Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesDébats2007Migrações, migraciones. Dossiê co...Os exílios dos intelectuais brasi...

2007
Migrações, migraciones. Dossiê coordenado por Mônica Raisa Schpun

Os exílios dos intelectuais brasileiros e chilenos, na França, durante as ditaduras militares : uma história cruzada

Helenice Rodrigues da Silva

Résumés

Partindo de uma concepção de « história cruzada », esse texto propõe abordar o exílio dos intelectuais brasileiros e chilenos na França, durante as ditaduras militares. Para melhor apreender a complexidade dos processos interativos, procuramos ressaltar : os aportes da cultura francesa na formação desses intelectuais, o primeiro exílio dos brasileiros no Chile de Allende e as relações tecidas, ao longo desse tempo, entre os intelectuais latino-americanos e seus pares franceses. Se o exílio dos intelectuais chilenos, eminentemente político, resulta, na maioria dos casos, de uma expulsão do país natal, o dos brasileiros, em razão mesmo de circunstâncias menos dramáticas, revela-se de caráter voluntário. O estudo desses dois exílios, ao mesmo tempo distinto e complementar, permitiu o questionamento das noções de engajamento, de transculturação e de « pensamento do exílio ». Dolorosa experiência de perda, o exílio foi, concomitantemente, um fator preponderante de enriquecimento cultural.

Haut de page

Texte intégral

1Ruptura trágica mas, ao mesmo tempo, experiência de liberação, o exílio traduz, concomitantemente, desenraizamento e enriquecimento. Metáfora de deslocamento, essa experiência de migração, subtende a idéia de transferência cultural. Abandonando seu país, voluntariamente ou pela força, o « exilado », apesar dos traumatismos, tem a possibilidade de reconstruir sua existência fora do seu solo natal. Assim, não se pode conceber uma história do exílio sem se levar em conta sua dimensão de história transnacional. Fugindo das perseguições políticas e da censura sobre as atividades de pensamento, os intelectuais, vítimas (diretas ou indiretas) das ditaduras militares, abandonam seu país para viver uma etapa, considerada como transitória, no país do exílio.

2Com efeito, a migração dos latino-americanos na França, entre 1964 e 1979 é uma etapa constitutiva do movimento da esquerda francesa e européia, marcada pelo anti-americanismo e pela solidariedade em relação às vítimas da repressão política. Assim, o exílio dos latino-americanos resultou de condições históricas favoráveis permitindo intercâmbios culturais e políticos entre a França e o Terceiro Mundo. Enquanto produtora de idéias e propagadora de ideologias, a França exerceu junto aos intelectuais latino-americanos, formados no seio da cultura francesa, um papel de vanguarda, até a metade dos anos 1970. Ora, em busca de liberdade e de refúgio, os intelectuais perseguidos, ameaçados ou impossibilitados de exercer uma atividade do pensamento, escolhem o exílio como forma de resistência intelectual e política. Lugar de efervescência dos debates intelectual e político, a França se apresenta, nesse período, como um ponto de passagem obrigatório para a esquerda intelectual latino-americana.

3Desde o ano 1964, professores da Universidade de São Paulo são vítimas de violências e de perseguições (expulsão e aposentadorias antecipadas) sob o pretexto de exercerem atividades subversivas ou marxistas na universidade. A partir da radicalização do regime, em dezembro de 1968, uma nova onda de repressão e de controle nas universidades brasileiras precipita a partida de uma parte desses professores. Do mesmo modo, no Chile, após o golpe de estado de 11 de setembro de 1973, universidades são fechadas, a Junta destitui todos os antigos dirigentes e os substitui por militares. « (...) Desse modo, não existe lugar [no cone sul do continente] para o pensamento, em seu sentido mais ativo, crítico e criador »1. Essas medidas repressivas, consideradas um insulto à inteligência, despertam a solidariedade dos intelectuais franceses em relação a seus pares latino-americanos, vítimas das ditaduras militares.

4Acompanhado da síndrome de nomadismo, de perda e de sofrimento, o exílio, ao longo da história, traduz a idéia de expatriação, ou seja, de uma espécie de extirpação [do indivíduo] da terra natal, motivado, exclusivamente, por razões políticas. A rigor, essa carga emotiva inspirou toda uma literatura de exílio que o considera como uma forma de expatriação, como « um castigo imposto por aquele que comanda ou governa »2. Ora, se aprofundarmos melhor o nosso enfoque, constataremos que, se o exílio dos intelectuais, principalmente o dos brasileiros, foi um ato de revolta contra o poder, ele não deixou de ser uma escolha voluntária. Em relação a outros exílios latino-americanos, o exílio dos brasileiros constitui, portanto, uma singularidade. Na realidade, como veremos, são as ditaduras que explicam a natureza dos exílios.

5As circunstâncias políticas na América Latina determinaram, evidentemente, as particularidades desses dois exílios. Se a dimensão política representa a essência mesmo do exílio dos chilenos (o exílio, aliás, vai ocupar um papel fundamental na cultura chilena : cerca de 1 milhão de chilenos deixam o país durante a ditadura de Pinochet3), em contrapartida, o exílio dos intelectuais brasileiros – resultando de acontecimentos menos trágicos e contando com um número restrito de pessoas4 - não pode ser visto como um fenômeno, exclusivamente, de ordem política.

6Ora, toda experiência de exílio supõe uma dimensão existencial. À procura de um espaço para as atividades de pensamento e de espírito, os intelectuais, ameaçados pelos regimes políticos, fazem a experiência de uma outra identidade. Enquanto estrangeiros e enquanto desenraizados, os exilados representam uma figura de alteridade. Portadores de um outro olhar um tanto quanto defasado, « o que os permite de ver o que os outros não vêem », os intelectuais exilados (ou seja, essa « intelligentsia sem amarras »), têm o « privilégio », segundo a expressão de Georg Simmel, de viver na margem5. Por outro lado, Enzo Traverso em seu livro La pensée dispersée – figures de l’exil judéo-allemand6, qualifica essa experiência (de contato com uma outra cultura), de « privilégio epistemológico do exílio ». Inseridos sem realmente pertencer às instituições dos países de acolhida, os exilados têm a possibilidade de dialogar, permanentemente, com as duas culturas, a deles e a do país do exílio.

