Navigation – Plan du site

AccueilNuméros51-1MiscellanéesA sátira na poesia realista portu...

Miscellanées

A sátira na poesia realista portuguesa

La satire dans la poésie réaliste portugaise
La sátira en la poesía realista portuguesa
Satire in Portuguese realistic poetry
Carlos Nogueira
p. 225-244

Résumés

Avec les Odes Modernas (1865 ; 2e éd., révisée et augm., 1875) de Antero de Quental et la Visão dos Tempos (1864) et les Tempestades Sonoras (1864) de Teófilo Braga, la dite école réaliste portugaise est inaugurée. En d'autres termes, la troisième période du romantisme (de type social, dans le style de Hugo et Michelet), dont le concept de poésie a poursuivi l'entreprise de la première génération de romantiques portugais. Ce concept implique d'attribuer à la littérature une fonction éthique, instructive et progressiste supérieure, et un engagement social, idéologique, politique et philosophique. Dans cet article, je montre comment la poésie satirique, ou la poésie aux accents satiriques, de certains des plus importants poètes portugais du milieu du xixe siècle poursuit cet objectif de moralisation des coutumes. J'aborde des auteurs dont les œuvres, bien que bien ou assez connues, ont été peu étudiées en termes de satire, à savoir Antero de Quental, Guilherme de Azevedo, Bulhão Pato et João de Deus.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Trabalho financiado por fundos nacionais, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), (...)

1O protesto do primeiro Romantismo português (interrompido, em meados do século, por um estádio de exacerbação retórica e sentimental, de esteticismo extasiado que acolhe apenas o egotismo de um eu sem preocupações ideológicas) configura um legado que a poesia insubmissa e de arrebatamento generoso e juvenil de Antero de Quental (Ponta Delgada, 1842-1891) continua de modo produtivo1. Na obra poética deste autor, fundem-se ímpeto e iconoclastia com pungentes interrogações dialéticas e onto-metafísicas.

2As odes e os sonetos das Odes Modernas não se transformam apenas num dos mais proeminentes edifícios literários da propaganda republicana do último quartel de Oitocentos. Também dão origem a um novo fluxo poético, político e ideológico que eleva a um nível exponencial o que neste poeta doutrinário e revolucionário é essencialmente o produto da interação de duas ordens de fatores: uma profunda animosidade em relação a qualquer restrição à liberdade de pensar e criar autonomamente que se explica pelo que em Antero é celebração da justiça e do amor sociais, com muito de misticismo, naturalismo à Hegel e humanitarismo francês, sob um fundo convicto de religiosidade cristã; e um severo porte formal que o soneto e a ode impõem.

3Em vez do riso esmagador e populista, Antero adota o movimento de ampla solenidade declamatória da ode, dependente menos do lirismo íntimo do que da confrontação didática com um público; e também cultiva a precisão estrutural do soneto, forma em que revela a profundidade da sua inspiração profética. É neste género poético supostamente desgastado pelo magistério neoclássico que o poeta mais se destaca. Antero de Quental serve-se da economia verbal para depurar uma expressão protestativa cuja secura é diretamente proporcional a um pensamento racional e escrupuloso, organizado dentro de uma ética visionária e devastadora de tonalidade escandalosa. Inflamado e altissonante, o verso de Antero destila, com equilíbrio, ora um sarcasmo romanticamente belicoso, ora uma indignação com marcas de ironia satânica, e constitui-se em modelo de uma nova escola de poesia cujos principais obreiros são Guerra Junqueiro e Gomes Leal.

  • 2 Quental, Sonetos, 1979, pp. 45-72.

4No ciclo «Do apostolado social», de acordo com a classificação temática de António Sérgio2, Antero postula um socialismo que não se esgota na fundamentação e no elogio de uma utopia de igualdade social. É justamente aqui que ele mais se diferencia da generalidade dos seus companheiros de sacerdócio cultural. Já bem conhecido pelo menos desde António Salgado Júnior, José Bruno Carreiro e António Sérgio, o socialismo de Antero é visão aberta do mundo. O seu entusiasmo pelas correntes de espírito da época vai muito além da actividade militante despojada de referências metafísicas e implicações com o curso supra-histórico da humanidade.

5O modo como a sátira se consuma nas Odes Modernas encontra-se menos estudado e compreendido, apesar de constituir, só por si, um acontecimento sem precedentes na história da literatura e da cultura portuguesas. Uma das maiores novidades da obra está na especial conjugação entre o que nela é a intenção satírica, por um lado, e a tonalidade e os recursos de que esta se serve, por outro. O cosmos e o homem surgem equacionados dentro da problematização das grandes questões universais, entificadas com inicial maiúscula, como o Ser, a Alma, o Espírito, o Amor, a Lei, a Ideia, a Razão, a Verdade, o Progresso, a Igualdade, a Luz ou o Caos. Estas entidades permitem estabelecer um confronto entusiasmado, porém pleno de gravidade e seriedade, com as construções humanas que urge fazer ruir: os impérios, os tronos, as religiões, as rotinas. À solenidade da forma sobrevém ainda a grandiosidade (e a generosidade) do discurso, no qual ocorre às vezes um metaforismo aguerrido que não impede a eufonia e a urbanidade de tom.

6O que decorre desse ajustamento recíproco de diferentes planos da matéria verbal é antes uma poética de mosaico que oscila entre a dedicação reflexiva e a imaginação especulativa, o pensamento racional e o impulso emocional, a contenção e a exaltação. A realização poética de um eu solidário com os desprotegidos e erguido contra os opressores não se dá nunca através de um riso franqueado e sonoro: concretiza-se em incisivas formulações de sarcasmo que se disseminam por toda a obra.

7Esses abalos sarcásticos precipitam-se sobre o alvo numa expressão simbólica panteísta, como em «Carmen legis»:

  • 3 Id., Odes Modernas, 1994, pp. 122 e 124.

I. Muito ruído e pó, e muito escuro!/ É disso que se vestem…/ É desse ar que respiram e que vivem…/ Salamandras da sombra!// Chamam-se Bispos, Reis, Imperadores,/ Altos, Grandes e Ricos!/ Pairam sobre uma nuvem sobranceira,/ E sobre as nossas frontes!// […]
II. Pois bem! Grandes, Altivos, Poderosos,/ E cometas da altura,/ E Senhores da terra e Semideuses…/ Vós sois o pó e o nada!// Atroadores! O ruído imenso,/ Com que abalais o mundo,/ É apenas fracasso e pó e estrépito/ De casa que se alui3.

  • 4 Ibid., p. 143.
  • 5 Ibid., p. 144.

8O sarcasmo pode também incidir sobre o referente numa mordacidade mediada por uma ironia melodiosa e grandiloquente, como na abertura da ode «Pobres», em que a acusação alastra, consistente e sublime, da sucessão de cinco interrogações retóricas: «Eu quisera saber, ricos, se quando/ Sobre esses montes de ouro estais subidos,/ Vedes mais perto o céu, ou mais um astro/ Vos aparece, ou a fronte se vos banha/ Com a luz do luar em mor dilúvio?/ Se vos percebe o ouvido as harmonias/ Vagas do espaço, à noite, mais distintas?4». Mais raramente, esse sarcasmo converge num apontamento repentino e impetuoso que ridiculariza através de um humor algo desenfreado (mas, mesmo assim, contido), como acontece no derradeiro verso da primeira composição do mesmo poema: «Certo que deve ser o vosso monte/ Algum poço bem fundo… ou vossos olhos/ Têm então bem estranha catarata5».

