Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros5 (10)Artigos«...E os Meninos de há 40 anos, o...

Artigos

«...E os Meninos de há 40 anos, o que aprenderam?...»

«... And the Boys of 40 years ago, what did they learn?...»
Cesaltina Abreu
p. 21-29

Resumos

Tendo como mote o refrão do poema «Meninos do Huambo» de Manuel Rui (1976), este artigo procura sintetizar uma retrospecção sobre o estado de satisfação relativamente às promessas da Dipanda dos que eram meninos(as) à data da independência há 40 anos. Essa análise organiza-se em torno de três eixos: o (dis)funcionamento da vida diária ou o desconseguir de melhorar a vida quotidiana numa base universal, as contradições/ambiguidades/frustrações da falência da «construção da angolanidade» e de formas de pertencimento e de participação, e os problemas resultantes das crescentes pobreza e desigualdade sociais.

Topo da página

Notas da redacção

Recepção do manuscrito: 16/01/2016
Aceite para publicação: 30/01/2016

Notas do autor

Falhada a inclusão da minha proposta de intervenção no programa do V Colóquio da Faculdade de Ciências Sociais, Angola 40 anos de independência: Memória, Identidades, Cidadania e Desenvolvimento, o presente texto é publicado aqui pela cortesia do seu Editor.

Texto integral

  • 1 Cf. Paulo de Carvalho, O melhor de (1999). Universal Music Portugal – 546 590-2. CD Compilation Rem (...)
  • 2 Ruy Mingas, Memória (2011). Maianga – CD 2011758. 2xCD – Compilation, faixa nº.11 <https://www.disc (...)

1Em 1976 Manuel Rui publicou o poema Os Meninos do Huambo (cf. RUI 1976 e Anexo, infra) e, em 1985, esse mesmo poema foi musicado e cantado em Portugal por de Paulo de Carvalho1 e, posteriormente, pelo músico angolano Ruy Mingas.2 Apesar de 10 anos após a independência, a letra do poema reavivou a onda de entusiasmo e esperança num futuro melhor para todos, em resultado da luta anticolonial e da independência em 1975. Este poema tem como refrão:

«[…] os meninos à volta da fogueira
vão aprender coisas de sonho e de verdade
vão aprender como se ganha uma bandeira
vão saber o que custou a liberdade […]».

2Embora sem substituir-me ao autor, recupero emoções e expectativas que associei a esses versos desde a primeira vez que os li e, posteriormente, quando os escutei, e pergunto-me até que ponto as promessas nele contidas terão sido satisfeitas/atendidas/tidas em conta nestes 40 anos: O que os Meninos de há 40 anos aprenderam?...

3Na vasta obra de Manuel Rui, prosa e poesia, predominam a criatividade nas angolanizações da língua portuguesa e a liberdade nos neologismos, a reflexão crítica sobre a evolução de Angola desde a independência e o recurso ao humor ácido, tantas vezes, com a tradução em frases mordazes do desencanto e da esperança cansada de tanto esperar as promessas da independência tornarem-se realidade para todos os angolanos. Mas simultaneamente procura, numa articulação entre passado e futuro — na originalidade das suas personagens e no magistral uso dos diálogos e narrativas através dos quais fazemos sentido de nós e dos outros e nos posicionamos em relação ao que nos cerca —, recuperar sonhos e dar sentido às expectativas expressas nos «discursos» de então como forma de reavivar as «coisas de sonho e de verdade», dar sentido aos processos que permitiram «ganhar uma bandeira» para enfim poder transformar a realidade de grupos sociais dominados pelo colonialismo num quotidiano permeado de liberdades substantivas, onde a diversidade não seja um «problema» mas antes um «potencial» para a transformação social.