7Para uma melhor apreensão da noção de circulação de indivíduos e de idéias, intrínsecas ao estudo do exílio dos intelectuais, é necessário apreender as chamadas redes culturais. Desse modo, para além de uma história comparada, a abordagem desses dois exílios, por meio dos « cruzamentos culturais », nos pareceu melhor se adaptar à complexidade dos processos interativos. A noção de cruzamentos e de transferências culturais, presente nesse estudo, explica-se em razão mesmo da interpenetração dos modelos culturais da França (no Brasil e no Chile), da influência intelectual francesa junto aos intelectuais exilados, da referência comum (a cultura política da esquerda na França), do exílio dos intelectuais brasileiros no Chile, durante a Unidade Popular e da inserção desses últimos na vida intelectual chilena. Assim, tentamos compreender a particularidade desses dois exílios (forçado e/ou voluntário), observando os efeitos implícitos a esse fenômeno, tais como : os deslocamentos dos intelectuais entre os países de origem e o país de refúgio, os aportes da cultura francesa sobre a formação desses intelectuais (e vice-versa), assim como as interações tecidas, ao longo dos anos de 1960/1980, entre os intelectuais exilados e seus pares franceses.

As questões conceituais e metodológicas

8Se partirmos de uma análise da experiência individual dos exilados, constataremos a impossibilidade da adoção de uma definição à priori de categorias e de conceitos. Como bem demonstrou Ana Vasquez, em seus estudos sobre os exilados chilenos, os estudos empíricos acabam revelando a complexidade de situações, de acontecimentos e de experiências. Em todo « condicionamento cultural », constatamos contradições e conflitos. Segundo essa autora, « o indivíduo pode se dispor de espaços de liberdade, de possibilidades de escolha, mesmo que esses espaços sejam originários de nosso próprio campo cultural. Por isso pensamos que cada exilado construirá seu exílio e o ‘viverá’ de uma maneira pessoal e inédita »7.

9Experiência irredutível e singular, o exílio é, necessariamente, um fenômeno heterogêneo. Lugar de residência e fato mesmo de expatriação, o exílio é um fato político e cultural subjacente às noções de identidade e de transferência cultural. Ora, as situações observadas junto aos intelectuais brasileiros não corresponderam, na realidade, à nossa definição prévia de exílio na sua conotação de desterro, de expatriação e de interdição de retorno ao país de origem. Além dessa dificuldade8 de se partir de uma definição pré-estabelecida, a identificação da categoria de intelectual, nesse estudo, colocou problemas. As fronteiras entre o intelectual (no sentido francês do termo) e o militante político, entre o acadêmico e o estudante (em busca de um pós-doutorado) não são, muitas vezes, nítidas. Por razões metodológicas, fomos obrigados a operar classificações, sem dúvida parciais, mas necessárias à delimitação do objeto.

10No quadro desse estudo, definimos o exilado intelectual, a partir de dois modelos : primeiro, o produtor e o difusor do saber, já reconhecido em seu país de origem ; segundo, o estudante de pós-graduação, inscrito numa universidade francesa. O interesse por esses diplomas explica-se, por um lado, pela quase inexistência de mestrado e de doutorado nas universidades brasileiras, no final dos anos 1960, por outro lado, pela necessidade da obtenção desses títulos, como condição sine qu`à non para que os chilenos e os brasileiros continuassem a lecionar, em regime temporário, na universidade francesa.

11Se a maior parte dos intelectuais chilenos (universitários e estudantes de pós-graduação) já havia vivenciado uma experiência política no governo da Unidade Popular (exemplo : Armando Uribe, embaixador na China e Jacques Chonchol, ministro da agricultura no governo de Allende), os intelectuais brasileiros, na sua grande maioria, se distinguiam de seus pares chilenos por já possuírem uma certa notoriedade (exemplo : o economista Celso Furtado e o sociólogo Luciano Martins).

12Outra dificuldade encontrada nesse estudo diz respeito à natureza jurídica do chamado exilado. Como distinguir exilado de refugiado político ? Estabelecido pela Convenção de Genebra em 1951, o estatuto de refugiado na França torna-se objeto de certas restrições, sobretudo a partir de 19689. Ora, a expressão « exilados políticos » reveste uma diversidade de situações, tais como : refugiados políticos (detentores de um certificado específico), migrantes econômicos (detentores de um título de residência), estudantes estrangeiros (em geral, detentores de um título de residência), turistas. Acreditando na idéia de uma curta permanência no exterior, e não tendo a possibilidade de obter um título provisório de « residente estrangeiro », um número significativo de brasileiros vive na ilegalidade.

13Do ponto de vista jurídico, antes de 1973, a maior parte dos exilados prefere se inscrever na categoria de migrantes econômicos. O contexto econômico dos « Trinta Gloriosos » favorecia a demanda de um título provisório de residência que, nesse momento, permitia o exercício de uma atividade profissional. Já no final dos anos 1970, a maior parte desses « refugiados » latino-americanos, impossibilitados de exercerem uma atividade profissional (a França não concede mais o direito de trabalhar aos detentores desse título de residência, desde 1974), os exilados latino-americanos são obrigados a solicitar o estatuto de refugiados políticos. A grande maioria dos chilenos, residentes na França, usufruiu da condição de refugiados políticos10.

