Navigation – Plan du site
Débats | 2007
História cultural do Brasil. Dossiê coordenado por Sandra Pesavento
Nádia Maria Weber Santos

Uma lágrima furtiva de um doido bem esquisito: sensibilidade nos jardins do hospício...

[05/01/2007]

Résumés

Cet article expose quelques rapports possibles entre Histoire et Fiction, à partir de notions comme sensibilité et fiction. Afin d'étayer ces considérations, nous avons choisi comme sujet la folie et comme source historique le roman symboliste "No Hospíco", écrit par Rocha Pombo – écrivain et historien, publié en 1905.

Haut de page

Texte intégral

“Se ele é realmente doido, é um doido bem esquisito... Só Deus poderia dizer-nos o que há de grande e doloroso na alma daquela criatura...tão original, ou tão singularmente dotada de excelências que se destacou do comum para fazer jus a um hospício...”

Rocha Pombo – No Hospício

1Ler o delírio do louco, em textos literários é, de certa forma, um desafio, que orienta uma leitura em direção ao simbólico, pois o que se chama delírio, nada mais é do que conteúdo simbólico do imaginário de uma pessoa, retratando, muitas vezes, um imaginário coletivo. Na verdade, este “sistema simbólico” constituinte do imaginário de um paciente, traz à tona a sensibilidade sobre a loucura de certa época dada, onde ele se insere na corrente histórica que lhe deu origem. E mais ainda se estiver colocada na fala de um personagem literário. 1

2 ***

A tarde caía lentamente, lúgubre como os próprios ares do hospício. Naquele instante devia estar a caminho do cemitério o préstito fúnebre...Ah! Sagrado descanso da morte para os que sabem sentir profundo esta penitência da vida! Como devia andar aquele ente sereno e radioso da sua redenção. Quem sabe se será assim...Mas para que estrela te mudaria tu, oh cândida criatura? (Pombo, 1970, p.226)

3Os "ares do hospício" lembram, em muitos textos historiográficos, este acima descrito... Locais lúgubres, sombrios, úmidos. Poucas descrições os contemplam de forma diferente. Apenas a sensibilidade dos autores, escritores familiarizados com a loucura, é que distribuem nuanças nas narrativas sobre manicômios.

4Rocha Pombo (1857-1933), paranaense, foi um historiador-filólogo e um escritor engajado na política da Monarquia e da República. Publicou muitos ensaios e livros, durante sua vida, bem como editou jornais e participou de revistas consagradas ao Simbolismo Brasileiro. Pertenceu à antiga Academia Paranaense de Letras. Embora a crítica daquela época tenha se interessado pouco por um de seus principais romances, No Hospício, quando de sua publicação em 1905 2, Pombo foi considerado, ainda vivo, um escritor importante das Letras Brasileiras. Resgata-se, com ele, imagens da loucura expressas pela escrita de um literato sensível a suas manifestações.

5O romance revela certo pano de fundo: o sanatório hospeda o protagonista "louco", Fileto, um rapaz sensível e "filósofo-místico", levado à internação compulsória pela família, e também o narrador, que se internou aí voluntariamente, a fim de ter a maior aproximação possível com este “louco”, que ele queria conhecer melhor. Isolado em sua "cela", Fileto escrevia. Escrevia, em uma quantidade grande de cadernos, registros estes de cunho pessoal, que davam conta de sua vida e do mundo em que vivia, ao mesmo tempo em que mostravam grande capacidade de reflexão filosófica e mística. Em “No Hospício”, considerada sua principal obra literária, Rocha Pombo “assume” o discurso do louco: a subjetividade do escritor mesclando-se à subjetividade do personagem-narrador, que se finge louco para poder entrar no manicômio.

6O seguinte trecho surge no início da “saga” do "narrador-historiador", um anônimo na narrativa ficcional, dentro da instituição em que se interna voluntariamente, motivado pela satisfação de uma curiosidade, a de travar relações com um “louco” instigante e misterioso, porém pacato.

Estranho, não é ! Mas, não se imagine que me foi muito difícil fingir os desequilíbrios, que atestam a loucura. Ser louco é o que há de mais fácil no mundo. Parece que quando penetrei naquela casa, conduzido por um amigo, já eu não era o mesmo homem, que ali costumava ir são: tudo em mim – o meu andar, a minha voz, os meus gestos, o meu olhar – tudo era de um verdadeiro louco. Creio que se dava em mim um fenômeno muito fácil de ser constatado por qualquer pessoa inteligente, que o deseje. A certeza de que o médico me tinha por louco, mudara inteiramente o meu moral e todo o meu ser...

