Navigation – Plan du site
Débats | 2007
Migrações, migraciones. Dossiê coordenado por Mônica Raisa Schpun
Luigi Biondi

Desenraizados e integrados

Classe, etnicidade e nação na atuação dos socialistas italianos em São Paulo (1890-1930)
[12/03/2007]

Résumés

The action of the Italian socialists in São Paulo, during the period of Italian workers migration to Brazil, particularly between the last decade of 19th century and the Thirties, has been little considered by social and politics historiography. Against the idea of the anarchist preponderance in the working-class movement in São Paulo, this article studies and stresses the contribution of the Italian socialist immigrants in the making of workers’ organizations and movements in São Paulo, with an analytic perspective that deals with the dialectics, many times conflicting, between diverse national, class and ethnic identities and societies.

Haut de page

Entrées d’index

Mots clés :

nation

Géographique :

Italia, Brazil, São Paulo

Chronologique :

Século XX, Século XIX

Palabras claves :

sindicatos, socialismo, socorro mútuo

Palavras Chaves :

nação, imigração italiana
Haut de page

Texte intégral

1O mundo associativo dos trabalhadores ítalo-paulistanos era muito mais articulado do que foi evidenciado pelos estudos que focalizaram a atuação dos anarquistas1. A própria idéia da preponderância do anarquismo sobre outros tipos de tendências políticas radicais entre os trabalhadores paulistanos - e sobretudo entre os imigrantes italianos - durante a Primeira República e ao longo dos anos de 1930 tem que ser questionada e o aporte do movimento anarquista evidentemente deve ser reduzido, seja no que se refere às organizações sindicais (nas quais prevaleceram, em períodos diferentes, inicialmente as lideranças explicitamente ligadas aos grupos socialistas italianos e posteriormente as sindicalistas revolucionárias), como no que diz respeito à difusão de idéias e à participação geral dos grupos políticos formados pelos imigrantes italianos em São Paulo, em sua vida associativa ou nos locais de trabalho e nos bairros populares.

2Os socialistas italianos desempenharam um papel tão importante (muitas vezes mais intenso e ramificado) que o dos anarquistas, exatamente pela maior capacidade de circular entre diferentes tipos de associações étnicas e de classe. Sua atuação previa justamente a participação nos mais variados processos de organização, desde o grupo político até o sindicato, o círculo recreativo, a cooperativa de consumo e de produção, e obviamente, as associações étnicas e as importantes sociedades de socorro mútuo que surgiram entre os trabalhadores italianos de São Paulo da mesma forma que nos outros países onde imigraram.

3Ao mesmo tempo, podemos afirmar que o papel das sociedades mutualistas italianas de São Paulo foi fundamental em diferentes momentos nas greves, e em geral na criação de uma difusa rede de solidariedade e sociabilidade que derruba as velhas idéias de um mutualismo étnico fechado em si mesmo sem nenhuma relação com as outras organizações dos trabalhadores. Desta rede, os socialista italianos estavam entre os principais artífices, como mostram também os muitos conflitos internos a estas agremiações, e entre elas, que esta atividade intensa provocou2. Esta relação constante dos socialistas com diversas agremiações caracterizou realmente toda sua atividade também em São Paulo, de forma semelhante ao que acontecia na Itália, e nos principais países de forte imigração italiana urbana tanto das Américas (Argentina, Uruguai, Estados Unidos) como da Europa (França e Suíça).

4O papel dos socialistas italianos no desenvolvimento dos grupos políticos, sindicais e mutualistas em São Paulo foi de fato notável, embora tenha atravessado fases de impasse, de declínio temporário e até de insucesso. Um fato importante foi, com certeza, ter conseguido publicar em São Paulo um jornal diário socialista em língua italiana (o Avanti !, homônimo do oficial do Partido Socialista na Itália) entre 1902 e 1908, que não teve equivalente em nenhuma outra comunidade italiana nas Américas. Se consideramos ainda que o Avanti ! de São Paulo foi publicado como semanário também entre 1900 e 1902 e, depois, entre 1914 e 1920 (com tiragens de mais de 8.000 cópias), percebemos ainda mais que este foi o primeiro sinal, não somente de uma notável capacidade editorial, mas também da existência de uma rede organizativa da qual faziam parte dezenas de grupos socialistas de trabalhadores italianos espalhados pelo Estado de São Paulo. Ao mesmo tempo, esta rede se apoiava também nas atividades que a maioria destes militantes desempenhavam nas sociedades italianas de socorro mútuo e nos sindicatos, sem os quais não é possível compreender as causas desta difusão no território paulista.

5Ao longo de três décadas, todas as cidades de médias dimensões do Estado de São Paulo chegaram a ter pelo menos um grupo de socialistas ligados ao núcleo central de São Paulo. Na capital, estes grupos nunca foram menos que cinco. O número de seus integrantes também não era desprezível, se comparado até com as seções do PSI italiano, pelo menos até 1912-13, quando o sufrágio universal masculino na Itália proporcionou também um aumento da militância política e das filiações ao PSI. A idéia do partido de massa (com milhares e até milhões de filiados) é uma idéia relativamente recente, ela se concretizou na Itália somente depois da Primeira Guerra Mundial e, após o parêntese do fascismo, somente no segundo pós-guerra. Entre todos os países europeus, antes de 1918, o único verdadeiro partido de massa era o SPD (e, parcialmente, os partidos escandinavos) ; no resto dos casos, a força dos partidos ligados à II Internacional residia quase exclusivamente na sua ligação, no território, com outros tipos de organizações : em primeiro lugar as ligas operárias de ofício e, depois, as sociedades de socorro mútuo e as cooperativas. Esta tríade, ainda mais característica no caso italiano, esteve presente também em São Paulo, porém com algumas diferenças3.

6De qualquer forma, os socialistas italianos estiveram presentes em todos os processos organizativos dos trabalhadores em São Paulo e, em alguns momentos, os lideraram efetivamente, enquanto em outros períodos compartilharam este papel de direção e organização com militantes anarquistas ou sindicalistas revolucionários.

7Em relação ao sindicalismo, às ligas de ofício, o papel dos socialistas italianos de São Paulo foi de extraordinária importância. A partir da década de 1890 foram os primeiros fundadores de ligas sindicais na cidade de São Paulo. Mas foi sobretudo entre 1898 e 1903 que eles lideraram o surgimento e a organização das ligas de resistência e todo tipo de ação sindical, desde as greves, as arbitragens nos conflitos de trabalho, até a elaboração dos estatutos e a vida associativa geral dos sindicatos. Um imaginário operário, socialista e italiano predominou literalmente, naqueles anos, no mundo organizativo paulistano.

