Navigation – Plan du site
Débats | 2006
História cultural do Brasil – Dossier coordenado por Sandra Jatahy Pesavento
Maria Luiza Martini

Testemunhos: tia, me dá uma moeda?

[02/02/2006]

Résumé

Trabalhar com o imaginário de crianças e adolescentes em situação de rua, através de grupos focais, indo aos lugares onde esta população atua, dando preferência a entrevistas por comentário, não inquisitoriais. Assim colher indicadores a partir dos quais selecionar correlações de variáveis de questionários estruturados e enriquecer descrições de elementos culturais e grupos sociais constituintes de seus quadros sociais de memória..

Haut de page

Texte intégral

1“Perfis e mundo de crianças e adolescentes em situação de rua” na grande Porto Alegre (RS, Brasil) foi um amplo esforço de pesquisa, coordenado pela Fundação de Assistência Social e de Cidadania (FASC), desenvolvido pelo Laboratório e Observação Social, IFCH/UFRGS (LABORS) em 2004, financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para subsidiar políticas públicas pertinentes à questão.

2Trabalhar com o imaginário dessa população foi um dos objetivos da pesquisa. Não obstante o limite do questionário estruturado e semi-estruturado, procuramos construir questões a partir de elementos culturais Além disso, Miriam Lemos, primeira diretora da Escola Aberta em POA, e eu, historiadora, professoras e pesquisadoras da UFRGS, realizamos um segmento de trabalho qualitativo, privilegiando vários tipos de entrevista.

3A fonte histórica mais antiga é o testemunho, ver, ouvir, experimentar, caracterizando-se por ser relativamente mais aberta a versões e a lacunas de memória, de quem testemunha e de quem registra por escrito. Trata-se de uma fonte de caráter etnográfico e histórico, que abrange o exterior e a imaginação, ao sabor das categorias da linguagem (quem, o que, quando, como, onde, porque). A partir dessa opção mais ampla, trabalhamos com a metodologia de grupos focais acessando as crianças no seu espaço e práticas, em seu foco, nas praças, sinaleiras e outros lugares em que se agrupam costumeiramente, indicados por mapeamento prévio.

4Tal caminho nos permite, em tese, transitar com nossos entrevistados entre a situação de rua em que foram classificados, e onde fomos encontrá-los, para uma situação personalizante - identidade e quadros sociais da memória - (Sou como quem? Sou diferente de quem? Gostaria de ser como quem? Do que gosto de brincar) Nesse sentido, é sempre significativo lembrar os muitos meninos com quem já cruzamos, vestidos de batman, de policial, de meninas com chiquinhas da Xuxa1, ou tantos outros adereços da boneca Barbie. Isto, para não recair num vazio semântico em que as categorias identidade e memória sejam abstraídas do desejo, do afeto. Procuramos seus rostos, corpos e cenários, evitando o inquérito.

5Sendo assim, associamos à metodologia de Grupos Focais procedimentos diversos: desenhar, cantar e gravar canções prediletas, auto-entrevistas em duplas que se revezam como entrevistador e entrevistado, entrevista por comentário a partir da narração de estórias ou roteiro temático, combinando registros etnográficos e históricos clássicos (diário de campo) e contemporâneos (gravação).

6A entrevista por comentário consiste em

“extrair informações (...) fazendo afirmações intencionais em vez de perguntas diretas. Os comentários podem variar, assim como ocorre com as perguntas, no grau com que são focados ou não e no seu nível de especificidade ou generalidade” (idem : 50 rodapé)

7Procuramos analisar os comentários considerando-os pelos pontos em que se interseccionam, se associam transitando de uma idéia para outra..

8O gravador foi utilizado preferencialmente para manifestações espontâneas como cantar músicas de sua escolha, gravar e ouvir o seu nome, falar sobre um sonho ou projeto, mandar uma mensagem para alguém ou realizar auto-entrevistas. No grupo, as crianças escolhem suas duplas, revezando os papéis de entrevistador e entrevistado.

9O recomendável seria constituir uma amostra por saturação, isto é, consolidá-la a partir da reedição de manifestações, respostas e atitudes diante das estratégias de entrevistas proposta. Tal postura ultrapassaria largamente, o tempo que tínhamos para trabalhar. Assim, decidimos trabalhar até o momento em que tivéssemos resultados estatísticos com que confrontar nossas observações, sugerindo correlações de variáveis.

10Realizei o trabalho de natureza mais propriamente histórica e historiográfica, selecionando estórias potencialmente capazes de propiciar a relação entre passado e presente, no modo proposto por Benjamim, a partir dos seguintes critérios: capacidade metafórica, difusão e recepção sobre a situação em estudo.

11Através deles chegamos a Joãozinho e Mariazinha (Jacob Grimm – 1785/1863 e Wilhelm Grimm 1786/1859) ao Pequeno Polegar (Charles Perrault 1628 - 1703) e ao Patinho Feio (Hans Christian Andersen – 1805/1875). Trata-se de estórias que remontam a tradição oral do séc. XVI, que no século XVIII têm suas versões registradas em livro. Daí em diante, elas são constantemente reeditadas, recebem novas versões, originando filmes, desenhos animados para a TV, produções teatrais por todo o mundo, através dos tempos, constituindo historicamente o imaginário infantil.

