Navigation – Plan du site
Débats | 2007
História cultural do Brasil. Dossiê coordenado por Sandra Pesavento
Leticia Bauer

O arquiteto e o zelador:patrimônio cultural, História e Memória

[15/03/2007]

Résumés

Resumo: Este trabalho pretende debater algumas das possíveis relações entre a História, memória coletiva e o campo do patrimônio cultural, particularizado pelos remanescentes da redução de São Miguel Arcanjo e Museu das Missões, tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Busca compreender em que medida e por quais processos o arquiteto Lucio Costa e o zelador Hugo Machado, por meio de suas atuações junto aos remanescentes entre 1937 e 1950, aproximaram-se de operações ligadas ao ofício do historiador e atuaram, cada qual ao seu modo, na conformação de uma narrativa sobre Missões por meio da organização e preservação dos referidos bens culturais. Particulariza-se a análise das atuações de Lucio Costa e Hugo Machado, relacionando-as, na medida do possível, com a conformação de uma narrativa específica sobre a experiência missioneira, desenvolvida a partir da relação entre temporalidades distintas e do trânsito entre História e Memória.

Haut de page

Entrées d’index

Haut de page

Notes de la rédaction

Este artigo expõe algumas considerações apresentadas na dissertação de mesmo título apresentada no Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sob orientação da Profª Drª Sandra Jatahy Pesavento. A dissertação tem como proposta central compreender em que medida e por quais processos é possível aproximar a atuação do arquiteto Lucio Costa e do zelador João Hugo Machado à organização de uma narrativa histórica, particularizada por suas atuações junto aos remanescentes de São Miguel Arcanjo e Museu das Missões. O patrimônio cultural constituiu a base para tal discussão e as relações entre passado e presente e o trânsito entre História e Memória constituíram matéria-prima para tais reflexões.

Texte intégral

1O estudo do patrimônio cultural1 ainda tem pouco destaque nas discussões acadêmicas da disciplina histórica. Tema de antropólogos ou arquitetos, dificilmente produz extensos debates em discussões que se relacionam à historiografia ou, de forma aparentemente mais simples, à prática do historiador. É notável a ausência do tema em debates historiográficos aparentemente considerados mais sérios e mais apropriados para receberem a atenção de historiadores. Enquanto isso, milhares de crianças acompanham seus professores em visitas a museus e lugares considerados históricos para aprender e/ou aprofundar seus conhecimentos sobre temas vinculados à História brasileira. O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo e o Museu das Missões, diretamente vinculados à discussão ora proposta, são visitados anualmente por cerca de 50 mil pessoas, dentre as quais cerca de 70% são estudantes do Ensino Fundamental e Médio.

2O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo e o Museu das Missões constituíram o início e o fim do processo investigativo. Os remanescentes da redução de São Miguel Arcanjo2 localizam-se à noroeste do Rio Grande do Sul. O Museu das Missões situa-se dentro do Sítio e foi criado pelo SPHAN em 1940. Foram tombados pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) em 1938, mesmo ano em que foram protegidos oficialmente mais de 200 bens culturais por meio do tombamento3. Este instrumento legal foi viabilizado pela promulgação do Decreto-lei 25 em 30 de novembro de 19374, mesmo ano de criação da instituição5.

3A preservação de remanescentes de outras épocas da trajetória histórica de determinados lugares remete a questões que se referem, direta ou indiretamente, às formas de relação do homem com seu passado. Tempo transcorrido, salvo melhor juízo, sempre foi matéria-prima do ofício do historiador.  Resta saber por que, caso exista uma explicação, os processos e conceitos ligados ao que este passado, quando localizados no campo do patrimônio cultural, transformam-se majoritariamente em objetos de estudo de outras ciências humanas e não da História. Compreendo que são vários os conceitos da operação historiográfica que estão envolvidos na ação de preservação oficial do patrimônio cultural6. Esse campo de investigação parece ser bastante fértil para um historiador e, por aproximação ou afastamento, talvez seja possível refletir, a partir de algumas especificidades na conjuntura do patrimônio cultural brasileiro, sobre questões mais abrangentes, aproximando-nos, por exemplo, das reflexões sobre História e Memória, na medida em que esta divisão pode ser possível, bem como sobre narratividade e documento. No caso da narrativa7, particularmente, proponho que sua compreensão seja ampliada para além do texto, ultrapassando a produção escrita e avançando sobre a tridimensionalidade.

4Partindo destes pressupostos, inicio o entrecruzamento com a ação do IPHAN na região missioneira, centralizando a pesquisa em dois agentes do patrimônio: o arquiteto Lucio Costa e o zelador João Hugo Machado. Em qualquer investigação sobre os remanescentes da redução de São Miguel Arcanjo e o Museu das Missões, a referência a Lucio Costa se faz presente desde o início. Em 1937, o arquiteto foi enviado à região missioneira por Rodrigo Melo Franco de Andrade para averiguar o estado das ruínas missioneiras e propor ações para sua conservação. Lucio Costa integra o grupo de “mitos fundadores” na trajetória missioneira. Se separado no tempo e no espaço de jesuítas famosos e generais da demarcação de fronteiras, une-se na história do IPHAN por seu relatório de viagem e proposições8. Lucio Costa foi autor do projeto do Museu das Missões e das diretrizes de preservação do que viria a ser o Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo. Por meio das sugestões do relatório, que foram seguidas quase em sua totalidade, o arquiteto atuou na organização e gestão dos remanescentes.

5Entretanto, se o trabalho do arquiteto modernista correspondeu ao início da ação do IPHAN na região missioneira, as ações na localidade mantiveram-se por meio de outra figura. João Hugo Machado, o primeiro zelador do Museu das Missões, dedicou a maior parte de sua vida ao cuidado com as ruínas e o acervo do Museu. Na trajetória do zelador, a ligação estreita com os remanescentes e o trabalho sistemático de recepção dos visitantes somou-se à polêmica coleta de esculturas sacras missioneiras na região.  A ausência de referências a Hugo Machado, como foi possível depreender posteriormente, era inversamente proporcional à sua atuação na região missioneira.

1. Campo do patrimônio cultural, campo da História

6O processo de preservação de bens móveis e imóveis tem um histórico próprio que, no Brasil, relaciona-se ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)9. Na época de sua criação, o então denominado SPHAN contava com intelectuais diretamente ligados ao movimento modernista brasileiro. A instituição, dirigida por Rodrigo Melo Franco de Andrade, teve em seu quadro nomes como Lucio Costa, que foi diretor da Divisão de Estudos e Tombamentos (DET), e Carlos Drummond de Andrade, que atuou como chefe do Setor de Pesquisa Histórica da DET. Cada um, a seu modo, trabalhou para a configuração de uma equipe de trabalho diretamente ligada à tarefa (auto-atribuída) de preservar os bens definidos como patrimônio histórico e artístico brasileiro. A qualificação “cultural”, anos depois, passou a figurar junto com o termo patrimônio, indicando, ao menos em tese, a ampliação do conceito de patrimônio “preservável”.

7Toda esta estrutura de institucionalização do patrimônio cultural teve sua trajetória particular no Rio Grande do Sul. Pelo que foi possível averiguar, o primeiro interlocutor de Rodrigo Melo Franco de Andrade no Rio Grande do Sul foi Augusto Meyer10, fundamental na escolha dos bens a serem tombados no Rio Grande do Sul. Os bens por ele indicados e selecionados pelo diretor do SPHAN integraram o primeiro grupo de bens protegidos pelo Decreto-lei 25 em 1938. É dele a seleção que resultou no inventário dos bens que chegaram às mãos de Rodrigo para apreciação e decisão pelo tombamento. A correspondência de Rodrigo e Meyer versava, oficialmente, sobre os monumentos de arquitetura de interesse histórico e artístico do Rio Grande do Sul, conforme expressão sempre utilizada por Rodrigo. Entretanto, é fato que boa parte dos diálogos baseava-se nas ruínas de São Miguel Arcanjo11.  

