Navegação – Mapa do site
Notações

Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia

Art Residencies Programme: Experimentation, Art, Science and Technology
Ana Noronha e Gonçalo Praça

Resumos

O programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia, que funcionou de 2007 a 2010, resultou de uma parceria entre a Ciência Viva e a Direção-Geral das Artes/Instituto das Artes desenvolvida para criar uma plataforma de trabalho e investigação reunindo artistas e cientistas. Para isto, definiu-se uma rede de instituições científicas de acolhimento, onde 18 artistas desenvolveram projetos de caráter experimental e transdisciplinar com ferramentas e processos específicos dos laboratórios de investigação científica. Esta nota descreve sumariamente as duas edições do programa e dá conta das principais conclusões da sua avaliação.

Topo da página

Texto integral

1O programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia (arteciencia.cienciaviva.pt/home) resulta de uma parceria entre a Ciência Viva e a Direção-Geral das Artes/Instituto das Artes desenvolvida para criar uma plataforma de trabalho e investigação reunindo artistas e cientistas. A Rede de Residências, que funcionou de 2007 a 2010, apresentou-se como base de um sistema de apoio à mobilidade intelectual. Era seu objetivo descentralizar a formação e a criação artísticas, incentivando a produção de obras de arte em centros de investigação científica e tecnológica. Com este fim, definiu-se uma rede de instituições científicas de acolhimento, onde 18 artistas puderam desenvolver projetos de caráter experimental e transdisciplinar, utilizando ferramentas e processos específicos dos laboratórios de investigação científica.

2O programa funcionou com candidaturas individuais, avaliadas pela Direção-Geral das Artes/Instituto das Artes, pela Ciência Viva e por representantes das instituições de acolhimento. O mérito do candidato, as qualidades de inovação e experimentação do projeto e a sua adequação aos objetivos do programa foram alguns dos critérios de avaliação contemplados. O critério principal, porém, foi a adequação do projeto às condições que a instituição científica de acolhimento oferecia, quanto a recursos materiais e quanto a linhas de investigação. Já as entidades de acolhimento foram escolhidas por terem alguma experiência em iniciativas de arte e ciência, procurando-se também diversidade a nível de áreas científicas.

3As residências decorreram em períodos de quatro a nove meses, durante os quais os artistas contaram com uma bolsa e foram acompanhados por um tutor em cada instituição.

4No primeiro biénio, 2007-2008, oito artistas residiram em laboratórios de biologia molecular, física, engenharia química e biomédica, engenharia de sistemas, imunologia e robótica, em Lisboa, Porto e Aveiro.

5Os trabalhos desenvolvidos foram apresentados em Lisboa, Porto e Coimbra, no ciclo Falar sobre Arte e Ciência, realizado com o apoio da FNAC. Os resultados das residências estiveram patentes na exposição Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia, no Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, e no respetivo catálogo, que reúne também depoimentos de alguns dos cientistas envolvidos. No Pavilhão do Conhecimento decorreu também uma visita guiada pelos artistas integrada na programação do Ciência 2008 – Encontro com a Ciência em Portugal. Associado à exposição, e como reflexão sobre o programa, decorreu ainda o encontro Interações Experimentação: Arte, Ciência e Tecnologia. Finalmente, o programa Rede de Residências foi apresentado no Euroscience Open Forum (ESOF) 2008, em Barcelona.

Fig. 1 – What we are & Who we Are (2007-2008), de Sónia Moreira, Residência do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP)

6Em 2009-2010, foram dez as residências em laboratórios de investigação de engenharia química e biológica, engenharia de sistemas e computadores, medicina molecular, nanotecnologia, neurociências e biologia celular, física, ótica e eletrónica, robótica, energia, desenvolvimento sustentável e ambiente.

Fig. 2 – Projeto In Place (2009-2010), de Tiago Dionísio, Residência no Instituto de Sistemas e Computadores do Porto (INESC), Porto

7Na segunda edição do programa, os artistas beneficiaram de um Dia Aberto nas instituições de acolhimento para visitarem as instalações e conhecerem in loco os projetos em curso. Neste biénio, o programa e os seus resultados foram apresentados numa tertúlia sobre Arte e Ciência; na feira Portugal Tecnológico 2010; no colóquio Digital Resources for the Humanities & Arts 2010 - Sensual Technologies: Colaborative Practice of Interdisciplinarity; no encontro Ciência 2010; numa masterclass; e nas Conversas de Arte e Ciência – Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Fig. 3 – Projeto Scientist Rat Instrument (2009-2010), de Herwig Turk, Residência no Instituto de Medicina Molecular (IMM), Lisboa

8Que avaliação podemos fazer do programa Rede de Residências? Um importante indicador é a forma como se reproduziu o espírito da iniciativa: vários artistas passaram a colaborar regularmente com as instituições de acolhimento em novos projetos; muitos dos envolvidos continuaram a trabalhar a interface arte-ciência, mesmo sem manterem relações institucionais com centros de investigação; noutros casos, os laboratórios envolveram-se com artistas exteriores ao programa.