14Se, como já mencionamos, as circunstâncias históricas na América latina determinam as particularidades da « expatriação », o exílio dos intelectuais brasileiros não corresponde necessariamente à idéia de uma expulsão. Na maioria das vezes, ele é voluntário, resultando de uma interdição profissional e/ou de uma recusa em aceitar a repressão e os interditos. Essa situação particular de exílio inscreve-se em uma lógica individual ou familiar. « (...) Apesar da repressão, os intelectuais brasileiros de oposição preservam uma posição e uma visibilidade bem superior à dos seus pares latino-americanos confrontados a outras situações autoritárias »11.

15As fontes francesas sobre o exílio dos latino-americanos, vítimas dos regimes autoritários, nos pareceram insuficientes. Além da impossibilidade, pelo momento, de consultar os arquivos da polícia francesa (Ministère de l’Intérieur), os arquivos das embaixadas e consulados brasileiros e chilenos são inexistentes. Em razão da presença, na França, dos serviços de segurança nacional desses dois países, eles foram destruídos. Do mesmo modo, a inexistência de documentação nas instituições universitárias e culturais, tais como o Institut des Hautes Etudes de l’Amérique Latine, a Universidade de Paris VIII, a Maison de l’Amérique Latine, concernindo os anos 1960/70, nos levou a redirecionar a pesquisa, abrindo outros caminhos alternativos. Privilegiamos, então, os testemunhos dos intelectuais franceses, chilenos e brasileiros12, as publicações de esquerda, a produção intelectual dos exilados, assim como alguns programas institucionais concebidos juntamente pelos intelectuais franceses e seus pares chilenos. Por exemplo, o programa franco-chileno, elaborado pelo Collège International de Philosophie (e pela universidade de Paris VIII) teve por objetivo uma colaboração e um diálogo intensos com os filósofos chilenos, excluídos ou marginalizados de suas universidades13. Aliás, uma das razões mesmo da fundação do Collège foi a abertura de vias de cooperação com os filósofos, vítimas das ditaduras militares.

O cruzamento cultural no estudo do objeto 14

16Acentuando, sobretudo, as diferenças e, em um menor grau, as convergências, a abordagem comparatista tende a solidificar as identidades culturais nacionais, restringindo, assim, o conhecimento das formações culturais, constituídas historicamente. Reforçando uma identidade nacional (à qual pertence o pesquisador), o método comparatista visa a apreender grupos sociais em vez dos processos de transferências culturais, que se situam fora dos grupos observados15.

17Ora, o exílio respectivo dos intelectuais chilenos e brasileiros na França pode ser compreendido a partir da análise dos fenômenos culturais, supondo a idéia de conexão, de circulação e de transferência. Forma emblemática de transculturação, o exílio dos intelectuais na história do século XX, significando mobilidade de indivíduos e de idéias, revelou a importância das redes de interações culturais. Pensar o exílio dos intelectuais pressupõe, então, levar em conta as noções de circulação dos indivíduos (entre o país de origem e a terra de acolhida), de transculturação (uma segunda fase do exílio) e de transferências culturais (assimilação e transformações do pensamento e das idéias).

18Se a comparação, enquanto operação cognitiva, funciona segundo um princípio de oposição binária, implicando diferenças e similitudes, por sua vez, a problemática do cruzamento permite melhor apreender a complexidade das relações sociais, ou seja, os intercâmbios culturais, intelectuais e políticos estabelecidos entre os intelectuais brasileiros, chilenos e seus pares franceses.

19Partindo, portanto, dessa abordagem interativa, tentamos privilegiar instituições e redes culturais passíveis de favorecer os intercâmbios entre esses intelectuais. Aliás, os intelectuais revelaram ser o grupo que melhor demonstrou os efeitos da transculturação.

20No caso brasileiro, os intercâmbios culturais estabelecidos com a França datam, sobretudo, da fundação da Universidade de São Paulo, nos anos 1930, e da vinda de professores franceses a essa universidade. A partir dos anos 50/60, o intercâmbio é restabelecido entre os docentes da USP, que estudam em Paris, e seus ex-professores franceses : Lévi-Strauss, Fernand Braudel, Pierre Monbeig, Roger Bastide, Charles Morazé, Claude Lefort... Durante o período da ditadura militar, esses contatos vão abrir portas a alguns intelectuais brasileiros em universidades e em centros de pesquisa francesa. Da mesma maneira, um certo número de intelectuais franceses, por exemplo : François Châtelet, Jean-Toussaint Desanti, Alain Joxe, Alain Touraine, etc, que transitam pelas universidades chilenas, no momento da Unidade Popular, estabelece um diálogo com seus pares chilenos. Graças a essa rede de contato, os intelectuais chilenos, uma vez na França, terão acesso ao mercado de trabalho. Com efeito, o comitê de ajuda aos intelectuais refugiados, cujo presidente de honra foi Alain Touraine, teve, principalmente, por função buscar empregos para os professores e pesquisadores (brasileiros e chilenos), já renomados em seus países. Graças a essa mobilização por parte dos intelectuais franceses, uma parte dos exilados terá acesso a cargos (em princípio, de caráter provisório) no Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), no Institut des Hautes Etudes de l’Amérique Latine (IHEAL, Université de Paris III) e na Maison des Sciences de l’Homme. O apóio de Pierre Mombeig, diretor do IHEAL durante vários anos, foi decisivo para a contratação de professores latino-americanos nesse estabelecimento.

21A repressão na Universidade de São Paulo, no início de 1969, provoca uma onda de exílio em direção do Chile. A experiência socialista da Unidade Popular atraí, particularmente, os intelectuais brasileiros ávidos de liberdade e de cultura. Além do interesse pela política, o Chile propicia, a esses professores, condições de emprego em suas instituições de pesquisa e em universidades. A Universidade Católica do Chile, por exemplo, vai abrigar alguns profissionais brasileiros, vítimas da repressão. Durante os três anos de governo de Allende, esse país transforma-se em uma espécie de « melting pot » onde se misturam intelectuais latino-americanos, intelligentsia francesa, como também militantes de esquerda de diferentes partes do mundo.

