Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49-2MiscellanéesUm olhar inédito sobre Francisco ...

Miscellanées

Um olhar inédito sobre Francisco I numa fonte portuguesa dos alvores de Quinhentos

Una mirada inédita sobre Francisco I en una fuente portuguesa del siglo xvi
Un regard inédit sur François Ier dans une source portugaise du début du xvie siècle
An unprecedented look at Francis I in a Portuguese source from the early 16th century
Paulo Esmeraldo Catarino Lopes
p. 219-241

Résumés

En 1510, un noble anonyme établi par le 4e duc de Bragance, Don Jaime, part du Portugal en direction de l’Italie, pour ne revenir qu’en 1517. Il rédige plus tard un impressionnant récit de son périple, très complet. François Ier, roi de France, est l’une des figures à qui il accorde toute son attention. Bien qu’incomplet, le portrait tracé du jeune souverain nous laisse entrevoir, sous divers angles, le rôle décisif que ce dernier jouera dans la politique européenne externe en ces débuts du xvie siècle. Autrement dit, et vu qu’il s’agit là, et dans son essence même, d’une étude de cas, nous nous trouvons face à un instrument critique excellent qui nous permet d’aller au-delà du contexte « circonscrit », tout en abordant des questions à caractère plus élargit au niveau interprétatif comme la dispute concernant l’hégémonie dans l’Europe du xvie siècle, le passage de la Chrétienté à l’Europe des monarchies nationales de plus en plus centralisées ou l’autonomie croissante vis-à-vis de Rome de la part des puissances émergentes de l’Occident.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecno (...)

1No quadro das comemorações dos 500 anos da ascensão de Francisco I (1515-1547) ao trono francês, o presente artigo pretende reflectir e abrir pistas de investigação sobre a inédita representação deste soberano, logo após tornar-se rei e dirigir-se para Itália, num documento português do início de Quinhentos fruto dos itinerários de um viajante fidalgo por terras italianas durante cerca de sete anos1.

  • 2 Integrado na Colección de Don Luis de Salazar y Castro da Academia de História de Madrid com a clas (...)
  • 3 Quando combinadas com os dados que hoje dispomos, as pistas fornecidas pelo autor permitem concluir (...)

2A 21 de Maio de 1510, um anónimo servidor do 4º duque de Bragança, D. Jaime (1496-1532), parte de Chaves em direcção a Itália, para só regressar a Portugal em Setembro de 1517. Com base nesse périplo redige mais tarde um relato intitulado Tratado que hum criado do duque de braguança escreueo pera sua senhoria dalgumas notauees cousas que vio hindo pera Roma. E de suas grandezas E Jndulgençias, E grandes aconteçimentos que laa socçederam em espaço de sete años que hi esteue2, em cujos fólios faz desfilar a complexidade das relações políticas internacionais que têm lugar na capital da Cristandade na aurora de Quinhentos3.

  • 4 A partir daqui, a designação da obra surge sempre de forma abreviada: Memórias.

3A quase totalidade do conteúdo deste testemunho —que passou a ser conhecido como Memórias de um Fidalgo de Chaves4— reporta a acontecimentos e figuras que tiveram lugar em Itália num arco temporal que podemos situar entre 1510 e 1517, período durante o qual o inominado autor aí viveu. O (único) destinatário do texto é o emergente chefe da recém-restaurada casa brigantina.

  • 5 Salmann, 2003, pp. 47-79.

4Uma das figuras a que o autor dedica a sua atenção é Francisco I. Ainda que esparso, o retrato traçado do então jovem soberano deixa antever, sob diversos ângulos, o papel decisivo que o mesmo irá ter na contenda pela hegemonia na Europa do século xvi5. Mas, como podemos caracterizar esta visão? Eis a pergunta que, desde logo, sobressai. Numa segunda linha de interrogação, quais os fundamentos desta percepção pela voz de um português estante em Itália? Porquê o interesse do autor no jovem rei francês? Coaduna-se a imagem veiculada de Francisco I com a apreciação geral apresentada ao longo do documento relativamente aos franceses no seu conjunto? São estas as questões a que pretendemos responder nas páginas seguintes.

5Tratando-se, na essência, de um estudo de caso, a verdade é que estamos perante um instrumento crítico que permite ir mais além do que o contexto «circunscrito» do caso em si, abordando questões de amplitude maior ao nível interpretativo.

A Europa da aurora de Quinhentos: breve contextualização

  • 6 A materialização última desta disputa são as Guerras de Itália, que se desenrolam entre 1494 e 1559 (...)

6O período de viragem entre Quatrocentos e Quinhentos assistiu a uma aceleração do processo de centralização do poder nas monarquias mais importantes da Cristandade, nomeadamente, a França e a Espanha, que vão disputar entre si a hegemonia sobre a Europa, num movimento que marcará grande parte do século xvi e que terá como palco privilegiado a Itália6.

  • 7 Salmann, 2003, pp. 7-46.

7Exceptuando os territórios alemães e a região itálica, realidades políticas fragmentadas, à data da partida do Fidalgo de Chaves para Roma, o mundo cristão ocidental mostrava que doravante o processo, com avanços e recuos, de criação de uma monarquia forte de carácter nacional era o futuro —quer sob o ponto de vista político, quer no que diz respeito aos dispositivos administrativo e simbólico do poder7.

  • 8 Tenenti, 1985, pp. 45-73.

8Noutra vertente, foi a partir do início do século xvi que o Velho Continente, sempre em transformação e recomposição, começou a definir-se em termos de pensamento político: a procura do equilíbrio de poder entre potências será o caminho a seguir, ao invés da unidade europeia tão almejada pelo sacro imperador, num impulso ideológico ainda, em parte, medievalizante8.

9É com este pano de fundo que as Memórias vão ser redigidas, elas próprias na qualidade de instrumento de poder. Poder pela palavra e pela informação.

A fonte

  • 9 Amado, 1997.

10Ao mesmo tempo que apresenta grande fluidez informativa e eclectismo de temas e situações, o texto do Fidalgo de Chaves alimenta-se directamente do histórico e do factual. Cruza, por isso, géneros tão diversos como o relato de viagens, as memórias, a missiva política, a epístola de carácter pessoal, o diário, a crónica urbana e o relatório. A haver um género será, portanto, misto/compósito e remetendo sempre para a categoria geral de história9. O que, por sua vez, faz com que a intenção de verdade —expressa, por exemplo, no recurso à cópia de documentos oficiais— sirva de instrumento de certificação e legitimação da mensagem transmitida.

11O autor ter assistido em primeira mão aos acontecimentos e redigir o seu texto em anos não muito distanciados dos eventos que narra, associado ao facto de não estar sujeito à pressão de uma missiva de carácter oficial, faz com que o resultado final seja um testemunho caracterizado por um estilo livre e espontâneo, onde a vivacidade e o colorido são presenças reiteradas.

12O Fidalgo marca o seu texto com descrições e panoramas quase visuais. Privilegia não apenas o que vê, mas também as emoções e atitudes inerentes, o que, por sua vez, humaniza o relato no seu todo —situação notória em relação ao retrato traçado de Francisco I.

  • 10 «Tratado que hum criado do duque de braguança escreueo […] em espaço de sete años que hi esteue», « (...)
  • 11 «Memórias…», fos 136ro a 139vo.

13As Memórias apresentam 106 capítulos e uma estrutura narrativa sinuosa, na medida em que o autor salta por vezes de tema para tema, acabando sempre, no entanto, por retomar o fio condutor da relação. No essencial, consta de uma breve introdução ou prólogo, que exerce igualmente a função de título10. Segue-se a descrição da viagem, que antecipa o tronco principal da narrativa11: a diegese da sua estadia em Itália entre 1510 e 1517.

  • 12 Ibid.

14O grande objectivo do documento é informar de forma pluritemática o seu senhor, D. Jaime, vértice da casa de Bragança e sobrinho do rei D. Manuel I de Portugal (1495-1521), do que se passa em Itália e mais especificamente em Roma: «E feita oração me fui apousentar A çidade onde estiue sete anos E onze dias, trabalhando neste tempo de ver E de saber as cousas notauees que se em Roma E naquellas partes passaram pera dellas saber dar conta a vossa Jlustrissima senhoria12».

