Navigation – Plan du site
Colloques | 2008
Familia y organización social en Europa y América siglos XV-XX Murcia-Albacete 12-14 diciembre 2007
Roseli Boschilia

Família camponesa, trabalho e relações de gênero (Curitiba 1940-1960)

[01/02/2008]

Résumés

Inserted in the field of Cultural History, this study makes a reflection concerning the transformations that took place in the countrymen way of life, descending from families of European immigrants in the decades of 1940 and 1960, when these began to occupy areas next to the urban nucleus constituted by the city of  Curitiba (capital of Paraná). To remain as a group, the families of those men created mechanisms to make possible, beyond survival, the maintenance of their familiar, religious and social traditions. This questions are the starting point of the present communication, which aims to present the strategies used by the group to reach economical stability, without changing their way of life.
Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Curitiba é uma cidade, cujo processo de constituição da espacialidade urbana foi, e continua sendo, profundamente marcado pela figura do imigrante. A convivência da população local com grupos estrangeiros, iniciada na primeira metade do século XIX, quando reimigrantes alemães da Província de Santa Catarina passaram a se estabelecer, espontaneamente, nos arredores da cidade1, tornou-se mais estreita com a implantação de uma política imigratória efetivada após a criação da Província2 e, mais notadamente, durante a década de 1870.  

2Diante do fracasso dos projetos de colonização anteriormente colocados em prática, sobretudo, pelo isolamento dos colonos e pelas dificuldades de escoamento da produção devido às condições precárias das estradas da Província, o governo provincial procurou implementar um projeto agrícola, que ficou conhecido como "cinturão verde", cujo objetivo era estimular a produção agrícola em locais mais próximos aos centros urbanos. Assim, voltada para a instalação de imigrantes camponeses em regiões próximas ao núcleo urbano, a política implantada a partir da década de 1870 tinha como principal objetivo solucionar o problema de abastecimento interno, incrementando a agricultura de subsistência e a produção de hortigranjeiros.

3Nessa época, a economia paranaense era sustentada pela erva-mate, cuja produção, direcionada para o mercado externo, encontrava-se em processo de expansão, demandando uma mão-de-obra expressiva. Dessa forma, o governo precisava encontrar meios para solucionar os sérios problemas de carência de mão-de-obra, não apenas no trabalho agrícola, mas também na área de serviços gerais.

4A iniciativa do governo paranaense em atrair trabalhadores estrangeiros para incrementar a produção de gêneros agrícolas afinava-se, em parte, com os objetivos da política imperial brasileira, interessada na ocupação de vazios demográficos como meio para garantir a integridade territorial.

5Por outro lado, a estratégia política de absorver imigrantes europeus como forma de minimizar problemas na área produtiva, durante a segunda metade do século XIX, foi amplamente favorecida pela conjuntura social e política vivenciada pela Europa naquele período que, em decorrência do processo de industrialização e seus desdobramentos, passou a contar com um numeroso contingente de mão-de-obra excedente, para o qual a única opção era o deslocamento para outros territórios.

6Nessa conjuntura, o Paraná recebeu uma significativa leva de imigrantes, constituída preferencialmente por camponeses de origem polonesa, italiana e ucraniana. Além dessas três etnias e dos grupos alemão e português, que já estavam inseridos no contexto urbano, alguns grupos minoritários como suíços, franceses, austríacos, holandeses e russos também passaram a compor o perfil da sociedade paranaense, transformando a paisagem e os costumes.

7Um ponto que merece ser salientado era o interesse do governo brasileiro em aproveitar a figura do imigrante europeu, marcada pela idéia de progresso e civilização, para construir uma nova representação do trabalho, em contraposição à noção produzida pelo sistema escravista em relação ao trabalho braçal, visto, pelas elites coloniais, de forma depreciativa. Essa expectativa pode ser percebida nos discursos governamentais ao enfatizarem a necessidade do contato que deveria existir entre o imigrante europeu e o nacional, para que este como aprendiz do "colono laborioso" e da cultura européia pudesse melhor desenvolver sua própria lavoura. Apesar da ênfase dada pelo governo nessa direção, ao viabilizar o projeto de fixação dos imigrantes poloneses, a proposta de estabelecer uma política de contato com os trabalhadores nacionais foi deixada de lado, optando-se pela instalação dos imigrantes em núcleos destinados exclusivamente à sua etnia. Nesse sentido, a opção em agrupar os imigrantes de acordo com a origem geográfica pode ser percebida na distribuição realizada pelo governo nas colônias criadas no município de Curitiba em 1876.

8No final do século XIX, quando o processo de industrialização teve início, outros grupos de imigrantes, de composição bastante heterogênea, também haviam se estabelecido nas colônias ao redor de Curitiba. A política imigratória no Paraná procurava, através da instalação desses imigrantes camponeses nos arredores da cidade, solucionar o problema de abastecimento, incrementando a agricultura de subsistência e a produção de hortigranjeiros.