4Colocando-me no lugar dos Meninos de há 40 anos, ouso relacionar a reflexão sobre o que acontece em seu redor, no estado das coisas aos mais diversos níveis viajando pelo tempo; afinal, nenhuma projecção futura se faz sem alicerces na trajectória até então percorrida. A procura de entendimento da situação tal como ela se apresenta, conduzirá os Meninos de há 40 anos a um questionamento sobre o que foi projectado — e eles «herdaram» das gerações ancestrais —, e o que foi concretizado. Por muitas que sejam as realizações, certamente que as há, serão levados a concluir que a implementação do projecto da Dipanda não conduziu aos resultados esperados: irão confrontar-se, certamente, com a constatação que, nos domínios social, económico e político, tal projecto ficou longe de alcançar os objectivos que se propunha.

5Procurando organizar a diversidade de problemas não ou mal resolvidos, os Meninos de há 40 anos poderão construir, pelo menos, três categorias de questões: numa, poderão enquadrar as questões relacionadas com o (dis)funcionamento da vida diária, ou seja, o desconseguir de melhorar a vida quotidiana numa base universal; noutra, colocarão as contradições/ambiguidades/frustrações da falência da componente «construção da angolanidade» e de formas de pertencimento e de participação, devido ao esvaziamento do conteúdo dos laços de cidadania nacional; finalmente, e não necessariamente nesta ordem, surgirão os problemas resultantes da sobrevalorização de valores materialistas, do supérfluo e do desperdício, das aparências, dos simulacros, da ostentação, de uns poucos mas poderosos grupos que indevidamente se apropriaram dos recursos que deveriam sustentar o bem-estar de todos, nós Hoje e os que virão Amanhã.

6A primeira categoria abarca as questões de identidade, reconhecimento e pertencimento, que orientam a acção de grupos e movimentos sociais, dentro e fora do espaço territorial do estado. A segunda, envolve igualmente questões de reconhecimento e de pertencimento, embora numa perspectiva mais ampla de criação de identidades e de cidadania nacional e supra-nacional. A terceira requer a busca por mecanismos de coordenação das decisões políticas numa perspectiva de conciliar os diversos tipos de interesses e de necessidades dos grupos sociais que coexistem no espaço-território-à-espera-da-nação, porque todos contam!

7Contudo, quer o perfil das questões, quer o perfil das eventuais saídas da crise em que se encontrarão mergulhados, estão conformados por sentimentos de frustração e de impotência, mais ou menos generalizados, resultantes da tomada de consciência de que o modelo «esgotou-se» nos seus excessos e défices, não parecendo oferecer alternativas satisfatórias para a crise que ele próprio gerou. Confrontados com as suas conclusões, não restará aos Meninos de há 40 anos, senão duas alternativas: recolherem-se numa atitude contemplativa «de espera para ver no que dá» ou a procura, dentro de si e no seu entorno — mais ou menos amplo —, de outras maneiras de olhar o futuro, através da reinvenção de si próprios e do seu estar em sociedade, comunidade ou grupo ao qual se vinculam por laços de solidariedade, da sociedade que lhes aporta o estatuto de cidadão nacional e do mundo, do qual se sentem ou desejam sentir parte, por via da realização mais acabada e melhor conseguida da sua condição de Ser Humano e Cidadão.

8Os caminhos utópicos que a imaginação terá de percorrer para construir essa nova realidade deparam-se, desde logo, com inúmeros problemas e constrangimentos, os quais apenas serão ultrapassados se, e na medida em que, o potencial inovador de que são portadores se liberte através de um processo de auto-reflexão individual e grupal e da capacidade de difusão dessas utopias, por via de interacções sociais aos diversos níveis, ou seja, se se permitirem ultrapassar as barreiras conceituais que pretendem conformar o seu pensamento e comportamento. E, acima de tudo, se vencerem o medo, porque afinal acontecimentos recentes nos mostraram que enquanto «Nós», Podemos!...

9Como até aqui desconseguimos, procuremos pelo menos alimentar-nos de esperanças recentemente reerguidas de que «nem tudo está perdido» e contribuir para o esclarecimento das questões que os Meninos de há 40 anos colocam hoje em dia à cidadania e que terão, necessariamente, de ser «bem» resolvidas, caso o objectivo seja, realmente, a construção de algo novo, um legado ao futuro mais coerente com a condição de seres humanos que somos. Para tal, é mister ser realistas nas nossas abordagens sobre o «agora», não deixando de sonhar um «amanhã» melhor e, acima de tudo, acreditando que o sonho é possível.