15Estas palavras do autor associadas às que apresenta no prólogo não deixam, em nossa perspectiva, dúvidas acerca quer do seu propósito em Roma, ou seja, a intenção que está na base da redacção do texto, quer de quem o enviou e com que missão. O facto de em diversos momentos do seu testemunho o autor insistir na questão da solidez e da veracidade das informações que veicula só confirma a realidade deste objectivo.

16Com efeito, analisada a fonte e tido em conta o contexto então vivido pela Casa de Bragança, quer em relação a Roma, quer no que diz respeito à política internacional do reino de Portugal, quer ainda pelo posicionamento da Casa no quadro dos jogos de poder vividos então no reino ao nível interno, consideramos a hipótese de o Fidalgo de Chaves se ter deslocado a Roma ao serviço do seu senhor como a mais plausível. Vamos, pois, assumir que se trata de um agente em missão.

  • 13 Conhecido como o Papa guerreiro ou o Papa terrível.
  • 14 Segundo filho de Lourenço, o Magnífico (n. 1449-1492) e mecenas da Roma renascentista, Leão X repre (...)

17A política sobressai como o pano de fundo sobre o qual o autor tece um amplo retrato da realidade italiana, em particular a romana. De reter é que todas as abordagens de carácter político são sempre pontuadas por referências à sociedade, à cultura, aos costumes e ao quotidiano, sobretudo romanos. Bons exemplos são a descrição das festas celebradas em Roma na sequência da vitória de Júlio II (1503-1513)13 sobre os franceses; a narração das celebrações carnavalescas sob o pontificado de Leão X (1513-1521)14, com especial atenção para a evocação dos costumes das cortesãs romanas; e também a relação das embaixadas de obediência ao mesmo pontífice.

18Fenómenos intrínsecos à prática política coeva que pautam o testemunho do agente flaviense são a disputa pela hegemonia em Itália (e, enfim, na Cristandade ocidental); a simonia, o nepotismo e a correspondente parentalização da cúria; a política estratégica de alianças matrimoniais; as redes de interesses clientelares; os jogos de influências que marcam a vida curial, a arbitragem pelo papado de conflitos internos dos reinos cristãos e a guerra de cruzada contra o Turco. Por tudo isto, as Memórias impõem-se como um texto de poder sobre o poder.

19A obra termina com uma brevíssima conclusão, que constitui também a descrição da viagem de regresso a Portugal.

  • 15 E dos quais traça um retrato não apenas físico e psicológico, mas também no que respeita à conduta (...)

20Na essência, os dois papados evocados pelo autor, Júlio II e Leão X15, que correspondem ao período em que permaneceu em Itália, constituem os eixos em torno dos quais todo o relato se vai desenvolver.

  • 16 Bagge, 1997.

21As Memórias revelam uma consciência da importância do devir histórico enquanto impulsionador do desenvolvimento da sociedade humana. É a já moderna ideia da história como processo que o autor veicula no seu texto. A sua abordagem aos eventos narrados e à sociedade que contactou evidencia um modo de percepção novo em relação a formas historiográficas anteriores16.

22Como já referimos, tudo indica que as Memórias constituem a resposta a uma encomenda efectuada pelo 4º duque de Bragança. Nesta medida, quer o horizonte de expectativas do público leitor (ainda que tratando-se apenas de uma única pessoa), quer as diversas condicionantes resultantes do tipo de relação existente entre o autor e o destinatário do texto —certamente uma relação próxima e até de dependência—, têm influência na construção do texto final.

  • 17 Jauss, 1985, pp. 3-45 («Literary history as a challenge to literary theory»).
  • 18 Aurell, 2006.

23Esta dimensão remete para a tese de Robert Jauss, segundo a qual a perspectiva —ou pluralidade de perspectivas— com que o leitor deste período lê o texto que lhe é dirigido determina em boa parte a concepção do mesmo17, na medida em que predispõe e influencia o autor durante o processo de produção. Igualmente pertinente é a interpretação de Jaume Aurell que salienta como a narrativa histórica tem sempre relações intrínsecas com o contexto e respectivas condições sociais e políticas em que é produzida18.

  • 19 Vejam-se as descrições das fortalezas de Milão (fos 151vo e 210vo) e de Bolonha (fos 143ro-143vo, (...)

24Um exemplo deste processo nas Memórias relaciona-se com a atenção que o Fidalgo empresta ao tópico da arquitectura militar e da artilharia19, e que é claramente devedora do particular interesse de D. Jaime pela temática das fortificações e estruturas defensivas italianas.

25Se por um lado não devemos esquecer que é na Itália do início de Quinhentos que se desenvolvem as fortalezas da nova era, por outro há que ter presente que é pela mão de D. Jaime que a arquitectura militar portuguesa começa a reconhecer a superioridade das propostas defensivas italianas. Comprovam-no a sua participação nas modificações estruturantes do Castelo Novo de Évora (1518-1524), do Castelo Artilheiro de Vila Viçosa (1525-1526), o qual introduz em Portugal o tipo novo da «fortaleza roqueira» ou «à italiana», e do paço acastelado de Évora-Monte (1531-1535).

26As Memórias assumem uma funcionalidade clara: criar impacto histórico, visual e emotivo no leitor. O autor pretende, assim, não apenas satisfazer a curiosidade de D. Jaime, mas também surpreendê-lo. Neste quadro, o recurso a mecanismos como a ironia e o juízo de valor permitem ao tipo de discurso utilizado ultrapassar a mera função de informar acerca de acontecimentos dignos de registo.

  • 20 Castro, 1991, p. 14.

27A objectividade do texto é sobretudo comprovada pela concordância histórica, quer dos factos narrados quer dos dados cronológicos – compare-se, a título de exemplo, com as narrativas de autores coevos como Paolo Giovio (1483-1552), Francesco Guicciardini (1483-1540) e Paride de Grassi (1470-1528), sendo que este último foi mestre das cerimónias pontifícias20.

  • 21 Em fórmulas concretas como eu ho vi, eu falei com muitas pessoas, fui ver, o qual eu bem conheçi, (...)

28O facto de, em variadíssimas situações, chamar a atenção para o carácter presencial do seu testemunho faz transparecer a preocupação em confirmar ao destinatário a veracidade das informações que transmite21. Por vezes, conjuga as notícias oriundas da sua própria observação e experiência com os dados lidos, garantindo assim maior segurança ao redigido.

29Cortesão e cosmopolita, o autor é um homem de acção. Alguém que experimenta e dá primazia ao vivido, não um escritor no pleno sentido do termo (se o foi, tal deveu-se a uma solicitação superior, portanto de natureza hierárquica). Não significa isto, contudo, que não fosse um homem de cultura, como o demonstram a sua abordagem da música e da arquitectura e arte religiosas.

30A moral que o define evidencia-se na sua intencionalidade de informar de forma crítica, constituindo essa combinação uma marca do seu humanismo e da sua modernidade.

  • 22 «Memórias…», fo 138ro.
  • 23 Ibid., fo 145vo.

31Naturalmente, um texto desta natureza levanta uma série de problemas relacionados com a sua produção. Problemas desde logo relativos à própria definição do registo, compósita, e portanto devedora de critérios textuais diferenciados. Problemas ainda relacionados com a selecção dos temas evocados e o acesso às fontes escritas nas quais o autor se baseou para a elaboração do texto final. Por último, interrogações associadas à hipótese mais do que provável do recurso a um diário, no qual terá registado tudo o que lhe pareceu digno de memória ou interessar ao destinatário do texto. O próprio dá indícios ao afirmar relativamente à igreja siciliana de monReal, «eu tomei a medida daquelle tam marauilhoso templo, do alto, comprido E ancho. E perdi a em Roma22»; ou quando, no quadro da disputa entre Júlio II e os cardeais cismáticos, declara que «ca muitos dos portacolos em que tinha escritas estas E outras muitas cousas perdi23».

A centralidade de D. Jaime na produção do documento

32As opções e preocupações do autor na construção do seu testemunho, bem como a acção que desenvolveu em Itália, indiciam o propósito de corresponder às diligências de uma figura hierárquica superior, cujos interesses, sobretudo políticos, eram bastante mais amplos que os seus.

33A informação representa poder, pelo que o Fidalgo procura o que de mais interessante pudesse acontecer na capital da Cristandade para bem informar o duque de Bragança. Como homem culto e figura de proa do reino de Portugal, D. Jaime sabe o quanto essa vertente nova da vida política é indispensável para a prossecução dos objectivos a atingir.

