Navegação – Mapa do site
Elementos para a história da museologia

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade1

Museology as a field of study in Portuguese universities: development and relevance
Irene Vaquinhas

Resumos

Nesta comunicação é feito o levantamento da formação académica em museologia que é oferecida pelas instituições de ensino superior em Portugal (universidades, institutos politécnicos e escolas superiores), procurando-se igualmente captar, através da análise das estruturas curriculares dos vários cursos de 2.º e 3.º Ciclos, como é que o meio universitário tem reagido ao dinamismo observado nas funções e atividades atuais desempenhadas pelos museus, bem como avaliar do seu contributo para a profissionalização do respetivo pessoal técnico.

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • 1 O texto deste artigo reproduz, com ligeiras alterações, a comunicação oral apresentada no Seminário (...)

1No ano de 1988, na apresentação do 1.º Encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, organizado pelo Departamento de Antropologia da Universidade Nova de Lisboa, Henrique Coutinho Gouveia, docente daquela instituição e, ao tempo, diretor do Departamento de Etnologia do Instituto Português do Património Cultural (IPPC), referia que “a presença da museologia no contexto do panorama universitário português é |…| pouco significativa sendo escasso o número de instituições em que é ministrado o ensino nessa área”, esclarecendo que, nos casos em que essa situação se verifica, “|…| reveste |…| um caráter complementar integrando planos de estudo relativos a domínios disciplinares afins” (Gouveia 1991, 1), mais precisamente os curricula de antropologia, de pintura e de escultura (Gil 1991, 33).

2Apesar do aparente alheamento das universidades portuguesas, nessa área de estudos, tendo os primeiros cursos de pós-graduação sido criados, à margem do ensino oficial público, por organismos estatais, sendo dirigidos a funcionários de museus - caso do curso de “Pós-graduação em Museologia”, organizado pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC), em 1981-84 (Freire 1991, 37-48) -, detetavam-se, em seu entender, “|…| sintomas nítidos de mudança”, que teriam, a breve trecho, impacto na “multiplicação do número de realizações e serviços” e no “incremento de oportunidades profissionais” (Gouveia 1991, 2-3).

3Aludia-se, em concreto, à criação, ao nível de estudos pós-graduados, do 1.º curso de museologia, em Portugal, aberto em 1989, na Universidade Lusíada de Lisboa, e, sobretudo, à “explosão museológica” que então se vivia no país, a qual veio colocar o problema da formação qualificada dos quadros dos museus, tanto do Estado como das múltiplas instituições museais que se encontravam em vias de criação, por iniciativa de municípios, de juntas de freguesias, de empresas privadas e públicas, de associações de defesa do património, entre outras organizações (Correia 1991, 49-51).

4Em rigor, o número de museus aumentou a partir da década de 1980: se no período anterior ao 25 de Abril de 1974 não chegavam a uma centena, em 1988 existiam, segundo António Nabais, 216 museus, registando-se, no ano de 1993, 260, números estes que, no entanto, ficam aquém de algumas contagens oficiais. Assim, no I Encontro sobre museologia e educação, realizado no Seixal, no ano de 1995, avançou-se o número de 750, o qual é considerado exagerado por diversos especialistas. Já no âmbito do Inquérito aos museus de Portugal, o estudo incide sobre 530 museus, embora, se reconhecesse que, caso tivessem sido adotados critérios mais rigorosos, só 10% mereciam aquela qualificação (Mendes 2009, 29-30).

5Contabilidades à parte, o aumento do número de museus, a par das novas funções ou missões que lhes são atribuídas, impulsionou o aparecimento e/ou desenvolvimento de profissões ou de formações capazes de responderem aos desafios lançados à realidade museológica e que, em última instância, se refletiram no ensino superior, criando-se novos programas académicos, contribuindo, assim, para a profissionalização de ocupações ligadas aos museus.

6Vinte anos depois, no ano de 2009, o panorama do ensino universitário da museologia apresenta-se “irreconhecível”, como significativamente o qualificou João Carlos Brigola, na comunicação apresentada no Encontro O mercado dos museus e o ensino superior (Brigola 2009, 13-18). Em sua opinião, reforçara-se o investimento humano e material no ensino superior da museologia, tanto ao nível da docência como da diversificação de atividades, o que veio a favorecer a aproximação entre as universidades, os museus e demais instituições museais, muito em particular no que respeita à formalização de parcerias em pesquisas e projetos de investigação, bem como na elaboração de catálogos, contratualização de estágios profissionalizantes e publicação de teses.

7De uma situação de um vazio quase completo transitara-se para um quadro de oferta excessiva, registando-se, no ano de 2009, 9 cursos de mestrado ou de 2.º ciclo, número acima das necessidades nacionais em termos de empregabilidade, com a agravante da sua maioria (mais de metade) se concentrar na cidade de Lisboa (Brigola 2009, 14).

8Reconhecendo que, na base dessa inflação, se encontram, sobretudo, “factores de ordem orçamental e de ordem profissional que se têm vindo a impor nas direções das universidades”, João Carlos Brigola apontava, como soluções para ultrapassar essa situação, a bi-anualidade dos cursos de mestrado ou de 2.º ciclo; a criação de 2 ou 3 pólos descentralizados de formação avançada, ligados em rede; o investimento em cursos de 3º ciclo ou de doutoramento interdepartamentais, assim como a ligação de museus a projetos e a centros de investigação financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

9No transato ano letivo de 2010-2011, a formação universitária em museologia, ao nível de cursos de 2.º Ciclo ou de mestrado, assegurada por universidades, institutos politécnicos e escolas superiores, regista diferenças relativamente ao quadro traçado para o ano de 2009. O número de cursos aumentou, passando de 9 para 12, contagem que apenas se reporta a todos aqueles que incluem a palavra museologia na sua designação oficial (Quadro I).