Demais, eu me senti logo tão bem no meu novo papel...Se eu falava, o médico me ia escutando com tanto interesse...Eu podia dizer as coisas mais leais, mais finas, mais altas...Podia discutir moral, religião, ciências exatas e afirmar as coisas mais belas ou mais absurdas...Podia mostrar-me bem materialista e ateu, ou fazer-me beato e infinitamente místico...Podia revessar palavras tímidas ou gritar como um possesso... – Tudo que eu fizesse era de doido...Podia zangar-me, ser brusco, ir até a insolência...Podia fazer críticas irreverentes ao nariz do doutor, chamá-lo de ilustre ou de besta, pedir-lhe um cigarro ou mandá-lo às favas... – tudo me era permitido. Oh! Que vida deliciosa! Eu chorava, eu ria à vontade, sem que ninguém se importasse com a minha gargalhada ou com o meu pranto. (Pombo, 1970, p.28)

7Os indícios daquilo que Rocha Pombo chamou de loucura, tornam-se já explícitos nestas linhas, ainda no início do romance. Para ele, “fingir os desequilíbrios que atestam a loucura”, está diretamente relacionado ao aval do médico, isto é, a subjetividade do narrador foi transformada assim que colocada em relação com a outra subjetividade, mais “poderosa”.

8Em outras palavras, o que o personagem expressa é a certeza de que se o “douto”, detentor do saber e do poder de avaliação, tinha-o como louco, então assim ele procederia espontaneamente! A frase “A certeza de que o médico me tinha por louco, mudara inteiramente o meu moral e todo o meu ser...”, mais do que um expediente literário revela a sensibilidade do autor para o fato do quanto a autoridade médica, neste período da história brasileira, já era sentida como forte e detentora de um poder sobre os diagnósticos da psique humana.

9Embora, possamos inverter esta “verdade” ao perguntar: mas, se o narrador não era “louco”, apenas fingia ser um, como foi que o médico não o percebeu? Fingir ou ser daria a mesma representação no imaginário da Medicina? Estaria, assim, a Medicina da época, segura de seus diagnósticos? Não estaria, nisto, uma crítica velada aos psiquiatras? Seria muito profícuo se tivéssemos alguma pista sobre a gênese deste romance, vinda pelo próprio escritor, para além das opiniões e análises dos críticos literários – aliás, poucos foram aqueles que se debruçaram sobre a obra de Rocha Pombo. Mas infelizmente não foi encontrada, em fontes pesquisadas, nenhuma menção do próprio autor à escrita genética de sua obra, nem de seu romance. Desta forma, este é analisado a partir das impressões que deixa em sua leitura, marcas de sua sensibilidade, cotejadas com a história de sua vida e obra, comentada por alguns críticos literários da época.

10O narrador fala que assumiu seu “novo papel”, identificando assim um teatro, uma simulação, uma “não-verdade”, uma representação. É a ficção dentro da ficção. Pombo, ao lidar com isto, mostra suas convicções e idéias, talvez aquilo que faltasse no mundo “sério” e formal das instituições, “Tudo me era permitido, oh! Que vida deliciosa!”, inclusive denunciar a literatura através dela mesma, ou mesmo a loucura e as práticas de exclusão sobre ela, simulando uma, isto é, passando-se por louco, sofrendo as agruras de uma internação manicomial.

11Como se fosse um misto de romance psicológico, romance simbolista, romance- ensaio aos olhos dos críticos, pode ser também compreendido como um romance feito a partir das "escrituras de si" de um louco, em situação de "exílio manicomial". Nele, o autor redimensiona muitas questões sobre a loucura, sobre religiosidade, além de seguir seus preceitos simbolistas, sobre arte e estética, com fartos "elogios ao símbolo", como na seguinte passagem: "Sim, a harmonia do símbolo, o ritmo espiritual e intangível da idéia é independente da palavra. A palavra não deve ser para a alma senão um sinal misterioso, muito discreto, muito austero, muito augusto, só perceptível à visão dos espíritos." (Pombo, 1970, p.47) 3

12Um excerto, quase filológico de sua própria obra, aparece como um “pacto de leitura”, posto como advertência, no início da primeira edição do romance No Hospício, em 1905 – aliás, única edição do livro, durante a vida do autor. Refere-se ao narrador da história, personagem criado por Rocha Pombo, e às obras que aquele deixou escritas, além de "No Hospício", provavelmente aquelas que ele escreveu durante sua estada no manicômio.

Há alguns meses, falecia nesta capital, obscuro e quase na miséria, um homem, cujo nome nunca se pôde saber. Entre os papéis que deixou, encontrou-se uma farta coleção de manuscritos inéditos, sendo o que segue, sob o título de No Hospício, um dos mais interessantes. Traz na última folha a data de 1900; mas, pela cor das primeiras tiras, bem se vê que é obra em que o autor levou algum tempo a trabalhar. A letra é só legível à custa de muito esforço e paciência, e há muitas palavras que nos foi impossível decifrar, e até períodos inteiros que tivemos de suprimir por ininteligíveis. Rio, junho 1901. 4

13Para a maioria dos críticos, o livro mais original de Rocha Pombo é, sem dúvida, este romance. Peça representativa do simbolismo na ficção brasileira, como afirma Afrânio Coutinho, na apresentação da edição ora trabalhada, "é livro altamente espiritualizado, intensamente cerebral, na linha do romance-ensaio e de análise psicológica. A trama é quase inexistente e, na verdade, só serve para dar motivo a largas divagações filosóficas, a aventuras de pensamento, a poemas em prosa, no gênero que o simbolismo tanto explorou”.