22Do ponto de vista intelectual, o Chile, sede da CEPAL16, representou um lugar de passagem obrigatório para os economistas brasileiros, desde a sua criação em 1948. Participando ativamente dessa escola de pensamento econômico para o Terceiro Mundo, Celso Furtado transita, assiduamente, entre Paris e Santiago, enquanto que Fernando Henrique Cardoso, Francisco Wefort, Maria da Conceição Tavares permanecem, regularmente, nesse país, até setembro de 1973.

A repercussão do exílio dos chilenos na França/a discrição do exílio dos brasileiros

23Se o exílio dos chilenos, após o golpe de estado de Pinochet, despertou interesses políticos por parte da França, tornando-se um episódio da história da esquerda francesa, o exílio dos brasileiros, motivado por circunstâncias menos violentas e dramáticas, parece não ter marcado a memória coletiva francesa. Ora, a experiência socialista chilena serviu de inspiração direta ao Programa Comum da esquerda francesa, assinado entre os socialistas e os comunistas, em 1972. Assim, como bem afirma Ana Vasquez : « o projeto da Unidade Popular encarnado por Allende representava, de um certo modo, uma escolha e um sonho, plenamente compartilhado pela esquerda francesa, embora o golpe de estado de Pinochet tivesse sido ressentido como o final de seus próprios sonhos e projetos »17.

24A experiência socialista chilena, conquistando o poder por via democrática, exerce um grande interesse por parte da esquerda na França. O seu desmoronamento, através da violência e do terror, abala profundamente essa sociedade. Assim, os partidos políticos de esquerda, os sindicatos, as igrejas, as associações, as ONGs e as personalidades políticas e intelectuais, comovidos pelo fim da Unidade Popular, se mobilizam para acolher os refugiados chilenos. A imensa solidariedade em relação aos chilenos, na França e no estrangeiro, ultrapassa as clivagens políticas. « A questão chilena torna-se uma questão internacional. O combate pela justiça e pela liberdade, contra o fascismo e a oposição, processa-se aqui e lá [no Chile] », escreve a revista La pensée, em dezembro de 197318.

25Aproximadamente, 200 associações foram criadas para receber os exilados provenientes de Santiago e os comitês de solidariedade são constituídos (exemplos : « France Brésil », « France Amérique latine », entre tantos outros). Enquanto a ONG « France Terre d’Asile » acolhe os exilados chilenos, a CIMADE19 (« Comité intergouvernemental pour les migrations européennes ») encarrega-se da recepção aos brasileiros, vindos do Chile, muitas vezes, empregando-os no próprio comitê.

26Uma primeira vaga de exilados, vindos de Santiago, desembarca em Paris entre o mês de outubro de 1973 e o ano de 1974 ; entre esses primeiros « refugiados » encontram-se os brasileiros, exilados no Chile20. Uma segunda vaga chega na França em 1976 e, por fim, a última vaga ocorre no início dos anos 80.

27Dois grandes momentos marcam o exílio dos brasileiros na França : o primeiro, em 1964, é subseqüente ao golpe de estado militar, o segundo, em 1973, é uma conseqüência direta da queda de Allende no Chile. Nesse primeiro momento (de 1964 a 1969), recenseia-se, entre os exilados, um número restrito de políticos e de intelectuais renomados no Brasil (Celso Furtado, Luís Hildebrando Pereira da Silva, Roberto Salmeron21) ; num segundo momento, o exílio na França, constituído por estudantes, intelectuais e militantes políticos, substitui o « refúgio » do Chile.. Ora, comparado ao exílio dos chilenos, eminentemente político, o exílio dos brasileiros apresenta-se de forma heterogênea, multiforme e pouco apreensível.

28O Ato Institucional n. 522 ((institucionalização jurídica da ditadura, acompanhada por um cortejo de censura e de repressão) propicia a partida de estudantes em direção da França. Para esse segmento da camada intelectual, em geral, detentora de recursos materiais, essa « expatriação » é menos um ato político que uma vontade de liberação e de permissividade.

29Marcado ainda pela expansão econômica dos chamados « Trinta Gloriosos » (que se estende até o final de 1973), esse período favorece a livre circulação de pessoas, abrindo, portanto, espaços para o outro e/ou para a diferença. Impregnado pela herança revolucionária e pelo triunfo do paradigma marxista, o campo intelectual francês estimula, nesse momento, a mobilidade dos intelectuais e dos militantes políticos originários do Terceiro Mundo.

30É curioso constatar que, se, por um lado, a partir de 1969, os militares brasileiros impõem sanções elementares aos docentes das universidades (sobretudo aos da USP e da UnB), privando-os de suas cátedras, por outro lado, graças ao apóio de certos organismos governamentais e da Fundação Ford, cria-se, nesse início dos anos 70, centros de financiamento e de pesquisas em ciências sociais e em tecnologia, como o CNPq, o CEBRAP, o IUPRJ. Focalizando as análises nos problemas sociais, a atividade de pesquisa vai constituir uma alternativa de trabalho intelectual e político23.

31Concebido como temporário, o exílio se fundamenta na idéia de retorno. Obrigados a abandonar seus países, os exilados ressentem uma « ferida narcísea », sobretudo pelo fato de considerarem essa partida uma derrota individual e coletiva. Investidos, num primeiro momento, no papel de heróis, os exilados políticos vivem uma realidade, no mínimo esquizofrênica. Embora, fisicamente, eles se encontrem no estrangeiro, psicologicamente, eles permanecem em seus países de origem.

