Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros17Recensões críticasJoshua Adair e Amy Levin, ed. – M...

Recensões críticas

Joshua Adair e Amy Levin, ed. – Museums, Sexuality, and Gender Activism

Bruna Toledo Gomes
Referência(s):

Adair, Joshua G., e Amy K. Levin, ed. 2020. Museums, Sexuality, and Gender Activism. New York: Routledge. 306 páginas, ISBN: 9780367195106.

Texto integral

1Museums, Sexuality, and Gender Activism faz parte de uma série de publicações intitulada Museum Meanings, que foi desenvolvida a partir de uma agenda comprometida em explorar as relações dos museus com os seus mais variados públicos.1 Dividida em cinco partes, esta obra é composta maioritariamente por estudos de caso. Reúne artigos de críticos e ativistas da comunidade LGBTQ+, com o objetivo de oferecer bases teóricas e exemplos práticos que permitem pensar até que ponto as representações de género e sexualidade nos museus podem contribuir para o desenvolvimento de um modelo de ativismo realmente envolvido na visibilidade destes temas e das suas interseções com raça, etnia, classe social, entre outras variáveis.

2Na primeira parte, que aborda a identidade e a ética, Amanda K. Figueroa recorre às teorias de Gloria E. Anzaldúa, que fundamentam a museologia feminista chicana, com o intuito de viabilizar a criação de um espaço de reflexão e posicionamento em torno das práticas curatoriais. O objetivo final é a desconstrução das relações de poder e da posição de “não-lugar” a que muitas mulheres, cujas histórias coabitam duas culturas dicotómicas (neste caso a norte-americana e a mexicana), são relegadas.

3Já Nikki Sullivan e Craig Middleton discutem a relação entre ética e identidade nos museus, a partir da crítica à teoria da “nova ética museológica” de Janet Marstine, apontando as suas limitações e contradições, especialmente no que diz respeito à representação da sexualidade e da não-heterossexualidade nas mostras expositivas. Por exemplo: quando, conforme as indicações de Marstine, os objetos sexuais, imagens e/ou identidades são sinalizados como potencialmente ofensivos, além de serem (re)inscritos como tal, acabam por reafirmar a normalidade dos objetos que não se encontram sinalizados na exposição. Como alternativa, os autores sugerem a conceção foucaltiana de ethos, que pressupõe a ética como uma prática para que, através do exercício contínuo de (auto)questionamento, os profissionais aprendam a não se deixar levar pela lógica da (hetero)normatividade.

4A segunda parte da obra faz alusão à escritora americana, Audre Lorde, e à sua célebre frase: «The master’s tools will never dismantle the master’s house» (Lorde 1984, 110-113). Amy K. Lewin convida-nos a pensar se esta afirmação ainda pode ser considerada verdadeira. Para tal, o volume coloca lado a lado estudos de caso que a subvertem, uma vez que colocam ações disruptivas bem-sucedidas realizadas em museus tradicionais, e práticas de alguns espaços culturais alternativos que, apesar de possuírem maior flexibilidade para definir as suas atividades, muitas vezes não conseguem escapar ao modelo museológico convencional.

5Como exemplos, esta secção inclui a análise de Stuart Frost acerca da exposição sobre Shunga – uma arte erótica japonesa – que esteve patente no British Museum, em 2014, e influenciou a abertura de mostras similares pelo mundo, convertendo uma categoria artística, antes considerada tabu e inacessível, em motor de discussões importantes, como o prazer sexual feminino e o relacionamento homoafetivo. Apresenta também o ativismo interno de um grupo de trabalhadores do Victoria and Albert Museum, que está a transformar esta instituição, historicamente associada ao imperialismo britânico, num espaço mais recetivo às comunidades LGBTQ+.2

  • 3 O autor reconhece que pop-up e museu são conceitos muito diferentes e que a sua associação gerou um (...)

6No que diz respeito a espaços alternativos, o livro aborda quatro exemplos de museus dedicados aos temas da sexualidade e da diversidade. Tuan Nguyen, cita o Sydney Mardi Gras Museum que valoriza o museu pop-up como forma inovadora de exibição e de engajamento3, seguido de Özge Kelekçi e Meral Akbas que abordam o caso da prisão-museu de Ulucanlar, na Turquia, que apaga ou distorce as memórias dos grupos marginalizados que sofreram violência de estado.

7E, por fim, dentro da mesma temática, Rovel Sequeira mostra como o Antarang – Sex Health Information Art Gallery, em Mumbai, fracassou por ter promovido, de maneira moralista, a prevenção do SIDA e a educação sexual, num distrito de prostituição; por seu turno, Manon S. Parry e Hugo Schalkwijk, analisam os projetos de preservação do património referente ao SIDA nos Países Baixos que tentam resgatar os objetos culturais gerados pela pandemia e que não foram devidamente recolhidos pelas instituições culturais.

8A terceira parte do livro examina o problema da ambiguidade da representação nos museus de tudo aquilo que foge aos valores “iluministas” de categorização e classificação. As duas primeiras autoras, Ann Cvetkovich e Camille Georgeson-Usher, centram-se na questão da representação de corpos indígenas, femininos e queer em associação com o colonialismo. Cvetkovich defende o potencial radical da prática museológica decolonial queer, para mostrar como as formas tradicionais de exibição da cultura de povos indígenas, tais como dioramas e vitrines, podem ser transformadas de modo a recontextualizar e a tornar mais inclusivo um discurso quase sempre estereotipado. Já Georgeson-Usher, propõe a utilização de trabalhos fotográficos, performáticos e baseados em instalações para revalidar imagens e histórias.

