Navegación – Mapa del sitio
Debates | 2008
Marina Haizenreder Ertzogue

“O estrangeiro”: enredos imaginados sobre a solidão em Carl Schlichthorst, Carl Seidler e François Biard

[09/05/2008]

Resúmenes

Esta é uma narrativa sobre a travessia de três viajantes que estiveram no Brasil, em meados do século XIX: Carl Schlichthorst, Carl Seidler e François Biard. Nessa leitura,  o estrangeiro surge como espectador de um novo cenário construído a partir de si, revelando-se através de sua sensação mais íntima: a solidão. Este texto insere-se no estudo das sensibilidades, transitando pelos territórios do imaginário, da literatura e da história.

Inicio de página

Entradas del índice

Keywords :

loneliness, travelers

Geográfico :

Brasil, Brazil

Cronológico :

19th century, século XIX

Palabras claves :

Viajantes

Palavras Chaves :

Solidão
Inicio de página

Texto integral

Sobre a sensibilidade do narrador

  • 1  Gruzinski, S. “Por uma história das sensibilidades”, in Pesavento, S. e Langue, F. (orgs.) Sensibi (...)

1“O sabor dos abacaxis ou do arroz, os aromas das especiarias, uma paisagem luxuriante, a lembrança de uma noite de prazer...”O que fazer com essas sensações tão difíceis de serem expressas em palavras? A inquietude repassada nessa narrativa envolve indivíduos, suas reações mais íntimas, suas contradições abertas ou encobertas. Nesse sentido, a história das sensibilidades coincide com os territórios do imaginário, mas nem por isso se confunde com ele. 1

2Com base nessas constatações, este texto se propõe a narrar a travessia de Carl Schlichthorst, Carl Seidler e François Biard – três viajantes estrangeiros – pelo Brasil no século XIX, a partir do ponto de vista de uma sensação em particular: a solidão. A solidão levanta diversas questões: do que as pessoas sentem falta? Quais são as suas expectativas? O que faz com que elas se considerem incompletas em si mesmas?

3Essa sensação será valorizada à medida que se espera que os historiadoresreinterpretem o passado, e não simplesmente somem conhecimentos. Nessa perspectiva, o narrador busca esse passado por um outro crivo: pela sua própria maneira de sentir a história. Surpreendentemente, por uma motivação pessoal, o narrador do sensível pode também encontrar elos entre sua própria vida e os acontecimentos do passado.  

  • 2  Benjamin, W., “O narrador: observações sobre a obra de Nikolai Leskow”, in Benjamin, W.; Horkheime (...)

4Para Walter Benjamin, o berço do romance seria a solidãodo indivíduo necessitado de ajuda, mas incapaz de narrar a sua própria história para poder ser aconselhado. O leitor de romance, que é solitário, “mais do que qualquer outro leitor” 2 ele devora o assunto na busca de um calor que não tem em sua própria existência.Busca na morte do personagem – mesmo que figurada, no final do romance – o sentido de uma vida, sentido este que não encontra no seu próprio existir.  Por sua vez, Antonio Paulo Rezende escreveu:

  • 3  Rezende, A. P. “As seduções do efêmero e a construção da história: as múltiplas estações da solidã (...)

Se as solidões que vamos construindo na história têm representações que fogem até mesmo ao especifico da linguagem é impossível se pensar a história sem o social, sem a existência do outro. 3

  • 4  Duby, G., “A solidão nos séculos XI-XIII”, in Duby, George. (org.), História da vida privada, vol. (...)

5As formas de estar só e seus significados ganharam um sentido mais próximo da experiência moderna somente nos últimos quatro séculos. Isso ocorre quando as pessoas começam acreditar que possuem um mundo interior atraente e autônomo em relação ao exterior, podem se definir, segundo Georges Duby, “por contraste, ou mesmo por ruptura com os círculos de vida social”. 4

6No século XIX, o modelo familiar constituía-se em uma força normativa que se impunha tanto às instituições quanto aos indivíduos com vastas redes de exclusão, nas quais as regras da vida privada – e até o direito a ela – pareciam incertas, mas nem por isso deixaram de existir. Na Europa, era considerável a proporção de solteiros e solitários, temporários ou permanentes, por escolha ou por necessidade. Uma solidão que, para Michelle Perrot,

  • 5  Perrot, M., “À margem: solteiros e solitários”, in: Perrot, Michelle (Org.), História da vida priv (...)

éuma relação consigo mesmo e com os outros. Ainda não é um direito do indivíduo. Ela devolve, como um espelho, a imagem de uma sociedade que valoriza a ordem da casa e o aconchego do lar.5

7Na literatura, a solidão foi tema de diários íntimos, um gênero muito apreciado desde a era vitoriana. Alice James, a irmã inválida de William e Henry James, escreveu em seu diário em maio de 1889:

  • 6 The Diary of Alice James, ed Leon Edel, 1864, p. 25, apud. Gay, P., A experiência burguesa da rainh (...)

Penso que, se puder adquirir o hábito de escrever um pouco sobre o que acontece – na verdade, o que não acontece –, perderei um pouco desse sentimento de solidão e desamparo que me acompanha.6

  • 7  Oliveira, S. M., De viagens e de viajantes: a viagem imaginária e o texto literário. Tese (Doutora (...)