12Todas elas tratam, como é de conhecimento geral, de crianças entregues a própria sorte, excepcionalmente espertas, corajosas e autônomas, que se desenvolvem na luta com figuras ricas, poderosas e malévolas. Não só são capazes de salvarem a si mesmas como aos próprios pais. Originalmente não se destinavam às crianças, mas seus personagens eram crianças. Ao ultrapassarem a idade de sete anos, ainda no início do século XVIII, entre os setores populares, já eram vistas de modo especial as crianças que sobreviviam. Por isso recebiam uma espécie de aura legendária por sobreviverem, uma vez que mais da metade morria antes dessa idade.

13Tal quadro de mortalidade “fazia com que (...) as crianças fossem consideradas pouco mais que animais”2 cuja força de trabalho deveria ser aproveitada ao máximo; também era comum o infanticídio e o abandono a própria sorte ou a entrega à Deus, como alternativa a extrema miséria dos pais: não alimentar mais uma boca.

14Segundo Benjamin, o conto de fadas apresenta em seus heróis infantis uma dialética da coragem, entre a astúcia e arrogância3. Bettelheim, em a Psicanálise dos Contos de Fada, sustenta que tais narrativas têm valor terapêutico, ensinando às crianças que “uma luta contra graves dificuldades na vida é inevitável”. Acrescenta com grande otimismo: “se não fugimos assustados, mas enfrentamos resolutamente sofrimentos inesperados e muitas vezes injustos, dominamos todos os obstáculos e no final emergimos vitoriosos.”4 Em contrapartida, vale considerar que há tudo na ficção de valor, menos uma resposta clara Mesmo os contos de fada, com seu senso de justiça ingênuo, seu materialismo obstinado e seu espectro imaginativo por vezes estreito, raramente enviam mensagens sem ambiguidade...

15A referência a produtos culturais preferidos, (canções, jogos, desenhos, programas de TV, cantores e atores prediletos) indica quadros sociais da memória: heróis, modelos a serem imitados (personagens e seus protagonistas, atores, atrizes, cantores, grupos musicais) e sua variação da infância à juventude. Também permite uma abordagem indireta, protagonizada, isto é, em que o sujeito se expõe através do que deseja expor. A própria cultura constitui essa possibilidade.

16Tanto os contos, quanto a identificação de produtos culturais, o exercício de diferentes papéis, proporcionam um enfoque no ator social, nos quadros sociais de sua memória. Mais precisamente, não se propõem uma aproximação psicológica. Se ela ocorre, é tangencial, não constituindo o enfoque deste objeto.

17Passamos a apresentar discursos das crianças em excertos ou citações, dos Diários de Campo ou transcritos de gravações, bem como a análise dos comentários, no modo anteriormente proposto.

18Em abordagem na Praça XV, depois de uma série de peripécias, consegui contar estórias para duas crianças.

19Filho de um presidiário e uma “pedida”, isto é, pessoa jurada de morte, o “pequeno” (assim passamos a denominá-lo), de 5 anos mora com a avó. Eventualmente passa o dia com a mãe. Encontra-a na Praça XV.

20“Pequeno” chega ao que procura, usando todos os seus recursos, uma narradora só para si.

21“Conto “O Patinho feio”, de Andersen. Ele segue a estória com atenção. Interrompe para rever ilustrações. Aponta o peru que bica o patinho. “Ele é brabo, diz” – Detém-se novamente na ilustração em que o personagem sofre o ataque de caçadores. Aparecem as balas, um pato selvagem morto, outro chorando. Olhou atentamente, sem dizer nada.

22Ao fim da história, não responde a pergunta – “o que mais gostaste” -. Volta as ilustrações. Para no ataque aos patos selvagens e aponta para o patinho feio, no meio das balas. Também não responde a pergunta – “o que menos gostaste na estória” -. Diz: “conta outra”.

23Passo para “Joãozinho e Mariazinha”, dos Irmãos Grimm. Ao atingir o momento em que os personagens são abandonados pela segunda vez, outro menino junta-se a nós. O pequeno resiste a idéia de recomeçar, mas o “recém chegado” (assim passei a denominá-lo) diz que não precisa, conhece a história. Antes de continuar eu comentei:

24- Parece que os pais pensam que os meninos poderiam achar uma vida melhor longe deles. É preciso ser muito valente para encarar a floresta.

25- A minha mãe fez assim, diz o “recém chegado”, baixinho.

26No momento em que a bruxa prende as crianças, pergunto-lhe se gostaria de ler. Tímida e corretamente leu um parágrafo e passou-me o livro. Ficamos um bom tempo na ilustração em que Joãozinho aparece na gaiola e Mariazinha trabalha. Olhamos cada elemento.

27- Ele não dá o dedo, é o osso, disse o “recém chegado”

28- Foi a Mariazinha que jogou a bruxa no forno, digo. Ela é valente

29- Matou a bruxa, matou! diz “Pequeno”

30Ao fim da história comento: as crianças é que trouxeram comida e dinheiro para os grandes.

