Navigation – Plan du site

AccueilNuméros53-2MiscellanéesOs Ismailis Lusófonos, os Aga Kha...

Miscellanées

Os Ismailis Lusófonos, os Aga Khan e Portugal: mais de um século de história (Sec xix-xxi)

Les Ismailis lusophones, les Aga Khan et le Portugal : plus d’un siècle d’histoire (xixe-xxie siècle)
Lusophone Ismailis, the Aga Khan and Portugal: more than a century of history (19th-21st century)
Nicole Khouri et Joana Pereira Leite

Résumés

La commémoration en 2018 du soixantième anniversaire de l’accession à l’Imamat de Aga Khan IV, son Altesse Prince Karim al Husseini, chef spirituel des Ismailis vivant dans plus de 25 pays, a constitué un moment particulier, surtout pour ses fidèles établis au Portugal et en Espagne. Si les relations récentes de leur Imam avec le gouvernement portugais méritent pleinement d’être évoquées, il faut remonter en arrière à plus d’un siècle et rappeler à la fois l’histoire de la communauté ismaili alors installée au Mozambique, et les liens établis par les Aga Khan III et IV avec l’Empire portugais.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Nicole KHOURI: Investigadora associada ao Institut des Mondes Africains (IMAF)/CNRS, Paris. Membro (...)

1A comemoração, em 2017 e durante 2018, do sexagésimo aniversário da subida ao Imamato de Aga Khan IV, sua Alteza o Principe Karim al Husseini, chefe espiritual dos ismailis atualmente dispersos em mais de 25 países, constitui momento particular, sobretudo para os seus fiéis estabelecidos em Portugal e também em Espanha. Se as relações recentes do seu Imam com o governo português merecem ser evocadas, importa recuar a mais de um século e trazer à memória quer a história da comunidade ismaili então instalada em Moçambique, quer a dos laços que os Aga Khans III e IV tecerem com o Império português nas duas margens do oceano Índico1.

  • 2 Kemnitz, E. M. Von (2014), pp. 254-258.

2As relações oficiais entre Aga Khan IV e Portugal, recorrentemente difundidas na imprensa portuguesa desde os anos 80, justificam, dada a sua intensidade e densidade, uma breve referência. A partir delas é possível identificar as diferentes fases de uma relação crescente da comunidade e do seu chefe com a sociedade portuguesa e o seu governo. Revelam-nos ainda, o nexo entre algumas das grandes datas marcantes dessa relação e a dimensão religiosa das comemorações próprias à comunidade ismaili2. Com efeito, ainda que Aga Khan lidere uma rede internacional de instituições financeiras e empresariais, fá-lo enquanto chefe religioso de uma corrente xiita, ismaili nizari, constituída por fiéis disseminados em numerosos países e regidos por uma Constituição única, promulgada em 1986. Nela se consagram os diferentes aspetos religiosos e o dever de obediência ao Imam vivo, o do Tempo presente, a quem cumpre a interpretação dos textos sagrados e a orientação temporal e espiritual da sua comunidade.

3A Fundação Aga Khan estabelece-se em Portugal em 1983 e, através da sua rede AKDN, Aga Khan Development Network, lança programas no domínio da educação, da saúde, da proteção social direcionados para as populações ditas vulneráveis e precárias e ancorada em parcerias com o Estado, a Igreja Católica e as autarquias. Desde os anos 1990, Portugal é escolhido como local estratégico dos projetos da AKDN para toda a África então considerada explicitamente como o continente onde é de novo possível e desejável investir e prosperar.

4Em 1988, é inaugurado o Centro Ismaili de Lisboa (espaço de culto e comunitário), e em dezembro de 2005, é assinado em Lisboa um protocolo entre o governo português e o Shia Imami Ismaili Imamat. Trata-se de um acordo, raro no seu género, firmado entre um governo ocidental e uma instituição proto governamental sem território.

5A partir de julho de 2007 e durante 2008, a comemoração do Jubileu de ouro (50 anos) da subida ao Imamato de Aga Khan IV é marcada por visitas pastorais à comunidade e diplomáticas, fortemente mediatizadas.

  • 3 Instalação hoje efectiva.

6Em abril de 2016, é anunciada a instalação em Lisboa, num palácio adquirido para o efeito (o palacete Henrique Mendonça), da rede mundial dos ismailis e, assim, a transferência da administração de Aiglemont (Chantilly, França) para Lisboa beneficiando dos direitos especiais concedidos às representações diplomáticas (inviolabilidade das instalações, imunidade jurídica e benefícios fiscais para o Imam e funcionários)3. Os donativos dos fiéis ao Imam e ao Imamato, diretamente transferidos para Genebra, serão isentos de imposições fiscais.

  • 4 (Público, 10 de abril 2016, Expresso, 14 de maio 2016, Expresso on line http://expresso.sapo.pt/so (...)
  • 5 Para uma história detalhada da inserção socioeconómica de sucesso da comunidade ismaili de Portuga (...)

7Tanto as instituições da comunidade ismaili, como as relações diplomáticas com o governo português, as suas manifestações culturais ou ainda as condecorações oficiais atribuídas ao Imam e a certos representantes da comunidade têm merecido a atenção da imprensa. Jornais influentes como o Público e o Expresso frequentemente empenhados em sublinhar a natureza moderna e tolerante da corrente ismaili do islão xiita, diferenciam-na assim doutras orientações do islão sunita supostamente portadoras de um certo conservadorismo e atravessadas por trajetórias de radicalização4. Por seu turno, a comunidade ismaili portuguesa é ainda considerada como ocidentalizada, rica, constituída por engenheiros, médicos, economistas e gestores, comerciantes e financeiros, atores com histórias de sucesso confirmadas, e também como uma comunidade que dignifica o papel das mulheres e atende à importância da educação. Mas, na verdade, pouco dela ficamos a conhecer, dado que na maioria dos casos, a imprensa limita-se a assumir a função de porta-voz do que lhe é transmitido, em momentos precisos e ocasiões convenientes, pelas instituições da comunidade. O mesmo não acontece com a investigação em ciências sociais ao consagrar atenção particular à comunidade desde a sua instalação em Portugal, em meados dos anos 70. Geógrafos, sociólogos, antropólogos e historiadores produziram estudos sérios e diversos tendo em conta as dimensões geracionais e de género, diversos aspetos religiosos, económicos, sócioantropológicos5.

8Ficamos então a saber que os ismailis, tal como a maioria dos outros indianos e outros muçulmanos neste país, se inscrevem na história recente dos grandes acontecimentos que atravessam toda a sociedade portuguesa pós-colonial e, com ela, integram hoje a vida da comunidade europeia e partilham também um mundo cada vez mais globalizado.

9Na análise que segue limitamo-nos à evocação e análise de um aspecto histórico que confere profundidade e compreensão a uma relação particular, estabelecida num segmento temporal preciso do tempo colonial em Moçambique. Assim, não se pretende oferecer uma explicação exaustiva das suas dimensões atuais o que obrigaria a um trabalho complementar sobre o período pós 1975.

10Procuraremos chamar a atenção, por um lado, para o funcionamento da comunidade ismaili numa trajetória fortemente ligada, desde finais do século xix, à história do Império africano português, ainda que dele mantenha autonomia religiosa, económica e financeira, e, por outro, para o zelo com que Aga Khan III e Aga Khan IV, seus chefes religiosos e temporais, asseguraram e reasseguraram a sua lealdade ao governo do Império no momento das convulsões políticas que o atravessaram ao longo do século xx.

A Comunidade Ismaili de Moçambique

11Os designados khojas são originários de três territórios do subcontinente indiano (o Sind, o Gujarat e o Pendjab). No Gujarat (Kutch et Kathiawar), são essenciamente comerciantes e agricultores. No tempo colonial, todos os ismailis de Moçambique são oriundos do Gujarat e consideram-se fiéis a Aga Khan. Deixaram a terra natal em finais de oitocentos, mas o essencial da migração ocorreu um pouco mais tarde. As narrativas de memória avançam razões de ordem socioeconómica para a sua partida (fomes, epidemias e secas consecutivas). A colonização britânica, então empenhada na transformação do Gujarat num campo de algodão em benefício da indústria têxtil metropolitana, induz uma profunda recomposição da propriedade fundiária no território. As consequências sociais e económicas foram devastadoras e atingiram classes, castas e profissões daquela província: senhores da terra, camponeses, coletores de impostos, artesãos e comerciantes. Mas, foram também razões associadas à dissidência religiosa no seio da comunidade ismaili que, na época, levaram alguns a partir em direção à África Oriental, e Zanzibar surge então como o primeiro destino para esta migração. No entanto, tudo indica que estas últimas não influenciaram os ismailis que viriam a instalar-se em Moçambique.

  • 6 Desde 1829, movimentos de protesto atravessaram a comunidade dos ismailis nizari. A historiagrafia (...)