34É importante para o líder da maior Casa aristocrática portuguesa após a régia e membro fundamental do Conselho do rei estar bem documentado, nomeadamente saber o mais possível acerca do novo rei de França, do seu modo de pensar e agir.

  • 24 Lapeyre, 1969.

35Afinal, era prioritário para o reino luso conseguir manter uma prudente política de neutralidade face aos conflitos europeus, em particular no que respeita às Guerras de Itália, um sorvedouro de homens e recursos que não permite à Cristandade virar a sua atenção para o perigo Turco24. Nessa medida, o autor das Memórias representa os olhos e os ouvidos do duque onde ele não pode estar.

36Noutra vertente, os interesses internacionais de Portugal afirmam-se num novo contexto político europeu, pautado pelo facto de as monarquias em ascensão verem os seus destinos de forma interligada através das políticas dinásticas e da consolidação das redes familiares entre os soberanos, pelo que é necessário saber o mais possível acerca dos líderes das potências emergentes.

37Depois, em relação ao caso específico de Francisco I, não podemos deixar de ter em conta a hipótese de na base da imagem transmitida pelas Memórias estar um processo de identificação por parte do autor entre o jovem rei francês, D. Manuel de Portugal e o próprio D. Jaime de Bragança (nomeado por duas vezes herdeiro presuntivo do trono português), enquanto representantes de uma nova fase de encarar o posicionamento régio.

  • 25 Alfonso Petrucci foi um nobre italiano pertencente à família Petrucci da República de Siena. Eleit (...)

38Não é fortuito que durante a sua estada em Roma o Fidalgo esteja ao serviço do cardeal Alfonso Petrucci (1511-1517)25, figura decisiva na eleição do papa Leão X.

39O facto de entrar para o círculo familiar do cardeal de Siena garantiu ao autor uma série de privilégios, nomeadamente, o acesso a documentos oficiais que não deixa de apresentar no seu relato; a obtenção de informações de primeira linha e da maior actualidade relativas à política internacional na Cristandade; o contacto e fácil circulação nas principais cortes aristocráticas e eclesiásticas romanas; e a convivência com as elites culturais, religiosas e políticas, em particular os humanistas.

40Poderia haver melhor porta de acesso aos meandros da cúria e da política romana? Julgamos que não. Certamente, o duque de Bragança terá ficado bastante satisfeito com esta entrada do Fidalgo ao serviço do cardeal Alfonso Petrucci.

  • 26 Cunha, 2000, pp. 312-332.

41Por outro lado, a monarquia portuguesa necessitava do apoio de alguém com o peso deste prelado no vaticano para a prossecução do projecto expansionista em que estava envolvida. Isto para além dos interesses específicos da própria Casa de Bragança, que à época mantinha negociações com Roma com vista à obtenção da autorização para converter direitos de padroado em comendas da Ordem de Cristo e de apresentação da Casa —um processo que, a concretizar-se satisfatoriamente, garantiria toda uma série de proveitos e benefícios não apenas financeiros mas também de ordem política, nomeadamente o facto de reduzir os índices de conflitualidade institucional da Casa, em particular com a Igreja26.

  • 27 Silva, 1862, pp. 432-433.

42A própria Coroa agiu no sentido de apoiar a pretensão do duque D. Jaime junto de Roma de que resultou a anuência do papa Leão X, expressa na emissão da bula de 1517. É o que podemos confirmar pela leitura da missiva datada de 11 de Maio de 1517, enviada por D. Manuel ao seu embaixador na cúria romana, o futuro Bispo de Viseu, D. Miguel da Silva (c. 1480-1556), e na qual o monarca recomenda o maior empenho em patrocinar junto do papa a pretensão de D. Jaime27.

43Esta correspondência mostra igualmente como o duque de Bragança mantinha em Roma agentes ao seu serviço. Aliás, não seria de estranhar que o autor das Memórias fosse o «solicitador do duque» evocado na missiva.

  • 28 Matos, 1956, p. 20.

44Luís de Matos, o primeiro investigador a chamar a atenção para as Memórias, defendeu a existência de uma rede de agentes da Casa de Bragança em Itália por esta altura, bem como a tese da presença do Fidalgo em Roma na qualidade de agente de D. Jaime28.

  • 29 Datada de 4 de Julho de 1517.

45Outro dado a reter é que o Fidalgo regressou a Portugal precisamente quando a negociação entre a Casa de Bragança e o pontificado chegou ao seu termo. Não seria porque estava a sua principal missão concluída? Isto independentemente do facto de o cardeal de Siena ter sido sentenciado no mesmo ano (o intervalo de tempo que decorre entre a morte do cardeal29 e a saída do Fidalgo de Roma faz com que uma não resulte necessariamente da outra).

46D. Jaime impôs-se como um político e governante competente. Comprovam-no a sagacidade e a coragem estadística que teve para reerguer e elevar à preeminência uma Casa que já fora dissolvida uma vez, com todos os riscos e inimizades que isso implica. O seu padrão de conduta face aos adversários, fossem originários da alta nobreza a que pertencia ou de outros grupos, como os conselheiros régios, pautou-se pela paciente edificação de um poder sólido e capaz de se alimentar por si próprio.

  • 30 Cunha, 2000, p. 13.

47A necessidade de legitimação, reforço e consolidação do seu poder obrigava, pois, o duque a construir um património cultural e simbólico que resultasse numa identidade capaz de elevar a Casa ducal a uma posição de hegemonia. Inscrever-se-ão neste contexto as Memórias e a missão do seu autor em Roma30.

  • 31 Buescu, 2016.

48O perfil cultural e humanista de D. Jaime revela-se nas iniciativas que patrocinou ao longo da vida: a criação de uma biblioteca31; a construção de um paço ducal, onde chegou a existir um observatório astronómico e marcavam presença especialistas das mais variadas áreas; o apoio mecenático; as traduções e encomendas de obras, entre outras.

49Curioso pelo que o rodeia, sobretudo o novo e original, é alguém que procura informar-se o melhor que pode sobre as temáticas que o cativam: história, arquitectura, ciência, guerra, política… Tal é certamente devedor do facto de ter sido educado em Castela, onde contactou com figuras importantes do humanismo italiano, como Pedro Mártir de Anghiera (1457-1526) de quem foi um dos primeiros discípulos.

  • 32 Luís de Matos demonstra o papel pioneiro e até vanguardista desempenhado pela corte de Vila Viçosa (...)

50O maior emblema da educação humanista de D. Jaime foi talvez a própria corte da Casa de Bragança, espaço privilegiado de poder e cultura e símbolo do estabelecimento em Portugal de uma mentalidade já com marcas de modernidade32.

51Também a importância atribuída a Roma ao longo de toda a sua vida constitui um indicador dos interesses culturais e políticos do duque brigantino. Uma importância da qual, em última análise, as Memórias são um exemplo expressivo.

52A Roma dos alvores de Quinhentos não é apenas uma sede espiritual. É também um espaço urbano que se quer assumir como o grande eixo político da Cristandade, pelo menos no sentido de que todas as nações cristãs de alguma forma têm de por lá passar —e mostrar— para fazer valer as suas pretensões internacionais.

53Noutra perspectiva, Roma e em especial a cúria pontifícia afirmam-se cada vez mais como centro privilegiado de informação universal. Todas as notícias de carácter político e geoestratégico importantes passavam pela Cidade Eterna, pelo que era vital às monarquias europeias aí manterem uma presença constante.

54Neste sentido, não estranha que a Coroa portuguesa acompanhe a tendência geral europeia de optar por representações diplomáticas permanentes em Roma com acções informativas paralelas, de que o estabelecimento de redes de agentes e contactos constitui o melhor exemplo.

  • 33 Porque não beneficia da protecção e da imunidade que o cargo oficial garante.
  • 34 Preto, 2010, pp. 41-86 e 185-234.

55A jornada italiana do Fidalgo afigura-se uma expressão deste fenómeno, neste caso sob a orientação do chefe de uma das maiores Casas aristocráticas da Península Ibérica. A arriscada actividade destes agentes33, que na caracterização proposta por Paolo Preto constituía não raras vezes um genuíno acto de espionagem34, visava essencialmente a obtenção no terreno de notícias válidas ao nível dos bastidores da política.

  • 35 Cardim, 2004.