8Um diário é essencialmente uma narrativa feita em primeira pessoa, na qual o autor busca a cumplicidade com o leitor, na condição de protagonista da história. Em relação ao tempo, o diário é diferente de outros gêneros literários pelo fato de não ser uma narrativa retrospectiva, como acontece com a memória, com a biografia e com a autobiografia. Ele se atém ao momento presente e registra, no dia-a-dia, os fatos e eventos ocorridos. O viajante narra a travessia, os acontecimentos ou os pensamentos acerca de outro personagem, que pode ou não coincidir com a figura do leitor. Viagem, narração e escrita incrustam-se uma na outra, como parte de um mesmo processo de criação. O discurso das viagens imaginárias é construído pela tensão entre o real e o ficcional. Para  Silvana Maria de Oliveira, viajar torna-se um exercício de ver, movimento de investigação e compreensão. O estrangeiro, o viajante, o voyeurconstituem uma imagerie, na qual o sujeito se dá a conhecer, viajando. Nessa “mínima odisséia” entretanto, o mundo do viajante não se estreita, antes abre-se; não se bloqueia, mas faz experimentar a vertigem das alterações temporais.7

  • 8  Schlichthorst, C., O Rio de Janeiro como ele é (1824-1826). Tradução de Emmy Dodt e Gustavo Barros (...)

9“Anseios extravagantes de ser feliz e de gozar a vida, desejos que se não realizaram e esperanças que se frustraram, levaram-me a uma viagem ao Brasil” 8 – com essa frase, o mercenário alemão Carl Schlichthorst abriu as páginas do seu diário de viagem, no outono de 1824, para contar sobre a aventura de vir para o Brasil, no século XIX.

10Ele tinha 29 anos de idade quando aportou no Rio de Janeiro, no dia 4 de abril de 1825. Ocupou o posto de tenente de Granadeiros Alemães do Exército Imperial. Definia-se como um sujeito aventureiro, em busca da fama e riqueza, sem temer os perigos do oceano. Apesar de jovem, era considerado um homem culto na sua época: ao escrever, citava escritores, poetas e filósofos de destaque na Europa. Na apresentação da obra, Gustavo Barroso afirma que, acima de tudo, ele demonstrava uma intensa vida interior.

11Atraído também pela promessa de fama e riqueza, outro mercenário alemão, Carl Friederichs August Seidler, procedente de Hamburgo, desembarcou na capital do Império, em fevereiro de 1826, encerrando uma travessia de 103 dias de viagem. Registrou em seu diário a razão da vinda ao Brasil.

  • 9  Seidler, C., Dez anos no Brasil. Brasília: Senado Federal, 2003. (Coleção O Brasil visto por estra (...)

12Um cadete é da casta militar, como a crisálida é da classe das borboletas: em Braunschweig eu tinha usado a túnica de cor e por isso pensei que imediatamente poderia fazer de soldado no Brasil, pensei mesmo que, pelo grande sacrifício de abandonar  a pátria e todas as alegrias do lar, D. Pedro I poderia sumariamente dar-me uma túnica nova, melhor. Minha resolução estava tomada, mas era difícil atinar com a maneira de realizá-la. 9

13Para Seidler escrever as memórias de seu tempo significava ir à confissão, sem tremer nem vacilar, e relatar tudo de acordo com sua convicção, tudo que lhe pareça contribuir para esclarecimento da sua geração.Essa passagem era o preâmbulo para que Seidler confessasse aos leitores seu arrependimento:

  • 10  Ibid, p. 34.

Cometi uma tolice quando a 6 de outubro de 1825 deixei minha pátria sonolenta e minha carreira ainda mais sonolenta para tentar minha sorte no Novo Mundo, levado por meus sonhos de moço.10

  • 11  Cf. Vainfas, R. (org.), Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, (...)

14O livro de memórias e viagens do mercenário alemão, que relatou ter servido como tenente no Batalhão dos Caçadores nas batalhas do Sul, segundo Ronaldo Vainfas,  é um dos mais queixosos em relação ao Brasil e às gentes que aqui conheceu, além de expressar a frustração desse colono-soldado, com a vida no além-mar. 11

15Nas mesmas condições que Seidler e Schlichthorst, vieram a  bordo do navio Argus 149 alemães com o mesmo sonho: fazer fortuna na América do Sul. Eram homens, com destino incerto, que se dispuseram a atravessar o oceano para se tornarem mercenários do exército imperial brasileiro, durante as insurreições provinciais do Grão-Pará, do Maranhão, do Piauí, da Bahia e da Cisplatina, todas elas decorrentes do processo de Independência do Brasil, em 1822. Em junho de 1828, ocorre, no Rio de Janeiro, durante o governo de D. Pedro I, uma sublevação militar denominada Revolta dos Mercenários, razão pela qual, em 1830, a Câmara autorizou o decreto que determina a extinção das tropas de mercenários estrangeiros.

16Quase duas décadas depois, em 1858, desembarcou no Rio de Janeiro, Auguste François Biard, pintor e naturalista francês, que veio para o Brasil porque o imóvel onde ele residia, em Paris, por mais de vinte anos, fora desapropriado. Abatido por ter de deixar o apartamento, que, além de ateliê, era seu museu particular, onde mantinha suas lembranças de viagens pela África e pelo Oriente, Biard decidiu aventurar-se pela América do Sul.

17Por recomendação de Taunay, cônsul francês no Brasil, Biard foi recebido pelo imperador Dom Pedro II. Na Corte lhe transmitiram o desejo da imperatriz Tereza Cristina: o de ter o seu retrato pintado pelo artista. Executada a tarefa, Biard também retratou o Imperador, em trajes de gala.

  • 12  Biard, A. F., Dois anos no Brasil. Brasília: Senado Federal,  2004. (Coleção O Brasil visto por es (...)
  • 13  Ibidem, p. 43.

18Apesar de viver na Corte e gozar da hospitalidade do monarca, Auguste François  definia-se como uma pessoa só: “De qualquer modo preferia essa solidão a um café cantante, único lugar de diversão no Rio, a não ser o teatro; nunca fui ao primeiro e raramente comparecia ao segundo. Também não me agradava passear na famosa Rua do Ouvidor”.12 E complementa: “Não me interessando uma aproximação mais íntima com pessoas de quem deveria me separar muito breve, vivia quase sempre só”. 13

  • 14  Freud, S., “O mal-estar na civilização”, in Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. 21, p (...)

