascistas com poder no judiciário, legislativo e executivo. Máquinas de difamação contra docentes foram acionadas pelo neofascismo em níveis municipal, estadual e nacional.

Além disso, Bolsonaro criou um Programa de Escolas Cívico-Militares com mais de 200 unidades, buscando militarizar a educação e reproduzir ideologicamente os valores da extrema direita nesses espaços. Também colocou na Secretaria de Alfabetização do Ministério da Educação um senhor cuja única experiência era ser dono de uma escola infantil privada no interior do Paraná – sem mérito acadêmico e sem qualquer experiência na escola pública. Esse senhor se tornou um dos detratores principais de Paulo Freire, alegando que o “método” seria responsável pela crise na alfabetização das crianças. Por sorte, o sujeito era inconsistente e não foi capaz de implementar o “seu próprio” método como política de Estado, embora tenha enviesado editais nesse sentido.

  • 11 Prefiro não linkar o vídeo para não fomentar o algoritmo que dissemina ideia falsas e desqualificad (...)

Para o neofascismo, atacar e difamar Paulo Freire se tornou uma prática cotidiana dos seus palanques digitais. Alguns até escreveram livros com esse objetivo, como um “auto-didata” neofascista, que organizou em 2017 um livro de péssimo nível intelectual chamado “Desconstruindo Paulo Freire” e escreveu outro ainda pior chamado “Desconstruindo (ainda mais) Paulo Freire”. A difamação passa por considerar que Paulo Freire seria um expoente da “decadência” da civilização brasileira, da perversão dos valores cristãos tradicionais, da hierarquia, da disciplina e da moralidade, para chegar ao velho clichê da ditadura: de que Paulo Freire seria uma “ameaça” à nação. Aliás, esse direitista chegou a afirmar em um vídeo que considerava o pedagogo um “genocida” (sic)11.

  • 12 Para a categoria de capital mercantil-filantrópico, ver Fontes 2010.

Enquanto a extrema direita horrorizava educadores sensatos com ataques, ameaças e discursos violentos contra Paulo Freire, a estratégia neoliberal (empresarial, porém desatrelada do neofascismo), foi muito mais perspicaz e inteligente. Desde 2016, o neoliberalismo avançou na implementação do Novo Ensino Médio e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) atuando ostensivamente nos governos Dilma, Temer e Bolsonaro por meio das fundações privadas mercantil-filantrópicas12. Este programa empresarial para educação brasileira foi fomentado de maneira estratégica por organizações de terceiro setor (mercantil-filantrópicas) como a Fundação Lemann, o Todos Pela Educação e o Movimento pela Base, instrumentalizando palavras-horizonte das esquerdas, reproduzindo um linguajar de movimentos sociais e embutindo uma substância empresarial sob uma roupagem progressista. Tais grupos, patrocinados por bancos, conglomerados da construção civil e mega-empresas de aplicativo, não fazem questão alguma de atacar Paulo Freire. Ao contrário, demonstram simpatia por aspectos e fragmentos do pensamento freiriano, pulverizando a integralidade da sua proposta e instrumentalizando seu pensamento em favor de interesses empresariais.

A BNCC, por exemplo, em seu documento final utiliza a palavra “protagonismo” 42 vezes, geralmente associada ao protagonismo dos estudantes, juvenil, comunitário, e na vida social. Sabemos que uma das ideias-força mais importantes da pedagogia freiriana é construir a auto-determinação dos educandos para atuar de forma transformadora nas realidades em que vivem, e assim reverter situações de exploração do trabalho anestesiadas pelo fatalismo popular. Para Freire, a noção de protagonismo popular coletivo tem enorme importância na emancipação social e luta política contra as opressões de classe, raça e gênero. Mas o “protagonismo” evocado na BNCC tem outras intenções e finalidades, muito mais relacionadas com o incremento da competição entre indivíduos – é muito mais um “seja protagonista e saia na frente dos demais”. Articulado ao paradigma flexível do Novo Ensino Médio, essa ideia individualista de “protagonismo juvenil” que aparece na BNCC revela muito mais sobre a tentativa de transição educacional do sistema de trabalho fordista da sociedade salarial para o trabalho terceirizado, pejotizado e precarizado da sociedade pós-salarial, que gera a ilusão de autonomia onde existe, na verdade, desamparo.

  • 13 Por exemplo, os palestrantes do Seminário “Novo Ensino Médio: reformar ou revogar?” organizado pela (...)
  • 14 A reforma trabalhista ampliou as terceirizações, relativizou a CLT [Consolidação das Leis do Trabal (...)
  • 15 A PPI gerou um perverso processo inflacionário puxado pelos combustíveis, no qual o povo brasileiro (...)