32No entanto, quando se trata de pensar o exílio latino-americano, a fronteira entre o político e o intelectual apresenta-se opaca. Como distinguir o intelectual do militante político, uma vez que, entre os primeiros preexiste a crença no engajamento político ? « Os latino-americanos exilados na França eram, na maioria, intelectuais e responsáveis de partidos políticos »24. Formados em uma cultura política da esquerda, uma parte dos exilados brasileiros, vindos do Chile, continua, na França, a militar na política. É o caso, por exemplo de alguns militantes do MIR (Movimiento de la Izquierda Revolucionaria). Impedidos, num primeiro tempo de deixar o país e, preferindo permanecer na clandestinidade, no Chile, os militantes do MIR são representados na França pelos brasileiros. Entre esses últimos, encontram-se, alguns intelectuais : Marco Aurélio Garcia, Eder e Emir Sader, entre outros.

33Somente com o passar dos tempos a ferida do exílio transforma-se em uma chance de vida. Mas, se os exilados chilenos, após longos anos fora do país, ultrapassam uma primeira fase do exílio, iniciando um processo de integração, os exilados brasileiros, em sua grande maioria, recusam o estágio de transculturação. Dotados de uma sólida « consciência nacional » (segundo Alain Touraine25), a quase totalidade dos exilados brasileiros, em razão mesmo da liberalização do regime, retorna ao país antes mesmo da anistia política de 1979.

Da fase provisória à etapa da integração

34O abandono da terra natal e o final das esperanças políticas transformam o exílio em um parêntese no tempo e no espaço. Ora, a enorme solidariedade em relação aos exilados chilenos teve, certamente, por efeito um abrandamento da « dor do exílio ». Investidos de uma nova identidade, os exilados vivem uma situação provisória. Se o distanciamento do país, imposto pela força, se traduz pela perspectiva de um retorno, a percepção do exílio, visto, inicialmente, como uma punição, evolui com o tempo.

35Em seus estudos sobre o exílio chileno, Ana Vasquez distingue três fases. A primeira é marcada pelo sentimento de derrota e de culpabilidade. Buscando um refúgio identitário, os exilados (apesar de suas diferenças políticas), fazem da luta contra a ditadura de Pinochet o denominador comum dos valores comunitários. Ora, a identidade coletiva se processa, sobretudo, por meio de manifestações culturais. A música andina26 representa, nessa primeira fase, um fator de identidade coletiva. Com o passar dos tempos, uma segunda fase, a da transculturação, ou seja, a de uma aceitação da realidade do país de refúgio, opera-se graças à participação dos exilados na vida social, profissional e cultural francesa. Sem renunciar à sua identidade nacional, os exilados fazem a aprendizagem dos códigos e dos valores de uma outra cultura. O prolongamento do exílio produz uma terceira fase que é marcada pelo « questionamento de si e do projeto coletivo inicial ». A grande maioria dos exilados, constituída pelos intelectuais e pelos dirigentes dos partidos de esquerda, compartilhou durante os anos 1970, um mesmo projeto de utopias revolucionário.

36A primeira etapa do exílio, a do agrupamento entre compatriotas e a da partilha de uma cultura nacional (muitas vezes idealizada), parece ter constituído a realidade da maior parte dos exilados brasileiros. Essa espécie de « acosmismo », vivido e admitido na época, transformou-se, com o tempo, em objeto de crítica por parte dos próprios exilados.

37Num primeiro momento, uma parte dos universitários chilenos, obtém cargos de « auxiliares » de ensino de espanhol nos departamentos de letras das universidades francesas. Embora precário, esse trabalho permitiu a muitos a conclusão dos estudos na universidade.

38A Universidade de Vincennes (Paris VIII) desempenhou um papel considerável na integração dos exilados vindos do Chile. Os departamentos de sociologia e de economia chegaram a criar cargos temporários, em tempo parcial, de auxiliar de ensino, com o objetivo de fornecer trabalho a esses exilados. Um certo número de brasileiros, como Ruy Fausto, Eder Sader, Marco Aurélio Garcia foram admitidos nesses departamentos. Ao lado das atividades acadêmicas, esses intelectuais se dedicavam à reflexão política. A Universidade de Paris X – Nanterre e Paris III – IHEAL – concederam, igualmente, cargos temporários a alguns universitários latino-americanos. Inseridos nessas instituições, sem realmente pertencer à universidade, os exilados puderam preservar uma margem de liberdade, importante para suas visões críticas e anti-conformistas da sociedade francesa e latino-americana. Durante essas duas décadas, esses exilados latino-americanos multiplicaram contatos com a esquerda européia, elaborando uma reflexão sobre as premissas marxistas e as realidades políticas e econômicas latino-americanas.

39As publicações sobre a América Latina florescem nas revistas de esquerda (Les Temps Modernes, Esprit, La Pensée, Cahiers de l’Amérique Latine27, etc) e as editoras (Anthropos, Cerf, Éditions Ouvrières, Maspero, Stock, entre outras) publicam, assiduamente, estudos sobre a realidade desse continente.

40Se as teorias da dependência merecem interesse por parte dos intelectuais franceses e dos estudantes latino-americanos, em grande maioria inscritos no IEDES (Universidade de Paris I - Panthéon - Sorbonne), os cursos de Althusser na École Normale Supérieure (rue d’Ulm), por sua parte, atraem o interesse de um público latino-americano mais intelectual.

Olhares cruzados entre a França e a América latina

41Na medida em que a ideologia terceiro-mundista impõe-se como mito revolucionário nos anos 1960, o olhar dos intelectuais franceses de esquerda se retorna em direção dos « condenados da terra »28. Os modelos latino-americanos – a revolução cubana, num primeiro momento, a Unidade Popular no Chile, em seguida – alimentam os ideais revolucionários da esquerda e da extrema esquerda francesa. Aliás, data dessa época, na França, o triunfo da literatura latino-americana, em geral, e do gênero « realismo mágico », em particular. « Certamente, se ela representa uma novidade dentro da literatura universal, pela sua técnica e conteúdo, essa literatura reflete e serve de instrumento sociológico às análises sobre as realidades da América Latina, tais como as ditaduras, as desigualdades sociais, a crença religiosa, a guerrilha, a repressão, os povos indígenas, o processos de urbanização »29.

