Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros17NotaçõesExperimente (delicadamente)! Cons...

Notações

Experimente (delicadamente)! Considerações sobre a exposição de instrumentos musicais

Try it (softly)! Considerations on the exhibition of musical instruments
Cláudia Furtado

Resumos

O aumento exponencial de estudos e teorias sobre a relevância das experiências sensoriais nas exposições museológicas tem sido evidente, nomeadamente desde o início do século XXI. Este breve artigo pretende refletir sobre as coleções de instrumentos musicais e a adoção de estratégias expositivas que potenciem a dimensão material e imaterial, características intrínsecas a estes objetos. Neste sentido, é discutido o uso performativo como forma complementar da exposição dos instrumentos musicais e o recurso a réplicas e modelos estáticos como potenciadores de experiências multissensoriais. A reflexão é apoiada pela revisão bibliográfica sobre o tema e pela análise das práticas expositivas adotadas pelo Museu Nacional da Música (MNM), em Lisboa. Poderão as iniciativas performativas – como os concertos – e as experiências multissensoriais ser consideradas formas de comunicação expositiva dos instrumentos musicais? A partir da reflexão em torno das práticas do MNM, o artigo conclui, propondo um conjunto de estratégias futuras para a comunicação expositiva dos instrumentos musicais da coleção do museu, que visam enriquecer a experiência dos visitantes.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido a 13.02.2023

Aprovado para publicação a 25.06.2023

Texto integral

Introdução

  • 1 Este breve artigo tem como base a comunicação apresentada no 11.º Encontro Científico Internacional (...)

1O presente texto1 centra-se na problemática da comunicação na exposição de instrumentos musicais, em contexto museológico, e dos desafios inerentes ao uso performativo e às experiências multissensoriais associados à exibição de coleções de instrumentos musicais, enquanto possíveis estratégias expositivas.

2Enquanto objetos funcionais, os instrumentos musicais têm na sua essência a complexidade de reunirem em si próprios duas dimensões complementares: a material o instrumento enquanto suporte material para a produção de som e a imaterial o instrumento como mediador de experiências emotivas e sensoriais. No contexto museológico, a comunicação destes objetos em exposição deve contemplar a exploração das demais ligações que existem entre a época em que os instrumentos foram construídos e tocados, o contexto geográfico e cultural dos construtores e das suas oficinas, os músicos que os tocaram e todos os aspetos que estão intrinsecamente relacionados com estes objetos. Para além da contextualização histórica e social, os museus são responsáveis pela transmissão do conhecimento da função original e do significado cultural dos instrumentos musicais, o que implica necessariamente a execução e o manuseamento destes objetos. Em contexto expositivo, quais as práticas que devem ser adotadas para que não se valorize apenas a materialidade do instrumento, quando este se encontra exposto por detrás de uma vitrine? Poderão as iniciativas performativas como os concertos e as experiências multissensoriais ser consideradas formas de comunicação expositiva dos instrumentos musicais?

3Com o objetivo de responder a estas questões, o texto encontra-se dividido em dois blocos centrais. O primeiro é dedicado ao enquadramento teórico da temática em questão e subdivide-se em dois pontos: a exploração dos conceitos de “musealização” e de “funcionalidade”, e a análise das práticas multissensoriais associadas às coleções de instrumentos musicais, tendo como base a leitura de estudos dedicados à museologia sensorial. No segundo bloco apresentam-se as práticas expositivas adotadas recentemente pelo Museu Nacional da Música (MNM), ilustrativas do uso performativo como forma de exposição das coleções instrumentais e do recurso a modelos estáticos como potenciadores de experiências multissensoriais aos visitantes. Após a discussão das possíveis vantagens e problemas das práticas adotadas, é proposto um conjunto de estratégias futuras para a comunicação expositiva dos instrumentos musicais da coleção do MNM, que visam enriquecer a experiência dos visitantes e dar resposta às questões introdutórias deste texto.