56Pedro Cardim destaca, especificamente, a capacidade da Casa de Bragança em desenvolver neste período os dispositivos administrativos e as condições necessárias, à semelhança da Casa real, para fomentar relações externas a um nível muito mais amplo do que até aí se tinha tentado35.

  • 36 Brasão, 1973.

57À época, Portugal está a redefinir-se face à restante Europa —de país periférico passa a estar no centro das grandes correntes do comércio internacional e da política europeia. Torna-se, consequentemente, um dos protagonistas da recente e inédita passagem para uma economia mundo. O contexto internacional obrigava, pois, o reino luso a ter os olhos postos em Roma. Afinal, o que aí se decidia em termos políticos, militares e económicos, acabava por se repercutir naquilo que era o centro de interesses da política externa portuguesa. Nessa medida, à semelhança da Coroa, era vital que a mais alta nobreza protagonizasse uma permanente intervenção diplomática oficial e não oficial em Roma36.

A representação de Francisco I nas Memórias

Antecedentes: Luís XII vs Júlio II

  • 37 «Memórias…», fos 154vo a 156vo.
  • 38 Ibid., fos 159vo a 160vo. Convocado pelo papa Júlio II e continuado por Leão X, o Concílio de Latr (...)

58Antes de o autor evocar Francisco I no seu testemunho, elabora todo um retrato das relações entre o anterior monarca francês, Luís XII (1498-1515), e o papa Júlio II. Relações tensas que culminam na batalha de Ravena, a 11 de Abril de 151237, e na convocatória do Concílio de Latrão V (1512-1517)38.

59O quadro traçado é importante na medida em que descortina o ambiente político-militar que Francisco I tem de enfrentar quando, em 1515, regressa a solo italiano, em particular a presença das forças suíças contratadas e comandadas pelo cardeal helvético Matthäeus Schiner (1511-1522).

Ascensão de Francisco I e a situação política vivida em Itália

  • 39 Francisco I era filho de Carlos d’Orléans-Angoulême ou Carlos I de Valois (1467-1496), e Luísa de S (...)
  • 40 «Memórias…», fo 201vo.

60A abordagem efectuada nas Memórias à figura de Francisco I começa com a referência à morte de Luís XII, sem deixar herdeiros, a 1 de Janeiro de 1515, e a consequente subida ao trono francês do seu jovem primo e genro39. Em seguida, o autor destaca a determinação do novo monarca em retomar os projectos falhados pelos seus dois antecessores em relação à presença francesa em Itália40.

  • 41 Guerdan, 1976, pp. 68-92; Knecht, 1984, pp. 33-50.

61Determinado e ambicioso, Francisco I faz os franceses regressarem a Itália com o objectivo de conquistar o ducado de Milão, de cuja posse se considerava herdeiro por direito. Contudo, não o faz sozinho, antes como parte integrante de uma liga composta também pela República de Veneza e o ducado de Ferrara41:

  • 42 «Memórias…», fo 209ro.

Naquelle tempo tinham feita ligua, scilicet, de huma parte o papa E el Rei de castela E o de Jnglaterra, o duque de milão E a senhoria de sena. E da outra parte era el Rei de frança, venezeanos, E o duque de ferrara. E desta maneira estauão postos em armas huns contra os outros42.

  • 43 No quadro do estabelecimento da Liga de Cambrai (1508), a República de Veneza enfrentou uma coligaç (...)

62Veneza, que fora derrotada pelos franceses a 14 de Maio de 1509 na batalha de Agnadello43, e que estabeleceu, em 1510, inclusive uma aliança com os Estados Pontifícios, passa agora para o partido da flor-de-lis.

  • 44 Hale, 2000, pp. 101-115; Shaw, 2006, pp. 35-52.

63Esta breve passagem permite, pois, percepcionar o sucessivo estabelecimento de alianças e contra-alianças entre os vários protagonistas envolvidos no jogo de poder que tinha sede em Itália44. Acordos e desacordos, enfim, tão sólidos como os laços que uniam os elementos neles participantes.

  • 45 Maquiavel, Il Principe, pp. 232-233.

64Daqui sobressai a frágil estruturação do diálogo internacional que marcava a política no Velho Continente. Estado de coisas em consonância com a premissa defendida por Maquiavel (n.1469-1527) —que tinha por modelos o seu tempo e o espaço itálico— de que a praxis política tem como condições a realidade e a razão que lhe subjaz, ficando de fora do processo de governo o recurso à moral e à ética45.

  • 46 «Memórias…», fos 146vo a 148ro; 156ro; 151ro e 151vo; 154vo; 210ro; 203vo e 204ro; 211ro e 211vo.
  • 47 Sobrinho de Luís XII, Gaston de Foix recebeu o comando do exército real em Itália. Pelo valor da s (...)

65A partir deste ponto, o autor começa a construir um retrato de Francisco I, que, de alguma forma, contrasta com a imagem predominantemente negativa dos franceses como um todo veiculada ao longo do seu testemunho46. Sublinhe-se este aspecto da avaliação colectiva, pois, quando individual, a apreciação dos franceses não é, regra geral, negativizante, como demonstra a apreciação de Gaston de Foix (1507-1512)47, duque de Nemours, e de outros guerreiros franceses no quadro do confronto de Ravena.

A surpreendente travessia dos Alpes

66Ao descrever o inesperado trajecto que Francisco I percorreu para entrar de surpresa em Itália e tomar Milão, o autor das Memórias de alguma forma emprestou ao rei francês a memória de Aníbal de Cartago (n. 248 a.C.-c. 182 a.C.) quando, no século iii a.C., atravessando a mesma cadeia montanhosa, penetrou na Península Itálica surpreendendo tudo e todos. Desta feita, o rei francês traz canhões em vez de elefantes.

  • 48 Lecoq, 1987, p. 229-231 e 426-427; Terrasse, 1945, vol. 1, pp. 81-97, 116-120.

67O feito trouxe-lhe a lenda. Esta evocação, como Anne-Marie Lecoq assinala no seu estudo acerca do imaginário de Francisco I da Antiguidade Clássica, vem carregada de simbolismo de poder, funcionando com um espelho da vontade férrea do monarca. Por essa razão, segundo a mesma investigadora, beneficiou de grande sucesso e circulação na época48.

  • 49 «Memórias…», fo 209vo.

68Esta carga simbólica ganha uma dimensão superlativa, na medida em que é o próprio monarca quem lidera a expedição, da qual fazem parte pesadas peças de artilharia, à época uma marca distintiva do poder armado francês. O trânsito dos canhões e do enorme contingente humano é de tal forma complicado que se torna necessário talhar o caminho nas passagens difíceis49. Mais uma vez, a imagem do rei sai favorecida.

  • 50 Ibid.
  • 51 Castro, 1991.

69Fazendo o imprevisível, o Valois toma de surpresa o exército suíço50. Neste ponto do relato, o autor já lançou os fundamentos da composição positiva que caracteriza o seu retrato do novo monarca francês. Todo um conjunto de adjectivos abonatórios surgem subjacentes ao seu testemunho, o qual, recorde-se, tem por eixo a intenção de verdade enquanto mecanismo de certificação e legitimação da mensagem transmitida51.

  • 52 Castelot, 1983, pp. 219-244.

70Ainda antes de a batalha ter lugar, a referência à passagem insuspeitada dos franceses pelos Alpes garante, pois, um estatuto distintivo do ponto de vista militar —e até ao nível da personalidade— ao jovem rei. Desde logo, ousadia, destreza e inteligência táctica passam a ser atributos de Francisco I aos olhos de quem lê as Memórias. Ficamos perante um monarca que é tão cavaleiro quanto estratega. Diferente, portanto, daquele que irá surgir em Pavia, em 1526, onde fica prisioneiro do adversário devido precisamente a ter sido apenas um rei-cavaleiro52.

A batalha do Marignan

  • 53 Corail, 2015; Le Fur, 2004.
  • 54 «Memórias…», fo 209vo.

71Os acontecimentos culminam na batalha do Marignan53, a 13 e 14 de Setembro de 1515, o segundo grande confronto armado das Guerras de Itália a que o autor das Memórias dedica uma atenção especial54.

  • 55 Massimiliano Sforza, que havia sido colocado no trono ducal pelos suíços, em 1512, é deposto pelos (...)

72Francisco I comanda em pessoa as forças francesas contra os mercenários suíços conduzidos pelo cardeal Matthäeus Schiner e as forças milanesas lideradas pelo duque Massimiliano Sforza (1512-1515)55.