8É necessário dizer também que não se trata de um movimento organizativo sindical exclusivamente dominado por trabalhadores especializados, homens e adultos. Pelo contrário, uma análise mais aprofundada deste período e da atividade dos socialistas italianos, mostrou que a presença de trabalhadores não (ou pouco) especializados e de mulheres não era nada desprezível, tanto que um dos sindicatos que teve maior sucesso em termos de números de filiados proporcionalmente ao número de empregados, em termos de atividade sindical e associativa, foi o dos tecelões e tecelãs (com diversas mulheres em sua direção). Esta atividade organizativa proporcionou um aumento considerável dos trabalhadores sindicalizados neste período, que não eram tão poucos como podia parecer : eles ultrapassavam a proporção que foi encontrada na Argentina de 1904 (modelo usual de comparação na historiografia sobre o movimento operário brasileiro). Temos que considerar sempre, de qualquer forma, que estamos falando de contextos sujeitos a constantes fluxos imigratórios e migratórios, onde os mesmos trabalhadores tinham uma mobilidade proporcionalmente maior das que tinham, por exemplo, na Itália, que, todavia, era justamente o país que tinha uma parte consistente da força-de-trabalho envolvida no processo emigratório.

9Este foi, de fato, o período de ouro da atividade sindical dos socialistas italianos em São Paulo, pois, com certeza, a maioria dos operários, operárias, artesãos, filiados às ligas, se reconheciam no Centro Socialista e nos vários grupos de socialistas italianos que tinham surgido nos vários bairros paulistanos, mas sobretudo, reconheciam como referente obrigatório o grupo editor do jornal Avanti ! de São Paulo, o que permitiu a sua rápida transformação em jornal diário.

10A sucessiva predominância sindicalista revolucionária (que caracterizou fortemente, a partir de 1904-1905, todo o movimento operário paulista até o advento do Estado Novo, em 1937) também deve ser lida à luz desta precedente e intensa atividade dos sindicalistas italianos pertencentes ao PSI. Líderes sindicalistas como Giulio Sorelli e Alceste De Ambris eram ainda fiéis filiados aos centros socialistas paulistanos nos primeiros anos do século XX, sua formação sindical aconteceu em grande parte paralelamente à sua atividade política socialista e até à sua atuação nas sociedades de socorro mútuo4.

11Existiam fortes paralelismos com os mesmos processos ocorridos na Itália, onde o sindicalismo revolucionário surgiu em grande parte entre sindicalistas socialistas que não acreditavam mais na eficácia da luta parlamentar desenvolvida pelo PSI junto com sua atuação nas organizações sindicais. Quando surgiu a FOSP5, todavia, com sua tendência característica de ação direta, o autonomismo sindical por ela pregado não eliminou o papel que muitos sindicalistas ainda filiados aos centros de socialistas italianos de São Paulo tinham nas várias ligas de ofício federadas. Ao contrário, muitas das ligas, como, por exemplo, a dos chapeleiros, mas também a dos pedreiros ou dos tipógrafos, continuaram tendo diretorias dominadas por militantes socialistas originários da Itália. Isto quer dizer que muitos trabalhadores ligados de várias formas aos grupos socialistas paulistanos desempenhavam uma ação concreta de organização nos sindicatos que formavam a FOSP, embora esta tivesse, em sua maioria, dirigentes que estavam muito mais próximos das idéias de autonomia absoluta dos sindicatos e da greve geral como arma decisiva nos conflitos do trabalho.

12Durante as greves de 1907 em São Paulo, o papel dos socialistas italianos nos sindicatos e no desenvolvimento da greve geral não foi nada desprezível e, graças ao apoio que eles gozavam em algumas sociedades mutualistas italianas, grupos de bairro políticos ou recreativos, conseguiram elaborar uma estratégia de resistência prolongada que as ligas de ofício, sozinhas, não teriam conseguido levar à frente. Existia, na verdade, um mundo associativo no qual uma multiplicidade de personagens e organizações se criava continuamente, e no qual havia uma influência mútua entre elas. No período 1909-1914, quando houve um enfraquecimento generalizado das organizações sindicais, os socialistas italianos empenhados nos vários sindicatos paulistanos nunca deixaram de atuar completamente. Nos anos seguintes, a chegada de líderes sindicais socialistas da Itália como Teodoro Monicelli, enviados expressamente para organizar os trabalhadores de São Paulo, que continuavam sendo italianos em sua grande maioria, fez sentir novamente o seu peso nos processos organizativos de forma muito evidente. Os novos militantes que chegaram a partir de 1911-12, trouxeram consigo novas experiências organizativas. Foi o período do triunfo da corrente socialista revolucionária na Itália, e muitos destes militantes já na Itália tinham sido líderes locais de bolsas do trabalho, o que significava uma prática sindical experiente e que, de qualquer forma, tinha muitos pontos de contato com o sindicalismo revolucionário e a ênfase que este punha no papel do sindicato6. Os efeitos foram visíveis na greve geral de 1917, na qual o papel de liderança desempenhado pelos militantes socialistas italianos mais importantes de São Paulo foi evidente e não pode ser ofuscado pela idéia que tivemos até agora de uma greve geral gerada espontaneamente, dominada por anarquistas. Ao contrário, parece-me que ela se desenvolveu num contexto em que ainda havia uma rede de diferentes tipos de organizações políticas, sindicais e mutualistas (mesmo se um pouco enfraquecidas), e onde a falta de organização foi mais aparente do que real.

13Um processo de reorganização estava, ao contrário, ocorrendo já desde 1914-15, graças ao empenho dos socialistas italianos que, na mesma época, conseguiram reativar também grupos que tinham desaparecido há alguns anos. Muitas ligas de ofício, além disso, foram mantidas em vida nos períodos de menor grau organizativo e de atividade grevista por militantes socialistas que nunca abandonaram a prática sindical. É como um rio subterrâneo que nos momentos conjunturais volta à superfície, a mesma linha sutil que faz com que encontremos, aqui e ali, nos documentos oficiais dos sindicatos paulistanos do período Vargas (1930-45), os carimbos das ligas de 1907 e mais freqüentemente de 1917, 1918, 1919 ; que faz com que nos deparemos com os filhos de líderes sindicais da década de 1910, ou com alguns destes líderes ainda nos anos trinta e quarenta.

14E mais, a greve de 1917 ocorreu em um contexto caracterizado pela forte etnicidade, onde a grande presença de trabalhadores italianos, isto é, imigrantes de uma nação em guerra, obrigados pelos empresários emergentes imigrados (ligados à ideologia nacionalista italiana e aos interesses envolvidos no conflito) a contribuir mensalmente e até semanalmente para os muitos comitês paulistanos que arrecadavam somas consistentes para o Estado italiano, agravou as péssimas condições de vida e de trabalho daquele período e criou fraturas ainda mais profundas entre operários e empresários.