19Para resguardar-se do sofrimento que poderia advir dos relacionamentos humanos, Biard optava pelo isolamento voluntário e mantinha-se distante das outras pessoas. A felicidade possível de ser conseguida através dessa reação é, segundo Freud, 14 aquela proporcionada pela quietude. O termo “solidão”, entretanto, não aparece na obra de Freud, que preferiu usar “isolamento”, para se referir aos estados psicológicos semelhantes ao distanciamento social voluntário e à solidão.  Biard não era o único solitário, Carl Schlichthorst também o era. Um dos poucos lugares que freqüentava com assiduidade era a casa de D. Luísa, “uma crioula gorda”, mãe da jovem mestiça Beata Lucrécia da Conceição com quem Carl passava serões agradáveis.

  • 15  Nery, P. R., A. Relatos de viagem e construção da pessoa em Guimarães Rosa: o deslocamento como va (...)

20Com base nos relatos desses três viajantes, fica claro que o estrangeiro é um espectador de um novo cenário construído a partir de si. Ele surge como uma categoria livre de amarras em relação às outras pessoas, razão pela qual se torna capaz de estabelecer um distanciamento em relação ao que vive fora de sua pátria. A empatia com cenários da natureza e da cultura particularmente nostálgica é denotativa de uma atitude sensível ao outro, quando esse outro se reveste da condição de um ser para quem ser generoso torna-se uma explícita disposição do “viajante sentimental”. 15

21Na história de cada um desses homens há um diálogo consigo mesmo, concretizado em diários repletos de passagens sobre a solidão e a saudade da pátria, sobre as dificuldades com o novo idioma, sobre a hospedagem em hotéis desconfortáveis, sobre a repugnância pela profusão de insetos no calor dos trópicos, sobre a náusea causada pelos dejetos jogados na praia. Enfim, registrava-se, nesses diários, o próprio estranhamento do estrangeiro diante dos costumes locais, permitindo uma leitura sobre a solidão proporcionada pela sensibilidade do narrador.

A leitura dos “Lusíadas”  no leito da mulher enferma

22Num de seus relatos, Carl Seidler escreveu sobre como era difícil para um estrangeiro  estabelecer relações “honradas e convencionais” com mulheres instruídas na Corte. Conta ele que na casa onde residia morava a jovem Luísa na companhia da mãe reumática. O pai de Luísa, nessa ocasião, estava em viagem de negócios. Carl pediu o consentimento da família para ler Os Lusíadas no leito da mulher enferma. Com a autorização concedida, Luísa, na companhia da mãe, escutava com devoção os versos ardentes de Camões, recitados pelos lábios trêmulos de Seidler. Nessas sessões de leitura, Carl e Luisa trocavam furtivos olhares e breves palavras, até o dia em que ele foi surpreendido por uma carta:

  • 16  Seidler,  C., op.cit, p. 104.

Senhor e amado! Tanto eu quisera dar-lhe uma prova da minha paixão pelo Senhor, mas nisso sou impedida por minha mãe doente; o jardim tem folhagem sombria e igual número de sentimentos tem meu coração. Tenha esperança! Sou sua, para sempre, a mesma. 16

  • 17  Ibid, p. 104.

23Atônito com essas palavras, ele escreveu em seu diário: “O termo ‘paixão’ significa muito em português; envolve a satisfação de todos os desejos, o maior prazer, o supremo ciúme, o mais profundo arrependimento”. 17

24Carl Seidler foi ao encontro da jovem no lugar determinado, seguindo as instruções contidas na carta. Luísa surgiu encantadora, com enfeites exuberantes para sua idade – fitas, flores e plumas. Isto foi o bastante para que ele depois confessasse que sua austeridade começava a ceder, mas se contive e logrou dizer algumas objeções sérias, que talvez em português ainda tivessem dupla significação.

  • 18  Ibid, p. 106.

25Entre réplicas, beijos e queixumes, Luisa seduziu o austero mercenário alemão que faz o seguinte comentário em seu diário: “Tive que sonhar até o fim o sonho de amor. Muito choro, muito riso, beijos e juramentos nessa hora; mal me lembro”. 18

26Quando transcreveu a sua carta íntima, Seidler justificou que fazia aquilo para demonstrar às leitoras alemãs a facilidade com que as mulheres no Brasil se deixavam seduzir. A sedução era uma estratégia da condição feminina na capital do Império. Segundo Seidler, um homem estrangeiro e solteiro na Corte era considerado uma possibilidade de ascensão social para moças casadoiras.

  • 19  Bakhtin, Mikhail, Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p.213.

27 A leitura do diário de Carl Seidler, cujo conteúdo central são descrições de vistas e paisagens da cidade do Rio, permite inferir que, no episódio do envolvimento com Luisa, a construção do discurso íntimo está ancorada na confiança no leitor, na simpatia, na sensibilidade e na boa vontade de sua compreensão responsiva. Segundo Bakhtin, 19 a narrativa, nesse caso, sustenta-se pelo clima de profunda confiança, no qual o locutor desvela suas profundezas interiores. É isso que desperta a expressividade particular e a franqueza interior desse estilo literário.

28Ao recordar o tempo que passou na capital do Império, Seidler nutre um sentimento de culpa ao revelar que vadiou por vários dias nas ruas do Rio de Janeiro porque tudo para ele era novidade.  Para um jovem de dezesseis anos bem se podia imputar certa curiosidade.

29Como na fábula A cigarra e a formiga, de La Fontaine, avida de sonhos não durou muito para Seidler. A leviandade cedeu à pressão das necessidades crescentes dia e dia, e ele teve que pensar a sério no seu futuro.

  • 20  Ibid, p. 116.