10Mas para isso, será necessário recorrer

11- à criatividade, para construir uma nova estruturação das relações sociais aos diversos níveis da interação local, nacional e internacional, porque através da interacção criativa e reflexiva pode produzir-se um leque de alternativas possíveis para os prenunciados caminhos de mudança através da transformação social; a sociedade tem uma capacidade inesgotável de inovação e criatividade capaz de gerar novos conceitos e de os materializar de forma harmoniosa e adequada aos diversos contextos, desde que o Estado e os poderes instituídos desenvolvam capacidades de com ela trabalharem (o que não tem sido o nosso caso);

12- a novos/nossos conceitos de pertencimento e de reconhecimento necessários para a construção da Nação aos diversos níveis; através da ideia de Angolanidade ou outra funcionalmente equivalente, indivíduos e grupos reconhecem-se como pertencentes a uma colectividade, a um grupo, a uma nação. Através das interacções e processos de selecção pelos quais se constrói a dimensão hermenêutica do sistema social, ou seja, através de mecanismos de comunicação simbólica dentro e entre as colectividades, a construção dessa dimensão poderá acontecer por consenso ou dialogicamente. Ao contrário, o exercício do poder pressupõe a imposição, incluindo o recurso à coerção. A história ensina que a abertura é necessária à reinterpretação pelos diversos actores e grupos sociais do seu passado colectivo (em especial dos conflitos), à passagem de direitos individuais a direitos colectivos e à redefinição de fronteiras entre os grupos e destes com o exterior, criando as condições para um processo de educação em moralidade de grupo;

13- e às memórias sociais de indivíduos, grupos sociais, comunidades, sociedades e nações, comummente construídas e partilhadas, fundamentais para o estabelecimento de relações de confiança entre os constituintes da nação. Este processo implica a reconstrução crítica das memórias colectivas dos grupos abrindo uma nova perspectiva de construção de um consenso nacional não apenas baseado nas regras e memória colectiva do grupo dominante e/ou vencedor, mas na busca comum de uma visão mutuamente aceitável de futuro respaldada numa visão partilhada e aceite do passado. Somando os esforços e as vontades de todos, serão produzidas novas bases de cooperação numa sociedade consciente de si própria, progressivamente mais tolerante, mais confiável e confiante, capaz de legitimar a sua identidade face à pluralidade e à globalização, e de encarar o desafio que esses processos representam aos seus «limites» e «fronteiras» económicos, culturais e políticos, recorrendo aos tais novos/nossos critérios de legitimação de novas identidades, na medida em que as tradições também contribuem para gerar identidades criativas, construir novos usos e costumes através do resgate de formas tradicionais de ser e pensar em sociedade e das suas articulações com o tempo do mundo.

14E, voltando a Manuel Rui, desta feita em Janela de Sónia (2009), porque não tentarmos, ainda que simbolicamente, um novo começo, uma «nova independência, democrática, de igualdade e sem medo», pois, «No quê que temos mais para acreditar? Independência não era festa? E então não é só morrer atoamente? O menino desculpa, mas temos de começar outra independência até acabar a guerra e a fome e as pessoas dizerem bom dia sem medo» (cf. RUI 2009: 376).

15A guerra já acabou, falta-nos dar conta da fome e do medo!

Topo da página

Bibliografia

RUI Manuel, 2009, Janela de Sónia. Romance. Luanda, União dos Escritores Angolanos.

RUI Manuel, 1976, «Meninos do Huambo», in 11 Poemas em Novembro: Ano 1. Luanda, União dos Escritores Angolanos [«Cadernos Lavra & Oficina»; 1], 56p.

