Navigation – Plan du site

AccueilNumérosXXII(1)Comptes rendusMiguel Cardina & Inês Nascimento ...

Comptes rendus

Miguel Cardina & Inês Nascimento Rodrigues, Remembering the Liberation Struggles in Cape Verde. A Mnemohistory

London, Routledge, 2023
Sérgio Neto
Référence(s) :

Miguel Cardina & Inês Nascimento Rodrigues, Remembering the Liberation Struggles in Cape Verde. A Mnemohistory, London, Routledge, 2023, ISBN: 978-100-326-553-5 [online].

Texte intégral

1Os autores desta obra1 pertencem a uma nova geração de investigadores que, de modo sistemático, têm vindo a desenvolver trabalho em torno da temática das guerras coloniais/de Libertação Nacional, com particular enfoque nas memórias, no comemoracionismo e, em última análise, nos legados do colonialismo. Neste sentido, cumpre assinalar que ambos os autores integram o “CROME - Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais”, projeto financiado pelo European Research Council (ERC), e que, como o próprio nome indica, procura debater as numerosas nuances de um conflito prolongado e que se continua a prolongar, nos corpos e nas almas, de todos quantos que, de algum modo, a experienciaram e continuam a experienciar, mesmo se as armas se calaram em alguns desses países há quase 50 anos.

2Por outro lado, importa ter presente os esquecimentos, os silêncios, as lutas, as ruturas e as apropriações. E, de igual modo, o binómio entre memórias individuais e memória(s) coletiva(s), por vezes concorrentes, que (des)unem, amalgamam, substituem uma e outra vez, competindo por hegemonias. Daí que, mais do que um intrincado fio de Ariadne desfiado num labirinto, a memória aparente ser mais uma teia multimodal, tecida aqui e ali, rompida e nem sempre reparada, cuja conclusão é sempre provisória. Assim, o esforço despendido para radiografar a problemática implica um trabalho interdisciplinar e rigoroso, uma vez que a memória (coletiva) é um mecanismo complexo sujeito às maiores variações, ainda mais quando implica um mergulho, nem sempre asséptico, em recordações traumáticas.

3Inserido na colecção “Memory Studies: Global Constellations”, da Routledge, o livro aqui passado em revista conta com quatro capítulos, tendo como objeto “the memory of the liberation struggle in Cape Verde” (p. 1). Tomando como cronologia os 40 anos que se seguiram à independência, busca-se perceber “the ways in which the struggle has been expressed through different public practices, symbolic meanings and political appropriations” (p. 1). Começando por localizar o arquipélago, o seu provoamento e os séculos da colonização portuguesa, boa parte dos quais preenchido pela existência de uma sociedade escravocrata, Cardina & Rodrigues explicitam, de modo conciso, o modo como as elites locais, a partir do século XIX, se imaginaram como “the combination of two archetypes: Europe (or Portugal), symbolising reason, fatherhood, and science; and Africa, seen as a place of emotion, motherhood, and tradition” (p. 3). Na verdade, esta perceção continuaria a ter expressão no século XX e, de certa maneira, ainda sobrevive. Como quer que seja, acrescente-se que os autores ainda sublinham um outro elemento importante: o facto de a independência de Cabo Verde “was not the result of a process of armed struggle in the archipelago, it was a direct consequence of this historical context and of the struggle of the PAIGC” (p. 3).

4Recorrendo à documentação escrita usual, mas também à entrevista e à música popular, entre outros registos, a obra apresenta-se estruturada em quatro capítulos: 1. The Struggle as the Cradle of the Independent Nation” (p. 15-58); 2. “The Struggle in the Mnemonic Transition” (p. 59-89); 3. “The Struggle and the Image of the Combatant” (p. 90-120); 4. The Struggle and Cabral’s Afterlives” (p. 121-153). Um curto e assertivo epílogo encerra o texto (p. 158-159).