42Além disso, desde a primeira metade do século XX, escritores latino-americanos haviam residido e escolhido a França como terra de asilo. Ora, a chegada dos exilados políticos, nos anos 1960/70, reforça o interesse dos intelectuais franceses pelo continente latino-americano. Após o golpe militar de 1964, intelectuais brasileiros, já reconhecidos em seu país, como o economista Celso Furtado e o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, fazem a experiência do exílio. O primeiro obterá a cátedra de economia na Faculdade de Direito e de Ciências Econômicas da Universidade de Paris I, o segundo será convidado para dar conferências e cursos no Collège de France e na Universidade de Paris X e transitará entre a França e o Chile.

43Durante esses anos de chumbo, a realidade da América Latina, portanto, desperta interesse por parte das publicações de esquerda que consagram análises diversas nas áreas da economia, da sociologia e da política. Ao lado dos autores franceses, universitários latino-americanos escrevem, regularmente, nas revistas Problèmes de l’Amérique Latine da Documentation Française e Amérique Latine et Tiers Monde do CETRAL, buscando analisar uma realidade pouco conhecida e pouco apreensível na França.

44Por outro lado, a revista de Sartre, Les Temps Modernes publica estudos aprofundados sobre o castrismo, a revolução na América Latina, o processo chileno, o subdesenvolvimento e a dependência e as repressões políticas. A luta contra a tortura nas prisões brasileiras faz dessa revista uma tribuna importante de ação dos intelectuais franceses em favor dos direitos humanos na América Latina30.

45Aparentemente, os franceses de esquerda demonstram um interesse e curiosidade tanto pela cultura da América Latina (literatura, cinema, teatro, música), como pela experiência « revolucionária » deste continente. Mais próxima do modelo político chileno, a esquerda francesa mantém contatos permanentes com esses exilados. « Os militantes franceses dispõem de uma massa impressionante de informação sobre o Chile (...). Mas a compreensão dos acontecimentos chilenos era incompleta e, muitas vezes, errônea (...). [Para eles], bastava aplicar os esquemas teóricos, as categorias políticas (...). Sobretudo, na maior parte do tempo, tínhamos a impressão que esses militantes nos pediam para narrar aquilo que [no Chile] pudesse servir a suas ações [políticas] na França »31.

Um certo « pensamento de exílio »

46O estudo desses dois exílios, distintos e complementares, permite um questionamento do fenômeno do engajamento político. Marcados pelas utopias revolucionárias, o pensamento dos intelectuais exilados, nos anos 60/70, parece se distanciar de um « pensamento de exílio », ou seja, de um pensamento que, deslocando a questão política, preconizava, a exemplo de Adorno32, o desenraizamento. De inspiração utópica, esse pensamento procura romper com os dogmatismos, com as certezas e com as identidades esclerosadas.

47Se o « pensamento do exílio » tende a contrastar com a realidade do exílio, esse pensamento não é inexistente junto à comunidade dos exilados. Nas entrevistas, percebemos situações atípicas para aquela época. É o caso, por exemplo, da experiência de exílio vivida por Suely Rolnik. Exilada em Paris, desde 1970, após ter sido presa e torturada no Brasil por participação em movimentos de contra-cultura – a revolução poética –, essa estudante em ciências sociais da USP retoma seus estudos na Universidade de Paris VIII - Vincennes. Graças a seu encontro, desde a sua chegada na França, com Guattari e Deleuze, ela estabelecerá laços de amizade e um diálogo frutífero com os dois, passando, assim, a se interessar pela psicanálise e pela filosofia. Ao lado de Guattari, ela participa da experiência psíquica da clínica « La Borde » e dos movimentos que alterarão a psiquiatria nos anos 70. « No começo, ela afirma, eu chegava às aulas de Deleuze, sem entender nada, eu não sabia o que ele estava falando, em filosofia, em francês, mas algo nele, na voz, na atitude, me fazia sair das aulas completamente recuperada ; alegre, vital »33.

48Traumatizada pela experiência da tortura, ela não suporta a sonoridade do português e faz progressos rápidos na língua francesa. Autora, com Félix Guattari do livro Micro-políticas – cartografia dos desejos, publicado no Brasil, em 1986, ela também foi uma das tradutoras de Mille Plateau (vol. III, IV), livro escrito por Deleuze e Guattari. Dessa época data, igualmente, seu encontro, em Paris, com a artista plástica brasileira Lígia Clark, cuja obra – « Struturaction du moi » – constituiu, aliás, objeto de sua tese de « troisième cycle », defendida na França em 1978. Após mais de 8 anos no exílio, Suely Rolnik retorna ao Brasil e especializa-se em psicanálise, interessando-se, particularmente, pelo processo de subjetividade como forma de liberação pessoal e de intervenção sobre a realidade.

49O segundo exemplo concerne a experiência vivida por Mário Lanzarotti, estudante em economia na Universidade do Chile que desembarca na França em 1973. Ao contrário de seus compatriotas, ele vive uma experiência, segundo o próprio, « livre de todas as pressões »34. Voltado para o mundo estudantil e, possuindo uma carteira de residência temporária e uma bolsa de estudo, ele se dedica, unicamente, aos estudos. Fazendo parte da associação de estudos da realidade chilena, ele trabalha, em Paris, com Cecília Montero, pesquisadora do CNRS no Chile. No final da ditadura, Lanzarotti retorna ao Chile, tornando-se assessor do ministro da economia, Carlos Ominami (exilado e economista do CNRS, em Paris) e presta um concurso para professor na Universidade do Chile. Ele permanecerá no país somente dois anos e meio. Vítima de um forte choque cultural, Lanzarotti ressente, em seu país de origem, o verdadeiro significado do exílio. Seu drama, como o de muitos exilados chilenos que voltaram ao país35, deve-se à experiência, segundo ele, inesperada, de um segundo exílio.