Como muitos educadores têm ressaltado13, o Novo Ensino Médio (NEM) aprovado pela Medida Provisória 746 de 2016 (durante o governo ilegítimo de Michel Temer), é peça fundamental de um pacote neoliberal mais amplo, que incluía a reforma trabalhista (Lei 13.647 de 2017)14, o Regime Fiscal de austeridade popularmente conhecido como “teto de gastos” (Emenda Constitucional 95 de 2016), o Preço de Paridade de Importação do petróleo (PPI de 2016)15, e a reforma da previdência (Emenda Constitucional 103 de 2019).

Nesse contexto, o Novo Ensino Médio tem uma clara finalidade de disputar subjetividades econômicas, ajustando a lógica do trabalho flexível precarizado (e da guerra de todos contra todos) ao campo da educação e da cultura. A ideia de empreendedorismo, educação financeira e “liberdade de escolha” presente no currículo flexível do NEM, cujo resultado óbvio só pode ser o aprofundamento das desigualdades sociais, se amalgamam ideologicamente numa retórica ilusória de “protagonismo” (Cássio & Goulart, 2022).

Ao invés de atacar Freire de maneira direta e agressiva, como fazem os neofascistas, o programa neoliberal da educação empresarial para o trabalho flexível no Brasil, por meio da BNCC e do NEM, se apropria de fragmentos e palavras vinculadas ao universo da pedagogia freiriana e instrumentalizam slogans aparentemente emancipadores, para realizar o inverso do pretendido por Paulo Freire. São propostas que aumentam a intensidade da opressão da sociedade autoritária, aumentam a precariedade do trabalho dos jovens periféricos, naturalizam a remuneração por tarefa e o “autogerenciamento subordinado do trabalho” (Abílio, 2019) e, principalmente: inviabilizam a entrada de jovens pobres nas universidades. Em suma, existe uma captura da linguagem da luta popular emancipatória (“protagonismo”, “liberdade”) pela educação neoliberal: uma instrumentalização neoliberal de Paulo Freire.

A crítica marxista a Paulo Freire e os diálogos discordantes

DD, MT - Algumas premissas teóricas permitem, obviamente, conectar as diferentes perspectivas: necessidade de devolver o protagonismo às classes trabalhadoras, criar projetos pedagógicos engajados, cujo eixo reside na praxis emancipatória, lutar contra a exploração capitalista e predatória. No entanto, Paulo Freire respondeu, em diferentes contextos, à críticas que não o consideravam marxista, e que punham em causa a sua relação com o cristianismo e mesmo com movimentos ecumênicos.

Por outro lado, foi conhecido o diálogo divergente que manteve com o educador e pedagogo austríaco Ivan Illich, grande referência das pedagogias críticas nos anos 1970 e defensor da desescolarização (Freire & Illich, 1975). A crítica da “utopia normativa” e de uma visão do sistema escolar como um dos eixos do progresso social, a valorização da autonomia humana absoluta, a recusa do sistema estatal que também podemos encontrar em autores/as como Foucault, são elementos do pensamento de Illich que lhe permitiram criticar e entrar em contradição com o pensamento de Freire, que por ele era visto como alguém cuja crítica era limitada. Como entende e historiciza estas dissonâncias?

JSV - Freire era, antes de tudo, um cristão. Conforme estudou a literatura marxista e vivenciou a luta de classes se tornou um marxista cristão. Como ele mesmo gostava de dizer, “quanto mais eu li Marx, tanto mais eu encontrei uma fundamentação objetiva para continuar camarada de Cristo”16. Estes dois campos de pertencimento, o cristianismo e o marxismo, já o colocam numa encruzilhada de polêmicas entre a perspectiva materialista e a espiritualidade.

Os marxistas ortodoxos costumam chamar Paulo Freire de “idealista”. Conhecendo os jargões envolvidos nesse campo, sabemos que quando um marxista dogmático usa o termo “idealista”, se trata de uma crítica fulcral, ou até um estigma de inferioridade. Na inversa, Freire chamava este tipo de marxismo dogmático de “economismo”, “economicismo” ou “mecanicismo”. Como pensador dialético, Freire articulava de maneira substancial as contradições econômicas à questão cultural e às tensões psicosubjetivas. Podemos associar sua leitura marxista com os estudos de Georg Lukács (2018) sobre história e consciência de classe, e aos ensaios de E. P. Thompson (2011) sobre história e antropologia. Freire pertencia ao campo lukácsiano e thompsoniano do marxismo. Foi um grande leitor de Franz Fanon e dele incorporou a reflexão sobre a psique do oprimido e do opressor (2020). Rejeitava o esquematismo entre “infraestrutura” e “superestrutura”, e percebia a correlação estrutural entre materialidade e imaterialidade da dominação capitalista.