A funcionalidade e o uso performativo dos instrumentos musicais em contexto museológico

4No artigo “Always True to the Object, in Our Fashion”, Susan Vogel afirma que «almost nothing displayed in museums was made to be seen in them» (2018, 653). Apesar da autora se referir aos objetos de arte africana, esta afirmação pode ser associada aos instrumentos musicais. Salvo raras exceções, os instrumentos musicais não foram construídos para serem objetos de museu. O seu propósito inicial assenta numa função cultural específica, a produção de som (CIMCIM 1993, 1–3), e requerem uma interação física direta para poderem desempenhar essa função (Ashton e Hallam 1990).

5A recuperação momentânea da função primária dos instrumentos musicais musealizados (Desvallées e Mairesse 2013, 56–58) levanta vários dilemas aos profissionais de museus, nomeadamente, quando o uso performativo destes objetos realça a necessidade de um equilíbrio necessário entre a preservação do suporte material e a gestão das expetativas dos públicos perante a possibilidade de ouvir um instrumento histórico. Segundo alguns profissionais dedicados a estes temas, a execução performativa de instrumentos musicais não é sustentável a longo prazo, mas a transmissão do lado imaterial dos instrumentos musicais através destas práticas é igualmente relevante, ao permitirem uma «experiência única, quer para quem os toca como para quem os ouve» (Myers 2017, 6).

  • 2 A título de exemplo, em 2002, a conferência anual do CIMCIM, na Rússia, teve como tema “Musical Ins (...)
  • 3 Na língua inglesa, é utilizado o termo playability para definir o estado ou característica de ser t (...)

6A funcionalidade dos objetos museológicos é um tema que tem sido alvo de vários debates e que divide as opiniões dos profissionais. Por essa razão, o Comité Internacional de Museus e Coleções de Instrumentos Musicais (CIMCIM) do Conselho Internacional de Museus (ICOM) tem vindo a promover várias conferências sob a temática da funcionalidade dos instrumentos musicais, com enfoque na necessidade do desenvolvimento de normas para o uso e conservação destas coleções2 (Rognoni 2020, 4–5). Uma das condições básicas definidas pelo CIMCIM para a interpretação de um instrumento musical assenta na premissa de que este só deve ser utilizado se estiver em condições de ser tocado.3 Ou seja, é da responsabilidade do museu assumir a decisão do uso performativo dos instrumentos musicais com base numa avaliação das vantagens e das desvantagens, tendo em conta as duas dimensões complementares (Bruyn-Ouboter 2018, 50–51).

A museologia sensorial e as práticas museológicas multissensoriais associadas às coleções de instrumentos musicais

7Tal como acontece na maioria das instituições museológicas, a exposição é uma função central dos museus e uma das estratégias privilegiadas para a comunicação das coleções aos públicos interessados (Lord e Lord 2002). No caso específico dos instrumentos musicais, é necessário ter em consideração a complexidade das tais dimensões material e imaterial mencionadas anteriormente, e como é que esta dualidade se traduz no espaço expositivo.

8Segundo Julia Petrov, no ensaio «Playing dress-up. Inhabiting imagined spaces through museum objects» (2011), a experiência de visitar uma coleção é, para a maior parte dos públicos, uma experiência visual. Segundo a autora, as práticas museológicas assentam na premissa «look, but don’t touch; think, but do not experience» (Petrov 2011, 231), ou seja, o visitante pode ver, mas não pode tocar, e deve refletir sobre o objeto, sem o experimentar. Se transportarmos esta realidade para as coleções de instrumentos musicais, podemos observar que, apesar do carácter utilitário dos instrumentos musicais, é frequente a realização de exposições que enaltecem a sua materialidade e que reduzem a essência dos instrumentos às suas características estéticas, apesar do carácter funcional intrínseco a estes objetos. Em «Handling Museum Objects: Encouraging Touch in Cultural Heritage Institutions in the Netherlands» (2022), Amy Salter realça que,

[…] in daily life, people spend a lot of time physically interacting with objects (...). This changes when we step inside an exhibition. (...) Often in museums, even objects that had originally been built to withstand serious wear for generations are still kept beyond reach. (Salter 2022, 2)

9Esta ideia é facilmente relacionável com a maioria das exposições de instrumentos musicais.

