Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros18Capa MIDAS 18

Capa MIDAS 18

"Coleção à brasileira: uma visita à coleção da colecionadora diarista", 2021, de Everton Leite

Descrição

A escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade sob o olhar dos artistas contemporâneos. A imagem da capa do 18.º número da MIDAS tem por base uma fotografia do artista brasileiro, Everton Leite. A fotografia em questão faz parte do livro de artista “Coleção à brasileira: uma visita à coleção da colecionadora diarista”, publicado em 2021. Os objetos apresentados no livro fizeram igualmente parte de uma instalação que ocupou o Espaço Vitrine, do Museu Paranense (Curitiba - PR) no ano de 2022 e 2023. 

 

Podemos associar a imagem da capa também à ideia de musealização do quotidiano, questão com a qual vários museus se têm debatido na contemporaneidade: como colecionar, documentar e estudar o presente de forma sistemática e metodológica? E para além disso, que novas relações se podem estabelecer com os objetos de museus, porventura mais simbólicas, identitárias e pessoais, por sua vez mais intangíveis ou imateriais.

 

Nas palavras do artista:

«“Coleção à brasileira: uma visita à coleção da colecionadora diarista” é um livro de artista. A partir da catalogação dos objetos da minha casa, percebi que existia uma boa quantidade de objetos doados pelas ‘patroas’ da minha mãe, que trabalha como diarista. Cada objeto guardado em casa continha uma memória, era como se fosse uma coleção das casas e das pessoas para as quais a minha mãe trabalhou. Para o livro de artista, organizo esses objetos numa coleção e crio a personagem colecionadora-diarista que com o tempo aprendeu a encontrar histórias em cada objeto dado. O livro conta com fotografias da coleção de objetos expostos e com uma entrevista, que narra o surgimento da coleção e os seus futuros desdobramentos: a vontade, como afirma a colecionadora-diarista, de um dia ver a coleção virar museu, talvez o primeiro museu do Brasil organizado por uma diarista, pois museu de patroa, organizado por outras patroas, já tem muito por aí.

“Coleção à brasileira: uma visita à coleção da colecionadora diarista” também foi adaptado para uma instalação que ocupou uma vitrine expositiva do Museu Paranense (Curitiba - PR), no ano de 2022 e 2023. Nesta instalação foram inseridos os objetos fotografados para o livro e objetos de outras quatro empregadas doméstica. Além disso, a instalação contou com uma cenografia imitando o ambiente doméstico, um caderno de artista, peça sonora, videoarte e pequenas inserções textuais. “Coleção à brasileira” neste contexto foi o resultado dos esforços de cinco diaristas, entre elas minha mãe, a curadora Juliana Crispe e também a atriz Rana Moscheta, que deu voz a personagem da colecionadora-diarista» (Fonte: Everton Leite, 2024).

 

Everton Leite (Curitiba/Paraná, Brasil, 1994) é artista visual, editor e ilustrador. Tem mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pelotas (2023) e licenciatura em Artes Visuais pela Faculdade de Artes do Paraná (2016). Os seus trabalhos partem do seu quotidiano, principalmente da relação com a sua casa, com as memórias de infância e dos seus familiares. Na sua pesquisa artística trabalha também com textos literários e com os conceitos de arquivo e de memória.

Créditos
© Everton Leite. Conceção da capa: Elisa Noronha
Direitos de autor

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença . Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Ficheiro original
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search