Quadro I - Estabelecimentos do ensino superior com cursos de mestrado ou de 2.º ciclo na área da museologia (ano letivo 2010-2011)

Instituição

Local

Designação do Mestrado /2.º Ciclo

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Lisboa

Museologia e Museografia

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Univ. Nova de Lisboa

Lisboa

Museologia

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Lisboa

Museologia: Conteúdos Expositivos

Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

Lisboa

Museologia e Museografia

Escola Superior de Artes Decorativas

Lisboa

Museografia e Gestão em Artes Decorativas

Universidade Lusíada

Lisboa

Museologia

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Lisboa

Museologia

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Porto

Museologia, Especialização em Museologia

Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto

Porto

Est. Artísticos, Especialização Estudos Museológicos e Curatoriais

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Coimbra

História, Especialização em Museologia

Universidade de Évora

Évora

Museologia

Univ. Açores (Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais)

Ponta Delgada

Património, Museologia e Desenvolvimento

Fonte: sites web

  • 2 As ações de formação promovidas por museus da Rede Portuguesa de Museus são, de uma forma geral, el (...)

10O seu número seria superior, se se contabilizassem os cursos em áreas afins (ciências do património, estudos curadoriais ou educação museal, entre outros), de 1.º e 2.º ciclo que oferecem cadeiras de museologia nos seus programas curriculares, bem como as pós-graduações (não conferentes de grau) ou as formações feitas em museus e que se destinam prioritariamente aos seus profissionais2 (Quadros II e III).

Quadro II - Alguns estabelecimentos do ensino superior com cursos de mestrado ou de 2.º ciclo em áreas conexas à museologia (listagem não completa)

Instituição

Nível

Local

Designação do Mestrado /2.º Ciclo

Universidade do Algarve

1.º

Faro

Património Cultural (Art., Hist. e Arqueol.)

Universidade Lusíada

1.º

Lisboa

 Ciências do Património

FCSH da UNL

2.º

Lisboa

Conservação e Restauro; História e Património da Ciência, Tecnologia e Inovação

FCSH da UNL

2.º

Lisboa

Ciências da Conservação

Fac. de Belas Artes da Univ. de Lisboa e Fundação C. Gulbenkian

2.º

Lisboa

Estudos Curatoriais

Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica

2.º

Lisboa

Pós-Graduação em Recuperação e Conservação do Património Construído

Universidade Aberta

2.º

Lisboa

Mestrado em Estudos do Património

Universidade Lusíada

2.º

Lisboa

Educação e Promoção Cultural pelo Património

Universidade de Coimbra

2.º

Coimbra

Conservação e Restauro

Universidade de Évora

2.º

Évora

Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural

Escola Superior de Educação do Porto

2.º

Porto

Estudos de Gestão do Património

Escola Superior de Tecnologia de Tomar

2.º

Tomar

Mestrado em Conservação e Restauro

Fonte: sites web

Quadro III - Estabelecimentos do ensino superior com cursos de pós-graduação na área da museologia

Instituição

Local

Designação da Pós-graduação

Escola Superior de Tecnologia de Tomar

Tomar

Gestão de Museus e Colecções de Arqueologia

Fonte: sites web

11Trata-se de um número excessivo de cursos, em confronto com outros países. Mesmo adotando a seleção com base no numerus clausus são todos anuais, exceto o 2.º ciclo em “História, especialização em Museologia”, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que pratica a bi-anualidade desde a sua 1.ª edição, no ano letivo de 1998-1999.

  • 3 Em rigor, são em número de 50, os cursos na área patrimonial, lecionados em 30 estabelecimentos de (...)

12Segundo dados internacionais, considerados não exaustivos, no ano de 1998-1999, em França, a formação académica, no domínio da museologia, repartia-se por 1 curso do 1.º ciclo, 8 de 2.º ciclo e 7 do 3.º ciclo3; em Espanha e nos Estados-Unidos, em igual período de tempo, a oferta, no 1.º caso, nas áreas de museologia e de gestão cultural e patrimonial, alcançava os 18 cursos, enquanto, no 2.º caso, se polarizava por 126 cursos de 2.º Ciclo e 10 de 3.º Ciclo (Laporte, Tolosana 2001, 95-97; Landry 2001, 99-108).

Quadro IV - Estabelecimentos do ensino superior com cursos de 2.º e 3.º ciclos na área da museologia (Ano de 1998-1999)

Países

2.º Ciclo

3.º Ciclo

 

 

 

 

França

8

7

 

Espanha

 

 

18*

Estados-Unidos da América

126

10

 

 

 

 

 

*em gestão cultural, gestão do património e museologia

 

 

 

Fonte: Allard, Lefebvre 2001, 32; 95-108.

13A análise mais pormenorizada do caso português permite concluir pelo reforço de cursos em Lisboa, em relação ao ano de 2009, divididos entre a Faculdade de Letras, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, o ISCTE, a Faculdade de Belas Artes, a Escola Superior de Artes Decorativas, as Universidades Lusíada e Lusófona, mantendo-se, sem alteração, a localização das formações académicas fora da capital (em Coimbra, em Évora, no Porto e em Ponta Delgada) (Quadro V).

Quadro V - Distribuição geográfica de estabelecimentos com cursos de mestrado ou de 2.º ciclo em museologia

Localidade

N.º

%

Lisboa

7

58.3

Porto

2

16.7

Coimbra

1

8.3

Évora

1

8.3

Ponta Delgada

1

8.3

Total

12

100

  • 4 Mais precisamente no Departamento de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Cabo Verde, na c (...)

14A estratégia de desenvolvimento local passa, no entanto, em alguns casos pela extensão da docência em museologia, fora da respetiva área geográfica, situação que se aplica à Universidade de Évora que apoia a formação neste campo de estudos na Universidade de Cabo Verde4. Ou, pelo contrário, como ocorre na Universidade Lusófona, o curso socorre-se de um leque alargado de professores brasileiros, no âmbito de parcerias assinadas com instituições de ensino superior do Brasil.

15A instauração de um novo patamar de excelência com a criação de cursos de 3º ciclo ou de doutoramento foi uma das respostas universitárias à proliferação de formações na área da museologia com consequências na sua relativa desvalorização, bem como à procura social de qualificações académicas mais prestigiantes, procurando-se assim assegurar uma preparação para funções de direção ou para quadros superiores em instituições museais, num meio profissional muito sujeito às vicissitudes políticas ou às iniciativas locais.