  • 56 «Memórias…», fo 210ro.
  • 57 Ibid., fos 154vo a 155vo.

73O autor narra de forma emotiva ambos os dias de confronto. Começa por frisar a honra e o espírito de cavalaria de Francisco I, que «mandou dizer aos soiços E ao seu cardeal, que fossem contentes de nam entrar contra elle em batalha E se tornassem em paz pera sua terra por se escusar tam grande matança de nobres caualeiros E esforçados soldados de huma E da outra parte56». Pressente-se nas palavras do autor respeito, simpatia e até admiração pelo monarca francês, em suma, a mesma nobreza que atribuíra a Gaston de Foix na batalha de Ravena57.

74A coroa francesa está presente no campo de batalha à cabeça do seu exército, o que condiciona a priori qualquer tentativa de edificação de um perfil por parte do autor, na medida em que ele próprio encontra-se imbuído do espírito que predomina na mentalidade aristocrática portuguesa coeva, em boa parte forjada nas armas e nos ideais de honra e dignidade cavaleiresca. O processo histórico vivido à época pelo reino luso isso legitimava e alimentava.

  • 58 «Memórias…», fo 210ro.

75A resposta do cardeal ao mesmo tempo que eleva Francisco I contribui para denegrir a imagem quer da cúspide da Igreja, quer dos combatentes suíços, que combatem apenas pelo pagamento e pelo saque: «E o cardeal dos soiços nom quis nisso consentir exortando E animando os seus a dar batalha, dizendo que elle conheçia que averiam victoria. E que ficariam todos Ricos, E alcançariam a onrra de toda frança58».

  • 59 Chambers, 2006.

76O autor, aliás, acusa em diversos pontos do seu testemunho a cúpula da Igreja pela sua actividade militar, não raras vezes excessiva quer do ponto de vista da frequência, quer em termos da violência aplicada59.

  • 60 «Memórias…», fo 210ro.

77A infantaria e a artilharia, num sinal dos tempos, revestem-se de importância decisiva para o rei francês na estratégia da batalha60. Este, por sua vez, no desenvolver do confronto, impõe-se como o principal estratega e comandante do exército francês. É ele quem reflecte e decide sobre todas as acções a tomar. A positividade da imagem inicial sai, portanto, reforçada.

  • 61 Ibid.

78No final do conflito, o que sobressai em termos de simbólica política e militar é, efectivamente, o desempenho e a conduta do rei, que «se nam deçera de seu caualo toda a noite passada. E quando os soiços apareceram [no segundo dia] elle estaua a ponto pera dar batalha a qual se trauou aspera E cruel61». Mais favorável não podia ser a percepção do viajante português.

79A referência específica ao facto de Francisco I passar toda a noite sem descer da sua montada não é de todo gratuita por parte do autor. Na verdade, este é um aspecto essencial em termos de psicologia militar, pois se a presença do rei no campo de batalha à frente dos seus homens por si só constitui um apontamento moral de grande importância, então a figura de um soberano que não descansa sequer à espera do confronto decisivo eleva ao máximo esse mesmo elemento moral.

  • 62 Ancona, 1989, pp. 348-371.

80Embora a lealdade imediata do soldado do fim da Idade Média vá tendencialmente para o seu capitão, a presença in loco do detentor da coroa —visível para todos e arriscando a vida ao lado dos seus guerreiros, mesmo os de condição mais baixa— representa sem dúvida um incentivo psicológico, cuja importância não deve ser subestimada. Verdade tanto maior tratando-se de uma época que vê afirmar-se uma tendência que se tornará predominante no futuro próximo: a da disparidade entre os riscos sofridos pelos homens que arquitectavam as tácticas militares e aqueles que colocavam as mesmas em prática no campo de batalha62.

  • 63 Fazendo com que, no ano seguinte, em Friburgo, concluíssem uma Paz Perpétua com a França. Le Fur, (...)

81Noutra vertente, ao destacar a forma como Francisco I, combinando o cavaleiresco com as exigências da guerra moderna, colocou um fim na reputação de invencibilidade das forças helvéticas63, o autor das Memórias perpassa uma visão de majestade do rei francês. Afinal, foram estes mesmos suíços que, três anos antes, triunfaram em Ravena e expulsaram Luís XII de Itália, afectando grandemente o prestígio internacional da França.

Um rei entre duas eras

82Ainda no quadro da descrição da batalha do Marignan, o autor das Memórias apresenta Francisco I como um homem entre duas épocas. Alguém entre uma concepção ainda tradicionalista da existência (a medievalidade) e os novos tempos de mudança e processos inéditos (a modernidade).

  • 64 «Memórias…», fo 210ro.
  • 65 Castelot, 1983, pp. 57-77; Le Roux, 2015.

83Enquanto rei que «nam deçera de seu caualo toda a noite passada64», Francisco I segue o modo medieval de fazer a guerra, onde o individualismo e a cavalaria (pesada) são o elemento predominante. Neste sentido, a sua actuação no Marignan constitui como que o «canto do cisne» da forma de pelejar que predominou nos campos de batalha medievais, onde o valor do combate individual, dito «cara a cara» ou «homem a homem», representava o próprio fundamento e razão de ser de toda uma classe social65.

84Mas enquanto rei estratega, o pensador que tem plena consciência dos novos protagonismos no campo de batalha —aquele que sabe que a prática da guerra mudou e que há que fazer uso das novas potencialidades bélicas para atingir a vitória—, Francisco I apresenta-se como um príncipe da nova época que já começou. Nesse sentido, ele personifica o tipo de governante evocado pelo politólogo florentino n’O Príncipe.

  • 66 Knecht, 1985, pp. 31-34; Potter, 2008, pp. 95-123 e 152-186.
  • 67 «Memórias…», fo 210vo.
  • 68 Hall, 1997, pp. 5-110.

85Não é por acaso que a infantaria e, sobretudo, o canhão constituem os símbolos coetâneos da supremacia militar francesa66: «el Rei de frança seguindo sua vitoria entrou em milão, E prantada sua artelharia mandou bater o castelo per muitos dias fazendo portaes nos muros67». A centralidade nos exércitos de Francisco I de figuras novas como o espingardeiro, o arcabuzeiro, o sapador, o artilheiro e o cavaleiro ligeiro revelam como o monarca está consciente de que ao aparecimento de novos armamentos correspondem novas exigências de especialização por parte dos soldados envolvidos. E novas exigências também ao nível de áreas como a logística e o transporte (como a travessia dos Alpes comprovou)68. O Valois tem, de facto, perfeita noção do tempo em que vive e do espírito de mudança célere que o caracteriza.

Francisco I e o papa Leão X

86A avaliação efectuada pelo autor à figura de Francisco I sofre uma alteração —negativizante— quando perante situações que evocam proximidade entre o monarca e o papa Leão X. Daqui surge uma interrogação: porquê esta mudança, ainda que limitada a tal contexto?

  • 69 Winspeare, 1957.

87A resposta reside em que esta apreciação por parte do autor resulta de um factor externo a Francisco I, que consiste na circunstância de o Fidalgo não acalentar qualquer simpatia pelo pontífice Médici. Tal dever-se-á, provavelmente, ao facto de o seu mentor em Itália, o cardeal Alfonso Petrucci, ter sido condenado e morto por ordem papal no quadro da conspiração dos cardeais de 151769. Trata-se, pois, de razões de ordem emocional.

  • 70 Gattoni, 2000.
  • 71 «Memórias…», fo 211ro.

88Outra pergunta que sobressai neste quadro relaciona-se com a definição da relação estabelecida entre o pontífice e o rei francês: foram inimigos, aliados, cúmplices ou parceiros por mera conveniência circunstancial? Não raras vezes, o autor acusa o papa de ser «francês», ou seja, acusa-o de traição dada a tradicional aliança entre o papado e Espanha neste período70: «E por esta maldade […] o duque foi perdido. […] E disto ser assi, E o papa ser françes, o vimos nas cousas que se loguo seguiram71».

  • 72 Grassi, Il Diario di Leone X, pp. 44-89; Guicciardini, Storia d’Italia, vol. 3, pp. 64-119.

89A constatação de o papa Leão X ser aliado de França, apesar de a posição oficial dos Estados da Igreja ser diferente, é corroborada pela documentação da época, que justifica tal ligação com o facto de a República de Florença e o reino de França serem antigos aliados72.