14De alguma forma, as críticas que Rocha Pombo recebia como historiador, dizendo que seus textos históricos eram muito fluidos e romanceados, faziam-no ser um bom escritor de ficção - embora também como escritor tenha sido criticado.

15Foi Tasso Silveira quem salientou este aspecto, na época, pois fazendo uma crítica positiva ao autor, aproximou suas duas facetas, a de ficcionista e a de historiador. Com isto, contrariava aos outros, que viam exatamente nesta "mistura" o defeito de sua obra. Refere:

No terreno da historiografia patrícia, também por destino inevitável, situou-se Rocha Pombo na posição, que foi a de um Michelet na França e a de um Oliveira Martins em Portugal, de recriador e não apenas narrador do passado. O polo oposto na historiografia brasileira contemporânea será, porventura, representado pela figura de Capistrano, o estrito pesquisador, severamente atento ao documento. O documento puro, no entanto, não contém todo o passado. Há o imponderável, o universal, o eterno de cada momento de história, e este raramente o documento o apreende, cabendo ao historiador o surge et ambulat, que fará de um instante morto de outrora uma palpitante realidade de nosso espírito. Para este ato de magia ou milagre, estão melhor preparados os evocadores - poetas, capazes de viver no mistério do seu próprio ser o episódio evocado, de maneira a dar-lhe sangue e vida quando o traslada para a dramática representação histórica." (apud Cardim, 1958, p.42)

16Nesta afirmação, ficam ressaltadas as características de ficcionista - simbolista - na obra do historiador, equação esta que, de certa forma, pode ser invertida, para dizer que sua "veia" de ficcionista também comporta muito de seu estilo de historiador. Características estas que são bem-vindas à reflexão da história cultural, onde se tenta trabalhar a narratividade da ficção numa aproximação fecunda com os dados históricos, e neste caso, sobre a loucura em texto literário.

17O resumo da obra feito por Massaud Moisés é como segue:

O narrador, impressionado com Fileto, internado injustamente no hospício, consegue também internar-se a fim de acompanhá-lo nos transes da "loucura". À proporção que se conhecem melhor, vai-se revelando todo o maquiavelismo do pai de Fileto ao encarcerá-lo entre doidos, e todo o drama subjacente: Alice, irmã e muito amiga de Fileto, apaixonara-se por um moço que tivera o mesmo destino do seu irmão. Com efeito, o doido que urrava sem parar, era seu namorado, igualmente posto no hospício pelo malevolente de seu pai. Finalmente, o moço suicida-se quando sabe da morte da bem-amada. O narrador sai do hospício, tenta em vão demover o progenitor de Fileto, viaja para a Palestina e, ao regressar, tem notícia que o louco havia falecido. Esse entrecho, por si só linear e com um tudo-nada de folhetinesco, ainda mais se enfraquece pelo fato de compor algo como um segundo plano do romance. É através de fiapos de conversa, informações soltas, casuais, que vamos tomando ciência do que vai correndo atrás dos diálogos entre o narrador e Fileto. (Moisés, 1967, p.251)

18A última frase desta citação foi também a primeira "impressão de leitura" que se teve após a primeira leitura do romance. Realmente, é através de pequenas pinceladas da obra, no meio de grandes "monólogos", que se vai tomando ciência do enredo propriamente dito e seu desenlace. E foram estas "pistas" de leitura que nos aproximou da análise das sensibilidades buscadas sobre a loucura, nesta época brasileira de virada de século, onde a literatura foi muitas vezes fundamental para a compreensão de nossa sociedade.

19No início do romance, eram apenas três personagens: Sóror Teresa, o narrador e Fileto. Três personagens, três vidas que se cruzam. Um pano de fundo, o hospício. Ou este também seria um personagem?

20Embora os críticos tenham sido enfáticos ao dizer que este romance não possui um enredo, pode-se bem entendê-lo com a seguinte estrutura dramática: o lugar em que ocorre toda a história, em suas 310 páginas, é o interior de um manicômio, não identificado por nome ou lugar - seria, então, o "hospício imaginário" do autor. Não há uma temporalidade definida, não se sabe quando a história se passa, somente algumas pistas são dadas, neste sentido, que remetem à temporalidade, como por exemplo, a referência a escritos de Nietzsche, que é um filósofo morto em 1900 - outras questões quanto ao tempo do romance, referem-se a pistas que levam à história da psiquiatria e manicômios, no Brasil. Há três personagens no início - sóror Teresa, narrador e Fileto e são estes mesmos que terminam o romance, com a morte deste último, mas há personagens secundários que possuem, também, funções bem definidas na trama: a família de Fileto que vai visitá-lo no manicômio [constituída pelo pai - aquele que detém todo o poder familiar e que tem o dinheiro, portanto, é ele que tem a autoridade de internar o filho - , a mãe, um irmão e uma irmã menor, com a qual Fileto tem grande afinidade], o diretor médico do manicômio, o louco do quarto em frente ao de Fileto e o amigo do narrador - responsável pela internação voluntária deste no hospício.

