Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesDébats2007História cultural do Brasil. Doss...História, memória e centralidade ...

2007
História cultural do Brasil. Dossiê coordenado por Sandra Pesavento

História, memória e centralidade urbana

Sandra Jatahy Pesavento

Résumé

Uma cidade é formada de espaços que, dotados de significado, fazem, de cada cidade, um território urbano qualificado, a integrar esta comunidade simbólica de sentidos, a que se dá o nome de imaginário. A indagação que se coloca neste texto é: tais lugares da cidade, tais espaços simbólicos de referência, estão, estiveram, estarão no centro urbano? É lá que se situa a memória do urbano, depositária de seu passado? Mesmo as referências espaciais podem mudar com o tempo. Onde é, verdadeiramente, o centro imaginário da cidade, segundo os seus habitantes? Ele coincide com o centro histórico, geográfico e simbólico da urbe, com a imagem consagrada pelo cartão postal?
Haut de page

Entrées d’index

Palavras Chaves:

memória, cidade, centralidade, história
Haut de page

Texte intégral

1Todos nós, que vivemos em cidades, temos nelas pontos de ancoragem da memória: lugares em que nos reconhecemos, em que vivemos experiências do cotidiano ou situações excepcionais, territórios muitas vezes percorridos e familiares ou, pelo contrário, espaços existentes em um outro tempo e que só tem sentido em nosso espírito porque narrados pelos mais antigos, que os percorreram no passado. Estes espaços dotados de significado fazem, de cada cidade, um território urbano qualificado, a integrar esta comunidade simbólica de sentidos, a que se dá o nome de imaginário. Mais do que espaços, ou seja, extensão de superfície, eles são territórios, porque apropriados pelo social.  

2Mas, sobretudo, são lugares, dotados de carga simbólica que os diferencia e identifica. E, se tais sentidos estão referidos no passado, fazendo evocar ações, personagens e tramas que se realizaram em um tempo já escoado, eles são lugares de memória, como aponta Pierre Nora1, ou ainda espaços que contém um tempo, como assinala Paul Ricoeur2.

3A rigor, se poderia dizer que cada cidadão escolhe seus pontos de atenção e referência para se situar no tempo e no espaço urbano. Eu conheço um lugar, costumamos dizer, implicando com isto que nos referimos a um recanto da cidade especial para nós, que nos toca de maneira particular. Mas também podemos ter sido induzidos, educados e ensinados a identificar lugares de uma cidade, partilhando das mesmas referências de sentido, em um processo de vivência do imaginário urbano coletivo.

4Os lugares de memória de uma cidade são também lugares de história. História e memória são, ambas, narrativas do passado que presentificam uma ausência, reconfigurando uma temporalidade escoada. São representações que dão a ver um “acontecido” que, a rigor, não é mais verificável ou sujeito à repetição. Mas o tempo passado não é irrecuperável, uma vez que, através do imaginário, se faz presente no espírito, dando-se a ler e ver através de discursos e imagens. Uma cidade é, pois, detentora de história e memória, assim como também o é desta comunidade simbólica de sentido a que se dá o nome de identidade. O centro de uma cidade foi, por muito tempo, o cartão de visitas de uma cidade. Mesmo que tais espaços tenham sofrido degradação, deixaram marcas, que funcionam como padrões de referência identitária para uma cidade.

5As identidades são fabricadas, inventadas, o que não quer dizer que sejam, necessariamente, falsas. As identidades, enquanto sensação de pertencimento, são elaborações imaginárias que produzem coesão social e reconhecimento individual. Identidades asseguram e confortam, sendo dotadas de positividade que permite a aceitação e o endosso. Identidades fundamentam-se em dados reais e objetivos, recolhendo traços, hábitos, maneiras de ser e acontecimentos do passado, tal como lugares e momentos. Com tais elementos, a identidade implica na articulação de um sistema de idéias imagens que explica e convence.

6Mais do que isso, a identidade se mostra e se exibe em ritos e práticas sociais, e se dá a ver, como no caso dos monumentos, feitos para lembrar. E tais marcos, como se pode bem apreciar, têm seu locus preferencial de referência nos centros urbanos, núcleo onde tudo começou. A construção de identidades urbanas tem seu acabamento na construção de paisagens, onde o enquadramento do espaço construído com seus elementos referenciais e icônicos e ajusta e se enlaça com o meio natural. Neste sentido, cidades à beira do mar, de um rio ou de um lago jogam com o elemento natural a integrar-se com a cultura, compondo imagens dotadas de valor simbólico de forte apelo. Conhecemos de sobra centros urbanos, corações da urbe que atraem pelo seu valor de paisagem. É ainda o cenário urbano de um centro, agitado e densamente povoado e edificado, o traço emblemático que melhor define o fenômeno urbano.