31Da bruxa! Fsssssh! Indicou o pequeno

32“Recém chegado” disse:

33“a minha mãe não fez isso.”

34“Recém chegado” também mora com a avó e está na praça acompanhando a tia. Freqüenta a escola, 3a série com 10 anos.

35Comentários

36“Pequeno” (5) inicia os comentários detendo-se na violência do peru contra o patinho. Aponta a ilustração, depois fala da brabeza. A minha pergunta com a finalidade de provocar seu comentário, “o que mais gostaste”, responde com o retorno a ilustração e ao gesto; ele aponta o patinho vivo no meio das balas. Ao “que menos gostaste” responde indiretamente, falando: “conta outra”. Toda criança nessa idade dramatiza, fala sozinha, trava combates. “Pequeno” responde com sensibilidade, dirigindo-se, no mesmo registro, ao interlocutor: remete-o a ilustração, aponta, silencia seletivamente, seja para continuar o prazer da estória, seja para não aproximar-se demais de sua história, ou por outras motivações que não consigo perceber ou imaginar. O galinheiro, espaço de segurança é também o do “peru brabo”; pode ser metáfora da comunidade imemorial, onde o controle social é feito pelo “boato” de vizinhos e violência de poderosos, de onde se expulsa o estranho. Também pode ser a metáfora da Vila Restinga5, controlada por facções do crime organizado, onde todos sabem de tudo quanto é silenciado (lei do silêncio, lugares onde não se pode andar) pelo medo e pela crença de que não falar da pobreza e da violência afasta o mal. Conto Joãozinho e Mariazinha. “Recém chegado” (10) reage a idéia de que os pais abandonam os filhos para que eles tenham chance de ter um futuro melhor; refere-se a sua mãe, ao seu abandono. Ele e “pequeno” apreciam a figura de Joãozinho na gaiola, a ilustração é o discurso principal. “Recém chegado” tem prazer, sorri com a esperteza de Joãozinho (mostrar o osso de galinha para adiar sua morte). Quando comento a valentia de Mariazinha “Pequeno” grita, entusiasmado e vingativo (matou!...). Ao comentar que as crianças ajudaram os grandes, “Pequeno” vibrou com o confisco da fortuna da bruxa. Sua resposta é mimética: fssssh! O som sibilado lembrava arma com silenciador ou deslocamento de uma lança até o alvo. “Recém chegado” volta atrás sobre o abandono (sua mãe não fez isso).

37Quem é esta bruxa? Que metáfora contém? Frequentemente sua mitologia é associada a uma rainha ou a castelã malvada com poderes mágicos. A bruxa rouba, explora e mata crianças para comê-las; sua casa é feita de doces para atraí-las. Assim como as crianças eram abandonadas também podiam ser aliciadas para executarem serviços penosos sob o comando de mulheres, isso já no séc. XVI. Metáfora da situação da infância nessa época , também é imagem da pobreza e do rico que não “ajuda”, recusa a lavagem do vidro do carro, não compra os pequenos produtos ou não dá moeda na sinaleira.

38Em abordagem na Casa de Acolhimento, Miriam contaria o Patinho Feio e eu faria a observação. Nesta casa crianças são acolhidas por várias razões (abuso, maus tratos, necessidades especiais etc). Ficamos num dos quartos de dormir com sete crianças entre 6 e 10 anos. A educadora encarregada do grupo também estava presente. Há crianças com necessidades especiais. Estranharam muito e nos mobilizaram intensamente. Para viabilizar a narração sai com eles em visita pela casa.

39Comentários

40O relatório da colega registra para o “que mais gostaram da estória”? “O patinho consegue fugir”. Para “o que menos gostaram da história”? “O patinho não voltou para a casa dele, não ficou com a mãe dele”. (cinco crianças). O patinho feio é a metáfora da diferenciação; do encontro de sua identidade e seus iguais, cisnes, aves reais; ruptura com uma comunidade a que não pertencia. Mas isto não sensibiliza as crianças até então entrevistadas. Nossa expectativa era de que a situação de rua, de exploração das crianças pelos pais levasse a apreciação do cisne, de seu processo de libertação.

41Em abordagem no Centro de Canoas, cidade pertencente a Grande Porto Alegre, depois de uma difícil localização de 4 crianças, apenas uma interessa-se em falar com os pesquisadores.

42Ele é afro-descendente, magrinho alto, tem 11 anos. Veste-se pobremente, excepcional ao que se vê em Porto Alegre. Suas roupas são remendadas e cerzidas mas muito limpas. Expliquei o trabalho:

43“os governos precisam saber como vivem as crianças, o que elas pensam e sentem, para poder planejar seus serviços: escola, saúde, assistência social. A UFRGS, faculdade pública, onde as pessoas estudam quando passam no vestibular, está realizando uma pesquisa, entrevistando crianças. A nossa parte é bem livre. Para fazer conhecimento com quem aceita, a gente começa por um divertimento, uma estória e depois vai falando sobre os assuntos que elas quiserem...”