21Há a exposição do problema, que consiste no desejo do narrador aproximar-se e travar amizade com o paciente que lhe inspira indagações sobre a alma humana, a fim de trocar com ele reflexões e os textos que escrevem. A peripécia (do grego peripeteai, significando incidente, ou aquele lance da narrativa que altera o enredo, mudando a face das coisas, a ação e a situação dos personagens, em suma, os altos e baixos da história), neste caso, é o momento em que, em meio a grandes divagações sobre a vida e a morte, a loucura, Jesus e o espírito humano, atinge-se um clímax, onde o narrador e Fileto já estão muito amigos e planejam sair do hospício e fazer uma viagem ao oriente, para que Fileto possa morrer na Palestina. A lise, ou solução do problema apresentado, consiste na saída do narrador do hospício e sua viagem ao Oriente Médio, e a morte de Fileto dentro do manicômio.5

22No começo da história, Sóror Teresa não entendia por que Fileto era um louco, ou considerado como tal. A própria família colocou-o lá - como Lima Barreto e TR o seriam e sem dúvida tantos outros também... Mas por quê? Ela não compreendia...

23“Para não envergonhar a família”, conta ao narrador. Família rica e nobre. Estranha maneira de tratar um filho, diz Sóror Teresa. Pois se ele era considerado louco apenas porque caminhava pelas ruas a esmo, estudava muito e não se trajava como a família gostasse, então ela pedia que lhe explicassem que loucura era esta.

24Na história manicomial brasileira, a hospitalização dos considerados loucos atendeu as reclamações deste gênero, isto é, contra seu trânsito pelas ruas, como já se teve oportunidade de ver. Relata Tácito Medeiros que, já em 1835, o doutor J.F.Sigaud publicou um artigo no “Diário de Saúde” contendo reflexões acerca do livre trânsito dos doidos pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro, onde dizia: “a classe desgraçada dos loucos ...embuçados com grotescos andrajos, excitam as risadas dos viandantes... ou a torrente de grosseiras injúrias e ridículos epítetos”. (Medeiros, 1977, p.5-6)

25Parece claro que os cidadãos loucos eram punidos pelo mal estar que causavam, e não pelos sintomas que apresentavam. Era inconveniente o trânsito destas pessoas pelas ruas, e seu recolhimento a “gaiolas humanas, postas na vizinhança de um cemitério e por baixo de enfermarias ajoujadas de doentes” suscitava novos problemas.

26Foram criados, então, hospícios, mas que tiveram, como se pode ver, a mesma função das prisões e “gaiolas de loucos”. RP escreveu seu romance num momento em que os manicômios brasileiros estavam quase todos erigidos, inclusive com população acima daquela programada. Sua “sensibilidade” de escritor-historiador fez com que descrevesse a prática de exclusão que ocorria na sociedade, que, se não era mostrada explicitamente – uma vez que já havia hospícios –, era então constituinte, em sua forma implícita, do seio das famílias.

27“Mas era só isto que ele fazia: só vagueava pelas ruas?”, perguntou o narrador a sóror Teresa. “Só, é exato... mas a questão é que ele saía mal trajado, e muitas vezes dizem que as irmãs o encontravam assim, e voltavam chorando para casa ... as coitadinhas ...Afinal a família cansou e o remédio foi este – entregá-lo ao hospício. Ao menos aqui ele não sofre e não envergonha a família...” (Pombo, 1970, p.23) Fica explícito neste parágrafo do texto que a exclusão servia à família. Mas um paradoxo estranho, é aí colocado: não "envergonhando a família", Fileto não sofria. Sendo assim, o hospício passa a ser, ou aparece como, um "bom lugar" ao louco, onde este escapa, ele também, das incomodações e críticas familiares. Como se observa no fim da narrativa, ele opta em morrer no manicômio a ter que voltar para o lar.

28O romance assim começa, com a “irmã de caridade”, prestadora de cuidados aos enfermos desta instituição ficcionalizada por Rocha Pombo, conversando com o narrador que, ao visitar o hospício com certa freqüência, interessara-se por este doente, de nome Fileto, que lhe parecia uma “criatura extraordinária”.

29Soror Teresa, “de olhar nublado de uma piedosa desconsolação”, não se importava de dar as informações que ele pedia; e ela, em sua alma caridosa, também nutria muita curiosidade por este estranho paciente. “É um louco tão discreto... tem caprichos tão finos... que tem hábitos tão regulares e esquisitos, gestos tão graves e meditativos; que tem olhar tão meigo – que me deixa horas a cismar...Quem sabe lá que mistério anda ali! Quem sabe lá que estranho suplício estão impondo àquela miserável alma!...”, dizia ela, no primeiro diálogo formulado por RP em seu romance simbolista.