7Chegamos, pois, aos centros urbanos, ligados à história, à memória e também à identidade. A indagação que se coloca é: tais lugares da cidade, tais espaços simbólicos de referência, estão, estiveram, estarão no centro urbano? É lá que se situa a memória do urbano, depositária de seu passado?

8 Mas, antes de tudo, é preciso definir o que entendemos por centralidade.

9A definição, no caso, parte de uma referência espacial, ou seja, geográfica e de dimensão física: o centro é o núcleo original, o ponto de partida nodal e uma aglomeração urbana. O centro é, pois, o marco zero de uma cidade, o local onde tudo começou, o seu núcleo de origem. Assim sendo, o centro é um espaço privilegiado no tempo. Parafraseando a frase bíblica, podemos dizer que no princípio era o centro. Foi o centro. E hoje, o que é o centro?

10Ser o núcleo mais antigo de um assentamento urbano implica poder contar, de forma visível ou não, com a certeza de ser o sítio portador do traçado original da urbe. Como núcleo de origem, os centros urbanos concentram os prédios mais antigos, ditos históricos e potencialmente referenciais para o passado da urbe; neste espaço central teve ainda início o processo de instalação dos primeiros equipamentos urbanos, assim como também tais sítios de origem são, via de regra, centros políticos, culturais, religiosos e, sobretudo, locais de intensa sociabilidade.

11 Três componentes fundamentais presidem a formação de um centro urbano, a articular as dimensões do espaço e do tempo:

12- primeiramente, os elementos, por assim dizer, estruturais que presidiram o traçado e organização do espaço físico e do espaço construído e que se revelam em termos de uma materialidade;

13- a seguir, a apropriação deste espaço no tempo, construindo a experiência do vivido e transformando este espaço em território, dotado de uma função e onde se manifestam as relações de sociabilidade;

14- por último, a dotação de uma carga imaginária de significados a este “espaço-território” no tempo, transformando-o em lugar portador do simbólico e das sensibilidades.

15Se utilizássemos a metáfora do corpo para nos referirmos à cidade, diríamos que eles se constituem no esqueleto, na carne e na alma de uma cidade e que o recorte escolhido por nós para pensar a história e a memória – o centro urbano – é o coração.

16Voltemos à nossa pergunta, que se situa para além do espaço e que remete a uma questão vital a ser analisada por historiadores que se preocupam com a memória e o patrimônio urbano: são os centros lugares de memória por excelência?

17Desde o ponto de vista da história, a resposta é, obrigatoriamente, sim. Mas a centralidade urbana é vivida, de fato, pelos habitantes, como um marco de referência simbólica de sua cidade?

18Mesmo as referências espaciais podem mudar com o tempo. Onde é, verdadeiramente, o centro imaginário da cidade, segundo os seus habitantes? Ele coincide com o centro histórico, geográfico e simbólico da urbe, com a imagem consagrada pelo cartão postal?

19Ora, sobre os tais fatores que presidem a constituição da centralidade, alguns problemas intervém neste processo, transformando este espaço central das cidades ao longo do tempo.

20As representações gráficas antigas dos centros urbanos tendem a reproduzir cidades circulares, em caracol, ou quadradas, em xadrez, como um desdobramento do cardo original. Entretanto, a geografia, a carta, a representação gráfica, o desenho, são representações do espaço, implicando o desejo de visualizar ou de simular no papel a realidade. E, muitas vezes, estas representações obedecem a regras e expectativas que não se encaixam na realidade da expansão urbana, que não cessa de modificar a forma e o espaço da cidade ao longo da história.

21Como bem sabemos, a cidade surge, cresce e se desenvolve a partir de um centro, de um núcleo original, onde se situa a sua parte mais antiga. As cidades, contudo, têm a propriedade de aumentar, de se densificar, de crescer de forma desmesurada, e os seus centros são, tendencialmente, os primeiros a sofrerem tais transformações.