12Os ismailis do subcontinente indiano são hindus convertidos, alguns desde o século xiv, outros mais tardiamente. No Gujarat, alguns pertencem à casta dos comerciantes lohanas, outros são camponeses ou fazem então parte da população urbana pobre, de origem rural, que no final do século xix migraram para as cidades daquela província. Estavam-lhes reservadas as mais desqualificadas tarefas. Foi com a vinda de Aga Khan I da Pérsia e o seu estabelecimento em Bombaim, em meados do século xix, que se começou a definir a configuração religiosa desta comunidade e se determinaram, em seguida, as vias para a sua organização6. Ainda que encorajados por Aga Khan a emigrar para a costa este-africana, tanto as experiências dos pioneiros como as oportunidades reais de sobrevivência constituíram os fatores decisivos da sua emigração e instalação nos territórios sob colonização britânica, alemã, portuguesa ou francesa.

A Chegada da Comunidade

  • 7 Para mais amplos detalhes ver J. Pereira Leite e N. Khouri, 2012, pp. 27-38 e N. Khouri e J. Perei (...)

13Quando os khojas ismailis chegam à colónia portuguesa da África Oriental já ali viviam, dispersos pelo território, outros indianos. A migração para Moçambique partiu do Gujarat sob administração britânica, mas também dos territórios (Diu e Damão) sob domínio português. Os pioneiros chegam por volta de 1890 e o essencial dos migrantes entre 1910 e 1920. Segundo as fontes orais em 1900, cerca de 65 indivíduos, do sexo masculino, encontravam-se instalados a sul do Save. Por volta dos anos 1930, a migração estabilizou-se e registavam-se aproximadamente 600 indivíduos a norte e um pouco menos de 300, ao sul da colónia. Uma segunda vaga de migrantes ocorreu nos anos 1940. Em 1960, é de admitir que 1250 ismailis vivessem no Norte e 500 a sul, dos quais 80% já nascidos na colónia. Serão pouco mais de 3000 no momento da sua saída (1974-75) de Moçambique7.

14Na época escolheram fixar-se sobretudo as regiões controladas pela administração portuguesa. O centro da colónia (Manica e Sofala), sujeito a condições climáticas mais adversas e gerido pelos britânicos da Companhia de Moçambique até ao início dos anos 1940 não atraiu os ismailis. Também não se aventuraram na Zambézia, salvo raras digressões de passagem, território de intervenção de várias companhias europeias. A norte instalam-se em polos urbanos da faixa litoral do Distrito de Moçambique, entre a Ilha de Moçambique e Angoche, bem como nas localidades e aldeias que seguiam a linha de caminho de ferro que, a partir dos anos 50, ligava, desde Nacala, a costa do Índico ao interior do Niassa. A sul do Save encontramo-los essencialmente nos distritos de Inhambane e Lourenço Marques bem como na capital e sua vizinhança.

15As duas sociedades, a norte e a sul, são diferentes e mantêm poucas relações entre si devido à distância que as separa e à escassez dos meios de transporte. O Sul, mais moderno por via da proximidade com a África do Sul conheceu, no quadro do desenvolvimento de uma economia de serviços e emigração estimulada pela indústria mineira vizinha, a expansão de uma infraestrutura urbana e de vias de comunicação entre a capital e o Transvaal. Em Lourenço Marques (hoje Maputo), as relações entre os diversos grupos (portugueses, outros europeus, indianos, outros asiáticos e africanos), eram fortemente inspiradas pelo modelo do apartheid vizinho. Contrariamente, no Norte, a forte influência das missões católicas e a relativa independência de uma administração colonial afastada da capital, deixava, até aos anos 50, uma margem de manobra considerável aos representantes do poder local (chefes de posto e administradores), pouco empenhados em cumprir a lei. Foram, assim, muitos os que estabeleceram com os ismailis, laços paternalistas e de proximidade familiar que garantiram a estes últimos a sobrevivência, em meio muitas vezes hostil, em troca de uma certa cumplicidade nos negócios. Este ambiente favoreceu o desenvolvimento de laços de amizade e curiosidade por parte dos administradores portugueses em relação à cultura veiculada pelos ismailis, enquanto estes, por seu turno, se consideravam herdeiros de uma tradição letrada face à incultura destes represantes do poder local.

Homens de negócio numa comunidade de destino

16Os ismailis desembarcam na colónia no final do século xix, num momento em que Portugal se empenha na ocupação efetiva do território. Uma coincidência de destinos levá-los-á a deixar Moçambique ao mesmo tempo que os portugueses, quando a revolução de abril, em 1974, anuncia a independência inevitável do país.

  • 8 Nas entrevistas realizadas com os membros da comunidade ismaili em Lisboa (entre 2005 et 2013) e e (...)

17Salvo um número reduzido de famílias, já escolarizadas e portadoras de uma cultura comercial aquando da sua chegada à colónia, a maioria esmagadora dos ismailis estava longe de veicular uma fibra mercantil atávica. Essa característica original obrigou-os, uma vez em África, a uma aprendizagem da cultura mercantil, única oportunidade profissional oferecida pela colónia. Nesta comunidade apenas três ou quatro famílias, e nunca as mesmas ao longo do tempo, ocuparam lugar de relevo na colónia. As memórias recolhidas, ao retraçarem os percursos microeconómicos das famílias rompem assim, apesar do esforço dos seus protagonistas, com a versão linear dos mesmos, e revelam uma vivência no fio da navalha em terras africanas, suscetível de retrocessos e ruturas8.

18Durante cerca de um século estes homens de negócio tiveram que fazer face a uma sucessão de situações de risco, motivadas por perturbações internas e internacionais. Começaram por viver a instabilidade ligada à violência das campanhas ditas de pacificação e à tenacidade das resistências africanas. Seguiu-se a primeira guerra mundial, que os atingiu física e economicamente, principalmente aos que se haviam fixado no norte da colónia, em território vizinho da África Oriental alemã. A partir dos anos 30, adaptaram-se à política colonial do Estado Novo que, no seu fervor nacionalista e centralizador, reforçou os interesses metropolitanos em detrimento dos estrangeiros, indo-britânicos incluídos, de que faziam parte. A crise mundial de 1929-33, pano de fundo destes anos de mudança, afetou tanto os que no meio rural asseguravam a monetarização dos produtos da agricultura africana, cujos preços conheceram uma forte depreciação, como aqueles que, em contexto urbano, sofriam o impacte recessivo da crise no mercado interno que provoca falências em série.

  • 9 J. Pereira Leite e N. Khouri, 2012, pp. 109-195 e N. Khouri e J. Pereira Leite (ed.), 2014, pp. 43 (...)

19Durante a segunda grande guerra, as perturbações do comércio internacional ao afetarem o normal aprovisionamento do mercado interno em bens importados, prejudicaram famílias e homens de negócio. Por seu turno, enriqueceram todos os que, em tal contexto, habilmente souberam beneficiar da escassez de bens essenciais lançando-se nas atividades especulativas. No rescaldo da independência da Índia e da sua divisão em 1947, a maioria dos ismailis, outrora súbditos britânicos, adotam a nova nacionalidade que lhes é então conferida pelo jovem Estado do Paquistão. Esta mudança revelar-se-ia providencial e não isenta de consequências ao nível da inscrição dos seus negócios na ordem económica do colonialismo português tardio. Pelo facto de serem cidadãos paquistaneses não viriam a sofrer as represálias infligidas pelo governo português aos seus concorrentes de nacionalidade indiana no momento da retrocessão de Goa à União Indiana, em 1961. A guerra de libertação nacional que atinge o norte de Moçambique em meados dos anos 60 e sucede ao eclodir do conflito em Angola no início da década desenrola-se num contexto de significativas mudanças na ordem colonial (de ordem administrativa, política, económica, social e cultural), obrigando-os a enfrentar novos desafios. Assim, a exemplo de outros homens de negócio, tiveram que se adaptar a um mercado em expansão, ao crescimento e a transformações estruturais da economia da colónia e a operar num ambiente crescentemente politizado e repressivo, em resposta à contestação do colonialismo. Os registos de memória revelam uma notável capacidade de adaptação dos ismailis em momentos de mudança e de incerteza, quer através da mobilização das solidariedades familiares e comunitárias, quer pelo hábil estabelecimento de alianças necessárias ao sucesso dos negócios: alianças com os agentes da administração, com os chefes militares e membros influentes da sociedade colonial, bem como as que os aproximaram dos africanos9.

20É no decurso das diferentes etapas desta história política e económica, fortemente perturbada e densa, e que se estende ao longo de quase um século, que os homens de negócio ismailis se situam, tal como os outros indianos, nos seus múltiplos combates e sucessos. Mas, no seu caso particular, isto ficou a dever-se em muito às medidas enquadradoras do seu desenvolvimento socioeconómico que o Aga Khan III, Sultão Mohamed Shah, colocou ao serviço das suas comunidades.

Indianos que se distinguem dos seus semelhantes

21Diferentes de outros indianos são os ismailis. Pelo seu número, relativamente limitado, pelas suas localizações regionais bem definidas e ainda pela existência de um Chefe espiritual e temporal, homem eminentemente político, que age em benefício da inserção das suas comunidades nos contextos respectivos incitando-as a «modernizarem-se» por via de uma série de injunções, como observaremos de seguida. Porém, todos estes marcadores que assinalam a distinção dos ismailis de Moçamabique (tal como os da África oriental em geral) em relação às outras comunidades indianas e muçulmanas, devem ser relativizados na medida em que as experiências vividas não se limitam a reproduzir as visões de um Chefe, por mais carismático que ele seja.