30A indefinição na carreira militar e a necessidade de sobreviver em uma terra estrangeira revelam, para Seidler, a sensação mais íntima – a solidão, expressa no seguinte desabafo: “Eis-me sem conhecer a língua da terra, sem amigos, quase sem dinheiro, numa grande cidade estrangeira gota d’água que imperceptível aumenta o oceano!”. 20

31Diante desse dilema, Seidler decidiu dirigir-se ao próprio Imperador para conseguir emprego e, caso não obtivesse êxito, retornaria imediatamente à Europa. Resolvido o impasse, em novembro de 1826, assumiu o posto de segundo-tenente do exército mercenário, integrando o 27º Batalhão dos Caçadores, e seguiu para o Rio Grande do Sul, para lutar na campanha da Cisplatina.

32Regressou novamente ao Rio de Janeiro, com uma dupla amargura: por não ter feito fortuna e pelo fato de seus compatriotas alemães terem sido obrigados a deixar o país após a promulgação da Lei de 24 de novembro de 1830, que decretava a dissolução das tropas estrangeiras no Brasil. Diante dessas situações, ele registrou em seu diário:

  • 21  Ibid, p. 481.

Devo ainda citar que em parte a falta de dinheiro que desde esse tempo se tornou cada vez mais sensível em todo o Império, em parte as continuadas cenas de horror, e finalmente a ardente saudade da pátria amadureceram em meu espírito o propósito de regressar à Europa. 21

33O livro Dez anos no Brasil foi escrito em 1835, quando Seidler regressou para sua terra natal. Nessa forma de escrita, lembrar não significa  reviver, mas refazer com fragmentos, as experiências do passado.

O jantar na casa de dona Luisa

34Enquanto caminhava pelo Campo de Santana, iluminado pelos fogos de artifícios, Carl Schlichthorst assistiu, por volta da meia-noite, a passagem do Imperador, que participava dos festejos populares em devoção à padroeira. Naquela noite, Carl havia conhecido a mulata Beata Lucrécia da Conceição, uma jovem de 17 anos de idade, que passeava aparentemente desacompanhada pela praça movimentada.  De súbito, um foguete atingiu o fino vestido de cambraia da jovem. Carl socorreu Lucrécia, apagou as chamas que se alastravam pelo tecido com uma pesada manta de lã escocesa que ele trazia consigo. Depois do ocorrido, o jovem oficial ofereceu-se para levá-la em casa. Carl atribui a este acidente os momentos mais agradáveis  que passou no Rio de Janeiro.

35Beata Lucrécia da Conceição vivia com a mãe, a viúva D. Luísa, em uma casa modesta, que era habitada por negros que trabalhavam na Alfândega. Convivendo com a família, Carl descobriu que a jovem Lucrécia era amasiada com um tropeiro de  mulas, que passava a maior parte do tempo  em viagem para Minas Gerais.

36Entre Carl e Beata Lucrécia travou-se uma sincera relação de amizade.No seu diário, Carl escreve sobre as noites agradáveis que passavam juntos degustando chá da índia enquanto conversavam animadamente. Confessou que Aprendia com a bela mestra, em poucas horas, mais português do que lhe ensinaria em seis semanas um rabugento professor.

  • 22  Ibid, p. 87.

37À noite, quando os lampiões iluminavam a cidade, eles passeavam juntos pela movimentada rua do Ouvidor.  Carl oferecia o braço à jovem, que era seguida de perto por uma escrava. A ausência da mãe de Lucrecia era assim justificada:“D. Luísa, que de bom grado teria vindo conosco, fica em casa pela delicada modéstia de sentir sua diferença de cor”.22 Às oito horas da noite, como de costume, deixava Lucrécia em casa, despedindo-se dela respeitosamente.

  • 23  Ibid, p. 85.

38Acompanhando um dia na rotina desse viajante, percebe-se que Carl não gostava de acordar muito cedo. Pela manhã vestia-se rapidamente, com negligente simplicidade. Usava calças de linho branco e um leve casaco de algodão. Para se proteger do intenso calor era indispensável o chapéu de palhinha. Acendia, então, um cigarro, seguia sozinho pelas ruas da cidade até a praia do Flamengo e despia-se sob as laranjeiras em flor. Ele relata assim a seqüência: “Depressa e sem que se perceba cai a minha ultima peça de roupa e com um pulo me lanço ao mar”.23

  • 24  Duby, G., op.cit., p.533.

39No relato de si mesmo, Carl Schlichthorst revela prazeres do cotidiano na cidade do Rio de Janeiro. Em anotações sobre o seu dia-a-dia, com sinceridade e desprendimento, ele compartilha com o leitor a intimidade do banho. O diário é uma fonte de informação em que o indivíduo apresenta  “por vezes sobre sua vida privada”, isto é, segundo Georges Duby, sobre seu corpo, suas percepções, seus sentimentos e sua concepção das coisas, apanhados sinceros, tanto quanto pode sê-lo uma memória redescoberta que pretende “pintar o ser de frente e não de perfil”. 24

40O banho era rápido, pois ele não possuía um escravo que o enrolasse em uma grande toalha e o enxugasse. Desse modo, assim, ainda molhado, vestia-se apressadamente. Após o banho, Carl caminhava a passos lentos pela cidade, atravessava as ruas estreitas com seu casario antigo até chegar à elegante barbearia do português, onde se entregava aos cuidados do barbeiro. As mãos perfumadas atavam-lhe ao pescoço uma toalha guarnecida de rendas, ensaboavam-lhe o rosto com água de flor de laranjeira e, com uma navalha bem afiada, raspavam-lhe a barba.  Para finalizar, o cabelo de Carl recebia uma generosa porção de creme modelador que dava uma forma elegante ao penteado. Para satisfação do viajante, o barbeiro mostrava-lhe o espelho afirmando que ele estava preparado para fazer reverência à dama de seu coração.

41Enquanto tomava seu café com ovos e torradas, em uma casa comercial da cidade, animado pela sua bela aparência e pelo elogio do barbeiro, Carl planejava jantar na casa de D. Luísa e, para isso, enumerava as providências a serem tomadas:

  • 25  Ibid, p. 87.