22Assim, os centros urbanos sofrem os desgastes físicos inerentes à passagem do tempo e ao uso social de tais espaços; sofrem ainda alterações de uso, que modificam, apagam ou destroem a função original dos mesmos; e, por último, a centralidade pode ser acometida de uma perda de significado e de memória, sofrendo pelo esquecimento e pela falta de sentido histórico, que foi perdido através das gerações. Muitas de nossas cidades sofrem deste mal, é a constatação atual. As pessoas, a rigor, tendem a fugir dos centros, seja no que toca à questão residencial ou de consumo, seja mesmo à de utilização dos serviços urbanos. Historicamente, as populações menos favorecidas, que haviam sido expulsas dos centros das cidades, nos primórdios da modernização urbana, retomaram progressivamente a tais espaços. Temos centros urbanos muitas vezes degradados, é a penosa constatação. Perigosos, dizem alguns. Vazios nos fins de semana, afirmam outros tantos.

23Estudiosos da história, da cultura e da memória, ao tomar a cidade como seu objeto de análise e preocupação, tendem a se defrontar com o problema da centralidade. É preciso humanizar o centro, é a palavra de ordem. Revitalizar o coração do urbano, afirma-se nas academias. Intervir, preservar, revalorizar o patrimônio que ele encerra, concordam todos. Ou seja, menciona-se a palavra chave que anima os desejos e as intenções de muitos que trabalham com a cidade: patrimônio. Entendido como “coisa nossa", como um bem herdado, portador de um valor identitário e erigido em padrão de reconhecimento para um povo, o patrimônio de uma cidade - material ou imaterial – tende a se concentrar nos centros urbanos.

24Muita coisa já foi feita, é certo, recuperando prédios e transformando seu uso, a maior parte deles convertidos em centros culturais. Redescobrir, conservar, preservar este patrimônio torna-se tarefa capaz de reverter o movimento de fuga do centro, no sentido de gerar uma força contrária, centrípeta. O desejo seria de fazer a população retornar ao centro, consumindo os bens culturais que ele agrega, exercitando a memória, recuperando a história.

25Ao longo dos anos, cidades enfrentam dilemas, que presidem escolhas políticas: o que preservar, o que destruir? Progresso e modernidade urbana implicam em mudanças, onde se combinar construção e destruição. O que lembrar, o que esquecer? O que se define como significativo e o que deve ceder espaço para que a cidade cresça e a vida se transforme? No bojo deste processo, um outro se instala: o movimento centrífugo de crescimento, do centro para fora e para os subúrbios, ameaça a memória, produz o esquecimento, destrói os significados.

26Enfoquemos os centros urbanos, afetados em primeiro neste contexto problemático de permanência e mudança. O que restou de antigo, de histórico, de lugar de memória nestes centros, sob forma objetiva e material?

27O resgate do passado de uma cidade contido nos centros urbanos implica lidar com vários tempos: o da cidade que se vê e a da que não se vê, oculta e esquecida; o tempo que passa e o que não passa, do qual é resultado o resto que fica para ser mostrado; o tempo da cidade que se quer, dos desejos, das utopias perdidas e projetos não realizados, e o da cidade que se tem, resultante de fracassos e vitórias. Destes tempos, o centro urbano é como que uma vitrine, um microcosmo do tempo que passou, mas que nem sempre se deixa ver. Destas temporalidades, o tempo mais difícil é o do esquecimento. Tempo que finge não ter existido, soterrando as lembranças. Talvez, por isso mesmo, seja o mais procurado por historiadores teimosos, que insistem em indagar dos silêncios e em tentar preencher as lacunas e os vazios do passado de uma cidade.

28Comecemos pelos rastros da cidade antiga que ainda se dão a ver. Com isto, falamos tanto de materialidades, de traços visíveis, presentes no espaço edificado, como prédios e demais edificações, quanto do traçado original urbano, em termos de abertura de ruas, avenidas, praças. O patrimônio visível, pois.

29Ora, a arquitetura de uma cidade se transforma, o gosto muda, enquanto padrão estético e de consumo, e nem tudo é dotado de um valor de permanência. Mas, mesmo assim, a centralidade urbana guarda ainda, em muitos casos, marcas objetivas do passado em termos de arquitetura, ao lado das outras resultantes da transformação urbana3. A cidade antiga se exibe através de tais exemplares do patrimônio edificado. Por vezes, o solo do centro da cidade abriga o invisível, mas resgatável, através dos trabalhos levados a efeito por uma arqueologia urbana. Revelar o escondido, eis o grande desafio. Expor o até então soterrado ao olhar dos habitantes, revelando outros espaços e tempos em um território já transformado por novas edificações e novos traçados. Dar a ver, compondo o antigo com o novo, em tarefa engenhosa e difícil, nem sempre realizável.