50Apesar dos inevitáveis sofrimentos, o exílio pode se revelar uma experiência libertadora. Exilados em Paris, desde o golpe de estado de 1973, alguns escritores chilenos atestam essa experiência. « Eu vivi meu exílio enquanto poeta e não enquanto militante político », afirma o escritor Luis Mizon36. Por sua vez, o escritor Robert Gac declara : « Eu vim procurar na Europa uma alimentação cultural inexistente no Chile [de Pinochet]. (...) Como eu queria desenvolver uma nova maneira de narrar, uma nova técnica narrativa, era preciso ir lá onde as coisas se passam realmente (...), o « Nouveau Roman » e o Romance « Tel Quel » (...). Era preciso me liberar de toda forma de pressão ».

51Um exemplo de interação cultural, traduzido pelos acordos passados entre o Collège International de Philosophie e o novo departamento de filosofia da Universidade do Chile permite ilustrar o intenso intercâmbio entre intelectuais franceses e chilenos (exilados ou « dissidentes » no próprio país). A abertura, em meados dos anos 80, de uma escola doutoral franco-chilena sobre os temas da epistemologia e da teoria política tornou possível a reintegração oficial dos filósofos expulsos pela ditadura37.

52Em suma, esse texto (parte de um estudo mais extenso sobre o exílio dos intelectuais no século XX), não permite, pelo momento, uma conclusão definitiva, mas algumas breves constatações. Tentamos mostrar as duas faces de um mesmo fenômeno. Se o exílio é uma dolorosa experiência de perda, ele não deixa de ser um fator inelutável de enriquecimento cultural, como bem mostrou Edward Saïd38.

53O exílio dos latino-americanos, na França, nos anos 1960/70 inscreve-se em um momento histórico em que a ideologia de esquerda constituía uma alternativa política. Portadores de um projeto « revolucionário », que fascinava a esquerda francesa, os exilados políticos latino-americanos desfrutaram de um capital de simpatia junto aos intelectuais e militantes franceses, marcados pela ideologia terceiro-mundista. O momento histórico na França, dos « Trinta Gloriosos » e do triunfo do marxismo, era, portanto, favorável à acolhida dos « refugiados » do Terceiro Mundo, vítimas de ditaduras militares.

54O estudo de uma categoria social específica - os intelectuais – nos permitiu demonstrar o sistema de relações e de interações intrínseco à própria noção de circulação de pessoas e de idéias mas também o efeito dos distanciamentos. Ora, o exílio só pode ser vivido se existe a possibilidade de um retorno. Ele é, nesse caso, o contrário mesmo do nomadismo. Certamente, as situações dramáticas produzidas pelos golpes de estado na América latina provocaram rupturas na vida da todos aqueles que foram forçados a partir. Mas, se para os chilenos o exílio foi fruto de uma violenta repressão, significando desterro e expatriação, para os brasileiros ele não foi sempre sinônimo de expulsão. Tratando-se dos intelectuais brasileiros, as partidas, na maioria das vezes, não foram uma questão de imposição mas de opção voluntária. Profundamente marcados pela cultura francesa, os intelectuais latino-americanos, perseguidos ou não pelas ditaduras, buscaram na França dos « Trinta Gloriosos » além de modelos paradigmáticos, uma liberdade de pensar. Distantes de seu país, fugindo a toda forma de dogmatismos, uma parte dos mesmos desenvolveu um « pensamento do exílio ». Essa liberdade de pensar e de agir, própria à condição de « estrangeiro », permite-lhes um olhar mais crítico em relação à sociedade e à cultura, a sua e a do país de exílio. Experiência individual e singular, por excelência, o exílio dos intelectuais latino-americanos, permitindo interações e distanciamentos culturais, abriu perspectivas de transformações a nível pessoal e coletivo.