30O narrador e sóror tecem um pacto, presente na ficção desde o início da narrativa, onde ambos demonstram sua curiosidade e carinho; mas indo além disto, pois consideram-se a família dele nesta vida de exclusão. Ao identificarem-se com o “louco”, em suas sensibilidades, desfazem a fronteira pré-existente entre sanidade e loucura, pois os três pareciam “falar a mesma língua”: “Pedi a sóror Teresa que procurasse insinuar-me no espírito do enfermo, dizendo-lhe, sempre a meu respeito, coisas que pudessem chocar-lhe a sensibilidade, e dando-lhe a entender as minhas simpatias”. (Pombo, 1970, p.33) Embora tenha demorado um pouco para acontecer, após a entrada do narrador no manicômio como enfermo, ele realmente conseguiu a “amizade” de Fileto.

31Mas a ficção, em dados momentos, mostrando-se inteira, aparece numa divergência aguda com a realidade concreta, como se fosse uma peça teatral. É o que apresenta o seguinte relato, relativo a mais um momento do cotidiano de Fileto, onde as palavras saindo em turbilhões são incompreensíveis e o gestual é característico:

Agora ele vai estudar. Não deixa os livros e a mesa de trabalho um instante, no correr do dia. Estuda e escreve sempre. Às vezes levanta-se para recitar o que escreveu. E chega então a emocionar-se, fica mais pálido ainda, estremece, agita-se todo, numas convulsões estranhas...quase que sorri olhando deslumbrado para fora e fazendo uns gestos misteriosos... Mas quando recita não fala alto: revessa as palavras atropeladamente...E fica nos ares um vago sussurro, como as vozes que vêm de muito longe...Depois, cai imóvel por algum tempo, a dizer frases ininteligíveis, ou a meditar...quase que consternado... (Pombo, 1970, p.21)

32Ou então, pode-se dizer que a ficção mesclou-se à realidade de um louco em pleno “surto”, em plena crise, pois é assim que as pessoas foram acostumadas a imaginar e a olhar um paciente de hospício...

33Desde os primórdios das representações humanas, a loucura aparece como se assemelhando a este estado: convulsivo, irracional, “teatralizado”, com gestos estereotipados e “misteriosos”. De Héracles, do hino de Homero ou da tragédia de Eurípedes, Héracles Enlouquecido, passando pelas pacientes histéricas de Charcot na Salpêtrière de Paris do século XIX, até nossos dias povoando as centenas de manicômios contemporâneos, a loucura é vista sempre assim: possui uma representação “mais convincente que a realidade”, pois esta, remetendo “para além do espelho da realidade objetiva”, é “mais forte que o real”. (Ginzburg, 2001)

34No dizer de irmã Teresa, Fileto sofria de histerismo, ou neurastenia – conforme os médicos. Mas ela também não compreendia estes diagnósticos, pois eles não se adequavam à imagem que ela fazia dele. Além de tudo isto já revelado, havia uma outra coisa que a fazia cismar muito, e ela não entendia que fosse coisa que “doido gostasse de fazer”. Nas redondezas do hospital, havia um piano, que Fileto gostava de escutar “como se fosse a voz de alguém a lhe falar”. Sempre à tardinha, ele ficava na janela à espera daquelas músicas que pareciam dominá-lo: “e quantas vezes, ao recolher como quem se escondia, eu lhe vi rolar pela face uma lágrima furtiva. A princípio, quis adivinhar tudo, mas... enganei-me: só a sua sensibilidade é que fazia aquilo”. (Pombo, 1970, p.22)

35A freira mostrava-se bastante sensível à condição de Fileto, ao observar e comentar a própria sensibilidade do moço em relação às coisas que costumava fazer no hospício. Ela não compreendia o porquê dele ser considerado louco, e tentava repartir isto com aquele homem - o narrador sem nome - que se interessava cada vez mais pelo paciente, a ponto de fazer-se passar por doente, aos olhos do diretor do hospício, dos médicos, pacientes e, principalmente, de Fileto.6

36Ambas as sensibilidades, supostamente contrárias à ciência médica de então, estão resumidas no pensamento do narrador, ao espantar-se mais uma vez com as declarações de sóror, do seguinte trecho: “Que ciência é esta que assim condena uma pobre criatura humana sem ouvi-la e abandona assim um espírito à solidão horrível de um hospício... Que ciência é esta que não cura os loucos!... Que sociedade então fizemos que não salva os perdidos!...” Ele não compreendia como uma pessoa tal qual Fileto pudesse passar despercebido lá dentro, como não havia no mundo quem se comovesse com aquela irremediável tristeza...