15Focalizar a atuação dos socialistas italianos permite, além disso, adentrar na análise da atividade das sociedades étnicas de socorro mútuo e, assim, ir além de uma visão neutra do mutualismo em São Paulo, todo voltado à defesa de seus interesses beneficentes e ligado aos artesãos e comerciantes imigrados. Ao contrário, podemos ver como este espaço associativo foi de fundamental importância para a realização de greves e, em geral, para os processos de organização sindical, fornecendo freqüentemente o apoio necessário à realização destes movimentos.

16Em suma, não havia um nacionalismo tão difuso nas sociedades de socorro mútuo italianas como estávamos acostumados a crer, mas era muito presente um patriotismo de origem mazziniana e democrática, que criou não poucos conflitos políticos no interior do mundo das associações dos italianos de São Paulo. Havia, de fato toda uma série de sociedades italianas de socorro mútuo nas quais a predominância de sócios socialistas e republicanos as empurrava para uma natural colaboração com os grupos políticos e com os grêmios sindicais. Freqüentemente havia interseções entre elas, pois muitos militantes socialistas eram membros de sociedades italianas de socorro mútuo e ocupavam cargos de direção nelas e nos sindicatos. Como na Itália do mesmo período, as associações de socorro mútuo ítalo-paulistas estavam muitas vezes ligadas aos socialistas e, portanto, estavam impregnadas de posturas políticas e de uma visão da solidariedade operária que não excluía ou que não temia o conflito de classe, mas que, na especificidade de suas funções, o acompanhava e exigia posicionamento explícito. As comunidades imigradas não eram as mesmas da Itália e diversas sociedades mutualistas expressavam, ao contrário, suas fidelidades ao monarquismo e ao governo italiano. Estes conflitos repercutiam-se evidentemente dentro da comunidade ítalo-paulista, em momentos simbólicos nos quais duas idéias de Itália enfrentavam-se até violentamente : o dia 20 de setembro podia ser o dia do fim do poder temporal da Igreja, mas, ao mesmo tempo, da unificação da Itália sob as bandeiras da monarquia. E muitos outros momentos como este criavam situações nas quais evidenciavam-se os conflitos políticos que dividiam (às vezes até no seu seio) sociedades democráticas e monarquistas. Em alguns casos, os processos ocorridos em São Paulo são muito próximos daqueles vividos na Itália na década de 1890, quando associações mutualistas profissionais transformaram-se nos primeiros sindicatos, isto é, abandonaram gradualmente o socorro mútuo para dedicar-se completamente à resistência nos conflitos trabalhistas. Todavia, no caso paulista, em um ambiente de comunidades imigradas, este tipo de processo foi muito menos freqüente e o mútuo socorro prevalecente foi do tipo étnico pluriprofissional, ainda que não fosse isento de fortes conotações políticas.

17O estudo da relação entre política e mutualismo traz à tona a influência exercida pelos republicanos italianos no desenvolvimento das associações políticas e mutualistas dos trabalhadores italianos em São Paulo. A participação sindical dos republicanos foi menos evidente, mas eles também participaram ativamente das ligas operárias e, sobretudo deve ser destacado o papel saliente que tiveram no apoio a todos os movimentos grevistas, manifestações que iam muito além das declarações de solidariedade. De qualquer forma, estiveram sempre muito presentes na organização de eventos comuns a militantes e sindicalistas de várias tendências, desempenhando um papel de união que permitia freqüentemente a realização de manifestações conjuntas com os socialistas e os anarquistas. A atividade dos republicanos italianos em São Paulo foi, de fato, inspirada sempre na colaboração com as outras forças políticas antimonarquistas, imitando à risca o que acontecia na Itália no mesmo período. Os mazziniani de São Paulo compartilhavam com socialistas e anarquistas italianos muitas experiências (das expressões de anticlericalismo à organização das ligas de resistência) já antes da emigração, sobretudo para aqueles militantes que vinham de regiões da Itália central onde os laços entre estes grupos eram muitos fortes na vida associativa, onde certas ações comuns, em determinados contextos, justificavam o esquecimento temporário das diferenças.

18A questão da etnicidade caracterizou, de qualquer forma, todas estas expressões político-sindicais, porém não no sentido de inviabilizar a atuação das organizações por causa de conflitos étnicos internos, como foi destacado há anos por uma parte da historiografia sobre o movimento operário nos Estados Unidos7. A presença dos imigrantes italianos no mundo do trabalho urbano paulista era tão majoritária que nenhum conflito étnico podia levar à paralisação das organizações e podemos dizer que nem apareceram conflitos regionais intensos entre italianos. Porém, é preciso destacar que havia certamente tendências regionais quanto à militância política e sindical : a maioria dos militantes vinha das regiões da Itália central, da Emilia-Romagna e de algumas províncias da Lombardia, da Ligúria e do Piemonte. O grau de militância era muito mais baixo entre os italianos do sul, fenômeno que tinha suas bases evidentes no fato que o centro e o noroeste da Itália tinham já na época uma prática organizativa bem mais enraizada, embora muitos fossem os operários de origem meridional (sobretudo da indústria têxtil e alimentícia) que sustentavam o Avanti ! nas subscrições.

19Além da influência das cadeias migratórias na determinação dos padrões regionais de militância entre os ítalo-paulistanos, notamos que, proporcionalmente ao número de imigrantes de cada região, o maior número de militantes socialistas, republicanos, sindicalistas e anarquistas vinham de centros urbanos de média dimensão da Emilia-Romagna e da Toscana, e não das grandes e médias cidades industriais da Lombardia ou do Piemonte. O típico militante italiano de São Paulo era um operário especializado ou um artesão, cuja militância tinha começado antes de emigrar, nas pequenas e médias cidades da Itália central, onde tinha experimentado a ação política nos sindicatos, nos grupos socialistas, anarquistas ou republicanos e, em muitos casos, nas sociedades de socorro mútuo. Não eram poucos os que tinham assumido cargos nas diretorias destes núcleos. Em muitos aspectos, a cidade de São Paulo se parecia, do ponto de vista de suas atividades econômicas, na qual ainda predominavam as oficinas e os estabelecimentos de média dimensão, com cidades italianas médias da Emilia, da Toscana e da Lombardia.