9Independentemente das expectativas do governo, essas famílias de camponeses transportaram para a nova terra o sistema de trabalho adotado na Europa, no qual a casa funcionava como uma unidade de produção doméstica, uma vez que, como destaca Michael Anderson3, um dos problemas centrais da família camponesa era garantir a existência de força de trabalho suficiente para fazer frente às necessidades presentes e futuras.

10No sistema doméstico de produção, o tamanho da prole era fundamental para a sobrevivência do colono; constituíam os filhos um investimento necessário e lucrativo, no sentido de que não pretendiam somente produzir para a própria subsistência, mas para criar excedentes a serem colocados à disposição do mercado urbano, como a criação de pequenos animais, produção de laticínios e hortigranjeiros4. Além disso, no período de entressafra, os colonos costumavam realizar muitos trabalhos suplementares, instalando no próprio domicílio pequenas indústrias caseiras, como moinhos de farinha, fabricação de móveis, serralheria, etc.5

11Desse modo, no sistema doméstico de produção, todos os membros da família tinham uma atribuição específica a partir de uma determinada idade. Ao discutir a economia familiar do camponês ocidental, Anderson diz que, se, de um lado, a ausência de filhos inviabilizava a manutenção do sistema de produção doméstica, por outro, as famílias muito numerosas também eram problemáticas6. No caso dessas últimas, uma das estratégias utilizadas para manter o nível de vida habitual era os filhos saírem de casa para trabalhar em outras unidades onde a mão-de-obra fosse escassa. O historiador Edward Shorter também se refere ao hábito existente nas regiões rurais da França e Europa Central de os jovens deixarem a casa dos pais para aprender um ofício7. Nas famílias mais pobres, as filhas eram colocadas freqüentemente como domésticas, enquanto nas mais ricas elas permaneciam mais tempo em casa, participando da economia doméstica até o casamento.

12Em Curitiba, as heranças culturais sofreram um processo de rearranjo, em função das peculiaridades dos grupos e, como resultado, tivemos o surgimento de uma família semi-ampliada, construída em função das condições iniciais da inserção dos imigrantes na sociedade receptora8. A proximidade dos núcleos de imigrantes com o centro da cidade, aliado ao fato de as famílias serem numerosas, tornou possível a esses grupos a conjunção de atividades rurais e urbanas. Assim, enquanto alguns membros da família se ocupavam da agricultura, outros podiam ingressar no trabalho industrial9.

13O sucesso alcançado por essas colônias atraiu novos grupos de imigrantes que, aos poucos, foram ocupando áreas próximas ao núcleo urbano e assim tiveram possibilidade de ingressar nas atividades artesanais e industriais da cidade.

14Por outro lado, o rápido crescimento urbano e a presença de farta mão-de-obra estrangeira criava atrativos para a indústria, que começou a se expandir por meio do capital dos próprios imigrantes. Dessa forma, criou-se um jogo de interesses em que a cidade crescia porque atraía os imigrantes e estes vinham para a cidade porque esta criava novas oportunidades.  

15Vale lembrar que grande parte do empresariado paranaense era de origem estrangeira. Conhecedores de alguma técnica trazida de seus países de origem estes empresários estavam aptos a aproveitar as oportunidades em um país que começava a se industrializar.

16Aproveitando as inúmeras matérias-primas regionais, estes imigrantes conseguiram, com a ajuda da comunidade local e por intermédio de sócios com capitais que reconheciam as suas capacidades, fundar suas pequenas indústrias, que cresceram no decorrer do tempo e pelo reconhecimento público10.

17A inserção de imigrantes, principalmente de origem germânica, no espaço urbano trouxe alterações à cidade, percebidas visivelmente na arquitetura, na alimentação, na música, na dança, na prática de esportes, etc. As marcas culturais deixadas em Curitiba por esses grupos foram tão evidentes que “a experiência inicial dos pioneiros imigrantes, localizados nos arredores de Curitiba, vivendo como colonos num modo de vida tipicamente rural, praticamente foi perdida pela memória curitibana11.

18As transformações econômicas, atreladas ao crescimento demográfico, favoreceram a inserção desses colonos no espaço urbano, ocasionando mudanças no modo de vida e na estrutura familiar. A vida na cidade alterou o modelo ao qual eles estavam habituados na área rural, contribuindo para que a família deixasse de se constituir como unidade de produção. A mudança mais evidente se caracterizou pela impossibilidade de produzir excedentes hortigranjeiros. Na medida em que os homens tornaram-se trabalhadores assalariados, as mulheres ficaram mais restritas ao âmbito doméstico, alterando substancialmente os papéis anteriormente por elas desempenhados, pois como se sabe:

 [Na] família imigrante, sobretudo a colonial, a esposa estrangeira desempenha nela um papel ativo, participando das grandes decisões familiares, dos trabalhos no campo, do cuidado doméstico, do tratamento de animais de pequeno porte e cultivo da horta. A ela cabe, portanto, a direção da casa e toda a responsabilidade que daí advém. 12

19Nesse novo contexto, além das mulheres perderem suas funções anteriores, surgiram novas necessidades de consumo. Muitas vezes, o salário dos membros do gênero masculino era suficiente para suprir as necessidades básicas, como moradia, alimentação e vestuário, mas não para outras despesas, como lazer, enxoval das filhas ou melhores roupas.