30Mas ainda há mais: aquilo que se sabe de uma cidade, em termos de materialidades visíveis, contido nos arquivos e acervos, mas do qual não mais existem traços. Este, contudo, é o que se chama um “visível-escondido”, uma vez que dele quase não se fala ou se consulta. A rigor, são os pesquisadores que freqüentam as instituições detentoras de acervos e sua importância tem ainda escassa visibilidade, seja para a população e para as autoridades. Considerados como depósitos de papel velho, eles guardam rastros, marcas de historicidade que falam daquilo que não mais se oferece à vista. São, portanto, guardiões do “antigo”, ou seja, restos do passado que acumulam tempo, história e memória.

31Se uma cidade é uma obra do homem que se apropria do espaço; se a cidade é, por assim dizer, uma vitória da cultura contra a natureza, a cidade é ainda paisagem, uma paisagem social. Ora, uma paisagem é um recorte da natureza organizada pelo olhar e, no caso da cidade, reveladora da apropriação social do território. Uma paisagem urbana, na sua composição, lida com referenciais significativos de composição visual, identificadores da realidade urbana estilizada pelo olhar. E, neste caso, tais referenciais, sobretudo aqueles do espaço edificado, se encontram basicamente nos centros urbanos. Neste sentido, a centralidade oferece elementos icônicos e emblemáticos para a identidade urbana de uma cidade, compondo dela um panorama idealizado de reconhecimento.

32Entretanto, as paisagens são também culturais, ou seja, carregadas do simbólico. Se soubermos que em um determinado lugar algo de significativo, marcante ou excepcional ocorreu, se nos for transmitido um conhecimento de como era este espaço no passado, este lugar será por nós composto mentalmente como uma paisagem imaginária de sentido. Nós “veremos” para além daquilo que é visto. Por uma operação mental, reconstituímos espaços, atores, práticas.

33Uma cidade invisível? Nem tanto. Chegamos, pois, ao chamado patrimônio imaterial. O que ele seria, realmente? Canções, crenças, ritos, festas, tradições? Lendas, histórias contadas pelos mais antigos, “modos de ser” e “maneiras de pensar” citadinas, “ethos urbanos” de um outro tempo? Quer parecer que a designação do patrimônio como “imaterial” originou-se da necessidade urgente de não reduzir as intervenções de salvaguarda às medidas levadas a efeito com relação ao patrimônio material, entendido como patrimônio edificado...

34Mas é preciso atenção: todo elemento do dito “imaterial” só chega até nós através de rastros, traços, vestígios, dados objetivos a revelar a presença de algo que teve lugar um dia. Presença, esta, que nos chega de forma objetal, discursiva, imagética ou sonora. Ao interessado nos resgate de tais rastros, a tarefa de recolher, pesquisar, analisar, salvar.

35Velhos papéis falam de um outro tempo, de outros lugares, de outras gentes. Oficiais ou não, públicos ou privados, do texto literário ao discurso do político, da crônica de jornal ao registro policial, as narrativas do passado fornecem pistas para fazer reviver os espaços da cidade. Para além das palavras, os sons, as músicas e as canções cantam a cidade, trazendo ao presente as sensibilidades do passado. Mas ainda há mais. Uma cidade possui seus mitos, suas lendas, suas histórias extraordinárias, transmitidas de boca em boca, de geração em geração, através da oralidade. A história e a memória de uma cidade é também o boato, o ouvir dizer, o relato memorialístico que se apóia não só na lembrança pessoal de quem evoca, mas também naquilo que foi contado um dia por alguém cujo nome não mais se sabe.

36Uma cidade – e, sobretudo, seu centro, se caracterizam por sediarem um ethos urbano. Uma maneira de ser, um estilo de vida, uma performance citadina de comportamento. É lá, no coração do urbano, que se abriga esta energia e que se constitui este elemento, comportamental, simbólico e intrínseco à modernidade, como um jeito especial de agir e ser habitante de uma cidade. A rigor, o centro é como um laboratório que define padrões e mesmo forja estereótipos que individualizam e distinguem as cidades, umas das outras.

37Buscar o que restou e o que se vê, resgatar o que não mais se vê, mas se sabe da existência e também o que se duvida ou suspeita que possa ter sido, eis a questão. O visível, o invisível e o desconhecido, mas desejado. Talvez uma dimensão filosófica viesse ao encontro do historiador empenhado em resgatar o passado das cidades a partir do seu centro. Para tanto, ele poderia se voltar para a linguagem dos antigos mitos, e decifrar os arquétipos do espaço e as metáforas do tempo que eles contém. Por exemplo, podemos enfocar a imagem do labirinto4.