10Atualmente, os museus têm procurado, através das tecnologias emergentes, adotar soluções que enriqueçam as experiências dos visitantes (Uchida e Peng 2018) e as coleções de instrumentos musicais não são exceção. A adoção de práticas museológicas específicas como, por exemplo, o recurso a tecnologias digitais associadas ao som ou à impressão 3D podem contribuir para a mudança da epistemologia visual associada a estas coleções e potenciar as experiências multissensoriais. A evolução progressiva das tecnologias tem gerado uma série de possibilidades que permitem aos visitantes exercitar os seus sentidos, em vez de os retrair (Howes 2014, 263–64; Uchida e Peng 2018, 308).

11As tecnologias associadas ao som permitem, assim, criar experiências sonoras especialmente pertinentes em museus e coleções associadas à cultura musical e apresentam inúmeras vantagens, nomeadamente, tornam a visita ao museu mais atrativa e memorável; potenciam uma compreensão mais completa sobre a música e os instrumentos musicais, indo além da mera observação visual; permitem exposições mais acessíveis e inclusivas; e proporcionam o desenvolvimento de conexões emocionais com a música e, consequentemente, maior apreço pela cultura musical representada nos instrumentos musicais (Mansell, Little e Jamieson 2023).

12A procura de exposições tendencialmente mais emotivas e imersivas associadas às ciências sociais, às neurociências e à sua atenção para o sensorial, impulsionou o desenvolvimento de abordagens que favorecem a compreensão do objeto museológico através da multissensorialidade. Ou seja, em vez dos visitantes apreenderem conhecimento unicamente através daquilo que veem, as práticas museológicas multissensoriais incentivam o visitante a ouvir e a ver uma exposição. Segundo alguns estudos relacionados com as neurociências, as experiências multissensoriais são processadas pelo cérebro humano através de múltiplos canais. Estas experiências assumem combinações e interações entre o visual, o auditivo, o olfativo, o táctil e outros sentidos (Aglioti, Bufalari e Candidi 2014; Arnott e Alain 2014; Lacey e Sathian 2014; Levent e Pascual-Leone 2014; Ward 2014; Uchida e Peng 2018; Mansell, Little e Jamieson 2023). Estas teorias reforçaram o interesse dos curadores nas potencialidades comunicativas do som, e neste sentido, surge a museologia sensorial (Mota 2022, 35-36). Do termo original “sensory museology”, introduzido por David Howes (2014), a museologia sensorial relaciona-se diretamente com a experimentação sensorial nas práticas curatoriais contemporâneas, e com a reabilitação e a relevância do toque para os estudos de museus. Segundo Howes, a reabilitação do toque possibilitou, por sua vez, uma maior receção para a (re)introdução de outros sentidos nas experiências museológicas, tradicionalmente classificados como “básicos”, como por exemplo, o cheiro e o paladar. A museologia sensorial é uma área relativamente recente que se centra no envolvimento de todos os sentidos do corpo humano nas experiências museológicas, tendo em vista a criação de ambientes mais inclusivos e imersivos. Decorre ainda da reflexão sobre a “nova museologia”, do termo original “new museology”, introduzido por Peter Vergo em 1989, baseado na centralidade do visitante nas teorias e práticas museológicas.

13Tendo em consideração todas as teorias apresentadas até aqui, importa compreender como é que se refletem nas práticas adotadas pelas instituições museológicas. Nesse sentido, analisa-se o caso de estudo do Museu Nacional da Música.

Práticas adotadas pelo Museu Nacional da Música

  • 4 Até à data da escrita deste artigo, o MNM encontra-se instalado em Benfica, Lisboa. Contudo, o proj (...)