16No ano letivo de 2010-2011, foram em número de três, as instituições de ensino superior que disponibilizaram esse tipo de cursos: a Faculdade de Letras da Universidade do Porto em parceria com a Faculdade de Belas Artes desta cidade, o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora e a Universidade Lusófona (Quadro VI). Já o curso de 3.º Ciclo da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa se enquadra na área da História da Arte sendo designado por “História da Arte, especialidade Museologia e Património Artístico”.

Quadro VI - Universidades com cursos de doutoramento ou de 3.º ciclo em museologia

Instituição

Local

Designação do Doutoramento /3.º Ciclo

Faculdade de Letras/Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto

Porto

3.º Ciclo em Museologia

Universidade de Évora (Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência)

Évora

História e Filosofia da Ciência - com especialidade Museologia

Universidade Lusófona

Lisboa

Museologia

FCSH da Universidade Nova de Lisboa

Lisboa

História da Arte, especialidade Museologia e Património Artístico

17Embora, o espaço temporal objeto de análise seja demasiado curto para permitir conclusões definitivas, os dados parecem sugerir que, neste nível de qualificação, o panorama se inverte relativamente à oferta de cursos de 2.º ciclo, esbatendo-se a importância da cidade de Lisboa relativamente a outros pólos de formação especializada.

18Esta conclusão afigura-se poder ser corroborada por outro tipo de informações. Se tomarmos como base de pesquisa, a listagem das bolsas de doutoramento, concedidas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), de 2007 a 2010, sobre temas de museologia, esta demonstra, no que respeita às instituições conferentes de grau, a dispersão universitária.

19No que concerne, pois, ao período de 2007-2010, num total de 11 doutoramentos em curso, correspondendo a 2,7%, da totalidade de projetos inscritos no ramo de “História e Arqueologia” (em número de 407), estes polarizam-se por instituições do ensino superior, com práticas científicas há muito consolidadas (Quadro VII).

Quadro VII - Bolsas de doutoramento na área da museologia concedidas pela FCT de acordo com a Instituição que confere o grau (2007-2010)

N.º

%

Instituições

2

18,2

FLUP - Universidade do Porto

2

18,2

FLUC - Universidade de Coimbra

2

18,2

UE - Universidade de Évora

2

18,2

UL – Faculdade Ciências de Lisboa

1

9,1

FCSH da Univ. Nova de Lisboa

1

9,1

Universidade Complutense de Madrid

1

9,1

Universidade Lusófona de Lisboa

 

 

 

11

100

 

Fonte: Serviço de Bolsas da FCT, DFRH Bolseiros da área da História e Arqueologia

20A falta de informações estatísticas impede conhecer a evolução numérica dos efetivos estudantis, inscritos e diplomados, nos 2.º e 3.º ciclos, de forma a ter-se uma ideia, mesmo aproximada, da produção da mão-de-obra potencial para museus. Apenas em dois casos (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Universidade de Évora) se dispõe de dados sobre o número de diplomados, os quais apontam para uma média anual baixa: 4,7 e 2,6, respetivamente (Quadro VIII).

Quadro VIII - Alunos diplomados / teses defendidas na área de museologia de 2001 a 2011 (FLUC e Universidade de Évora)

 Anos letivos

FLUC

U. Évora

2001-2002

2

0

2002-2003

12

2

2003-2004

0

4

2004-2005

2

5

2005-2006

3

5

2006-2007

2

1

2007-2008

6

2

2008-2009

5

1

2009-2010

9

6

2010-2011

6

 

Total

47

26

Média anual

4.7

2.6

Fonte: Serviço Académicos da Universidade de Évora /Divisão de Estudos Pós-Graduados / Estatísticas para o MCTES; Nº de Teses/Relatórios defendidos na FLUC

21Tenha-se em linha de conta que, no caso da FLUC, o curso de museologia é bi-anual, ou seja, só tem lugar de dois em dois anos.

22De modo idêntico, pouco se sabe sobre a inserção dos novos mestres no mercado de trabalho dos museus ou em setores culturais afins.

Análise dos planos curriculares

23A resposta universitária às mudanças ocorridas no campo das atividades museais não se circunscreve apenas à abertura de novos cursos, à elevação do nível de estudos e ao investimento na captação de novos públicos.

24A análise dos planos curriculares dos 2º ciclos permite detetar uma evolução que visa acompanhar as mudanças estruturais ocorridas no mundo dos museus, mais precisamente a passagem de políticas museais assentes na transmissão e na conservação patrimonial para modelos empresariais orientados para uma adequada gestão económica e financeira, a qual implica a valorização, junto do público, dos respetivos patrimónios.

25Nesse sentido, os planos demonstram uma vertente profissionalizante centrada em quatro eixos principais:

  • em 1.º lugar, na comunicação e na receção de saberes, sobretudo ao nível dos discursos expositivos, das práticas e das tecnologias da informação ou inclusivamente dos estudos de público. Por outras palavras: a importância atribuída na atualidade às estatísticas de frequência de museus, bem como os cortes nas dotações orçamentais obrigam os museus a prestarem grande atenção tanto aos públicos como aos não-públicos, na designação de Pierre Bourdieu e de Alain Darbel, preocupações que se afiguram estar presentes nos programas curriculares de museologia.

  • em 2.º lugar, um vetor de disciplinas focalizadas na problematização teórica da museologia, em grande parte escorada no conhecimento histórico e outras áreas científicas próximas (antropologia, sociologia…);

  • em 3.º lugar, uma incidência disciplinar na gestão e na administração de museus (planeamento, modelos de gestão e de financiamento…), dando-se relevância ao estudo de estratégias de marketing que visam, em última instância, atrair aos museus grupos sub-representados;

    • 5 Os planos curriculares dos diversos cursos de mestrado ou de 2.º ciclo na área de museologia, dispo (...)

    em 4.º lugar, um núcleo de disciplinas centradas nas questões patrimoniais e na história da arte (tratamento, conservação, enquadramento jurídico, restauro, entre outros)5.