8A preocupação com a fala de um “Brasil legitimamente brasileiro” foi manifestada pelo IPHAN por meio de exemplares palpáveis, se assim podemos dizer, da cultura brasileira através dos tempos, selecionados a partir de escolhas e recortes. Admitir isso, entretanto, nem sempre é evidente. O campo do patrimônio cultural geralmente é apresentado em associação com conceitos ligados ao “passado”, “cultura”, “identidade”, “diversidade”, produtos da certeza de que além de uma existência “evidente” e “óbvia” (no discurso parece inevitável que tal bem seja patrimônio nacional), tais entidades culturais preserváveis seriam passíveis de “resgate”. Em outras palavras, não seriam recortes arbitrários, mas entidades objetificadas.  “Resgatar” a cultura brasileira ou mesmo o passado é expressão bastante conhecida e utilizada até hoje. Essa crença, mesmo que muitas vezes pouco explícita, norteia boa parte dos processos de preservação do patrimônio cultural. O “autêntico” parece viabilizar o alcance dessa entidade objetificada, como veremos mais adiante.

9Talvez seja possível afirmar que o resultado das escolhas do IPHAN é uma urdidura, um enredo finalístico sobre múltiplos tempos da nação, uma forma particular de pensar (e de certa forma modelar) o passado, resultado de um ponto de vista muito específico (o dos técnicos/intelectuais do patrimônio). O patrimônio, neste sentido, pode ser tratado como uma forma de pensar o tempo passado. Mais que isso, essa forma de pensar o passado está sempre em estreita relação com os outros tempos, presente e futuro. Entretanto, essa ação não só toma como orientação a relação entre os tempos mas, ao que parece, busca trazer o passado (mesmo que parcialmente) para o presente. Ao fim e ao cabo, preservamos para o futuro o que queremos no presente e, desta forma, puxamos o devir para o ser.

10Essas eleições, que perpassam todas as esferas de preservação de bens culturais, mais que deixar os antropólogos contrariados, indicam que a escolha de algo a ser salvo do esquecimento, fiel escudeiro do tempo transcorrido, é centro de convergência de questões muito mais amplas do que uma simples opção técnica. Lewgoy, de forma perspicaz, afirma que o tempo dos especialistas do campo do patrimônio é o tempo emergencial, imediato, contra a destruição (Lewgoy,1992:121).

11A História representa a destruição, ao mesmo tempo em que é colecionada por meio de traços representativos. Não é à toa que o apelo jornalístico do Correio do Povo de agosto de 1938 inicia em letras garrafais: “Para que o tempo não apague um grande capitulo da historia colonial riograndense...”, com o sub-título “Monumentos que os séculos iam destruindo12. O tempo, portanto, é inimigo, corrói o que está fixado no espaço. Ao mesmo tempo, é o responsável pelo valor mais fundamental que torna os remanescentes dignos de preservação13. As ruínas de São Miguel, autênticas, porque originais e preservadas a partir de uma série de critérios de restauro e conservação, dão a ver algo que já não é mais, atuam como “suscitadoras de lembrança”, sempre ligads a um valor simbólico associado. Segundo Catroga, esse lugares são indispensáveis a ritualizações ligadas ao passado, são traços/vestígios ressuscitadores de memória14. A mediação do traço material é condição para recordar para além do ato exclusivamente de imaginação, remetendo à função de representificação do passado (2001:25). Símbolo e significado, conforme Geertz15.Ao visitarmos um local histórico, vestígio do que já foi, ficamos situados entre a imaginação, imediatamente ligada ao caráter abstrato da história, e, ao mesmo tempo, temos a impressão de materialidade, que pode conduzir à sensação de estar realmente presenciando o passado. Esse entrecruzamentos estiveram fortemente presentes na ação preservacionista ligada aos remanescentes de São Miguel Arcanjo.

2. O arquiteto dá sentido ao naufrágio

recolhendo-se, em seguida, a um pequeno museu local, as peças que, sobrevivendo à catástrofe, por assim dizer, ‘deram à praia’: capitéis, cartelas partidas, ainda com o IHS, os três cravos e a cruz, imagens mutiladas e já sem cor, - peças cuja vista nos deixa uma impressão penosa e certo mal-estar, como se realmente estivéssemos diante dos destroços de um naufrágio (Costa, 1995:18).

12Naufrágio, resultado da força do homem ou da natureza, traz em seu espectro a destruição. Marcas que evocam algo que já não é mais. Mas, para além disto, naufrágio é desordem, é caos. O arquiteto, então testemunha do espaço náufrago, deu início a seu trabalho, reorganizando e dando sentido ao caos que encontrou espalhado pelo vasto campo (oceano) ocupado tempos atrás pela experiência jesuítica na América espanhola.

13Lucio Costa tinha 35 anos quando foi de hidroavião ao noroeste do Rio Grande do Sul, para “...examinar in loco e decidir o que fazer com as ruínas dos chamados Sete Povos da província jesuítica espanhola, que ficaram encravados do lado de cá” (Costa, 1995:18). Veio acompanhado de sua esposa e de Augusto Meyer, correspondente que já havia enviado uma série de informações sobre a região. Munido de referências e a par do maior número de informações possíveis, visitou a região missioneira e produziu um relatório ao retornar ao SPHAN com uma série de medidas para a preservação dos remanescentes.

14Uma das primeiras recomendações diz respeito à manutenção dos remanescentes em seu estado de ruína: ”... não se pode pensar em reconstruir São Miguel ou mesmo recompor qualquer de suas partes...”, afirma o arquiteto, “...os trabalhos deverão limitar-se, tão somente, a consolidar e conservar” (Pessoa, 2004:25-26). Assim observado, fica implícita a negação da reinvenção arbitrária de toda e qualquer reefetuação do passado ao qual eram ligadas, naquele momento, as pedras e colunas da antiga redução de São Miguel Arcanjo.

15Proponho que se pense na relação implícita que há nesta sugestão e a idéia de construção de uma narrativa histórica cujo pressuposto é o de unir rastros/vestígios numa ordem cognoscível, onde o encadeamento dos dados se dá pelo enredo tecido pelo narrador. Assim, um primeiro dado se configura: ao não refazer nenhuma estrutura, Lucio Costa aponta para a desaceleração do tempo num momento contemporâneo. Não evoca, pois, a experiência missioneira, mas sua lembrança.

16Ao recomendar as medidas para a conservação do que ainda existia e, nas palavras do arquiteto, para “dar ao visitante uma impressão tanto quanto possível aproximada do que foram as Missões”, Lucio Costa estabelece as orientações para o Museu das Missões e pensa nele em função de seu acervo. Lucio julga conveniente a concentração de todas as peças missioneiras em São Miguel, independentemente de seu local de origem.  Com tais peças sugere a constituição de um pequeno museu no local das ruínas, para que estas ficassem “mais acessíveis“ e também por julgar que os vestígios de São Miguel eram os únicos a apresentar “interesse como conjunto arquitetônico”. Acreditava que as peças ganhariam outro sentido reunidas, articuladas com a evidenciação de traços já um tanto apagados de fundações. Com isso, segundo ele, a igreja seria “... articulada de novo aos restos daquilo que foi simplesmente um prolongamento do seu corpo” (Pessoa, 2004:37). Assim, Lucio propõe a ressignificação das peças, arranjando, entre o novo e o antigo, as antigas esculturas e fragmentos com a igreja e os remanescentes das estruturas contíguas. Além disso, o arquiteto propõe a rearticulação das ruínas com os fragmentos decorativos que a compunham, bem como com imagens sacras que, em tese, fizeram parte de seu interior. Não é para menos que Lucio identifica as ruínas da igreja de forma quase orgânica, um corpo, então prestes a se rearticular.