38Ora, o labirinto é um arquétipo de representação do espaço, que aponta para a abertura e o fechamento, para o perder-se e para o achar-se. O labirinto se apresenta como impasse e como enigma, mas também aponta para uma solução dedutiva, que implica na busca de uma saída. Os labirintos, como traçados espaciais e como modelos de espaço construído, são associados, de maneira inequívoca, às cidades. Literariamente, a metáfora do labirinto se refere de modo especial aos centros urbanos, com seu emaranhado de ruas e caminhos, que mais confundem do que guiam aquele que se aventura na cidade Esta impõe um desafio: enfrentar o desconhecido, buscar um caminho. No centro, bem sabemos, está o monstro, o Minotauro, que é preciso fazer frente e que coloca à semelhança da Esfinge: decifra-me (ou enfrenta-me) ou te devoro. No seu caminho até ele, em desafio sem recuo, Teseu é guiado pelo fio de Ariadne, esta arcana da conquista que o conduz até o centro.

39Mas, por vezes, na centralidade das cidades modernas, é um Teseu sem o fio de Ariadne para a volta que se vê obrigado a enfrentar o monstro. Por vezes, este fio se perdeu, e com ele a decifração dos segredos do centro. Decifrar a cidade, eis o desafio.

40O que fazer para tornar visível um espaço no tempo? Que chaves de leitura, que estratégias temos para conquistar os centros urbanos para a história e a memória? Que fios de Ariadne nos guiarão para o centro do labirinto urbano?

41Tentemos arrolar alguns procedimentos metodológicos, de molde a permitir enfrentar a questão da centralidade urbana como um lugar de memória.

42Principiemos pela tentativa de elencar os elementos que restaram do passado e que são ainda visíveis no presente da cidade, tornando-se essenciais para a evocação: ruas, prédios, bairros, praças, equipamentos, festas, ritos, hábitos, usos, tipos humanos. Rastros do passado em meio à cidade do presente, fragmentos de uma temporalidade escoada detentores de história acumulada. Poderiam mesmo servir como acionadores de uma memória involuntária, no sentido proustiano, a despertar lembranças. Mas nosso interesse é na anamnese, no trabalho e intenção deliberada de lembrar, que pode ser acionado a partir destes traços.

43Esta primeira chave de leitura do passado – a identificação dos rastros visíveis e tangíveis - deverá ser complementada com o elenco dos elementos não mais observáveis, a não ser pelas imagens e narrativas deixadas em arquivo. Ou seja, tais fontes, como representação de um ter sido, dão a ver o que não mais pode ser visto. Tais documentos tornam presente no espírito as imagens do passado que foram perdidas na sua materialidade e não são mais apreciáveis no presente. Este é um processo eminentemente histórico de reconfiguração de um tempo, para usar a expressão de Paul Ricoeur5, mediante o qual se opera uma operação mental capaz de recompor paisagens imaginárias da cidade.

44Mas, para a recuperação do visível e do que chamamos de invisível, é preciso considerar mais um requisito: a erudição. Ou seja, é preciso que se tenha um conhecimento histórico acumulado sobre a cidade. Faz-se necessário um saber sobre o que nela ocorreu, em termos de acontecimentos, práticas sociais, personagens; quais seus momentos excepcionais e como transcorria seu cotidiano; como se deu a ocupação do espaço e quais as iniciativas levadas a efeito por aqueles atores responsáveis pela ordenação e transformação do seu território; como os habitantes, consumidores deste espaço, viveram, sentiram e expressaram a sua cidade, em atos, gestos, palavras, sons e imagens. Tarefa, na verdade, bastante vasta, mas cremos que não é possível tomar a centralidade urbana como um objeto de estudo e intervenção sem conhecer, previamente, a história desta mesma cidade.

45É a partir desta bagagem de experiências, conhecimentos e leituras acumuladas que se potencializa a interpretação dos rastros do passado. É ainda pela posse deste conhecimento que se pode deixar de enxergar o vestígio identificado como “velho’ para transformá-lo em “antigo”, ou seja, portador de um tempo acumulado, situando-o em uma rede de significações. Ou ainda, melhor dizendo, como marca de historicidade e de memória para a urbe.

46Passemos a uma outra etapa, a da análise do material arrecadado sobre a cidade do passado.