  • 6 Ibid., p. 51.

9Antero de Quental não é, como se vê, um panfletário no sentido mais comum. As Odes Modernas inscrevem-se na literatura de ideias e de combate. O livro é atravessado, em toda a sua extensão, por um discurso ideológico de ação que quer ser ouvido pelas instituições e pela história. Todavia, o edifício social não é escalpelizado pela mera diabolização dos acusados através do riso desbragado, como há pouco dizia. A crença na reconversão do mundo pela nova ideia é veiculada por, no essencial, dois tipos de opções estilísticas que nada têm a ver, numa primeira impressão, com posicionamento satírico: a introdução de momentos elegíacos que completam um curto e intenso extravasamento satírico, ao mesmo tempo que valem como pilares argumentativos ao serviço de uma expressão elegante e canora, como na segunda composição da ode anticlerical, mas de profunda adesão crística, «Pater», dedicada a Guerra Junqueiro («Padre?! Padre… é o Pai – só – que nos cobre,/ E a todos com a mão afaga e amima,/ E em meio do caminho nos anima,/ E vai connosco – o que está sob e sobre6»); e a existência de versos, segmentos de verso, estrofes, mesmo um poema integral, no caso de «Luz do sol, luz da razão», de cuja constituição positiva irradiam ecos que acrescentam aos poemas mais panfletários uma delicadeza que revela o temperamento do autor.

10A ode «Vida» é porventura o poema em que, no que particularmente me interessa, melhor podemos perscrutar o que a poesia e a sátira de Antero de Quental têm de mais perene: um voluntarismo, provido de referências empíricas e transcendentais, um idealismo ético e místico que, em última instância, destrói para recuperar, acusa para envolver numa ecuménica comunhão fraterna. Endereçado «A uns políticos», este poema revela bem o dilaceramento íntimo de quem, cativo da estultícia daqueles que governam, e espiritual e organicamente voltado para o questionamento das potências metafísica e material do todo universal e infinito, expõe com rigor essa problemática ontológica (nas diversas aceções do termo): fá-lo através da observação panteísta, que conduz à deificação da natureza e do cosmos, e dos matizes panpsiquistas com que esse «panteísmo vitalista», na expressão célebre de António Sérgio, é acreditado.

  • 7 Ibid., p. 61.
  • 8 Ibid., p. 62.
  • 9 Ibid., p. 63.
  • 10 Ibid., p. 67.

11A argumentação convocada para o texto começa por condenar e excluir («Por que é que combateis? Dir-se-á, ao ver-vos,/ Que o Universo acaba aonde chegam/ Os muros da cidade, e nem há vida/ Além da órbita onde as vossas giram,/ E além do Fórum já não há mais mundo!// Tal é o vosso ardor! Tão cegos tendes/ Os olhos de mirar a própria sombra,/ Que dir-se-á, vendo a força, as energias/ Da vossa vida toda, acumuladas// Sobre um só ponto, e a ânsia, o ardente vórtice,/ Com que girais em torno de vós mesmos,/ Que limitais a terra à vossa sombra…/ Ou que a sombra vos toma a terra toda!7»); passa entretanto pela demonstração da pluralidade do naturalismo biológico e físico, pela celebração da vida e das suas infinitas multiplicações e metamorfoses («De que vale disputar o espaço estreito,/ Que cobre a sombra da árvore da pátria,/ Quando são vossos os cinco continentes?/ De que vale apinhar-se junto à fonte/ Que – fininha – brotou por entre as urzes,/ Quando há sete mil ondas para cada homem?/ […]/ De que vale concentrar-se a vida toda/ Numa paixão apenas, quando o peito/ É tão rico, que basta dar-lhe um toque/ Por que brotem, aos mil os sentimentos?8»); passa ainda pela exortação dos destinatários à regeneração pelo amor e pelo espírito universais, à adesão sem condicionantes à vida que é «um abismo! Mas fecundo!» («Não disputeis, curvado o corpo todo,/ As migalhas da mesa do banquete:/ Erguei-vos! e tomai lugar à mesa…// Que há lugar no banquete para todos:/ Que a vida não é átomo tenuíssimo,/ Que um feliz apanhou, no ar, voando,/ E guardou para si, e os outros, pobres,/ Deserdados, invejam – é o ar todo,/ Que respiramos; e esse, inda mais livre,/ Que nos respira a alma – a terra firme,/ Onde pomos os pés, e o céu profundo/ Aonde o olhar erguemos – é o imenso,/ Que se infiltra do átomo ao colosso9»); e, repetindo esse processo de acusação-inclusão, ou invertendo-o, encerra com o diagnóstico crítico em função do qual, desde o primeiro verso, se desenrola a tensão no interior do discurso («… Alexandres inglórios! toda a terra/ Acabou, onde a vista vos alcança!/ Correis… correis… correis… atrás de um átomo…/ E ides deixando, ao lado, os universos!/ Mas vós não vedes nada disto! nada!/ E quereis aos homens ensinar a vida?!10»).

12Dessa crise, desse pensamento que progride em direção ao futuro (inacessível, lugar do autêntico martírio de Antero), apesar de todas as dúvidas e dos paradoxos dos próprios conteúdos que o poeta se propunha descobrir, são índices expressivos os vocativos e as exclamações, as formas verbais no imperativo, a vacilação e o prolongamento reticentes.

13Para além de Antero de Quental, outros autores agitam a vida política e social do país com a sua poesia satírica, social e panfletária. Irmanam-se nesse princípio de inspiração que é a relação estreita entre a literatura e a vida; e empenham-se, em graus diversos de consciência e comprometimento, na superação do que em muita crítica moralizante da corrupção, do oportunismo político e dos malefícios do dinheiro era sobretudo estímulo para a projeção do individualismo romântico.

14No seu conjunto, essa produção, que revela visceralmente o português a si próprio, surpreende pela circularidade que cada novo livro confirma e reforça com algum elemento original. É da devoração de um mundo em metamorfose que se trata nas páginas incendidas de uma milícia de poetas em trânsito agónico para um universo renovado. Poetas que desferem imprecações cívicas, combatem o ultramontanismo, a monarquia, o argentarismo e o militarismo, celebram o Progresso, a Justiça, a Liberdade, a Razão, a Verdade, numa pluralidade satírica que se distende da mais inofensiva à mais virulenta nota sarcástica, da mais benigna ironia (e autoironia) à mais impetuosa verrina pessoal apoiada numa violenta construção de burlesco e de grotesco. Esse mundo social, político, ideológico, cultural, literário robustece-se com cada verso, cada poema, cada obra, reinventa-se com a criação de novas linguagens dentro do poema, entendido como espaço por excelência da sensibilidade viva das coisas e espaço fechado a uma fraseologia morta e sem espírito.

15Na complexa encruzilhada poética do tempo, Guilherme de Azevedo (Santarém, 1839 – Paris, 1882) é um afluente discipular dos mais tributários da matriz anteriana do apostolado social. Isto obviamente sem esquecer o que neste período é um código intrincado de confluências como a do evolucionismo histórico-natural, a do satanismo ou a do humorismo heiniano. Indiscutivelmente sem a grandeza literária de outros nomes seus contemporâneos, a sua voz não é tão desqualificada literariamente como declararam alguns críticos da época.

16A obra poética deste autor evolui, do livro Aparições (1867) para Radiações da Noite (1871), de um lirismo sentimental de escola para uma produção de caráter já mais combativo, de intencionalidade social e moral (embora ainda atravessada por matizes da poética romântica). Essa rotação será confirmada, em 1874, com o seu terceiro e último texto poético.