17O arquiteto busca restabelecer as conexões simbólicas entre os traços, jogando com o contraste entre fragmentos até então dispersos. Assim, ao invés de propor a “verdade histórica” por meio da recomposição total das estruturas, Lucio tece uma outra reordenação, indicando uma “intenção de verdade” ao reinterpretar o espaço sem preenchê-lo com estruturas sobre as quais não tinha certeza. Chamo a atenção para a necessidade de informação sobre a autenticidade16. Faz-se questão desta singularidade e reforçá-la para o público constitui um esforço, sempre consciente. Ser original importa mais que parecer original. A narrativa constrói-se, se isso é possível, justamente por marcar a distinção do traço preservado em relação ao novo circundante.

18Proponho que compreendamos o objeto/edificação configurado patrimônio cultural como palavra de um texto, com autores de propósitos bastante diversos. A intenção de verdade também é um elemento que parece transitar pelos dois campos, patrimônio cultural e História. A narrativa histórica seria distinta da literatura por sua intenção de verdade. Baseada na investigação exaustiva das fontes, a construção do historiador visa ser uma reconstrução do passado: “Por meio do documento e da prova documentária, o historiador está submetido ao que, um dia, foi” (Ricoeur, 1994:242, C).  Noção de prova, no caso do ofício do historiador. Autenticidade, diriam os arquitetos restauradores. Para Paul Veyne (1998:19) a narração histórica situa-se para além dos documentos. A organização de todas as referências, com a supressão de suas lacunas, dá origem a uma fala que busca narrar um evento que não está contido em nenhuma das fontes em particular.  Documentos e narrativas sobre o passado (sempre com intenção de verdade) compõem o ofício do historiador. Os remanescentes móveis e imóveis da experiência missioneira e a posterior ordenação do espaço pela concepção de Lucio Costa aproximam-se de tal proposição.

19Lucio Costa não sugere a reconstrução do passado, sua intenção não é a de tratar de um passado ao vivo, como se “você estivesse lá”, mas reaproximar tempos em certa medida díspares. Para Veyne (1998:27), todo livro de história seria, inevitavelmente, um tecido de incoerência. Sugiro aproximar essa tessitura da orientação de Lucio Costa. Por que não pensar que seu trabalho vai ao encontro do esforço característico do ofício histórico, que é o de reencontrar uma organização (Veyne, 1998:41) que o historiador, neste caso o arquiteto-intérprete, encontra. Lucio Costa prefere não alterar os documentos, como proponho que sejam compreendidos os remanescentes, mas, sim, organizá-los, urdindo um enredo finalístico.

20Muitas vezes, assimilar uma forma narrativa do passado é torná-la “artificialmente” conhecida e próxima, quando se parte de uma perspectiva, por exemplo, que toma por base a História como uma forma genérica de memória compartilhada. Essa aproximação requer, para Ricoeur, um trabalho de pensamento que acompanha a interpretação de um vestígio (fóssil, ruína, objeto...): “...só lhe atribuímos valor de rastro, ou seja, de efeito-signo, ao nos afigurar o contexto de vida, o ambiente social e cultural, em suma (...), o mundo que, hoje, falta, por assim dizer, ao redor da relíquia (Ricoeur, 1994:320-321).

21Ao configurar a Casa do Zelador e o Museu, em sua relação com o Sítio, Lucio Costa consegue dar a ver o que falta sem preencher os espaços ou mesmo indicar, de forma explícita, tudo o que faltava. A mediação do traço material é condição para recordar para além do ato exclusivamente de imaginação, remetendo a função de representificação do passado (Catroga, 2001:25)17. Essa noção também é trabalhada por Paul Ricoeur, referida então como representância18. As ruínas de São Miguel Arcanjo podem ser compreendidas, evidentemente, como presentificação da ausência. Presentificação de uma coleção variável de representações, onde o Museu e as associações por ele sugeridas atuam sempre no auxílio dessas leituras.O Museu surge como mais um agente dentro de um plano global de espacialidade19. Lucio equaciona também a relação entre o tempo como Outro, Mesmo ou Análogo, conforme Ricoeur (1994), ao fazer sua relação entre as épocas, quando joga com nova e antiga arquitetura, novos e antigos materiais, idéias de mais de um tempo.

22O patrimônio cultural pode ser pensando como uma espécie de subtração da distância temporal, para utilizar uma expressão de Ricoeur (1994:244). Qual a temporalidade do patrimônio cultural? Segundo Ricoeur, existem “...mediações que fazem do tempo histórico um misto: a sobrevivência do passado, que torna possível o rastro, a tradição que nos faz herdeiros, a preservação que permite a nova posse” (Ricoeur, 1994:249). São essas as mediações que, segundo o autor, impossibilitam considerar o passado como um mesmo ou como um outro, seguindo as categorias que ele estabelece em sua obra Tempo e Narrativa (1994). O patrimônio pode ser um mesmo no presente. Ou pode ser pensado a partir da categoria do outro, levando à reflexão sobre a alteridade daquilo que representa o traço que permaneceu. Entretanto, os vestígios, ora reconhecidos como patrimônio, pertenceram a outra lógica, tramada no passado, ao mesmo tempo em que pertencem/permanecem no presente. O espaço é o mesmo. O tempo, simultaneamente, o mesmo e o outro.

23A exposição de longa duração instalada no Museu das Missões foi elaborada por Leônidas Cheferrino, arquiteto carioca cuja participação até então era desconhecida. Sua linguagem expositiva mostra-se singular e denuncia seu caráter modernista por meio de linhas sinuosas que emolduram imagens e unem objetos. Todas as salas contêm painéis com textos explicativos, mapas e esquemas arquitetônicos. Suportes gráficos e textuais que buscavam formar e informar o visitante que por ali passava. A museografia, ao mesmo tempo em que tornava acessível uma série de informações, mantinha em sua própria disposição um discurso estruturado. As fachadas norte e sul, compostas por vidros, induziam a sensação de se estar dentro e fora (do espaço e do tempo) simultaneamente.

24Esse conjunto de suportes de informação pode ser vinculado diretamente à noção de rastro proposta por Ricoeur: o rastro precisa do contexto de vida, do ambiente social e cultural, do mundo que lhe falta ao redor. Ele é um fenômeno mais radical que um documento ou um arquivo mas são, justamente estes, que fazem do rastro um operador do tempo histórico. Os textos presentes no Museu das Missões, mais que um contexto cronológico, são produzidos por um especialista no tema, Aurélio Porto, e um notável intelectual que se dedicava a refletir sobre o passado e presente brasileiros: Sérgio Buarque de Holanda20.

25Todo o trabalho, que somou esforços de Lucio Costa, Leônidas Cheferrino, Aurélio Porto e Sérgio Buarque de Holanda, para tratar dos personagens até então comentados, vincula-se a outro aspecto importante, definido por Paul Ricoeur como segundo aspecto da fase da configuração: a inteligibilidade da trama. A configuração, conceito operado por Lucio Costa em seu trabalho de reordenação do sítio histórico missioneiro e que se refere à presentificação de uma anterioridade, já foi desdobrada na intertextualidade produzida pelas relações entre o novo e o antigo, postos em contato arbitrariamente pelo arquiteto. De forma muito mais aparente, percebe-se a inteligibilidade como fator definitivo no trabalho de Lucio Costa nas Missões.

26Desde o início, em suas recomendações para conservação dos remanescentes missioneiros, móveis e imóveis, fica manifesta a preocupação em tornar compreensível a desordem encontrada na primeira visita à região. Este esforço interpretativo dá-se por duas vias: a reordenação espacial, por meio da limpeza do terreno, concentração de todos os bens móveis num só local, consolidação de partes da ruína da igreja, inserção de novos elementos para a sugestão de antigos espaços (como no caso da inserção da edificação do museu e casa do zelador num dos cantos da praça); a organização didática de um local destinado a preparar o visitante para a observação e contemplação, por meio do Museu das Missões, tanto em sua edificação como na exposição permanente ali criada.