14O Museu Nacional da Música (MNM) é uma instituição tutelada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e localiza-se desde 19934 na estação do metropolitano do Alto dos Moinhos, em Benfica. O acervo museológico do MNM é composto por cinco tipologias de coleções, das quais se destaca a coleção instrumental. Fazem parte desta coleção os instrumentos reunidos inicialmente por Alfredo Keil e Michel’ângelo Lambertini, e os demais incorporados pelo Conservatório Nacional, pelo Departamento de Musicologia e, mais tarde, pelo atual museu. A coleção é constituída por mais de 1000 instrumentos musicais, dos quais 13 estão classificados como Tesouros Nacionais, ou “bens culturais móveis, classificados como de interesse nacional” (Furtado 2021, 56–57).

I. Ciclos de concertos como forma de divulgação da coleção instrumental

15O uso performativo de instrumentos históricos é uma das técnicas expositivas que ativa o lado social dos instrumentos no espaço expositivo, a partir da conexão pessoal que permite que seja estabelecida entre o instrumento e quem o ouve ou toca. Neste contexto é útil a formulação de “objetos sociais” de Nina Simon (2010), que defende a existência de cinco técnicas que ativam os artefactos enquanto objetos sociais em meio físico: 1) colocar questões aos visitantes e incentivá-los a partilhar as suas reações aos objetos expostos; 2) promover interpretações ao vivo ou performances que podemos relacionar com o uso performativo dos instrumentos musicais; 3) desenhar exposições que provoquem conversas entre os visitantes; 4) fornecer instruções claras aos visitantes através de exercícios guiados para interagirem com os objetos; 5) disponibilizar formas dos visitantes partilharem os objetos expostos, seja física ou virtualmente, com amigos e familiares.

16Em Portugal, o MNM é uma das instituições que integra na sua programação iniciativas de uso performativo dos instrumentos musicais da sua coleção. Destaca-se o ciclo de concertos “Um Músico, um Mecenas”, que consiste numa forma de divulgação da coleção instrumental, a partir da atuação de músicos portugueses e estrangeiros. Este ciclo de concertos foi materializado numa exposição virtual promovida através da plataforma Google Arts & Culture (fig. 1), na qual se podem aceder aos arquivos de vídeo e de som dos instrumentos musicais utilizados neste projeto, complementares às informações sobre cada um dos bens instrumentais.5

Fig. 1 Captura de ecrã relativa à exposição virtual Um Músico, um Mecenas do MNM, na plataforma Google Arts & Culture

17Através de concertos comentados e de um enquadramento histórico que, muitas vezes, inclui o reportório escolhido, os músicos dão a conhecer alguns dos instrumentos da coleção. A conservação e a interpretação dos instrumentos musicais e a comunicação da história de cada um deles resultam de uma parceria entre o MNM e os mecenas do ciclo (músicos, construtores, restauradores e outros parceiros). A primeira temporada é datada de 2013 e desde aí já foram tocados cerca de 24 instrumentos da coleção, dos quais seis foram restaurados. Em anos mais recentes, o MNM tem vindo a promover uma série de intervenções em instrumentos icónicos da coleção, com o intuito de virem a ser tocados no ciclo de concertos. Estas intervenções são realizadas por equipas técnicas multidisciplinares, com o apoio do Laboratório José de Figueiredo, e podem contribuir para a investigação, através da verificação de detalhes (como números de série, etiquetas de construção) que, não só permitem validar dados pertinentes sobre o instrumento, como também a recolha de novas informações que de outra forma não seria possível (Pye 2016).

II. Modelos estáticos para experiências multissensoriais

18Uma das opções alternativas ao uso dos objetos das coleções apresentada por Elizabeth Pye é o recurso a “modelos estáticos”, do termo original “static models”, que demonstram o movimento dos diferentes componentes de um objeto funcional (Pye 2016). No caso dos instrumentos musicais, podemos considerar que os modelos estáticos podem ser reproduções, na maioria das vezes de menor escala, utilizados para propósitos educativos, decorativos ou de investigação. Estes modelos, por norma, não são construídos com o intuito de produzirem som ao contrário das réplicas , mas sim numa tentativa de auxiliarem na compreensão da estrutura, da relação entre as partes constituintes e do funcionamento interno de um determinado instrumento musical.