Quadro IX - Áreas das disciplinas dos planos curriculares de museologia (por ordem descendente de incidência temática)

Áreas de especialização

N.º

%

Comunicação

19

20.9

História / Teoria Museológica

18

19.7

Conservação / Restauro

10

10.9

Investigação

9

9.8

Gestão

8

8.79

Património

7

7.69

História / História da Arte

7

7.69

Arquitectura

6

6.6

Museografia

3

3.29

Gestão / Programação

3

3.29

Sem identificação

1

1.09

Total

91

100

26Por outras palavras, os planos curriculares evidenciam uma aproximação aos campos das indústrias culturais, aos métodos da gestão e às políticas educativas, procurando, desta forma, o ensino superior ir ao encontro das funções desempenhadas pelos museus da atualidade. Pode aplicar-se, neste contexto, uma afirmação proferida por Dubois, em 1998, para quem “O desenvolvimento da autonomia estatutária, financeira e pedagógica da universidade obriga a considerá-la como uma instituição cujas missões são definidas pelo Estado, mas igualmente como um conjunto de profissões científicas e, cada vez mais, como uma empresa produzindo conhecimentos e diplomados para um mercado” (Cordier 2001, 25).

27Os curricula não deixam, contudo, de manifestar alguns paradoxos. No momento em que as instituições museais atribuem grande importância às questões educativas, estas ocupam, nos planos analisados, um papel secundário, sendo enquadradas por outras matérias. De igual forma, está subalternizada a investigação científica, para a qual o ensino superior está diretamente vocacionado, e que importa incentivar. A principal exceção respeita sobretudo aos museus de ciências, os quais têm uma longa tradição neste campo, ocupando os estudos de coleções um espaço privilegiado nas suas atividades, em estreita ligação com o ensino universitário. A formação em história da arte tem também uma prática regular de visitas a museus e de estudos das obras artísticas.

28Convém lembrar que, em Portugal, as cadeiras de Museologia começaram por se alojar na Licenciatura de Antropologia (caso da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), a partir dos anos 1980, onde constituía uma “introdução à museologia, com particular incidência no caso dos museus de etnologia, de modo a revelar aos alunos um campo de conhecimento e potencialmente uma via de profissionalização” (Gouveia 1991, 225).

29Trata-se de uma situação distinta da vizinha Espanha, país onde a museologia começou por se incorporar nas Faculdades de Belas Artes, bem como de Filosofia e Letras, mais precisamente, neste segundo caso, na Licenciatura em História (situação que se aplica, entre outras, às Universidades Complutense, de Madrid, e à de Salamanca).

30Muitos outros aspetos poderiam ainda ser explorados a partir da relação entre museus e ensino superior, como é o caso, entre outras hipóteses possíveis, do enquadramento profissional do corpo docente, no sentido de determinar o peso de técnicos superiores de museus no ensino lecionado, bem como a internacionalização dos cursos e o seu impacto no exterior captados através da frequência de alunos estrangeiros, entre outros aspetos.

31Convém, ainda, realçar que esta área da docência tem estado muita atenta às potencialidades das novas tecnologias e enveredado por novos caminhos de difusão e de partilha de saberes, dinamizando redes sociais na internet, como a Museologia.porto, a qual foi iniciada por Alice Semedo, docente da Faculdade de Letras da Universidade do Porto; o blog No mundo dos museus ou a lista Museum, plataforma de difusão de informação no âmbito da museologia e do património cultural. Esta última nasceu no contexto do Mestrado em “Museologia e Património Cultural” da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, fruto do empenho e da dedicação de um dos seus docentes, José d´Encarnação, tendo sido publicamente reconhecida a sua utilidade social, ao ser-lhe atribuído o prémio APOM 2010 da “melhor comunicação on-line”.

Em conclusão

32Face à antiguidade dos museus, a museologia, como campo de estudos no ensino universitário, é muito recente, encontrando-se ainda em processo de construção e de reconhecimento. Porém, independentemente das mudanças em curso, o levantamento efetuado, para o ano letivo de 2010-2011, a partir dos sites web da grande maioria dos estabelecimentos de ensino superior portugueses, demonstra, de uma forma inequívoca, que a museologia não só entrou em força nas universidades portuguesas como constitui a matriz de uma profunda renovação da formação profissional dos museus e demais instituições museais.

33Ao assegurar novas competências e saberes tem contribuído para alargar o leque de atividades disponibilizadas pelos museus em áreas tão distintas como a dinamização sócio-cultural, a educação, a conservação, a exposição, etc. A análise dos programas curriculares também deixou claro que se tende a articular a vertente interdisciplinar com a preocupação em englobar as diversas funções dos museus, associando-se questões de ordem teórica com aspetos práticos e técnicos.

34Porém, no momento em que existem doze cursos de formação pós-graduada em Portugal, importa, acima de tudo, refletir no ensino que é ministrado, avaliar das suas vantagens e insuficiências, e incentivar uma colaboração mais estreita com os museus. Impõe-se neste campo determinar, com maior precisão, que formação se pretende dar: se um museólogo generalista, se um professional especializado, se um “educador de museu”. Aliás, esta última categoria é defendida por numerosos autores (Mendes 2009, 41-43).

35No nosso país, por oposição a outros onde a oferta editorial é extensíssima, não existem livros-guia ou manuais, adequados às exigências de cursos especializados e tendo como casos de estudo museus portugueses. Não deixa de ser um pouco paradoxal, face à ausência de publicações desta natureza (um exemplo de todos conhecido é a obra coordenada por Maria Beatriz Rocha-Trindade, Iniciação à museologia (Lisboa, Universidade Aberta, 1993), a qual constituiu, ao tempo, um trabalho pioneiro, que se conheça com mais pormenor, museus espanhóis ou britânicos, do que os museus portugueses ou que estes sejam dados como casos exemplificativos.

