Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesComptes rendus et essais historio...2004António do Rosário, Frutas do Bra...

2004

António do Rosário, Frutas do Brasil numa nova, e ascetica Monarchia, consagrada à Santissima Senhora do Rosario. Apresentação Ana Hatherly (Fac-símile da edição de Lisboa : António Galrão, 1702), Lisboa, Biblioteca Nacional, 2002, 28 + 208 p.

Marcos Antonio de Almeida

Entrées d’index

Mots clés :

Brésil, XVIIIè siècle

Keywords:

Brazil

Palabras claves:

siglo XVIII, Documentos, religión
Haut de page

Texte intégral

1Fr. Antônio do Rosário teve um percurso religioso senão estranho ao menos singular. Filho de João do Couto e de Maria Luques, Antônio nasceu em Lisboa em data ignorada. Ele foi Agostinho Descalço, professou seus primeiros votos religiosos no convento do Monte Olivete, subúrbio de Lisboa, a 18 de julho de 1671, sob o nome de Fr. Antônio de Santa Maria.

2Enquanto Agostinho, ele exerceu as atividades de professor de filosofia, se dedicou à pregação e foi Visitador Geral da sua ordem em Portugal. Dos Agostinhos Descalços ele passou para o clero secular. Não se sabe nem porquê nem quando chegou ao Brasil. No ano de 1686 ele se engajou na Província Capucha de Santo Antônio do Brasil, precisamente na Bahia e por muitos anos missionou nas várias aldeias que estavam sob a jurisdição franciscana.

3Foi um homem de letras sem sombra de dúvida. Deixou uma vasta literatura que podemos classificá-la em dois momentos distintos : o primeiro momento (em negrito) que antecede a sua entrada na ordem franciscana e o segundo momento depois de entrar na ordem . Portanto, Frutas do Brasil se inscreve numa trajetória de síntese sobre o Brasil.

4Em Frutas do Brasil numa nova e ascetica Monarchia, Fr. Antônio do Rosário escreve sobre um possível reino onde o Abacaxi seria o rei e a Cana de Açúcar a rainha. Ele descreve esse reino a partir das frutas tanto originárias da América Portuguesa como daquelas que foram introduzidas pelos contatos culturais e econômicos. No Brasil, segundo ele, aquelas frutas transplantadas frutificaram em maior abundância e gosto. Como diz o ditado : E plantando tudo dá ! Trata-se na verdade de uma apologia à Terra, ou seja, ao Brasil. A obra Frutas do Brasil é tida como precursora do nativismo brasílico que se estenderá por todo o século XVIII até meados do século XIX . Mas é também uma crítica à coroa portuguesa que não se ocupa da América Portuguesa como deveria, correndo o risco de perdê-la, como quase aconteceu durante a ocupação holandesa, não fosse os naturais da terra, aqueles que deram seus sangues e vidas. Trata-se, portanto, de uma reflexão sobre a América Portuguesa. Dois pontos se sobressaem em seu discurso : potencialidade local e desdenhamento metropolitano. O presente gera uma série de questões que o autor procura elucidar. Mas foi com obras como esta, aparentemente despretenciosa, que o Brasil começou a pensar sobre si próprio. Porém, o seu arquétipo de sociedade é impregnado da idéia de uma sociedade sob os três poderes : nobreza, clero e povo. Entretanto, podemos vislumbrar alguns elementos sócio-religiosos que nos permitem avançar em algumas questões fundamentais na virada do século XVII para o século XVIII. Nessa obra podemos detectar tais « elementos » - que eu chamo de « Categorias Místicas Franciscanas » - e ralacioná-los com a construção de um perfil político do Brasil num período que vai de 1695 a 1779, período no qual se insere o autor supra-citado.

5Nessa perspectiva dos Três Estados é que se distribuem as matérias de Frutas do Brasil. Obra bem cuidada, ela procura a introduzir o leitor no contexto do autor que progressivamente vai se dando os motivos da sua busca e o sentido da sua ousadia : mostrar um Brasil poderoso que tem tudo para dar certo. Todas as licenças necessárias são apresentadas (sem numeração), mas poucas se dão conta dos perigos subjacentes. A forma é de parábolas, como o autor próprio qualifica as partes da obra : Párabola Primeyra (Do Ananàs Rey dos pomos, pp. 1-46), Párabola Segunda (Da Cana de assucar Rainha das frutas do Brasil, pp. 46-106) e Párabola Terceyra (Do estado Ecclesiastico, pp. 106-179). No final, o autor apresenta dois índices, um de temas bíblicos e outro de conteúdos (181-208).

6Dada a importância dessa obra para a história do Brasil e de Portugal, a BNL (Biblioteca Nacional de Lisboa) a reedita no ano de 2002. Eu só retificaria a informação equivocada, na apresentação de Ana Hatherly (à página 18) que Frei Antônio do Rosário teria assumido, em 1701, o cargo de guardião do “Convento capuchinho em São Salvador da Bahia”. A terminologia “capuchinho” não corresponde de fato à condição da ordem religiosa à qual pertencia Antônio do Rosário. Os termos Capucho e Capuchinho são distintos e designam instituições autônomas, mesmo tendo uma só matriz espiritual: São Francisco de Assis. Capucho designa um ramo da reforma da Observância e é atribuída a algumas províncias franciscanas ibéricas que aderiram à tal reforma. Capuchinhos, terminologia também da reforma da Observância, mas que tem sua origem na Itália e que originou um outro ramo franciscano, a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. A Província Franciscana Capucha de Santo Antônio do Brasil teve sua origem da Capucha de Santo Antônio de Portugal. Assim, os franciscanos dessa reforma ibéricas eram comumente chamados “Religioso Capucho, Franciscano Capucho”. Permito-me fazer esse esclarecimento com o propósito de evitar futuros equívocos que poderiam induzir os pesquizadores por caminhos desconectados. Não obstante, a paresentação da Professora Doutora Ana Hatherly é extremamente importante por revelar aspectos do autor e da obra de forma clara e inserida no contexto da época. Só nos resta agradecer o empenho de todos aqueles que propiciaram a reedição de Frutas do Brasil.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcos Antonio de Almeida, « António do Rosário, Frutas do Brasil numa nova, e ascetica Monarchia, consagrada à Santissima Senhora do Rosario. Apresentação Ana Hatherly (Fac-símile da edição de Lisboa : António Galrão, 1702), Lisboa, Biblioteca Nacional, 2002, 28 + 208 p. »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Comptes rendus et essais historiographiques, mis en ligne le 07 février 2005, consulté le 05 août 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/331 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.331

Haut de page

Auteur

Marcos Antonio de Almeida

Doutorando em História e Civilizações, pela EHESS.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search