20O surgimento dessas novas demandas, associado ao fato dessas famílias continuarem bastante numerosas, incentivou a saída das filhas adolescentes para o mercado de trabalho. Comportamento esse, que já era recorrente entre os imigrantes, desde o período inicial da industrialização paranaense, mas que sofreu um incremento em face das mudanças provocadas pelo deslocamento para o núcleo urbano.

21Como resultado desse processo, no início do século XX, as imigrantes representavam número expressivo na força de trabalho industrial, atuando no “interior dos engenhos de mate, nas fábricas de cerveja, de balas, de bolachas, de vidro, porcelana e charutos onde elas se alinha[va]m em aventais de sarja incolor, toucas brancas à cabeça e simples chinelas sob o olhar vigilante do contramestre”.13  

22Durante as décadas seguintes, as mulheres imigrantes ou descendentes - principalmente as menores de idade - podiam ser encontradas em número considerável nas fábricas de fiação e tecelagem, fitas e fitilhos; massas alimentícias; biscoitos, balas e bolachas; erva-mate; fósforos; metros; velas; caixas e cabos de vassouras; escovas, brochas e pincéis. Nessas fábricas, elas exerciam funções diversas, recebendo salário menor que os operários do gênero masculino. Eram escolhidas para executar tarefas que exigissem delicadeza e atenção, nas seções de embalagem e acabamento, mas terminavam, muitas vezes, desempenhando funções perigosas em locais insalubres, como nas fábricas de vidro e de fósforos.

23Pela análise dos censos, é possível acompanhar as mudanças de comportamento quanto à participação feminina nas atividades produtivas. Em Curitiba, entre 1940 e 1950, devido ao fenômeno da urbanização, o número de mulheres ligadas às atividades agrícolas teve uma queda acentuada, passando de 2,9 para 0,25%. Foi justamente a partir desse período que a expansão urbana atingiu antigas áreas rurais existentes na periferia da cidade, principalmente na região norte, afetando a vida das famílias imigrantes, ali estabelecidas desde os fins do século XIX. Os registros existentes nas indústrias curitibanas, relativos a esse período, confirmam a participação majoritária de mulheres imigrantes ou descendentes no trabalho fabril, sobretudo nos ramos têxtil e alimentício.

24A escassez de documentos sobre a experiência vivenciada por essas mulheres levou-nos à utilização da metodologia da história oral como forma de refletir sobre o impacto que a dinâmica da entrada da mulher imigrante no mercado de trabalho industrial trouxe ao modo de vida dessas famílias camponesas.

25A análise do trabalho feminino e suas relações com o universo familiar remetem necessariamente às relações sociais de gênero, cujo debate, nas últimas décadas, vem fazendo parte das preocupações de pesquisadores ligados às mais diversas áreas das ciências humanas.

26Elaborado com a intenção de apontar a rejeição ao determinismo biológico implícito presente em termos como “sexo” ou “diferença sexual”, o conceito de gênero tem como objetivo frisar o caráter fundamentalmente social das distinções fundadas sobre o sexo.

27No campo historiográfico, o amadurecimento das discussões em torno do conceito possibilitou que os estudos de relações de gênero viessem substituir a história das mulheres, dando um novo fôlego à história social, preocupada com o processo de construção de experiências e identidades e as relações de dominação e subordinação de diferentes grupos sociais.

28Assim, partindo do pressuposto de que o gênero é uma prática apreendida nas relações do cotidiano, imersas em redes de poder, ao refletir sobre o comportamento das famílias imigrantes, este estudo visa também contribuir para o debate acerca das relações sociais de gênero, especialmente no que se refere às expectativas diferenciadas construídas em relação ao trabalho feminino e masculino.

Trabalho e relações de gênero na família

29Viver a experiência do mundo do trabalho, logo após ter acabado o curso primário, fazia parte da vida de praticamente todos os filhos de imigrantes. O hábito de as mulheres trabalharem fora de casa, durante um período da sua vida, não era uma prática restrita às famílias menos abastadas. As jovens que possuíam um maior grau de escolaridade também entraram no mercado de trabalho, desempenhando funções administrativas em empresas comerciais e industriais.