9Depoimentos dos artistas e dos cientistas participantes dão conta de uma experiência transformadora. Sobretudo nas instituições de acolhimento sem departamentos de comunicação, lidar com artistas e visitantes durante os dias abertos foi por vezes um desafio. Mas as obras de arte realizadas nas residências ajudaram a apresentar as instituições de acolhimento ao público em geral, e nalguns casos foram encaradas como formatos mais simples e diretos de mostrar resultados científicos à sociedade.

10Estas obras também se traduziram em formatos alternativos de representação e visualização de informação científica, que possibilitaram aos próprios cientistas relacionar e analisar dados de perspetivas diferentes. Enquanto “leigos”, os artistas residentes levantaram problemas menos habituais, motivando os cientistas a explorar novas ideias e formas de explicação. Nalguns casos, a constante circulação dos residentes alterou e diversificou as rotinas dos laboratórios – por exemplo, para responder aos artistas, os cientistas variaram condições de experiências e de funcionamento dos instrumentos.

11Das sugestões recolhidas na avaliação do programa destacamos a intensificação das residências artísticas, aumentando substancialmente a sua duração e a organização de fóruns de reflexão durante o processo, por exemplo através de focus groups com artistas e cientistas.

12A apropriação da cultura científica por públicos diferenciados foi desde sempre uma preocupação da Ciência Viva. O programa Rede de Residências transportou essa preocupação para o campo das artes, permitindo a artistas explorar territórios da arquitetura, artes visuais, dança, design, música ou teatro com ferramentas próprias da investigação científica/tecnológica. O programa conseguiu atrair para a ciência novos públicos geralmente desligados destes interesses – sobretudo público qualificado, embora de áreas humanísticas e artísticas – e estimular o debate sobre tópicos tão candentes quanto complexos. Mas a Rede de Residências também possibilitou o movimento inverso: explorar como podem as práticas artísticas abrir vias de investigação inéditas, como podem os cientistas usar ferramentas próprias da investigação artística, e como pode a arte contribuir para a comunicação de ciência.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Fig. 1 – What we are & Who we Are (2007-2008), de Sónia Moreira, Residência do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP)
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/902/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 216k
Legenda Fig. 2 – Projeto In Place (2009-2010), de Tiago Dionísio, Residência no Instituto de Sistemas e Computadores do Porto (INESC), Porto
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/902/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 644k
Legenda Fig. 3 – Projeto Scientist Rat Instrument (2009-2010), de Herwig Turk, Residência no Instituto de Medicina Molecular (IMM), Lisboa
URL http://journals.openedition.org/midas/docannexe/image/902/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 441k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Noronha e Gonçalo Praça, « Programa Rede de Residências: Experimentação Arte, Ciência e Tecnologia », MIDAS [Online], 5 | 2015, posto online no dia 03 dezembro 2015, consultado no dia 22 novembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/midas/902 ; DOI : 10.4000/midas.902

Topo da página

Autores

Ana Noronha

Doutorou-se em Física no Instituto Superior Técnico. Colabora com a Ciência Viva desde 1997, integrando a direção a partir de 1999 e sendo diretora executiva desde 2007. Nesta qualidade, pertence ao Comité de Educação da Agência Espacial Europeia e participa em projetos para desenvolver o diálogo entre ciência e sociedade. Mais especificamente, coordena o projeto FP7 NERRI – Neuroenhancement Responsible Research and Innovation e participa em projetos H2020 para promover a literacia do oceano. anoronha@cienciaviva.pt

Gonçalo Praça

É assistente de projetos na Ciência Viva, onde participa em projetos na área da ciência e sociedade e investigação e inovação responsáveis (NERRI – Neuroenhancement Responsible Research and Innovation; RRI Tools). É mestre em Antropologia Social (ISCTE), e fez investigação etnográfica em estudos sociais da ciência e controvérsias entre o público, cientistas e governantes. gpraca@cienciaviva.pt

Topo da página
  • Logo CHAIA
  • Logo Instituto de História da Arte
  • Logo Cidehus
  • Logo CITCEM
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo REDIB - Rede Iberoamericana de Innovación Y Conocimiento Científico
  • OpenEdition Journals