44Sentamos no degrau de um prédio. Pergunto se ele gostaria de ouvir a estória, o Patinho Feio. Diante de sua resposta afirmativa passei a narrativa com a exibição das ilustrações. A certa altura, percebi uma menina escondida pela coluna do prédio. Convidei para entrar na estória. Recusou-se. Mas continuou escondida atrás da coluna.

45Convidado a ler o menino recusou-se. Respondendo a pergunta sobre o que mais gostou, disse sorrindo: “ele descobriu que era cisne”. Eu já conhecia a estória, acrescentou.

46Ao falar sobre diversões, disse que gostava de “brincar com os amigos”,

47Do quê?

48Brincar.

49Brincar de quê? De esconde-esconde.

50Quando eu era pequena, brincava de esconde-esconde. Aposto que jogam futebol, disse o pesquisador.

51-Jogo.

52“Menino” falou de seus divertimentos: ver televisão, jogo, esportes (ginástica, natação) programa do Faustão (famoso apresentador de programa de auditório na TV); vídeo - game, que joga de vez em quando na casa de um amigo, ver jogo do Inter6 e Copa do Mundo. Depois de esgotar esse assunto, declarei:

53“queria ser artista quando era pequena, mas hoje, sou professora”

54- E perguntei o que ele queria ser.

55“queria ajudar as pessoas, como no hospital”

56Todas as possibilidades de trabalho apareceram na conversa, acompanhadas de um mesmo tipo de comentário do “Menino” (passei a denominá-lo assim): no hospital (o médico, o atendente, a fisioterapeuta, a enfermeira) poderia pegar doenças; a piscina “tem muita água”, o nadador poderia se afogar, o jogador de futebol “se quebra”, o atleta também. Respondi que profissionais da saúde aprendem como se proteger de contágios, usam luvas, máscaras; o nadador sabe nadar, o jogador e o atleta são treinados para se arriscar mas também para proteger o corpo e contam com assistência. Ponderei também que essas coisas exigiam estudo, treinamento.

57Minha parceira, Juliana Treuherz, reintroduziu nova pergunta sobre o sonho. Ele responde com outra pergunta: - “na UFRGS tem supletivo?” A mãe gostaria que estudasse. Nenhum dos irmãos estudou. Gosta da escola mas não de estudar com os pequenos. “Gritam, atiram tudo”. Quando procurou serviços competentes, a partir da própria escola, ao que parece, já vencera a data da inscrição no supletivo. Pergunto se fora a outros lugares, se procurara serviços sociais. Olha para o chão.

58“Tens vergonha de falar com eles”?

59“Não tenho coragem, parei de ir a escola”

60Comentários

61Menino tem 11 anos; seu primeiro comentário foi recusar-se a ler. Saberia ler? Pensei. O segundo comentário foi sorridente: “ele descobriu que era cisne, eu já conhecia a estória”. Não havia mais do que falar sobre patinho ou cisne. A metáfora reconhecida nos desembarcou no presente, no brinquedo, no videogame, na mídia, no programa do Faustão. Usei elementos da minha história, para fazer as transições ao divertimento e daí a projetos. Então “Menino” se vê como “patinho feio”; os obstáculos nomeados (quem trabalha em hospital pega doença, atleta se quebra) traduzem a percepção da precariedade de sua situação social. Minha parceira introduz a palavra “sonho” que leva “Menino” ao presente, ao seu modo mais próximo de ser cisne, ter colegas de sua idade, o supletivo, e a sua versão dos objetivos da pesquisa: resolver problemas...

62Em sinaleira da Rua Cristiano Fischer com a Av. Protásio Alves, em Porto Alegre, participei da seqüência de um trabalho com dois meninos vendedores de amendoins. A principal referência do encontro anterior é sobre as vendas: “é bom quando vendem dois saquinhos de uma vez”.

63No segundo encontro os pesquisadores usam outros instrumentos de comunicação. O muro largo e liso permite tentar o desenho livre para produzir a metáfora de ligação.

64Feitas as apresentações, disse ao “mais velho” (passei a denominá-lo assim) que “eu teria medo de ficar daquele jeito, no meio dos carros e queria muito conhecer vocês”. Dirigimo-nos ao local utilizado no encontro anterior. “Mais velho”, silenciosamente, deu-me a mão para atravessarmos a rua e assim fomos até nosso destino. Chegamos a uma loja, fechada naquele horário (18 horas). A entrada era pronunciada, contínua a calçada. Um muro, bastante largo, permitia propor o desenho como metáfora.

65Mostrei o material de desenho. A principal atração seria uma caixa com vinte e quatro cores de giz colorido.

66“Gostaríamos de ter um desenho feito por vocês, àquele que quiserem fazer”

67Indecisos, sem muito entusiasmo, puseram-se a desenhar casas, por sugestão do irmão “mais moço” (passei a denominá-lo assim) São semelhantes, dentro de um padrão classe média: janelas coloridas, árvores com frutas. Canteiro de flores, um balanço, céu e sol. As vinte e quatro cores passaram despercebidas. Usaram poucas, duas ou três. Respondendo sobre onde costumavam desenhar, “mais moço” menciona a escola e que “ainda estavam na primeira série.”