37Assim, chegou o momento de sua ação. “É preciso não perder de vista aquele espírito”. O narrador resolve ficar mais tempo dentro do manicômio, e pede a ajuda de sóror, a qual não poupa esforços para verem alcançadas as suas intenções. Como ele não fosse médico, como ela pensava no início, e não quisesse passar por enfermeiro, guarda ou servente, só ficaria mais tempo ali se fosse paciente.

38Idéia maluca esta, de se passar por maluco! Mas ela é tratada, pelo autor, com grande "ingenuidade", pode-se dizer, com alegria e mesmo com certa euforia. Não houve, em momento algum da obra, uma só idéia preconceituosa, sinistra, oculta por parte do romancista, em relação ao narrador assumir-se como louco. Ao contrário, foi um recurso coerente para discutir esta temática, e não somente colocar em pauta as questões tão caras aos simbolistas brasileiros, como a religiosidade, a questão do símbolo e os parâmetros de sua estética. Mesmo sendo um dos temas preferenciais aos simbolistas brasileiros, a loucura e os "sujeitos desviantes", como dizem os críticos e mostram algumas obras, por que o autor escolheu-o desta forma?

39E desde o momento do encontro de ambos, instauram-se longos diálogos no romance, onde todo o tipo de assunto é tratado, desde as questões religiosas que atormentam a ambos, até os questionamentos sobre a loucura e a medicina, que não vê no doente um ser humano para ser tratado e curado, mas sim alguém para ser excluído de uma sociedade que se quer "asséptica" dos seus "males".

40A despeito de tudo o que Rocha Pombo colocou nos lábios do narrador, ou melhor, nas linhas de sua escrita sobre o doente que pesquisava, é o próprio Fileto, que, no seguinte trecho, com aguda consciência de si mesmo e com uma sensibilidade não esperada por aqueles que consideram o louco um "fora da razão", fez sua "catarse", uma espécie de “confissão” sobre seu passado:

[...] Eu sou, desde me­nino, uma causa de grandes desgostos para minha fa­mília... Eu tenho sido, mesmo, a vergonha dos meus, se deste meus eu tiver de excluir aquela que continua a ser tão minha como nos poucos dias sem que me iluminava com o seu olhar a alma de­testada. . . Nos meus primeiros tempos, meu pai me internou num colégio; mas, longe de ser um bom colegial, eu fiz logo a fama de excêntrico, de doente, ou de malandro. Compreendi bem que todos andavam querendo dizer que eu não era mais nem menos que um degenerado. Não era a um educador que me deviam confiar, mas a um psiquiatra. Não podendo mais permanecer no colégio, meu pai me prendeu no seu escritório; e eu, ali, não fiz mais do que continuar a comprometer a minha integrida­de mental. Por fim, os meus deixaram de lastimar a minha desgraça, e me foram aborrecendo, pois, no meio da sua fortuna e das suas alegrias, eu era uma nota dissonante: só eu não me alegrava da opulência e não me fazia digno da graça divina em que todos andavam. Todos — digo mal: ali mesmo, no seio da família, em breve, uma outra criatura se er­guia como um espectro, em contraste com a felici­dade ruidosa daquelas criaturas. E então me consolei do meu exílio no meio dos meus: só a Alice não me lastimava e não me afligia. Passamos a viver, um da sanção consciencial do outro. O senhor, desde que me viu, naturalmente ficou certo de que sou um esquisito, um misantropo, insociável e talvez até que me julgasse anti-humano e odiento... Mas eu não era assim, meu caro: fizeram-se assim, os meus... e o mundo. Não quiseram que eu fosse o que eu era e eu não pude ser o que queriam que eu fosse... Quis ver se encontrava no lar de meus pais um amor legítimo, simples e digno e fui iludido. Entre os moços, os companheiros de colégio, e em seguida entre os intelectuais de meu tempo, quis ver se encontrava, já não digo a simpatia que faz a aliança das almas, mas ao menos a lealdade saudável dos espíritos... e, meu caro, encontrei tudo falso, tudo contrafeito...Julgais que se presumem cavaleiros - eis o que tive em torno de mim. Compreendi que fora daquele triste lar paterno que se me andava fechando, havia a città dolente que me acenava com a eterna dor... este Pandemonium, que nem sequer é uma grande aldeia, porque é só uma aldeia grande, onde impera o botocudo tanto na indústria, no comércio, na política, como na imprensa, no magistério, nas letras, nas artes, em tudo... compreendi que, em regra, em todas as esferas da nossa vida coletiva, é a zebra que tem o domínio do dia. E então, fugi como um desesperado, como se eu fosse um outro animal bravio que tivesse querido sair das grotas e alcantis para ver os plainos alegres e amplos da terra, mas que volvesse para a furna espantado dos animais que vivem no sei tripúdio feroz. Foi então que me escondi em mim mesmo e fiquei idiota. Ferido no seu orgulho, meu pai não permitiu que por muito tempo durasse aquela paz. Vexado de minha presença em seu lar, desterrou-me para o Sul, em companhia de um amigo seu, residente em Pelotas. A esse amigo recomendara muito que me afastasse o mais possível da cidade, e como o homem era fazendeiro, lá fui parar numa fazenda. Ali passei quase um ano, sem livros e sem, ao menos, a convivência de um amigo. E foi ali que me acostumei a andar afastado das almas. Só me entendia com o céu do Sul e com a campanha. Por mim, desesperei, e o homem não teve remédio senão me fazer voltar. Chegando à casa de meus pais, encontrei um só coração aberto e o senhor sabe quem é. Meu pai me disse coisas horríveis; ao cabo de umas poucas semanas me enviou para Minas. Eu já vivia resignado com tudo: era idiota e como idiota nunca protestei. Não pude estar por muito tempo em Minas: resolvi e bati... a pé, nas estradas desertas, dormindo ao relento, pois quiseram impedir-me de voltar... Entrei na casa de meus pais debaixo de um alarido imenso. E passados uns dias, vinha eu para esta casa. Meu pai não compreendeu que não era junto dele que eu queria estar. [...]7