36Creio que se impõe que a docência universitária se projete também neste campo, o que pode ajudar a constituir também uma forma de autoavaliação, no sentido de se alcançar um melhor conhecimento do que se faz em museologia, como se faz e para quem se faz. Impõe-se também, e creio que as universidades também poderiam ajudar bastante nesse campo, avaliar do impacto dos museus nas comunidades em que se inserem. As potencialidades do ensino superior da museologia constituem, pois, um campo em aberto.

Topo da página

Bibliografia

Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa.

Alarcão, Adília. 1998. “Museus e universidades que relação?”. Jornal de Coimbra, 2 a 8 de Dezembro, ano XII, n.º 584.

Lefebvre, Bernard, e Michel Allard, dir. 1994. Le musée un projet éducatif, Montréal (Québec): Les Éditions Logiques.

Carreño, Francisco Javier Zubiaur. 2004. Curso de Museologia. Gijón: Ediciones Tréa, S. L.

Cordier, Jean-Pierre. 2001. “Les formations muséales en France”. In La formation en muséologie et en éducation muséale à travers le monde, ed. Michel Allard, e Bernard Lefebvre, 15-50. Québec: Editions Multimondes.

Brigola, João Carlos, 2009. “O actual ensino universitário da Museologia – uma reflexão crítica e uma proposta”. Museologia.pt (3):13-18.

Correia, Joaquim de Oliveira. 1991. “O projecto de licenciatura em História da Arte na U.A.L. e o ensino da Museologia”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 49-51.

Encarnação, José d´. 1991. “Perspectivas para um curso de museologia na Faculdade de Letras de Coimbra”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 69-74.

Freire, Fernando António Baptista. 1991. “Problemática da formação museológica em Portugal: o curso de museologia do IPPC (1981-1984)”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 37-48.

Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) - DFRH Bolseiros da área da História e Arqueologia.

Gil, Fernando Bragança. 1991. “Ensino da museologia: a situação em Portugal”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 23-35.

Gouveia, Henrique Coutinho. 1991. “Algumas considerações introdutórias”, “Museologia e antropologia ensino e investigação no Departamento de Antropologia da Universidade Nova de Lisboa”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 1-5; 53-65.

Hernandez Hernandez, Francisca. 1991. “Panorama actual de la museologia como disciplina universitaria”, Actas do 1.º encontro universitário luso-espanhol sobre a investigação e o ensino na área de museologia, Ethnologia, n.º 6, Julho/Dezembro 1991, Departamento de Antropologia, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa: 121-131.

Landry, Anik. 2001. “Les programmes de formation en muséologie dans les institutions supérieures d´ enseignement aux États-Unis”. In La formation en muséologie et en éducation muséale à travers le monde, ed. Michel Allard, e Bernard Lefebvre, 99-108. Québec: Editions Multimondes.

Lapa, Sofia. 2009. “Estudo de museus: projectos universitários”, Newsletter. Associação Portuguesa de Historiadores da Arte, Dezembro 2008: 8.

Laporte, Antoni, e Montse L. Tolosana. 2001. “Les études de muséologie en Espagne”. In La formation en muséologie et en éducation muséale à travers le monde, ed. Michel Allard, e Bernard Lefebvre, 95-97. Québec: Editions Multimondes.

Mayrand, Pierre, e Mário C. Moutinho. 2007. “Le musée local de la nouvelle generation au Portugal, un pas en avant dans la gestion communautaire qualitative: essai d´interprétation épistemologique.” Cadernos de Museologia (28):45-55.

Mendes, José Maria Amado. 2009. “O papel educativo dos museus: evolução histórica e tendências actuais”. In “Educação e museus: novas correntes”, Estudos do Património. Museus e Educação, 29-47; 155-165. Coimbra: Imprensa da Universidade, Estudos. Humanidades.

“Museus em Rede”. 2010. Boletim da Rede Portuguesa de Museus, (36):5.

Nabais, António José C. Maia. 1993. “Museus na actualidade”. In Iniciação à Museologia, coord. Maria Beatriz Rocha-Trindade, 63-76. Lisboa: Universidade Aberta.

Topo da página

Anexo

Webgrafia

http://museologiaporto.ning.com/​ (consultado em março 19, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-e-museografia-mestrado-21771.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-estudos-curatoriais-mestrado-21774.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-mestrado-23613.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-conservacao-e-restauro-mestrado-20413.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-ciencias-da-conservacao-mestrado-20416.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-conteudos-expositivos-mestrado-16831.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​pos-graduacao-em-recuperacao-e-conservacao-do-patrimonio-construido-pos-graduacao-22311.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-mestrado-17717.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-mestrado-17717.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-conservacao-e-restauro-mestrado-22801.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-mestrado-23310.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-museologia-mestrado-18503.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-educacao-e-promocao-cultural-pelo-patrimonio-mestrado-23756.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​licenciatura-em-ciencias-do-patrimonio-licenciatura-23651.html (consultado em março 18, 2011).

http://www.educaedu.com.pt/​mestrado-em-estudos-do-patrimonio-mestradoo-20502.htmlform-info (consultado em março 18, 2011).

www.ese.ipp.pt/cursos/mestrados/ (consultado em março 27, 2011).

http://portal.ipt.pt/​portal/​portal/​mestradoConserRest (31-03-2011; 22.12).

www.ese.ipp.pt/cursos/mestrados/ (consultado em março 27, 2011).

www.estt.ipt.pt (consultado em março 31, 2011).

www.dhfcs.uac.pt (consultado em março 20, 2011).

www.ese.ipp (consultado em março 27, 2011).

mpac.fba.up.pt/blog (consultado em março 20, 2011).

http://www.fba.ul.pt/​portal/​page?_pageid=401,1016045&dad=portal&_schema=PORTAL (consultado em março 21, 2011).

http://xa.ying.com/​kg/​groups/​1518869/​289286451/​name/​programa_doutoramento.pdf (consultado em março 30, 2011).