22Quando comparados com outros indianos, as especificidades próprias dos ismailis merecem ser sublinhadas. Saliente-se o reduzido peso demográfico desta comunidade – pouco mais de 3000 pessoas em 1975 de entre 15 000 indianos- e a sua maior concentração no espaço territorial, nomeadamente a norte da colónia, no distrito de Moçambique (disseminados ao longo da via férrea em construção desde os anos 40), e ao Sul do Save (particularmente junto aos polos urbanos e nas cidades de Inhambane e Lourenço Marques) . Estes dois elementos possibilitaram quer a difusão e uma maior eficácia de comportamentos ao nível económico e sociocultural, quer a visibilidade da comunidade enquanto tal, cujos sinais de integração e de modernidade podiam, portanto, confundir-se com os da elite indiana sunita, hindu ou parsi, vivendo em todo o território da colónia.

23Foi assim que investimentos na educação da segunda e terceira geração – nascida entre 1945 e 1955 – puderam beneficiar da política de educação e escolarização implementada pelo governo colonial a partir dos anos 60. Contudo, os preconceitos no seio das famílias mantinham-se fortes pois as medidas de promoção de uma educação mais avançada (para além da escola técnica e comercial) e uma maior equidade de género no seu acesso (em benefício das raparigas) podiam ameaçar tanto a cultura e a profissão mercantil como os equilíbrios matrimoniais originais. Mesmo assim, todas as famílias por convicção ou por mimetismo, aceitaram incorrer em enormes sacrifícios para assegurar o percurso escolar da sua descendência.

24Particular foi assim o percurso escolar dos jovens ismailis, bem como de outros indianos, no decurso do colonialismo tardio. Distinguem-se dos pais que apenas tinham como perspetiva concluir o ensino primário, da maioria dos africanos, para os quais foi desenhada uma nova política de escolarização, cautelosa é certo, mas bem mais aberta do que a das décadas anteriores e, enfim, diferenciam-se também dos filhos da elite colonial que podiam chegar sem dificuldade ao liceu e depois à universidade.

25Nesta comunidade local, numericamente restrita, a especificidade da sua coesão remete para um elemento religioso, da ordem da sua devoção a um chefe que, particularmente a partir dos anos 30, se mostrou empenhado em organizar as instituições transnacionais e os núcleos locais dos seus fiéis ismailis, então disseminados no subcontinente indiano e em toda a costa da África Oriental, Centro Oriental e Austral. Sabe-se que, desde finais dos anos 1940, verifica-se uma série de injunções, e mesmo de farman(s) , por parte de Aga Khan III, com o intuito de modernizar a sua comunidade tanto no plano cultural (visando a educação, a escolarização das raparigas e rapazes, o uso do trajo à europeia, a melhor integração nas sociedades de acolhimento e, ainda, uma maior lealdade aos poderes políticos que governam essas sociedades) como no plano económico (diversificar os riscos económicos, utilizar o crédito bancário para investir na indústria e no imobiliário) a fim de não mais prever o futuro em África como cantineiros, pequenos comerciantes das lojas do mato (dukan walla).

26A transmissão destas injunções, ou destas orientações, ocorreram quer de modo formal, por intermédio de emissários da comunidade que não hesitaram em visitar as famílias que habitavam nos territórios mais recônditos da colónia, quer informalmente, mobilizando para tal as redes familiares dos ismailis estabelecidos no Quénia, no Uganda, no Tanganica e mesmo em Zanzibar. Com efeito, os ismailis entrevistados recordam-se bem das visitas em família que realizaram aos países da África Oriental (por ocasião do jubileu do Sultão Mohamad Shah, em 1946, em Dar-es-Salam e da investidura de Aga Khan IV, príncipe Karim, na direção do Imamato em 1957). Os casamentos e as cerimónias religiosas ocasionais, propícios ao encontro dos membros da comunidade, constituíram para os ismailis de África momentos importantes de partilha e comparação de experiências de vida e confrontação dos efeitos das injunções do seu Imam.

27Assim, as injunções das altas instâncias da comunidade bem como as experiências realizadas pelas diferentes comunidades ismailis da África Oriental condicionaram por certo as escolhas quanto aos investimentos e à gestão empresarial em Moçambique desde os anos 50 até ao fim da colonização.

28Mesmo assim, em Moçambique os homens de negócio ismailis e suas famílias tinham a clara consciência de pertencer simultaneamente a uma dupla periferia: o mundo português, periférico face às potências britânica e francesa, e a comunidade ismaili de Moçambique, também ela própria periférica em relação ao núcleo central da comunidade da África oriental britânica, a qual atraía prioritariamente a atenção de Aga Khan III durante todos estes anos.

29Nesta comunidade poucas foram as famílias a ocupar um lugar de relevo na colónia, e nunca as mesmas ao longo do tempo. A maioria penou para sustentar uma consistente e duradoura acumulação primitiva de capital através da actividade comercial. Uma questão se coloca, então: como passar desta micro-história feita de contingências, de sucessos e insucessos temporários, a conclusões passíveis de revelar o destino de uma comunidade enquanto tal?

A comunidade e o seu chefe : entre si e o mundano

  • 10 A Mocidade Portuguesa é uma organização nacional criada pelo Decreto-Lei n.º 26 611, de 19 de maio (...)

30A este propósito, a adesão da comunidade ismaili ao escutismo merece ser salientada. Atividade importada da África do Sul e praticada na jamatkhana (casa da comunidade/ lugar de culto) desde o início dos anos 1930, o jornal Notícias de Lourenço Marques (24/12/1932) consagra um longo artigo ao «escutismo e sua evolução na Metrópole e em Moçambique» e menciona a criação recente de um grupo «despertando o interesse dos nossos jovens dado que é integralmente constituído por indianos ismailis que se associaram ao movimento a pedido do chefe supremo da sua casta (sic)». Está-se no início da governação do Estado Novo e tudo leva a crer que o movimento dos escuteiros ismailis teria representado algo de exemplar e inspirador para os portugueses e outras populações do Império. Anos mais tarde, o governo de Salazar promulga o decreto nº 29453 de 17/02/39 que interdita o escutismo, a partir de então substituído pela Mocidade Portuguesa10. No entanto, ele viria a ser restabelecido em 1953 pela igreja católica, mas sujeito a certas condições: a função de tesoureiro seria desempenhada por um chefe militar, as normas religiosas estabelecidas pelo capelão do distrito e o chefe dos escuteiros escolhido de entre graduados da Mocidade Portuguesa.

31Importa ainda salientar que, durante cerca de três décadas, entre 1930 e 1957, o Sultão Mohamad Shah organiza a sua comunidade nos seus dois pólos, o do subcontinente indiano e o da África oriental. Neste quadro, as visitas de emissários/missionários às comunidades locais revestiam-se da maior importância na transmissão das diretivas e decisões emanadas pelo Imam. Em Moçambique, estas visitas aconteciam em duas jamatkhana(s), a da Ilha de Moçambique e a de Lourenço Marques, ainda que os emissários fossem ao encontro de fiéis que viviam nos centros urbanos, ou dispersos pelo mato. Próprias à vida da comunidade eram também as deslocações do Sultão Mohamad Shah ao encontro dos seus fiéis, por ocasião dos seus vários jubileus. Todas estas visitas, implicando igualmente a mobilização dos ismailis espalhados por diferentes territórios, revestiam-se de uma dimensão religiosa e uma outra política e mundana.

32Para o seu jubileu de ouro (cinquenta anos de Imamato), que teve lugar em Bombaim em 1936, alguns ismailis de Moçambique para lá se deslocaram e participaram nas cerimónias juntamente com 50 000 outros fiéis.

33Por ocasião do jubileu de diamante (1946, sessenta anos de Imamato) Aga Khan III dirigiu-se a todos os territórios que acolhiam os Ismailis Councils. De caminho para a África do Sul, visitou por dois dias Lourenço Marques, entre 4 a 6 de agosto de 1945. Acompanhado por sua mulher, Mata Salam, hospedam-se no Hotel Polana. Várias cerimónias mobilizaram toda a sociedade laurentina da época. O momento consagrado aos seus fiéis, o darbar, foi para estes a ocasião de renovar a bayat (vassalagem) e o meh’mani (oferendas feitas ao Imam). Para o Sultão Mohammad Shah, foi ainda a oportunidade de recordar os seus farman(s), já transmitidos no início da década de 40, como já referimos. Os farman(s) continham ainda orientações de ordem económica, nomeadamente em defesa da criação de cooperativas. Beneficiando ainda deste momento, numerosos casamentos foram abençoados pelo Imam. As grandes cerimónias deste jubileu tiveram lugar em 1946, a 10 de março em Bombaim, e a 10 de agosto em Dar es Salam. Famílias inteiras de Lourenço Marques e do norte da colónia deslocaram-se na época à capital do Tanganica para assistir ao acontecimento, momento de que guardam uma memória viva até aos dias de hoje.

34Uma obra da autoria de H. Keshavjee, membro da comunidade da África do Sul, Aga Khan and Africa, His leadership and inspiration, publicada em 1949, em homenagem a esta visita, oferece-nos uma primeira recensão iconográfica dos pioneiros ismailis de Moçambique e da África do Sul, tal como evidenciado no seu sub título “an illustrated souvenir of the Diamond Jubilee celebrations of His Imamate and His visits to Lourenço Marques and South Africa” .