41É o único momento do romance em que há uma confissão pessoal, plena, um "escrito de si" absolutamente sensível, da parte de Fileto, revelando sua lucidez diante de seu passado e de sua "doença".

42Rocha Pombo coloca, assim, a denúncia da exclusão na voz da própria sensibilidade do doente, a qual se assemelha sobremaneira àquelas dos pacientes "reais". "Se eu tivesse família, talvez preferisse morrer aqui. Mas enjeitado, espúrio de amor, sem missão no mundo...o que aspiro é só isto; é aproximar-me da consolação infinita..." Com algumas poucas diferenças, inerentes à especificidade de cada um, seu discurso poderia ser o discurso de tantos outros, pois o sentimento de desamor da parte da família (e também da sociedade) é uma das grandes feridas abertas que estes doentes expressam em seus escritos, em seus desabafos.

43Se existe uma imagem estereotipada sobre a loucura, no romance, é fruto da representação que se tinha sobre ela naquele momento histórico, a qual se supõe que ele também queria discutir. Porém, quando o narrador finge-se de louco, para poder ficar perto de seu objeto de interesse e “pesquisa”, não é bem a “visão paródica” da doença que entra em cena, mas a “anti-visão” da loucura, como contraponto àquela assumida pela sociedade.

44Tem-se, portanto, nesta atitude ficcional, as “marcas de sensibilidade” do autor, consteladas no ato da escrita, remetendo, assim, à interioridade do texto literário. E de onde se percebe, ao mesmo tempo, na dialeticidade entre autor e seu processo criativo, os “traços de historicidade” – que remetem para fora do texto, ou seja, às representações sobre a loucura da sociedade da época. Não é difícil imaginar a intenção de Rocha Pombo, ou pelo menos supô-la, pois se parecer louco não era difícil, bastando com que o narrador fosse ele mesmo, dizendo, por exemplo, o que lhe bem aprouvesse, isto é, sendo sincero, então ser louco era algo que não deveria excluir socialmente o cidadão acometido por tais “condutas”.

45Reflexão esta que estaria, de certa forma, também coerente aos preceitos simbolistas, uma vez que estes tentavam, entre outras coisas, ir contra os modelos rígidos estabelecidos de ordem positivista na sociedade. Sob o "disfarce da loucura", o ficcionista consegue expor, tanto com Fileto como com o narrador, um debate estético - da estética simbolista - e com ela abrir horizontes de ordem geral, notadamente de ordem filosófica, incluindo na discussão o debate sobre a própria loucura - o que, sem dúvida extrapolava, na época, os círculos dos simbolistas.

46Em outras palavras, as questões sobre a doença mental abrangiam questões sociais e culturais mais amplas, e eram, neste momento histórico, discutidas também no cerne da sociedade letrada e não somente nos gabinetes de políticos ou médicos. As sensibilidades sobre este tema, povoariam, aos poucos, nossa literatura, talvez desde a escritura de "O Alienista" de Machado de Assis em 1882. Outros escritores posteriores e importantes às letras brasileiras, como Lima Barreto, também teriam a loucura como objeto de sua ficção.

47Esta foi a forma com a qual o escritor ficcionista, porém também historiador Rocha Pombo, conseguiu "recolher os membros espalhados do passado" e dar uma nova profundidade às questões da loucura, em seu tempo, através de seu romance. Mas não percebidas lá, por seus críticos em sua época, puderam ser resgatadas aqui...

Haut de page

Bibliographie

Bosi, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994.

Cândido, Antônio. Presença da literatura brasileira. São Paulo: Difusão Européia do Livro, tomo II, 1964.

Cardim, Elmano. Rocha Pombo - o escritor e o historiador. Rio de Janeiro: Gráfica editora Jornal do Comércio, 1958. [Museu Casa de Rui Barbosa]

Ginzburg, Carlo. Olhos de Madeira. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

Jung. C.G. Tipos psicológicos. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1981.