Vou depressa vestir-me em casa, chamo o primeiro negro que encontro na rua e faço compras para uma refeição modesta. Como sei que é dia de jejum e conheço o gosto das senhoras, compro caranguejos, palmitos, macarrão para a sopa, algumas macrelas e batatas, cebolas e agrião para a salada, e um pouco de alho às escondidas. Não me esqueço das passas, das amêndoas, dos abacaxis, das laranjas, das bananas e, para completar a sobremesa, ostras, queijo e algumas garrafas de excelente vinho do Porto, que nenhuma senhora desdenha. 25

42A maioria dos ingredientes do jantar, listados por Carl, seria encontrada no Mercado do Peixe, nas proximidades da Alfândega. Todas as manhãs embarcações traziam das ilhas próximas laranjas, bananas, lenha, temperos, peixes, ostras, mariscos, tartarugas e toda a sorte de gêneros da terra. Em volta do mercado ficavam as barracas onde as negras vendiam café e carne-seca com feijão e angu. Escravos e libertos cruzavam pelo mercado, apregoando todo o tipo de mercadorias: flores, frutas, doces e ervas, que fascinavam os viajantes.

43Alguns viajantes e cronistas descreviam o cenário do Mercado do Peixe como um espaço de intenso burburinho de gente, especialmente dos negros. Outra imagem do Mercado aparece na crônica  de Joaquim Manoel de Macedo:

  • 26  Macedo, J. M.,  Memórias da rua do Ouvidor. Brasília: Senado Federal, 2005, p. 111.

A Praça do Mercado está longe de ser condigna da capital do Império: acanhadíssima, úmida, mal policiada, às vezes toda cheiro de maresia, de aves amontoadas e de hortaliças já deterioradas, é lugar desagradável em vez de ser atrativo. O peixe expõe-se em tabuleiros sobre ruazinha sempre alagada, e pequenos tanques de peixes vivos faltam absolutamente. 26

44As compras de Carl eram bastante reveladoras de que ele conhecia a alquimia dos temperos e de que era um apreciador da boa mesa. Satisfeito com o momento de sociabilidade de que iria desfrutar, ele registrou em seu diário:

  • 27  Schlichthorst, C., op.cit., p. 87.

Chego com o negro assim carregado à casa de D. Luísa e me convido para jantar. A boa mulher sente-se muito honrada com a minha visita e sua amável filha me recebe com toda a sua graça natural. 27

45Enredos imaginados: os devaneios de Schlichthorst e a solidão em Biard

46Quando não estava na companhia de Beata Lucrécia, Carl Schlichthorst passeava só, pela praia de Copacabana, carregando consigo a saudade da pátria longínqua:

  • 28  Schlichthorst, C., op.cit., p. 89.

Estirado num daqueles bancos, ouvindo o marulhar das ondas, sonhei que estava novamente a bordo e naveguei, com a velocidade do pensamento, de volta à minha pátria distante. 28

47Como pensar a solidão em meio à multidão, numa cidade como o Rio de Janeiro onde a vida pulsava no burburinho das ruas, das praças e dos mercados? Os ruídos estridentes despertavam o sonhador do sono mais profundo, trazendo-o de volta à realidade da cidade em movimento:

  • 29  Bunbury James Fox., Narrativa de viagem de um naturalista inglês  ao Rio de Janeiro e Minas Gerais(...)

Os negros carregam todos os fardos na cabeça e enquanto estão assim ocupados vão dando um gemido alto, monótono e compassado, que, quando são muitos a trabalhar juntos, se ouve bem longe e é até assustador para um estrangeiro. Esta música tristonha acompanhada com o tagarelar incessante e a vociferação da população, o barulho dos carros sobre o calçamento irregular, o horrível ranger das rodas dos carros de boi, o latido de numerosos cães, o toque de sinos e as freqüentes descargas de fogos de artifícios tornam o Rio a cidade mais barulhenta que eu conheço. 29

48Carl despertou de seus sonhos ao som da marimba, instrumento tocado por uma menina africana, que lhe oferecia doces. O viajante comprou um pedaço de marmelada e bebeu água da bilha que ela carregava. O mercenário alemão pediu que ela dançasse para ele ao som de instrumentos africanos. Nessa fantasia está contido o desejo de se conectar com algo, mas que sempre é prolongado na forma de um devaneio diante da realidade. Em seu diário Carl convida o leitor a inspirar-se na cena que ele descreveu:

  • 30  Schlichthorst, C., op, cit, p. 191.

Imagine-se uma mocinha na flor da idade, com um corpo soberbamente formado, negro como a noite, o leve vestido de musselina branca caindo negligentemente dum ombro, a carapinha oculta num turbante vermelho, olhos brilhantes como estrelas, a boca fresca como um botão de rosa desabrochando e dentes que ultrapassam as pérolas em brilho e alvura; imagine-se essa mocinha em movimento suavemente embalante, mãos e pés batendo o com passo da dança maravilhosa, ao lado de uma mulher bem nutrida, verdadeira beldade africana,  sentada no chão e tocando a marimba com os dedos carnudos; ouçam-se os sons do instrumento e o canto que o acompanha; depois, olhe-se para mim comodamente deitado no banco, com o desenfado dum fazendeiro das Índias Ocidentais, tragando e exalando o fumo aromático dum charuto, e se terá visto a cena que pretendo descrever. 30

49Os enredos imaginados através dos devaneios – experimentados pela imaginação de Carl – tornavam a promessa de prazer mais interessante que a sua realização. A realidade em que se fundamentava o registro desse desejo era incapaz de oferecer o mesmo grau de perfeição encontrado na fantasia do narrador.

50Na descrição de Carl Schlichthorst, os atributos de beleza da menina africana são descritos por metáforas de um corpo imaginário. Entrelaçado a esse relato aparece também, no registro do devaneio, o próprio narrador, representando-se, na condição de um fazendeiro das Índias; nesse caso, ele afasta-se da sua própria cultura, para buscar um referencial no Oriente, como atributo de luxúria, expresso no devaneio do autor.