35O jubileu de platina (setenta e dois anos de imamato) é celebrado em fevereiro de 1954 em Karachi, sem a presença da comunidade de Moçambique.

36Em 1951 e 1957, duas visitas de seu filho, o Príncipe Aly Khan, e do seu irmão, o príncipe Sadrudin, marcariam a comunidade e a elite colonial laurentina (receções oferecidas pelas autoridades da cidade e pela boa sociedade laurentina). Bayat, meh’mani e casamentos tiveram igualmente lugar ao mesmo tempo que jornais e revistas da capital o salientavam.

37Nos jornais da colónia as notícias sobrevalorizam a dimensão mundana, ou apenas dão visibilidade às elites da comunidade. Tal é o caso da publicidade dada ao almoço oferecido pela família Babool ao representante do Conselho Supremo de Aga Khan, proveniente de Nairobi para visitar a sua comunidade em Moçambique e na África do Sul (Notícias de LM de 10/12/47). No entanto, a presença do eminente emissário, neste final do ano de 1947, faz-nos supor que teriam sido na ocasião transmitidas diretivas importantes a uma elite restrita relativas às consequências para a comunidade da independência da Índia, algo que, nesse contexto, muito dependeria, por certo, do posicionamento a assumir face ao Estado do Paquistão e à Grã-Bretanha.

  • 11 Muhammad Ali Jinnah (1876-1948) foi o chefe da Liga Muçulmana entre 1913-1947 e primeiro governant (...)

38Ora vejamos, em agosto de 1947, tiveram lugar em Lourenço Marques as cerimónias de celebração do momento político vivido no subcontinente indiano. Os eventos, relatados no Diário Notícias de LM, 15 de agosto de 1947, sem que seja mencionada a presença de qualquer personalidade portuguesa, realizaram-se em três locais sob os auspícios de Sir Andrew, cônsul geral de Inglaterra. Os hindus e os parsis reuniram-se na Escola Barath Samaj para festejar a independência da Índia, os muçulmanos sunitas na Escola mahometana, para celebrar a criação do Paquistão e seu alinhamento com as posições de Ali Jinah11. Todos os indianos sem distinção foram convidados pelo consulado britânico. Num discurso aí pronunciado na ocasião, Tharani, ismaili originário de uma família pioneira da capital, não se coibiu de sublinhar o mérito da obra da Inglaterra ao conduzir a Índia à independência, não sendo responsável pelos conflitos que a dividiam no momento.

39Este posicionamento de um representante dos ismailis difundido pela imprensa, quando comparado com outros grupos indianos (sunitas, parsis, hindus), revela tanto uma reserva notória face ao novo Estado do Paquistão e uma desconfiança total quanto ao futuro da União Indiana como dá a entender uma aproximação estratégica à potência colonial britânica.

A carta do Sultão Mohamad Shah a Salazar (junho 1951)

  • 12 Pide/DGS, Processo 749 /73.CI(2)

40Em carta datada de 5 de junho de 1951, Aga Khan III reitera ao presidente do Conselho, A. de Oliveira Salazar, a lealdade da sua comunidade para com o Império português nos momentos cruciais da história política da Índia moderna12.

41Por um lado, podemos nela observar o grande discernimento estratégico do Sultão Mohamad Shah. Convém também recordar que, ainda que Aga Khan III tenha feito a escolha do nacionalismo muçulmano ao assumir a presidência da Liga muçulmana pan indiana em 1907 demitiu-se dessa função ao constatar, no seu seio, a radicalização das reivindicações. Sublinhe-se que, nos anos 30, o seu combate em defesa de uma espécie de federação de Estados Unidos da Ásia do Sul, no quadro da qual teria almejado que lhe fosse atribuído um território, não mereceu o aval da potência colonial. Com efeito, para ele, a «divisão» do território da Índia era sinónimo de «amputação».

  • 13 Mohamed Iqbal (1877-1938), poeta e filósofo muçulmano originário da India britânica é considerado (...)

42Por outro, e mesmo paradoxalmente, Aga Khan III tinha pedido aos seus discípulos (e mesmo aos que residiam na África Oriental) que se instalassem em Karachi, capital e pólo de uma nova economia emergente. E fê-lo por razões económicas e não ideológicas, dado que as suas posições acerca da criação de um Estado para os muçulmanos indianos não coincidiam nem com as de Mohamed Iqbal acerca da criação de um Estado para os muçulmanos indianos, nem com as de Jinnah, primeiro governante do Estado do Paquistão13. A criação deste novo Estado foi, em grande medida, sustentada graças ao apoio financeiro dos Khojas duodecimanos.

  • 14 Menon (1896-1974): fundador da «Indian League» em 1920, alto Comissário da Índia na Grãbretanha (1 (...)

43Enfim, os anos cinquenta foram marcados pelas primeiras resistências à colonização britânica na África oriental. Começava então a emergir a ideia de que os indianos educados pudessem vir a ocupar postos de direção e de responsabilidade após a saída dos britânicos. A visita de Menon em 1947 a África e os seus discursos suficientemente claros acerca da inoportunidade do regresso à mãe pátria dos indianos ali fixados, confrontada então a Índia com inúmeros problemas, encorajou o estabelecimento de novas alianças daquele lado do Oceano Índico14. Para o Sultão Mohamad Shah, garantir a segurança das suas comunidades que aí residiam era, portanto, essencial. Por um lado, tratou de negociar para elas o acesso a passaportes de nacionalidade paquistanesa (o consulado britânico em Nairobi ocupou-se dessa tarefa) por outro, empenhou-se em garantir a lealdade das suas comunidades às potências coloniais, entre as quais a portuguesa.

A crise de Goa e os indianos nas duas margens do Império

44A independência da Índia, em 1947, provoca um sobressalto em Portugal e reacende o interesse do Estado Novo pelo antigo império asiático até então merecedor de atenção residual no quadro da sua governação colonial. Numerosas medidas foram então meticulosamente ensaiadas, executadas e racionalizadas em obediência à ideologia de uma Nação que se projetava no mundo como multiracial e pluricontinental. Tal ação inseriu-se num jogo de alianças e de apoios internacionais que iriam evoluir entre o final da segunda guerra mundial e a perda e o regresso de Goa, Damão e Diu à União indiana, em 1961.

45É certo que, com esta focalização no Estado da Índia, Portugal tinha verdadeiramente em vista a preservação do seu império africano, objetivo em que apostava a longo prazo. É neste sentido que, na época, para o governo de Salazar, perder Goa anteciparia inexoravelmente a perda das suas colónias africanas

Os indianos de Moçambique no contexto da crise de Goa

46O início dos anos sessenta é marcado pelas lutas de libertação nos países africanos e asiáticos. Em Moçambique, a população inteira-se com dificuldade das notícias através das rádios que emitem do estrangeiro dado que a censura que recai sobre a imprensa da colónia distorce e encobre a natureza e evolução dos acontecimentos, tanto em Angola como no Estado da Índia. Assim, ao mesmo tempo que a crise de Goa é anunciada com a denúncia da política dita de agressão da União indiana (Notícias de LM,17/08/61) difunde-se que Angola é ameaçada pelo «terrorismo e banditismo de bandoleiros desesperados» (Notícias de LM,2/08/61). Se os indianos, de maneira geral, são diretamente atingidos por estes dois acontecimentos, em Moçambique a sua existência é afetada a dois níveis.

  • 15 Em reação à ocupação de Goa pela União Indiana em 1961, o governo colonial em Moçambique ordenou a (...)

47Primeiramente, nas relações que o Império estabelece com os seus indianos. Assim, a questão de Goa, marginal para o regime nos anos 30, passa a ser motivo de inquietação no contexto da independência da União Indiana em 1947, e suscita uma séria preocupação daí em diante, ou seja, após a retrocessão ao novo país dos territórios de Dadra e Nagar Aveli, em 1954 (uma questão que Portugal submete ao Tribunal de Haia) e dadas as consequências devastadoras do posterior bloqueio a Goa, Damão e Diu decretado pela União Indiana. A situação de tensão prolongar-se-ia até à invasão de Goa pelo exército indiano em dezembro de 1961. Ora na época, a definição da especificidade da identidade goesa (recuperação do tema da «lusitanização» de Goa, ativamente difundido desde o final da Segunda Grande Guerra) versus uma identidade indiana, afeta particularmente os goeses que vivem na colónia africana e implica para o regime colonial uma clara distinção entre quem são os nossos amigos e os nossos inimigos. Para o governo português, o critério adotado é o da nacionalidade: uma boa parte dos hindus detêm o passaporte da União Indiana, enquanto uma boa parte dos sunitas e a totalidade dos ismailis obtiveram a nacionalidade paquistanesa, que os salva de uma confusão dramática. No entanto, na experiência vivida do momento, vão confundir-se múltiplos referenciais identitários. Por um lado, «nós dizíamos que éramos portugueses, mas muçulmanos», mas nessa altura «tivemos que mostrar que éramos paquistaneses», afirma uma entrevistada, e por outro «preservámos as relações com os hindus (laços de amizade, vizinhança e profissionais) que estavam nos campos de internamento visitando-os ou guardando-lhes os seus bens de valor, as suas jóias» (entrevista Lisboa 2008) 15.