68Era visível o desconforto de “Mais velho” ao final do desenho, quando pôs-se a pintar a casa (largou o giz e suspirou). Digo que poderia deixar assim. Riu. Mas retomou a pintura, seguindo-se o seguinte diálogo.

69- Outro dia disseste que preferias ficar em casa.

70Antecipando-se ao fim da frase o menino mais velho fala:

71É (o irmão riu) “Mas a gente ajuda”...

72Comentando a semelhança dos desenhos, dele e do irmão, “Mais novo”disse que aquela era a casa mais bonita. Por isso fizeram a mesma.

73-“E os brinquedos? Onde estão?”

74Iniciam pela bicicleta. Entretanto, o interesse maior está no videogame. Animadamente os dois conversam sobre quantas fases, quantas vidas e porque é difícil passar da terceira. Ao perguntar sobre o aparelho, disseram que ganharam.

75Os dois meninos provavelmente repetem a primeira série com 9 e 10 anos respectivamente. “Mais novo” é mais expansivo. “Mais velho” é tímido, o sorriso apenas esboçado, em contraste com o do irmão. O pai recolhe “lixo seco”, tem carroça, mora com a família (sete filhos) repartida em dois lugares próximos, sua casa e um galpão de que cuida. O casal e os menores dormem no galpão enquanto os maiores dormem na casa.

76Comentários

77O primeiro comentário de “Mais velho” foi gestual e afetivo, dar-me a mão, depois que valorizei a coragem de trabalharem na sinaleira e o desejo de conhecer os dois irmãos. O desenho responde minha solicitação. A decisão de tomar a casa como motivo é de “Mais Novo”. Mesmo que seja padronizada, e até por isso, a casa é uma metáfora de proteção e aconchego familiar, uma espécie de extensão do corpo, inscrevendo-se num desejado padrão de classe média, “a casa mais bonita”. Meu comentário sobre o desejo de “Mais velho” de ficar em casa, transita para a questão da defesa da família e do trabalho familiar, em oposição aos programas de erradicação do trabalho infantil. Mas a criança não trabalha, “ajuda” e “Mais velho” falava com orgulho em ajudar. Ao meu comentário sobre onde estariam os brinquedos, transitam da bicicleta para o videogame, uma referência cultural, um típico quadro social de memória da modernidade. Entretanto, ao lado dela prolifera uma espécie de nova economia familiar que talvez reinstale, do ponto de vista de grupo social, uma família extensa sob comando ou do pai ou da mãe. Seus valores nem sempre incluem a escola e informação.

78Retornamos a Casa de Acolhimento. Miriam retomou o trabalho com o grupo com o qual trabalhara anteriormente. As crianças cantaram e gravaram canções, mensagens e auto-entrevistas.

79Eu e Juliana trabalhamos em ambiente aberto, onde há uma mesa grande com cadeiras; buscamos uma aproximação plural com a comunidade da casa, incluindo os meninos especiais, referidos na abordagem anterior, através de recursos de expressão cultural (desenho e gravações).

80Adolescentes (5) imediatamente sentaram-se conosco. Tanto eles quanto crianças maiores, de 11 e 12 anos, acolhem os meninos especiais. Entendem facilmente, o que não fala, através de sua gesticulação. Outro deles, que sempre pede a mesma coisa, é motivo de brincadeira. Desenhei mais de 20 vassouras de bruxa, fora as que seus parceiros desenharam para ele. Quando perdem a paciência, diante de sua insistência, gritam com ele sem raiva, só para colocar limite.

81Conto que sou professora; os adolescentes devolvem contando suas “proezas” em sala de aula, brigas e gozações com professores, que terminam com vitórias e reconciliações, apesar de “ocorrências” que foram até ao Conselho Tutelar.

82Todos desenham. A pesquisadora não identifica os desenhos com eles. Tem sua atenção disputada pelos especiais. A posteriori percebe que os adolescentes desenham quadrinhos com cenas de luta, parecem personagens de desenho animado. Escrevem seus nomes em várias letras diferentes, muito decoradas, como grafites ou pichações.

83Contei sobre oficina de teatro e história que orientei numa escola, abrindo caminho para abordarmos a cultura (música, televisão etc)

84“Acho incrível como eles cantam e sabem as letras das músicas, adoro isto. Vocês também entram nessa?”

85A princípio ficam encabulados. As adolescentes riem muito enquanto dizem - “Eles são lindos, sempre cantam na Xuxa”, referindo-se a um grupo musical, “Os travessos”

86-“Tu não vê a Xuxa ?”

87Os adolescentes imitam as colegas. Um deles diz que o Faustão é melhor que a Xuxa. Preferem bandas, MTV e principalmente rap. Admitem ver novela, quando não há coisa melhor para fazer.

88Um menino de 11 anos, que passa bastante tempo desenhando com Juliana, cantarola a música “Cuidem das crianças” da campanha do Jornal Zero Hora, contra trabalho infantil e maus tratos. Perguntei se gostaria de gravar. Relutou um pouco antes de aceitar.