  • 11 , 1986, pp. 31-52.

17A Alma Nova (1874) não recusa o estatuto de coletânea intertextualmente inseminada pelas Odes Modernas: a dedicatória, o tom algo impetuoso dos poemas sociais revolucionários e as observações finais comprovam-no. O próprio Antero de Quental, num artigo sobre as Radiações da Noite, assinala a superação das limitações poéticas e programáticas do primeiro livro de Guilherme de Azevedo11; e assim favorece a maturação de uma nova fase no curto trajeto literário de um autor que haveria de se revelar magistral no discurso híbrido (jornalístico e literário) da crónica satírica. A menor novidade destes poemas não pode implicar o esquecimento da obra. A Alma Nova ressente-se de certas repetições de isotopias, palavras-chave, adjetivações, simbolizações e alegorizações formulísticas, giros frásicos e rimáticos (com a insistência, que me parece ser exagerada em certos poemas, na rima pobre, de que resulta um sabor a declamação monocórdica); mas o seu valor está justificado pelo que nela é vontade de correção de um caminho estético e ideológico de responsabilização ético-social e insurreição política.

18Há que considerar a profunda incidência cultural de A Alma Nova, patente na extensa polémica entre aqueles que a aplaudem e aqueles que a condenam; e há que reconhecer o seu papel muito significativo para a consolidação da poesia desse tempo: poesia desassombrada, filosófica, realista, socialista, positivista, revolucionária. Com este título, abre-se definitivamente o limiar do canto panfletário e satírico de Guerra Junqueiro e Gomes Leal. Essa abertura, no que concerne especificamente à sátira, impõe-se, de modo original, numa pragmática e numa imaginação poéticas que fazem de A Alma Nova um livro único, para lá dos dividendos recebidos de um Victor Hugo, um Antero de Quental ou um Baudelaire.

  • 12 Por exemplo: «Enfarda a tua glória e leva-a que é vergonha/ que vejam amanhã,/ que até lhe depenou (...)

19Na dissecação a que Guilherme de Azevedo submete a sociedade burguesa, o apontamento satírico, muito ténue e pontual, penetra num texto poético que se caracteriza mais por uma combatividade paradoxalmente esvaída em tristeza pesarosa e plangente do que por um panfletarismo troante, irónico e sarcástico. Os textos em que esse diagnóstico (genérico) é dado num tom menos angustiado são talvez o poema de circunstância «A um certo homem12» e o soneto da série «O velho mundo»:

  • 13 Ibid., p. 91.

Eis a velha cidade! a cortesã devassa,/ a velha imperatriz da inércia e da cobiça,/ que da torpeza acorda e à pressa corre à missa!/ Baixando o olhar incerto em frente de quem passa!// Ela estreita no seio a velha populaça,/ nas vis dissoluções da lama e da preguiça,/ e nunca o santo impulso, o grito da Justiça,/ lhe fez estremecer a fibra inerte e lassa!// E pode receber o beijo e a bofetada/ sem que sinta o rubor da cólera sagrada/ acender-lhe na face as duas rosas belas!// Somente dum sorriso alvar e desonesto,/ às vezes, acompanha o provocante gesto/ quando soa a guitarra, à noite, nas vielas13!

20Numa alegoria assim instituída, o satírico coincide com o trágico: é a condição humana que aí se reflete, no que ela tem de mais congenitamente doentio e, talvez, infame, num cruzamento de circunstâncias que torna difícil uma efetiva reconstrução do real.

21A cartografia dos textos de A Alma Nova é antecipada no poema que abre o livro, a par das reflexões metapoéticas que equacionam os sentidos e a intencionalidade de uma poesia implicada com novos princípios e valores; uma poesia que pretende dar a ver, com um olhar pedagógico instruído de ideais de justiça, fraternidade e igualdade, o apodrecimento e a depravação do moderno ambiente urbano.

  • 14 Ibid., p. 41.

22Na sua definição de poesia, Guilherme de Azevedo acentua deste modo o que se deve esperar da atitude e do registo que, sem ser exclusivamente satírico, também contempla essa tática estética e instrumental. Aliás, a dimensão satírica é descrita figurativamente como um objeto que castiga fisicamente e, por isso mesmo, salva: «Num sorriso cruel, pungente d’ironia,/ também sabes vibrar, serena, altiva e fria,/ o látego febril das grandes punições;/ e vendo-te sorrir, a geração doente, sentir cuida, talvez, a nota decadente,/ das mórbidas canções!14». Esta conceção poética é muito determinada por um ideário de tipo histórico e mítico algo desencantado, mas a que se reconhece capacidade de atuação nos campos antropológico e histórico-social.

  • 15 Ibid., p. 39.

23Poesia, por conseguinte, personificada; poesia que possui as características ideais, de tipo moral e comportamental, para presidir à revolução social, positiva e científica; poesia que sabe ser impiedosa e usar o «látego», se necessário. O poema pode assim ser um ato castigador radical; mas é assistido por um autocontrolo que vem da predisposição psicológica e das conceções humanistas e técnico-literárias do autor. As metáforas irónicas e os semantemas disfóricos indicam o agastamento, enunciado numa frieza magoada, do sujeito de enunciação: «Retine a cançoneta alegre das bacantes,/ saudadas nos wagons, nos cais, nos restaurantes,/ visões d’olhar travesso e provocantes pés,/ e julgam já escutar a voz do paraíso,/ amando o que há de falso e torpe no sorriso/ das musas dos cafés!15».

  • 16 Ibid.

24Cesário Verde existe em potência nesta emancipação consciencial e social suscitada pelo pormenor pictórico e parnasiano, nesta metaforização irónico-satírica que, em Guilherme de Azevedo, se processa ainda mais no sentido direto da denúncia sarcástica e moralizadora do que no da percepção e reflexão [que visam a recriação da realidade e a intuição de significados (in)distintos]: «Oh, tu não és, decerto, a virgem quebradiça/ estiolada e gentil, que vem depois da missa/ mostrar pela cidade o seu fino desdém,/ nem a fada que sente um vaporoso tédio/ enquanto vai sonhando um noivo rico e nédio/ que a possa pagar bem!16».

  • 17 Ibid., p. 98.

25No poema inaugural, como se vê, expõe-se energicamente, em qualidade literária e intensidade imaginosa, emotiva, intelectualizada e pragmática, aquela que constitui a tópica central de A Alma Nova: a da cidade, espraiada em modernos e sofisticados cenários (restaurantes, cafés, salões requintados, vagões de comboios, ruas de macadame ou alcatrão…), reino da mulher venal, de beleza contaminada pela desumanidade do corpo social, que provoca uma mistura de espanto fantasmagórica e exacerbadamente erótico e de escárnio cru («Agora sois gentis, dispépticas, vistosas;/ pagais por alto preço as esquisitas rosas;/ nos rápidos wagons correis o mundo em roda;// mas prostradas do baile, amarrotando a luva,/ enquanto cai na rua a sonolenta chuva,/ cismais no Deus-Milhão – no Criador da moda!17»); espaço, igualmente, da imensa e polimorfa multidão, modulada através de um descritivismo que ora se apoia numa visão mais ou menos direta ora emprega um distanciamento de tipo metafórico ou simbólico.

  • 18 Ibid., p. 44.