  • 16 Precise-se que a Constituição Política da República Portuguesa de 1933 (Decreto 22465, 22 abril) i (...)

48O segundo nível respeita a questão de Moçambique per se ou no seio do Império. Este território situa-se na confluência de três polaridades que forjaram a sua história. A primeira, remete para o longo período tecido pelos laços comerciais e culturais entre a costa oriental africana e a costa ocidental da Índia. A segunda, mais recente, data dos finais do século xix, e marca a sua integração regional na África Austral, através da mobilidade de homens, capitais e mão de obra. A terceira polaridade subordina, no século xx, a vida socioeconómica desta colónia à metrópole que a administra, sobretudo a partir dos anos 30. Poderia a perda de Goa conduzir ao renascimento de uma política mais atenta às dimensões de autonomia relativa, económica e administrativa, ou marca ela o início do fim do império africano português? É pois, do interior de um conjunto diversificado de soluções apresentadas na época pelos responsáveis do regime na metrópole que surge o sobressalto em torno da definição da melhor política a seguir nas colónias, e nomeadamente em Moçambique, com medidas variadas: do apaziguamento das relações à realização de uma assimilação das populações autóctones com o fim do regime do indigenato em 1961/62, passando pela execução prática de uma política mais eficaz de ‘portugalização’ (língua, códigos culturais, escolarização). Novas formas de integração dos territórios ultramarinos no espaço português se desenham então a partir de uma dinâmica de industrialização e da mobilização de novos fluxos de migração branca, consumidores potenciais num mercado interno alargado que as guerras coloniais viriam a favorecer. Nos anos 70 a retórica da ordem colonial transformaria as Províncias ultramarinas, outrora Colónias, em Estados, tentativa tardia de atestar a diversidade cultural no seio da propalada Nação portuguesa pluricontinental e pluriracial16. É este novo quadro que servira de referencia a toda a sociedade colonial e, naturalmente, aos indianos e aos ismailis em particular.

Do outro lado do oceano: Aga Khan e Goa (Outubro de 1960)

49No outro lado do Índico, nos territórios de Goa, Damão e Diu, vivem, até hoje, comunidades ismailis não muito numerosas. Em Damão, a sua instalação está confirmada desde a segunda metade do século xviii. Uma dezena de pessoas constam do recenseamento britânico de 1881, mas os registos portugueses só em 1914 revelam a sua presença. Em 1950, 150 à 200 fiéis, segundo as fontes ismailis, vivem em Damão, Dadra, Nagar Aveli (Silvassa) e Khanvel.

50A jamatkhana de Moti Damão, doação de uma mulher abastada da comunidade, funciona entre 1920-25 e 1996, data do seu encerramento devido ao número reduzido de fiéis que aí residiam. Os ismailis, maioritariamente proprietários rurais ou caseiros, dedicavam-se, com os membros da família residente na cidade, ao comércio de cereais e da madeira. Já Aga Khan I havia aí visitado a sua comunidade, a caminho de Karachi até Bombaim.

  • 17 Pradhan (2014).

51Tal como em Moçambique, os escuteiros de Damão gozavam de grande reputação. Para além das funções assumidas por ocasião das festas comunitárias, estiveram presentes no dia da inauguração da ponte de Damão assim como nas celebrações de Natal, em 1944, em Silvassa, momento em que uma condecoração lhes foi atribuída pelo governador da cidade. Em 1949, Aga Khan III faz uma visita relâmpago a Damão mas não visita a jamatkhana. A partir de 1954, os ismailis partilharam com os portugueses todos os inconvenientes resultantes da limitação de circulação de pessoas e bens e do bloqueio económico decretados pela União Indiana, o que afetou o seu estatuto de proprietários e comerciantes. Gozaram também das vantagens de que beneficiavam os cidadãos portugueses. Segundo os relatos dos membros da comunidade «the Portuguese government supplied everything to the people so that they may not face any kind of shortage of domestic requirements but they were not allowed to travel back and forth from Damao»17.

  • 18 Arquivos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, MNE, Lisboa, 946, 2, pp. 65-79.

52Em 1960, Goa recebe uma importante visita oficial de Aga Khan IV, planificada para outubro de 1960, preparada desde o início desse ano. Uma densa troca de correspondência entre Lisboa, Goa e Karachi, preocupa-se em organizar a viagem e as cerimónias de receção, com a dignidade devida a um chefe de Estado merecedor de todas as honras militares e escolta. Garantem-se também os detalhes do seu programa tanto oficial como comunitário18.

53A imprensa de Goa (Diário de Notícias) e a do Paquistão (Sunday Morning News, Dawn, Pakistan Times, The Sunday Statesman) cobrem o acontecimento que decorre nos dias 27, 28 e 29 de outubro, seguindo o mesmo modelo das visitas efetuadas pelo Sultão Mohamad Shah e sua família a Moçambique em 1945, 1946, modelo que, aliás, não se afasta substancialmente do que a imprensa nos dá igualmente a conhecer, a partir dos anos 80, por ocasião das visitas que, desde então, Aga Khan IV, Príncipe Karim, tem realizado a Portugal. Os dois aspetos, o oficial e pastoral merecem atenção. Em Pangim, é recebido no Palácio do Cabo de Margão pelo então Governador, General Vassalo e Silva e o presidente da Câmara, Amando Álvares, e aí fica instalado. Após um passeio pelo parque, que recebe o seu nome (Jardim Aga Khan), encontra a sua comunidade, cerca de 2000 fieis, no edifício da Jamatkhana, recentemente construído pela família Mavany, grandes comerciantes de Goa. Um dos filhos profere o discurso de receção. Segue-se a inauguração do espaço da oração comunitária.

54A visita prossegue em direção à municipalidade de Salcete cujo presidente recorda no seu discurso que esta «província portuguesa reflete a fusão harmoniosa de duas grandes civilizações, a ocidental e a oriental» ao qual retorquiu sua Alteza que

  • 19 Arquivos do (MNE), Lisboa, ID.

Desde a morte de meu avô (Aga Khan III, falecido em 1957), viajei 300 000 milhas e estou absolutamente convencido de que não haverá futuro se não eliminarmos os preconceitos da história e enfrentarmos os factos...V.Exa referiu-se à história da minha família e à sua grandeza. Ouvi dizer que as comunidades estão a viver neste país harmoniosamente. Aqueles países que conseguiram reunir várias comunidades e crenças, harmoniosamente podem apontar o caminho do mundo19.

  • 20 É bem sabido que, desde os anos 50, o tema do lusotropicalismo em Goa teve o seu eco a partir dos (...)

55Estamos em crer que é difícil reduzir o conteúdo desta resposta apenas ao seu valor estratégico. Tratar-se-ia aqui de apontar um modelo de sociedade multiétnica e multicultural diferente de um só modelo étnicocultural nacional? Poderia Portugal apontar o caminho para uma nova modernidade, num contexto em que a União Indiana e o Paquistão se encontravam presos na tormenta de conflitos de depuração religiosa ligados à manifestação de posições radicais? Tratar-se-ia ainda de uma harmonia entre comunidades e credos que remetiam para a especificidade da história da colonização portuguesa ou então de um espaço conseguido de interceção com outras identidades? Mas então, em que lusotropicalismo ou em que lusotopia pensava ele?20 Não podemos afastar estas suposições dado que a situação de Goa propicia uma certa analogia (ainda que limitada) com o seu estatuto de chefe religioso de comunidades alinhadas a heranças religiosas diversas (árabes, persas, indianas) e pertencendo a diferentes impérios ou estados-nação nos quais elas são efetivamente duplamente minoritárias (relativamente às religiões maioritárias e relativamente à própria corrente xiita do islão). A visita a Salcete conclui-se com a oferta de dez bolsas a estudantes goeses, sem distinção de religião, para que possam prosseguir os estudos nas universidades portuguesas.

56A última oração é conduzida no Hall do Palácio de Idal Khan21. Ao presidente da comunidade ismaili de Goa coube pronunciar a mensagem de adeus cujo texto foi entregue ao Imam numa urna em ouro incrustada de diamantes.

57Dois elementos altamente interessantes sobre esta visita são relatados pela imprensa do Paquistão. O Pakistan Times de 29 de outubro noticia que a Grão-Cruz da ordem do Infante D Henrique é atribuída a Aga Khan pelo governo português de Goa. O Dawn de 19 de novembro difunde o conteúdo de uma mensagem deixada por Aga Khan à Radio Goa e contendo uma vertente económica e outra política.

With reference to my comunity, I believe that they are doing very well and this is due to the government’s economic policies. I hope in the future they will go into the field of light industries but as his Excellency the Governor points out, any question which is connected with industry will be connected with power and as long as power is expensive, it makes the light industries difficult. But I think there is a very good potential in Goa for light industries and home industries and I hope that once the power problem has been solved, my comunity will go into the field. To end this message, I would simply like to repeat the advice I gave to my young comunity for their own benefit, which was to owe their loyalty to the government which is giving them protection and facilities, and in a secular field, they must give their full loyalty to the government here in Goa. To the other people of Goa, I wish the very success and happiness and prosperity.