27Ricoeur afirma que a narrativa está para o texto assim como a arquitetura está para o espaço. A ação de Lucio Costa em Missões perpassa ambas as relações na medida em que texto e espaço são suportes para discursos, desdobrados para o autor em narrativa/arquitetura. A configuração do espaço como narrativa e edificação com intenção de comunicação está diretamente ligada a todo o programa de preservação desenvolvido pelo arquiteto para os remanescentes das Missões. Proponho que se estenda a noção de narrativa para além do texto, pensando que a organização da exposição e a configuração da edificação do Museu das Missões, em sua relação com as ruínas e entorno, constituem, por si só, uma narrativa estruturada.

28Evidente que tais profissionais não atuaram num espaço desprovido de pessoas, como pode parecer pelos relatórios objetivos e assépticos, ou pelas narrativas jornalísticas que julgam tudo abandonado. Boa parte dos remanescentes móveis das Missões havia sido reapropriada pela população local, integrando capelas comunitárias ou figurando como imagens domésticas. A coleta desse acervo traz à luz um segundo personagem, que trabalhou exaustivamente na manutenção das ruínas e do Museu das Missões: João Hugo Machado, o primeiro zelador.  

3. O zelador transita pela Memória

29João Hugo Machado nasceu em Santo Cristo, no Rio Grande do Sul, em 1905. Mudou-se para São Miguel, então sub-distrito do município de Santo Ângelo, em 1938, mesmo ano em que iniciaram as obras do SPHAN. Aliás, a mudança ocorreu justamente porque Hugo Machado ficou sabendo dos trabalhos e mudou-se com a família21. Ao que parece, coordenou boa parte dos trabalhos em campo22, sob a chefia do engenheiro Lucas Mayerhofer. Mudou-se para a casa construída para a zeladoria em 1938, segundo informação de seu filho, Carlos Machado: “...eu cheguei aqui com dois anos de idade, em 1938. No dia 5 de março de 1938 eu fui morar dentro do museu23.

30Interessa essa expressão, porque, de fato, a família Machado mudou-se para a casa contígua ao Museu. Mais que isso, também se mudou simbolicamente para o Museu. Os visitantes recebiam água do poço da família Machado e, muitas vezes, técnicos do patrimônio hospedavam-se na casa do zelador durante o período em que realizavam trabalhos de preservação. Carlos, um dos filhos, assumiu o cargo de zelador após a aposentadoria de Hugo. A família permaneceu habitando no Sítio até a década de 199024. Todos os familiares de Hugo e, posteriormente, de Carlos Machado, de alguma forma, trabalharam no Sítio ou no Museu, na manutenção, limpeza ou recepção dos turistas. Um negócio de família, por assim dizer.

31Hugo Machado entrou para a história do IPHAN como o grande responsável pela coleta da maior parte do acervo que atualmente compõe a coleção do Museu das Missões. Foi admitido nas obras de 1938 e somente em 1945 passou a ocupar oficialmente o cargo de zelador. Isso não impediu que trabalhasse na coleta de peças missioneiras na região com um notável empenho pessoal desde a década de 1930. Além de casas particulares e capelas comunitárias, o zelador vasculhou e requisitou peças de igrejas dos municípios da região.

32A coleta dos santos foi polêmica desde o início. Até hoje ela integra a memória coletiva dos moradores de São Miguel das Missões, ainda que esteja muito mais presente na memória dos mais velhos. Aqueles bens que “rolavam abandonados”, conforme a reportagem do Correio do Povo25, em verdade tinham readquirido funções de culto em outros locais, integrando a religiosidade crioula26 e articulando redes sociais comunitárias. Hugo Machado atua diretamente no que Halbwachs (1990) denominou de comunidade emocional, vinculada diretamente ao campo da memória.

33As pessoas que possuíam santos missioneiros em suas casas ou capelas comunitárias, independentemente do valor “histórico” da procedência de igrejas do período reducional, tinham para si outros valores imbricados na posse de tais bens. Valores provavelmente muito mais ligados à esfera do simbólico do que a motivos da ordem patrimonial, como um valor de antigüidade ou mérito artístico, por exemplo. Mais de uma vez, a posse de tais esculturas religiosas era diretamente relacionada à herança, ou seja, uma posse permitida pela trajetória familiar.

34Em carta de 4 de outubro de 1948, Hugo Machado notificou uma “investigação” nas proximidades de São Luís Gonzaga, ao mesmo tempo em que solicitou uma requisição27 para peça de procedência jesuítica. Seguia “... na pista de mais uma ou duas, para o que tenho a colaboração do delegado de polícia daquele município28. Não é rara a referência ao auxílio policial para a requisição das obras nas casas por onde passava. Sub-delegados e inspetores de polícia são figuras muito citadas nas incursões investigativas de Hugo Machado. Aliás, note-se que, pelo documento, o zelador assumia uma figura detetivesca que seguia pistas até encontrar as tão ambicionadas peças. A correspondência entre o zelador e o diretor do SPHAN era freqüente apesar das dificuldades de acesso ao Correio, que só existia em Santo Ângelo. A intimidade da correspondência é dada pelo zelador, que não raro descreve para o diretor do SPHAN situações familiares, referindo-se a Rodrigo Melo como “chefe e amigo”29. Hugo entendia que as imagens dispersas pela região “deveriam pertencer” ao Museu das Missões30.

35As cartas do diretor do SPHAN, extremamente polidas, provavelmente não possuíam poder de convencimento junto aos proprietários injuriados e não faziam Hugo Machado dispensar o auxílio policial. São diversos os casos que se tornam “de polícia”. A construção da intriga, para utilizar uma expressão de Paul Ricoeur, fica mais enriquecida quando é possível conhecer personages cujas reações muito dificilmente seriam mencionados nos relatórios oficiais como, de fato, não foram.

36Numa entrevista de 1980, em quase todas as situações descritas o zelador utiliza-se da expressão “tirar” para se referir ao seu trabalho31. Hugo Machado não solicitava empréstimo ou doação das obras. Retirava arbitrariamente as peças de seus proprietários contemporâneos. Não há um só caso contado ao entrevistador em que Hugo Machado não utilize o verbo tirar para se referir ao seu método de coleta de peças. Não havia explicação, justificativa ou ponderação, mas a certeza de que aquela posse não era correta e que as peças deveriam ser colocadas na exposição do Museu das Missões. A ilegalidade imaginária desta posse, que parece indevida aos olhos do zelador, também se faz perceber por outra expressão utilizada para vários casos ao longo das entrevistas: Hugo encontra os santos a partir de uma “denúncia”.

37Denúncia pressupõe a ilegalidade. É bastante provável que, após as primeiras requisições, a população realmente omitisse a posse das esculturas, dado o vínculo devocional que possuíam com as peças herdadas pela família. Ainda assim, a denúncia descrita pelo zelador toma por pressuposto a inexistência de justificativa para as peças em posse de particulares, considerada inadequada, praticamente ilegal. Acionar o indivíduo da lei, o delegado ou oficial da polícia talvez fizesse ainda mais sentido ao método de Hugo Machado. Afora, evidentemente, que o desagrado dos proprietários lesados deveria ser coibido de alguma forma.

38É bastante provável que as lendas associadas à presença dos jesuítas na região viessem associadas em certos casos ao santo guardado pela família. São numerosas as histórias de ouro escondido nas ruínas e nos santos que pertenceram às reduções. A memória coletiva da comunidade onde Hugo Machado atuou estava fortemente ligada às lendas, mitos e causos que evocavam a história dos jesuítas. O que torna este aspecto ainda mais interessante é o fato de que esses relatos mantêm-se vivos na comunidade até hoje. Narrativas organizadas a partir das relevâncias do grupo, memória resultado de um trabalho de enquadramento, conforme a noção de Pollak (1989:9).