Em 1977, Thompson escreveu que a “analogia ‘base e superestrutura’ é radicalmente inadequada. Não tem conserto. Está dotada de uma inerente tendência ao reducionismo ou ao determinismo econômico vulgar (Thompson 2001: 256). Com isso, enfrentava o marxismo oficial, herdeiro do stalinismo, que esquematizava o mundo de maneira hierárquica entre economia (o “motor da história”) e fenômenos supostamente não-econômicos (seus “efeitos”). Os escritos do historiador britânico consolidou a argumentação da linha anti-economicista do marxismo, inaugurada por Lukács. No mesmo ensaio de 1977, Thompson escreveu uma frase simples e cristalina, com a qual Freire certamente concordaria: “é preciso dizer: sem cultura, não há produção” (Thompson 2001: 258).

Algo correlato foi dito por Freire alguns anos antes, baseado na experiência de assessorar os educadores chilenos durante a reforma agrária do Chile: “é mais fácil liquidar o latifúndio no Chile de 1972, do que o latifúndio cultural” (Freire 1972: 16). Quando Freire escreveu o ensaio “El asentamiento como uma totalidad” (Freire 1968), se referia precisamente ao fato de que a mudança econômica demandava necessariamente uma transformação cultural (e vice-versa). Minha tese de doutorado em História Econômica (na Universidade de São Paulo) tratou precisamente da dialética entre economia e cultura proposta por Freire e Thompson, observando o caso da reforma agrária no Chile (Salém Vasconcelos 2020). Inspirada na ação educacional de Freire e na categoria thompsoniana de economia moral, propus na tese o conceito de “subjetividade produtiva” para sintetizar a inseparabilidade entre economia e cultura.

O marxismo freiriano desagrada o marxismo dogmático também por ser radicalmente democrático e horizontal, flertando com o pensamento de Rosa Luxemburgo (2009) sobre a importância da espontaneidade popular. Freire criticava duramente os marxistas que faziam proselitismo “bancário” perante o povo. Chamava de “colonialismo revolucionário”, “impaciência revolucionarista” (Freire 1981: 47) e também “invasão cultural” (Freire 1969), o comportamento verborrágico e impositivo de uma autodeclarada vanguarda comunista sobre a população trabalhadora, cuja subjetividade estava organizada em outros parâmetros.

Em Pedagogia do Oprimido, Freire dedicou algumas páginas a alertar sobre os perigos do autoritarismo de esquerda. Por exemplo, quando escreveu: “A sociedade revolucionária que mantenha a prática da educação ‘bancária’ ou se equivocou nessa manutenção, ou se deixou ‘morder’ pela desconfiança e pela descrença nos homens. Em qualquer das hipóteses, estará ameaçada pelo espectro da reação [...]. Usam o mesmo instrumento alienador, num esforço que pretendem libertador [...] Não podemos aceitar, também, que a ação libertadora se sirva das mesmas armas de dominação, isto é, da propaganda dos slogans, dos ‘depósitos’” (Freire 2018: 93).

Essa crítica dura que Freire fazia ao marxismo dogmático fez com que este segmento da esquerda se voltasse contra ele em muitas ocasiões. Hoje, ainda existem militantes que chamam Freire de “idealista” ou “hegeliano” com a mesmíssima conotação daqueles que o faziam nos anos 1960 e 1970, ou seja, querendo dizer que não sabe correlacionar a realidade com a ação política, que é ingênuo e não guia sua análise pelas relações materiais. O que estes críticos não compreenderam (até hoje!) é que as relações materiais são também subjetivas, e as relações culturais são materiais.

Uma boa análise sobre “Freire, marxismos e feminismos” foi apresentada no ensaio de Giovanna Marcelino (2023), em que sintetiza como “as proposições de Freire representam tanto uma revolução no campo da pedagogia [...], quanto uma pedagogização da revolução” (Marcelino 2023: 185). A autora pontua como a quebra de hierarquias entre educador e educando também vale para “a relação intersubjetiva entre lideranças políticas e classe trabalhadora, entendendo o educando como sujeito do processo educativo e o povo como sujeito do processo político [...] Tal proposta pode ser lida, por sua vez, como uma tentativa de superar concepções marxistas ortodoxas, ou ainda uma forma limitada de pensar o fazer político (própria dos opressores, segundo Freire), que se vale de métodos antidialógicos, isto é, de cima para baixo, repleta de vícios, messianismos e dirigismos” (ibid.: 186).

Em outro campo de polêmicas, as divergências entre Ivan Illich e Paulo Freire foram igualmente centrais, porém realizadas de maneira muito fraterna. Illich e Freire foram grandes amigos. O brasileiro visitou o Centro Intercultural de Documentación em Cuernavaca (México) algumas vezes convidado por Illich, e ambos trocavam muito, tinham uma interlocução significativa. Suas visões estratégicas, porém, eram antagônicas. No centro da divergência estava o papel da escola na conservação ou transformação social do mundo (Donoso Romo 2021).