  • 73 Calendar of Letters…, 1862-1868, p. 240.

90O autor das Memórias assinala mesmo que a simpatia do papa Médici pelos interesses francófonos em Itália acontece desde o início do seu pontificado, posição confirmada por algumas das figuras coevas que intervieram directamente nos acontecimentos, como se pode verificar numa missiva de Fernando II de Aragão (1479-1516) ao Sacro Imperador Romano-Germânico Maximiliano I de Habsburgo (1508-1519): «Parece que sua Santidade tem estado a fazer jogo duplo. Todo o seu zelo em expulsar os franceses da Itália mais não é do que uma máscara73».

  • 74 Carlos VIII (1483-1498) e Luís XII.
  • 75 Guerdan, 1976, pp. 120-131; Knecht, 1984, pp. 66-82.
  • 76 Hamon, 1994, pp. 48-51 e 52-58.

91Ao contrário do que se passou com os seus predecessores74 e apesar da sua juventude e da ânsia em conquistar a glória e o respeito militar na Europa, quando Francisco I entrou em Itália procurava sobretudo eliminar as pretensões imperiais e espanholas na Península. Daí que este território se transformasse no palco central do que passou então a ser o conflito aberto Habsburgo-Valois75. Por outras palavras, se ao nível interno a política do jovem monarca aponta para a salvaguarda e alargamento da autoridade régia, já no quadro externo a sua política assenta sobretudo na necessidade de impedir que qualquer potência (que não ela própria) ou grupo de potências dominasse a Europa cristã. Para tal necessitava de controlar a Itália. O que só seria possível tendo o papado do seu lado —mas nunca numa posição de dominância76.

  • 77 Gattoni, 2000, pp. 76-113.

92Leão X alinhou, de facto, com os inimigos de Francisco I antes da batalha do Marignan no sentido de oferecer resistência ao invasor francês, mas sempre de forma discreta e cautelosa, nunca dando azo a ofender abertamente o rei francês e precavendo sempre uma possível vitória deste último, o que veio de facto a acontecer. E, na realidade, resolvido o conflito, rapidamente o pontífice fez as pazes com o Valois, tentando sempre obter favores para os seus parentes, em particular o seu irmão Giuliano. Por outro lado, o novo pontífice desejava utilizar a presença francesa em Itália para refrear ao máximo as ambições não veladas do ainda arquiduque Carlos, quando este ascendesse ao trono espanhol e eventualmente ao império, o que veio a acontecer no primeiro caso logo em Março do ano seguinte, como Carlos I, e no segundo caso em 1519, como Carlos V77.

  • 78 «Memórias…», fo211ro.

93Uma das principais referências nas Memórias à cumplicidade entre Francisco I e Leão X surge no âmbito do encontro ocorrido entre ambos em Dezembro de 1515, em Bolonha: «conçertaram elle E o papa de se verem ambos em bolonha. […] E cheguados a bolonha, el Rei de frança foi loguo hi, E pousou nos paços do papa pera falarem a seu prazer. o papa disse missa pontifical, E el Rei lhe deu em pessoa a obediençia78». O não fazer-se representar por parte do monarca francês, antes surgir in persona, gera intimidade e estreiteza de laços entre as partes em presença. Esta passagem das Memórias revela ainda a informalidade existente entre os dois líderes, expressa no completo romper do protocolo relativo à recepção papal às embaixadas de obediência.

  • 79 Doucet, 1926, pp. 117-156; Jacquart, 2003, pp. 91-110; Knecht, 1984, pp. 51-65.

94O encontro em Bolonha, que choca o autor, culmina no ano seguinte, em Roma, com a assinatura a 28 de Agosto da chamada Concordata de Bolonha, mediante a qual Francisco I consegue uma importante autonomia relativamente a Roma enquanto sede pontifical e, ao mesmo tempo, avança no processo de consolidação política e de centralização régia em França79.

  • 80 Terrasse, 1945, vol. 1, pp. 98-112.

95Em suma, o que as palavras do Fidalgo indicam é que, apesar das aparências, Francisco I após a sua vitória militar da qual resultou a tomada do ducado de Milão não impôs ao papa, ou seja, contra a vontade deste, a Concordata. Ao invés, o testemunho que deixa aponta no sentido de uma cumplicidade e de uma cedência sem contradição por parte de Leão X —o que não é de estranhar, pois, na verdade, o papa limitou-se a confirmar um procedimento que já se fazia há muito80.

  • 81 «Memórias…», fo211vo.

96Não menos importante ao nível da construção de um perfil é a passagem das Memórias relativa ao que se passa com Francisco I logo após o encontro com o papa em Bolonha. Se, por um lado, este trecho é revelador de uma das facetas mais conhecidas de Francisco I, a de boémio, por outro, opera um juízo do jovem rei situado algures entre o justiceiro e o tirano cruel. Em ambos os casos, a positividade veiculada no contexto do Marignan sofre um esbatimento: «passados tres dias el Rei se tornou pera milão, onde dizem que esteue alguns dias festeJando as damas da çidade. dizem que se desonestaua muito com ellas, E que em hum dia tinhão os cidadões [de Milão] ordenado de ho matar. E sendo avisado cortou as cabeças a trinta dos prinçipaes81».

Francisco I e o rinoceronte Ganda

  • 82 Ibid.

97No seu relato, o autor dá também notícia da ligação entre Francisco I e o naufrágio, em 1516, da embarcação onde seguia a segunda delegação diplomática enviada por D. Manuel I ao papa Leão X, e na qual merecia destaque o rinoceronte indiano oferecido dois anos antes pelo rei de Cambaia a Afonso de Albuquerque (1509-1515), então governador do Estado Português da Índia82.

  • 83 Bedini, 1997, pp. 59-63 e 238-240. Esta embaixada é objecto de uma detalhada descrição pelo autor, (...)
  • 84 Guerdan, 1976, pp. 93-113. A embarcação naufragou nas imediações de Génova, pelo que Leão X apenas (...)

98Pelas palavras do autor, podemos vislumbrar a expectativa que rodeava a chegada desta nau a Roma. Tal suspense tem, sem dúvida, o seu fundamento no facto de a comitiva anterior —a embaixada de obediência ao papa que desfilou nas ruas da Cidade Eterna no dia 12 de Março de 1514, sob a liderança de Tristão da Cunha (1460-1540), e na qual seguia entre outras atracções o elefante Hanno— ter tido um impacto na população de Roma sem precedentes83. Afinal, desde os tempos do Império romano que a capital da Cristandade não assistia à apresentação de tão exóticos animais pelas suas buliçosas ruas. Até o poderoso rei de França fez-se rapidamente deslocar a Marselha para ver o estranho animal que o soberano português enviava ao papa84.

  • 85 Dimier, 1930; Terrasse, 1945, vol. 2, pp. 140-229; ibid., vol. 3, pp. 67-76, 146-177, 204-207.

99Esta passagem veicula, sobretudo, a imagem de Francisco I como um monarca curioso e ávido pelas novidades trazidas de além-mar pelos exploradores europeus, ou seja, como um soberano que respondia de forma afirmativa ao espírito de descoberta que caracterizava a sua época85. No entanto, devemos igualmente reter o facto de o autor assinalar ter sido, segundo se dizia, devido a Francisco I que a nau e o rinoceronte se perderam.

Notas finais

100A imagem de Francisco I veiculada nas Memórias corresponde ao propósito último do texto: informar e esclarecer o destinatário do mesmo sobre o que se passa no coração da Cristandade e sobre os grandes protagonistas políticos da Europa coeva.

101Nesta medida, o contexto em que surge tal documento tem de ser visto no âmbito da estratégia coeva de crescimento da Casa de Bragança e os seus conteúdos provavelmente como respostas a questões que interessavam o duque, fosse por curiosidade pessoal, fosse por necessidade política e de governo.

102No cômputo geral, a percepção que o autor transmite do jovem monarca francês não deixa dúvidas relativamente ao seu perfil enquanto rei de uma potência emergente e chefe militar. As suas capacidades guerreiras e de estratega estão plenamente retratadas. Assim como o seu espírito belicista, as suas ambições em Itália e a sua resoluta vontade de disputar a hegemonia na Europa com a outra grande potência à época em ascensão, a rival Espanha. Por outro lado, porque estava à época a ser experimentado e aperfeiçoado em terras italianas sob a liderança de soberanos como Francisco I, as Memórias esclarecem em relação ao modelo a seguir em termos de prática guerreira.