19O MNM avançou recentemente com a atualização da sua exposição e incluiu, nos nichos localizados nas extremidades das vitrines principais, nove instrumentos musicais e quatro modelos estáticos, com o objetivo de proporcionar experiências multissensoriais aos visitantes (fig. 2-3). Apesar de não serem réplicas dos instrumentos da coleção, os instrumentos expostos nesta iniciativa foram adquiridos com o propósito de permitir que os visitantes os possam tocar e ouvir.

Fig. 2 Instrumento musical (clarinete) exposto para manuseamento dos visitantes no MNM, 2023

© Cláudia Furtado

Fig. 3 Instrumento musical (guitarra) exposto para manuseamento dos visitantes. Enquadramento de um dos nichos temporários no MNM, 2023

© Cláudia Furtado

20Outra das práticas adotadas nesta atualização é a utilização de verbos ativos, que tem como objetivo melhorar a relação entre o objeto exposto e o visitante (Simon 2010). O objeto é colocado numa situação de socialização com o utilizador que, por sua vez, recebe uma indicação direta sobre o que deve fazer. Neste caso, a indicação é clara: “try it (softly)”, ou seja, “experimente (delicadamente)” (fig. 4).

Fig. 4 Placa informativa, colocada em cada nicho da exposição, na qual se pode ler: “Experimente (delicadamente)!/Try it (softly)!”, no MNM, 2022

© Cláudia Furtado

21Desta análise podemos concluir que existe um conjunto de vantagens e de desvantagens para ambas as práticas. No caso do uso performativo dos instrumentos musicais incorporados na exposição, a sua execução permite que os visitantes tenham uma experiência mais imersiva e sensorial, contribuindo não só para uma melhor compreensão e apreciação da cultura musical, como também para maior envolvimento dos públicos. Estas iniciativas performativas requerem ações de conservação regulares para que os instrumentos sejam mantidos em boas condições de funcionamento, e por isso, a sua preservação material é garantida. Em contrapartida, aumentam os custos de manutenção e de restauro, o que implica um investimento financeiro constante. O desgaste e a perda da materialidade original dos instrumentos, a partir das substituições de elementos como cordas, por exemplo, é uma das desvantagens que deve ser tida em consideração na tomada de decisão.

22A exposição de modelos estáticos de instrumentos musicais apresenta vantagens, uma vez que os instrumentos não estão sujeitos ao desgaste e aos danos que o manuseamento pode causar, podendo ser expostos de forma acessível aos visitantes, sem necessidade de restrições de acesso. A aquisição destes modelos é geralmente mais sustentável a nível financeiro do que a de um instrumento histórico, e podem ser projetados de forma a realçar aspetos específicos dos instrumentos, destacando alguns detalhes funcionais que podem ser de difícil compreensão no instrumento original. Tal como acontece com o uso performativo, a exposição de modelos estáticos também tem as suas desvantagens, tais como, a falta de autenticidade, uma vez que os modelos não reproduzem o som, o cheiro e a experiência tátil de um instrumento musical. Este último ponto pode ser relacionado com o menor envolvimento emocional associado aos modelos estáticos, em comparação com a experiência do instrumento histórico.

23Em suma, combinar ambas as abordagens, conforme a estratégia recentemente adotada pelo MNM, pode contribuir para uma experiência multissensorial, mais completa, comparativamente às exposições tradicionais, e enriquecedora para os visitantes.