89Maltratar as criancinhas

90É coisa que não se faz

91Mesmo sendo o diabo

92Disso nem eu sou capaz

93Malvadeza com crianças

94Isso só pode ser coisa

95(. . . ) do boi da cara-preta

96Nem admito que falem

97que maltrato meus boizinhos

98eu sempre dei a eles

99muito amor e carinho

100não seja um monstro

101por isso vamos cantar

102o amor é a melhor herança

103cuide das crianças7

104Depois dele as adolescentes se desinibem e aceitam cantar. Escolhem músicas românticas, “de ficar”, sensuais, e de namoros que não dão certo. SOS Paixão, grupo Travessos; Porta Aberta , Luka.

105SOS Paixão

106Já me cansei de ficar por ai

107Vagando sem destino a chorar por você.

108Apostei tudo que tinha e perdi

109Mesmo assim não desisti de ser feliz

110(...)

111SOS paixão

112Diz o meu coração

113Que não sabe não pode

114Viver sem teu amor

115Porta aberta

116Os dias passam devagar

117A noite me diz que você

118Não vai voltar (. . .)

119Minha TV fica sem cor

120Meu violão fica sem som (...)

121Então me aceite como sou

122Eu vou tentando disfarçar

123Mas vou deixar a porta

124do meu quarto aberta

125Caso você queira voltar

126Os adolescentes, mais velhos, têm admiração pelo primeiro cantor, porque ele “é bom de rap, pode até fazer um dele. Canta aquele...” O menino cantou. Tratava de drogas e violência. Entretanto, o coro dos acompanhantes tornou incompreensível a gravação. Mesmo de banho tomado senti nele o cheiro de “loló”8. É magrinho, aparenta menos idade do que tem. Na primeira abordagem não quis participar de nada. Neste momento, porém, canta, desenha, conversa.

127Sumula

128Os primeiros comentários foram criados pelas crianças portadoras de necessidades especiais, rimos muito com as mais de 20 vassouras de bruxa. O segundo surgiu da minha história e da escola. Narravam proezas e brigas. Mesmo assim mostravam apreço pela escola, principalmente nas reconciliações. O tema da oficina de teatro e história fez a transição para referências culturais: cantores, músicas preferidas, programas de televisão (Xuxa e Faustão) modelos de sucesso, beleza, sensualidade. Foi visível o espanto por eu não ver a Xuxa. Quem criou a passagem para o protagonismo, foi o menino que cantarolava “Cuidem das crianças”. Essa música aparecia num contexto de primorosa animação. Não havia criança que não soubesse a letra. As músicas que as meninas escolheram para cantar são grandes sucessos, indicando recepção em todas as classes. É notável que os meninos terminaram fazendo um efeito de percussão para acompanhamento. Também fizeram muita questão que o companheiro cantasse seu rap. Decorar, escolher para cantar são indicadores de referências culturais arraigadas, que funcionam como quadros sociais da memória

129Auto-entrevistas

130D. Sou o Dudu, eu vou entrevistar o Fábio.

131Quando tu tava na tua casa o que tu fazia com a tua mãe, tu ajudava a tua mãe?

132F: Não ! [enfático] Ficava brincando na rua.

133D: E a tua mãe deixava tu ficá brincando? Quando ela pedisse pra tu faze alguma coisa tua fazia?

134F: Eu fazia, mas só que depois eu pegava e ia brinca [baixando, escondendo a cabeça]

135D: Quem é que te mando tu vim pra Casa de Acolhimento? Tua mãe que te mando tu vim ou foi tu que veio? [perguntou parece que já sabendo da importância da resposta]

136F: Foi a mãe [bem baixinho], só que eu não sabia. Quando eu vi a Samanta, do Serviço Especial de Rua – SESR- me pego e me trouxe.

137D: Por que ela te trouxe? O que tu fazia? Tu desobedecia a tua mãe?

138[silêncio]

139F: Eu ficava na rua.

140[silêncio]

141D: E por que ela te mando tu vim pra cá? Por causa que tu incomodava muito ela? Desrespeitava ela? Não fazia o que ela mandava?

142F: Não! Por causa que eu tava na rua!

143D: Tava cheirando um loló, se drogando, fumando um cigarro, ou o que?

144F: Tava!

145D: E agora tu paro. Ta só fazendo uma das coisa: só fumando um cigarro, mas não cherando loló!

146F: [vacilante] É.

147D: Muito obrigado, já deu.

148Comentário

149Dudu transita para um papel de assistente social. Ajudar tem, na linguagem da população “de rua” o sentido de pedir dinheiro. Frequentemente os funcionários da FASC, em abordagem, usam a mesma expressão, associada à outras questões, para perceber a implicação dos pais na atividade de pedir. As crianças sabem que isso é proibido e procuram disfarçar. Fábio nega; esquiva-se dizendo que fazia coisas para a mãe e que depois brincava. O diálogo cai na ambigüidade entre ajudar em tarefas ou pedir dinheiro. Dudu em seus diferentes papéis abre alternativas que colocariam a mãe de Fabio numa situação difícil (deixar brincando, quer dizer, ficar na rua) Fábio sustenta sua versão do brinquedo. Dudu não esquece a pergunta clássica: Fábio veio por sua conta a Casa de Acolhimento, ou por iniciativa de sua mãe? Sua mãe pediu a intervenção do SERS. Fábio retira a versão do brinquedo. Dudu insiste na relação com a mãe e Fábio reitera que ficava na rua, quer dizer, dormia na rua. Dudu transita para a droga (loló ou outra coisa). Dudu propõe um bom final. Fábio já estaria recuperado.