  • 31  Ibid, p. 191.

51Em seu diário aparecem referências incontestes sobre atração do mercenário alemão pelas mulheres africanas. Isto ficou tão evidente que os tradutores da sua obra, Emmy Dodt e Gustavo Barroso, chegaram a incluir uma nota  inusitada sobre essa predileção: “O autor tinha, como se vê constantemente, queda pela gente de cor”. 31

  • 32  Ibid, p. 87.

52Na condição de europeu, apesar da presumida atração pelas mulheres africanas, ele conserva o orgulho e o preconceito comum ao europeu do século XIX. Sentindo-se tentado a beijar a mão da Beata Lucrécia, na cena do jantar de D. Luísa, ele, entretanto, recusa: “Contra isso, porém, rebela-se o nobre sangue europeu, ao pensar que a tinge leve cor africana”. 32

  • 33  Ibid, p. 88.

53Entretanto, Carl não se furtava, à noite, a passear de braços dados com a Beata Lucrécia pelos arredores do Paço Imperial, em horas de grande movimento, porque a jovem, “com um quarto de sangue africano, à noite pode passar como branca de sangue puríssimo”. 33

54Também no âmbito do imaginário, o relacionamento com Beata Lucrécia da Conceição era motivado na perspectiva da fantasia. Na vida real, entretanto, não se concretizaria também porque a jovem era amasiada com um tropeiro. E Carl justificava assim esse impedimento:

  • 34  Ibid, p. 87.

Se, nesta convivência íntima, um sentimento melhor não vence o orgulho ridículo a que venho me referir, fico indeciso, porque sei respeitar os direitos alheios, mesmo que sejam dum simples tropeiro de Minas.34

55A espera pelo próximo encontro com Beata Lucrécia era uma fonte de prazer para Carl. Na realização dos seus desejos, ele poderia descobrir que estava diante de algo menos perfeito do que seus próprios devaneios:

  • 35   Ibid, p. 87-88.

56Após a refeição, as senhoras, que se serviram de talheres em consideração à visita, vão dormir. Acendo um cigarro e me embalo numa rede até o sono me fechar as pálpebras. Um sonho me conduz à Europa, na qual, quando acordado, raras vezes penso, e me concede gozos a que devo renunciar no Brasil. 35

57A carreira militar de Carl Schlichthorst foi breve. Sua dispensa do exército se deveu ao fato de ter denunciado as condições precárias em que viviam as tropas no Brasil, bem como a imoralidade existente entre soldados alemães. Por essa razão, Carl, além de ter sido alvo de calúnias, sofreu  perseguições por parte dos chefes militares; isolado e ressentido, não encontrou apoio entre seus compatriotas na corporação.

58Finalmente, foi dispensado do serviço militar por ordem do imperador e reconheceu:

  • 36   Ibid, p. 187.

Infelizmente, minha situação era de tal modo crítica que somente alimentava um sentimento – o medo do futuro. Caí numa espécie de pusilanimidade e me decidi a voltar à Europa por qualquer preço.36

59Em dificuldades financeiras, só obtinha ainda algum dinheiro graças aos conhecimentos de idiomas. Para conseguir retornar à Europa, recorreu à generosidade da Imperatriz, contou-lhe sua história e escreveu-lhe um poema. Comovida, a Alteza Real ofereceu-lhe 200$000 e, assim, Carl Schlichthorst pode retornar à pátria.

60Auguste François Biard chegou ao Brasil, em 1856, Ao desembarcar na Bahia descreveu sua decepção com a paisagem de Salvador, encoberta por uma chuva torrencial e por uma intensa neblina:

  • 37  Biard, A. F., op.cit., p. 27.

O que se me oferecia à vista não correspondia à idéia que eu fizera do Brasil; talvez tivesse outra impressão mais tarde ao desembarcar, mas não confiava muito em que tal acontecesse. 37

  • 38  Ibid, p. 29.

61Dias depois de uma breve passagem na Bahia, Biard estava a caminho do Rio de Janeiro. Durante a sua viagem, o pintor francês conheceu o senhor Aumont, um negociante francês, e, em razão de afinidades, tornaram-se amigos. Percorreram juntos os principais pontos turísticos do Rio, Biard, entretanto, não compartilhava do mesmo entusiasmo que o seu amigo manifestava pelas belezas da cidade. Sentindo-se deprimido ao constatar que estava só, Biard escreveu: “Eu não podia, no entanto, corresponder intimamente à alegria por ele demonstrada, pois, imbuído de minhas tristezas, julgava as coisas de modo diferente”. 38

62O viajante francês escreve sobre o sentimento de não estar na pátria:

  • 39  Ibid, p. 29.

Meu  companheiro  era casado com uma linda mulher e ia revê-la dali a  pouco; ambos gozariam os proventos das economias realizadas juntas com muito trabalho. Eu, ao contrário, deixara família na Europa e não podia esquecê-la, nem à força de uma ocupação habitual, nem diante dessas maravilhas, desse desconhecido que viera procurar. 39

63Por vinte francos diários Biard dividiu um quarto no Hotel Ravaud, com o senhor Aumont. As dependências da habitação lembravam um calabouço francês. No seu quarto não havia janelas, e a luz só penetrava no ambiente por uma espécie de óculo; não havia armários, razão pela qual as roupas eram guardadas, à moda matuta, numa trouxa. Além de tudo, o lugar estava infestado de baratas e mosquitos.

64No dia seguinte foi visitar o cônsul da França no Brasil, o Sr. Taunay. O pintor francês desejava uma audiência com Dom Pedro II, para quem trouxera cartas de recomendações. Enquanto aguardava ser recebido pelo imperador, Biard  iniciou seus estudos paisagísticos, explorando as florestas da Tijuca.