39As mudanças de valorização de determinados espaços na memória coletiva indicam bons caminhos para se pensar as possíveis ressignificações do patrimônio ao longo do tempo. Memória coletiva e memória histórica diferenciam-se sensivelmente no trabalho de Halbwachs (1990). Evidentemente que se diferenciam, também, por meio do discurso preservacionista do IPHAN e pelas imagens associadas pela memória coletiva aos remanescentes missioneiros. Conforme o autor, a expressão memória histórica seria inviável porque aproximaria dois termos que se excluiriam em mais de um ponto32.

40Hugo Machado se disfarçava sob a identidade de pagador de promessa para surpreender os proprietários e transportar para o Museu das Missões imagens que estavam nas famílias por anos33. Na mesma entrevista, quando questionado sobre a proveniência das imagens que requisitava, Hugo afirmou que as pessoas alegavam a permanência dos santos na família por motivos de herança34. Isto não era suficiente para dissuadir os firmes objetivos de Hugo Machado. Sua atuação em nome das imagens que ele acreditava que deveriam estar no Museu garantiu, por um lado, a possibilidade de preservação e tratamento de tais peças, ao mesmo tempo em que viabilizou o acesso público a tais esculturas35. Por outro, foi agente significativo da fragmentação da memória e tradição vinculadas à relação entre os santos e as pessoas devocionalmente ligadas a eles.

41As orientações do patrimônio36 somavam-se com as aventuras nas localidades e as lendas e fantasmagorias ligadas às ruínas. Carlos Machado, seu filho, narrou episódios onde Hugo aparece sobre outro prisma. Segundo ele, eram vários os visitantes que acampavam na praça, em frente à igreja. Mais de uma vez, Hugo Machado escondeu-se no cemitério, à noite, para assustar os turistas mais crédulos, divertindo-se muito com isto. Hugo Machado habitava definitivamente aquele espaço, era o dono da casa, por assim dizer, onde recepcionava e brincava com as visitas37.

42A devoção aos santos causava estranheza ao zelador: “... é engraçado como esse pessoal, eles é... tinham fé na imagem mesmo né. (...) Essa Santa Soledade, diz que a velha morreu de sentimento a velha Justina. (...) Vivia desta santa [silêncio]”38. Esse caso refere-se à cabeça de Nossa Senhora da Soledade, que Hugo Machado havia “tirado de uma velha da Restinga Seca”39. Ao que tudo indica, a referida Justina vivia da santa devido ao seu poder milagreiro40. Essa devoção fica ainda mais evidente numa entrevista gravada em vídeo na qual o antropólogo José Otávio Catafesto e o arquiteto Vladimir Stello entrevistam Carlos Machado sobre os trabalhos de zeladoria. Ao comentar sobre o processo de recolhimento dos santos aos Museu, Carlos conta que durante muito tempo as pessoas da região continuaram a orar para os santos de sua devoção, levando velas para serem acesas dentro do Museu, utilizadas por Hugo para iluminar a escuridão das noites de São Miguel41.  

43A reação à coleta de Hugo foi, na maioria das vezes, furiosa. O trecho a seguir revela uma situação tragicômica vivida pelo investigador miguelino:

44JHM – Então tirei estas imagens daquelas velhas de Bossoroca, não quiseram me entregar, facilitei muito tempo, e no fim... quebraram três imagens, e me rogaram tanta praga me diziam que ... eu saí num caminhão com o, o, 29, 27 nem 29, com um caminhão 27, e elas me rogaram praga disseram: - Pega fogo esta porquera de vocês, tomara que pega fogo e queima. Pois olha, saímos um pedaço, bem na frente da casa numa subida, não é que pega fogo mesmo no cano de gasolina, o Bentinho Azambuja, o finado já meteu a mão ali se queimou ainda [inaudível] a primeira coisa olhei para estas velhas...

45DL – [risos]

46JHM – Vou ter que matar estas velhas agora. Mas sorte que apagamos o, o, caminhão...

47DL – O Fogo.

48JHM – O fogo, se não tinha ido. Ah, essa praga me rogaram, muita praga, barbaridade, [inaudível], começaram moças me destratar, só não me chamaram de santo, mas de resto tudo, por que eu não era santo, mas se não, de ladrão de tudo42.

49Em quase todos os casos, ação e reação são violentas.  Depois de retirados das localidades, os santos sofreram um processo de relocação simbólica, passando de imagens de culto para objetos museológicos. Se esse processo não foi imediato e muito menos experimentado pelos moradores da região de São Miguel, a pesquisa etnográfica indica que ainda permanece na memória coletiva o trauma resultante da ação do IPHAN sobre a comunidade43. A religiosidade, que por algum tempo motivou a manutenção da ida de fiéis ao Museu para acender velas, foi se tornando cada vez mais escassa, até que perdurasse na memória apenas a ação passada. Os laços de pertencimento que compunham a memória coletiva foram sendo progressivamente alterados, até que o sustentáculo material que dava suporte à devoção se tornou um lugar para os milhares de visitantes que se deslocam para ver as ruínas de São Miguel.

50A intenção aqui não é a de caracterizar negativamente a ação de Hugo Machado. Como já foi dito, seu trabalho possibilitou a salvaguarda de um acervo numeroso, exposto ao público e integrado aos remanescentes que foram reconhecidos como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO em 1983. O que se mostra relevante é o trânsito que o zelador possuiu nos quadros sociais da memória dos habitantes do então distrito de São Miguel, tomando por base a definição de Halbwachs. Hugo Machado vive, mas principalmente atua, numa comunidade emocional. Se a memória coletiva, segundo Halbwachs (1990), é uma corrente de pensamento contínuo, retendo do passado somente aquilo que está “vivo”, Hugo atuou num campo híbrido, característica intrínseca à memória, e bastante específico.  

51Hugo Machado vincula-se ao campo da memória de diferentes maneiras. Atuou no campo da memória coletiva incidindo sobre a rede de significações que envolvia os santos missioneiros reapropriados. Agiu com vistas ao preenchimento de lacunas na coleção/narrativa do Museu das Missões, participando da reordenação espacial e discursiva empreendida por Lucio Costa. Hugo vasculhou as casas da região orientado pelos critérios formais do SPHAN. Atuou em nome do patrimônio nacional, participando da formação narrativa da História. Se a posse dos santos era desconhecida por grande parte dos interessados pelo patrimônio na época, porque integrada nas casas de forma devocional e não preservacionista, foi com ação do zelador que esse silêncio foi rompido e transformado em episódio da memória coletiva.

52Hugo Machado situou-se entre a História e a Memória. Agiu no espectro da História ao vincular-se à operação de reordenação dos fragmentos numa estrutura inteligível e ao estar dentro do Museu. Por outro lado, atuou sobre a Memória ao aproveitar-se da devoção para entrar e requisitar santos em casas alheias. Hugo buscou parte dos traços/vestígios que dariam sentido ao discurso/espaço ordenado que Lucio Costa propôs. Buscou o original, o da época, por assim dizer, buscou o vestígio histórico em cada casa, em cada capela, em cada igreja que lhe foi possível alcançar. Investigador que seguia pistas. Nisso parecia ter, além de dedicação extrema, certo prazer pessoal. Estes vestígios, mais do que nunca, podem ser compreendidos como rastros da ação de Hugo Machado e a reação da comunidade local. Imagens sagradas que estavam integradas aos sentimentos de filiação e, ao mesmo tempo, passaram a ser agentes de um discurso organizado, personificado pela figura do Museu das Missões.