30Tão logo completou 14 anos, Naomi Marti14, nascida em Basel, na Suíça, tratou de providenciar a carteira de trabalho para poder ingressar na fábrica de bolachas. Doris Tibucheski15, filha de poloneses, apesar de ter apenas doze anos de fato, fez o mesmo para entrar na fábrica de fitas. Como elas, a maioria das adolescentes que moravam na periferia da cidade saía em busca desse documento, logo que a lei as considerasse aptas ao trabalho. Respostas como “estava só esperando fazer 14 anos para procurar emprego” são comuns nos depoimentos fornecidos por operárias descendentes de imigrantes, como Hilda Arbaiter16.

31Outras são mais específicas e falam dos motivos que as levavam para o mercado de trabalho nessa idade.“A gente sempre tinha que trabalhar porque não dava pra ficar assim parada em casa. Uma, por que a gente era moça e também gostava de se vestir um pouco melhor, tinha as ambições da gente17. “Saí da escola com 12 anos, eu vi que a situação não era boa, daí resolvi trabalhar no mesmo lugar onde trabalhava uma vizinha”.18

32No entanto, dentre as mulheres de origem mais pobre, não raro, a experiência de trabalhar fora de casa começava muito antes dos 14 anos. Era comum a prestação de pequenos serviços na vizinhança ou na casa de parentes, em troca de alimentação. Elizabeth Smoger19, aos dez anos já trabalhava numa chácara vizinha, fazendo coleta de ovos e ajudando a cuidar de um doente idoso. Em troca “eu ganhava uma garrafa de leite para levar pra casa”. Renata, também filha de imigrantes alemães, a partir dos treze anos, trabalhou como babá na casa de um tio. “Sempre ajudei minha mãe por causa dos irmãos que eram todos menores, então sempre ajudei em casa [...] Desde criança  eu tive uma vida assim que eu tinha que saber que eu tinha que trabalhar para me virar na vida”. Ela conta que todos os seus irmãos, três mulheres e dois homens, trabalharam em fábricas. “Todos eles trabalharam na Fiat Lux”.

33Thereza Gorski20, descendente de poloneses, morou dos 6 aos 15 anos com a avó materna que possuía uma chácara na região do Pilarzinho, porque era difícil para seu pai, apenas com o salário de carroceiro, sustentar a família de oito filhos. Dos dez aos treze anos trabalhou como vendedora a domicílio, oferecendo as verduras cultivadas pela avó.

34Antes de conseguir emprego na fábrica Lucinda, onde suas três irmãs mais velhas já trabalhavam, Thereza passou por uma fábrica de vidros e duas tinturarias. Na cristaleria, onde entrou com 13 anos, tinha que lavar os copos e retirar as saliências num rebolo.

Primeiro foi no rebolo, ralar copo no rebolo [...] vinha os balaios com os copos fechados, aí um rapaz queimava os copos numa máquina [para cortar], depois uma moça aparava, outras duas ralavam, lavavam. Trabalhavam umas dez pessoas na seção. As crianças, usavam um avental de couro pra não molhar a barriga [...] trabalhavam de tamancos ou descalços [...] Quebrava o copo às vezes e onde pegava atorava [...] às vezes acontecia deles pisarem num vidro e cortar o pé, isso acontecia pra qualquer um21.

35Zelly Mathias22, antes de ser admitida aos 14 anos na fábrica de fitas, também já havia trabalhado numa pequena fábrica de tamancos e na seção de lavagem e rotulagem de garrafas, na Indústria Matarazzo.

36Como se vê, a decisão de empregar os filhos ocorria, principalmente, porque as famílias eram muito numerosas. Muitos pais chegavam mesmo a falsificar o registro de nascimento para poder empregá-los antes da idade permitida pela legislação trabalhista. Quando, durante a Revolução de 30, o pai de Nilda Tortato “ficou desempregado e sem dinheiro [...] eles modificaram o registro de 13 para 14 [anos] pra ela poder entrar na fábrica23.

37Quando Genil, a irmã mais nova de Nilda, completou 14 anos “a situação já estava um pouco melhor”, mas mesmo assim a mãe decidiu que ela iria para a fábrica.

Eu não queria trabalhar na fábrica, eu queria estudar no Instituto de Educação, mas mamãe como já era conhecida, (ela de moça, como as irmãs dela, já tinha trabalhado na fábrica de fitas), então quando ela foi falar com o seu Alfredo [proprietário da fábrica] ele disse que eu podia começar no dia seguinte [...] Então eu tive que ir trabalhar no outro dia [...] comecei na seção de urdideiras.24

38Muitas vezes, era o próprio pai que ia até a fábrica em busca de vaga para os filhos. “Ele que falava por mim. Naquele tempo a gente só fazia as coisas que o pai mandava. Foi lá, arrumou a vaga tudo e eu comecei”25. “Os pais eram respeitados, o que dissesse tinha que fazer [...] eu chorei, mas tive que fazer o que minha mãe quis”26.