Seguindo uma linha anarquista, Illich foi um dos educadores mais contra-hegemônicos de seu tempo. Ele argumentava que a libertação do povo latino-americano passava por combater a instituição escolar, que ensinava obediência e disciplina ao trabalhador do sistema capitalista e era, fundamentalmente, uma instituição de dominação. Ele ia na linha foucaultiana da crítica à fábrica-escola-prisão como espaços impossíveis de serem disputados, por serem intrinsicamente ferramentas de dominação de classe. Para Illich, o poder da escola deveria ser enfraquecido por meio de um processo de desescolarização - sua ideia mais polêmica. Acreditava que escola e educação tinham conotações opostas: enquanto a primeira treinaria para a obediência industrial, a segunda era a base da convivência humana (convivencialidade) e deveria ocorrer livre e criativamente fora das instituições dogmáticas.

Paulo Freire, ao contrário, via na escola pública um campo estratégico de disputa. Para o brasileiro, a escola pública, na América Latina, era permeável às agências populares e precisava ser utilizada em favor da emancipação social. Mais do que isso, para a transformação política e cultural, a escola era tão importante para Freire quanto a fábrica para Marx. Isso não significa que Freire não fosse crítico da escola tradicional, ou que fosse ingênuo em relação ao papel conservador da educação escolar. Ele tinha bastante lucidez sobre esse problema. Mas também sabia que acessar a escola pública representava um avanço inestimável para o povo trabalhador excluído da escolarização. A população brasileira adulta dos anos 1970 ainda era 33,7% analfabeta (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica) – sem falar do analfabetismo funcional.

Quando foi Secretário da Educação Municipal de São Paulo, Freire colocou em prática seu projeto com políticas públicas de democratização da escola – ou seja, disputando estrategicamente seu significado popular. Como relatou a professora Lisete Arelaro, que trabalhou com ele na época, “a primeira coisa que Paulo Freire queria era que conseguíssemos a participação da comunidade. Nesse sentido, ele propôs que os conselhos da escola tivessem caráter deliberativo” (Arelaro 2023: 127). Com isso, “as escolas passaram a ter não só mais autonomia, mas principalmente o direito de decidir sobre os projetos” (ibid.: 128). A escola, para Freire, poderia ser o epicentro de uma revolução democrática em toda sociedade. Exatamente ao contrário do que pensava Illich.

Outro exemplo foi relatado por Cristiane Dias e Eduardo Januário (2023: 147-161), sobre o projeto Rap...ensando a Educação, implementado em 1990 pela gestão de Freire na Secretaria de Educação Municipal [de São Paulo]. A ideia era promover cultura popular e periférica em atividades escolares aos fins de semana, sobretudo o Rap, que na época tinha um papel contestatório revolucionário para a juventude periférica, especialmente para a juventude preta. Januário e Dias eram estudantes de escolas públicas da periferia em São Paulo naquele ano e viveram diretamente a transformação do sentido da escola promovida pelo projeto: ao invés de um lugar compulsório e disciplinador, a escola se tornou um espaço cultural pulsante e atraente para a comunidade. A comunidade se apossou da escola.

Hoje, movimentos sociais freirianos como o MST e a Rede Emancipa, defendem a estratégia de democratização da escola como parte fundamental de suas lutas. O MST se orgulha de ter conquistado mais de 1 500 escolas em assentamentos e formado mais de 200 mil crianças, jovens e adultos. A Rede Emancipa, por sua vez, utiliza o espaço das escolas públicas para construir seus cursinhos populares, disputando seu significado, se apossando da sua infraestrutura de maneira contra-hegemônica e trazendo a comunidade para ocupar a escola no fim de semana. Em suma, para a proposta freiriana de transformação social a escola pública é um espaço totalmente estratégico.

A leitura contemporânea de Paulo Freire e sua efetiva capacidade transformadora

DD, MT - Em 2021, com o Centenário do educador, mesmo em contextos de restrição sanitária por causa da pandemia, houve uma profusão de eventos, debates, publicações, homenagens, que buscaram também discutir a atualidade do pensamento de Paulo Freire. Entre as questões recorrentes, estava a discussão sobre as dificuldades de implementação de ideias freireana na escola brasileira, por exemplo. Frente a diversidade de compreensões e objetivos na profusão de iniciativas que buscam se associar a Paulo Freire - incluindo algumas mistificações e mesmo visões superficiais e até contraditórias, das práticas e métodos do educador (caso do Novo Ensino Médio já referido), como analisar as dificuldades e desafios concretos da pedagogia das/dos oprimidas/os na atualidade?

Para você, de que forma a (re)leitura e a compreensão das obras de Freire poderia nos permitir elaborar estratégias e práticas de investigação-ação concretas e efetivas, transformadoras e emancipatórias, no contexto político atual e em várias escalas, do local ao transnacional?