Considerações finais: proposta de estratégias futuras

24A partir da análise realizada nesta notação, é possível identificar algumas estratégias futuras que poderão ser adotadas na exposição de instrumentos musicais da coleção do MNM e que visam melhorar a experiência dos visitantes, tal como incluir a contextualização histórica dos instrumentos expostos. Com a disponibilização de informações sobre a sua origem e o papel cultural dos objetos, bem como a sua ligação com outros aspetos da sociedade, tais como tradições culturais, evoluções tecnológicas e eventos históricos, o museu pode destacar a importância da música na construção da identidade cultural e incentivar uma apreciação mais profunda pela arte e pela história da música. Isto criará uma experiência enriquecedora para o público, na qual a música passa a ser vista, não apenas como um conjunto de notas e sons, mas também como o reflexo das sociedades e das transformações que moldaram a humanidade ao longo do tempo.

25A disponibilização de gravações áudio de diferentes peças musicais ou sons características dos instrumentos no percurso expositivo e o recurso a tecnologias digitais poderá tornar a exposição mais completa e imersiva, potenciando a compreensão dos instrumentos para além das suas características estéticas. Por sua vez, uma maior regularidade das demonstrações ao vivo com instrumentos da coleção possibilitará ouvir o som do instrumento sem o recurso aos suportes media.

26A partir da criação de espaços de prática musical, os visitantes poderão aprender e/ou tocar alguns instrumentos, com recurso ou não a réplicas de instrumentos da coleção. Estas zonas, por sua vez, poderão estar relacionadas com a realização de oficinas, nas quais se potenciará a compreensão da complexidade da construção e do restauro destes objetos.

27É inegável o valor intangível que caracteriza estes bens culturais, mas é igualmente relevante sublinhar a potencial perda da substância original (material e não só) no caso do uso performativo de instrumentos históricos. O desafio assenta precisamente no equilíbrio entre a exposição e a divulgação destes objetos culturais, e a sua preservação material. Estes dilemas éticos têm marcado as conferências internacionais sobre este tema, desde o início do século, e dificilmente existirá uma resposta única para as questões que se levantam neste artigo. A temática da funcionalidade em contexto museológico associada às coleções de instrumentos musicais leva-nos a questionar sobre o significado destes objetos enquanto bens museológicos e, em última instância, a refletir sobre o propósito e as responsabilidades das instituições de memória.

Topo da página

Bibliografia

Aglioti, Salvatore, Ilaria Bufalari, e Matteo Candidi. 2014. “The Multisensory Mental Simulation and Aesthetic Perception.” In The Multisensory Museum: Cross-disciplinary Perspectives on Touch, Sound, Smell, Memory, and Space, editado por Nina Sobol Levent, Alvaro Pascual-Leone, e Simon Lacey, 301–18. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield.

Arnott, Stephen, e Claude Alain. 2014. “A Brain Guide to Sound Galleries. ” In The Multisensory Museum: Cross-disciplinary Perspectives on Touch, Sound, Smell, Memory, and Space, editado por Nina Sobol Levent, Alvaro Pascual-Leone, e Simon Lacey, 85–108. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield.

Ashton, John, e David Hallam. 1990. “The Conservation of Functional Objects — An Ethical Dilema.” AICCM Bulletin 16 (3): 19–26.

Barclay, R. L., ed. 1997. The Care of Historic Musical Instruments. Edinburgh : Ottawa: Museums & Galleries Commission, Canadian Conservation Institute. https://cimcim.mini.icom.museum/wp-content/uploads/sites/7/2019/01/The_Care_of_Historic_Musical_Instruments_small.pdf

Bruyn-Ouboter, Vera de. 2018. “Material or Immaterial? A Questionnaire to Help Decisions about the Preservation of Musical Instrument.” In Wooden Musical Instruments: Different Forms of Knowledge: Book of End of WoodMusICK COST Action FP1302, editado por Marco A. Pérez e Emanuele Marconi, 35–47. Paris: Cité de la Musique.