http://www.ulusofona.pt/​index.php/​faculdade-de-arquitectura-urbanismo-geografia-e-artes/​doutoramento/​museologia (consultado em março 30, 2011).

http://sigarra.up.pt/​flup/​planos_estudos_geral,formview?p_Pe_1575 (consultado em março 30, 2011).

http://www.fress.pt/​Default.aspx?Tag=CONTENT&Contentld=68 (consultado em março 21, 2011).

http://sigarra.up.flup/​planos_estudos_geral.formview?p_Pe=1175 (consultado em março 21, 2011).

www.uevora.pt (consultado em abril 9, 2011).

http://ler.letras.up.pt/​site/​default.aspx?qry=id03id1319id2320&sum=sim

www.uc.pt/fluc/noticias/museum_premio_apom/ (consultado em abril 9, 2011).

www.fenix.iscte.pt (consultado em abril 7, 2011).

www.unicv.edu.cv/…de…cabo/index.php? (consultado em março 31, 2011)

Anexo I

Listagem dos Estabelecimentos de Ensino Superior consultados

1

Academia Militar

2

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

3

Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

4

Escola Superior de Enfermagem do Porto

5

Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril

6

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique

7

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto da Guarda

8

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Saúde da Guarda

9

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Tecnologia e Gestão da Guarda

10

Instituto Politécnico da Guarda - Escola Superior de Turismo e Hotelaria

11

Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior Agrária de Beja

12

Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Educação de Beja

13

Instituto Politécnico de Bragança - Escola Superior Agrária de Bragança

14

Instituto Politécnico de Bragança - Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo de Mirandela

15

Instituto Politécnico de Bragança - Escola Superior de Educação de Bragança

16

Instituto Politécnico de Bragança - Escola Superior de Tecnologia e de Gestão de Bragança

17

Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco

18

Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Educação de Castelo Branco

19

Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova

20

Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco

21

Instituto Politécnico de Coimbra - Escola Superior Agrária de Coimbra

22

Instituto Politécnico de Coimbra - Escola Superior de Educação de Coimbra

23

Instituto Politécnico de Coimbra - Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

24

Instituto Politécnico de Coimbra - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital

25

Instituto Politécnico de Coimbra - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

26

Instituto Politécnico de Coimbra - Instituto Superior de Engenharia de Coimbra

27

Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha

28

Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria

29

Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Saúde de Leiria

30

Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria

31

Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche

32

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa

33

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Educação de Lisboa

34

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Música de Lisboa

35

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa

36

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa

37

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

38

Instituto Politécnico de Lisboa - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa

39

Instituto Politécnico de Lisboa - Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

40

Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior Agrária de Elvas

41

Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior da Saúde de Portalegre

42

Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Portalegre

43

Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior Agrária de Santarém

44

Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior de Desporto de Rio Maior

45

Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior de Educação de Santarém

46

Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

47

Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior de Saúde de Santarém

48

Instituto Politécnico de Setúbal - Escola Superior de Ciências Empresariais de Setúbal

49

Instituto Politécnico de Setúbal - Escola Superior de Educação de Setúbal

50

Instituto Politécnico de Setúbal - Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

51

Instituto Politécnico de Setúbal - Escola Superior de Tecnologia do Barreiro

52

Instituto Politécnico de Tomar - Escola Superior de Gestão de Tomar

53

Instituto Politécnico de Tomar - Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

54

Instituto Politécnico de Tomar - Escola Superior de Tecnologia de Tomar

55

Instituto Politécnico de Viana do Castelo - Escola Superior Agrária de Ponte de Lima

56

Instituto Politécnico de Viana do Castelo - Escola Superior de Educação de Viana do Castelo

57

Instituto Politécnico de Viana do Castelo - Escola Superior de Saúde de Viana do Castelo

58

Instituto Politécnico de Viana do Castelo - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viana do Castelo

59

Instituto Politécnico de Viseu - Escola Superior Agrária de Viseu

60

Instituto Politécnico de Viseu - Escola Superior de Educação de Viseu

61

Instituto Politécnico de Viseu - Escola Superior de Saúde de Viseu

62

Instituto Politécnico de Viseu - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu

63

Instituto Politécnico do Cávado e do Ave - Escola Superior de Gestão

64

Instituto Politécnico do Cávado e do Ave - Escola Superior de Tecnologia

65

Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Educação do Porto

66

Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão

67

Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo

68

Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto

69

Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

70

Instituto Politécnico do Porto - Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto

71

Instituto Politécnico do Porto - Instituto Superior de Engenharia do Porto

72

Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna

73

ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

74

Universidade Aberta

75

Universidade da Beira Interior

76

Universidade da Madeira

77

Universidade da Madeira - Escola Superior de Enfermagem da Madeira

78

Universidade de Aveiro

79

Universidade de Aveiro - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Aveiro

80

Universidade de Coimbra - Colégio de Artes

81

Universidade de Coimbra - Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

82

Universidade de Coimbra - Faculdade de Ciências e Tecnologia

83

Universidade de Coimbra - Faculdade de Direito

84

Universidade de Coimbra - Faculdade de Economia

85

Universidade de Coimbra - Faculdade de Farmácia

86

Universidade de Coimbra - Faculdade de Letras

87

Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina

88

Universidade de Coimbra - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação

89

Universidade de Évora

90

Universidade de Évora - Escola de Artes

91

Universidade de Évora - Escola de Ciências e Tecnologia

92

Universidade de Évora - Escola de Ciências Sociais

93

Universidade de Évora - Escola Superior de Enfermagem de São João de Deus

94

Universidade de Évora - Instituto de Investigação e Formação Avançada

95

Universidade de Lisboa - Faculdade de Belas-Artes

96

Universidade de Lisboa - Faculdade de Ciências

97

Universidade de Lisboa - Faculdade de Direito

98

Universidade de Lisboa - Faculdade de Farmácia

99

Universidade de Lisboa - Faculdade de Letras

100

Universidade de Lisboa - Faculdade de Medicina

101

Universidade de Lisboa - Faculdade de Medicina Dentária

102

Universidade de Lisboa - Faculdade de Psicologia

103

Universidade de Lisboa - Instituto de Ciências Sociais

104

Universidade de Lisboa - Instituto de Educação

105

Universidade de Lisboa - Instituto de Geografia e Ordenamento do Território

106

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

107

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Escola de Ciências da Vida e do Ambiente

