Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros17Editorial

Editorial

Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Texto integral

1O segundo número deste ano é, como habitual, um número aberto que resulta das propostas recebidas e aprovadas no âmbito da revisão por pares. Mais uma vez, este número reflete uma diversidade de temas que também faz eco dos múltiplos enfoques dos estudos de museus na atualidade.

2A secção principal deste número abre com dois artigos alinhados com o tema dos públicos de museu. O primeiro, «A satisfactory visitor experience: dimensions and contextual components of Spanish museums», da autoria de Macarena Cuenca-Amigo (Universidade de Deusto) et al., reflete sobre os fatores envolvidos numa “experiência museal satisfatória”. As autoras partem de um estudo de público realizado em 2019 em 16 museus espanhóis, comprovando que apesar da natureza subjetiva da experiência museal, os museus desempenham um papel essencial como facilitadores de experiências satisfatórias.

3O segundo artigo, por sua vez, tem por base um estudo de público realizado junto da população da cidade de Leopoldina (Brasil) para aferir a perceção que prevalece sobre o poeta brasileiro Augusto dos Anjos (1884-1914) e sobre o Museu Espaço dos Anjos, a casa-museu criada em 2012 em sua homenagem.

4Segue-se o artigo de Fabiana Dicuonzo (Universidade do Porto), «The liminal museum. An investigation of the socio-educational processes starting from architecture», que aborda o papel da arquitetura na valorização das experiências dos visitantes. A autora selecionou para análise seis museus instalados em edifícios históricos mas com extensões arquitetónicas contemporâneas, demonstrando a relevância da arquitetura enquanto dispositivo estratégico na construção de significados sobre o museu e o seu património.

5Neste alinhamento destaca-se o artigo de Irene Sánchez Izquierdo (Universidade de Alcalá), «Museos y territorio en la frontera hispano-portuguesa: patrimonios para el futuro en el noreste transmontano», que a partir de um estudo em curso decorrente do mapeamento dos museus, coleções e centros de interpretação em zonas de fonteira entre Portugal e Espanha, traz uma reflexão em torno da ideia de museologia de fronteira.

6O último artigo desta secção, de Ariadna Ruiz Gómez (Universidade de Málaga), «Los debates del concepto de “museo” del Consejo Internacional de Museos en clave luso e hispanoparlante», reflete sobre a nova definição de museu (2022) do Conselho Internacional de Museus (ICOM), dando relevo à importante influência dos países latino-americanos através do procedimento de sucesso pelos novos presidentes do Comité ICOM DEFINE , Lauran Bonilla-Merchav e Bruno Brulon Soares, de língua espanhola e portuguesa respetivamente.

7Na secção “Notações” publica-se um breve artigo de Henrique Couto, doutorando em Biologia da Conservação (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e de Maria Teresa Crespo, coordenadora do Museu do Mar (Cascais), intitulado «Retrieving history: the liquid-preserved collection of the Museu do Mar – Rei D. Carlos». O texto tem como objeto de análise uma operação de salvamento e conservação de uma coleção de história natural em meio líquido num museu municipal, e que reflete as condições com que frequentemente se encontram esta tipologia de coleções nos museus portugueses. O projeto em análise contribui para o entendimento de que independentemente da dimensão das coleções de história natural, é de grande importância que todas estas coleções sejam tratadas, estudadas e divulgadas. Em Portugal observa-se a carência de estudos nesta área, uma vez que não existe representação na rede de museus nacionais. Por outro lado, os museus universitários que possuem estas coleções encontram-se, com frequência, numa situação debilitada e com falta de recursos humanos e financeiros para este trabalho.

8Segue-se uma notação acerca da exposição de instrumentos musicais e das potencialidades das experiências multissensoriais em contexto museológico. Da autoria de Cláudia Furtado, doutoranda em museologia (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa), este texto contextualiza a reflexão a partir do Museu Nacional da Música e das suas práticas.