39No caso de Doris, a decisão de trabalhar na fábrica também foi tomada por sua mãe que, da mesma forma, tinha sido operária quando criança. A escolha da fábrica de fitas Venske deu-se em função de ser um ambiente “sadio”, em que suas primas já trabalhavam. Luiza Silveira27, filha de pai brasileiro e mãe descendente de poloneses afirma: “Eu entrei porque minha mãe queria. Ela achava que era uma fábrica boa, de alemães. A gente entrava às sete e saía às cinco, então ficava bem guardada”28 .

40A inserção dos filhos no mundo do trabalho sempre foi uma preocupação dos imigrantes. Os rapazes tinham de aprender um ofício que garantisse a sua sobrevivência e a de sua futura família, enquanto às moças era “permitido” trabalhar até a chegada do casamento. Sem dúvida, as relações de gênero sempre colaboraram para a construção diferenciada das trajetórias de vida de homens e mulheres. De um modo geral, na trajetória masculina o trabalho sempre foi fundamental para a sua vida, enquanto as mulheres eram preparadas para o casamento e a maternidade. Embora as famílias de imigrantes seguissem esse mesmo modelo de educação, que sedimentava o papel da mulher na família e no privado, o tratamento dado aos filhos trabalhadores, de ambos os sexos, era muito semelhante. A regra era que todos os filhos, independente do gênero, entregassem o salário integralmente aos pais, que o administravam da maneira que melhor lhes conviesse.

41 “Em primeiro lugar era a manutenção da casa e o que sobrava ela [a mãe] nem tocava naquele dinheiro que era para o enxoval e para a compra de roupa e calçado”29. “O dinheiro que eu ganhava eu entregava tudo pro meu pai. Inteirinho pro meu pai. Eu recebia o envelope fechadinho e dava pra ele, daí ele conferia. [...] Aí ele me dava o tanto que ele queria. Não sobrava muita coisa porque eu trabalhava pra ajudar eles”30. “Com o salário da Lucinda eu pagava aluguel e a Sofia, minha irmã, levava mantimento. Quando ia receber não recebia nada, porque levava em mantimento”31.“Lá em casa foi acostumado assim, a gente recebia o dinheiro e punha na mão de minha mãe. Então quando a gente precisava de qualquer coisa pedia para ela [...] era aquele costume da gente chegar e entregar pra mãe”32. “O meu salário era entregue o envelope fechado na mão do meu pai [...] assim como entregavam na indústria [...] nunca abri envelope de pagamento”33.

42Da mesma maneira que a decisão de entrar na fábrica cabia aos pais, a saída também estava condicionada à vontade ou à necessidade dos familiares. Dentre os imigrantes, era comum a mãe fazer a escolha de uma das filhas para ajudá-la nos trabalhos domésticos, enquanto as outras seguiam para o mercado de trabalho. Emília teve de deixar o trabalho definitivamente após o casamento das irmãs mais velhas, porque o pai exigiu que ela ficasse em casa fazendo companhia à mãe. “Chorei pra não sair mas não adiantou [...] tive que sair, mas saí com pena, mesmo”.34

43Mercedes Pockrandt35 e Doris também deixaram o trabalho na fábrica, durante um ano, para cuidar da casa quando a mãe teve o filho mais novo. No caso de Hilda, ao saber que tinha vaga numa indústria que pagava melhor que a Lucinda, o pai decidiu que ela deveria mudar de emprego. “Eu saí pra ganhar um pouco mais, [...] ele [o pai]  foi lá saber quanto eu ia ganhar por hora [...] Quando eu casei ele fez a festinha de casamento com o dinheiro que eu ganhei36. As roupas do pequeno enxoval foram costuradas e bordadas em casa, por ela, a mãe e as irmãs.

44Pelas falas, é possível perceber a completa submissão e dependência dessas mulheres à família. Todo poder de decisão sobre suas vidas cabia aos pais37. As relações de trabalho que essas jovens mantinham com as indústrias do tipo familiar estavam muito próximas daquelas mantidas no sistema doméstico europeu, e, mais tarde, nas primeiras fábricas e manufaturas, em que “os fabricantes procuram empregar toda a família, para garantir o recrutamento e a fidelidade da mão-de-obra38, cabendo aos pais, como afirma a autora, a responsabilidade pelo trabalho e pela subordinação dos filhos.

45Ao fim e ao cabo, o que se percebe é que as imigrantes ou suas descendentes procuravam emprego por um período temporário, que compreendia o intervalo entre a saída da escola e o casamento. Ou seja, apesar de saírem de casa para trabalhar essas mulheres continuaram ligadas exclusivamente ao espaço doméstico. Para elas, a indústria era um prolongamento da casa, onde o patrão assumia o lugar do pai. A entrada no mercado de trabalho era determinada pela família, que decidia onde e quando ela iria trabalhar. O trabalho na fábrica era aceito como uma tarefa. As características da obediência e da submissão eram transportadas para o ambiente de trabalho. Elas não decidiam sobre a sua vida, alguém decidia por elas. O salário ganho era entregue, muitas vezes na própria fábrica, diretamente aos pais.  Sem liberdade e sem autonomia para reagir diante da autoridade paterna ou patronal, elas ajustavam-se ao sistema de relações de trabalho que lhes era imposto. Como diz Chauí, as mulheres, bem como outros grupos sociais e classes exploradas, “estão impedidas de liberdade pela própria definição de seu lugar social e cultural, pois sua subjetividade tem a estranha peculiaridade de colocá-las como dependentes. [...] são definidas como seres para os outros e não como seres com os outros39.