20Voltando à questão étnica : a predominância do elemento italiano no mundo do trabalho paulista facilitou os processos de organização, pois um caso de difusão, em um território tão grande, de grupos de socialistas Italianos, como o que ocorreu no Estado de São Paulo, não teve paralelo em nenhum outro país de imigração italiana. Por outro lado, limitou a transposição deste fenômeno a outras realidades. A criação de um partido socialista que ultrapassasse a fronteira étnica foi o maior obstáculo que os militantes socialistas italianos enfrentaram. Além de alguns pouquíssimos profissionais liberais brasileiros, os grupos socialistas paulistas eram o espelho dos mesmos grêmios do PSI que estavam na Itália. Falar de socialismo no Estado de São Paulo significava falar de imigrantes italianos politizados.

21O partido socialista brasileiro, constituído em 1902, era, na verdade, uma espécie de federação do PSI no Brasil e por muitos anos foi chamado e identificado desta forma, como Federação do Estado de São Paulo. Era uma parte do partido no Brasil. Um fenômeno que nem chegou a ocorrer na cidade de Buenos Aires, onde também, em muitos bairros, como na Boca, o socialismo estava essencialmente ligado aos imigrantes italianos8. Assim como não ocorreu no cinturão industrial de New Jersey, onde os italianos, de qualquer forma, constituiam, em muitas áreas, a força de trabalho preponderante9.

22O movimento socialista era uma grande planta exótica, muito bem adaptada e difusa no território paulista, mas substancialmente sem possibilidade de crescer politicamente na arena eleitoral, embora tivesse um número de filiados e de grupos consistente - e, potencialmente, um altíssimo número de eleitores, visto o consenso que tinha entre muitos trabalhadores italianos, ou seja, entre a maioria dos trabalhadores paulistas, pelo menos na primeira década do século XX. Isto não significa que tentativas de ingressar na corrida eleitoral, ao menos no plano municipal e estadual, não fossem tentadas pelos socialistas italianos.Mas o problema fundamental era o nó da naturalização, ao ponto que, a cada um ou dois anos os grupos socialistas, junto com as sociedades italianas de socorro mútuo e os republicanos italianos de São Paulo, pressionavam o governo italiano para que permitisse a obtenção da dupla cidadania possibilitando, desta forma, a participação dos imigrantes italianos nas eleições. As respostas foram sempre negativas. Não existia outra via senão a naturalização e, de fato, alguns militantes adquiriram a cidadania brasileira e, em São Paulo, contribuíram para a eleição de vereadores como Celso Garcia.

23Apesar da impossibilidade de participar das eleições, os núcleos que formavam a Federação Socialista de São Paulo, continuaram existindo e tendo um papel importante nos processos organizativos dos trabalhadores ítalo-paulistas, não somente na capital, mas também no interior. A sua existência permitia concentrar a atividade dos militantes em grupos que coordenavam manifestações, propagandas eleitorais para alguns candidatos brasileiros próximos ao Centro Socialista Internazionale, greves e arrecadação de fundos para os sindicatos, ações conjuntas com as sociedades mutualistas, mas, sobretudo, eram um constante ponto de referência para as ligas operárias em vários momentos de suas vidas e para a sociabilidade operária nos bairros populares de São Paulo. O hino mais cantado em São Paulo, nas várias manifestações políticas e sindicais e na abertura das festas operárias, foi o Inno dei Lavoratori, hino oficial do PSI, escrito por Filippo Turati, às vezes cantado na sua tradução ao português.

24O longo período de intensa repressão que acompanhou a greve geral de 1917 em São Paulo e depois adentrou-se pela década de 1920, não impediu que as formas de organização dos trabalhadores paulistanos continuassem em direção à formação, estruturação e reestruturação de ligas operárias, sociedades de socorro mútuo, grupos políticos anarquistas e socialistas. Embora as características de etnicidade, que tinham marcado o movimento associativo paulista (e paulistano, em particular), tivessem diminuído gradualmente a partir de 1913-14, por diversos fatores externos e internos10, as organizações formadas por imigrantes italianos, ou que tinham como membros uma grande maioria de militantes originários da Itália, ainda predominaram substancialmente, ao menos até o final dos anos vinte.

25A conhecida análise feita na época pelo anarquista Luigi “Gigi” Damiani, que participou das negociações com os empresários paulistanos por ocasião da greve geral de 1917, sobre o movimento sindical de 1917 a 1919, evidenciava que o aumento do grau de organização do movimento (e, consequentemente, de sua capacidade de resistência) tinha sido possível porque muitos trabalhadores imigrados não pensavam mais em voltar para a Itália. Pareciam ter-se estabelecido no Brasil definitivamente, tinham criado laços comunitários e de parentesco, parte de suas famílias tinham componentes nascidos em São Paulo, e exatamente estes últimos, lembra Damiani, constituíam já uma parcela significativa (embora mais jovem e pouco experiente na militância e nas práticas sindicais e políticas) dos operários e artesãos paulistanos11. Todavia, apesar da análise perspicaz do anarquista que identificava uma nova fase nos processos de formação da complexa população paulistana, sobretudo no seu âmbito popular, o peso das diversas componentes estrangeiras nas associações operárias em São Paulo ainda era considerável e fazia com que estas apresentassem toda um série de características próprias, entre as quais certos embates identitários e um tipo de circulação cultural e experiencial que contava ainda com ligações constantes com o outro lado do atlântico. De fato, uma das armas mais utilizadas pela intensa onda de repressão governamental, no período que se seguiu à greve de 1917, e que só teve uma certa diminuição em 1921, foi a expulsão dos militantes estrangeiros : naquele momento, as lideranças sindicais e políticas (e, ainda mais, mutualistas) das várias associações de trabalhadores paulistanos eram fundamentalmente estrangeiras12.