Haut de page

Notes

1 Cecília Sanchez, Une discipline de la distance – l’institutionnalisation universitaire des études philosophiques au Chili, Paris, L’Harmattan, 1997, p. 12.
2 D’encre et d’exil 3, rencontres internationales des écritures de l’exil, Paris, Bibliothèque Centre Pompidou, 2004, p. 15.
3 Cf. « Un million de chilenos », In : Araucária, n. 7, Madrid, 1979.
4 Não é fácil avaliar o número exato de brasileiros ditos como exilados, visto que a maior parte entre eles não solicitava o estatuto de refugiado político. Em 1973, segundo as informações da CIMADE, Les réfugiés en France, Paris, août 1973, calculava-se o número de 1500. Citado por Erasmo Saenz Carrete, El exílio latinoamericano en Francia – 1964 – 1979, Ciudad de México, Potrerillos Editores S.A, 1995, p. 92.
5 Georg Simmel, Sociologie (trad. Francesa), Paris, PUF, 1999.
6 Editions Lignes – Léo Scheer, 2004, p. 10.
7 Ana Vasquez ; Ana Maria Araújo, Exils latino-americains – la malédiction d´Ulysse, Paris, L´Harmattan, CIEMI, 1988, p. 30.
8 Cf. Stéphane Dufoix. Politiques d’exil – sociologie d’aujourd’hui. Paris, PUF, 2002.
9 Cf. Erasmo Saenz Carrete, op.cit.
10 De acordo com os relatórios da CIMADE, no final do ano 1974, a França contava com uma população de cerca de 2000 refugiados. Cf., Erasmo Saenz Carrete, op.cit., p. 107.
11 Daniel Pécaud, Entre le peuple et la nation – les intellectuels et la politique au Brésil, Paris, Editions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1989, p. 175.
12 Um certo número de ex-exilados, sobretudo brasileiros, recusaram conceder entrevistas.
13 O Centro de Estudios de la Realidad Contemporanea – CERC, fundado por Enrique d’Etigny, vice- reitor da Universidade do Chili, com a proteção da igreja chilena e com subvenções de países estrangeiros, conseguiu criar programas de pesquisas filosóficas, durante a ditadura. Um acordo foi estabelecido, em 1986, com o CIPh. Inaugurado por Pierre-Jean Labarrière, ele recebeu o apoio de Jacques Derrida e teve por sucessores Miguel Abensour e Jacques Rancière.
14 O trabalho de Michael Werner e Bénédicte Zimmermann, « Penser l’histoire croisée : entre empirie et réflexivité » ; In : Annalles, H.S.S., 58, 1, janeiro/fevereiro de 2003, me serviu de referência.
15 Cf. Michael Werner et Bénédicte Zimmermann (dir.). De la comparaison à l’histoire croisée, Paris, Le genre humain, Seuil, 2004.
16 Comissão econômica para a América latina, criada pela ONU e pelo governo Chileno, a CEPAL foi responsável pela teorização da dependência das economias do Terceiro Mundo.
17 Op.cit., p. 13.
18 Número 172, p. 6.
19 Serviço ecumênico de auxílio mútuo encarregado dos estrangeiros migrantes e das pessoas que solicitam o asilo.
20 Segundo a CIMADE, entre outubro de 1973 e outubro de 1974, uma população de cerca de 2.000 refugiados, provenientes da América Latina, chega em Paris. Citado por Erasmo Saenz Carrete, op.cit., p.106.
21 Especialista em genética molecular e militante comunista, Luís Hildebrando é forçado a se exilar após o golpe de estado militar em 1964. Ele permanece, inicialmente, 4 anos na França, trabalhando no Institut Pasteur e reparte para o Brasil. Com a radicalização do regime, em dezembro de 68, ele retorna a Paris, onde trabalhará durante vários anos como pesquisador no Institut Pasteur. Roberto Salmeron, por sua vez, físico e um dos fundadores da UnB, abandona essa instituição, em 1965, para protestar contra a demissão, provocada pelo regime militar, de 222 professores. Ele parte, em 1966, para Genebra para trabalhar no CERN (Centre Européen de Recherche Nucléaire) e, mais tarde fixa residência em Paris, onde trabalhará na Escola Politécnica.
22Fundado numa legislação de exceção, o chamado Ato Institucional número 5, promulgado em dezembro de 1968, inaugura uma nova fase de centralismo autoritário. Visando a garantir a « segurança nacional » e a colocar um ponto final nos movimentos de oposição, ele põe em prática um dispositivo de controle e de coerção.
23 « Com efeito, a expansão da pesquisa no domínio das ciências sociais, em plena ditadura militar, foi uma conseqüência um pouco perversa de toda uma série de medidas instauradas, no final dos anos 60, visando a conter e a reprimir, severamente, todas as formas individuais e coletivas de expressão de descontentamento ». (Anette Goldberg, « Le dire et le faire féministe – une approche socio-culturelle du Brésil contemporain », tese de doutorado, Université de Paris VII, p. 296).
24 Ana Vasquez, Ana Maria Araújo, op.cit., p. 35.
25 Entrevista concedida, em Paris, em 1/04/2004.
26 A « cantata Santa Maria de Igüique », que comemora o massacre dos trabalhadores das minas de cobre, ocorrido em 1907, no norte do Chile, tornou-se quase que obrigatória nas festas dos chilenos.
27 Entre tantos estudos, podemos citar : « La lutte armée au Brésil » (novembro de 1969, Les Temps Modernes) ; « Des armes pour le Chili »(Les Temps Modernes, outubro de 1973) ; « Le coup d’état au Chili et les difficultés de l’Unité Populaire » (Esprit, outubro de 1973) ; « Sous-dévéloppement et dépendance » (Celso Furtado, Les Temps Modernes, outubro de 1974) ; « Le capitalisme post-national » (Celso Furtado, Esprit, abril de 1975), etc.
28 Cf. Helenice Rodrigues da Silva, Fragmentos da história intelectual – entre questionamentos e perspectivas, Campinas, Papirus, 2002.
29 Tradução da autora. Erasmo Saenz Carrete, op. cit., p. 258.
30 Document : « Contre la répression au Brésil », junho de 1973.
31 David Munoz, Claire Trean, L’exilé chilien, Paris, Tema éditions, 1976, pp. 73-74.
32 Cf. Theodor Adorno, Mínima moralia, réflexions sur la vie mutilée (trad.), Paris, Payot, 1991.
33 Entrevista concedida em São Paulo, 5/05/2005.
34 Entrevista realizada em Paris, 6/07/2004.
35 Segundo informações obtidas por parte dos entrevistados, cerca de 50 a 60% dos chilenos teriam retornado ao país. (entrevista concedida por Ricardo Parvex, em Paris, 8/06/2004).
36 D’encre et d’exil 3, Bibliothèque Centre Pompidou, Paris, 2004, p. 29.
37 Cf. Patrice Vermeren, « Philosophies de l’exil » ; In : Hermès – cognitions, communication, politique, n. 10, CNRS, 1992.
38 Edward Said, Reflections on exile and other essays, Harvard University Press, Cambridge (Mass.), 2000.
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Helenice Rodrigues da Silva, « Os exílios dos intelectuais brasileiros e chilenos, na França, durante as ditaduras militares : uma história cruzada »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 07 juin 2007, consulté le 18 mai 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/5791 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.5791

Haut de page

Auteur

Helenice Rodrigues da Silva

Professora-adjunta da Universidade Federal do Paraná ; Pós-doutorado no Institut d´Histoire du Temps Présent, França (CNRS). Doutorado : Université de Paris X – Nanterre

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search