Navigation – Plan du site
Miriam de Souza Rossini, Maria Luiza Filippozzi Martini, Cláudia Musa Fay, Nádia Maria Weber Santos, Kátia Marcianiak, Charles Monteiro et Márcia Ramos de Oliveira

Sandra Jatahy Pesavento, Os sete pecados da capital, Porto Alegre, Brasil, Editora HUCITEC, 2008, 455 p.

[23/09/2009]

Texte intégral

Esclarecimentos

1Esta resenha é um trabalho coletivo. Seus autores foram colegas e colaboradores da inesquecível professora e historiadora gaúcha Sandra Jatahy Pesavento, com a qual todos nós tivemos a honra de compartilhar trabalho, pesquisa e variadas interlocuções no âmbito da História Cultural em mais de dez anos de percurso. Os nomes e um pequeno Curriculum de cada autor estão elencados no final da resenha.

2O pequeno texto que aparece depois desta, intitulado “Experiência de pesquisa sob a orientação da professora Sandra Jatahy Pesavento” foi redigido por uma ex-aluna (bolsista de Iniciação Científica) que acompanhou ‘passo a passo’ a pesquisa histórica realizada sobre os personagens do urbano da capital gaúcha, Porto Alegre do século XIX, pesquisa esta que originou este livro sobre os “sete pecados da capital”.

Sandra, historiadora : os sete crimes capitais de Porto Alegre

3No primeiro capítulo, Sandra Pesavento introduz o seu livro, Os sete pecados da capital (2008, Hucitec), contando da aventura de fazê-lo. Primeiro, em meio às muitas pesquisas que realizou sobre a cidade de Porto Alegre no século XIX, foi encontrando os rastros de mulheres pobres, marginalizadas em geral, acusadas de algum crime, mais ou menos grave, durante suas existências. Muitas destas histórias permaneceram vivas na memória popular ; outras ficaram esquecidas, registradas em jornais, livros, registros policiais.

4Os crimes de algumas dessas mulheres eram claros (roubos, assassinatos), mas e o de outras eram quais? Sedução? Bruxaria? Daí que o interesse em compreender o lado escuro e marginal da cidade a partir dessas personagens femininas que foram condenadas pela moral vigente na época tornou-se o mote da pesquisa da autora. Seriam os crimes da capital, e do feminino na capital. Melhor seria se fossem os sete crimes da capital, o que faria lembrar os sete crimes capitais.

5Assim, o próximo passo da pesquisadora foi encontrar estas sete figuras femininas condenadas no século XIX. A dona de bordel Crioula Fausta e a chefe de quadrilha Joana Eiras foram as primeiras a serem arroladas. Depois vieram a jovem prostituta Maria Degolada, nome de uma vila em Porto Alegre, e imigrante húngara Catarina Palse, ou Catarina Come Gente, como é ainda hoje apelidada. A personagem literária Chiquinha, que também nasceu de um caso policial famoso na época, tornou-se o quinto caso a ser analisado. A sexta história foi de Clementina, jovem seduzida por um padre, e a sétima foi Rosa Praia dos Santos, mulher acusada de feitiçaria e batuque.

6Todas pobres, todas marginalizadas, todas envolvidas por um mar de dizeres e maldizeres que acabou por encobrir os fatos e lançou sobre elas tantos outros discursos que o fato primeiro perdeu-se há muito. E é como detetive que a pesquisadora lança-se em busca não da verdade, pois esta é apenas mais um dos discursos sobre o passado, mas dos imaginários, das representações dessa cidade que se fazia urbana e moderna, mas que ainda vivia com seus traços de barbárie muito avivados.

7Por isso mesmo seu livro escreve-se na vertente da história cultural e de uma história cultural urbana, em que a cidade é mais do que o lócus onde os fatos se desenrolam. A cidade, para a autora, é o espaço onde diferentes imaginários, sobre si e sobre o outro, se entrecruzam. E é neste espaço onde a materialidade da vida se dá, que outro universo, o das representações e dos imaginários, também se descortina, cheio de medos, de desejos, de viganças. E também de pecados, reais e imaginários!