26Os processos de expulsão, a declaração de estado de sítio, o fechamento dos sindicatos, dos grupos políticos e dos jornais operários, caracterizam os anos entre 1917 e 1921, como uma resposta a um momento de organização e atividade político-sindical que ainda apresentava muitos traços comuns ao período anterior. Ainda que a sociedade paulistana tivesse mudado muito (de um ponto de vista demográfico e sócio-econômico : a cidade não era, evidentemente, mais a mesma da década de 1900) e novos eventos (sobretudo a guerra e os ecos da revolução na Rússia) tivessem influído imensamente sobre o mundo político dos imigrantes italianos de São Paulo, a relação entre os grupos de socialistas italianos, os sindicatos e as sociedades de socorro mútuo paulistanas ainda continuavam nos mesmos rumos iniciados décadas antes. Estes socialistas, apesar da predominância dos sindicalistas revolucionários nas diretorias das ligas operárias, continuaram muito presentes na organização interna dos sindicatos, assim como na realização de todas as atividades relacionadas às ligas, desde a elaboração das estratégias de greve até o apoio aos movimentos grevistas, através de seus grupos políticos e das sociedades mutualistas nas quais eram os principais dirigentes13. Alguns estatutos de ligas operárias do período posterior à greve de 1917, embora declarassem explicitamente seu autonomismo político e sua pertença ao sindicalismo de ação direta (destacando, ao mesmo tempo, sua distância do mutualismo e da beneficência), não desprezavam completamente a possibilidade de obter para sua categoria, ou para a liga em si, direitos políticos e legais, mostrando a predominância de doutrinas sindicalistas revolucionárias na elaboração de seus estatutos, e uma influência dos membros socialistas14. Além disso, diversas ligas que apareceram (ou se reorganizaram) em 1918-19, quando houve uma verdadeira onda de reuniões sindicais voltadas à aprovação de novos estatutos (a partir da reabertura das ligas em abril de 1918, a legislação as obrigava a depositar os estatutos nos cartórios, sob pena de fechamento imediato15), Muitas faziam suas reuniões no salão Celso Garcia, assim chamado em homenagem ao vereador paulistano morto em 1908, que esteve sempre muito próximo do Centro Socialista Internazionale16.

27Em outubro de 1919, quando o Avanti ! de São Paulo retomou as publicações após dois anos de interrupção (por causa da censura e do estado de sítio), o grupo editor declarou que um dos dois objetivos do jornal é « apoiar as organizações operárias locais na luta contra todo tipo de opressão »17. Nas páginas internas a ligação com os sindicatos e a importância de dirigir todos os esforços locais para a organização sindical é reafirmada com vigor na maioria dos artigos e a repressão geral (sobretudo as últimas expulsões realizadas após a explosão da Rua João Boemer18) é explicada sublinhando que o verdadeiro alvo « é a organização operária » em São Paulo e a sua « sistemática ação de classe »19. Um espírito que privilegiava de maneira geral a ação e as idéias advindas das bases operárias ou das lideranças sindicais caracterizou a retomada da atividade propagandista dos socialistas italianos, que, neste período, contavam ainda, em São Paulo, com quatro grupos, um central (o Centro Socialista) e três de bairro (Água Branca, Lapa e Brás), mas com diversos militantes espalhados também nos bairros do Bom Retiro e de Barra Funda20. Nem podia ser muito diferente, pois a grande maioria dos militantes que participavam destes grupos continuava sendo a que tinha participado ativamente da greve geral de 1917 e ainda se destacavam os nomes de líderes sindicais como Sgai, Chiodi, Monicelli e Scala (Giovanni), que tiveram também uma longa experiência de liderança na Itália antes de emigrar.

28Os acontecimentos recentes na Rússia estavam clara e continuamente presentes, porém mediados não somente pela leitura dos jornais (sobretudo italianos) que chegavam periodicamente a diversos membros destes grupos socialistas, mas também pelas ligações pessoais que estes militantes continuavam tendo com integrantes do PSI na Itália. O debate especificamente italiano entrou, por meios destes canais, com muita rapidez no mundo político paulista, pelo menos no mundo dos imigrantes e de sues descendentes. Os grupos socialistas italianos de São Paulo, com exceção de alguns poucos indivíduos, como Piccarolo, passaram todos a apoiar a corrente majoritária maximalista do Partido Socialista Italiano, que orientou a ação do partido nas linhas da experiência dos conselhos operários. De fato, o outro dos dois objetivos que os redatores do Avanti ! de São Paulo declararam no dia da retomada da publicação, era « defender e difundir a postura intransigente e revolucionária do partido socialista italiano »21. A última página do novo número foi dedicada quase inteiramente a ilustrar o programa maximalista do PSI, que, lembramos rapidamente, adaptava para a situação italiana as estratégias experimentadas na Rússia : em suma, abandonava muitas das bases socialdemocratas do modelo do socialismo alemão, nas quais o PSI tinha sido criado, e sobre as quais tinha se desenvolvido ao longo de quase trinta anos22. Um ano depois, em setembro de 1920, a Itália vivia a ocupação das fábricas, fato que teve obviamente uma influência ainda maior que os ecos da revolução russa entre os militantes ítalo-paulistas. Além disso, a experiência da circulação de idéias e práticas político-sindicais que o mundo da emigração/imigração italiana tinha proporcionado entre o fim do século XIX e as primeiras décadas do século XX, assumia agora sentidos ainda mais fortes para os militantes italianos no exterior : pela primeira vez, um líder sindical e político que tinha realizado grande parte de sua experiência de militância e liderança entre os imigrantes italianos na Suíça e nos Estados Unidos, Giacinto Menotti Serrati, tinha se tornado diretor do Avanti ! da Itália, órgão do PSI (o diário mais difuso da imprensa operária italiana e, em geral, um dos jornais mais lidos) como expressão da corrente majoritária maximalista23. O primeiro grupo político que adota o nome de Centro Maximalista surge em São Paulo já em julho de 1918, quando o estado de sítio é prolongado até 31 de dezembro do mesmo ano, por iniciativa de trabalhadores socialistas, italianos, dos bairros do Bom Retiro e da Barra Funda24. Consequentemente, as referências à intervenção dos trabalhadores italianos no processo eleitoral local (sobretudo nos níveis estadual e municipal) e, portanto, os planos para uma naturalização em massa dos imigrantes, desapareceram (quase) completamente no período. A única iniciativa dos socialistas italianos de São Paulo neste sentido é a proposta feita por Ambrogio Chiodi (e assinada por mais de 200 operários socialistas) de apresentar a candidatura de Edgard Leuenroth a deputado federal nas eleições de março de 1918. Tratava-se, todavia, de uma candidatura-protesto para permitir a libertação imediata de Leuenroth, caso ele fosse eleito. Os promotores tinham se inspirado explicitamente na candidatura-protesto de Alceste De Ambris, em 1911, que permitiu a sua volta à Itália25.