53A História, diz Halbwachs, começa onde acaba a tradição. No caso das devoções, entretanto, essa tradição prospera, ainda que por um período de tempo relativo, dentro da intenção máxima de História, que é o sítio/intérprete pensado por Lucio Costa. Tanto uma quanto a outra precisam ocupar lugares socialmente convincentes. História mais que Memória, dado que esta última ocupa um lugar de fato. Em sua entrevista, quase quarenta anos depois dos episódios apresentados, Hugo Machado também faz uso dos quadros sociais de memória ao compor uma moldura condensada de lembranças. Provavelmente, também recordou e esqueceu a partir de relevâncias aleatórias. Com ponto de vista claro e objetivo, buscou e definiu o histórico no campo da memória, operando a relocação simbólica da devoção para o espaço musealizado.

54O arquiteto, por meio de uma série de proposições, organizou leituras espaciais sobre os remanescentes e teve uma preocupação central: dar aos visitantes uma impressão aproximada do que haviam sido as reduções jesuíticas dos Guarani. Lucio Costa agiu como intérprete do espaço e, reordenando-o, ultrapassou qualquer função puramente arquitetônica. As impressões que Lucio Costa dá sobre Missões são tridimensionais, são reconexões simbólicas entre os espaços, não reconstruções materiais. No sítio, os remanescentes só fazem sentido quando associados uns aos outros. Sua intenção não foi a de mostrar a redução tal qual era no século XVIII, mas proporcionar impressões e sugerir imagens sobre ela. O Sítio de São Miguel Arcanjo, com as ruínas e o Museu das Missões, torna-se lugar de diálogos entre tempos num mesmo espaço.  Diálogo este orquestrado pelas interpretações de Lucio Costa. Hugo Machado, por sua vez, foi agente contumaz do SPHAN na região missioneira. A diferença do zelador em relação ao arquiteto situa-se exatamente no trânsito que realizou no campo da Memória coletiva da comunidade onde atuou. O zelador tocou em relações devocionais profundas, dado que os santos estavam sob a posse de particulares por meio de herança, integravam as histórias de vida. Hugo estranhava a fé que as pessoas tinham nos santos. Acreditava que as esculturas deveriam pertencer ao Museu das Missões, invariavelmente. Essa dupla perspectiva, fé e patrimonialização, vai ao encontro da contradição entre História e Memória. Ao deslocar o santo de sua esfera simbólica, seu lugar de devoção, para uma estrutura patrimonializada, que lhe expõe como objeto antigo, Hugo foi o operador de um câmbio significativo de conceito44. Talvez a afirmação de Pierre Nora (1993), quando comenta sobre a relação direta entre a inexistência de memórias e a decorrente necessidade de lhe consagrar lugares, seja relativizada no caso da apropriação dos santos missioneiros para o SPHAN.

55Os dois personagens foram aqui tanto objetos de estudo como meio para o debate de questões que buscaram estabelecer proximidades entre a História, enquanto disciplina das Ciências Humanas, a Memória, enquanto categoria de estudo sobre a coletividade, e o patrimônio cultural. Este último, particularizado pelos remanescentes de São Miguel Arcanjo e pelo Museu das Missões, foi base para toda a argumentação. A tentativa de relacionar tais campos, cujos resultados foram apresentados numa dissertação, permanece inconclusa. Isto porque, além da evidência de que este trabalho não é (e nem pretende ser) definitivo, trata de relações sempre passíveis de câmbio. Relações do homem presente com tempos passados.

Haut de page

Bibliographie

Referências bibliográficas

Catroga, Fernando. Memória, história e historiografia. Coimbra: Quarteto, 2001.

Cavalcanti, Lauro. Modernistas na repartição. Rio de Janeiro: UFRJ/Minc/IPHAN, 2000.

Chartier, Roger. A história cultural. Lisboa: Difel, 1990.

Costa, Lucio. Lucio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.

Costa, Lygia Martins. De museologia, arte e políticas de patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2002.

Fonseca, Maria Cecília Londres da. Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/IPHAN, 1997.

Geertz, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

Gonçalves, José Reginaldo Santos. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ;IPHAN, 1996.

Halbwachs, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Diefel, 1990.

Lewgoy, Bernardo. A invenção de um patrimônio: um estudo sobre as repercussões sociais do processo de tombamento e preservação de 48 casas em Antônio Prado/RS. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992.

Martins, Estevão. Historiografia contemporânea: um ensaio de tipologia comparativa. Varia Historia, n. 27, julho, 2002.

Miceli, Sérgio. SPHAN: refrigério da cultura oficial. Revista do Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 22, p. 108-122, 1987.

Nora, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n.10, p. 7-28, 1993.

Pessôa, José (Org.). Lucio Costa: documentos de trabalho. Rio de Janeiro: IPHAN, 2004.

Pollak, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989.

Ricoeur, Paul. Tempo e narrativa (tomo 1). Campinas: Papirus, 1994.

 _____________. Tempo e narrativa (tomo 3). Campinas: Papirus, 1994.

_____________. Arquitetura e Narratividade. Urbanisme, Paris, n. 303, p 44-51, 1998.

Silveira, Flávio Leonel Abreu da. As paisagens fantásticas e o barroquismo das imagens. Estudo da memória coletiva de contadores de causos da região missioneira do Rio Grande do Sul. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFRGS, Porto Alegre, 2004.

Veyne, Paul. Como se escreve a história; Foucault revoluciona a história. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

Wisnik, Guilherme (Org.). O risco: Lucio Costa e a utopia moderna. Depoimentos do filme de Geraldo Mota Filho. Rio de Janeiro: Bang Bang Filmes, 2003.