46Pelos depoimentos, foi possível perceber com clareza que o discurso dessas mulheres, independente da diversidade ideológica dos grupos envolvidos, reflete que a sua “visão de mundo” era e é, ainda hoje, articulada a partir da cultura do grupo masculino, como se houvesse um discurso sobre as mulheres e não das mulheres.

47Por outro lado, o caráter transitório que o trabalho formal tinha para elas, não permitia nenhuma identificação com a condição operária. No máximo, elas se denominavam trabalhadoras de uma determinada fábrica, mas nunca pertencentes à classe trabalhadora.

48Ao seguir as determinações impostas pela família, sobrava pouco espaço para que as trabalhadoras pudessem ter projetos individuais. Sair do espaço privado e ter um trabalho remunerado não significava a conquista da autonomia, nem tampouco de liberdade. Marilena Chauí, baseando-se em Spinoza, diz que a liberdade deve ser definida não como “a escolha voluntária ante várias opções, mas a capacidade de autodeterminação para pensar, querer, sentir e agir [...] opondo-se ao constrangimento e à autoridade40. Nesse sentido, o conceito de liberdade estaria atrelado a um outro conceito que é o da autonomia, condição primordial para o indivíduo construir-se e constituir-se enquanto sujeito “numa relação tal que as coisas e os demais não se ofereçam como determinadores do que somos e fazemos, mas como o campo no qual o que somos e fazemos pode ter a capacidade aumentada ou diminuída, segundo nos submetamos ou não à força e violência ou sejamos agentes delas41.

49Sem preparo para a construção de uma identidade42 própria e sem nenhuma possibilidade de romper as regras do jogo impostas pelas relações de poder, a experiência do trabalho formal era vista por elas apenas como uma etapa transitória, em cujo final a autoridade do pai seria substituída pela do marido.

50Diante das transformações impostas pelas mudanças econômicas e pelo crescimento urbano, os imigrantes e seus descendentes tiveram que buscar estratégias para se manter enquanto grupo, criando mecanismos que possibilitassem, além da sobrevivência, a manutenção de suas tradições familiares, religiosas e sociais.  

51O que se percebe é que houve, por parte desses grupos, uma adaptação, na tentativa de buscar certo nível de estabilidade de vida, possibilitando, ao mesmo tempo, a manutenção da tradição. O objetivo era buscar estabilidade econômica, sem permitir rupturas no modo de vida. Antonio Cândido recorre a Malinowski para dizer que “as necessidades básicas não apenas dão lugar a reações culturais, mas estas originam novos tipos de comportamento, que se tornam necessidades derivadas43.

52Dessa forma, a saída das filhas adolescentes para o mundo do trabalho formal não tinha como propósito nenhuma mudança real no modo de vida, pelo contrário, tinha como objetivo permitir que houvesse continuidade do modelo cultural ao qual eles estavam habituados. O que ocorreu foi apenas uma mudança temporária de comportamento. Como diz Sahlins, “Não há base nenhuma, nem razão para a oposição excludente entre estabilidade e mudança44.

53Nos discursos, a postura frente ao trabalho aparece intimamente ligada às heranças culturais. As descendentes de imigrantes, independente da condição econômica ou familiar, aceitavam o trabalho fora de casa como uma etapa a ser cumprida antes de chegarem na idade adulta. O trabalho era um aprendizado necessário. Entrar na fábrica era como ir para a escola, onde, além de mostrar um bom desempenho, era preciso respeitar as normas impostas. Para elas, mesmo que não tivessem acesso ao salário, trabalhar era sinônimo de melhores condições de vida para a família.

54A partir do trabalho, elas podiam atingir mais rapidamente o projeto do casamento, que, segundo a tradição dos diferentes grupos de imigrantes, exigia a confecção de um enxoval razoável e a realização de uma grande festa, por conta dos pais da noiva. Se na área rural era possível criar animais especialmente para os festejos e contar com a ajuda dos vizinhos no preparo da festa, na cidade a única forma de manter as tradições era ter uma quantia razoável para fazer frente às despesas. A mudança para a zona urbana podia alterar a organização familiar, mas não o estilo de vida da família.

Haut de page

Bibliographie

Entrevistas

Arbaiter, Hilda. Entrevista. Curitiba, ago. 1995.

Basso, Thereza Gorski. Entrevista. Curitiba, nov. 1995.