29No caso de Giuseppe Sgai, esta ligação com os eventos italianos é constantemente atualizada através de sua relação epistolar com os irmãos e alguns companheiros do partido socialista que viviam em Florença e arredores. Através da experiência deles, Sgai acompanhava, de São Paulo, as transformações que ocorriam no Partido Socialista Italiano : os debates, os conflitos, o surgimento do movimento e do partido fascista, a fundação do Partido Comunista, a tomada do poder por Mussolini. Em abril de 1919, o primo, Enrico Venturi, um mecânico de Rifredi, um subúrbio operário de Florença, escreve-lhe : « aqui na Itália há muita carestia, reina muito desemprego, o governo não foi previdente e hoje está impotente. O Bolchevismo está avançando com passos de gigante, encontra consenso mesmo entre os indivíduos menos politizados. Grandes eventos se preparam : nós os esperamos e os saudaremos ! »26. Os irmãos de Giuseppe Sgai também participaram ativamente da construção do Partito Comunista d’Italia nos subúrbios de Florença, sobretudo em Rifredi e Fiesole. Francesco (sapateiro, nascido em 1895) e Mario (mecânico, nascido em 1893) eram da mesma geração de Giuseppe, o mais velho (nascido em 1891), e, como ele, tinham-se filiado ao PSI desde jovens, sempre militando na corrente chamada socialista revolucionária que, até 1914, também foi liderada por Benito Mussolini. Em 1919, seguiram os passos da maioria dos militantes socialistas revolucionários e se declararam adeptos da corrente maximalista. Em 1921, estiveram entre os fundadores do grupo local do partido comunista e integravam os Arditi del Popolo, uma organização paramilitar antagonista das esquadras fascistas. Por causa desta atividade estiveram dentre os principais alvos da repressão fascista em Florença, quando Mussolini tornou-se chefe do governo, em 192227. Consequentemente, decidem emigrar para o Brasil (Mario, em 1923, e Francesco, três anos mais tarde). No Brasil, junto com os irmãos Giuseppe e Alfredo, não abandonaram suas posições comunistas28. Ainda na década de 1930, os quatro irmãos são considerados militantes comunistas bastante ativos no âmbito paulista pela polícia italiana (e, obviamente, pela brasileira).

30Fora as muitas descontinuidades que caracterizaram o período posterior a 1917, em relação aos vinte anos anteriores, houve também uma série de continuidades, que devemser mencionadas. Se, por um lado, o maximalismo e a idéia de que o movimento operário deveria ser liderado pelas bases, e, para alguns, a passagem à experiência comunista foram processos que evidenciaram uma mudança na atuação de muitos socialistas italianos de São Paulo, por outro lado, passados alguns anos, práticas políticas das décadas anteriores voltaram ao cotidiano da atuação de muitos militantes socialistas, sobretudo na relação com as sociedades de socorro mútuo, em particular as italianas. A maioria deles nunca abandonou a militância sindical no seu local de trabalho, embora o papel que desempenhavam nas diretorias até o início dos anos 1920 tenha diminuído de importância. Uma análise rápida dos processos de expulsão e dos prontuários do DEOPS nos mostra como diversas sociedades italianas de socorro mútuo (sobretudo a Lega Lombarda, a Unione Operaia di Barra Funda, a União Fraterna da Lapa e Agua Branca, a Società di Mutuo Soccorso del Cambucy), funcionaram como abrigo e apoio de grupos políticos socialistas e comunistas, especialmente no período da formação da Aliança Nacional Libertadora, na década de 1930. Lembramos, enfim, que, nos anos 1930, era ainda ativo em São Paulo o Circolo Socialista Giacomo Matteotti, do qual faziam parte muitos dos antigos membros dos grupos socialistas italianos do período 1900-192029. No início dos anos vinte, por exemplo, Ambrogio Chiodi, com outros membros do PSI de São Paulo (como Nello Colli e Adelmo Giordani), fundou a Sociedade de Mutuo Socorro do Cambucy, cujos estatutos, diferentemente do da maioria das associações desse tipo, evidenciavam, em muitos pontos, sua origem socialista e republicana, pelo fato que o 14 de Julho e o 1°de Maio eram consideradas datas de comemoração oficial da sociedade30. No caso de Teodoro Monicelli, sua ligação com o mundo associativo ítalo-paulista não terminou, apesar de sua adesão inicial ao maximalismo do PSI, do Centro Socialista de São Paulo e do grupo editor do Avanti ! paulistano. A sua atividade política e sindical, prosseguiu, depois de 1918, na elaboração de um projeto de lei a ser definido pela Confederazione Generale del Lavoro, pelo Commissariato Generale dell’Emigrazione e pela Società Umanitaria de Milão.O projeto visava a estimular a retomada da emigração para o Brasil, mas com a condição de que todo candidato a emigrar partisse da Itália com um contrato de trabalho.A fiscalização de tais exigências seria feita pelas autoridades italianas no Brasil e por uma organização conjunta formada por uma seção do Circolo Socialista de São Paulo, para isso destinada, e por delegados das sociedades ítalo-paulistas de socorro mútuo. Em maio de 1920, dirigiu-se à Itália, para apresentar o projeto à seção colonial do grupo parlamentar socialista e participou de uma reunião para desenvolver o projeto na CGdL. Participou ainda de um Congresso do Instituto Coloniale di Roma (organização que coordenava as atividades das associações italianas no exterior), como delegado dos socialistas ítalo-brasileiros e de todas as sociedades italianas de socorro mútuo no Brasil31.

31Enfim, as atividades dos grupos socialistas italianos e suas relações com as associações sindicais e o mutualismo étnico, ainda que tenham sofrido uma diminuição substancial a partir da década de 1920, não desapareceram por completo da cena paulista depois de 1917. E a atuação dos socialista italianos, ainda que privada da possibilidade eleitoral, se concretizou em múltiplas atividades, e teve sempre um papel de destaque, que por muito tempo foi desconsiderado. Podemos traçar hoje um quadro no qual o mundo associativo paulistano durante a Primeira República resulta mais complexo e multiforme do que podia parecer se limitarmos nosso enfoque ao estudo dos grupos anarquistas, que por anos foram considerados a expressão geral da militância político-sindical no movimento operário de São Paulo. Depois de mais de trinta anos de atividades dos vários grupos políticos, mutualistas e sindicais em São Paulo, momentos críticos e períodos mais ou menos longos de formação e estruturação das diversas agremiações mostraram que os processos organizativos que envolviam os trabalhadores paulistas e, em particular, a sua grande maioria, composta por imigrantes italianos, tinham-se desenvolvido através de estratificações, co-participações, trocas de experiências, dinâmicas e interseções que denotavam toda a complexidade do mundo associativo paulistano e paulista. Dentro desta complexidade, o espaço que os socialistas italianos ocuparam foi de fundamental importância para o constante desenvolvimento dos núcleos associativos dos trabalhadores, no âmbito de uma atuação integral que ia do grupo político ao círculo recreativo, passando pelas sociedades mutualistas, as ligas sindicais, as cooperativas, no processo infinito de construção de uma sociedade democrática.