Haut de page

Notes

1 Patrimônio cultural pode ser compreendido como o conjunto de bens móveis e imóveis reconhecidos e protegidos por meio de instrumentos legais que, no caso do Brasil, correspondem ao tombamento em nível federal, estadual ou municipal. Esta definição, em sentido estrito, pode significar a incorporação de um discurso orientado numa perspectiva elitista, que possui como pressuposto a eleição de exemplares “nobres”, dignos de reconhecimento merecidamente oficial. Segundo Sérgio Miceli, ao observar-se as listas de bens tombados pelo IPHAN, é possível dar-se conta que estavam representadas todas as frações da classe dirigente brasileira, em diversos ramos (Miceli, 1987:44). Essa perspectiva, portanto, aponta para uma eleição restrita, norteada por interesses de classe. Tal afirmativa, ainda que dotada de certa razão, pode ser desdobrada em outras considerações, buscando ultrapassar a perspectiva que aponta para a constituição do patrimônio unicamente como uma ação arbitrária do Estado.
2A fundação das primeiras reduções por jesuítas vinculava-se a interesses da Coroa Espanhola, relacionados à pacificação dos ameríndios e ocupariam as fronteiras platinas, e da Igreja Católica, que poderia catequizar povos considerados infiéis. A Companhia de Jesus, fundada por Inácio de Loyola em 1534, teve importante função nesse processo. As reduções eram aldeamentos que contavam com uma igreja, moradias, colégio e oficinas, além de cemitério, estâncias e ervais. Tinham em média três mil indígenas, orientados por dois jesuítas e por caciques.  A população reducional era formada por diferentes grupos indígenas, dentre os quais destacam-se os Guarani. Por volta de 1626, teve início a ocupação do atual Rio Grande do Sul, com a fundação de reduções na área conhecida como Tape. Constantes ataques bandeirantes motivaram a mudança das reduções para a margem oriental do rio Uruguai. A partir de 1682, os jesuítas retornaram ao atual Rio Grande do Sul, fundando as reduções de São Borja (1682), São Nicolau (1687), São Miguel Arcanjo (1687), São Luís Gonzaga (1687), São Lourenço Mártir (1690), São João Batista (1697) e Santo Ângelo Custódio (1706), posteriormente conhecidas como Sete Povos das Missões. São os remanescentes da arquitetura deste período que foram tombados pelo governo federal em 1938. As esculturas de madeira que faziam parte principalmente das igrejas e haviam escapado a saques e incêndios foram sendo apropriadas pela população local, dando origem à propriedade particular dos santos missioneiros.  
3 Os Livros de Tombo do IPHAN são: Histórico, Belas Artes, Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico e Artes Aplicadas.
4 Para um estudo minucioso sobre a trajetória da política de preservação no Brasil ver Maria Cecília Londres da Fonseca (1997).
5 Já em 1936 o SPHAN começou a funcionar informalmente. Em 24 de março de 1936, Mário de Andrade divulgaria o anteprojeto para a criação do Serviço do Patrimônio Artístico Nacional, recentemente publicado em Cavalcanti (2000:37-52).
6 Entendido como o resultado do processo de seleção para proteção legal efetivado pelas instâncias públicas municipais, estaduais e federais. Isso não significa que sejam ignorados ou desmerecidos os processos seletivos de proteção empreendidos sem a participação do poder público, mas resulta de uma escolha arbitrária para estudo, dado o objeto central do trabalho.
7 Narrar o passado é a chave da operação historiográfica, operação fundamental, nas palavras do autor, da consciência histórica. Assim, a narrativa “...é concebida como síntese significante, estruturada e estruturante das evidências empíricas que são reunidas pela pesquisa, articuladas pela interpretação, sustentadas pela argumentação e enunciadas pela narrativa, que as insere no contexto mais amplo do presente prático em que se situam autor e interlocutor” (Martins, 2002:18-20).É necessário, antes de tudo, que os elementos sugeridos encontrem lugar na memória/identidade dos grupos. Antes disso, aliás, evidentemente é necessário que tal produção de conhecimento entre em contato com o público. O patrimônio cultural, nesse sentido, é locus privilegiado para tal disseminação. Fato que anima e ao mesmo tempo preocupa, dada a relação pouco exercida entre historiadores e o campo do patrimônio cultural. Seja como for, a referida apropriação, evidentemente, dá-se na medida em que tais referências históricas fazem sentido e desempenham um papel definido na lógica daqueles que objetivam incorporá-las no seu repertório de dados culturais.
8 Esse relatório foi qualificado por Rodrigo Melo como “memorável” (Andrade, 1987:158) e mencionado por Lygia Martins Costa como motivador de uma mudança no pensamento do diretor do SPHAN sobre os museus (Costa, 2002:80).
9 Durante muito tempo a preservação de bens culturais foi realizada somente no nível federal. Ao longo do trabalho, muitas vezes foi citada a necessidade de que instâncias estaduais e municipais também atuassem na preservação de seu patrimônio cultural, o que ocorreu de forma efetiva somente a partir da década de 1970 (Pessôa: 2004, p. 17).
10 Escritor gaúcho, contemporâneo de Mário Quintana e Carlos Dante de Moraes, foi diretor da Biblioteca Pública do Estado durante o período em que também atuou como representante da 7ª região do SPHAN, que compreendia os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com sede em Porto Alegre. A atuação de Meyer foi marcante não somente ao inventariar bens de todo o Estado, como também porque foi dele o critério de tempo a ser limite para a seleção dos bens. Segundo carta de 4 de junho de 1937, Rodrigo afirmou ter achado excelente “...criterio que o senhor adoptou para esse effeito, limitando o inventario ás obras edificadas no período comprehendido entre as missões jesuiticas e a revolução dos Farrapos”.  A definição, aliás, baseava-se em eventos históricos marcantes: missões, como o mito fundador do Rio Grande do Sul, e a Revolução Farroupilha.  Distante de estilos arquitetônicos, Augusto Meyer se orientava pelos limites de acontecimentos históricos.Carta de Rodrigo Melo Franco de Andrade a Augusto Meyer. 4 de junho de 1937. Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa. Rio de Janeiro/RJ.
11Rodrigo indaga sobre outros possíveis remanescentes além de São Miguel. Carta de Rodrigo Melo Franco de Andrade a Augusto Meyer. 26 de maio de 1937. Arquivo da Fundação Casa de Rui Barbosa. Rio de Janeiro/RJ.
12 Para que o tempo não apague um grande capitulo da historia colonial riograndense... Correio do Povo, Porto Alegre, 4 agosto 1938. [s.p.]
13 O distanciamento dos objetos no tempo e espaço transforma-os em objetos de desejo. Quanto mais antigo, mais desejado. É a distância do que eles significam que os torna mais interessantes e cobiçados, seja porque ligam o observador ao passado, à cultura popular, ao autêntico ou ao exótico.
14 Se tudo indica o patrimônio tombado como exemplo disso, Catroga os denuncia como versão de uma perspectiva “fria”, típica de leituras patrimoniais e museológicas (Catroga, 2001:25).
15 Para o autor, a cultura “...denota um padrão de significados transmitido historicamente, incorporado em símbolos, um sistema de concepções herdadas expressas em formas simbólicas por meio das quais os homens se comunicam, perpetuam e desenvolvem seu conhecimento e suas atividades em relação à vida” (1989:103). No que se refere ao símbolo “...ele é usado para qualquer objeto, ato, acontecimento, qualidade ou relação que serve como vínculo a uma concepção – a concepção é o ‘significado’ do símbolo...” (Geertz, 1989:105). As apropriações do patrimônio parecem estar diretamente ligadas a esse sistema.
16 Os critérios de intervenção arquitetônica tomam como base a marca distintiva entre o que é original e o que foi realizado em épocas posteriores. A intervenção descontextualizada assemelha-se, para os arquitetos restauradores, à execução de uma partitura de Mozart na qual faltam algumas notas apagadas no original. Colocar elementos descontextualizados seria como colocar notas à revelia na partitura clássica. Ao mesmo tempo, o novo deve indicar sua condição sem ficar dissonante da totalidade da obra.
17 Somo essa afirmação à definição de Chartier (1990) sobre representação, entendida como a presentificação da ausência.
18 “...adotarei (...) a distinção entre representar, no sentido de estar no lugar (...) de algo, e representar-se, no sentido de forjar uma imagem mantel de algo exterior ausente(...). O rastro, com efeito, na medida em que é deixado pelo passado, vale como ele: o rastro exerce para com ele uma função de lugar-tenência, de representância” (Ricoeur, 1994: 243, C).
19 Guilherme Wisnik chama a atenção para a atuação urbanística da edificação. Para Wisnik “...o edifício supera sua dimensão unitária e transforma-se em um projeto de urbanização” (Wisnik, 2004:196).