JSV - Paulo Freire é uma referência teórica e prática para a luta social brasileira contemporânea, mais atual e necessário que nunca. O crescimento da extrema-direita e da base social neofascista no Brasil é um fenômeno estrutural, não depende de um único líder. Não devemos nos iludir: o bolsonarismo é muito mais forte do que o indivíduo Bolsonaro e sua família. Haverá no Brasil um “bolsonarismo sem Bolsonaro” e precisaremos enfrentar esse fenômeno no médio e longo prazos.

O neofascismo brasileiro se estrutura em relações de desigualdade social abismais, na violência policial naturalizada, na humilhação social como norma e, sobretudo, na aderência ao opressor. Recentemente, o relatório Global Wealth Report, do banco Credit Suisse, revelou que 1% dos brasileiros detêm 50% da riqueza do país (Valor Econômico 2023). A revista Forbes contabilizou que o Brasil tem 284 bilionários, ao mesmo tempo que 33 milhões de brasileiros estão passando fome (CNN Brasil 2022). Uma sociedade fraturada como a brasileira só suporta tamanha desigualdade sem que ocorra uma revolta popular explosiva por causa daquilo que Paulo Freire chamou de aderência ao opressor. É impossível entender o Brasil hoje sem essa categoria freiriana. Milhões de oprimidos estão capturados pelo fatalismo (“não existe outro jeito de viver”) e/ou pela legitimação da violência de classe (“se eu fosse rico, faria o mesmo”). A humilhação é cotidiana. Sendo assim, o fundamento social da extrema-direita é o desejo do oprimido de virar opressor, exatamente como advertiu Paulo Freire na sua famosa frase: “quando a educação não é emancipadora”.

Ao mesmo tempo, o derretimento da sociedade salarial, o desemprego crescente, o endividamento das famílias, a fragmentação do mundo do trabalho e o fim da estabilidade laboral transformou o capitalismo brasileiro (e mundial) numa guerra de todos contra todos. Como sintetizado por um ensaio de intelectuais brasileiros anônimos: “num contexto de esgotamento econômico, a nova direita forneceu uma forma política ao acirramento da competição entre trabalhadores. Ao assumir sem pudores a lei do mais forte, traça um programa de ação adequado ao nível de selvageria do mundo do trabalho gestado ao longo das últimas décadas” (um grupo de militantes na neblina 2022: 20). A educação popular é uma das ferramentas mais importantes de que dispomos para frear esse processo. Como resumiu Maurício Costa, fundador da Rede Emancipa: “a educação popular é imprescindível a qualquer projeto de transformação e precisa ser feita com o povo, partindo de suas características [...] A luta política que não leve em conta o tempo da classe trabalhadora e seus percalços está fadada a errar” (Costa 2023: 337). E completa: “A educação popular é uma tecnologia ancestral [...]. A cultura popular, que sempre foi parte ativa da luta coletiva, hoje segue sendo um elemento-chave de contraponto à devastação capitalista” (ibid.: 340).

Haut de page

Bibliographie

Referências bibliográficas das questões

Fischman, G. E., Sales, S. R. & Pretti, E. do L. 2018, “Para além das métricas simplistas na pesquisa educativa. As lições da contínua relevância e impacto freiriano”, EccoS Revista Científica, 47: 23-40, https://doi.org/10.5585/EccoS.n47.10752.

Freire, A. M. A. 2007, “Entrevista”, Contrapontos, 7(3): 671-687.

Freire, P. & Illich, I. 1975, Diálogo Paulo Freire - Iván Íllich. Análisis crítico de la “desescolarización” y “concientización” en la coyuntura actual del sistema educativo, Buenos Aires, Ediciones Búsqueda.

Gonçalves, A., Dias, D. & Quadra, F. D. L. 2022, “Apresentação. O impossível hoje é possível amanhã”, in Paulo Freire Centenário. Um Educador no Mundo, Lisboa, Outro Modo: 9-36.

Haddad, S. 2019, O educador: um perfil de Paulo Freire, São Paulo, Todavia17.

Vasconcelos, J. S. et al. eds 2023, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante.

Referências de Joana Salém Vasconcelos

Referências bibliográficas

Abílio, L. C. 2019, “Uberização: Do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado”, Psicoperspectivas, 18(3), https://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2019/11/ARTIGO-L-C-ABILIO.pdf.

Antunes, R. 1999, Os sentidos do trabalho, São Paulo, Boitempo.

Arelaro, L. 2023, “Trabalhar com Paulo Freire: um privilégio histórico”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 125-131.

Aquino, L. 2023, “Apontamentos desde Guaíba (RS) sobre as percepções do trabalho realizado na Rede Emancipa – Alfabetização”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 389-395.

Barros, A. et al. 2023, “Educação popular na Amazônia: dez anos da Rede Emancipa Belém”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 353-370.

Cássio, F. & Goulart, D. C. 2022, “A implementação do Novo Ensino Médio nos estados: das promessas da reforma ao ensino médio nem-nem”, Retratos Da Escola, 16(35): 285-293, https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1620.