5O primeiro capítulo começa no momento da proclamação da independência, a 5 de julho de 1975, discutindo os discursos oficiais e os slogans então escutados, os quais enalteciam a figura de Amílcar Cabral como “guia” que indicara África como caminho e destino, uma vez que o arquipélago agora estaria alinhado com “os ventos da História” rumo ao futuro. Esta primeira parte inclui, certamente, visões de outras forças políticas, não necessariamente participantes na luta de libertação, sendo que muitos dos ex-combatentes regressaram a Cabo Verde, exercendo funções de responsabilidade no novel aparelho do Estado (p. 18). Seja como for, além das recordações da guerra (da Guiné), cumpre invocar outros momentos, como as fomes das décadas anteriores, a emigração para S. Tomé e a repressão da ditadura, que, sem dúvida, ajudaram a recompor a memória coletiva dos primeiros anos do pós-independência.

6De particular interesse se reveste a alínea “The ‘return to Africa’ through music” (p. 29-34), após uma secção na qual o hino é analisado. Por seu lado, segundo Cardina & Rodrigues, o fim da união entre a Praia e Bissau conduziu a um “recalibrar” da memória, abrindo espaço à revalorização da Claridade e dos claridosos, com a sua visão de Cabo Verde inspirada no luso-tropicalismo de Gilberto Freyre, numa certa aproximação ao legado europeu (p. 37-40). Retenha-se, em todo o caso, que o Estado Novo só veio a subscrever oficialmente o luso-tropicalismo em 1951, mantendo até então uma posição de rejeição ou, no melhor dos casos, de ambiguidade.

7O segundo capítulo parte da abertura ao multipartidarismo, em 1991, coroando um processo de transição. Os autores enfatizam que uma certa reaproximação ao passado colonial e à União Europeia (em 2007 seria criada uma parceria especial) terá sido refletida no retorno de algumas estátuas e bustos removidos quando da independência ao espaço público: o “descobridor” Diogo Gomes, mas também Luís de Camões e Sá da Bandeira, assim como Serpa Pinto, entre outros (p. 64-69). O novo “paradigm of remembrance” assentaria, pois, numa narrativa já não centrada na luta de libertação, tanto mais que esta remetia para o PAIGC/PAICV, quando o Movimento para a Democracia (MpD) pretendia refundar o país em 1991, sob o signo do multipartidarismo. Veja-se como, muito concretamente, os símbolos nacionais foram alterados. Com efeito, bandeira e hino foram imbuídos de um espírito atlântico, e até euro-atlântico ou “macaronésico”, na linha do legado “claridoso” (p. 72-73).

8Por sua vez, o terceiro capítulo aborda a “imagem do combatente”. Trata-se, na verdade, de uma imagética dinâmica que tem interagido com questões políticas e ideológicas, sob o fundo da memória coletiva. Para os autores o ano de 1990, uma vez mais, é decisivo. Concorre aqui, também, o lugar da Colónia Penal do Tarrafal, hoje Museu da Resistência. O espaço funcionou, entre 1936 e 1954, recebendo presos políticos chegados de Portugal, com uma segunda vida, a partir de 1961 e até final, já com o intuito de encarcerar membros dos movimentos de libertação das então colónias portuguesas.

9Quanto ao quarto capítulo, em torno de Amílcar Cabral, a proposta assenta, tanto na análise da iconografia (manuais escolares; estátuas; pintura mural), quanto na própria questionação do seu legado, uma vez que também se argumenta que a sua “presença” pode reforçar o PAICV, que dirigiu enquanto PAIGC até à data da sua morte (p. 131-132). A questão é, assim, complexa, porquanto este “pai fundador”, como os autores concluem: “has been sketched out not only as the name of a successful anti-colonial struggle, but also as an ‘operating concept’ whose evocation makes it possible to politically articulate present yearnings and future desires” (p. 147).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sérgio Neto, « Miguel Cardina & Inês Nascimento Rodrigues, Remembering the Liberation Struggles in Cape Verde. A Mnemohistory »Lusotopie [En ligne], XXII(1) | 2023, mis en ligne le 01 octobre 2023, consulté le 19 avril 2024. URL : http://journals.openedition.org/lusotopie/7133 ; DOI : https://doi.org/10.4000/lusotopie.7133

Haut de page

Auteur

Sérgio Neto

University of Coimbra
sgdneto[at]gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search