65Preparava seu próprio almoço e, às seis horas da manhã, partia com a mochila nas costas rumo à serra da Tijuca. Era uma longa caminhada até a floresta. Embora fosse usual alugar um escravo para carregar os apetrechos de trabalho, Biard preferiu não contratar um carregador porque considerava desagradável ter de conviver com um estranho ao seu lado todos os dias, registrando tal decisão em seu diário:

  • 40  Ibid, p. 37.

Há como uma espécie de desonra em se conduzir volumes de qualquer natureza. Meu caso seria ainda mais grave, pois teria de carregar às costas uma mochila de soldado com a caixa de tintas, um pau para apoio do pára- sol, e, deste modo, passar por entre ricaços, moças e até negros de mãos vazias, os quais se sentiriam chocados com a minha figura. 40

66Ele entregava-se ao trabalho com devoção, sentindo-se recompensado pela visão daquela magnífica paisagem:

  • 41  Ibid, p. 38.

Durante o dia inteiro pintei, à sombra de copa das árvores e a ouvir o estrondo da cachoeira. Enfim, eu vivia! Eu voltara a ser pintor! Um panorama esplêndido estava à disposição de meus olhos, e pela primeira vez, desde que deixara a Europa, me senti plenamente feliz. 41

67Entretanto, logo teve de abandonar os estudos sobre a paisagem campestre para se dedicar à pintura dos retratos da família real realizada em São Cristóvão, que ficava a alguns quilômetros da cidade. As poses eram feitas na biblioteca do Imperador. As sessões de pintura ocorriam sempre no domingo e depois das refeições. O próprio imperador acompanhava pessoalmente os esboços do artista que eram feitos no ateliê improvisado. Durante esse período, a rotina do artista limitava-se às viagens a São Cristóvão. Sem ânimo para diversão, ele jantava no próprio hotel e depois ia deitar-se. Para dedicar-se integralmente à pintura, o imperador o convidou a instalar-se no Paço.

68Pela proximidade do comércio, Biard passou a ir todos os dias ao Mercado  do Peixe, para observar os usos e costumes do povo. Apaixonado pela ornitologia, sentiu-se logo atraído pelos pássaros de plumagens multicores que estavam à venda nas bancas. Desejou comprá-los para conservá-los empalhados, mas desistiu desse propósito por não ter conhecimentos técnicos para o embalsamamento de aves. Mesmo assim, comprou alguns exemplares que manteve em uma grande gaiola. No seu diário, ele fazia as seguintes reflexões:

  • 42  Ibid, p. 43.  

Que quereria mais? Hospedado num palácio real, de onde via a guarda nacional fazer exercícios... Ia-me correndo o tempo agradavelmente; trabalhava durante uma parte do dia; defronte ficava a Câmara dos Deputados, o que me permitia ouvir, sem me incomodar, belos discursos (...) desenhava transeuntes, recebia muitas visitas e toda a imprensa me tratava com bastante gentileza. 42

69Quando finalmente se acreditava que  Biard parecia ter-se adaptado à vida na Corte, ele escreveu em seu diário que não obstante todos esses motivos de distração, ainda sentia falta de qualquer coisa.. Mas do que Biard sentia falta? Mais adiante ele confidenciou que andava com pressa de terminar os retratos da imperatriz e das princesas. Por isso recusava outras encomendas. Seu maior intento era viajar, estudar e volver à França o mais breve possível. Para ele, no entanto, hora da liberdade ainda não havia chegado.

  • 43  Fares, C., O arco da conversa: um ensaio sobre a solidão. Niterói: Casa Jorge Editorial, 1996.

70A concepção da solidão como “um trajeto”, a ser percorrido entre o indivíduo e o “outro”, segundo Fares, originou-se em Cícero. A idéia central em Cícero é a de destino incerto e desconhecido. O tempo seria o meio que permitiria ao homem realizar sua solidão, ou seja, constituir-se gradativamente como sujeito moral “. O solitário, é assim, aquele que está, todo o tempo, instado a empreender uma Odisséia”. 43

71Insatisfeito com as acomodações no palácio real, reclamava das condições dos aposentos, infestados por mosquitos e formigas que perturbavam o seu sono. Aborrecia-lhe também a comida servida no restaurante da cidade. Desagradavam-lhe as serenatas noturnas, embaladas ao som nem sempre harmonioso de  flautas e violões. Em seu diário, o artista recorda o seu tormento pelas prolongadas noites de insônias.  

72François recebia visitas das pessoas para as quais trouxera cartas de recomendações. Contudo sentia-se embaraçado para escolher suas amizades. Quando transitava pelas ruas na companhia de alguém conhecido, vinha logo alguém para dizer-lhe que tal sujeito não era bem conceituado na cidade. Quando Biard indagava sobre a índole do seu informante, também recebia a mesma referência negativa: Tantos foram os conselhos desta natureza  que ele acabou preferindo andar só e passear pelo morro do Castelo.

  • 44  Ibid, p. 43.

73Vivia só, a não ser quando precisava participar de alguma reunião de trabalho. Ele optou pela solidão para evitar uma aproximação mais intima com pessoas de quem teria de se separar em breve. E assim confessava: “Fora, aos poucos, ganhando esse gosto da solidão não possuído antes de minha chegada ao Brasil”. 44

74Terminada a sua obra, Biard deixou o Rio de Janeiro e seguiu viagem para o Espírito Santo, Pará e Amazonas. Viveu na floresta tropical e foi acometido de dois surtos febris. Permaneceu por dois anos no Brasil e regressou à Europa em 1858.

  • 45  Ibid, p. 248.

75Na sua despedida do país, ele escreveu para um amigo na Europa: “Quanta coisa a lhe contar quando nos tornarmos a ver! Levo recordações e material para trabalho que darão para o resto de minha vida!”. 45

  • 46  Ariès, P., “Por uma história da vida privada” in História da vida privada, vol. 3 – Da Renascença (...)