26A captação desse mundo da cidade, oposto ao hedonismo do poeta em relação aos motivos campesinos, desdobra-se em várias formulações. O poeta acusa uma compreensão desiludida dessa sombria ou gentil multidão, dessa turba festiva e folgazã, que não é mais do que um extenso desfile de vítimas, povo sinistro, faminto, sofredor, desossado, de rosto cadavérico, populaça mendicante e velha: «A tua imagem tens ó povo legendário/ no cómico festim que mal podes pagar,/ pois tu ainda és no mundo o velho dromedário/ que a vara do histrião nas praças faz dançar18». Mas há também uma impaciência revoltada perante a canalha, o bando abjeto, seus vícios, seu automatismo, sua desistência:

  • 19 Ibid., pp. 106-107.

Do velho idílio, a musa, há muito já que dorme,/ e o arroio em vão suspira e chora a nossos pés! A grande multidão – a vaga, a onda enorme,/ que oscila sem cessar, e gira multiforme/ às corridas, ao circo, ao tempo e aos cafés,// talvez ao pressentir que tudo, enfim, declina,/ adore a imensa luz, em vós, constelações,/ que não baixais do céu; que vindes duma esquina,/ vagando no rumor da aérea musselina,/ em plena bacanal fingindo de visões19?

27Num polo oposto ao da representação negativa do ambiente urbano, a divinização da Natureza, presidida por um Deus primordial e inviolado, é acompanhada de anticlericalismo (e antimonarquismo), sem que tal implique um correspondente anticatolicismo:

  • 20 Ibid., p. 100.

No solene silêncio imersa ia minha alma/ em tranquila mudez; naquela doce calma/ que sente germinar os frescos vegetais. / De súbito uma voz deixou-me um pouco extático:/ detive-me um momento; olhei: – era o viático!/ De noite a horas tais,// que andava Deus fazendo, assim, pela campina,/ trazido pela mão dum padre sem batina/ roubado às sensações dum longo ressonar?/ Fui seguindo o cortejo até que numa choça/ o Rei dos reis entrava: o padre, com voz grossa,/ movia-se a rezar20.

28Um poema como «Nos campos», a que pertence aquela passagem, não se limita a ser um cântico à terra nem uma simples imagem idílica contrastada com a realidade da cidade: há nele uma consciente vivência do social, um empenhamento ideológico e moral que luta pela revolução através da ideia e da utopia; uma vontade convicta e arrojada tanto de exaltação dos ideais de justiça, liberdade e democracia como de agitação dinâmica da opinião pública.

29A estratégia satírica de Guilherme de Azevedo parece, portanto, procurar uma economia que produza uma sátira predominantemente impassível mas muito conclusiva; uma sátira que é uma forma de vigília e vigilância com valor demonstrativo e intencional, uma tática de dizer a indecidibilidade radicada nas contradições económicas e de poder social. Daí o caráter esporádico, a serenidade e a severidade dos momentos inequivocamente satíricos, bem como a compreensão de certo modo fina e conciliadora que, a partir deles, se estende sobre as coisas más ou imperfeitas.

30Na história da sociedade portuguesa da segunda metade do século xix posterior à revelação da Geração de 70, independentemente da data em que localizarmos a sua primeira manifestação (em 1865, no momento da deflagração da «Questão Coimbrã», com o primeiro texto que opõe Antero a Castilho, Bom Senso e Bom gosto, ou em 1871, com as Conferências Democráticas do Casino Lisbonense), a poesia social, panfletária e satírica progride convictamente, por conseguinte, para um arrebatamento ainda mais expansivo do que no período anterior, tanto nas formas do conteúdo como na intenção e nas formas da expressão; e também evolui em níveis quantitativos, promovendo com sucesso os desígnios críticos e reformistas do Realismo, antes e depois de estabelecido como conceito estético-periodológico.

31O elo mais comunicante entre as várias gerações românticas e a nova conceção de literatura é mesmo a sátira, nas suas diversas manifestações tipológicas e, notadamente, na lírica. A sátira pode constituir-se, aliás, em nexo de transição, numa determinada personalidade literária, de uma noção de poesia essencialmente tecnicista e ornamental para um conceito militante da arte literária; ainda que para isso se deva, por um lado, sacrificar a poética formalista que até aí imperara e, por outro, superar um aspeto sociológico de que não podemos esquecer-nos: o cunho de literatura oficial que, sob a Regeneração, se impõe sobre toda uma produção muito subordinada ao enquadramento político de cada escritor. Daqui decorre, muitas vezes, o enfraquecimento do impulso crítico daqueles que apoiam o regime.

32Tal mudança verifica-se, de modo muito expressivo, em Bulhão Pato (Bilbau, Espanha, 1829 – Monte da Caparica, 1912). Inicialmente poeta do Ultrarromantismo, porventura o mais característico seguidor do lirismo de Lamartine e de Byron, ele anuncia, no início da década de 70, a poesia que mostra a verdade abjeta, a face pútrida dos homens e das coisas. Bulhão Pato contribui, assim, com a publicação de Cantos e Sátiras (1873), a exemplo das Odes Modernas de Antero de Quental, editadas oito anos antes, para tornar cada vez mais datada a conceção, típica do Romantismo, do disforme, cuja transposição artística não podia ultrapassar certos limites de moderação e singeleza.

  • 21 Transcrevo, a título de exemplo, as duas primeiras estrofes de «A velhice do século»: «O século en (...)

33O mérito das suas sátiras vem igualmente do paradigma anteriano: desafetação, síntese e ímpeto. A naturalidade dos seus versos não se fica a dever simplesmente ao que neles é extravasamento de indignação, que coexiste mesmo com a sublimidade da ideia. Numa poesia que é crítica no plano dos sentimentos, não se cai no radicalismo superficial; os carateres da poesia considerada útil e autêntica —realidade e idealismo21— são experimentados até ao limite.

  • 22 «Quando o whist em um canto da salinha/ Delicia os papás, e noutro canto/ Dois noivos, conversando (...)
  • 23 Nemésio, 2000, p. 205.
  • 24 Ibid.

34Essa inclinação realista, já de certo modo anunciada nas partes finais de Paquita22, é corroborada, em 1888, com um novo livro, Hoje: Sátiras, Canções e Idílios, que aprofunda consideravelmente o caráter interventivo e revolucionário defendido por Antero de Quental para a poesia na sociedade contemporânea. Bulhão Pato terá sido, nas palavras um tanto exageradas de Vitorino Nemésio, «a melhor testemunha23» do Portugal constitucional e romântico24.

  • 25 Pato, A dança judenga: sátira, 1901, p. 32.

35Em 1901, em A Dança Judenga: Sátira, o autor fornece-nos uma espécie de breviário dos principais caminhos da sua obra satírica, tanto em termos temáticos como formais. Todo o livro se apoia estruturalmente na fluidez discursiva das quintilhas heptassilábicas em rima cruzada, com onze secções distribuídas por trinta e seis páginas (em formato de bolso, de, sensivelmente, 12 cm de largura por 16 cm de comprimento). Estas secções são instantâneos da anatomia de uma sociedade cuja constituição grotesca e rasa de valores humanísticos é sugerida pelo título e logo confirmada pela epígrafe autoral, em destaque na capa. A fecunda ambiguidade da ironia antiépica dessa quintilha, que não vale menos como epílogo, promove dinamicamente a leitura: «São coisas muitas não vistas,/ E mui desvairadas gentes,/ Como dizem os cronistas,/ Fazendo as mais excelentes/ Obras de finos artistas!25…». O tom é de pastiche classicizante, com o que desde o início se marca a distância entre o ilustre passado português, imortalizado nas crónicas e na epopeia camoniana, e o presente de degenerescência.

