Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros6 (12)Apresentação

Texto integral

1Sobre a sociedade e a cultura em Angola e alhures: Algumas reflexões de percepções sobre a realidade e múltiplas experiências é o título de um novo número da nossa revista que o leitor tem em mãos. Trata-se do segundo do ano de 2016 e cujo título e conteúdo se ancora nos múltiplos materiais que foi possível reunir.

2A secção «Artigos» reúne um conjunto de oito trabalhos: o primeiro, intitulado «A “raça” e o racismo: Algumas incidências sobre Angola» é da autoria de Arlindo Barbeitos, experimentado sociólogo que, «introduz e procura clarificar as questões de raçae racismo ao longo da história no mundo e, consequentemente, abordar algumas das suas principais incidências em Angola». Aolongo desta pertinente reflexão, o autor atém-se a história enquanto«lugar de fixação de dados e de factos documentados, com o intuitode procurar compreender a produção das ideias discriminatóriasou de exclusão ao longo dos séculos». Segue-se-lhe duas reflexõescujas temáticas abordam especificamente o continente africano: «L’intégration régionale em Afrique. Un processus déjà ancien...pour quels résultats», a primeira, do historiador Simão Lungyeki Makiadi, efectua uma «análise crítica da história e do estadoactual da integração económica e política do continente africano»;na sua abordagem, «constata que apesar dos esforços consentidos, a integração regional não atingiu ainda os resultados esperados»; a segunda, intitulada «Os grandes desafios dos governos africanos para o século XXI», o politólogo Miguel Domingos Bembe, constata que o «sistema de governação de muitos países africanos é ainda caracterizado por um total desrespeito pelos direitos humanos, assim como pela marginalização da grande maioria dos seus povos», pelo que, apoiado por alguns autores africanos proeminentes, que «consideram que a transformação estrutural e sistémica da África deve passar necessariamente pela construção de sociedades mais abertas, mais democráticas, mais transparentes, mais participativas e mais justas», propõe a identificação e a caracterização «dos vectores considerados essenciais» de modo que os Estados africanos possam enfrentar «com segurança e êxito os múltiplos desafios políticos, sociais e económicos colocados aos seus governos no século XXI».

3Os textos que se seguem são: «A percepção da educação desde a perspectiva sociológica», em que o sociólogo António Inácio Rocha Santana, baseado nos autores clássicos da sociologia, enceta uma profícua discussão sobre a sociologia da educação, cuja «convergência de ideias são complementares da prática educativa», tendo por único fim «a formação de cidadãos melhor preparados e qualificados para corresponder às novas demandas sociais». Entretanto, em «“Kiandando... sabe tudo!...” A mediatização do quo- tidiano luandense pelo programa “Kiandando” da Rádio Luanda», o texto que se segue do sociólogo Odílio Fernandes, o autor procurou «analisar a lógica produtiva do programa Kiandando, emitido pela Rádio Luanda que apresenta os problemas sociais da cidade de Luanda relatados pelos ouvintes, bem como as estratégias discursivas utilizadas pelo seu apresentador». O texto analisa também a componente educativa do programa e resume a sua grande utilidade em múltiplos sentidos. O trabalho que se segue, intitulado «Ver a emoção: A kizomba de Angola para o mundo», é um texto da antropóloga italiana Federica Toldo, que pretende «estudar a difusão internacional de um tipo de dança de casal de origem angolana conhecida por kizomba e as suas consequentes transformações». Com efeito, trata-se de uma dança que é cientificamente pouco conhecida, não obstante a sua inesperada introdução, utilização e projecção na Europa.

4Por sua vez, o «Fundamento da ekula no poder tradicional mundombe», do historiador Armindo Jaime Gomes é um «artigo que foi escrito a partir de uma súmula de dados orais recolhidos entre 1997 e 2005 e que procura analisar a realidade sociocultural e etno-histórica ndombe do Dombe-Grande, localidade situada no sul litorâneo de Benguela». No seu essencial, o «texto faz a descrição de uma cerimónia tradicional sobre a ekula, instituição de natureza político-religiosa observada em 1999, sem contudo poder sustentá-lo com referências bibliográficas de estudos efectuados anteriormente sobre este assunto».

5Encontramos, finalmente, o último texto desta secção denominado «O trabalho de campo como experiência etnográfica nas aldeias da comuna de Luvo, município de Mbanza Kongo», do experiente antropólogo Bortolami Gabriele, que constitui a descrição de uma campanha de trabalhos sobre o terreno, por si encabeçada em conjunto com os seus alunos do 4.o ano do curso de Antropologia, do Departamento de Antropologia (DA) da Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade Agostinho Neto (UAN). Trata-se de experiência única em que os participantes «tiveram a possibilidade de experimentar a capacidade de enfrentar situações novas e pessoas desconhecidas, na recolha de dados durante o trabalho de campo realizado nas aldeias ao longo da estrada que conduz à comuna fronteiriça de Luvu».

6São estes, pois, o conjunto dos trabalhos diversificados que aqui foram reunidos com o intuito de preencher esta secção da revista.

7A secção «Livros» inclui quatro textos. O primeiro, «Os limites sociais do crescimento nas sociedades avançadas...», é um aturado estudo analítico da obra de Fred Hirsch publicada em 1978, efectuado pela socióloga Cesaltina Abreu; o segundo, intitulado «Acerca das contradições de Carlos Serrano na obra Os Senhores da Terra e os Homens do Mar», constitui a apresentação pública da referida obra efectuada pelo antropólogo Bortolami Gabriele; o terceiro texto intitula-se «Globalização: A grande desilusão, de Joseph Stiglitz. Uma obra que responsabiliza o Consenso de Washington, o FMI e o BM pelo seu fracasso», é uma esclarecida recensão da responsabilidade da socióloga Ermelinda Liberato. E, finalmente, «Teorias sobre direito natural, sua origem e desenvolvimento: Elementos para uma leitura sistemática de Richard Tuck», é um longo estudo da importante obra de Richard Tuck publicada em 1982, efectuado igualmente pela socióloga Cesaltina Abreu.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Virgílio Coelho, «Apresentação»Mulemba, 6 (12) | 2016, 5-9.

Referência eletrónica

Virgílio Coelho, «Apresentação»Mulemba [Online], 6 (12) | 2016, posto online no dia 30 setembro 2018, consultado o 17 maio 2021. URL: http://journals.openedition.org/mulemba/590; DOI: https://doi.org/10.4000/mulemba.590

Topo da página

Autor

Virgílio Coelho

Editor

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Tous droits réservés

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search