9Ainda com objetivo de divulgar práticas inovadoras para que as instituições museológicas possam repensar a apresentação de identidades corporais que foram historicamente reguladas, deturpadas ou ignoradas, Natasha Bissonauth investiga o trabalho da artista Chitra Ganesh, baseado no conceito da copresença. De maneira provocativa, Ganesh coloca as suas criações fantásticas de iconografias femininas em diálogo com obras de coleções permanentes, preconizando uma narrativa diferente sobre a história da arte e, consequentemente, contribuindo para uma nova perceção do visitante.

10A quarta parte vem recordar-nos que o ativismo de género quase sempre envolve uma atitude de resiliência. Irina D. Mihalache, usando como estudo de caso a Art Gallery of Toronto (atualmente Art Gallery of Ontario), defende a inclusão de comissões de mulheres voluntárias nos museus de arte. Estas voluntárias poderiam usar o seu lugar de privilégio – mulheres brancas, de classe média e alta, com boa posição social e redes fortes –, para promover a inclusão de grupos que não alcançaram ainda o mesmo espaço de participação nos museus.

11Já Jana Sverdjuk analisa os pontos fortes e fracos identificados em diversos estudos realizados para explorar o potencial de democratização do DigitaltMuseum, na Noruega e Suécia, e a sua capacidade de recuperar conteúdo relacionado com questões de género através de uma minuciosa curadoria eletrónica.4 Por fim, Brenda Malone, tentando também mostrar iniciativas que remediam negligências e exclusões anteriores, descreve a importância da recolha rápida de materiais efémeros para o National Museum of Ireland relacionados com o referendo irlandês sobre o direito ao aborto realizado em 2018.

12A segunda secção desta parte, sobre narrativas problemáticas, começa com o texto de Catherine O’Donnel sobre a exposição Never Going Underground (People’s History Museum, Manchester, 2016), e demonstra que mesmo as iniciativas pontuais de coprodução entre o público, as organizações locais e o museu podem ser amplamente benéficas para todos os envolvidos, uma vez que impulsionam colaborações de longo prazo e, consequentemente, o ativismo continuado referente aos direitos LGBTQ+.

  • 5 Dos artistas escolhidos pelo autor, Del LaGrace Volcano oferece uma perspectiva sobre intersexo; Ar (...)

13A última parte apresenta como mote a seguinte questão: “como são as pessoas transgénero/género fluído/não-binárias?” A intenção é mostrar como as representações caricaturais do passado continuam a interferir negativamente no imaginário das pessoas cisgénero. A partir daí, Michael Petry analisa o trabalho de quatro artistas empenhados em questionar e melhorar tais representações.5

14Mencionando a exposição Transmission (Amsterdam Museum, 2015 e 2016), o capítulo seguinte mostra como a equipa responsável conseguiu convocar as diferentes perceções da curadoria e dos colaboradores transgénero da comunidade para a reflexão sobre os conteúdos exibidos. E, encerrando esta secção, o capítulo colaborativo sobre o caso de estudo do Van Abbermuseum (Eindhoven) descreve como a sua equipa, através de um compromisso interdepartamental e de parcerias com a comunidade, tem repensado as suas estratégias de comunicação, educação, pesquisa e mediação, com o objetivo de integrar a abordagem queer.

15Para terminar, convém ressaltar que, enquanto perdurar no imaginário coletivo a ideia de que os museus são “lares” de ideias e de objetos, será ainda necessário que alguém recorde que os lares nem sempre são seguros e confortáveis para todos. Por isso, na conclusão, Joshua Adair reitera o objetivo da obra: o de oferecer exemplos de experiências não para serem usadas como modelos, mas para incentivar os profissionais a reavaliarem as suas práticas, a reconhecer a repetição de padrões quase nunca questionados. O desconforto gerado por este exercício poderá desencadear ações mais inclusivas e que respondam às exigências e às particularidades de cada museu e do seu respetivo público.

Topo da página

Bibliografia

Lorde, Audre. 1984. “The Master’s Tools Will Never Dismantle the Master´s House.” In Sister Outsider: Essays and Speeches, 110-113. Berkeley: Crossing Press.

Topo da página

Notas

1 Para conhecer os restantes volumes da coleção, ver https://www.routledge.com/Museum-Meanings/book-series/SE0349 (consultado em julho 24, 2023).

2 A proposta do grupo pode ser consultada neste website: https://www.vam.ac.uk/info/lgbtq (consultado em julho 24, 2023).

3 O autor reconhece que pop-up e museu são conceitos muito diferentes e que a sua associação gerou uma terminologia imprecisa. No entanto, o foco desta secção está mesmo nesta tensão entre pop-ups e exposições de longo prazo, com o intuito de defender os primeiros como uma tipologia que apropria produtivamente e questiona as convenções dos museus, apontando novos caminhos para estes últimos.

4 Para conhecer o projeto visitar: https://digitaltmuseum.no/ (consultado em julho 24, 2023).

5 Dos artistas escolhidos pelo autor, Del LaGrace Volcano oferece uma perspectiva sobre intersexo; Artor Jesus Inkerö retrata-se a si mesmo, bem como outras celebridades trans; Blake Little, um homem gay cisgénero, também retrata pessoas trans; e Åsa Johannesson discursa sobre a ambiguidade de género através de uma entrevista publicada na obra.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Bruna Toledo Gomes, «Joshua Adair e Amy Levin, ed. – Museums, Sexuality, and Gender Activism»MIDAS [Online], 17 | 2023, posto online no dia 15 novembro 2023, consultado o 12 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/midas/4573

Topo da página

Autor

Bruna Toledo Gomes

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, btoledogomes@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search