58Enfim, um jornal indiano pró-comunista, o Blitz, na sua edição de 3 de dezembro, afirma que em conversações entre as autoridades portuguesas e o Príncipe Karim, Goa foi considerada como refúgio possível para os seus fiéis residentes nos territórios britânicos de África tendo em conta a vaga de nacionalismos que submerge todo o continente africano e as dificuldades que teriam em emigrar para a União Indiana ou para o Paquistão. Estaremos face afirmações verídicas ou apenas perante uma invenção do jornal? Na verdade, o que importa realçar é o papel desempenhado por Goa, ou seja pelo espaço português, no contexto destas afirmações. Tal leva-nos a estabelecer um paralelo com o que se passaria mais tarde, quando em 1975 um novo governo português saído da revolução de abril de 1974 é solicitado a acolher as comunidades ismailis da África Oriental e não apenas as oriundas de Moçambique.

A Comunidade numa África que se Descoloniza

59Em 1961, o governo português solicita expressamente à administração colonial em Moçambique que lhe forneça os «elementos acerca da atividade dos indianos na Província». Trata-se de um momento muito delicado, o da «restituição» forçada de Goa, Damão e Diu à Índia independente.

Dois relatórios (1961, 1962) sobre a Comunidade Ismaili

60O autor do primeiro relatório designa eufemisticamente a restituição forçada por «acidente da União Indiana» e pergunta qual a atitude adotar face a este grupo de «industânicos súbditos de Aga Khan»? A comunidade ismaili uma vez que esta tida como diferente dos outros indianos, que tipo de aliança poderia proporcionar ao regime?

  • 22 Matos, António Maria, 1962, p. 16.

Eles participam plenamente no estilo de vida nacional, adotando os mesmos usos e costumes, integrando-se já em todas as atividades profissionais para além da tradicional atividade comercial. Eles ofereceriam então, como prova da sua adesão à Nação portuguesa, ainda que tal não fosse legalmente reconhecido, a possibilidade de serem utilizados como mediadores, na compreensão e na paz com o Tanganica e o Quénia, onde as suas comunidades são muito influentes, a fim de obter dos futuros governantes a garantia de relações politicas satisfatórias para Moçambique, …entre eles, contamos com reconhecidos comerciantes e industriais de Moçambique, dotados de uma grande sociabilidade com outros grupos sociais e religiosos…22.

  • 23 Rebelo, Domingos José Soares, 1961, p. 83.

61Outro opúsculo, publicado em 1961, dá conta da presença socioeconómica dos «maometanos shias» e sublinha a tentativa frustada de que se revestiu a recolha de dados junto aos seus crentes. Nenhuma informação lhe seria facultada. Mesmo assim, fornece-nos, a partir das fontes disponíveis, um balanço bastante credível do número de ismailis residentes na colónia em 1961: um total de 1750 indivíduos de ambos os sexos, dos quais 1250 vivem no Norte e 500 a sul, sendo 80% nascidos no território. Estes últimos beneficiam pois da nacionalidade portuguesa e são os descendentes «dos colonos pioneiros que entraram na província nos últimos anos do século passado […] é raro encontrar famílias fixadas há mais de três gerações»23.

62Se a invisibilidade dos ismailis resulta da adoção sucessiva pelas estatísticas oficiais de categorias politicamente corretas (indo-portugueses, indo-britânicos, portugueses, paquistaneses), os documentos oficiais não hesitam frequentemente em englobá-los no termo pejorativo de monhé(s), designação correntemente utilizada na colónia para nomear todos os indianos muçulmanos. O termo monhé(s), corruptela da palavra swahili muwhene, remetia, contudo, na sua origem, para a intenção de valorizar aquele que assim era chamado, e designava um homem muçulmano detentor de educação e de sabedoria. Para os portugueses e mesmo para os africanos, este termo cujo sentido foi invertido, traduz o sentimento de desprezo que acompanha a hierarquia das raças própria a uma sociedade colonial.

O fim do império e a partida da comunidade sob os auspícios do seu chefe

  • 24 Melo, A., 2008.
  • 25 Os rumores em torno da partida desta comunidade e suas implicações constam do relatório do chefe d (...)

63Segundo os dados disponíveis, graças a um trabalho académico pioneiro, a preparação da partida começa em 1972 e a saída conclui-se em dezembro de 197524. Abandonam Moçambique à volta de 600 famílias, avaliadas em 3 810 pessoas. A maioria deixa a colónia após junho de 1975 (3000 pessoas), apenas 810 partiram anteriormente25.

  • 26 Os indivíduos originários da Índia puderam adquirir a nacionalidade portuguesa de duas maneiras: s (...)

64No tratamento estatístico dos retornados, os indianos de Moçambique, entre os quais os ismailis, foram incluídos na corrente de repatriados e portanto contabilizados como portugueses26. Em comparação com a saída massiva dos colonos portugueses durante o ano de 1975, a da maioria dos ismailis acontece no mesmo período (de junho de 1975 a junho de 1976).

65Ainda que este paralelismo seja irrefutável no plano quantitativo, ele é omisso quanto à dimensão qualitativa que envolve a partida da comunidade mobilizada desde dezembro de 1972. Antes de abril de 1974 partiram 310 membros. É possível supor com razoabilidade que o período das saídas massivas, desde junho de 1975, correspondeu ao tempo necessário à mobilização de toda a comunidade, à venda e salvaguarda dos bens, à instalação das famílias pioneiras em Portugal e à transferência dos bens por diferentes meios, mesmo que a independência de Moçambique em junho de 1975 tenha constituído um acelerador.

  • 27 N. Khouri, J. Pereira Leite, 2012, pp. 173-184.

66Tratou-se indubitavelmente de uma partida coletiva e organizada que nenhuma estatística pode revelar. Anunciada como um assunto pessoal, familiar ou coletivo, a partida estava ligada a uma história conjuntural que a legitimava: a intensificação da guerra colonial, o profundo conhecimento do que se passou na África Central e Oriental após as independências (a africanização dos quadros no Quénia, a nacionalização dos bens dos indianos na Tanzânia, as expulsões do Uganda, as dificuldades económicas e políticas no Congo), a situação de caos que se instalou no norte da colónia, no distrito de Moçambique, as violências dos grupos radicais de colonos empenhados em perpetuar a presença colonial portuguesa tanto ao norte como ao sul e as respostas também violentas dos anticolonialistas fora de controlo. É bem certo que, as narrativas recolhidas se situam entre uma versão em que a partida é uma ordem da Aga Khan para toda uma comunidade, a quem importa persuadir e organizar, e uma outra para quem ela é apenas resultante de uma orientação ou conselho do Aga Khan, a cada um cabendo a responsabilidade da sua escolha. Contudo, a verdade é que, para além dos debates que dividiram certas famílias quanto às opções políticas dos seus, toda a comunidade deixou a colónia à exceção de uma meia dúzia de indivíduos. Uma política conducente à saída, pensada e amadurecida pelo seu chefe deu à comunidade os novos meios de sobrevivência para enfrentarem um novo destino27.

  • 28 S. Trovão, A. Costa, F. Batoréu, 2014; F. de Mira, 2014.

67À história africana sucede uma nova que se abre em Lisboa. A partir de então os fiéis e as instituições comunitárias recordam e analisam o passado africano e dotam-se os meios para viver o seu presente em Portugal e também para garantir uma nova presença em África28.

68Atender à profundidade do campo de relações que a comunidade e os seus chefes estabeleceram com Portugal durante mais de um século permite compreender, sem que daí resulte um valor explicativo causal, o fundamento de todas as novas disposições organizacionais e institucionais que hoje os regem e que evocamos na nossa introdução. A compreensão histórica deste facto social e político, que o jubileu de 2018 comemorativo do sexagésimo aniversário da ascensão ao Imamat de Aga Khan IV consagra, não pode dispensar a realização de um estudo detalhado da história sócioeconómica e política atual dos ismailis lusófonos, cidadãos portugueses, e do seu Chefe na sua relação com o Estado português desde 1975 . Esta última dimensão constitui objeto de um futuro artigo.

69Do mesmo modo, importa ter em conta esta concepção particular de dever religioso, assente na salvação temporal e na realização intramundana, que o Imam do Tempo Presente assegura às suas comunidades, e que constitui, por seu turno, um elemento indispensável à manutenção da sua legitimidade. Só assim estaremos igualmente em condições de entender as estratégias políticas e diplomáticas lançadas por Aga Khan III e Aga Khan IV para salvar as suas comunidades no momento da desagregação dos impérios britânico e português e da nascença dos Estados Nação que lhes sucederam nas duas margens do Oceano Índico.

70A figura do Imam do Tempo Presente (Hazar Imam) é capital num percurso onde, por um lado, os traços recorrentes de uma fina diplomacia baseada numa filantropia moderna e num eficaz sistema de comunicação gerem as interrelações dos seus fiéis com os outros cidadãos e por outro, onde os aspetos institucionais se tornaram cada vez mais estruturantes no interior da comunidade, regida pela Constituição de 1986 , válida para todas as comunidades ismailis, de histórias religiosas e nacionais muito diversas e, de hoje em diante, inseridas num mundo globalizado.