Gelasco, Doris Tibucheski. Entrevista. Curitiba, ago.1994.

Gomes, Zelly Mathias. Entrevista. Curitiba, dez. 1995.

Gorski, Thereza. Entrevista. Curitiba, nov. 1995.

Oliveira, Luiza Silveira de. Entrevista. Curitiba, ago.1994.

Piazzeta, Thereza Silveira. Entrevista. Curitiba, ago.1994.

Prevedello, Mercedes Pockrandt . Entrevista. Curitiba, jun. 1995.

Rosa, Tereza Gelasco da. Entrevista. Curitiba, ago.1994.

Smoger, Elizabeth. Entrevista. Curitiba, maio 1995.

Stival, Renata Anemann. Entrevista. Curitiba, jun. 1995.

Tortato, Genil. Entrevista. Curitiba, dez. 1995.

Vachvicz, Sirlene Maria. Entrevista. Curitiba, nov. 1995.

Vojciechoski, Emília Gelasco. Entrevista. Curitiba, ago.1994.

Bibliografía

Anderson, Michael. (1984), Elementos para a História da família ocidental 1500-1914. Editorial Querco: Lisboa.  

Andreazza, Maria Luiza e Nadalin, Sérgio O. (1994), O cenário da colonização no Brasil Meridional e a família imigrante. Revista Brasileira de Estudos de População. Campinas: ABEP, v. 11, n.1 jan. jun.

Balhana, Altiva P. et al. (1969), História do Paraná. Curitiba: Grafipar, v. 1.

Boschilia, Roseli. (1996), Condições de vida e trabalho: a mulher no espaço fabril curitibano (1940-1960). Curitiba. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Federal do Paraná.

Candido, Antonio. (1969), Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação de seus meios de vida. São Paulo: Duas Cidades.

Carvalho Neto, João Baptista de. (1991), Floriano Essenfelder: a trajetória de um empresário. Curitiba. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Federal do Paraná.

Chauí, Marilena. (1985), Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perpectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro, Zahar, v.4. p. 23-62.

Costa, Suely G. (1993), Transformação e reprodução: Marshall Sahlins e a dialética (quase invisível) do cotidiano. Revista Ágora, Niterói, v. 1, p. 15-22, 2o sem.

De Bem, Cleide Perito. (1992), Casas, casebres e condomínios: segregação espacial e relações sociais nas formas de ocupação de São Braz, um bairro de Curitiba. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo.

Durkheim, Emile. (1984), A divisão social do trabalho. 2.ed. Lisboa: Presença.

Martins, Ana Paula. (1992), “Um lar em terra estranha”: A aventura da individualização feminina. A Casa da estudante universitária de Curitiba nas décadas de 50 e 60. Curitiba. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Federal do Paraná.

Perrot, Michelle. (1988), Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.  

Shorter, Edward. (1977),  Naissance de la famille moderne XVIII-XXe siècle. Paris: Editións du Seuil.

Trindade, Etelvina M. de Castro. (1992), Clotildes ou Marias: Mulheres de Curitiba na Primeira República. São Paulo. Tese (Doutorado em História) Universidade de São Paulo.

Willems, E. (1980), A aculturação dos alemães no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional.