Castro, C. 2011, Movimento socioespacial de cursinhos alternativos e populares: a luta pelo acesso à universidade no contexto do direito à cidade, tese de doutorado em geografia, Campinas, Universidade Estadual de Campinas.

Chauí, M. 2000, Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária, São Paulo, Fundação Perseu Abramo.

Cordeiro, P. M. A. 2023, Educação Popular e Emancipação das Mulheres: o que dizem as egressas do Cursinho Popular Paulo Fonteles, dissertação de mestrado em educação, Belém, Universidade Federal do Pará.

Costa, M. 2023, “ ‘Volta pra base e vai procurar saber!’: a necessidade estratégica da educação popular contra a barbárie no Brasil”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 329-343.

Dias, C. & Januário, E. 2023, “Rap...ensando a educação: Paulo Freire e a práxis antirracista”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 147-161.

Donoso Romo, A. 2021, A Educação Emancipatória. Iván Illich, Paulo Freire, Ernesto Guevara e o Pensamento Latino-Americano, São Paulo, Edusp.

Fanon, F. 2020, Pele negra, máscaras brancas, São Paulo, Ubu.

Freire, P. 1968, Algunas sugerencias en torno de una labor educativa que vea el asentamiento como una totalidad, Santiago, ICIRA (mimeo).

Freire, P. 1969, ¿Extensión o comunicación?, Santiago, ICIRA.

Freire, P. 1972, “¿Una dimensión política de la educación? Una conversación con Paulo Freire”, Cuadernos de Educación, Serie Orientaciones (1971-1973), 4(2): 2-25.

Freire, P. 1981, Ação cultural para liberdade e outros escritos (5ª ed), São Paulo, Paz e Terra.

Freire, P. 1992, Pedagogia da Esperança, Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Freire, P. 2018, Pedagogia do Oprimido (65ª ed), São Paulo, Paz e Terra.

Fontes, V. 2010, O Brasil e o capital-imperialismo. Teoria e história, Rio de Janeiro, Ed. UFRJ.

Groppo, L. A. et al. 2019, “Popular pre-college courses taught by university students: Political-pedagogical practices and teacher training”, Revista Brasileira de Educação, 24, https://www.scielo.br/j/rbedu/a/WCL98kd9VJkHktFSTKwxcmP/?lang=en&format=pdf.

Lima, C. 2019, Ensino de História em Cursinhos Populares. Um estudo sobre a Rede Emancipa SP, dissertação de mestrado profissional em ensino de história, Guarulhos, Universidade Federal de São Paulo.

Lukács, G. 2018, História e consciência de classe: Estudos sobre a dialética marxista, São Paulo, Martins Fontes.

Luxemburgo, R. 2009, Textos escolhidos (org. Loureiro, I.), São Paulo, Expressão Popular.

Magalhães, A. T. et al. 2016, “Grupo de Estudos sobre a Juventude de Alfenas-MG: relato de experiência sobre um projeto de extensão universitária”, Revista Brasileira de Extensão Universitária, 7(1): 7-13.

Marcelino, G. 2023, “Freire, marxismos e feminismos”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 183-196.

Mariano, A. & Oliveira, E. de 2023, “Territórios freirianos: contribuições de Paulo Freire na luta e na construção da pedagogia do MST”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 221-236.

Mendes, M. T. 2011, Inclusão ou emancipação? Um estudo do Cursinho Popular Chico Mendes/Rede Emancipa na Grande São Paulo, dissertação de mestrado em educação, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Mendes, M. T. & Rufato, M. A. 2015, “Por que não passam? Cursinhos populares e tempo curricular: uma problematização a partir de experiências da Rede Emancipa”, VIII Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: Movimentos Sociais e Educação, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Nascimento, I. 2023, “Freire secretário da educação de São Paulo: gestão democrática e valorização docente”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 133-145.

OXFAM Brasil 2022, “Nós e as desigualdades. Percepção sobre desigualdades no Brasil. Pesquisa Oxfam Brasil / DataFolha”, https://materiais.oxfam.org.br/relatorio-nos-e-as-desigualdades-2022, consultado a 27 de julho de 2023.

Pinheiro, L. et al. 2023, “É possível educar para a liberdade em um espaço de privação de liberdade? Considerações sobre educação popular, socioeducação e as lutas pela vida no Rio de Janeiro”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 373-386.

Ribeiro, T. 2023, “A educação libertadora e a prática da educação popular no Brasil: experiências da Rede Emancipa”, in Salém Vasconcelos, J. Et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 345-351.

Rodrigues, D. P. 2022, Movimento social e cursos pré-universitários populares: a ocupação dos espaços públicos e territórios periféricos pela Rede Emancipa / Universidade Emancipa e outras experiências de cursinhos de São Paulo e Florianópolis, dissertação de mestrado em antropologia social, Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina.