Haut de page

Bibliographie

Fontes Primárias

Arquivo PIDE / DGS Torre do Tombo, Lisboa, Processo 749/73.CI(2)

Arquivos do Ministerio dos Negocios Estrangeiros (MNE), Lisboa : 946,2, pp. 65- 79

Fontes Documentais

Kheshavjee, H. (1949), Aga Khan and Africa, His leadership and inspiration: an illustrated souvenir of the Diamond Jubilee celebrations of His Imamate and His visits to Lourenço Marques and South Africa. ED South Africa.

Imprensa

Expresso, Lisboa, 2017.

Público, Lisboa, 2016.

Notícias, Lourenço Marques,1932, 1947, 1961.

Diário Notícias, Goa, 1960.

Sunday Morning News; Dawn; Pakistan Times; The Sunday Statesman, Paquistão, 1960.

Blitz, India, 1960.

Bibliografía

Alexandre, Valentim (2017), Contra o Vento. Portugal, o Império e a maré anticolonial (1945-1960), Lisboa, Círculo de Leitores.

Ávila, P. e M. Alves (1993), «Da India a Portugal: trajectórias sociais e estratégias colectivas dos comerciantes indianos», Sociologia, n° 13, pp. 115-133. 

Ávila, P. e M. Alves (1996), «Communautés indiennes à Lisbonne», Revue Européenne des Migrations Internationales, vol. 12, n° 1, pp. 141-158.

Bastos, S. (2005) «Indians Transnationalisms in Colonial and post-colonial Mozambique», Vienna Journal of African Studies, 8 (V), pp. 277-306.

Bastos, S. et J. Bastos (ed., 2006), Filhos diferentes de deuses diferentes, Lisboa, Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas.

Bègue, Sandrine (2007), La fin de Goa et de l’Estado da Índia : Décolonisation et Guerre Froide dans le sous-continent indien (1945-1962), Lisboa, Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Boivin, M. (2013), L’âgha Khân et les Khojah, Paris, Karthala.

Esteves, Maria do Céu et al., (1991), Portugal, País de imigraçao, Lisboa, IED.

Franco, V. (1991), «A aquisição da nacionalidade portuguesa», in Maria do Céu Esteves et al. (ed.), Portugal, País de imigração, Lisboa, IED.

Gaboriau, Marc (2002), «L’Inde de 1919 à 1941 : nationalismes, “communalisme”, prosélytisme et fondamentalisme», Revue des mondes musulmans et de la Mediterranée, pp. 95-98.

Hollister, J. N. (1953), The Shi’a of India, London, Luzac.

Kemnitz, Eva Maria V. (2014), «Les Ismailis dans la presse portugaise,1975-2010», in N. Khouri, J. Pereira Leite, (ed.), Khojas Ismaili. Du Mozambique colonial à la globalisation, Paris, L’Harmattan, pp. 253-265.

Khouri, N, J. Pereira Leite (2008), «Les Indiens dans la presse coloniale portugaise du Mozambique,1930-75», Lusotopie 15 (2) Histoires d’Asie, pp. 3-50.

Khouri, N, J. Pereira Leite (2012), «The Ismailis of Mozambique : history of a twofold migration (late 19th century-1975)”, in E. Morier-Genoud e M. Cahen (ed.), Imperial Migrations: colonial Communities and diaspaora in the portuguese world, London, Palgrave Macmillan, pp. 168-189.

Khouri, N, J. Pereira Leite (ed., 2014), Khojas Ismaili. Du Mozambique colonial à la globalisation, Paris, L’Harmattan,

Malheiros, J. M. (1996), Imigrantes na regiao de Lisboa: os anos da mudança, Lisboa, Ed. Colibri.

Masselos, J. C. (1973), «The Khojas of Bombay: the defining of formal membership criteria during the nineteenth century», in I. Ahmed (ed.), Caste and Social Stratification among the Muslims, Delhi.

Matos, António Maria (1962), Estudo sobre Indianos. Direcção dos Serviços de Economia e Estatística Geral, 28 Agosto, 42 pàginas.

Melo, A. (2008), «A diáspora ismaelita – preparação e ‘partida’, vivências da migração dos anos 70», in J. Pereira Leite, N. Khouri (dir.), Lusotopie 15 (2) Histoires d’Asie, pp. 97-102.

Merali, Aziz (2014), Ismailis em Moçambique, Mémorias do Sul, Lisboa, Edição do autor.

Mira, F. de (2014), «Une famille d’entrepreneurs ismaili dans le Mozambique indépendant», in N. Khouri e J. Pereira Leite, (ed.), Khojas Ismaili. Du Mozambique colonial à la globalisation, Paris, L’Harmattan, pp. 295-313.

Pereira Leite, J. e N. Khouri (dir., 2008), La Recherche : Indiens des cinq colonisations de l’Afrique Orientale. Mobilités et identités en diaspora de 1870 à nos jours, Lusotopie, 15 (1), Indiens du Mozambique et d’Afrique Orientale: https://journals.openedition.org/lusotopie/724

Pereira Leite, J. e N. Khouri (2012), Os ismailis de Moçambique. Vida económica no tempo colonial. Lisboa, Ed. Colibri.

Pires R. P. (1987), Os retornados: um estudo sociográfico, Lisboa IED.

Pires R. P. (2003), Migrações Iintegração. Teoria e aplicações à sociedade portuguesa, Lisboa, Celta Editora.

Pradhan, T. (2014), A brief history of the Khoja ismaili community in Daman, India (Simmerg, Insights from around the World), Special to Simerg.com.

Rebelo, Domingos José Soares (1961), «Breves apontamentos sobre um grupo de indianos em Moçambique-a comunidade ismaili maometana», Boletim da Sociedade de Estudos da Colónia de Moçambique, ano 30, nº 128, pp. 83-89.

Trovão, S. e A. Costa e F. Batoréu (2014), «Entrepreneurs ismaili en Angola», in N. Khouri et J. Pereira Leite, Khojas Ismaili. Du Mozambique colonial à la globalisation, Paris, L’Harmattan, pp. 225-251.

Haut de page

Notes

1 Nicole KHOURI: Investigadora associada ao Institut des Mondes Africains (IMAF)/CNRS, Paris. Membro da Association française des anthropologues (AFA): khourinicol@gmail.com; khouri.n@wanadoo.fr; Joana PEREIRA LEITE Investigadora do Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento CESA/ ISEG/Universidade de Lisboa. Professora, aposentada, do Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade de Lisboa(ISEG/ULisboa):joanapleite@netcabo.pt; jleite@iseg.ulisboa.pt

Este artigo retoma e completa uma primeira versão das autoras publicada nos Working papers CESA, nº160, 2017.

2 Kemnitz, E. M. Von (2014), pp. 254-258.

3 Instalação hoje efectiva.

4 (Público, 10 de abril 2016, Expresso, 14 de maio 2016, Expresso on line http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-09-16-Um-deus-na-Terra).

5 Para uma história detalhada da inserção socioeconómica de sucesso da comunidade ismaili de Portugal refira-se os trabalhos de P. Ávila e M. Alves, 1993 e 1996; do ponto de vista antropológico citamos os trabalhos de S. Bastos, 2005 assim que S. Bastos et J. Bastos (ed.), 2006.

6 Desde 1829, movimentos de protesto atravessaram a comunidade dos ismailis nizari. A historiagrafia imputa-os essencialmente a causas materiais tal como a recusa manifestada pelos ricos comerciantes ismaili de Bombaim em pagar à comunidade o montante da percentagem dos seus rendimentos dasond, exigida pelo Imam, o que conduziu à dissidência um número importante de fiéis. Numerosos foram os khojas nizari que abraçaram o chiismo duodécimano ou mesmo o sunismo. Sucederam-se uma série de dissidências, excomunhões, reintegrações e normalizações (1845, 1851, 1866, 1908). Ver Hollister, 1953; Masselos, 1973.

7 Para mais amplos detalhes ver J. Pereira Leite e N. Khouri, 2012, pp. 27-38 e N. Khouri e J. Pereira Leite (ed.), 2014, pp. 23-31; assim como as avaliações de Merali, estabelecidas a partir de testemunhos e fontes orais recolhidas junto a membros da comunidade Aziz Merali, 2014, 1500 exemplares, Ediçao do autor, disponível CESA /ISEG: https://cesa.rc.iseg.ulisboa.pt e na Biblioteca ISEG/UL: ISEG | Lisbon School of Economics & Management (ulisboa.pt); https://www.iseg.ulisboa.pt/aquila/unidade/DDI?locale=en

8 Nas entrevistas realizadas com os membros da comunidade ismaili em Lisboa (entre 2005 et 2013) e em Maputo (julho e agosto de 2008) privilegiamos a geração de homens e mulheres, nascidos 1945 et 1955, que viveram as últimas décadas da colonização portuguesa em Moçambique e assim puderam transmitir o significado das grandes mudanças que ocorreram no período.