8No próximo capítulo, intitulado ‘Catarina Come Gente : lingüiça, sedução & imaginário’, a autora conta a história de Catarina Palse, uma das mais conhecidas da cidade de Porto Alegre. Solteira, amante de José Ramos, filho de imigrantes alemães, ela é acusada de ter sido cúmplice de Ramos em alguns casos de assassinato : três homens foram mortos e esquartejados e os restos foram encontrados na moradia do casal. Embora negasse ter participado dos crimes, Catarina afirmou para a política ter presenciado alguns dos esquartejamentos e, segundo testemunhas, ajudou a limpar o sangue da casa. Em meio a muitos fatos e relatos contraditórios divulgados pelos jornais da época, Catarina foi condenada mais pela memória popular (que a apelidou de Come Gente) do que pela justiça. Os rumores da época davam conta que Ramos, açougueiro, matava pessoas para fazer lingüiças, mas tais hipóteses só foram registradas em texto muitas décadas depois.

9É para desvendar o mistério em torno desse fato, que já gerou livros, filmes, que a pesquisadora Sandra Pesavento, e sua equipe de bolsistas, vai em busca de pistas que ajudem a descrever como o crime foi socialmente construído e partilhado na época. E para entendê-lo é preciso primeiro conhecer a sociedade porto-alegrense da década de 1860. São pinturas, esboços, mapas antigos, crônicas que reconstroem a cidade, trazendo de volta o balançar das árvores e o burburinho de pessoas que se amontoavam em poucas ruas e becos. Ricos e pobres. Imigrantes. Escravos libertos ou de ganho. Viajantes. Uma sociedade em constante mudança populacional, mas que ainda estranharia o fato de uma porta ficar fechada o dia todo, indicando que algo fora do comum (um crime?) ali ocorreu. É neste ambiente de mistério que a autora localiza sua personagem, e vai tecendo comentários, ao mesmo tempo em que traz à tona registros do passado. A Catarina que vamos conhecendo não én nenhum anjo, mas também não é nenhum demônio. É uma estrangeira, vivendo em situação “irregular” com outro estrangeiro, e que é envolvida (ou deixa-se envolver?) num crime hediondo, do qual tenta safar-se o tempo todo, incriminando seu amante. As contradições do humano em situações limites estão lá presentes na história dessa mulher, mas como essas contradições são interpretadas por uma sociedade que de antemão já a condenou? E como essas contradições serão reinterpretadas nos anos posteriores ao crime?

10A história de Catarina Palse é uma dessas histórias em que a memória social sobre o fato, aliada a uma série de preconceitos sobre o feminino, tornará a narrativa futura sobre ele muito mais cheia de mistérios e horrores do que os discursos produzidos na própria época do acontecido.

11No capítulo três, intitulado “Morrer de amor : Neco Chiquinha e a estrhycnina”, Sandra analisa o suicídio de Neco e Chiquinha, dentro de uma coleção de histórias semelhantes as deles. Ela, moça “decaída”. Ele, de boa família, recentemente assumira compromisso com moça de seu nível social. Mas ele amava Chiquinha. Grávida de cinco meses, partiu dela a idéia. Ela se suicidaria. Ele decidiu-se por segui-la. Roubou as doses da mortal estrhicnina, para os dois, numa farmácia. Escrevem cartas. Procuram interlocutores a quem confiar suas penas. Neco se arrepende e chega a procurar socorro.