Haut de page

Notes

1 Entre estes estudos está também o meu de 1995, La stampa anarchica italiana in Brasile (1904-1915). Tesi di Laurea in Storia Contemporanea. Università degli Studi di Roma « La Sapienza ». Ver também Luigi Biondi, « Anarquistas italianos em São Paulo. O grupo do jornal anarquista La Battaglia e a sua visão da sociedade brasileira : o embate entre imaginários libertários e etnocêntricos ». Cadernos AEL, n° 8/9. (Anarquismo e Anarquistas), 1998, pp. 117-147. A bibliografia sobre o anarquismo em São Paulo durante a primeira república é muito extensa, destacando-se os trabalhos de Sheldon Leslie Maram, Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro, 1890-1920. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1979 ; Edilene Toledo, O Amigo do Povo : grupos de afinidade e a propaganda anarquista em São Paulo nos primeiros anos deste século, mestrado. Unicamp, IFCH, 1993 ; Isabelle Felici, Les italiens dans le mouvement anarchiste au Brésil. 1890-1920, doctorat. Paris III, 1994 ; Christina da Silva Roquette Lopreato, O espírito da revolta : a greve geral anarquista de 1917. doutorado. Unicamp, IFCH, 1996 ; Carlo Romani, Oreste Ristori : uma aventura anarquista. São Paulo, Annablume, 2002.
2 O estudo da atuação dos socialistas italianos em São Paulo e o mundo das diversas sociedades operárias ítalo-paulistanas constiutiu parte importante do meu trabalho de doutoramento Entre associações étnicas e de classe. Os processos de organização política e sindical dos trabalhadores italianos na cidade de São Paulo (1890-1920), Unicamp, IFCH, 2002.
3 Ver, por exemplo, Maurizio Ridolfi, Il PSI e la nascita del partito di massa : 1892-1922. Bari : Laterza, 1992.
4 Sobre De Ambris, Sorelli e o sindicalismo revolucionário em São Paulo ver, especificamente, Edilene Toledo, Travessias revolucionárias. Campinas : Editora da Unicamp, 2004.
5 Federação Operária do Estado de São Paulo.
6 A presença de Monicelli a partir de 1913 em São Paulo como principal liderança socialista evidencia a importância que a vasta ‘comunidade’ de trabalhadores italianos em São Paulo representava para o próprio movimento operário e socialista italiano. Monicelli, de profissão marceneiro, era um experiente líder sindical, que já tinha dirigido longas greves gerais e tido um papel de destaque em grandes organizações sindicais em cidades e regiões italianas com uma alta densidade de participação e agitação político-sindical, como Milão, Terni, Ferrara, Parma e Mantova. Nasceu em Ostiglia, na Lombardia em 1875 e esteve em São Paulo até 1920. Ver sobretudo Archivio Centrale dello Stato, Roma (ACSR), Casellario Politico Centrale (CPC), b. 3354, Teodoro Monicelli.
7 David Montgomery, The Fall of the House of Labor : The Work Place, the State, and American Labor Activism, 1865-1925, Cambridge : Cambridge University Press, 1987 ; Rudolph J. Vecoli, « Emigrati italiani e movimento operaio negli USA », Movimento Operaio e Socialista, XXII, n° 1-2, gennaio-giugno 1976, pp. 153-167 ; Idem, « Italian Immigrants and Working-Class Movements in the United States : A Personal Reflection on Class and Ethnicity », Journal of the Canadian Historical Association, 1993, pp. 293-305.
8 Foram os votos de muitos imigrantes italianos naturalizados da Boca que elegeram o primeiro deputado socialista na Argentina. Ver Dora Barrancos, « Vita materiale e battaglia ideologica nel quartiere della Boca (1880-1930) ». In : Gianfausto Rosoli (a cura di). Identità degli italiani in Argentina. Reti sociali, famiglia, lavoro. Roma : Studium, 1993, pp. 167-204.
9 Ver Elisabetta Vezzosi, Il socialismo indifferente. Immigrati italiani e Socialist Party negli Stati Uniti del primo Novecento. Roma : Edizioni Lavoro, 1991.
10 Como, por exemplo, diminuição dos fluxos migratórios de entrada, aumento dos fluxos de saída, crescimento da migração interna no Estado de São Paulo, entrada de filhos de imigrantes - sobretudo italianos - nos locais de trabalho, e, portanto, no mundo associativo político, sindical e mutualista a estes ligado.
11 Luigi Damiani, I paesi nei quali non si deve emigrare. La questione sociale nel Brasile, Milano, Edizioni di « Umanità Nova », 1920. Damiani foi expulso do Brasil no final de 1919.
12 Acompanhando os processos de expulsão de imigrantes italianos, a partir dos documentos do Ministério da Justiça e Negócios Interiores depositados no Arquivo Nacional (Rio de Janeiro), cat. IJJ7, o período 1917-1921 teve proporcionalmente mais expulsões (40) que os 10 anos anteriores, 1907-1916 (86), com picos em 1917 e 1919. Do ponto de vista das lideranças sindicais e políticas, no período anterior a 1916 destaca-se somente a expulsão do socialista Vincenzo Vacirca, diretor do Avanti !, em 1908, ainda que se tentou expulsar o secretário da Federação Operária de São Paulo, Giulio Sorelli e os redatores do jornal anarquista La Battaglia. Depois de 1917, ao contrário, os líderes socialistas, anarquistas e sindicalistas de origem italiana em São Paulo, foram dizimados. Segundo o Anuário Estatístico do Brasil, Ano V, citado por Sheldon Leslie Maram, op. cit., Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979, p. 43, somente no quinquênio 1917-1921 houve 205 expulsões de estrangeiros do Brasil (isto é, 36,8% do total), enquanto nos 10 anos precedentes foram 351. Segundo esta fonte, as porcentagens não mudam para o caso específico dos italianos (79 expulsões entre 1907 e 1916 e 42 - 34,7% do total dos italianos expulsos –, entre 1916 e 1921).
13 É interessante notar, por exemplo, que o jornal socialista italiano Avanti ! de São Paulo é a referência mais importante para acompanhar a vida associativa e a atuação das ligas operárias que se organizaram no período posterior à greve geral, também para um anarquista envolvido na atividade sindical, como Edgard Leuenroth, que ainda conservava recortes da seção « Movimento Operaio » deste jornal nas suas pastas pessoais décadas depois (ver Pasta 1, Acervo Pessoal de Edgard Leuenroth, Arquivo Edgard Leuenroth, Unicamp).