36Com uma reconhecida sensibilidade e um apurado sentido de convivialidade, com o discernimento de quem vê o país de e por dentro, Bulhão Pato zurze com conhecimento de causa o simulado descontentamento de indivíduos hipócritas e impertinentes, os presunçosos e os impostores da integridade, das letras e das ciências. O talento de caricaturista de Bulhão Pato concretiza-se, não raras vezes, em andamentos estróficos cuja agilidade discursiva permite veicular não só a perceção e compreensão de tiques sociais como a visualização, colorida e viva, dos referentes.

37O que cria o corte exato das composições de A Dança Judenga, corte que se mantém intacto na maioria das sátiras do volume Faíscas de Fogo Morto (1908), é a consubstanciação entre o efeito estilístico e a agudeza sempre abrupta e cativante. A linguagem é coloquial, sem circunlocuções nem eufemismos, com recurso a uma gramática familiar que equivale, por assim dizer, a uma prosa ajustada a versos bem ritmados: uma gramática desadornada, concreta e equilibrada, sem a violência da obscenidade e do insulto malicioso e extremado. Um indivíduo de «ar triunfador» pretensamente literato, por exemplo, é descrito neste quadro de graça satírica:

  • 26 Ibid.

Põe sempre a boca d’esguelha,/ E o monóculo avincado/ Sob o arco da sobrancelha./ Ninguém lhe dirá, coitado,/ Se a cara é de velho ou velha.// Mas diz-lhe a estulta vaidade,/ Que não torna a Portugal –/ Nem talvez à humanidade –/ Outro escritor genial/ Da sua capacidade!// Não podendo arquitectar/ Um livro, em qualquer formato,/ Entrou a parafusar,/ E disse consigo: – Tacto!…/ Em crítico é que eu vou dar26!

  • 27 Ibid., pp. 10-11. Sublinhados no original.

38E do burguês e sua mulher regista-se a vulgaridade repugnante que se mescla com o pretensiosismo das preocupações de ascensão social: «Mas tudo isto não é nada,/ A par do burguês felpudo,/ Mãos sujas, cara estanhada,/ Comendo todos e tudo,/ E rindo da patuscada!// A viscondessa, a mulher,/ Que ele apelida a Madama,/ Já se pinta para ser,/ Não Madama, porém Dama/ Do Paço, se Deus quiser!27».

  • 28 Pato, Livro do monte: geórgicas, líricas, 1896, pp. 155-167.

39Mesmo numa obra em que o título e o subtítulo —Livro do Monte: Geórgicas, Líricas— parecem indicar apenas um lirismo ditirâmbico, plangente e amoroso, o elemento satírico também é essencial, sobretudo nos poemas «O prodígio», «O pedante», «Genial», «O sábio» e «Caim!28». Bulhão Pato centra a sua atenção em tipos e classes cujas peculiaridades são demarcadas a golpes ora de ridicularização direta ora de ironia sarcástica e jocosamente trocista. Esses traços são mais ou menos sincrónica e diacronicamente invariáveis, o que faz da leitura de textos como este «O sábio» ainda hoje um momento de prazer e conhecimento:

  • 29 Ibid., p. 163.

Um cotó-piroleta, e grande vozeirão,/ De borla e de capelo!… Honrado charlatão,/ Na vaidade pueril, julga co’as panaceias/ Ressuscitar um morto!…/ E não tem quatro ideias,/ Apanhadas a dente, ou seja em prosa, ou verso,/ Que atire, co’a filáucia, à cara do Universo!// É soberbo no tom do enfunamento audaz,/ No desdém do mirar, nas boquinhas que faz,/ No que todo se lambe, antegostando o efeito/ Da frase boleada, e do fino conceito29!!

  • 30 Pato, Hoje: sátiras, canções e idílios, 1888, pp. 7-10.
  • 31 Suficientemente ilustrativa dessa tendência, que oscila entre o deslumbramento da palavra incendia (...)

40Mas o poeta, que reage à afronta e humilhação do Ultimatum inglês com um panfleto em verso, O Pavilhão Vermelho, não é imune aos apelos da sátira de foro ainda mais circunstancial. Isto é: sátira pessoal, subjetivista e, logo, menos diretamente comprometida com aspetos político-ideológicos e económico-sociais. Ao sentir-se caricaturado por Eça de Queirós, em Os Maias, na personagem Tomás de Alencar, Bulhão Pato dispensa por momentos a sua autoridade moral, a sua compostura de homem consabidamente bom e gentil. Para contestar com firmeza o romancista, publica, em 1888, «O grande Maia30», a que se segue, um ano depois, Lázaro Cônsul. Mesmo nestes casos, contudo, embora preocupado em validar a persuasão do discurso menos através de um logos racionalmente construído do que por intermédio de um ethos mais controlado pela paixão31, sente-se a fidelidade aos princípios por que sempre se orientou. Bulhão Pato é, afinal, um poeta que não renega a celebração austera da beleza doutrinal e intelectual e quer acreditar na espiritualidade humana, modalizando por isso pela disposição pedagógica todo o seu pensamento.

  • 32 Ibid., p. 12.
  • 33 Nogueira, 2012, p. 172.
  • 34 Ibid., pp. 172-173.

41A confissão, em jeito de argumento, que é feita sensivelmente a meio do Lázaro Cônsul confirma essa escala de intenções. Nesta e nas demais obras satíricas, a reação a estímulos não pode submeter-se ao arbitrário dos impulsos emocionais mais momentâneos. Deve antes reger-se por critérios éticos que confirmem a justeza da operação castigadora e corretiva: «Eu satirizo, sim; mas é quando me ofendem:/ E só em casos tais as sátiras se entendem./ A sátira inspirou-a a perversão dos vis,/ Como inspiram o idílio as graças feminis!32». Esta é uma confissão programática de ação que consubstancia, ao mesmo tempo, uma interessante teoria da sátira. Digna de nota quanto à mundividência em que se enquadra e quanto à expressão, esta teorização inscreve-se «na única constante reconhecida como legítima na sátira de todos os tempos e lugares33». Refiro-me à finalidade moralizadora, à correção de vícios e defeitos de pessoas e instituições. Esta teoria geral atribui à sátira uma dimensão sócio-histórica de responsabilidade e dinâmica humanistas para a impedir de se abrir ao puro arbítrio individual, à pessoalização impiedosa e imoral. Na prática, como sabemos, esta regra é muitas vezes subvertida. De facto, em Portugal e não só, nenhuma teorização propriamente dita preceitua o uso de uma linguagem satírica crua e obscena: «Mas uma coisa é a poética da moderação e outra é o poema satírico, que muitas vezes se desenvolve numa linguagem arrebatada e corporal que parece perseguir mais a destruição do outro do que uma função social corretiva34».

  • 35 Pato, Hoje: Sátiras, Canções e Idílios, 1888, p. 3.

42Na obra publicada no ano anterior, Bulhão Pato contribuíra já para a teorização da sátira em Portugal. Embora não se possa falar da absoluta originalidade dos conteúdos, porque se está na tradição de um Garrett, um Camilo ou um Ramalho Ortigão, há a destacar a novidade da estratégia discursiva e retórica, para mais num poema que é o horizonte de entrada no livro: a sátira e a elegia, géneros ou formas tradicional e aparentemente incompatíveis, conjugam-se: «Nas sátiras há fel, ódios felinos?/ Nas minhas não. Há dor: são elegias./ Chora a sorte cruel dos pequeninos,/ Quem flagela os mandões dos nossos dias35». A máscara da sátira, em Bulhão Pato, cobre, pois, com algum pudor o sofrimento e as lágrimas; ou esconde-os num reservado enigma que só estas teorizações ajudam a decifrar parcialmente.