Haut de page

Notes

1 Balhana, Altiva P. et al. (1969), História do Paraná. Curitiba: Grafipar, v. 1. p. 159.
2 A Província do Paraná foi criada em 1853, tendo sido desmembrada da Província de São Paulo.
3 Anderson, Michael. (1984), Elementos para a História da família ocidental 1500-1914. Editorial Querco: Lisboa.  
4 Andreazza, Maria Luiza e Nadalin, Sérgio O. (1994), “O cenário da colonização no Brasil Meridional e a família imigrante. Revista Brasileira de Estudos de População. Campinas: ABEP, v. 11, n.1 jan. jun. p. 78.
5 Linhares, apud Carvalho Neto, João Baptista de. (1991), Floriano Essenfelder: a trajetória de um empresário. Curitiba. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Federal do Paraná. p.117.
6 Anderson .... Elementos para a História .....  
7  Shorter, Edward. (1977),  Naissance de la famille moderne XVIII-XXe siècle. Paris: Editións du Seuil.
8 Andreazza; Nadalin ... O cenário da colonização ..... p. 81.
9 Balhana ... História do Paraná... p. 168.
10 Carvalho Neto ... Floriano Essenfelder ... p.6.
11 Andreazza; Nadalin ... O cenário da colonização ..... p. 81.
12 Wilhems, apud Trindade, Etelvina M. de Castro. (1992), Clotildes ou Marias: Mulheres de Curitiba na Primeira República. São Paulo. Tese (Doutorado em História) Universidade de São Paulo. p. 139.
13 Trindade ... Clotildes ou Marias... p. 217.
14 Foi operária da Fábrica de bolachas Lucinda.
15 Descendente de poloneses, nasceu em Curitiba, em 1931. Trabalhou na fábrica de fitas durante dois períodos, de 1945 a 1946 e de 1947 a 1949. Deixou a fábrica para trabalhar no comércio. Sua mãe, Cecília Oltzan, quando solteira trabalhou como operária na fábrica de Fósforos.
16 Descendente de alemães, nasceu em Curitiba, no bairro do Pinheirinho, em 1936. O pai era açougueiro. Foi operária da fábrica Lucinda entre 1950 e 1952.
17 Anemann, Renata. Nascida em Curitiba em 1935, começou a trabalhar aos 13 anos. Foi operária na fábrica de Lucinda durante um ano a partir de 1947.
18 Vachvicz, Sirlene Maria. Descendente de poloneses, nasceu em Pinhais em 1943. Entrou na fábrica de fósforos em 1956, aos 13 anos. Foi seu único emprego.
19 Filha de imigrantes alemães, nasceu em Curitiba, no bairro das Mercês, em 1935. Seu pai era bombeiro. Estudou no Colégio Divina Providência e no Grupo Escolar Tiradentes. Perdeu a mãe aos 12 anos. Ingressou na Fiat Lux em 1952 onde permaneceu até a aposentadoria
20 Descendente de alemães e poloneses, nasceu em 1928, no bairro do Pilarzinho, em Curitiba. Ela e suas três irmãs mais velhas foram operárias da fábrica Lucinda. Trabalhou nesta indústria durante um ano antes do casamento em 1945.
21 Gorski, Thereza.
22 Filha de pai brasileiro e mãe italiana, nasceu em Curitiba em 1935. O pai era condutor de coches e a mãe, lavadeira. Trabalhou na fábrica de fitas durante 19 anos.
23 Tortato, Genil. Descendente de imigrantes italianos, nasceu em Curitiba em 1923. Foi operária da fábrica de fitas, onde exerceu o cargo de tecelã, dos  14 aos 31 anos.
24 Tortato, Genil.
25 Arbaiter, Hilda.
26 Tortato, Genil.
27 Nasceu em Curitiba em 1926. Trabalhou na fábrica de fitas durante 13 anos, de 1940 a 1953. Saiu para casar-se aos 26 anos.
28 Silveira, Luiza.
29 Silveira, Thereza. Filha de pai brasileiro e mãe polonesa, nasceu em Curitiba em 1929. Trabalhou na fábrica de fitas durante 6 anos de 1943 a 1949. Saiu para casar com um operário da fábrica de fósforos, aos 20 anos. Sua irmã também trabalhou nesta fábrica na mesma época.
30 Arbaiter, Hilda.
31 Gorski, Thereza.
32 Mathias, Zelly.
33 Vachvicz,, Sirlene
34 Gelasco, Emília. Nasceu em Curitiba em 1932. Foi operária da fábrica de fitas durante seis anos, de 1946 a 1952.
35 Nascida em Curitiba em 1913 foi operária da Fábrica Lucinda durante três anos, no final da década de vinte.
36 Arbaiter, Hilda.
37  Durkheim diz que nas sociedades de organização mais simples a consciência coletiva (crenças e sentimentos que norteiam a vida comum) se sobrepõe à personalidade individual. Sendo assim, “o indivíduo não se pertence e é, literalmente, uma coisa que a sociedade dispõe” (Durkheim, 1984: 152).
38 Perrot, Michelle. (1988), Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.  p. 60.
39 Chauí, Marilena. (1985), Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perpectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro, Zahar, v.4. p. 23-62. p. 47.
40 Chauí ... , Perpectivas antropológicas...  p. 36.
41 Chauí ... , Perpectivas antropológicas...  p. 36.
42  Segundo Velho, embora a dimensão psicológica seja fundamental, a identidade é uma produção condicionada e produzida pela sociedade e cultura (Velho, 1986: 21), citado por Martins, 1992: XVIII. Para Durkheim a construção da identidade é uma condição de socialização e interação dos indivíduos, ao mesmo tempo em que é no processo de interação que ela se realiza e se atualiza. Sem a identidade, as relações são meros contatos ocasionais. (Durkheim, Emile. (1984), A divisão social do trabalho. 2.ed. Lisboa: Presença. p.  60.
43  Candido, Antonio. (1969), Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação de seus meios de vida. São Paulo: Duas Cidades. p. 25.
44 Costa, Suely G. (1993), Transformação e reprodução: Marshall Sahlins e a dialética (quase invisível) do cotidiano. Revista Ágora, Niterói, v. 1, p. 15-22, 2o sem. p. 19.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Roseli Boschilia, « Família camponesa, trabalho e relações de gênero (Curitiba 1940-1960) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 01 février 2008, consulté le 21 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/22462 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.22462

Haut de page

Auteur

Roseli Boschilia

(Dra.) Departamento de História (UFPR), roseli.boschilia@ufpr.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page