Ropaín, J. D. 2019, A experiência do Cursinho Popular Mirna Elisa Bonazzi, da Rede Emancipa: reflexões em torno da educação popular como pedagogia descolonial, dissertação de mestrado em estudos culturais, São Paulo, Universidade de São Paulo.

Salém Vasconcelos, J. Et al. eds 2023, Paulo Freire e a Educação Popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Elefante.

Salém Vasconcelos, J. 2020, “O lápis é mais pesado que a enxada”: reforma agrária no Chile e pedagogias camponesas para transformação econômica (1955-1973), tese de doutorado em história econômica, São Paulo, Universidade de São Paulo, https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-13042021-193600/pt-br.php.

Silva, L. et al. 2022, “Processos de educação popular das juventudes negras e periféricas: significados e contribuições da Rede Emancipa de Cursinhos Populares em Belém – Pará”, Revista Momento – diálogos em educação, 31(1): 57-74.

Souza, A. L. et al. 2016, A ideologia do movimento Escola Sem Partido, São Paulo, Ação Educativa.

Souto, B. et al. 2023, “O pensamento de Paulo Freire como referência para as ações do Cursinho Popular Darcy Ribeiro da Rede Emancipa em Montes Claros (MG)”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 397-413.

Thompson, E. P. 2011, As peculiaridades dos ingleses e outros artigos, Campinas, Unicamp.

Veras, D. B. 2023, “Paulo Freire e o golpe de 1964: história, memória e esperança”, in Salém Vasconcelos, J. et al. eds, Paulo Freire e a educação popular: esperançar em tempos de barbárie, São Paulo, Editora Elefante: 75-92.

Vieira, D. & Caldas, R. 2017, “Os sentidos e os significados do cursinho popular: história de vida”, Revista Educação Popular, 16(3): 139-155.

Um grupo de militantes na neblina 2022, Incêndio. Trabalho e revolta no fim de linha brasileiro, São Paulo, Contrabando editorial.

Fontes primárias

CEMV-PE. Relatório da Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Hélder Câmara. Pernambuco (2 volumes), 2012. Disponível em: https://www.comissaodaverdade.pe.gov.br/index.php/relatorio-final-2

CNV (Brasil). Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade (3 volumes), 2012. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/index.php/outros-destaques/574-conheca-e-acesse-o-relatorio-final-da-cnv

Prontuário Individual de Paulo Reglus Neves Freire. Arquivo Público de Pernambuco Jordão Emerenciano. Disponível em: http://comissaodaverdade.pe.gov.br/index.php/prontuario-individual-paulo-reglus-neves-freire

Notícias

CNN Brasil (2022). “Agravada pela pandemia, fome avança no Brasil e atinge 33 milhões de pessoas, diz estudo”, 8 Jun. 2022, https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/agravada-pela-pandemia-fome-avanca-no-brasil-e-atinge-33-milhoes-de-pessoas-diz-estudo/.

Valor Econômico (2023). “Pandemia concentrou mais a riqueza global e Oxfam sugere taxar fortunas”, 15 Jan. 2023, https://valor.globo.com/mundo/noticia/2023/01/15/pandemia-concentrou-mais-a-riqueza-global-e-oxfam-sugere-taxar-fortunas.ghtml.

Haut de page

Notes

1 Joana Salém Vasconcelos é historiadora e professora visitante do curso de Economia na Universidade Federal do ABC (UFABC). Doutora em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), com estágio na Universidade da Califórnia, Irvine (UCI) e Mestra em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É coordenadora editorial da revista Latin American Perspectives e coordenadora da Universidade Emancipa, um projeto da Rede Emancipa de Educação Popular.

2 Green, E. 2016, “What are the most-cited publications in the social sciences (according to Google Scholar)?”, LSE, 12 de maio de 2016, https://shre.ink/Q3Hz, consultado a 27 de julho de 2023.

3 Gonçalves, Y. 2020, “Fundação Lemann e os ataques à Educação Básica Pública em tempos de Covid-19”, Jornal Brasil de Fato, 6/4/2020, https://www.brasildefatope.com.br/2020/04/06/artigo-fundacao-lemann-e-os-ataques-a-educacao-basica-publica-em-tempos-de-covid-19.

4 Sobre a precarização estrutural do mundo do trabalho e seus impactos na subjetividade do trabalhador brasileiro, ver Antunes 1999 e Abílio 2019.

5 Para mencionar apenas algumas pesquisas que analisam o trabalho da Rede Emancipa: Aquino 2023, Barros et al. 2023, Castro 2011, Groppo et al., 2019, Lima 2019, Magalhães et al. 2016, Mendes 2011, Mendes & Rufato 2015, Pinheiro et al. 2023, Ribeiro 2023, Rodrigues 2022, Ropaín 2019, Vasconcelos et al. 2023, Silva et al. 2022, Souto et al. 2023, Vieira & Caldas 2017.