12A pesquisa histórica revela inúmeras cartas de suicidas. Elas são registros de sensibilidade, essenciais para a história cultural, na procura de razões e sentimentos que qualificam a realidade. Assim as primeiras percepções sensoriais tornam-se sentimentos historicizados em contato com várias narrativas e personagens que atravessam o tempo, como Francesca da Rimini e Paolo Malatesta, Romeu e Julieta. A partir dessas e outras narrativas românticas e de um novo jornalismo em estilo folhetim, que leva o leitor a compartilhar a interioridade exposta dos suicidas, Sandra revela uma história de sensibilidades. Porto Alegre lê. Os anúncios do Correio do Povo indicam a preferência popular pelos autores românticos. A Dama das Camélias era um sucesso contínuo. Neco e Chiquinha, aliás, assistiram ao espetáculo antes de combinarem o ato suicida. Um novo jornalismo, inspirado no folhetim entrava na cadeia das sensibilidades. Um repórter entrevista Neco, agonizante, na farmácia onde buscara socorro. Sandra, a historiadora também está ali, atenta, ao tempo e a narrativa.

13O quarto capítulo chama-se “Na contramão da vida : o caso da crioula Fausta, o pássaro negro do Beco do Poço”. Muitas vezes ouvimos Sandra contar as peripécias da Crioula Fausta. O que nos encantava era ver os seus olhos brilharem cada vez que ela descobria uma nova pista desta misteriosa mulher. Foram anos remontando, tal como um detetive que investiga pistas, aqueles indícios que iam formando um verdadeiro quebra-cabeça. Sandra foi cruzando, juntando as linhas e, tecendo a narrativa que reconstrói a vida de Anna Fausta Marçal ou a Crioula Fausta, dona de um bordel na cidade. Fausta viveu em Porto Alegre no final do século XIX. A historiadora percorre o labirinto do espaço urbano e mostra que sua personagem representava o lado perverso da condição feminina que desafiava e ameaçava a moral da cidade. Num dado momento, em que a História e a Literatura se cruzam, ela nos indaga : Verdade ou ficção? Fausta, simples dona de bordel, teria sua história esquecida não fosse a persistência da historiadora. Ela realizou minuciosa análise dos arquivos encontrando documentos da Santa Casa, do judiciário, dos jornais e até mesmo um folhetim publicado na época. A fascinante história desta mulher, que a cidade condenou por receber homens em sua casa, revela a moral hipócrita daquele período. Fausta que era bem relacionada alegou injustiça no inquérito. Porém, analfabeta, solteira e tendo o ofício de lavadeira acaba sendo condenada por contrariar os padrões de comportamento vigentes naquele momento. São motivações alegadas para que ela fosse processada, condenada e presa. Seu erro? Ser uma cafetina.

14Apesar de tudo, anos depois, o Bordel da Fausta, mesmo com ela na prisão, ainda permanecia aberto e em pleno funcionamento.

15No quinto capítulo, intitulado “O diabo na sacristia : o padre, a menina e a versão do fato”, tanto por legitimar a fonte literária, como por trazer à tona as moralidades de uma época passada, a historiadora re-dimensiona a história da sedução de uma menina de família praticante do catolicismo por um padre da Igreja. E, por certo, é mais um caso de “crimes e castigos” da provinciana cidade de Porto Alegre de 1896 – momento este em que vários outros episódios do livro estão inseridos. Fazendo uma não tão tênue comparação entre o ‘Crime do Padre Amaro’, de Eça de Queiroz, e a sedução da menor de 14 anos Clementina Simionatto pelo Vigário da Igreja das Dores, Bartholomeu Tiecher, a autora, uma vez mais, nos coloca frente a versões de fatos históricos verdadeiramente acontecidos na cidade. Porém, seja como “crítica feroz à Igreja e suas práticas”, seja pela “influência nefasta dos padres na vida das comunidades”, ou pela boataria surgida em Porto Alegre, ou mesmo pela dor dos pais que tiveram que lidar com esta situação familiar, o fato e suas versões agitaram a cidade, os jornais, as famílias católicas, as “mocinhas que freqüentavam o catecismo”. A autora, com sua peculiar maestria em historicizar as sensibilidades de uma época, joga com os vários relatos do fato e suas versões, mas afirma no fim do capítulo : “ ( ... ) a moral, no caso, submetia-se à prescrição da lei, estabelecendo as normas. Invertia-se a lógica, ficando o culpado inocente e o inocente culpado ... ”. Assim, mais uma vez nos deparamos com a noção de que as instituições poderosas como a Igreja Católica ou mesmo o Estado submetem a população, a sociedade, a suas regras. Atualmente, fatos como estes se tornaram constantes na mídia brasileira e do mundo todo, em seus mais variados detalhes – abusos de menores de idade, meninas e meninos, por religiosos, pais, familiares, traficantes de drogas ... Mas imaginem na ainda pequena Porto Alegre do final do século XIX, repleta de moralidades ... E Pesavento soube magistralmente dar conta deste imaginário em um texto eminentemente historiográfico.