150Fábio não desempenhou o papel de entrevistador, mas a entrevista anterior criou a transição para que Miriam Lemos o fizesse. Do bom final, Fábio recuperado, ela pergunta: Dudu me diz se tu tens algum sonho pro teu futuro.

151D: Eu queria pedi desculpa pra minha mãe, por tudo que eu fiz de ruim e poder voltar para casa.

152E: E tu podes contar pra nós o que tu fizeste pra ela ou não pode?

153D: É por causa que eu pegava e eu saia de casa, quando ela precisa das coisa eu saia e ia pedi na sinaleira quando era pra ajuda pra ela.

154E: E vocês já trabalharam bastante na rua? [sacodem positivamente a cabeça] Tu ias pedir na sinaleira pra fazer o que com o dinheiro?

155D:Eu pegava juntava e dava pra minha mãe compra fralda pra minha irmãzinha que tem 7 mês e a outra tem 1 ano e 9 mês e depois a gente ajuntava latinha e papelão.

156Comentários

157Dudu quer ir para casa, para o que der e vier; ele responde o que ele pensa que uma assistente social gostaria de ouvir; e assim também expressa o que ele tem como valor, independentemente de sua conduta: a casa, a mãe. Miriam transita nessa resposta; abre- a, do valor para o comportamento, a ação. – podes ou não podes contar o que tu fizeste pra ela. Dudu transita para expor o proibido. A mãe teria apelado ao SESR porque ele pedia na sinaleira para ajudá-la. Mas se fosse assim, ele teria entregado o dinheiro a ela. Miriam transita para dentro dessa ambigüidade ao perguntar o que fazia com o dinheiro ganho na sinaleira. Dudu retorna a outra resposta idealizada, valorativa, ao que acha que deveria ser a conduta correta: dava dinheiro para a mãe comprar fraldas. A mãe de Dudu, teria essa atitude se ele entregasse o dinheiro? É possível que a mãe recorresse ao dinheiro da sinaleira em situações restritas. Talvez Dudu tivesse abandonado a escola para pedir, ou estivesse pedindo para consumir Loló. (?) A entrevista sugere culpa, ambigüidade e dissimulação.

158Imaginário e Memória

159Embora o número de encontros realizados não configure, nem de longe, uma amostra por “saturação”, os 12 grupos focais dos quais sumariamos algumas abordagens exemplares, sugerem alguns sinais de referências sociais e culturais.

160Valorização da mídia – é indicada por: expressões tais como, “tu não vês a Xuxa”(?); menção espontânea e recorrente a apresentadora, primeiro madrinha, depois rainha dos baixinhos, menção ao animador de auditório “Faustão”; atitudes tais como decorar as letras das músicas, reproduzir o modo de cantar, dançar e movimentar-se dos artistas prediletos, modelos a serem imitados.

161Valorização da Família – é indicada, por exemplo, pela crítica ao “patinho” que deveria reencontrar a mãe, voltar para casa (exceção importante do menino de 11 anos, em Canoas); pela vibração com o retorno de Joãozinho e Mariazinha, trazendo o tesouro da bruxa para os pais; pela valorização do “ajudar em casa” pelas próprias crianças; pela opção por desenhar uma casa em desenho livre, pelas representações de Dudu e Fábio na Casa de Acolhimento

162Privilegiamos uma leitura mais extensa da Valorização da Família, pouco importa se múltipla, constituída por diferentes relações ou por situações de circularidade das crianças entre casas de outros parentes ou amigos.

163Se a valorização da família constituir referência cultural para a população em estudo, é preciso identificar e trabalhar com variáveis indicativas. Selecionamos a correlação entre faixa etária e volta para a casa da família ou conhecidos.

164O resultado indica que 75% da amostra volta para casa. As crianças de 7 a 11 anos, correspondem a 89,6% dos que voltam. (Ver tabela 1)

165Admitindo-se que este seja um perfil de valorização da família, as crianças ditas de rua tem vínculos familiares como qualquer outra criança. Possivelmente trata-se de vínculos fortes, pois 56% dos adolescentes entre 15 e 18 anos voltam para casa. Com isto relativiza-se uma imagem corrente sobre a criança em situação de rua: não ter família ou fugir dos maus tratos e exploração de quadrilhas de pais perversos. Uma situação possível é de que pais explorem os filhos mantendo, não obstante, vínculos afetivos com eles.