47Comecemos pelo patrimônio visível que é dado a apreciar no espaço do centro urbano. É preciso decifrar o discurso arquitetural, pois como bem disse Walter Benjamin6, a cidade é um livro de pedra. Complementando, Paul Ricoeur7 nos diria que a arquitetura se dá a ler, tal como os discurso dão a ver imagens. Espécie de “memória do mundo”, a arquitetura é sempre, de certa forma, monumental, 8 na medida em que preserva no tempo aquilo que foi um dia – portanto, aquilo que faz a história -  e o que continua sendo- ou seja, é memória de si mesmo, como edificação que dura no tempo. Tomando a cidade como um livro de pedra, como uma biblioteca que se oferece à leitura, é possível pensar na bela imagem de Stéphane Gruet quando sugere que a arquitetura produz uma música de pedra que ressoa silenciosamente9, possibilitando a visão de uma cidade onde se trava um diálogo mudo entre prédios de diferentes épocas. Trata-se, no caso, de uma figura de linguagem de estilo metafórico – um oxímoro – que, pela justaposição de contrastes, é capaz de dizer mais, para além daquilo que é dito expressamente, a revelar o potencial discursivo do urbano.

48Ainda nesta fase de análise, é preciso ter em conta que a morfologia da centralidade originária da urbe se apresenta como um palimpsesto, acumulando tempos, formas, usos e significados. Camadas superpostas que se insinuam, mas antepõem filtros ao olhar. É preciso desfolhar as camadas de uma cidade, descer aos subterrâneos do tempo, ver o que se oculta sob a superfície do espaço. Talvez a atitude intelectual mais certa a ser aplicada a esta cidade material que se oferece à leitura é a da hermenêutica, que implica a decifração ou revelação de um discurso escondido e dos significados que ele comporta. A mesma atitude se torna pertinente quando se tratar dos documentos, imagéticos ou discursivos, que tratam daquilo que não é mais observável. O procedimento é sempre o da busca, da decifração, da revelação; da recusa à literalidade do mundo e do resgate dos possíveis sentidos, tendo sempre em vista a alteridade daquilo que vem do passado.

49Desta atitude analítica do que podemos chamar de decifração das marcas de historicidade presentes na centralidade, passemos à busca de identificação daqueles atores sociais que, na linguagem de Marcel Roncayolo10, são os interventores do espaço. Estes são os agentes do urbano que são detentores do saber e do poder de transformar a cidade, redesenhá-la, destruí-la, edificá-la, preservá-la ou remodelá-la segundo as diretrizes e normas da técnica, da estética, da moda e da tendência, das leis do mercado e das diretrizes da política. Quem foram estes, engenheiros, urbanistas, médicos higienistas, arquitetos, políticos e funcionários técnicos da urbe, que circularam de um espaço a outro, muitas vezes de cidade em cidade, de país a país, de um continente a outro, e que produziram os centros urbanos? Eles são, a rigor, detentores de um saber que lhes foi oportunizado por um conhecimento científico e especializado. É preciso perseguir suas trajetórias, revelar sua formação profissional, desvendar suas relações, para entender sua obra, que é a formação da cidade em que atuam e, sobretudo, o centro histórico de cada uma.

50Para além destes interventores, cabe resgatar os chamados consumidores do urbano: aqueles que no centro da cidade vivem, trabalham ou transitam. Homens comuns, cidadãos da urbe, eles não tem, contudo, o saber ou o poder de nela intervir para modificá-la dentro da ordem legal. Mas, no consumo do espaço através do tempo, eles também transformam e produzem a cidade com as suas vidas. São também atores e agentes da história, portadores de memória. Alguns deles, mesmos, são leitores e “produtores” especiais da cidade: fotógrafos, poetas, romancistas, pintores, desenhistas, a seu modo eles constroem cidades possíveis ou improváveis, através de um conhecimento sensível, tanto em resposta às questões de seu tempo quanto antecipando sensibilidades. Eles também elegem, para além dos produtores do espaço, construtores de monumentos e de ações de intervenção no urbano, os seus lugares de memória. Eles também erigem seus pontos de ancoragem da memória. Em um e outro caso, o centro urbano é um locus privilegiado de referência.  