16O sexto capítulo “Entre o fato e a lenda : Joanna Eiras, o poder & o crime que compensa” trata sobre uma mulher polêmica e intrigante, que viveu entre o limite do mundo do poder e da lei e o da contravenção, permanecendo na memória de alguns habitantes da cidade de Porto Alegre. A autora constrói a personagem perseguindo sua trajetória através dos crimes e contravenções deixados pelas marcas de historicidade, tais como os processos criminais, os códices policiais, os jornais, livros de batismos e óbitos, anais da Assembléia de Representantes do Estado do RS e os testemunhos orais de pessoas que a conheceram ou ouviram falar dela. Essas fontes trazem à tona a representação de Joanna Eiras como uma pessoa famigerada pela má fama, vingativa, que usufruindo de proteção política e policial era chefe de bando armado, acusada de feiticeira (tradicional arquétipo feminino) atuando como mandante em vários crimes e cometendo, ela própria, diversos outros. Todas essas práticas explicam a perturbação à ordem ocorrida a partir da década de 1880 até o final da década de 1920.

17Metodologicamente, a historiadora utiliza-se da comparação, justaposição e cruzamentos dessas fontes, revelando ao leitor os sentidos e as sensibilidades que permeavam aquela sociedade. A visualização do imaginário daquela época é alcançada pela ligação feita entre o estudo do micro (a personagem e suas práticas) com o macro : período final da escravidão, mudança de regime de governo, acontecimentos militares ligados ao estado do Rio Grande do Sul e a caracterização dos espaços sociais da cidade. Conclui-se que a abordagem da saga dessa personagem excepcional é um belo exemplo marcado pela alteridade em relação às mulheres daquela comunidade.

18Em “Maria Degolada : a moça que virou santa”, sétimo capítulo, Pesavento interpreta as várias versões de um assassinato passional (ou crime de amor?) ocorrido em Porto Alegre no verão de 1899. Uma cidade pequena com cerca de 73 mil habitantes e muito violenta, onde seus habitantes andavam armados (facas, navalhas etc.) e imbuídos de valores tradicionais de moralidade, honra e virilidade, que se confrontavam com novas práticas sociais modernas no contexto de um processo de modernização urbana influenciada pelos ecos da Belle Époque na cultura local. Maria Trenes, 21 anos, loira, dita alemã, pobre e “mulher de vida fácil” foi cruelmente degolada por seu amásio Bruno Soares Bicudo, 29 anos, tipo indiático, analfabeto e soldado do 1º. regimento da cavalaria da Brigada Militar. Após flagrante de infidelidade de Maria, o soldado Bruno teria puxado sua faca e a degolado diante de várias testemunhas : colegas soldados e suas “alegres” companheiras. A transgressão de Maria foi desafiar seu amásio, negar-se a cumprir um papel submisso, ao escolher ter relações sexuais com outro homem em alegre piquenique acompanhado de churrasco e regado a cachaça a sombra de frondosa figueira no Arrarial da Glória. Sandra Pesavento através de uma pesquisa documental exaustiva e de sua rara sensibilidade para problematizar as narrativas jornalísticas e literárias interpretando as várias camadas temporais e a complexa trama de textual que sustentam a construção da memória coletiva sobre a origem do nome do bairro popular Vila Maria da Conceição ou Maria Degolada. Uma interpretação que parte do micro (de um crime passional e suas releituras no tempo) para compreender o macro (as transformações dos papéis das mulheres em uma nova cultura urbana moderna) no processo de transformação e modernização do espaço urbano de Porto Alegre ao longo do século XX.