14 É o caso evidente das contradições (crítica à legislação social, mas, ao mesmo tempo, reconhecimento da importância de possuir direitos fundamentados nas leis), que aparecem no Estatuto da Liga Operária da Construção Civil, São Paulo, 1919. Nas considerações finais (« Aos operários », pp. 15-16), o estatuto diz : « A orientação a seguir não pode ser outra senão a de resistência ao capital, a luta de ação direta, em conquista dos nossos direitos. Já se foi o tempo das beneficências. Já se foi o tempo do mutualismo. (...) Não julgueis que o reconhecimento legal dos Estatutos amedronte os patrões (...) a Lei é uma espada na mão do forte, é um espinho na mão do fraco. Este, de qualquer lado se mexa, é sempre espetado. Nada temos a esperar das leis : elas nunca se fizeram para favorecer os operários (...) ». Mas, no artigo 6 (p. 3), afirma não desprezar a defesa de « rudimentares direitos políticos », mas destacando novamente seu autonomismo político : « A Liga O. da C. C. sem abandonar a defesa pela ação direta e rudimentares direitos políticos de que necessitam as organizações econômicas, não pertence a nenhuma escola política ». Ver também Estatuto da Liga dos Trabalhadores do Bráz e Belenzinho, São Paulo, c. 1917.
15 O fato pode ser averiguado através da leitura do Diário Oficial do Estado de São Paulo, onde os estatutos sindicais (ainda que, na maioria dos casos, em forma resumida) começam a aparecer com freqüência somente a partir de 1918.
16 Ver seção « Movimento Operário », O Combate dos anos 1918 e 1919 e os poucos números ainda existentes de Avanti !, 2a serie, de 1919. O 1º de Maio, por exemplo, teve que ser festejado semi-clandestinamente na Federação Espanhola (uma associação do Brás) e o programa previa primeiramente a execução do Inno dei Lavoratori (hino oficial do Partito Socialista Italiano) e a peça Primo Maggio de Pietro Gori, e depois a leitura de poesias em castelhano (« 1º de Maio », O Combate, 25-4-1918, p. 3).
17 Avanti!, 2a serie, n° 166, 21-10-1919, p. 1.
18 Nesta explosão acidental morreram dois anarquistas. O fato deu à polícia paulista a oportunidade para o início de uma nova vaga de expulsões. Ver Ugo Fedeli, Gigi Damiani : note biografiche. Il suo posto nell’Anarchismo. Cesena, Antistato, 1954 e Paula Beiguelmann, Os companheiros de São Paulo. São Paulo, Símbolo, 1977.
19 « A proposito di bombe e di complotti », Avanti !, 2a serie, n° 166, 21-10-1919, p. 3. Em « Il movimento operaio nell’ora presente » (ibidem), Sgai chega até a definir a reorganização do operariado paulistano de uma rapidez surpreendente e faz a proposta de ativar-se para criar laços ainda mais estreitos com os sindicatos da Europa e dos Estados Unidos.
20 Ver seção « Movimento Operário », O Combate dos anos 1918 e 1919 e os poucos números ainda existentes de Avanti !, 2a serie, de 1919.
21 Avanti !, 2a serie, n° 166, 21-10-1919, p. 1.
22 « Programa Massimalista del Partito Socialista Italiano », idem, p. 4.
23 Em 1924, Serrati filou-se ao Partito Comunista d’Italia : dois anos depois morreu enquanto se dirigia a uma reunião clandestina do partido. Como escreveu Anna Rosada, os anos da emigração são a premissa indispensável para compreender toda a ação política sucessiva de Serrati : Anna Rosada, Serrati nell’emigrazione. 1899-1911. Roma, Editori Riuniti, 1972.
24 « Movimento Operário », O Combate, 7-7-1918, p. 3. A primeira iniciativa do centro é a de declarar o apoio às iniciativas dos libertários de São Paulo para obter a liberação de Edgard Leuenroth.
25 Obviamente, Edgard Leuenroth recusou-se a aceitar, alegando a sua ideologia libertária, na carta que escreveu da cadeia pública de São Paulo e que foi publicada por O Combate em 26-2-1918 (« A candidatura-protesto. Porque Edgard Leuenroth não a pode aceitar »). Sobre De Ambris ver Edilene Toledo, op. cit.
26 ACSR, CPC, b. 4787, Giuseppe Sgai. Venturi era um operário mecânico, filiado ao PSI e nascido em 1893.
27 A organização Arditi del Popolo nasceu em 1920 para contrastar com o arditismo nacionalista, que deu origem às esquadras fascistas. Ver : Eros Francescangeli, Arditi del Popolo. Argo Secondari e la prima organizzazione antifascista (1917- 1922). Roma : Odradek, 2000.
28 Para uma reconstrução das biografias políticas dos irmãos Sgai, ver suas pastas pessoais em ACSR, CPC, b. 4787. Alfredo nasceu em 1904, em Rifredi, subúrbio operário de Florença. Começou sua jovem militância já no PCd’I, com apenas 16 anos ; em 1924 emigrou para Paris, e logo em seguida para São Paulo. Quando Francesco emigrou para o Brasil, foi trabalhar na oficina mecânica que o irmão Mario tinha aberto em São Paulo logo depois de sua chegada. Giuseppe, em 1919, morava em São Paulo, na casa dos sogros, os Mercadante. Durante a década de vinte, transfere-se com a família para Santos, onde encontra trabalho nas gráficas dos jornais Gazeta Popular e Diário de Santos, e onde ainda vivia nos anos 1940, continuando sua militância antifascista, e próximo dos grupos comunistas locais. Lembramos, enfim, que a atuação de Francesco, Mario e Alfredo nos Arditi del Popolo foi muito intensa, ao ponto de terem sido acusados de alguns assassinatos de fascistas e, por isso, freqüentemente surrados pelas esquadras fascistas depois de 1922.
29 Ver Arquivo do Estado de São Paulo (AESP), DEOPS, Prontuário n° 71.338.
30 A sociedade foi fundada no dia 27 de Fevereiro de 1922 e sua sede estava na Rua Barão de Jaguara, 769. Ambrogio Chiodi foi seu presidente por muitos anos. A data da tomada da Bastilha era definida « Dia de Confraternização dos Povos ». Ver AESP, DEOPS, Prontuário n° 770 e Estatutos da Sociedade de Mutuo Socorro do Cambucy.Fundada em 27 de fevereiro de 1922. São Paulo, Typographia Modelo, 1928.
31 Ver sobre isso ANRJ, MJNI, IJJ7 n° 141, Processo de Expulsão de Teodoro Monicelli e também ACSR, CPC, b. 3354, pasta de Teodoro Monicelli.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Luigi Biondi, « Desenraizados e integrados », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 12 mars 2007, consulté le 21 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/3720 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.3720

Haut de page

Auteur

Luigi Biondi

Universidade Federalde São Paulo (Unifesp)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page