  • 36 Recordando a argumentação de Costa Pimpão num livro, Gente Grada, de 1952, David Mourão-Ferreira, (...)

43Já João de Deus (São Bartolomeu de Messines, 1830 – Lisboa, 1896) tem sido sobretudo valorizado como poeta de um lirismo puro, cristalino. Louva-se-lhe a expressividade prosódica, a imagética, o metaforismo e o léxico que radicam, antes de mais, numa desafetação geralmente conotada com simplicidade e espontaneidade, tonalidades, contudo, como bem notaram Costa Pimpão e, com ele, David Mourão-Ferreira36, porventura muito mais aparentes do que reais.

44A novidade do autor da Cartilha Maternal reside no afastamento de qualquer declamação presunçosa e na adesão a uma poética popular, oral ou de inspiração popular e tradicional. Daí podermos falar de rejuvenescimento do lirismo como resultado de uma combinação: entre a intimidade do poeta que procura uma notação precisa de ambientes e personagens e uma naturalidade muito pensada que se reveste da pigmentação de sinceridade reconhecida ao património literário oral. Isto proporciona a João de Deus um lugar em tudo à parte na poesia do seu tempo.

45Situando-se incondicionalmente à margem do cruzamento de escolas literárias que marcam o panorama oitocentista português, João de Deus pratica uma sátira antioratória, inscrita numa matriz oral popular de lastro vocabular pouco variado, característica, de resto, comum a toda a sua lírica. Essa opção técnico-discursiva não traz rigidez ao texto: do poema desprende-se uma irradiação cantante e encantatória através da qual João de Deus entronca de imediato na melhor tradição do repentismo português. O sortilégio da produção satírica do poeta encontra-se na combinação da voz do cantador popular com a letra impressa, na engenharia estilística de repetições, interrogações, exclamações, anacolutos, trocadilhos, plebeísmos, populismos, coloquialismos, sintaxes elementares, simetrias e dissimetrias; na, numa palavra, fluência discursiva que vem da linguagem quotidiana e prosaica.

46A musicalidade dessa suposta expressão direta de pensamentos, sentimentos e emoções ouve-se nos diversos andamentos métricos e nos múltiplos esquemas estrófico-rimáticos: desde a maior sofisticação da oitava decassilábica e do soneto até à maior singeleza da quadra, de cuja brevidade e aparente escassez de recursos procede a sensação de improviso daquela que é a forma por excelência da poesia tradicional portuguesa.

47Essa diversidade de formas previne em grande medida a displicência e a insipidez que afetam todos aqueles que não sabem servir-se com destreza da tecnologia da oralidade. O tom de performance oral torna o poema mais real, genuíno, e potencia a relativa riqueza de temas de um poeta que se quer especialista da vox populi, agente, por conseguinte, que dá congruência cognitiva e emocional à experiência individual e coletiva: um bardo, como confessa nas suas Prosas, epíteto com que João de Deus nos diz que o que o mobiliza não é um ideário político-social e cultural construído através de um intenso labor intelectual, à maneira da geração de 65. O objetivo deste poeta é fornecer uma panorâmica da sociedade portuguesa a partir de observações inesperadas e perspicazes.

  • 37 Ou 102, se contabilizarmos como um texto autónomo cada uma das 6 variações em 133 quadras de «Uma (...)

48Há, apesar daquela declaração, quem exige a João de Deus aquilo que ele nunca procurou nas suas noventa e seis peças satíricas publicadas no Campo de Flores (1893)37: uma teoria, índices precisos de atualização cultural e análise crítica em profundidade.

  • 38 Nemésio, 1995, p. 80.

49Mas daqui não se deduza que as suas sátiras e epigramas e os seus poemetos se esgotam no estritamente circunstancial e anedótico. O contingente é com frequência o primeiro revestimento do poema. Contudo, só uma leitura muito apressada e preconceituosa poderá ignorar quer a já referida capacidade verbal quer a franqueza de quem oferece, se não ideias ou, sobretudo, soluções, pelo menos factos reconhecidamente substanciais: uma «pequena cartilha do mais acendrado civismo38», na excelente fórmula de Vitorino Nemésio, estudioso que percebe como poucos a originalidade da obra deste mestre do discurso oral, interventivo, que agita, incomoda, suscita reflexões, controvérsias, simpatias e ódios. Poesia e moral, oralidade e escrita: eis os pares dialéticos que estruturam uma sátira manifestamente mais comunicativa e universal do que muita da poesia panfletária sua coetânea.

  • 39 Nas duas quadras do soneto «Balão», por exemplo, lê-se: «Quando vejo uma lesma empavonada,/ Vir de (...)

50A sátira de João de Deus expande-se em formas dinâmicas que fecundam o futuro a partir do presente mais imediato e prosaico. Daí a incompreensão de um certo senso comum e de certos críticos perante o seu espírito e estilo jogralescos; perante, em especial, alguma linguagem mais vulgar que dá a medida do mau gosto do objeto39. Todavia, a inventividade lúdica não prejudica a intensidade do pensamento e dos sentimentos: é o modo de o poeta intervir socialmente. Ludismo, razão e emoção unem-se na mesma procura criadora e polémica de horizontes imprevistos de sentido e autenticidade.

51Do estímulo rítmico imediato, do sabor da sugestão auditiva, vem a relação do ouvido poético com a fala quotidiana; e vem a centralidade da equação pessoalidade / sinceridade, indispensável numa poesia que nada rejeita como seu objeto (lembremos o suplemento de distribuição gratuita Cryptinas, que agrega poemas satíricos de molde fescenino, incorporado na edição de 1897, a que Teófilo Braga apõe o rótulo, quer dizer, o estigma, de «poesias de leitura restrita»).

52Sem de modo algum corresponder, como se sabe, a um militante ativo da «Questão Coimbrã», João de Deus é considerado um dos seus homens ou um seu precursor. Penso nas sátiras impessoais, veementes e objetivas que, desde cedo, da sua tribuna estudantil, ele endereça ao ambiente académico, religioso, cultural e político-social do seu país.

  • 40 Ibid., p. 163.

53O tom declarativo e apostrofante dos poetas da escola de Coimbra ecoa no seu primeiro texto publicado, A Lata (1860), poemeto com sessenta estrofes em oitava rima de eco camoniano e verso decassílabo: «E esses lobos que em duas patas andam/ Para ter sempre em guarda as outras duas;/ Que a monte saem só, e só debandam/ Como os ladrões, à noite, pelas ruas;/ A empecer que os ânimos se expandam,/ Que a luz se espalhe, e que as imagens tuas,/ Bom Deus! de imagens passem… e que admira/ Sem o sopro que ao barro a vida inspira!40».

  • 41 Ibid., p. 151.

54Neste poema anticlerical que discute o problema do celibato e louva as virtudes femininas, a ironia, o burlesco e o sarcasmo aparecem já como expressão de um distanciamento em relação à linguagem poética preestabelecida: «Foi esta ao menos a resposta dada/ A quem de padres entendia tanto,/ Que inda os fulgores dessa luz sagrada/ A Brandões mesmo metem pejo e espanto:/ “Deixai que o padre tenha esposa amada!”/ Gritava em Trento o arcebispo santo;/ Quando um finório, que é já santo, ao ouvido/ Lhe disse: – Muitas é melhor partido –41».

  • 42 Ibid., p. 170.