76Escrever cartas era uma prática muito comum entre os viajantes. Muitas dessas narrativas incitavam ao prazer da solidão, geralmente partilhada com um amigo em especial. Para Ariès, “um outro eu”, por quem se nutre “um sentimento mais polido, um relacionamento tranqüilo, uma prazerosa fidelidade, com toda uma gama de variedade e de intensidade”.46 A  solidão quando não repartida com alguém, era expressa  através das cartas trocadas com parentes e amigos ausentes. O ato de escrever também revela  a  simulação do diálogo interno do sujeito consigo mesmo.

77O movimento romântico estendeu o apelo da solidão introspectiva para além do mundo artístico do período renascentista. Difundiu a experiência solitária entre as pessoas comuns, transformando-a num aspecto definidor da condição humana. Confissões íntimas permearam as páginas dos diários de Carl Schlichthorst, Carl Seidler e François Biard, revelando sonhos de ambição, fama e fortuna dos viajantes estrangeiros na América do Sul, no século XIX.

78A narrativa dessa travessia no Brasil permitiu ao leitor compartilhar de suas frustrações e angústias, na maioria das vezes decorrentes da distância da pátria e da experiência primordial da separação. Pode-se descrever às formas de estar só de várias maneiras: através de relatos sensíveis ou da escrita de si, e, percebemos, assim, que o estrangeiro circundou pela tênue fronteira entre o isolamento social e a solidão.

Inicio de página

Notas

1  Gruzinski, S. “Por uma história das sensibilidades”, in Pesavento, S. e Langue, F. (orgs.) Sensibilidades na história: memórias singulares e identidades sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007, p. 7.

2  Benjamin, W., “O narrador: observações sobre a obra de Nikolai Leskow”, in Benjamin, W.; Horkheimer, M.; Adorno, T. W.; Habermas, J., Textos escolhidos, 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 63.

3  Rezende, A. P. “As seduções do efêmero e a construção da história: as múltiplas estações da solidão e os círculos do tempo”, in Ertzogue, M. e Parente, T. (orgs.), História e sensibilidade. Brasília: Paralelo 15, 2006, p. 48-49.

4  Duby, G., “A solidão nos séculos XI-XIII”, in Duby, George. (org.), História da vida privada, vol. 2 - Da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 529.

5  Perrot, M., “À margem: solteiros e solitários”, in: Perrot, Michelle (Org.), História da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 303.

6 The Diary of Alice James, ed Leon Edel, 1864, p. 25, apud. Gay, P., A experiência burguesa da rainha Vitória a Freud: o coração desvelado. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 364.

7  Oliveira, S. M., De viagens e de viajantes: a viagem imaginária e o texto literário. Tese (Doutorado) – Departamento de Estudos Literários/ Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1995, p. 13.

8  Schlichthorst, C., O Rio de Janeiro como ele é (1824-1826). Tradução de Emmy Dodt e Gustavo Barroso. Brasília: Senado Federal, 2000. (Coleção O Brasil Visto por Estrangeiros), p. 11.

9  Seidler, C., Dez anos no Brasil. Brasília: Senado Federal, 2003. (Coleção O Brasil visto por estrangeiros), p. 116.

10  Ibid, p. 34.

11  Cf. Vainfas, R. (org.), Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, p. 458.

12  Biard, A. F., Dois anos no Brasil. Brasília: Senado Federal,  2004. (Coleção O Brasil visto por estrangeiros),  p. 38.

13  Ibidem, p. 43.

14  Freud, S., “O mal-estar na civilização”, in Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. 21, p. 96.

15  Nery, P. R., A. Relatos de viagem e construção da pessoa em Guimarães Rosa: o deslocamento como valor. Brasília: Ed. UnB, 2003. (Série Antropologia, 331), p. 22.

16  Seidler,  C., op.cit, p. 104.

17  Ibid, p. 104.

18  Ibid, p. 106.

19  Bakhtin, Mikhail, Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p.213.

20  Ibid, p. 116.

21  Ibid, p. 481.

22  Ibid, p. 87.

23  Ibid, p. 85.

24  Duby, G., op.cit., p.533.

25  Ibid, p. 87.

26  Macedo, J. M.,  Memórias da rua do Ouvidor. Brasília: Senado Federal, 2005, p. 111.

27  Schlichthorst, C., op.cit., p. 87.

28  Schlichthorst, C., op.cit., p. 89.

29  Bunbury James Fox., Narrativa de viagem de um naturalista inglês  ao Rio de Janeiro e Minas Gerais (1833-1835)  Anais da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, v. 62, p. 14, 1940.

30  Schlichthorst, C., op, cit, p. 191.

31  Ibid, p. 191.

32  Ibid, p. 87.

33  Ibid, p. 88.

34  Ibid, p. 87.

35   Ibid, p. 87-88.

36   Ibid, p. 187.

37  Biard, A. F., op.cit., p. 27.

38  Ibid, p. 29.

39  Ibid, p. 29.

40  Ibid, p. 37.

41  Ibid, p. 38.

42  Ibid, p. 43.  

43  Fares, C., O arco da conversa: um ensaio sobre a solidão. Niterói: Casa Jorge Editorial, 1996.

44  Ibid, p. 43.

45  Ibid, p. 248.

46  Ariès, P., “Por uma história da vida privada” in História da vida privada, vol. 3 – Da Renascença ao Século das Luzes. Ariès, P. e. Chartier, R. (org.) São Paulo:Companhia das Letras, 1991, p. 12.

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Marina Haizenreder Ertzogue, « “O estrangeiro”: enredos imaginados sobre a solidão em Carl Schlichthorst, Carl Seidler e François Biard », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En línea], Debates, Puesto en línea el 09 mayo 2008, consultado el 22 septiembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/31893 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.31893

Inicio de página

Autor

Marina Haizenreder Ertzogue

Professora do Departamento de História da Universidade Federal do Tocantins

Inicio de página

Derechos de autor

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Inicio de página