166Se ajudar em casa é um valor para as crianças, é pertinente esperar uma correlação entre o que fazem do dinheiro que ganham e faixa etária. Ela mostra que 43,13% das crianças entre 7 e 11 anos entregam tudo que ganham para os pais, enquanto 29,9% entrega apenas parte, o que é considerável, tanto para indicar o compromisso como para indicar uma parcela que desfruta de maior liberdade para administrar seu ganho. É significativo que 23% dos adolescentes entre 15 e 18 anos entrega todo seu dinheiro para a família e 36% entregue parte do dinheiro para a família.

167Por outro lado é preciso considerar o que de fato, custa essa “ajuda”, suas implicações para o imaginário e a identidade. Isso nos leva a correlação entre atividade principal na rua e faixa etária (ver tabela 2). Ela indica que “pedir” é a atividade mais praticada por crianças entre 7 e 11 anos.

168As crianças que vivem por si mesmas ou “ajudam os pais”, os Joãozinho e Mariazinha, “pedem” Mas têm pavor do mendigo, que para eles é o velho, sem possibilidade de mudar de vida. O pedir, entretanto, é uma sociabilidade, um ritual, uma forma sistemática de relacionar-se com o outro, para essa população, entre 7 e 11 anos.

169As crianças expõem sua fragilidade e desvalia à “indiferença flutuante” que se confirma ou pela rejeição dos que viram o rosto para não vê-las, ou pela piedade dos que dão a moedinha. Por isso mesmo o pedir é a atividade mais praticada pelas crianças.

170No ato de abordar para pedir, o sujeito investe na desvalia na dissimulação e na esperteza, gerando um quadro social de memória que interfere na percepção do mundo e de si mesma. Madura geralmente, em torno dos sete anos de idade para ter prazer com atividades de especulação e criação, típicas da aprendizagem, criando uma memória de auto-afirmação pelo prazer de aprender, a criança que “ajuda” está limitada pela estratégia do “pedir” ou do “vender”.

171Do ponto de vista de apreciação de produtos culturais típicos da modernidade, não há dúvidas que as crianças na rua estão integradas: mídia, jogos eletrônicos, música de ampla recepção entre todos os segmentos sociais, programas, artistas etc. Valorizam sua família encarando como valor ajudá-la.

172Onde está a diferença? Outras crianças poderão ter problemas de aprendizagem por uma série de razões, mas não por terem que se sustentar ou “ajudar” em casa “pedindo” ou “vendendo amendoins” na sinaleira. Aí está, portanto, uma diferença entre elas e outras crianças.

173Compartilhar este ritual de não valor com outros iguais, eventualmente cria uma identidade social dos “de rua”, contrastiva face ao outro: os “de bairro”, os “de dinheiro” etc. Numa sociedade apresentada como a grande família que ajuda, comandada pela mídia, envolvendo artistas e apresentadores de maior sucesso, o pedir representa-se natural e legítimo - “tia me dá uma moedinha”

Haut de page

Bibliographie

Benjamin, Walter, Magia e Técnica. Arte e Política, São Paulo: Brasiliense, 1985

Bettelheim, Bruno, A psicanálise dos contos de fada, São Paulo: Paz e Terra, 1996

Del Priore, Mary (org), Histórias das Crianças no Brasil, São Paulo, Contexto, 2004

Gehlen, Ivaldo, Martini, Maria Luiza, Turra Magni, Claudia, Lemos, Miriam, “Perfil e Mundo de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua”, Relatório de Pesquisa, Porto Alegre, FASC/LABORS/UFRGS, 2004

Halbawchs, Maurice, A memória coletiva. São Paulo, Centauro, 2004.

Tatar, Maria, Contos de fadas, Edição comentada e ilustrada, Rio de Janeiro, Zahar, 2002

Haut de page

Annexe

Tabela 1

Volta para casa da família ou conhecidos* Faixa etária (quando o 100% está na coluna, compara-se linhas)

Volta para casa da família ou conhecidos * Faixa etária (Quando o 100% está na linha, compara-se colunas)

Tabela 2

O dinheiro que ganhas * Faixa etária Crosstabulation

O dinheiro que ganhas * Faixa etária Crosstabulation

% within Faixa etária

Haut de page

Notes

1 Apresentadora mais famosa de programas infantis na rede globo. Lança modelos e adereços que as crianças desejam intensamente.
2 M. del Priore, Histórias das Crianças no Brasil, p.20
3 W. Benjamin, Magia e Técnica. Arte e Política, p.215
4 B, Bettelheim, A psicanálise dos contos de fada
5 Vila, periferia das mais violentas da Grande Porto Alegre
6 Internacional, também chamado Inter, time de futebol de grande torcida; tradicional adversário do Grêmio futebol clube.
7 Música da Campanha da RBS TV, contra abuso e violência física e emocional sobre crianças.
8 Substância barata, que produz efeitos similares a maconha, produzindo estados de euforia, seguidos de depressão ou alheamento. Altamente tóxica.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Luiza Martini, « Testemunhos: tia, me dá uma moeda? », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 02 février 2006, consulté le 21 mai 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/1545 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.1545

Haut de page

Auteur

Maria Luiza Martini

UFRGS/ BRASIL

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page