Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros5 (10)Apresentação

Texto integral

1Este número, o décimo que o leitor tem em mãos, vem a público sob o símbolo das comemorações de mais um aniversário da Independência Nacional de Angola. Daí o seu título: Angola 40 anos da independência: Memória, Identidades, Cidadania e Desenvolvimento.

2A primeira secção, «Artigos» é composta por oito trabalhos e esta abre com o texto «... E os meninos de há 40 anos, o que aprenderam?...», da socióloga Cesaltina Abreu que, ao utilizar como mote o refrão do poema «Os meninos do Huambo» de Manuel Rui (1976), «procura sintetizar uma retrospecção sobre o estado de satisfação relativamente às promessas da Dipanda dos que eram meninos(as) à data da independência há 40 anos». «O antes, o agora e o depois: Angola 40 anos depois», da autoria da socióloga Ermelinda Liberato, é o texto que se alinha logo à seguir e no qual a autora procura fazer um balanço de 40 anos de independência de Angola marcado sobretudo por avanços e retrocessos. Nesse percurso indagador, a autora analisa os diferentes acontecimentos que marcaram cada época e de que forma estes influenciaram cada período assinalado. Segue-se-lhe o trabalho intitulado «Rethinking the 1961 Baixa de Cassange revolt: Towards a relational GeoHistory of Angola», do geodemógrafo norte-americano Aharom de Grassi, um texto que é um capítulo da sua tese de doutoramento que defendeu recentemente na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos da América (EUA). Trata-se, na realidade, de um estudo sobre a Baixa de Kassanje que aparece em boa hora, pois, o seu autor, através de uma reinterpretação geográfica e relacional do início da luta armada nacionalista em Angola, ajuda a criticar e ir além das interpretações comuns de Angola (e da África em geral), caracterizada por antigas divisões sócio-espaciais. O texto seguinte, intitulado «Um álbum fotográfico da Diamang», do historiador luso Diogo Ramada Curto, é o resultado de uma aturada pesquisa que deu azo a uma conferência lida e discutida com os seus colegas angolanos no Departamento de História (DH) da Faculdade de Ciências Sociais (FCS), e na qual o autor propõe uma longa discussão sobre a ideologia colonial, a partir da leitura da obra de José Osório de Oliveira, Flagrantes da vida na Lunda (1958), um álbum fotográfico encomendado pela Companhia de Diamantes de Angola (Diamang); segue-se-lhe o texto intitulado «A transculturação de Silva Porto na África Central — Viyè — Século XIX», da autoria da historiadora Constança do Nas- cimento da Rosa Ferreira de Ceita, que constitui uma síntese da sua tese de doutoramento defendida na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa (UNL), e que ensaia uma explicação acerca da longa permanência na África central do sertanejo luso António Francisco Ferreira da Silva Porto, através do seu envolvimento no meio sociocultural ovimbundu (1839-1890). O artigo analisa o itinerário de interacção sociocultural entre o sertanejo e a sociedade ovimbundu, a história das relações sociais e transculturais operadas entre este e a referida sociedade no segundo quartel do século XIX; seguem-se os textos de dois sociólogos angolanos: Garcia Neves Quitari, «A agricultura familiar em Angola: As armadilhas conceituais da classificação dicotómica» e Joaquim Assis, «Práticas sociais e políticas das ONGs em Angola. Metodologias e relações de poder: o caso da ADRA e da Visão Mundial (World Vision)». Através da sua reflexão, Quitari mostra que na análise acerca da agricultura familiar em Angola, geralmente se tem partido de falsas premissas, segundo a qual a agricultura familiar praticada na época colonial deve ser hoje o caminho a seguir. Esquecendo-se de interrogar a história, aqueles que tomam esse rumo parecem desconhecer ou ignorar que a agricultura familiar na época colonial assentara sobretudo na expropriação de terra dos africanos, no sistema de trabalho forçado, no monopólio colonial da produção e comércio dos produtos agrícolas, em detrimento dos africanos e da agricultura de subsistência. Contra esses argumentos, Quitari põe em causa esse raciocínio dicotómico e propõe uma forma real, actualizada, de lidar hoje com a agricultura familiar em Angola. Por sua vez, no seu texto, Joaquim Assis procura analisar as práticas políticas e sociais das ONGs sediadas em Angola, discutindo a maneira como ocorrem as relações de poder entre os diferentes actores envolvidos nos processos sociais vigentes no meio rural, entre os anos 1990 e o ano de 2012; e, finalmente, encontramos o texto intitulado «As Ciências Sociais e a mudança ambiental global. Desafios para o desenvolvimento sustentável em África», de dois autores lusos, já bem conhecidos entre nós: Nelson Lourenço e Carlos Russo Machado, texto esse apresentado por ocasião da Trienal UAN de Humanidades — I Congresso 2014, um importante evento realizado em Luanda, no período de 11 a 18 de Abril de 2014, e organizado pelas Faculdades de Direito, de Economia, de Ciências Sociais e de Letras da Universidade Agostinho Neto (UAN). Com este texto, em que se parte de determinadas premissas acerca da mudança ambiental global, os autores propõem um novo quadro teórico e analítico multidisciplinar tendentes ao estudo de questões críticas para o desenvolvimento e a sustentabilidade global: segurança alimentar, segurança hídrica, segurança energética, segurança na saúde e segurança humana. Concomitantemente, e sempre de acordo com os autores, o quadro conceptual proposto deve produzir e integrar novos conhecimentos em áreas como governança e limites e limiares de mudança; uso sustentável do capital natural e conservação da biodiversidade; estilos de vida, ética e valores; implicações económicas das mudanças tecnológicas e sociais associadas à transição para economias com baixa intensidade de carbono, enquanto que, as estratégias de sustentabilidade deverão integrar as perspectivas e conhecimentos das ciências sociais na análise da mudança ambiental global e na definição de estratégias e políticas de desenvolvimento.

3A secção «Livros» documenta a apresentação das seguintes obras: (1) Luanda. Estudo de Geografia Urbana, do geógrafo e historiador Ilídio do Amaral, lida pelo professor Luiekakio Afonso; (2) Manual prático de Demografia, do Eng. Manuel Félix, lida pelo professor Mingiedi Nzinga; (3) A gestão da doença no espaço sociocultural e urbano de Luanda. Os curandeiros tradicionais e os neotradicionais, da socióloga Fátima Viegas, lida pelo professor José Octávio Serra Van-Dúnem; (4) O paradoxo angolano. Uma política externa em contexto de crise, de José Maria Nunes Pereira, recensão efectuada pelo jornalista Manuel Rodrigues Vaz; (5) O paradoxo angolano. Uma política externa em contexto de crise, de José Maria Nunes Pereira, prefácio a obra e apresentação pública efectuada por Manuel Inácio dos Santos Torres; e, finalmente, (6) La distintion. Critique sociale du jugement, do sociólogo francês Pierre Bourdieu, recensão da obra efectuada pela socióloga e Chefe do departamento de Sociologia, professora Cesaltina Abreu.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Virgílio Coelho, «Apresentação»Mulemba, 5 (10) | 2015, 7-18.

Referência eletrónica

Virgílio Coelho, «Apresentação»Mulemba [Online], 5 (10) | 2015, posto online no dia 10 outubro 2018, consultado o 16 agosto 2022. URL: http://journals.openedition.org/mulemba/1703; DOI: https://doi.org/10.4000/mulemba.1703

Topo da página

Autor

Virgílio Coelho

Editor

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

All rights reserved

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search