CIMCIM. 1993. Recommendations for the Conservation of Musical Instruments: An Annotated Bibliography. Vol. 1. CIMCIM Publications 1. CIMCIM-ICOM. http://icom.jlbinfo.info/bibliotheque/jlbWeb?html=Bur&base=documentation&ref=41521&file=1525.pdf&path=IC-CIMCIM_Publications_1_1993_EN.pdf

Desvallées, André, e François Mairesse. 2013. Conceitos-chave de Museologia. Traduzido por Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. São Paulo: Comité Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura. https://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2014/03/PDF_Conceitos-Chave-de-Museologia.pdf

Furtado, Cláudia. 2021. “Documentação e Inventariação da Coleção de Instrumentos Musicais do Museu Nacional da Música: Diagnóstico e Contributo para a Elaboração de um Guia de Utilizador sob a Perspetiva de Sistema Integrado de Informação.” Dissertação de mestrado em Museologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Howes, David. 2014. “Introduction to Sensory Museology.” The Senses and Society 9 (3): 259–67.

Lacey, Simon, e K. Sathian. 2014. “Please DO touch in Exhibits! Interactions between Visual Imagery and Haptic Perception.” In The Multisensory Museum: Cross-disciplinary Perspectives on Touch, Sound, Smell, Memory, and Space, editado por Nina Sobol Levent e Alvaro Pascual-Leone, 3–16. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield.

Levent, Nina Sobol, Alvaro Pascual-Leone, e Simon Lacey, eds. 2014. The Multisensory Museum: Cross-disciplinary Perspectives on Touch, Sound, Smell, Memory, and Space. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield.

Lord, Barry, e Gail Dexter Lord, eds. 2002. The Manual of Museum Exhibitions. Walnut Creek, CA: AltaMira Press.

Mansell, James, Alexander De Little, e Annie Jamieson. 2023. “Staging Listening: New Methods for Engaging Audiences with Sound in Museums.” Science Museum Group Journal 17 (17).

Mota, Alcina Maria de Oliveira Cortez. 2022. “Communicating through Sound in Museum Exhibitions: Unravelling a Field of Practice.” Tese de doutoramento, Universidade Nova de Lisboa. https://run.unl.pt/handle/10362/134916

Myers, Arnold. 2017. “Information Preservation for Musical Instruments – Keynote from the Annual Conference.” CIMCIM Bulletin September 2017: 4–8. https://cimcim.mini.icom.museum/wp-content/uploads/sites/7/2019/01/Bulletin_September_2017_small__version.pdf

Petrov, Julia. 2011. “Playing Dress-up. Inhabiting Imagined Spaces Through Museum Objects.” In The Thing About Museums. Objects and Experience, Representation and Contestation, editado por Sandra Dudley, et al., 230–241. London: Routledge.

Pye, Elizabeth. 2016. “Challenges of Conservation: Working objects.” Science Museum Group Journal 6 (Autumn).

Rognoni, Gabriele Rossi. 2020. “Chair’s Report 2016–2019, Kyoto 3rd September.” CIMCIM Bulletin April 2020: 3–5. https://cimcim.mini.icom.museum/wp-content/uploads/sites/7/2020/06/2020_April_Bulletin.pdf

Salter, Amy. 2022. “Handling Museum Objects: Encouraging Touch in Cultural Heritage Institutions in the Netherlands.” Dissertação de mestrado, Leiden University. https://hdl.handle.net/1887/3447498

Simon, Nina. 2010. The Participatory Museum. Santa Cruz: Museum 2.0. https://participatorymuseum.org/read/

Uchida, Maholo, e Jingyu Peng. 2018. “Feeling the Exhibition: Design for an immersive and sensory exhibition experience.” In The Routledge Handbook of Museums, Media and Communication, editado por Kirsten Drotner, et al., 306–314. London: Routledge.

Vogel, Susan. 2018. “Always True to the Object, in Our Fashion.” In Grasping the World: The Idea of the Museum, editado por Donald Preziosi e Claire J. Farago, 654–662. London: Routledge.

Ward, Jamie. 2014. “Multisensory Memories: How Richer Experiences Facilitate Remembering?” In The Multisensory Museum: Cross-disciplinary Perspectives on Touch, Sound, Smell, Memory, and Space, editado por Nina Sobol Levent, Alvaro Pascual-Leone, e Simon Lacey, 273–84. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield.