19O sétimo pecado da capital, que consta no oitavo e último capítulo, intitulado “Feitiço negro em cidade branca : morte em família”, apresenta sob o manto das feitiçarias e mandingas, de origem negra do passado escravo, as contradições inerentes a sociedade de Porto Alegre ao findar o século XIX que se pretendia progressista, moderna e racional, aos moldes dos princípios republicanos de orientação positivista tão peculiar ao sul do Brasil. A multiplicidade de práticas e crenças religiosas associadas aos rituais de origem africana, incômoda presença na urbe que se pretendia herdeira da sociedade européia, cristã e científica, recolocando a temível questão da alteridade na virada do século : civilização ou barbárie? Batuques e candombes, benzeduras, quiromancia, entre tantas manifestações de ofertas de cura e crendices, que colocavam em alerta os cronistas dos jornais, as autoridades médicas e policiais, o poder público constituído em resposta a angústia e ansiedade das famílias de bem, desafiadas em sua conduta e norma por tais práticas. Negros feitiços que evocam personagens como o Príncipe Custódio, a quem as autoridades reverenciavam, a ciência do ocultismo do Doutor Sarak, que intrigou a elite intelectual com suas exibições, ou o curandeiro/charlatão/espírita (?) Norberto Nunes, ou ainda a infeliz e torturada Rosa Praia dos Santos, que perdeu o filho, a saúde e a vida. Expressões da tênue fronteira existente nos espaços da cidade e na ambivalência do ajuntamento de gente, entre negros, pardos e brancos na busca de solução e alívio para seus males.

Autores desta resenha (por ordem de capítulos)

20Capítulos 1 e 2 : Miriam de Souza Rossini, Doutora em História (UFRGS) e Mestre em Cinema (USP). Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação e do Departamento de Comunicação Social da Fabico-UFRGS. Pesquisadora do CNPq. Autora do livro Teixeirinha e o cinema gaúcho (Porto Alegre, Fumproarte, 1996) e de vários artigos sobre a relação cinema-história e sobre cinema brasileiro. E-mail : miriam[point]rossini[at]ufrgs[point]br

21Capítulo 3 : Maria Luiza Filippozzi Martini, Doutora em História (UFRGS). Professora do Departamento de História e do Pós-graduação em História da UFRGS. Autora de : Criatividade e História, entre ação e discurso. (Porto Alegre, Revista Anos 90, 2005) e organizadora da obra Assim nasceu a Rua da Praia (Porto Alegre, Tomo Editorial, 2001 - Prêmio Açoriano de Literatura Infanto-Juvenil). E-mail : lmfmartini[at]yahoo[point]com[point]br

22Capítulo 4 : Cláudia Musa Fay, Doutora em História (UFRGS) e Mestre em História (PUCRS). Graduada em História (PUCRS). Professora Adjunta do Programa de Pós Graduação em História e do Departamento de História da PUCRS. Autora do livro Congonhas entre a terra e os céus de São Paulo (São Paulo, Paz e Terra, 2008 - no prelo) e de vários artigos sobre a relação entre arte, tecnologia e história, enfocando questões sobre a aviação brasileira. E-mail : cmusafay[at]terra[point]com[point]br

23Capítulo 5 : Nádia Maria Weber Santos, Doutora e Mestre em História (UFRGS). Médica Psiquiatra. Pesquisadora EST/FAPERGS. Autora dos livros : Histórias de vidas ausentes : a tênue fronteira entre a saúde e a doença mental (Passo Fundo, Editora da UPF, 2005) ; Histórias de sensibilidades e narrativas da Loucura (Porto Alegre, Ed. da Universidade/ UFRGS, 2008). Autora de vários artigos sobre a relação história, loucura e literatura. E-mail : nmws[at]terra[point]com[point]br