55João de Deus corrige-se, entretanto, no sentido da expurgação desse arroubamento algo solenizante. Prova-o a publicação, em 1868, do longo poemeto «Marmelada», que invetiva, em ágeis quadras heptassilábicas de porte repentista, o ex-frade crúzio e professor de Dogmática Vitorino da Conceição Teixeira Neves Rebelo, apodado pelos estudantes de «Doutor Marmelada», devido à sua fala adoçada e, alegadamente, à sua incompetência: «Marmelada, Marmelada!/ Antes cá melhor viera/ Quem te mandou: pois não era?/ Tu disto não pescas nada!// […]// Não dizes senão asneiras,/ E ainda em cima botando/ Teu R de vez em quando!/ Há maior impertinência?42». Os poemas são os de um perito da memória que comenta paradigmas segundo os quais a comunidade deve organizar-se, metabolizando, pela sua própria linguagem, o pensamento individual de cada elemento do coletivo.

56Os temas evocam e articulam problemas da experiência do mundo partilhado. De entre os textos de intervenção sociopolítica, «O dinheiro» é talvez aquele que mais contribui para a identificação de João de Deus com o tipo de poeta popular que usa não só a linguagem da persuasão mas também a da demonstração:

  • 43 Ibid., pp. 1-3.

O dinheiro é tão bonito,/ Tão bonito, o maganão!/ Tem tanta graça o maldito,/ Tem tanto chiste o ladrão!/ O falar, fala de modo…/ Todo ele, aquele todo…/ E elas acham-no tão guapo!/ Velhinha ou moça que veja,/ Por mais esquiva que seja,/ Tlim!/ Papo.// […]// Aquela fisionomia/ E lábia que o demo tem!/ Mas numa secretaria/ Aí é que é vê-lo bem!/ Quando ele de grande gala,/ Entra o ministro na sala,/ Aproveita a ocasião:/ “Conhece este amigo antigo?/ – Oh meu tão antigo amigo!/ (Tlim!)/ Pois não!43

57Também «A monarquia» favorece a celebrização de João de Deus como poeta da antífrase:

  • 44 Ibid., p. 11.

Andam a dizer mal da monarquia,/ Mas sem razão, falemos a verdade;/ Porque aos bons ninguém dá mais garantia/ Nem pune aos maus com mais severidade.// Nunca paixões de certa qualidade/ Prevaleceram contra o que cumpria,/ Nem consta que inspirasse a iniquidade/ Despacho, lei, decreto ou portaria!// Há setecentos anos simplesmente/ Que este sistema nos governa, e vede/ Comércio, indústria, tudo florescente.// Os caminhos de ferro é uma rede!/ E quanto a instrução, toda esta gente/ Faz riscos de carvão numa parede44.

  • 45 Ibid., p. 123.

58A sua atividade de pedagogo expressa-se direta ou indiretamente em múltiplos textos sobre vocabulário, ortografia e pedagogia. A extensa sátira «Uma mão de variações», por exemplo, trata especificamente de métodos de leitura. Este texto, que se apoia numa trama burlesca em que participam deuses da mitologia clássica, tem como destinatário um dos adversários de João de Deus nesta matéria. O subtítulo —«Sobre a teima do maestro Cirne»— marca essa oposição desde o início (na carta que esse lente escreve à musa Érato, lê-se: «Porque eu emprego as prefixas/ Sempre que o julgo a propósito;/ E tenho até um depósito/ Das palavras mais prolixas:// Eu digo: sente, presente,/ Pressabe, preantessabe…/ E ainda às vezes não cabe/ Nisso toda a minha mente.// Se me refiro a um núncio/ Antes de ser nomeado,/ Eu tenho sempre cuidado,/ De lhe chamar prenúncio45»).

59A sátira de João de Deus dispersa-se ainda por outros temas importantes. O objetivo é dar a ver e problematizar as imperfeições de um país convencional, inculto, burocrático e agrícola: os desgastados padrões retórico-literários; o sentimentalismo ultrarromântico; a maledicência e a passividade; o vício dos jogos de sorte; a falta de hábitos de higiene; a venalidade dos jornais; as crendices populares ou o gosto ocioso pela celebração de qualquer efeméride; os excessos nobiliárquicos e a hipocrisia dos valores e costumes burgueses.

60Com uma notável desenvoltura temática e estilística, a sátira realista dos poetas que selecionei para este estudo dá-nos uma representação muito comunicativa do humano e do social do Portugal de meados e finais do século dezanove, dentro de uma responsabilidade testemunhal, ética e artística que é uma das mais ricas de toda a poesia satírica em língua portuguesa. Cada um à sua maneira, Antero de Quental, Guilherme de Azevedo, Bulhão Pato e João de Deus são participantes de uma reforma de mentalidades e de comportamentos portugueses que, em muitos aspetos, ainda está em curso nesta segunda década do século xxi. Transversais às sátiras destes poetas, o Bem e a Justiça são valores absolutos cuja violação deve concretizar-se numa punição exemplar e inesquecível através da palavra.

Haut de page

Bibliographie

Fontes

Azevedo, Guilherme de, A alma nova, introdução e notas de Manuel Simões, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1981 [1.ª ed., Coimbra, 1874].

Deus, João de, Campo de flores. Poesias líricas completas, coord. sob as vistas do autor por Teófilo Braga, 5.ª ed. – ne varietur, Paris – Lisboa – Rio de Janeiro, Livrarias Aillaud e Bertrand – Livraria Francisco Alves, s. d. [1.ª ed., s.l., 1893], t. II.

Pato, Bulhão, A dança judenga: sátira, Lisboa, Tipografia da Academia, 1901.

Pato, Bulhão, Cantos e sátiras, Lisboa, Rolland & Semiond, 1873.

Pato, Bulhão, Hoje: sátiras, canções e idílios, Lisboa, Tipografia da Academia Real das Ciências, 1888.

Pato, Bulhão, Lázaro cônsul, Lisboa, Tipografia da Academia Real das Ciências, 1889.

Pato, Bulhão, Livro do monte: geórgicas, líricas, Lisboa, Tipografia da Academia 1896.

Pato, Bulhão, Paquita, Lisboa, Tipografia Franco-Portuguesa, 1866.

Quental, Antero de, Odes modernas, prefácio de Pedro Alvim, Lisboa, Vega, 1994 [1.ª ed., Coimbra, 1865].

Quental, Antero de, Sonetos, edição organizada, prefaciada e anotada por António Sérgio, 6.ª ed., Lisboa, Livraria Sá da Costa Editora, 1979 [1.ª ed., Coimbra, 1861].

Bibliografia

Mourão-Ferreira, David (1992), «A propósito de João de Deus», Tópicos recuperados. Sobre a crítica e outros ensaios, Lisboa, Editorial Caminho.

Nemésio, Vitorino (2000), «Bulhão Pato e os sábados da Ajuda», em Id., Ondas médias. Biografia e literatura, prefácio de Maria Idalina Resina Rodrigues, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda [1.ª ed., Lisboa, 1945], pp. 9-35.

Nemésio, Vitorino (1995), «O erotismo de João de Deus», em Id., Sob os signos de agora, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, pp. 59-81.

Nogueira, Carlos (2012), «A poesia portuguesa erótica e satírica do século xviii: do Abade de Jazente a Bocage e a Lobo de Carvalho», Luso-Brazilian Review, 49 (2), pp. 172-187.

, Maria das Graças Moreira de (1986), Guilherme de Azevedo na Geração de 70, Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa.

Haut de page

Notes

1 Trabalho financiado por fundos nacionais, através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), no âmbito do Centro de Estudos em Letras, com a referência UIDP/00707/2020, Portugal.

