Navigation – Plan du site
Actualité de la recherche
Comptes rendus

Stéphane Boisselier, Le peuplement médiéval dans le Sud du Portugal. Constitution et fonctionnement d’un réseau d’habitats et de territoires (xiie-xve siècles)

Maria Filomena Lopes de Barros
p. 319-321
Référence(s) :

Stéphane Boisselier, Le peuplement médiéval dans le Sud du Portugal. Constitution et fonctionnement d’un réseau d’habitats et de territoires (xiie-xve siècles), Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2003, 673 p.

Texte intégral

1A obra pretende, segundo o seu autor, compreender como um sistema social se traduz em termos de localização e de como a organização espacial influi nas dinâmicas sociais imateriais, focando a problemática numa região específica, o Sul de Portugal e num período determinado, o compreendido entre os sécs. xii e xv. A assumpção teórica de que toda a morfogénese é uma sociogénese, enforma, pois, uma análise que se consubstancia em quatro grandes temáticas, enunciadas depois da Introdução : Factores e Actores, Povoamento e Articulação dos Habitats, Construção dos Territórios : integração e desmembramento e Problemas de Morfologia dos Habitats.

2No primeiro, equacionam-se os princípios gerais e ritmos evolutivos dos habitats em consonância com os actores sociais, ou seja com a problemática do voluntarismo/mecanicismo do seu aparecimento e organização, e do papel senhorial nessa dinâmica, resultando em mecanismos de definição dos « centros », enquanto polarizadores e subordinadores de vastos territórios. No Povoamento e Articulação dos Habitats procuram-se definir as relações entre esses habitats e a respectiva evolução, numa perspectiva cronológica, que invoca uma progressiva autarcia de centros anteriormente dependentes nos alfozes dos grandes concelhos matriciais da Reconquista, analisando-se os elementos que configuram a centralidade e hierarquizam e estruturam essas conexões (fortificações e igrejas paroquiais). A análise da territorialidade dos concelhos, assim como a constituição de novos territórios políticos por polarização-desmembramento e a sua relação com o poder monárquico e o próprio tecido paroquial, consubstanciam outro vector de observação que conclui na própria materialidade dos habitats, numa articulação dicotómica materialidade/funcionalidade de espaços e de construções, particularmente recintos fortificados e igrejas.

3Numa perspectiva ampla, o autor, com base nos conceitos estruturantes de centralidade, polarização e territorialidade, orienta o trabalho para um debate global sobre as questões do encastelamento. Corrigindo a sua anterior posição de negação desse fenómeno para o Portugal meridional (p. 186), ressalva, contudo, a especificidade da região estudada, sublinhando o facto de, ao contrário do que acontece noutras regiões europeias, não se imporem totalmente os sítios fortificados, deixando largo espaço a uma organização em habitats abertos, pelo menos até ao séc. xiv e particularmente nas zonas próximas dos concelhos centrais [« chefs-lieux »] (p. 183). Facto que lhe permite interrogar-se sobre a existência de um modelo português meridional de encastelamento, de resto como subtítulo de uma secção integrada no capítulo VII (« Un “modèle” portugais (meridional) d’incastellamento ? »).

4No seu conjunto, a obra, como o assume o autor, constitui-se mais como um ensaio metodológico (p. 519) do que propriamente como o estudo propugnado na Introdução, propondo uma grelha de análise que se resolve « numa série de perguntas simples, de aplicação bastante geral » (pp. 519-520). E, por isso mesmo, a conclusão comporta, dois conjuntos de proposições, um primeiro do domínio epistemológico (p. 525) e um segundo do factual (pp. 525-527), inserindo-se, neste último, consequências tão pertinentes com as que relevam para a generalidade da regra da marginalidade e, portanto, da equidistância, relativamente aos centros já existentes, da fundação, aglomeração e sobretudo do desenvolvimento de novos habitats ou, ainda, da determinação de um espaço periférico dos concelhos centrais totalmente integrado, num raio de 5-10 km, em oposição a um espaço mais afastado que dinamiza reivindicações de autarcia política.

5No entanto e pese a essa pertinência, algumas questões se colocam face à própria estrutura da obra. O espaço abordado, vagamente mencionado como o Sul de Portugal nunca é definido, embora se mencione reiteradamente como uma região. Assimilação que se revela pelo menos problemática sob todas as perspectivas, delineando-se, através de critérios geográficos e, mesmo, climatéricos, pelo menos duas regiões, a do Alentejo e a do Algarve, divididas pelo maciço da Serra Algarvia e correspondendo, de resto, a cronologias e processos díspares de integração no reino português e, consequentemente, de apreensão e organização dos espaços e dos habitats. Neste sentido refira-se, por exemplo, que a permanência de uma significativa população islâmica no Algarve determinará pressupostos materiais e imateriais de povoamento, distintos de outras regiões, nomeadamente do Alentejo. A aposta na diacronia, com um modelo de interpretação global, silencia, pois, os mecanismos das sincronias, numa obra que, para mais, assenta num conjunto de fontes, manuscritas e editadas, sobretudo dirigidas â realidade alentejana.

6Por outro lado, alguns reparos se devem fazer a nível bibliográfico. A análise que se refere às dificuldades e limitações metodológicas da toponímia (pp. 222-290) não contempla a produção portuguesa neste aspecto e, nomeadamente um trabalho fundamental de Pedro Cunha Serra, Contribuição topo-antroponímica para o estudo do povoamento do Noroeste peninsular (Lisboa, 1967). Embora aplicada a uma região distinta da analisada pelo autor, os pressupostos metodológicos inerentes a esse estudo mereceriam ser integrados nas suas reflexões sobre esta problemática.

7No seu conjunto a obra de Stéphane Boisselier revela, como os seus anteriores trabalhos, uma perspectiva inovadora no panorama da historiografia portuguesa, pressupondo um desafio constante na enunciação de novas interpretações e problemáticas, numa fecunda interpelação dialógica das fontes e dos seus silêncios e, mesmo, dos próprios medievistas portugueses.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Maria Filomena Lopes de Barros, « Stéphane Boisselier, Le peuplement médiéval dans le Sud du Portugal. Constitution et fonctionnement d’un réseau d’habitats et de territoires (xiie-xve siècles) »,Mélanges de la Casa de Velázquez, 36-1 | 2006, 319-321.

Référence électronique

Maria Filomena Lopes de Barros, « Stéphane Boisselier, Le peuplement médiéval dans le Sud du Portugal. Constitution et fonctionnement d’un réseau d’habitats et de territoires (xiie-xve siècles) », Mélanges de la Casa de Velázquez [En ligne], 36-1 | 2006, mis en ligne le 22 octobre 2010, consulté le 12 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/mcv/2695

Haut de page

Auteur

Maria Filomena Lopes de Barros

Universidade de Évora

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
La revue Mélanges de la Casa de Velázquez est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Pas de Modification 3.0 France.

Haut de page
  • Logo Casa de Velázquez
  • OpenEdition Journals