Discografia

CARVALHO Paulo de, 2004, «Os Meninos do Huambo», in A arte e a música de Paulo de Carvalho (Álbum), data de lançamento: 2004. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=Mij6ULLzUP0>

CARVALHO Paulo de, 2010, «Os Meninos do Huambo», in Música Popular Tuga, 7/4/2010, disponível em https://www.youtube.com/watch?v.=9Qm_fqH4GCE e <www.letras.mus.br>

MINGAS Rui, «Os Meninos do Huambo», disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=D_naXf_c6AS>

MINGAS Rui, <https://www.youtube.com/watch?v=JpeYSKfHvF4>

MINGAS Rui, <www.angomais.com>

MINGAS Rui, <www.letras.mus.br>

MINGAS Rui, <bda.ao/yetu/olhares/o-exito-de-os-meninos-do-huambo>

MINGAS Rui, <musdicaq.org/descargar-musica/b6d67e2-ruy-mingas.html>

MINGAS Rui, <ocastendo.blogs.sapo.pt/275527.html>

MINGAS Rui, <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rui_Mingas>

Topo da página

Anexo

ANEXO

Os Meninos do Huambo

Com fios feitos de lágrimas passadas
Os meninos do Huambo fazem alegria
Constroem sonhos com os mais velhos de mãos dadas
E no céu descobrem estrelas de magia

Com os lábios de dizer nova poesia
Soletram as estrelas como letras
E vão juntando no céu como pedrinhas
Estrelas letras para fazer novas palavras

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Com os sorrisos mais lindos do planalto
Fazem continhas engraçadas de somar
Somam beijos com lores e som suor
E subtraem manhã cedo por luar

Dividem a chuva miudinha pelo milho
Multiplicam o vento pelo mar
Soltam ao céu as estrelas já escritas
Constelações que brilham sempre sem parar

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Palavras sempre novas, sempre novas
Palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

Assim contentes à voltinha da fogueira
Juntam palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do Povo

* In Manuel Rui, 11 Poemas em Novembro: Ano 1. Luanda, União dos Escritores Angolanos [«Cadernos Lavra&Oficina»; n.º 1], 1976, pp. ???.

Topo da página

Notas

1 Cf. Paulo de Carvalho, O melhor de (1999). Universal Music Portugal – 546 590-2. CD Compilation Remastered, Faixa n.º 16. Paulo de carvalho, nome artístico de Manuel Paulo de Carvalho Costa, nascido em Lisboa, Portugal, em 15 de Maio de 1947. Para escutar, acessar <https://www.youtube.com/watch?v=9Qm_fqH4GCE>, 3:34 minutos; <https://www.youtube.com/watch?v=Mij6ULLzUP0>, 3:37 minutos. Site <www.desafinacoes.pt.vu>

2 Ruy Mingas, Memória (2011). Maianga – CD 2011758. 2xCD – Compilation, faixa nº.11 <https://www.discogs.com/Ruy-Mingas-Mem%C3%B3ria/release/5912114>. Ruy Mingas, nome artístico de Rui Alberto Vieira Dias Rodrigues Mingas, nascido em Luanda em 12 de Maio de 1939, cantor e guitarrista, musicou e interpretou o poema de Manuel Rui. Para ouvir, acessar <https://www.youtube.com/watch?v=D_naXf_c6As>, 4:25 minutos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Cesaltina Abreu, ««...E os Meninos de há 40 anos, o que aprenderam?...»»Mulemba, 5 (10) | 2015, 21-29.

Referência eletrónica

Cesaltina Abreu, ««...E os Meninos de há 40 anos, o que aprenderam?...»»Mulemba [Online], 5 (10) | 2015, posto online no dia 10 outubro 2018, consultado o 02 julho 2022. URL: http://journals.openedition.org/mulemba/1710; DOI: https://doi.org/10.4000/mulemba.1710

Topo da página

Autor

Cesaltina Abreu

Socióloga e Engenheira Agronóma. É Professora Auxiliar e Chefe do Departamento de Sociologia (DS) da Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade Agostinho Neto (UAN) e Coordenadora da «Série Sociologia» dos Cadernos de Ciências Sociais; é docente convidada do Curso de Mestrado em Ordenamento e planeamento de áreas urbanas do Departamento de Arquitectura (DA) da Faculdade de Engenharia (FE) da UAN.

tinaabreu@yahoo.com.br
tinaabreu@hotmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Tous droits réservés

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search