20 No relatório para o Ministro Capanema consta um agradecimento a Aurélio Porto e Sérgio Buarque de Holanda pela “elaboração dos resumos históricos destinados a esclarecer a origem das peças recolhidas”. Relatório de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Gustavo Capanema. Rio de Janeiro, 20 de outubro de 1941. Acervo do Museu Getúlio Vargas, São Borja, RS.Para a época, a participação de Aurélio Porto qualifica o trabalho, mas não chega a surpreender tratando-se do tema Missões. A participação de Sérgio Buarque de Holanda, no entanto, é uma informação extremamente interessante. Em 1936, portanto em ano bastante próximo, foi lançado o célebre “Raízes do Brasil”, livro que colocou Sérgio Buarque no grupo dos “intérpretes do Brasil”, como ficaram conhecidos, além dele, Gilberto Freyre, com a obra “Casa Grande e Senzala”, e Caio Prado Júnior, com “Formação do Brasil Contemporâneo”.  Sérgio Buarque de Holanda estava então plenamente envolvido na discussão sobre o que constituiria, de fato, o Brasil e os brasileiros.  Não foram encontradas referências ao seu trabalho no Museu das Missões, além do referido relatório. No arquivo da Unicamp, tampouco. A única menção a sua ligação com museus no Brasil foi referente ao Museu Paulista, com o qual esteve envolvido. Dos textos presentes no Museu das Missões, só restaram algumas imagens de painéis. Este teria sido o primeiro (e único) trabalho de Sérgio Buarque na Região Sul.
21 Entrevista concedida por Carlos Machado a Ruth M. Silva Ferreira, Ado Moraes, Aline Trindade e Willians Fausto.  Out 2006. Arquivo da 12ª Superintendência Regional do IPHAN. Porto Alegre/RS.
22 O trecho a seguir narra, além de códigos sociais singulares da localidade, a ação de Hugo nas obras de consolidação: “Aqui quando eu comecei a serviço, depois que eu comecei a desmanchar a torre, e quando não tinha peão para fazer andaime, tudo, tudo me ajudaram ninguém se recusou, mas tem um velho aqui que se interessava que fosse para os netos dele o emprego, então ele avisou o pedreiro aqui, um tal de Clóvis (inaudível),”o dia em que vocês vão começar a demolir essa torre, vocês não vão com o Hugo lá pra cima, por que ele vai morrer, mas que vai matar uns quantos no serviço, vai matar. É, tudo uns quantos peões me ajudaram a fazer os andaimes tudo, e não havia nada, e o dia que eu disse: - Bom vamos ver quem é que vai comigo lá em cima agora tirar pedra. Fizemos uma rampa muito comprida lá, mas a rampa logo terminou-se, arrebentou e tudo. Então depois eu largava pedra diferente né. E ninguém, lombo duro, lombo duro, e eu disse: - Escuta, o que é que há? Eu tinha bastante peão naquele tempo, um olhava para o outro, eu digo: - Há algum mistério aí com vocês... Eu despacho tudo e vou buscar peão em Santo Ângelo, viu . Aí diz um tal de Valdomiro pra mim: - Não o velho Schmidt, disse pro Clóvis [inaudível] pedreiro, que ninguém fosse lá pra cima comigo que eu ia morrer, mas que ia matar eles também. Digo: -Olha ver se não tem 5, 6 que vão comigo pra cima, podem ir embora, despacho tudo, podem ir receber o dinheiro de vocês aí no escritório eu vou buscar outros peões. Aí foram, e o pedreiro e tudo tão despachado...”. Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
23 Entrevista concedida por Carlos Machado a Ruth M. Silva Ferreira, Ado Moraes, Aline Trindade e Willians Fausto.  Out 2006. Arquivo da 12ª Superintendência Regional do IPHAN. Porto Alegre/RS.
24 Festa de 15 anos das meninas da família no alpendre do Museu e mutirão familiar para limpeza do Museu depois de ventania dão maior clareza à idéia de que aquele espaço, então museológico, fez parte da família Machado e integra, até hoje, muitas das histórias contadas por “seu” Carlos em rodas de chimarrão na frente da sua casa, muito próxima do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo.
25 Para que o tempo não apague um grande capitulo da historia colonial riograndense... Correio do Povo, Porto Alegre, 4 agosto 1938.
26 Conforme a definição de Silveira (2004).
27 A requisição consistia numa solicitação, por escrito, de doação bens imóveis de procedência missioneira que era apresentada aos proprietários.
28 Carta de João Hugo Machado para Rodrigo Melo Franco de Andrade. 4 de outubro de 1948. Arquivo Noronha Santos. Rio de Janeiro/RJ.
29 Carta de João Hugo Machado para Rodrigo Melo Franco de Andrade. 14 de maio de 1946. Arquivo Noronha Santos. Rio de Janeiro/RJ.
30 Carta de João Hugo Machado para Rodrigo Melo Franco de Andrade. 6 de fevereiro de 1950. Arquivo Noronha Santos. Rio de Janeiro/RJ.
31 “...este aqui tirei do velho Satri em Giruá. Brigou muito, não queria me entregar este santo também. Onde tive que voltar com a polícia pra requisitar ele”. Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
32 “A história, sem dúvida, é a compilação dos fatos que ocuparam o maior espaço na memória dos homens. Mas lidos em livros, ensinados e aprendidos nas escolas, os acontecimentos passados são escolhidos, aproximados e classificados conforme as necessidades ou regras que não se impunham aos círculos de homens que deles guardaram por muito tempo a lembrança viva. É porque geralmente a história começa somente no ponto onde acaba a tradição, momento em que se apaga ou se decompõe a memória social” (Halbwachs, 1990:80).
33 Outro caso semelhante, ocorrido em Porto Mauá: “E essa santa tirei de uma família de Porto Mauá. Então me denunciaram que tinha uma santa lá. Então eu fui de ônibus (...) eu ia até Santa Rosa de ônibus, mas depois eu fui, falei com o chofer se ele me esperava uns minutos, me disseram que a família morava perto da estrada. Olha não demorando muito não [frase dita pelo motorista do ônibus]. Digo, não, não, não eu só quero ir ver um negócio lá. E já vou embora. Mas não demorou 10 minutos, era pertinho da estrada. Então tinha bastante mulher sentada na frente. Cheguei e disse: Eu vim pagar uma promessa para um santo uma santa que a senhora tem aí, mas eu tenho pressa, o ônibus [inaudível]. Então, mostrando a santa, botei nas costas e vim embora”. Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
34 Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
35 Foram catalogadas 510 imagens religiosas de procedência missioneira pelo Inventário de Imaginária Missioneira, realizado no início da década de 1990 por meio de uma parceria entra a Fundação Nacional Pró-Memória e a Fundação Vitae. Desse total, a coleção do Museu das Missões representa aproximadamente uma quinta parte.
36 Existem documentos em que Rodrigo Melo chama a atenção de Hugo Machado sobre a possível existência de cupins no acervo, denunciada por certo visitante, ou indagando sobre uma fotografia em que parte das peças do acervo estava colocada no alpendre do Museu aleatoriamente. A esta repreensão o zelador responde desculpando-se e explicando que uma turista havia solicitado tal configuração para uma foto “especial”. Carta de João Hugo Machado para Rodrigo Melo Franco de Andrade. 4 de outubro de 1948. Arquivo Noronha Santos. Rio de Janeiro/RJ.
37 Interessante registrar a grande quantidade de pessoas da região que freqüentava o espaço das ruínas e conhecia o Museu. O primeiro livro de visitas, que registra o público entre 1940 e 1944, indica que mais de 70% das pessoas que deixaram sua assinatura eram de localidades bastante próximas de São Miguel. A visita às ruínas parecia ser um programa de final de semana...
38 Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
39 Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
40 Segundo a pesquisa de Flávio Silveira, em troca das bênçãos alcançadas, os devotos presenteavam a santa e, por conseguinte, Justina, com animais, alimentos e até mesmo terrenos (Silveira, 2004:412).
41 Entrevista de Carlos Machado a José Otávio Catafesto de Souza e Vladimir Fernando Stello. 1989. Arquivo da 12ª Superintendência Regional do IPHAN. Porto Alegre/RS.
42 Entrevista de João Hugo Machado a Danilo Lazzarotto. Março 1980. Arquivo do Museu Antropológico Diretor Pestana. Ijuí/RS.
43 A pesquisa de Flávio Silveira mostrou que as imagens observadas há pouco tempo no Museu por alguns habitantes foram descritas como muito modificadas em relação ao que seriam no tempo em que ainda estavam em casas e capelas comunitárias (2004:514).
44 Evidente que essa mudança aparentemente tão fria foi muito mais lenta na realidade experimentada por aqueles que a vivenciaram. Não é à toa que, por muito tempo, velas ainda eram oferecidas aos santos dentro das salas do Museu.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Leticia Bauer, « O arquiteto e o zelador:patrimônio cultural, História e Memória », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 15 mars 2007, consulté le 16 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/3807 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.3807

Haut de page

Auteur

Leticia Bauer

Historiadora e mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page