6 O livro Paulo Freire e a Educação Popular: esperançar em tempos de barbárie (Vasconcelos et al. 2023) é uma coletânea de 65 autores que analisam a trajetória de Paulo Freire (na parte 1 “Paulo Freire: passado e presente”), as experiências pedagógicas freiriana na atualidade (na parte 2, “Territórios Freirianos”) e os múltiplos trabalhos populares da Rede Emancipa no Brasil (na parte 3, “O prisma Emancipa”). Esse livro é resultado do curso “100 anos de Paulo Freire: esperançar em tempos de barbárie” realizado pela Universidade Emancipa em parceria com a UFABC entre agosto e outubro de 2021. O curso teve oito aulas principais e 42 atividades complementares, gravadas e disponíveis no site: https://emancipapaulofreire.wordpress.com/, consultado em 17 de julho de 2023.

7 Ibid.: 93, 106, 196. Exemplos de relato de torturas comandadas por Ibiapina podem ser encontrados em CEMV, v.2: 263, 264. Mortes e desaparecimentos comandados pelo dispositivo do IPM Rural podem ser encontradas em CNV, Relatório Final v.2: 116.

8 Disse Ibiapina: “Em 1965, fui escalado para fazer o curso na Escola das Américas, no Panamá. Não tinha polícia lá, só Forças Armadas. Não ensinavam a matar gente. Aliás, nesse aspecto, era uma escola muito fraca. Eles acreditavam muito no informante pago, duplo. E o informante duplo não serve para a segurança... [...] A escola era justamente para evitar a ação comunista. Mas, para mim, não serviu de nada. Aquelas aulas eram para quem não tinha curso de Estado-Maior, como eu tinha. A missão complementar que me deram era estudar a Escola das Américas e ver quais os cursos que interessavam ao Brasil”. CNV, Relatório Final v.1: 332.

9 Prontuário Individual de Paulo Reglus Neves Freire. Arquivo Público de Pernambuco Jordão Emerenciano: https://comissaodaverdade.pe.gov.br/index.php/prontuario-individual-paulo-reglus-neves-freire, consultado em 17 de julho de 2023.

10 Ibid.

11 Prefiro não linkar o vídeo para não fomentar o algoritmo que dissemina ideia falsas e desqualificadas como estas.

12 Para a categoria de capital mercantil-filantrópico, ver Fontes 2010.

13 Por exemplo, os palestrantes do Seminário “Novo Ensino Médio: reformar ou revogar?” organizado pela Universidade Emancipa em parceria de extensão com a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), disponíveis no Youtube da Rede Emancipa de Educação Popular: Andressa Pellanda (Campanha Nacional pelo Direito à Educação), Fernando Cássio (UFABC), Amanda Moreira (UERJ), Keilla Vila Flor, Luciene Cavalcanti, Mônica Ribeiro, Professor Sávio, Lúcia Isabel da Conceição, Daniel Cara. Seminário disponível em: https://www.youtube.com/redeemancipa, consultado em 17 de julho de 2023.

14 A reforma trabalhista ampliou as terceirizações, relativizou a CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], desconfigurou o acesso à justiça do trabalho e expandiu o trabalho intermitente.

15 A PPI gerou um perverso processo inflacionário puxado pelos combustíveis, no qual o povo brasileiro financiou os acionistas privados da Petrobrás.

16 Entrevista gravada e disponível aqui: https://www.youtube.com/watch?v=lBrmjEDBGRg, consultado em 17 de julho de 2023.

17 Trechos do livro, sobre o processo de prisão e exílio de Paulo Freire, podem ser lidos no jornal El País edição brasileira, 23/10/2019, consultado a 23 de maio de 2023: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/10/22/cultura/1571754417_189523.html.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Joana Salém Vasconcelos, Débora Dias et Mélanie Toulhoat, « A atualidade da praxis freireana, a dialética da crítica situada e os movimentos anti-Freire »Lusotopie [En ligne], XXII(1) | 2023, mis en ligne le 01 octobre 2023, consulté le 20 avril 2024. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/7035 ; DOI : https://doi.org/10.4000/lusotopie.7035

Haut de page

Auteurs

Joana Salém Vasconcelos

Universidade Federal do ABC (UFABC); Universidade Emancipa (da Rede Emancipa de Educação Popular)
joana.salem[at]gmail.com

Débora Dias

Investigadora Integrada do CHAM - Centro de Humanidades da Universidade NOVA de Lisboa (CHAM - NOVA FCSH)
deboradm[at]gmail.com

Articles du même auteur

Mélanie Toulhoat

Investigadora integrada do IHC - Instituto de História Contemporânea da Universidade NOVA de Lisboa (IHC – NOVA FCSH / IN2PAST)
melanietoulhoat[at]fcsh.unl.pt

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search