24Capítulo 6 : Kátia Marcianiak, Licenciada em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPQ de 2002 a 2005. Prêmio Destaque no XVI Salão de Iniciação Científica da UFRGS, em 2004 com o título : Fausta, o pássaro negro e a incrível Joana Eiras, personagens do beco e dos arrabaldes da cidade de Porto Alegre (1884-1929). Participação na 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC, em 2005 com o título : Mulheres malditas, mulheres mal vistas : exclusão social em Porto Alegre, final do séc. XIX. E-mail : katia[point]marciniak[at]terra[point]com[point]br

25Capítulo 7 : Charles Monteiro, Doutor em História Social (PUCSP). Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em História e do Departamento de História da PUCRS. Autor dos livros : Porto Alegre e suas escritas : história e memórias da cidade (Porto Alegre, EDIPUCRS, 2006) e Porto Alegre : urbanização e modernidade (Porto Alegre, EDIPUCRS, 1995), entre outros arigos sobre imagem e cidade. E-mail : monteiro[at]pucrs[point]br.

26Capítulo 8 : Márcia Ramos de Oliveira, Doutora em História (UFRGS). Professora do Departamento de História e do Pós-graduação em História da UDESC. Coordenadora do Núcleo de Estudos Históricos (NEH) e do Laboratório de Imagem e Som (LIS). Autora de : Oralidade e canção : a música popular brasileira na história(In : Lopes, Antonio H. , Velloso, Mônica P. e Pesavento, Sandra J. /Orgs. História e linguagens : texto, imagem, oralidade e representações. Rio de Janeiro, 7letras, 2006) ; Batuque, samba e macumba nas palavras e pincéis de Cecília Meireles. In Nuevo Mundo Revues, 2006.)E-mail : marciaramos[at]cpovo[point]net ; ramos_de_oliveira[at]yahoo[point]com[point]br

Experiência de pesquisa sob orientação da profesora doutora Sandra Jatahy Pesavento. Depoimento de uma ex-aluna

  • 1  Kátia Barreto Marciniak, graduada em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Gra (...)

27Primeiramente devo dizer que relatar a minha participação em dois projetos de pesquisa da saudosa Profesora Sandra Pesavento é um trabalho de união de forças das musas Mnemósine, que traz toda a carga emotiva da rememoração desse período, e Clio, registrando esse fato para ser lembrado também por aqueles que não o vivenciaram1.

28Em meados de 2001, eu trabalhava na Pró-Reitoria de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, quando foi feita a proposta pela vice-pró-reitora para continuar a trabalhar na PROPG, e ao mesmo tempo, investir na minha vida acadêmica, trabalhando como voluntária em um projeto de pesquisa. Eu aceitei de pronto, e ela sugeriu e conversou com a Profesora. Sandra para verificar a possibilidade de eu integrar o grupo de pesquisa. A Profesora Sandra, sempre muito generosa, concordou, mesmo sem me conhecer.

29O projeto na época era “Cidadania e Exclusão : Porto Alegre (1890-1900)”. Ele já estava em andamento e faziam parte do grupo os colegas Valeska Garbinatto e Cristiano Telles. A primeira vez que conversei com a Profesora Sandra foi na primeira reunião do grupo que participei, em agosto daquele ano. As reuniões ocorriam sempre em seu apartamento e eram tão ricas e tão intensas que por mais que durassem, pareciam sempre curtas. Naquele momento, discutiam-se todas as informações até então levantadas da documentação e assim, decidíamos a quem caberia pesquisar determinada instituição e quais leituras deveriam ser feitas. O resultado da pesquisa era compartilhado via e-mail com todos do grupo. Este meio também servia para sermos orientados, quando não era possível nos reunirmos.

30As minhas pesquisas iniciais foram em acervos iconográficos na Fototeca Sioma Breitman – Museu Joaquim José Felizardo, no Centro de Documentação e Pesquisa do Hospital Santa Casa, na biblioteca do Solar dos Câmara (espaço cultural da Assembléia Legislativa do Estado) e no Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul. A segunda fase das pesquisas ocorreu na APERGS – Arquivo Público do Estado – onde pesquisamos os processos-crime dos sentenciados da Casa de Correção, com base no Relatório de Antropologia Criminal do Dr. Sebastião Leão. Essa pesquisa deu origem, dentre outros trabalhos, ao e-book : “Visões do Cárcere. Porto Alegre, JEWEB Editora Digital, 2003”.