  • 86 Vioux, 1936.

103O autor apresenta Francisco I como este realmente lhe parece ser: um rei entre dois mundos. Uma figura de transição e, por isso mesmo, um homem do seu tempo (tal como o destinatário do texto e ele próprio). Assim, se por um lado revela a glorificação do jovem soberano como rei-cavaleiro, um chefe que promove uma política belicosa, despreza a morte e carrega sobre os seus inimigos86. Por outro, deixa antever um monarca já atento a questões relacionadas com um tempo novo, como a centralização régia, a autonomia nacional relativamente a Roma e o domínio absoluto sobre as novas armas e as novas formas de fazer a guerra.

Haut de page

Bibliographie

Fontes

Calendar of Letters, Despatches, and State Papers, relating to the negotiations between England and Spain, preserved in the Archives at Simancas and elsewhere, ed. de Gustav A. Bergenroth, Londres, HMSO, 1862-1868, vol. 2.

«Cartas de crença e despachos para D. Miguel da Silva (1517-Maio 11?)», en Luís A. Rebelo da Silva (ed.), Corpo Diplomatico Portuguez, Lisboa, Academia das Ciências, 1862, t. I, pp. 432-433.

Grassi, Paride, Il Diario di Leone X di Paride De Grassi, Maestro delle ceremonie pontificie, Dal volumi manoscritti degli Archivi Vaticani della S. Sede, ed. de Mariano Armellini (ed.), Roma, s. n., 1884.

Guicciardini, Francesco, Storia d’Italia [1540], Milão, Garzanti Editore, 2006, 3 vols.

Maquiavel, Nicolau, Il Principe [1532], Lisboa, Círculo de Leitores – Temas e Debates, 2008.

«Tratado que hum criado do duque de braguança escreueo pera sua senhoria dalgumas notauees cousas que vio hindo pera Roma. E de suas grandezas E Jndulgencias, E grandes aconteçimentos que laa socçederam em espaço de sete años que hi esteue», Real Academia de la Historia, Colección de Don Luis de Salazar y Castro, N-76 / Varios Portugueses.

Bibliografia

Amado, Teresa (1997), «Os géneros e o trabalho textual», en Cristina Almeida Ribeiro e Margarida Madureira (coord.), O Género do Texto Medieval, Lisboa, Cosmos, pp. 9-28.

Aurell, Jaume (2006), «El Nuevo Medievalismo y la interpretación de los textos históricos», Hispania, 66 (224), pp. 809-832.

Bagge, Sverre (1997), «Medieval and renaissance historiography: Break or continuity?», The European Legacy, 2 (8), pp. 1336-1371.

Bedini, Silvio (1997), The Pope’s Elephant: Aspects of Portugal, Manchester – Lisboa, Carcanet – FCG – CNCDP.

Brasão, Eduardo (1973), Relações diplomáticas de Portugal com a Santa Sé, Lisboa, Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 3 vols.

Buescu, Ana Isabel (2016), A livraria renascentista de D. Teodósio I, duque de Bragança, Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal.

Cardim, Pedro (2004), A Diplomacia Portuguesa no Tempo de D. João III: entre o Império e a Reputação, Sep., Lisboa, CHAM – CEPCEP.

Castelot, André (1983), François Ier, Paris, Perrin.

Castro, Aníbal Pinto de (1991), «Uma Voz do Diálogo Luso-Italiano na Época de Quinhentos, a do “Fidalgo de Chaves”», Mare Liberum, 2, pp. 7-28.

Chambers, David (2006), Popes, Cardinals and War. The Military Church in Renaissance and Early Modern Europe, Londres, Tauris.

Corail, Amable Sablon du (2015), 1515 Marignan, Paris, Tallandier.

Cunha, Mafalda Soares da (2000), A Casa de Bragança, 1560-1640, Práticas Senhoriais e Redes Clientelares, Lisboa, Estampa.

Dimier, Louis (1930), Le château de Fontainebleau et la cour de François Ier, Paris, Calmann-Lévy.

Doucet, Roger (1926), Étude sur le gouvernement de François Ier dans ses Parlement de Paris, 1525-1527, Argel, Jules Carbonnel.

Fournel, Jean-Louis, Zancari, Jean-Claude (2003), Les Guerres d’Italie. Des batailles pour l’Europe (1494-1559), Paris, Gallimard.

Gattoni, Maurizio (2000), Leone X e la geo-politica dello stato pontifico (1513–1521), Cidade do Vaticano, Archivio Segreto Vaticano.

Guerdan, René (1976), François Ier : le roi de la Renaissance, Paris, Flammarion.

Hale, John R. (2000), A Civilização Europeia no Renascimento, Lisboa, Presença.

Hall, Bert (1997), Weapons and Warfare in Renaissance Europe. Gunpowder, Technology, and Tactics, Baltimore – Londres, John Hopkins University Press.

Hamon, Philippe (1994), L’argent du roi : les finances sous François Ier, Paris, Comité pour l’Histoire Économique et Financière de la France.

Jacquart, Jean (2003), François Ier, Paris, Fayard.

Jauss, Hans Robert (1985), Toward an Aesthetic of Reception, Minneapolis, University of Minnesota Press.

Knecht, Robert-Jean (1984), Francis I, Cambridge, Cambridge University Press.

Knecht, Robert-Jean (1985), French Renaissance monarchy: Francis I and Henry II, Londres, Longman.

Lapeyre, Henri (1969), Las monarquías europeas del siglo xvi: las relaciones internacionales, Barcelona, Labor.

Le Fur, Didier (2004), Marignan : 13-14 septembre 1515, Paris, Perrin.

Le Fur, Didier (2015), François Ier, Paris, Perrin.

Le Roux, Nicolas (2015), Le crépuscule de la chevalerie. Noblesse et guerre au siècle de la Renaissance, Seyssel, Champs-Vallon.

Lecoq, Anne-Marie (1987), François Ier imaginaire : symbolique et politique à l’aube de la Renaissance française, Paris, Macula.

Matos, Luís de (1956), A corte literária dos Duques de Bragança no Renascimento, Lisboa, Fundação da Casa de Bragança.

Miller, Douglas, Embleton, Gerry (1979), The Swiss at War 1300-1500, Londres, Osprey Publishing.

Potter, David (2008), Renaissance France at War. Armies, Culture and Society, c. 1480-1560, Woodbridge, Boydell.

Preto, Paolo (2010), I servizi segreti di Venezia. Spionaggio e controspionaggio ai tempi della Serenissima, Milão, Il Saggiatore.

Salmann, Jean-Michel (2003), Géopolitique du xvie siècle. 1498-1618, Paris, Seuil.

Shaw, Christine (2006), Italy and the European powers: the impact of war, 1500-1530, Boston, Brill.

Strathern, Paul (2003), The Medici: Godfathers of the Renaissance, s. l., Jonathan Cape.

Taylor, Frederick (1921), The art of war in Italy, 1494-1529, Cambridge, Cambridge University Press.

Tenenti, Alberto (1985), La formación del mundo moderno, Siglos xiv-xvii, Barcelona, Crítica.

Terrasse, Charles (1945), François Ier : le roi et le règne, Paris, Grasset, 3 vols.

Vioux, Marcelle (1936), François Ier, le roi-chevalier, Paris, Fasquelle.

Winspeare, Fabrizio (1957), La congiura dei Cardinali contro Leone X, Florença, Editore Olschki.

Haut de page

Notes

1 Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito da Norma Transitória – DL 57/2016/CP1453/CT0015. O autor escreve segundo as normas anteriores ao Acordo Ortográfico de 1990.

2 Integrado na Colección de Don Luis de Salazar y Castro da Academia de História de Madrid com a classificação N-76 / Varios Portugueses (Signatura 9/I.081, hojas 136 a 227vo), este documento ocupa os fólios 136ro-227vo de uma miscelânea portuguesa manuscrita. Trata-se provavelmente da cópia de um original perdido em língua portuguesa, de autor anónimo. Apesar de não incluir qualquer data, o manuscrito, constituído por 92 fólios redigidos ao que tudo indica por um único copista, apresenta uma caligrafia que o coloca cronologicamente na segunda metade do século xvi.