51Mas é preciso ir além, nesta busca de chaves de leitura que possibilitam tomar a centralidade como objeto. É necessário ter em conta as conjunturas, estes recortes temporais que assinalam época em que se definem políticas a partir de acertos de poder, em que se realizam obras segundo gostos, estilos e tendências estéticas e em que se fixam datas comemorativas e se constroem monumentos. Monumentos são, por definição etimológica, obras que fixam a atenção, feitas para lembrar. Logo, o monumento é algo que se erige como um lugar de memória, como um marco significativo de referência para a rememoração, o que implica em escolhas, tomadas em uma época dada.

52As centralidades urbanas, apreciadas segunda a chave das conjunturas, são resultantes de tomadas de decisões, relacionadas com as prioridades políticas da época, tal como com as disponibilidades de financiamento e de recursos financeiros. Estão também relacionadas como as disposições legais vigentes em tal momento, e que dispõem sobre a normatização das construções, a altura dos prédios. A centralidade urbana está sujeita ainda às regras e concorrências do mercado imobiliário, que disputam o solo urbano, sobretudo os terrenos e prédios da área central, que são extremamente valorizados e com alto custo.

53Cada vez mais, os estudos da centralidade urbana que se empenham em resgatar, para a história e a memória da cidade, estes espaços privilegiados, são obrigados a entrar em confronto com a especulação imobiliária e com os processos de enriquecimento e empobrecimento presentes nas sociedades contemporâneas. A tendência de utilização dos velhos prédios centrais como escritórios de luxo de empresas dá-se lado a lado com a degradação de outros, tornados verdadeiros cortiços.

54Mas trabalhar com a centralidade possibilita ainda que dela nos aproximemos com um outro instrumental diferenciado, que é o do turismo. Centros urbanos portadores de história são produtos vendáveis, artigo a consumir em um mercado em expansão. A cidade se vende, mas precisa contar com pressupostos de atração bem definidos. Um turismo cultural se faz com um elenco de espaços que contam histórias, de prédios capazes de se oferecerem à leitura, ligados a uma preocupação estética e de informação sobre o passado da cidade. E, em se tratando do turismo, o processo propriamente cultural de atribuição de valor deve ser acompanhado da infra-estrutura desejável, em termos de rede hoteleira, restaurantes, guias especializados, acesso a informações adequadas, sanitários, animação do espaço público, etc.

55 Podemos mesmo dizer que o turismo cultural em centros urbanos se apóia em uma espécie de nostalgia do passado que se faz presente nos tempos atuais. Há uma sensibilidade despertada para o antigo, uma expectativa de reencontro das origens, de consumo do passado. Os centros das cidades podem corresponder a esta vontade de realizar não só percursos urbanos no espaço da cidade como viagens imaginárias no tempo. Pode-se mesmo dizer que há, hoje em dia, um público espectador, leitor e consumidor do passado. Aliás, nunca se escreveu nem se leu tanto sobre história e memória quanto na nossa contemporaneidade.

56Estas seriam, por assim dizer, chaves de leitura e/ou procedimentos metodológicos para o tratamento dos centros urbanos, entendidos como portadores de memória, história e identidade, delineados em forma de obtenção de um modelo desejável de cidade, aquela na qual todos gostaríamos de habitar, visitar, percorrer, consumir.

57Mas sem sombra de dúvida, para além destas estratégias que guiam a ação, há uma parte prática a definir. Por exemplo, esta habilitação do olhar do estudioso da cidade, uma política de valorização das cidades históricas se impõe. É preciso encontrar recursos financeiros e deles dispor na medida do necessário. Dotação de verba pública, os sponsors da iniciativa privada, mas sempre meios de realização efetivos para as medidas que se exigem. Valorizar centros históricos é custoso, bem o sabemos, mas compensa. E, para tanto, é preciso, sobretudo, uma vontade política de realização, da parte de agentes que concebam e executem a melhor forma de recuperar, para a comunidade, aquele núcleo antigo que abriga os vestígios do passado.

58É nele que se darão as intervenções práticas, a serem feitas pela combinação dos teóricos e técnicos, capacitados para resgatar a memória da cidade. Como território e lugar especial para as intervenções de salvaguarda da memória e do patrimônio, a postura transdisciplinar se impõe. Saberes se cruzam, experiências são trocadas, sensibilidades dialogam em torno de um mesmo tema e objeto. O resultado tende a ser um plus, em termos de intercâmbio de práticas e teorias, permitindo iniciativas mais ricas.