31Em 2003, nós iniciamos as pesquisas para o projeto “Os sete pecados da capital – personagens, espaços e prática na contra-mão da ordem da cidade de Porto Alegre”. O grupo que realizou a pesquisa era formado pelos colegas : Nifertiti Krzeminski, Sinuê Necker Miguel e Ialê Menezes Leite Costa. Esse projeto foi “amor à primeira vista”, pois desde o início nos apaixonamos pela proposta e nos envolvemos tanto nela, que o assunto dos nossos encontros, fora dos habituais com a Profesora Sandra, era ficar conjeturando a respeito das personagens que povoavam as nossas mentes. Até hoje, quando converso com a amiga Nifertiti, ficamos a relembrar um e outro episódio das sete personagens e suas histórias extraordinárias.

32A minha busca pelas marcas do passado ocorreram, além das instituições já citadas, na Cúria Metropolitana, Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, Museu Dr. José Faibes Lubianca, Arquivo Histórico de Porto Alegre, Faculdade de Direito da UFRGS e nos Anais da Assembléia Legislativa do Estado do RS. As fontes pesquisadas foram pela Profesora Sandra muito bem trabalhadas, delineando um enredo cativante.

33A Profesora Sandra sempre nos incentivava a participar dos eventos que envolviam a iniciação científica e dava seu apoio técnico, como revisar texto, sugestões para melhorá-lo, indicações de leitura. Nesse sentido, em 2004, eu e Nifertiti ganhamos o prêmio Destaque no XVI Salão de Iniciação Científica da UFRGS com a apresentação do trabalho “Fausta, o pássaro negro e a incrível Joana Eiras, personagens do beco e dos arrabaldes da cidade de Porto Alegre (1884-1929)”. Por conta desse prêmio, fomos selecionadas pela universidade para apresentar em 2005 o trabalho “Mulheres malditas, mulheres mal vistas : exclusão social em Porto Alegre, final do séc. XIX”, na 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que se realizou em Fortaleza-CE.

34A partir de 2002, eu trabalhava com a Profesora Sandra já como bolsista PIBIC/CNPq, mas em 2005, após ser chamada para trabalhar em outra atividade, me desvinculei da bolsa. No entanto, continuei como voluntária, pois tinha fascinação pelo projeto e principalmente pela personagem Joanna Eiras, de quem tentava seguir os rastros. Quando próximo da conclusão desse projeto, em 2006, tive que, infelizmente, afastar-me da pesquisa.

35Considero maravilhosa a experiência de ter trabalhado com a Profesora Sandra Pesavento, historiadora que eu considerava completa, pois escrevia, palestrava e dava aula com excelente qualidade. Vou sempre lembrar com orgulho, prazer e satisfação desse período e tenho certeza, que meus colegas de bolsa e graduação têm o mesmo sentimento. Seus trabalhos ainda vão motivar muitos colegas a continuarem as pesquisas no âmbito da História Cultural, na história da cidade e por que não, na história de Porto Alegre.

Haut de page

Notes

1  Kátia Barreto Marciniak, graduada em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2005 e bolsista PIBIC – CNPQ do período de 2002 a 2005.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Miriam de Souza Rossini, Maria Luiza Filippozzi Martini, Cláudia Musa Fay, Nádia Maria Weber Santos, Kátia Marcianiak, Charles Monteiro et Márcia Ramos de Oliveira, « Sandra Jatahy Pesavento, Os sete pecados da capital, Porto Alegre, Brasil, Editora HUCITEC, 2008, 455 p. », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Comptes rendus et essais historiographiques, mis en ligne le 23 septembre 2009, consulté le 11 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/56988

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page