108

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Escola de Ciências e Tecnologia

109

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Escola de Ciências Humanas e Sociais

110

Universidade do Algarve - Escola Superior de Educação e Comunicação

111

Universidade do Algarve - Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo de Faro

112

Universidade do Algarve - Escola Superior de Saúde de Faro

113

Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

114

Universidade do Algarve - Faculdade de Economia

115

Universidade do Algarve - Instituto Superior de Engenharia

116

Universidade do Minho - Escola de Ciências

117

Universidade do Minho - Instituto de Ciências Sociais

118

Universidade do Minho - Instituto de Educação

119

Universidade do Minho - Instituto de Letras e Ciências Humanas

120

Universidade do Porto - Faculdade de Arquitectura

121

Universidade do Porto - Faculdade de Belas-Artes

122

Universidade do Porto - Faculdade de Ciências

123

Universidade do Porto - Faculdade de Ciências da Nutrição e da Alimentação

124

Universidade do Porto - Faculdade de Desporto

125

Universidade do Porto - Faculdade de Direito

126

Universidade do Porto - Faculdade de Economia

127

Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia

128

Universidade do Porto - Faculdade de Farmácia

129

Universidade do Porto - Faculdade de Letras

130

Universidade do Porto - Faculdade de Medicina

131

Universidade do Porto - Faculdade de Medicina

132

Universidade do Porto - Faculdade de Medicina Dentária

133

Universidade do Porto - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação

134

Universidade do Porto - Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar

135

Universidade dos Açores

136

Universidade Nova de Lisboa - Escola Nacional de Saúde Pública

137

Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologia

138

Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Médicas

139

Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

140

Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Direito

141

Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Economia

142

Universidade Nova de Lisboa - Instituto de Higiene e Medicina Tropical

143

Universidade Nova de Lisboa - Instituto de Tecnologia Química e Biológica

144

Universidade Nova de Lisboa - Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação

145

Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Arquitectura

146

Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Medicina Veterinária

147

Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana

148

Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia

149

Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas

150

Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Economia e Gestão

151

Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior Técnico

152

Universidade Lusíada de Lisboa

153

Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa

154

Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto

135

Escola Superior de Artes Decorativas de Lisboa

156

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa

157

Universidade Católica Portuguesa

158

Universidade de Évora

Anexo II

Disciplinas curriculares dos cursos de mestrado e de 2º ciclo de museologia em estabelecimentos do ensino superior (2010-2011)

Título

Estabelecimentos

Museologia e Museografia

Comunicação Visual

U. Lisboa

Programação de Museus e de Exposições

U. Lisboa

Colecções e Espaços Museológicos

U. Lisboa

Operações Museográficas

U. Lisboa

Princípios da Gestão de Museus e Legislação do Património

U. Lisboa

 

 

Museologia

FCSH da UN Lisboa

Arquitectura e Administração de Museus

FCSH da UN Lisboa

Conservação Preventiva

FCSH da UN Lisboa

Economia, Gestão e Direito do Património

FCSH da UN Lisboa

Exposição, Investigação e Comunicação

FCSH da UN Lisboa

História e Teoria da Museologia

FCSH da UN Lisboa

Programação Museológica

FCSH da UN Lisboa

Sistemas Documentação

FCSH da UN Lisboa

 

 

Museologia: Conteúdos Expositivos

ISCTE

Questões de Museologia

ISCTE

A Nação e a sua Construção Cultural

ISCTE

Conservação e Manutenção

ISCTE

Públicos, Consumo e Lazer

ISCTE

Museus e Novas Tecnologias

ISCTE

Estudo de Colecções

ISCTE

Museus e História Contemporânea

ISCTE

Design Expositivo

ISCTE

Políticas Museológicas

ISCTE

Antropologia Visual

ISCTE

Gestão e Intervenção Cultural

ISCTE

Contextos Museológicos

ISCTE

Arquitectura de Museus

ISCTE

 

 

Museologia e Museografia

F Belas Artes da U Lisboa

 

F Belas Artes da U Lisboa

Teoria e História da Museologia

F Belas Artes da U Lisboa

Praxis e Gestão Museológica

F Belas Artes da U Lisboa

Shadow Curating

F Belas Artes da U Lisboa

Design de Apresentação (Equipamento)

F Belas Artes da U Lisboa

Conservação Preventiva e Teoria do Restauro

F Belas Artes da U Lisboa

Programação de Museus e Exposições

F Belas Artes da U Lisboa

Projecto; Estratégia, Metodologia , Práticas e Implementação

F Belas Artes da U Lisboa

Design de Apresentação II (Comunicação)

F Belas Artes da U Lisboa

 

 

Museografia e Gestão em Artes Decorativas

ESArtes Decorativas Lisboa

Arquitectura

ESArtes Decorativas Lisboa

Ciências Sociais e Humanas

ESArtes Decorativas Lisboa

Conservação

ESArtes Decorativas Lisboa

Museografia

ESArtes Decorativas Lisboa

 

 

2º Ciclo em História, Especialização em Museologia

FLUC

Museus e História

FLUC

Cultura Material e Museologia

FLUC

Património Cultural

FLUC

Discurso Museológico

FLUC

Gestão Museológica

FLUC

Museus, Investigação e Educação

FLUC

 

 

Museologia

Univ. Lusíada Lisboa

Património Museológico

Univ. Lusíada Lisboa

Museologia

Univ. Lusíada Lisboa

Planeamento, Organização e Gestão dos Museus

Univ. Lusíada Lisboa

Conservação e Restauro do Objecto Museológico

Univ. Lusíada Lisboa

Função Social dos Museus

Univ. Lusíada Lisboa

Conservação Preventiva

Univ. Lusíada Lisboa

Organização e Gestão de Colecções

Univ. Lusíada Lisboa

Metodologia do Trabalho Científico

Univ. Lusíada Lisboa

 