3 Quando combinadas com os dados que hoje dispomos, as pistas fornecidas pelo autor permitem concluir que a redacção do texto final não tenha acontecido antes de meados de Julho de 1521 e em momento posterior ao início de Dezembro do mesmo ano.

4 A partir daqui, a designação da obra surge sempre de forma abreviada: Memórias.

5 Salmann, 2003, pp. 47-79.

6 A materialização última desta disputa são as Guerras de Itália, que se desenrolam entre 1494 e 1559. Fournel, Zancari, 2003.

7 Salmann, 2003, pp. 7-46.

8 Tenenti, 1985, pp. 45-73.

9 Amado, 1997.

10 «Tratado que hum criado do duque de braguança escreueo […] em espaço de sete años que hi esteue», «Memórias…», fo 136ro.

11 «Memórias…», fos 136ro a 139vo.

12 Ibid.

13 Conhecido como o Papa guerreiro ou o Papa terrível.

14 Segundo filho de Lourenço, o Magnífico (n. 1449-1492) e mecenas da Roma renascentista, Leão X representa a figura do pontífice humanista. Strathern, 2003, pp. 13-47.

15 E dos quais traça um retrato não apenas físico e psicológico, mas também no que respeita à conduta espiritual e, sobretudo, secular enquanto líderes da Cristandade.

16 Bagge, 1997.

17 Jauss, 1985, pp. 3-45 («Literary history as a challenge to literary theory»).

18 Aurell, 2006.

19 Vejam-se as descrições das fortalezas de Milão (fos 151vo e 210vo) e de Bolonha (fos 143ro-143vo, 149vo-150ro). Enquanto factor de inovação, a arquitectura militar torna-se ela própria um instrumento da afirmação do Estado moderno.

20 Castro, 1991, p. 14.

21 Em fórmulas concretas como eu ho vi, eu falei com muitas pessoas, fui ver, o qual eu bem conheçi, a qual eu muitas vezes fui visitar.

22 «Memórias…», fo 138ro.

23 Ibid., fo 145vo.

24 Lapeyre, 1969.

25 Alfonso Petrucci foi um nobre italiano pertencente à família Petrucci da República de Siena. Eleito cardeal em 1511 foi condenado à morte em 1517, acusado de participar na conspiração para assassinar o papa Leão X.

26 Cunha, 2000, pp. 312-332.

27 Silva, 1862, pp. 432-433.

28 Matos, 1956, p. 20.

29 Datada de 4 de Julho de 1517.

30 Cunha, 2000, p. 13.

31 Buescu, 2016.

32 Luís de Matos demonstra o papel pioneiro e até vanguardista desempenhado pela corte de Vila Viçosa no panorama cultural do reino português nos alvores do século xvi. Matos, 1956.

33 Porque não beneficia da protecção e da imunidade que o cargo oficial garante.

34 Preto, 2010, pp. 41-86 e 185-234.

35 Cardim, 2004.

36 Brasão, 1973.

37 «Memórias…», fos 154vo a 156vo.

38 Ibid., fos 159vo a 160vo. Convocado pelo papa Júlio II e continuado por Leão X, o Concílio de Latrão V visava, entre outros objectivos, estabelecer a Reforma da Igreja.

39 Francisco I era filho de Carlos d’Orléans-Angoulême ou Carlos I de Valois (1467-1496), e Luísa de Sabóia (1515-1531). Guerdan, 1976, pp. 41-67.

40 «Memórias…», fo 201vo.

41 Guerdan, 1976, pp. 68-92; Knecht, 1984, pp. 33-50.

42 «Memórias…», fo 209ro.

43 No quadro do estabelecimento da Liga de Cambrai (1508), a República de Veneza enfrentou uma coligação militar entre Luís XII de França, o sacro imperador Maximiliano I, Fernando II de Aragão, os Estados Pontifícios pela mão de Júlio II e ainda a Inglaterra, a Hungria, Sabóia, Ferrara, Mântua e Florença.

44 Hale, 2000, pp. 101-115; Shaw, 2006, pp. 35-52.

45 Maquiavel, Il Principe, pp. 232-233.

46 «Memórias…», fos 146vo a 148ro; 156ro; 151ro e 151vo; 154vo; 210ro; 203vo e 204ro; 211ro e 211vo.

47 Sobrinho de Luís XII, Gaston de Foix recebeu o comando do exército real em Itália. Pelo valor da sua acção guerreira na península recebeu o cognome de Relâmpago da Itália. Perdeu a vida na batalha de Ravena, naquele que constitui um dos momentos emblemáticos da mudança na prática da guerra que acompanhou a viragem da Idade Média para a Idade Moderna. Taylor, 1921, pp. 180-204.

48 Lecoq, 1987, p. 229-231 e 426-427; Terrasse, 1945, vol. 1, pp. 81-97, 116-120.

49 «Memórias…», fo 209vo.

50 Ibid.

51 Castro, 1991.

52 Castelot, 1983, pp. 219-244.

53 Corail, 2015; Le Fur, 2004.

54 «Memórias…», fo 209vo.

55 Massimiliano Sforza, que havia sido colocado no trono ducal pelos suíços, em 1512, é deposto pelos franceses na sequência da derrota na batalha do Marignan e enviado para França onde ficará até à data da sua morte, em 1530. Jacquart, 2003, pp. 73-89.

56 «Memórias…», fo 210ro.

57 Ibid., fos 154vo a 155vo.

58 «Memórias…», fo 210ro.

59 Chambers, 2006.

60 «Memórias…», fo 210ro.

61 Ibid.

62 Ancona, 1989, pp. 348-371.

63 Fazendo com que, no ano seguinte, em Friburgo, concluíssem uma Paz Perpétua com a França. Le Fur, 2015, pp. 124-167; Miller, Embleton, 1979.

64 «Memórias…», fo 210ro.

65 Castelot, 1983, pp. 57-77; Le Roux, 2015.

66 Knecht, 1985, pp. 31-34; Potter, 2008, pp. 95-123 e 152-186.

67 «Memórias…», fo 210vo.

68 Hall, 1997, pp. 5-110.

69 Winspeare, 1957.

70 Gattoni, 2000.

71 «Memórias…», fo 211ro.

72 Grassi, Il Diario di Leone X, pp. 44-89; Guicciardini, Storia d’Italia, vol. 3, pp. 64-119.

73 Calendar of Letters…, 1862-1868, p. 240.

74 Carlos VIII (1483-1498) e Luís XII.

75 Guerdan, 1976, pp. 120-131; Knecht, 1984, pp. 66-82.

76 Hamon, 1994, pp. 48-51 e 52-58.

77 Gattoni, 2000, pp. 76-113.

78 «Memórias…», fo 211ro.

79 Doucet, 1926, pp. 117-156; Jacquart, 2003, pp. 91-110; Knecht, 1984, pp. 51-65.

80 Terrasse, 1945, vol. 1, pp. 98-112.

81 «Memórias…», fo 211vo.

82 Ibid.

83 Bedini, 1997, pp. 59-63 e 238-240. Esta embaixada é objecto de uma detalhada descrição pelo autor, que assistiu ao evento.

84 Guerdan, 1976, pp. 93-113. A embarcação naufragou nas imediações de Génova, pelo que Leão X apenas pôde ver o animal empalhado.

85 Dimier, 1930; Terrasse, 1945, vol. 2, pp. 140-229; ibid., vol. 3, pp. 67-76, 146-177, 204-207.

86 Vioux, 1936.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Paulo Esmeraldo Catarino Lopes, « Um olhar inédito sobre Francisco I numa fonte portuguesa dos alvores de Quinhentos »Mélanges de la Casa de Velázquez, 49-2 | 2019, 219-241.

Référence électronique

Paulo Esmeraldo Catarino Lopes, « Um olhar inédito sobre Francisco I numa fonte portuguesa dos alvores de Quinhentos »Mélanges de la Casa de Velázquez [En ligne], 49-2 | 2019, mis en ligne le 03 octobre 2019, consulté le 05 mars 2021. URL : http://journals.openedition.org/mcv/11369 ; DOI : https://doi.org/10.4000/mcv.11369

Haut de page

Auteur

Paulo Esmeraldo Catarino Lopes

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
La revue Mélanges de la Casa de Velázquez est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Pas de Modification 3.0 France.

Haut de page
  • Logo Casa de Velázquez
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search