________. O eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes, 1982.

Leenhardt, J. e Pesavento, S. Discurso histórico e narrativa literária. Campinas: ed. Unicamp, 2000.

Medeiros, Tácito. Formação do modelo assistencial psiquiátrico no Brasil. Dissertação de mestrado. Instituto de Psiquiatria da UFRJ. 1977.

Moisés, Massaud. O Simbolismo (1893-1902). In: A Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1967, v.4.

Muricy, Andrade. Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1952.

Pesavento, Sandra. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. In: Revista Brasileira de História São Paulo: ANPUH/Marco Zero, v.15. n.29, 1995.

_______________. Com os olhos de Clio ou a literatura sob o olhar da história a partir do conto Alienista de Machado de Assis. In: Confrontos e Perspectivas. Revista Brasileira de História, ANPUH - editora Contexto, SP, v.16, n 31 e 32, 1996, pp108-118

_____________. Fronteiras da ficção - diálogos da história coma literatura. Coimbra: Faculdade de Letras, 2000.

Pombo, Rocha. No Hospício. 2 ed. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1970.

Propp, Vladimir. Morfologia do conto. Lisboa: Vega, s/d.

Santos, Nádia Maria Weber. Histórias de vidas ausentes - a tênue fronteira entre a saúde e a doença mental. Passo Fundo: UPF, 2005.

Santos, Nádia Maria Weber. Histórias de sensibilidades: espaços e narrativas da loucura em três tempos - Brasil 1905, 1020, 1937. Tese de Doutorado. IFCH - PPG em História. UFRGS. 2005. 397 p.

Von Franz, Marie Louise. Um método de interpretação psicológica. In: A interpretação dos contos de fada. São Paulo: Edições Paulinas, 1990.

Haut de page

Notes

1 Este artigo é uma adaptação de algumas idéias que se originam na tese de doutorado "Histórias de Sensibilidades: espaços e narrativas da loucura em três tempos - Brasil, 1905, 1920, 1937", defendida em 2005 no Programa de Pós Graduação em História da UFRGS.
2 Utiliza-se a segunda edição da obra, de 1970, publicada pelo Instituto Nacional do Livro e organizada/prefaciada por Afrânio Coutinho.
3 Para um de seus críticos, Massaud Moisés, esta e outras passagens que versam sobre "símbolo" representam uma "profissão de fé" ao pensamento de Mallarmé, um dos inspiradores do Simbolismo brasileiro.
4 Esta edição não foi encontrada. Na segunda edição, o organizador omitiu esta “advertência” do autor. Este excerto é citado por Massaud Moisés em O Simbolismo (1893-1902), volume IV da obra “A Literatura Brasileira”, p.254. Este crítico empenha-se em dizer que esta é uma minúcia técnica, um "truque romântico" - o de lembrar que o que vai se ler é fidedigno e verídico - que ajuda a sustentar a impressão de que o romance não passa de um "extenso monólogo interior, em que o narrador reconstitui sua traumatizante experiência num sanatório de doentes mentais". Ele acrescenta ainda: "como não seria muito verossímil o romancista internar-se num hospício, mesmo que levado pelo objetivo do narrador, mandou este em seu lugar, que assim se tornaria uma espécie de seu heterônimo".
5 Para maiores detalhes sobre este ponto de vista para análise de contos, romance e narrativas em geral, ver Von Franz (1990) e Propp (s/d).
6 O romance começa diretamente com o diálogo entre o narrador e sóror Teresa, cujo assunto era já Fileto. Com exceção da referida “nota de advertência” que consta na primeira edição de 1905, nenhuma outra  introdução é feita, por parte do autor. Assim, não se sabe por que o narrador encontra-se no hospício, conversando com a irmã-enfermeira. Apenas ele está lá, e a partir disto, começa seu interesse pelo doente. Pode-se imaginar que ele fazia uma espécie de “trabalho assistencial voluntário”, pois à página 26, quando ele ainda não estava internado, ele dizia que “no outro dia não era permitido visitas aos doentes” dando a entender que ele ia ali sempre nos horários de visitas do hospital. O que o escritor quis mostrar com isto? Os primeiros hospícios fundados no Brasil tinham esta característica assistencialista, pois se destacavam da Santa Casa de Misericórdia de algumas capitais, estando muitas vezes aos cuidados de irmãs caridosas.
7 pp. 274-276.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nádia Maria Weber Santos, « Uma lágrima furtiva de um doido bem esquisito: sensibilidade nos jardins do hospício... », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 05 janvier 2007, consulté le 25 septembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/3161 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.3161

Haut de page

Auteur

Nádia Maria Weber Santos

Doutora em história pela UFRGS/Brasil, médica psiquiatra, professora convidada do curso de pós-graduação em arteterapia da Feevale/RS

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page