2 Quental, Sonetos, 1979, pp. 45-72.

3 Id., Odes Modernas, 1994, pp. 122 e 124.

4 Ibid., p. 143.

5 Ibid., p. 144.

6 Ibid., p. 51.

7 Ibid., p. 61.

8 Ibid., p. 62.

9 Ibid., p. 63.

10 Ibid., p. 67.

11 , 1986, pp. 31-52.

12 Por exemplo: «Enfarda a tua glória e leva-a que é vergonha/ que vejam amanhã,/ que até lhe depenou as águias de Bolonha/ o abutre de Sedant!// E visto que em redor nenhuma estrela brilha/ e a noite é longa e má,/ no caminho do opróbrio acende a cigarrilha/ e, césar, ouve lá:// Que altiva e bela a França! Aquela Gália ardente/ que de Valmy levou,/ descalça, quase nua; a Marselhesa em frente;/ nossa alma até Moscow!» (Azevedo, A alma nova, 1981, pp. 77-78).

13 Ibid., p. 91.

14 Ibid., p. 41.

15 Ibid., p. 39.

16 Ibid.

17 Ibid., p. 98.

18 Ibid., p. 44.

19 Ibid., pp. 106-107.

20 Ibid., p. 100.

21 Transcrevo, a título de exemplo, as duas primeiras estrofes de «A velhice do século»: «O século envelhece! Após os roxos lumes/ De auroras juvenis, que avivam os perfumes/ De flores que amanhã nas hastes murcharão,/ A luz ocidental esvai-se na amplidão/ Dos véus horizontais, nas trevas abatidos!/ Por toda a parte além se escutam os latidos/ Dessa matilha infame, inúmera e brutal,/ Que o olor das podridões, que o Espírito do Mal/ Convoca ao pasto imundo, ao lúgubre conforto,/ Em torno do que morre, ou do que está já morto!/ Já no escuro do chão serpeia o verme vil/ Que nas brumas do inverno encontra o pleno abril!/ E através do ouropel, que a vista ainda afaga,/ Mas no âmago do qual verdeja funda chaga,/ A gangrena, atacando almas e corações,/ Corrompe o leite em fel no seio das nações!// O século envelhece! e que velhice pobre/ De misérias sem fim as cãs por aí lhe cobre!/ Esse mar de paixões em que ele bóia à flor;/ O gozo do prazer levado até à dor;/ A dor, que é sempre cruz, violentada em risos;/ Esse artifício todo em que sacode os guizos/ O corpo social, qual pálido histrião/ Que, quando aluga o braço, aluga o coração;/ Toda essa hipocrisia; esse trabalho todo/ Com que se doira em luz o que por dentro é lodo:/ O que na ideia põe, sem visionário véu,/ Os sonhos de Jacob ante os degraus do céu;/ Todas as tentações de todas as serpentes;/ Todo esse marulhar dos peitos e das mentes/ Em torno do que chora e em volta do que ri,/ Arrastam para a tumba – aberta já de ali/ Em presepe infantil de algumas novas eras –/ Este século vão, que, em suas primaveras,/ Julgava, Atlante audaz, sobre o costado erguer/ O mundo à perfeição de algum eterno Ser,/ E que hoje estonteado, asmático e tolhido,/ O olho fechado à luz, ao som fechado o ouvido,/ Qual, como ao desfazer de torpe bacanal,/ O ébrio passa da mesa ao leito do hospital,/ Com o trôpego pé e o dedo mal seguro/ Bate cambaleando às portas do Futuro!» (Pato, Cantos e Sátiras, 1873, pp. 165-167).

22 «Quando o whist em um canto da salinha/ Delicia os papás, e noutro canto/ Dois noivos, conversando em voz baixinha,/ Na impaciência do amor assopram tanto/ O facho do himeneu, que, em vindo as núpcias,/ Um sopro mais… e morre a chamazinha!…// No romance de amor ninguém devia/ Noivar senão no altar; aquele afecto,/ Aquele ardente fogo que alumia/ O nosso coração, mas em secreto,/ Como à noite no templo a luz da lâmpada,/ Não tem o mesmo brilho em pleno dia!» (id., Paquita, 1866, p. 188).

23 Nemésio, 2000, p. 205.

24 Ibid.

25 Pato, A dança judenga: sátira, 1901, p. 32.

26 Ibid.

27 Ibid., pp. 10-11. Sublinhados no original.

28 Pato, Livro do monte: geórgicas, líricas, 1896, pp. 155-167.

29 Ibid., p. 163.

30 Pato, Hoje: sátiras, canções e idílios, 1888, pp. 7-10.

31 Suficientemente ilustrativa dessa tendência, que oscila entre o deslumbramento da palavra incendiada e incendiária e o compromisso da contenção e (in)formação ético-sociais, é a primeira estrofe do Lázaro Cônsul: «Burguês enfidalgado, às armas femininas/ Reúne o teu brasão, trapeiro das sentinas!/ Mas não… Conspurcador do nome português,/ Deixa ao velho brasão a pulcra nitidez!/ Praza a Deus que na prol se extreme o sangue puro/ Da vileza do teu, por honra do futuro!» (id., Lázaro Cônsul, 1889, p. 9).

32 Ibid., p. 12.

33 Nogueira, 2012, p. 172.

34 Ibid., pp. 172-173.

35 Pato, Hoje: Sátiras, Canções e Idílios, 1888, p. 3.

36 Recordando a argumentação de Costa Pimpão num livro, Gente Grada, de 1952, David Mourão-Ferreira, num artigo de 1967, cita estas palavras de Eugénio de Castro, datadas do ano da morte de João de Deus: «Da mesma forma que a natureza leva séculos e séculos para formar um brilhante, João de Deus levava dias e dias, meses e meses para formar um poema» (Mourão-Ferreira, 1992, p. 127). Seja como for, a crítica dos nossos dias continua a descrever e interpretar a estética deste poeta através desses tópicos ambíguos e imprecisos.

37 Ou 102, se contabilizarmos como um texto autónomo cada uma das 6 variações em 133 quadras de «Uma mão de variações» e cada um dos dois blocos do poemeto «Marmelada».

38 Nemésio, 1995, p. 80.

39 Nas duas quadras do soneto «Balão», por exemplo, lê-se: «Quando vejo uma lesma empavonada,/ Vir de saia-balão toda espavento,/ E as velas todas desfraldando ao vento,/ De vento em popa reduzir-se a nada:// Lembra-me ver sardinha alcachofrada/ Apostrofando ao húmido elemento/ Que alargue um pouco… quer tomar assento…/ Arrotando-lhe postas de pescada!» (Deus, Campo de flores, s.d., p. 9).

40 Ibid., p. 163.

41 Ibid., p. 151.

42 Ibid., p. 170.

43 Ibid., pp. 1-3.

44 Ibid., p. 11.

45 Ibid., p. 123.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Carlos Nogueira, « A sátira na poesia realista portuguesa »Mélanges de la Casa de Velázquez, 51-1 | 2021, 225-244.

Référence électronique

Carlos Nogueira, « A sátira na poesia realista portuguesa »Mélanges de la Casa de Velázquez [En ligne], 51-1 | 2021, mis en ligne le 02 mars 2021, consulté le 18 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/mcv/14291 ; DOI : https://doi.org/10.4000/mcv.14291

Haut de page

Auteur

Carlos Nogueira

Universidade de Vigo – Cátedra José Saramago

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
La revue Mélanges de la Casa de Velázquez est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Pas de Modification 3.0 France.

Haut de page
  • Logo Casa de Velázquez
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search