9 J. Pereira Leite e N. Khouri, 2012, pp. 109-195 e N. Khouri e J. Pereira Leite (ed.), 2014, pp. 43-87.

10 A Mocidade Portuguesa é uma organização nacional criada pelo Decreto-Lei n.º 26 611, de 19 de maio de 1936, que pretendia abranger toda a juventude (de 7 aos 14 anos ) – escolar ou não , as cadetes (dos 17 aos 25 anos) – e atribuía-se, como fins, estimular o desenvolvimento integral da sua capacidade física, a formação do carácter e a devoção à Pátria, no sentimento da ordem, no gosto da disciplina, no culto dos deveres morais, cívicos e militares. Com os mesmos objetivos foi aprovado através do Decreto-Lei n.º 28 262, de 8 de dezembro de 1937, o regulamento da Mocidade Portuguesa Feminina (MPF) e pelo Decreto n.º 29453, de 17 de fevereiro de 1939, a Organização foi alargada à Mocidade Portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juventude indígena assimilada. Em 25 de abril de 1974, a Junta de Salvação Nacional procedeu à sua extinção através do Decreto-Lei n.º171/74 da mesma data.

11 Muhammad Ali Jinnah (1876-1948) foi o chefe da Liga Muçulmana entre 1913-1947 e primeiro governante do Paquistão até à sua morte em 1948.

12 Pide/DGS, Processo 749 /73.CI(2)

13 Mohamed Iqbal (1877-1938), poeta e filósofo muçulmano originário da India britânica é considerado pai espiritual do Paquistão moderno. Contudo, a fecundidade do seu pensamento religioso e politico não é redutível à estatura de um simples militante nacionalista da descolonização.Não entraremos aqui nos detalhes que conduziram tanto Ali Jinnah como Mohamad Iqbal à ideia inelutável da partição matéria que até hoje faz parte dos grandes debates da historiografia indiana/ paquistaneza ; as suas decisões surgem no culminar de um longo caminho pleno de armadilhas, sendo que à partida e até aos anos 40, ambos defendiam a posição inversa. Mas, a lentidão ou a indiferença dos britânicos, o uso sistemático dos simbolos hindus pelo Congresso, as reações dos radicais hindus e muçulmanos, o seu falhanço em obter uma representação justa nos governos provincias esatabelecidos pelos ingleses, todos estes elementos convergiram para a necessidade de criar o Estado do Paquistão. Uma excelente sintese destes anos tumultuosos e de seus protagonistas é esboçda no artigo de Marc Gaboriau (2002), editado em linha em 2009.

14 Menon (1896-1974): fundador da «Indian League» em 1920, alto Comissário da Índia na Grãbretanha (1947-1952), Ministro da Defesa (1957-1962) e membro do Parlamento (em 1957, 1962 et 1969).

15 Em reação à ocupação de Goa pela União Indiana em 1961, o governo colonial em Moçambique ordenou a mobilização forçada para campos de internamento de todos os indianos (hindus e muçulmanos) detentores do passaporte daquele país.

16 Precise-se que a Constituição Política da República Portuguesa de 1933 (Decreto 22465, 22 abril) integra as disposições do Acto Colonial (Decreto 18570, 8/7/ 1930), primeiro documento constitucional do Estado Novo, o qual consagra, no seu artigo 3º que « os domínios ultramarinos de Portugal denominam-se colónias e constituem o Império Colonial português». Alterações significativas na política colonial de Salazar operam-se no pós segunda Grande Guerra. A Revisão constitucional de 1951 (Lei 2048, 11 de junho), revoga o Acto colonial e recupera, nos seus artigos 2- parágrafo 2- e 134, os termos oitocentistas de Ultramar e Províncias Ultramarinas. É também sabido que a Lei Orgânica do Ultramar português de 1953 (Lei 2066, 27 de julho) consagra as regras enquadradaoras do regime económico ultramarino e das relações internacionais e abre caminho à institucionalização, em 1954 (DL 39666, 20 de maio), do Estatuto dos indígenas (indigenato) e da política de assimilação. Na época, restrições ainda condicionavam a circulação de pessoas no espaço português (DL 40610 de 25/5/1956). À Revisão Constitucional de 59 (Lei 2100, 29 Agosto) sucedem-se os ajustamentos na ordem colonial da década 60 e 70, no contexto da crescente contestação colonial no Estado da Índia ( retrocessão de Goa Damão e Diu à União indiana,em 1961), do deflagrar da guerra de libertação nas colónias africanas (Angola em 1961, Guiné Bissau 1963 e Moçambique 1964) e do progressivo isolamento internacional do regime que, no entanto, inaugura a sua estratégia rumo à integração Europeia (EFTA a 4 de janeiro 1960). Simultaneamente a política ultramarina reconfigura-se na Política de integração do espaço económico português (DL 44016, 8 /11/1961), consubstanciada num amplo corpo legislativo em que se evidencia, pelo seu significado político e impacto social, a Abolição do estatuto do indigenato (DL 43893, 6 de setembro 1961, revogando o DL 39666). A partir de 1968 a «Primavera Marcelista» acabaria por frustrar as esperanças depositadas no projeto de liberalização do regime e descolonização dos territórios africanos. Adensaram-se assim os custos da guerra e do isolamento internacional do país. É neste contexto que a Revisão Constitucional de 1971 (Lei 3, 16 de agosto) opera ajustamentos cosméticos na política colonial. A Angola e Moçambique é então atribuída a designação de Estados: «Título 7 Das províncias ultramarinas Art. 133.º Os territórios da Nação Portuguesa situados fora da Europa constituem províncias ultramarinas, as quais terão estatutos próprios como regiões autónomas, podendo ser designadas por Estados, de acordo com a tradição nacional, quando o progresso do seu meio social e a complexidade da sua administração justifiquem essa qualificação honorífica».

17 Pradhan (2014).

18 Arquivos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, MNE, Lisboa, 946, 2, pp. 65-79.

19 Arquivos do (MNE), Lisboa, ID.

20 É bem sabido que, desde os anos 50, o tema do lusotropicalismo em Goa teve o seu eco a partir dos escritos de Gilberto Freire, ideias que sublinhavam a especificidade da «Índia Portuguesa», em relação à União indiana – ( especificidade aliás reiterada numerosas vezes, desde o final da segunda guerra mundial, promulgada por um clero nacional e internacional e pelas élites simpatizantes do regime de Salazar) -e que justificavam ideologicamente a sua manutenção como território português. Recordamos que existe uma bibliografia consequente e bem documentada sobre este assunto à qual não podemos consagrar a atenção devida neste artigo. Ver, muito particularmente, Sandrine Bègue (2007) e Valentim Alexandre (2017).

21 Adil Khan (1459-1511), denominado Hidalcão pelos portugueses, foi o fundador do Sultanato de Bijapur na Índia , e desenvolveu a cidade de Bijapur. Governou de 1489 até 1510 ou 1511, faleceu pouco depois de perder Goa, conquistada por Afonso de Albuquerque.

22 Matos, António Maria, 1962, p. 16.

23 Rebelo, Domingos José Soares, 1961, p. 83.

24 Melo, A., 2008.

25 Os rumores em torno da partida desta comunidade e suas implicações constam do relatório do chefe de gabinete do Comando das Forças Armadas de Moçambique dirigido ao chefe de gabinete do Governo geral datado de 6 de Julho de 1973. 0 Governador geral solicitou então a verificação dos elementos constantes neste relatório a qual seria realizada rapidamente pela DGS (Direção Geral de Segurança, nova designação que o Governo de Marcello Caetano atribui à PIDE-Polícia Internacional de Defesa do Estado de Salazar). Confirmada foi a mobilização financeira operada pela comunidade para apoiar a saída dos seus membros mas ficou por confirmar ou infirmar o envio de instruções com esse intuito por parte dos altos dignatários ismaelitas residentes no estrangeiro. “Estado de espírito das populações. Comunidade ismaelita de Moçambique”, PIDE/DGS, Processo 749/73, CI (2).

26 Os indivíduos originários da Índia puderam adquirir a nacionalidade portuguesa de duas maneiras: se residissem numa antiga colónia no momento da Revolução dos Cravos 1974 e tivessem tido a oportunidade de adquirir esta nacionalidade segundo o direito do solo (Jus solis). Ou então, se residissem na Índia portuguesa podiam reivindicar a nacionalidade portuguesa se tivessem nascido antes da anexação destes territórios pela União Indiana em 1961 (Lei 308-75A/ 24 de junho 1975). Sobre o tratamento estatístico dos retornados, ver os trabalhos consagrados de Pires R. P., 1987; Maria do Céu Esteves et al., 1991, V. Franco, 1991.

27 N. Khouri, J. Pereira Leite, 2012, pp. 173-184.

28 S. Trovão, A. Costa, F. Batoréu, 2014; F. de Mira, 2014.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nicole Khouri et Joana Pereira Leite, « Os Ismailis Lusófonos, os Aga Khan e Portugal: mais de um século de história (Sec xix-xxi) »Mélanges de la Casa de Velázquez [En ligne], 53-2 | 2023, mis en ligne le 24 novembre 2023, consulté le 22 février 2024. URL : http://journals.openedition.org/mcv/20283 ; DOI : https://doi.org/10.4000/mcv.20283

Haut de page

Auteurs

Nicole Khouri

Institut des Mondes Africains (IMAF)/CNRS, Paris

Joana Pereira Leite

Investigadora do Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento CESA/
ISEG/Universidade de Lisboa

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search