59Mas qual medida, no caso, a tomar? A da renovação e intervenção, reconstruindo o destruído e gasto, a partir de materiais similares, substituindo peças e partes? A da reabilitação, mantendo o existente e reparando o elemento gasto? A palavra de ordem é preservar o passado para o presente, garantindo a sua presença no futuro, mas as propostas de intervenção variam e geram um debate interminável. A rigor, por detrás das estratégias de ação, se insinua um debate mais profundo, que se polariza em torno do autêntico e da imagem. O que seria mais importante, conservar os materiais verdadeiros e originais, em desgaste, por razões de autenticidade, ou garantir a presença de uma imagem do passado, com o que se privilegiaria a dimensão do simbólico?

60Além disso, é preciso educar a população, para saber ver, consumir e apreciar a cultura; saber lembrar concorre, de forma desvantajosa, com o esquecer. É preciso um esforço, um empenho e o trabalho de uma memória voluntária. Lembrar o passado é uma habilitação que se conquista, progressivamente. A educação patrimonial é um imperativo, uma exigência, desde a escola à mídia.

61Sem dúvida que esta é uma questão em aberto, e a preservação dos centros urbanos se vê ainda perpassada por problemas bem contemporâneos, como, por exemplo, a tentativa de tornar todos os prédios restaurados sede de uma atividade cultural, colocando o desafio de encontrar, urgentemente, novas funções para o patrimônio urbano edificado. Da mesma forma, os centros urbanos tendem a se tornar raramente habitados para se converterem em espaços nitidamente de consumo.

62Por outro lado, mais um risco se apresenta em nossa realidade contemporânea: o da homogeneização e pasteurização, como a que ocorre nos centros das cidades européias, onde todas as cidades se parecem após as intervenções restauradoras: ruas de pedestres, vasos de flores nas janelas ou pendurados nas paredes, casas de cores vivas e contrastantes com as aberturas, zonas pedestres, proliferação de lojas de artesanato11. Políticas de reabilitação cultural de centros urbanos querem criar hábitos, conviviabilidade, humanizar os lugares, reconquistar os habitantes para o consumo da área central. Na América Latina, sobretudo, os excluídos da ordem estabelecida, que haviam sido varridos dos centros urbanos para a as periferias no passado, retomam tais espaços centrais. Trazem, portanto, para tais lugares, todos os problemas que afetam os desfavorecidos da urbe. O centro é deles também? Têm eles, pois direito a esta memória? São eles, também, habitantes da mesma cidade...

63Questão complexa, a da reabilitação/preservação/recuperação dos centros urbanos. Questão difícil, questão aberta, porém necessária. Porque lembrar, evocar, preservar a memória de uma cidade, guardar ou mesmo conquistar a sua história, como identidade, patrimônio e monumento são, antes de tudo, uma questão de cidadania e de direito. Ainda a serem ainda conquistados plenamente, sem sombra de dúvida.

Haut de page

Notes

1 Cf. Nora, Pierre. Les lieux de mémoire. 3 v. Gallimard: Paris, 1997; Nora, Pierre. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Projeto história. 10. PUCSP: São Paulo, 1993.
2 Cf. Ricoeur, Paul. Architecture et narrativité. Urbanisme, 303, nov.déc.1998, Paris, p. 44-51.
3 Consultar Poiesis. Architecture. Arts, sciences,et philosophie. L’architecture et le temps. 11, Paris, Toulouse, 2000.
4 Cf. Moles, Abraham. Labyrinthe ou nébuleuse. Espaces temps. Voyage au centre de la ville. Eloge de l’urbanité. CNRS, Paris: 33, 1986.
5 Ricoeur, Paul. Temps et récit. 3 v. Le  Seuil: Paris, 1983.
6 Benjamin, Walter. Paris, capitale du XIXe. siècle. Le livre des passages. Cerf: Paris, 1989.
7 Ricoeur, Paul. Architecture et narrativité, op. cit.
8 Gruet, Stéphane.Introduction. Poiesis. Architecture. Arts, sciences et philosophie. L’architecture et le temps. Nº 11, Toulouse, 2000, p. 26.
9 Gruet, Stéphane. Editorial, Poiesis, op. cit, p.8.
10  Cf.Roncayolo, Marcel.La ville et ses territoires. Gallimard: Paris, 1987.
11 Cf. Boyer, Jean-Claude.Les capitales européennes. Documentation photographiques, La documentation française, 8020, Paris, avril 2001.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sandra Jatahy Pesavento, « História, memória e centralidade urbana »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 05 janvier 2007, consulté le 17 mai 2022. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/3212 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.3212

Haut de page

Auteur

Sandra Jatahy Pesavento

UFRGS

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search