9Inauguramos neste número uma nova secção de entrevistas, que visa prolongar a discussão de conceitos e práticas que animam o pensamento sobre museus e museologia, a partir de um registo mais informal. Com a coordenação de Elisa Noronha (CITCEM, Universidade do Porto) e de Patrícia Roque Martins (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa), a primeira entrevista é com a espanhola Olaia Fontal (Universidade de Valladolid), professora e investigadora de grande impacto na área do património e da museologia. Especialista em educação patrimonial, nesta entrevista Olaia destaca a importância de dar uma atenção maior para o papel dos vínculos na relação com o património com as pessoas:

A partir del ejercicio de cátedra me estoy moviendo en la idea de vínculo, que es justamente lo que da sentido a esa relación entre las personas y los bienes culturales y es ahí donde he desplegado todo el desarrollo conceptual del patrimonio, pero también de un modelo de educación patrimonial que se centra en la idea de vínculo; implica entender las acciones educativas desde la perspectiva de la generación de vínculos, de conocimiento, de comprensión, de respeto, de valoración. Por eso yo creo que la educación es tan importante, porque se centra en lo esencial del patrimonio, que son esos vínculos.

10Como é habitual, a secção de recensões críticas, destaca livros e exposições de referência. As duas recensões publicadas situam-se no âmbito das identidades de género. A primeira é um comentário crítico da autoria de Giulia Lamoni (Instituto de História da Arte, Universidade Nova de Lisboa) sobre a exposição temporária e respetivo catálogo Tudo o que eu quero. Artistas Portuguesas de 1900 a 2020 (Fundação Calouste Gulbenkian, 2021). Esta exposição reuniu o trabalho de 40 mulheres artistas portuguesas produzido desde o início do século XX até 2020, contribuindo para contrariar a invisibilidade das artistas mulheres e das suas produções.

11A segunda recensão refere-se ao livro Museums, Sexuality, and Gender Activism (ed. Joshua G. Adair e Amy K. Levin). Como sublinha Bruna Toledo Gomes (FCSH, Universidade Nova de Lisboa), este livro «reúne artigos de críticos e ativistas da comunidade LGBTQ+, com o objetivo de oferecer bases teóricas e exemplos práticos que permitem pensar até que ponto as representações de género e sexualidade nos museus podem contribuir para o desenvolvimento de um modelo de ativismo realmente envolvido na visibilidade destes temas e das suas interseções com raça, etnia, classe social, entre outras variáveis».

12A capa do 17.º número tem por base uma fotografia da instalação do artista brasileiro Jonathas de Andrade “Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste” (2013). Esta escolha perfila-se na escolha de obras que contribuam para prolongar a discussão sobre os museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade. Agradecemos ao Jonathas de Andrade pela cedência da imagem e à Elisa Noronha, pela curadoria e arranjo gráfico.

13Agradecemos aos autores e às autoras que nos enviaram as suas propostas, e aos revisores que participaram diligentemente na arbitragem científica dos artigos e cujo trabalho é fundamental para garantir a qualidade deste processo.

14Um bem-haja à Sofia Carvalho (CITCEM, Universidade do Porto), que contribuiu para a revisão editorial deste número, assim como à Raquel Cabrita (CIDEHUS, Universidade de Évora), que recentemente se juntou à revista MIDAS como assistente editorial.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva, «Editorial»MIDAS [Online], 17 | 2023, posto online no dia 15 novembro 2023, consultado o 15 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/midas/4939; DOI: https://doi.org/10.4000/midas.4939

Topo da página

Autores

Ana Carvalho

Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS), Universidade de Évora, arcarvalho@uevora.pt, https://orcid.org/0000-0003-1452-7711

Artigos do mesmo autor

Paulo Simões Rodrigues

Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA), Universidade de Évora, Portugal, psr@uevora.pt, https://orcid.org/0000-0002-9258-2989

Artigos do mesmo autor

Pedro Casaleiro

Universidade de Coimbra, Portugal, pcasaleiro@ci.uc.pt, https://orcid.org/0000-0001-9783-9379

Artigos do mesmo autor

Raquel Henriques da Silva

Instituto de História da Arte (IHA), Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, Portugal, raquelhs10@gmail.com, https://orcid.org/0000-0002-8217-4586

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search