Topo da página

Notas

1 Este breve artigo tem como base a comunicação apresentada no 11.º Encontro Científico Internacional para Estudos sobre Som, Música e Instrumentos Musicais, da Associação Nacional de Instrumentos Musicais (ANIMUSIC), no dia 22 de julho de 2023, com o título “Breves considerações sobre a exposição de instrumentos musicais enquanto objetos funcionais em contexto museológico”. Este tema decorre ainda de uma das linhas de investigação do projeto de doutoramento iniciado em 2022. Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito de uma bolsa de doutoramento (PRT/BD/152885/2021).

2 A título de exemplo, em 2002, a conferência anual do CIMCIM, na Rússia, teve como tema “Musical Instruments Do they have to sound?”, da qual resultaram alguns debates sobre a conservação e a deterioração que advém da utilização dos instrumentos ponto que continua a ser debatido, dada a dimensão ética implícita neste assunto. Em 2020, com o tema “Playing and Operating: functionality in museum objects and instruments”, realizou-se em França, a conferência internacional organizada em parceria com o Comité Internacional para Museus e Coleções de Ciência e Tecnologia (CIMUSET) do ICOM, cujo objetivo primordial assentava na definição de um conjunto de diretrizes sobre o tema da funcionalidade dos objetos em contexto museal. Até à data da escrita deste texto, esse projeto não avançou.

3 Na língua inglesa, é utilizado o termo playability para definir o estado ou característica de ser tocado. Em 1997, o livro The Care of Historic Musical Instruments, dedicou um primeiro capítulo à ética e ao uso dos instrumentos, incluindo um subcapítulo intitulado «Playability and Soundability» (Barclay 1997, 1-7) com linhas orientadoras que definem em que condições deve um instrumento ser tocado.

4 Até à data da escrita deste artigo, o MNM encontra-se instalado em Benfica, Lisboa. Contudo, o projeto de instalação do MNM no Palácio Nacional de Mafra já se encontra em desenvolvimento.

5 Exposição virtual do ciclo de concertos Um Músico. Um Mecenas, disponível em: https://g.co/arts/HorJ1m3XSf88TWDY8 (consultado julho 14, 2023).

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Fig. 1 Captura de ecrã relativa à exposição virtual Um Músico, um Mecenas do MNM, na plataforma Google Arts & Culture
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/4813/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 252k
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/4813/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 547k
Legenda Fig. 3 Instrumento musical (guitarra) exposto para manuseamento dos visitantes. Enquadramento de um dos nichos temporários no MNM, 2023
Créditos © Cláudia Furtado
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/4813/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 520k
Legenda Fig. 4 Placa informativa, colocada em cada nicho da exposição, na qual se pode ler: “Experimente (delicadamente)!/Try it (softly)!”, no MNM, 2022
Créditos © Cláudia Furtado
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/4813/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 474k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Cláudia Furtado, «Experimente (delicadamente)! Considerações sobre a exposição de instrumentos musicais»MIDAS [Online], 17 | 2023, posto online no dia 15 novembro 2023, consultado o 12 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/midas/4813

Topo da página

Autor

Cláudia Furtado

É licenciada em Ciências da Arte e do Património pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL), desde 2017. Em 2021, concluiu o mestrado em Museologia, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH). Atualmente, é doutoranda em História da Arte, na especialidade de Museologia e Património Artístico, na mesma instituição. É investigadora do Instituto de História da Arte (IHA NOVA FCSH/IN2PAST) e bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia FCT (PRT/BD/152885/2021). O projeto de doutoramento centra-se na documentação do uso performativo de instrumentos musicais históricos, em contexto museológico, e no estudo da coleção instrumental do Museu Nacional da Música.

Instituto de História da Arte (IHA), Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Colégio Almada Negreiros, Campus de Campolide, sala 347, 1070-312 Lisboa, Portugal, claudiafurtado@fcsh.unl.pt, https://orcid.org/0000-0001-8589-4223

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search