 

Museologia

Univ. Lusófona Lisboa

A Função Social dos Museus

Univ. Lusófona Lisboa

Museologia e Património

Univ. Lusófona Lisboa

Museologia e Pensamento Contemporâneo

Univ. Lusófona Lisboa

Estudos Aprofundados em Museologia

Univ. Lusófona Lisboa

Museografia

Univ. Lusófona Lisboa

Museologia e Desenvolvimento Cultural

Univ. Lusófona Lisboa

Metodologias de Investigação em Museologia

Univ. Lusófona Lisboa

Museologia Contemporânea. Práticas e Conceitos

Univ. Lusófona Lisboa

 

 

Museologia

Univ. Évora

Teoria e História da Museologia

Univ. Évora

História Social da Arte e da Cultura

Univ. Évora

Museus e Arquitectura

Univ. Évora

Património, Museu e Território

Univ. Évora

Gestão de Museus

Univ. Évora

Incorporação e Documentação

Univ. Évora

Processos Expositivos

Univ. Évora

 

 

Museologia - Especialização em Museologia

FLUP

Arquitectura de Museus

FLUP

Estudos e Gestão de Colecções

FLUP

Museus e Centros de Arte Contemporânea

FLUP

Museus e Museologia

FLUP

Riscos, Museus e Vulnerabilidades

FLUP

Conservação Preventiva

FLUP

Museus, Identidades e Representações

FLUP

Organização e Gestão de Museus

FLUP

Política e Práticas de Comunicações em Museus

FLUP

Projecto, Espaço e Comunicação em Museus

FLUP

Tecnologias da Informação e Comunicação em Museus

FLUP

 

 

Estudos Artísticos - Espec. Estudos Museológicos e Curadoriais

F Belas Artes da U Porto

A Exposição: Teorias e Práticas I

F Belas Artes da U Porto

Conceitos de Museologia Contemporânea

F Belas Artes da U Porto

Estudos de Arte Contemporânea

F Belas Artes da U Porto

A Exposição: Teorias e Práticas II

F Belas Artes da U Porto

Conservação da Arte Contemporânea

F Belas Artes da U Porto

Crítica Contemporânea da Arte

F Belas Artes da U. Porto

 

 

Património, Museologia e Desenvolvimento

U. Açores

Museologia e Antropologia Cultural

U. Açores

Conservação e Restauro

U. Açores

História da Arte e do Património

U. Açores

Património, Identidade e Desenvolvimento

U. Açores

Cidade e Património Urbano

U. Açores

Gestão e Direito do Património

U. Açores

Museologia e Património Cultural

U. Açores

Sociologia da Cultura e dos Públicos

U. Açores

Topo da página

Notas

1 O texto deste artigo reproduz, com ligeiras alterações, a comunicação oral apresentada no Seminário Redes Regionais de Museus, realizado em Coimbra, por iniciativa da Direção Regional da Cultura do Centro, a 13 de abril de 2011. A pesquisa que conduziu a este estudo realizou-se em março e abril de 2011 e incidiu num total de cerca de 160 instituições de ensino superior, entre universidades, Institutos Politécnicos e Escolas Superiores (ANEXO I). Agradeço, muito reconhecida, à Sra. Dra. Olga Martinho, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (Ministério da Educação e Ciência, Portugal), bem como ao Sr. Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, da Universidade de Évora, as informações que gentilmente me forneceram para a elaboração deste trabalho.

2 As ações de formação promovidas por museus da Rede Portuguesa de Museus são, de uma forma geral, elencadas no Boletim da Rede Portuguesa de Museus. A título exemplificativo veja-se, entre outros, Museus em Rede (2010).

3 Em rigor, são em número de 50, os cursos na área patrimonial, lecionados em 30 estabelecimentos de ensino e 18 cidades universitárias (Cordier 2001, 18; 32).

4 Mais precisamente no Departamento de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Cabo Verde, na cidade da Praia (ilha de Santiago). Está em curso “o projeto de análise e diagnóstico do panorama patrimonial e museológico dos municípios caboverdeanos”, cfr. www.unicv.edu.cv/…de…cabo/index.php? (consultado em março 31, 2011).

5 Os planos curriculares dos diversos cursos de mestrado ou de 2.º ciclo na área de museologia, disponíveis no ano letivo de 2010-2011, nas instituições do ensino superior portuguesas, encontram-se elencados no Anexo II.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Irene Vaquinhas, « A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade », MIDAS [Online], 1 | 2013, posto online no dia 10 abril 2013, consultado no dia 21 janeiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/midas/142 ; DOI : 10.4000/midas.142

Topo da página

Autor

Irene Vaquinhas

Professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. É diretora do 3.º Ciclo em Altos Estudos em História; diretora do 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia desde 2006 e membro do Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra (FCT). Publicou, entre outros, os seguintes trabalhos: Violência, justiça e sociedade rural. Os campos de Coimbra, Montemor-o-Velho e Penacova de 1858 a 1918, Porto, Afrontamento, 1996; "Senhoras e mulheres" na sociedade portuguesa do século XIX, Lisboa, Edições Colibri, 2000; Nome de Código 33856. Os “jogos de fortuna ou azar” em Portugal entre a repressão e a tolerância (De finais do século XIX a 1927), Lisboa, Livros Horizonte, 2006. Colaborou na História de Portugal, Direção de José Mattoso, V vol. - O Liberalismo (1807-1890), Lisboa, Círculo de Leitores, 1993. Coordenou o vol. III da obra História da Vida Privada em Portugal, (A Época Contemporânea), dirigida por José Mattoso, sendo também autora de diversos capítulos (Lisboa, Círculo de Leitores, 2011). Tem efetuado cursos e seminários em universidades estrangeiras. irenemcv@fl.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página
  • Logo CHAIA
  • Logo Instituto de História da Arte
  • Logo Cidehus
  • Logo CITCEM
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo REDIB - Rede Iberoamericana de Innovación Y Conocimiento Científico
  • OpenEdition Journals