Navigation – Plan du site
Débats | 2010
En los confines de la historia urbana y de la historia cultural. Homenaje a Sandra Pesavento – Coord. Frédérique Langue, Edgard Vidal
Nádia Maria Weber Santos

Nas asas do anjo da ausencia: um ensaio sobre ficcção, sensibilidades e representação... Quando psiquiatria e historia cultural se encontram...

Uma homenagem à inesquecível professora e historiadora Sandra Jatahy Pesavento
[29/01/2010]

Résumés

Neste artigo articulam-se história, literatura e saber psiquiátrico, apontando para as disparidades e homogeneidades que existem no tratamento da loucura, na sociedade brasileira. Lança-se mão de conceitos importantes para a História Cultural, como ficção, sensibilidade e representação, possibilitando, com suas intersecções, redimensionar narrativas e criar outras interpretações possíveis para as práticas sociais exercidas sobre doentes mentais e seus sofrimentos. Este texto é uma homenagem à minha querida e inesquecível orientadora, a historiadora Sandra Jatahy Pesavento.

Haut de page

Texte intégral

« …il y a interprétation à tous les niveaux de l’opération historiographique, par exemple au niveaux documentaire avec la sélection des sources, au niveau explicatif- compréhensif avec le choix entre modes explicatifs concurrents et, de façon plus spectaculaire, avec les variations d’échelles. Cela n’empêchera pas de parler le moment venu de la répresentation comme interprétation. » (Paul Ricoeur – « La mémoire, l’histoire et l’oubli »)

1Gostaria de expressar o quanto foi profundo em minha vida o contato com Sandra Pesavento, pessoa e obra, e, através dela, com a História Cultural e com o mundo das sensibilidades. Percebi, nestes 11 anos de convívio, amizade e companheirismo cultural, que Sandra era única, existindo também certa unicidade entre sua vida e sua obra.

2O contato entre a professora Sandra e eu se deu por conta de uma sensibilidade muito especial. Antes mesmo de conhecê-la, em 1998 no início de meu mestrado em História (ela foi minha orientadora de mestrado e doutorado) eu já escrevia sobre a virada que ela dara em sua linha de pensamento e pesquisa dentro do mundo historiográfico. Do marxismo para a História Cultural.

3Sandra me “ganhou” pela História Cultural. Aliás, esta disciplina a fez aproximar-se da interdisciplinaridade e é assim que eu entro em sua vida e ela na minha. Sendo médica-psiquiatra e trabalhando com Psicologia Analítica eu trazia comigo experiência e um rol de postulados de uma área que aos poucos estava começando a se relacionar com a História. Entre conceitos, fontes e metodologias, como por exemplo, a análise junguiana do inconsciente e a questão dos arquétipos, comecei a dialogar com a História, mais especificamente com a HC e muito sensivelmente com a pessoa e com a obra da professora Sandra Pesavento.

4Assim como Sandra era uma pessoa sem preconceitos e – todos não cansam de ressaltar – agregava pessoas de várias áreas entre seus alunos de pós-graduações, seus companheiros de projetos, de pesquisas, eventos e publicações, ela possibilitava diálogos profícuos entre as diversas áreas do saber e isto é visível em sua obra: arquitetura e o urbano, literatura, psicologia, psiquiatria, comunicação, antropologia, direito, artes, entre outros.

5O que mais me chamava atenção na pessoa de Sandra, e sem dúvida também em sua obra, era a grande capacidade de transformação, jovialidade e a sensibilidade com que sempre se apresentava a novas chamadas, a novos desafios, a falta de medo de mudar, a abertura para todas as questões novas, a curiosidade pelas pessoas, pelos alunos novos, pelas novas interlocuções. E isto também no sentido historiográfico. Ela abarcava a pesquisa de seus alunos nas fontes mais variadas, dialogava com eles e os fazia dialogar com suas fontes e novas metodologias de pesquisa histórica – sempre tendo uma nova pergunta a fazer. E eu também fui agraciada com as idéias e os olhares criativos e sempre novos que ela lançava sobre as fontes e os personagens da História.

6Um exemplo disto foi quando achei em prontuários médicos do Hospício São Pedro, armazenados no Arquivo Público de Porto Alegre, cartas de um paciente de 1937. Este material, graças também à orientação de Sandra e sua capacidade de pensar interdisciplinarmente, trouxe reflexões profícuas para o mestrado, para a tese e continua tendo para mim uma importância grande de pesquisa. Ela apontou, já logo no início quando encontrei este material, as variadas possibilidades de análise, pois as 12 enormes cartas versavam sobre loucura, sensibilidade sobre as internações psiquiátricas, sobre a cidade, sobre a história do mundo e do Brasil naquele momento (nazismo, integralismo, Vianna Moog, igreja católica, entre muitas outras questões). Tanto o meu desenvolvimento como pesquisadora e historiadora, quanto os resultados de minhas interlocuções com colegas não seriam os mesmos se não estivessem junto também o olhar e a sensibilidade de Sandra para este material. Nova fonte, novo olhar. E para mim, uma nova historiadora, isto disse muito. E muitos colegas ainda se fascinam e debatem comigo sobre estas cartas. Cartas prenhes de sensibilidade.

7A noção de sensibilidade, muito pertinente aos atuais estudos da HC, foi uma das mais caras a esta historiadora da cultura. Postulada como uma outra forma de apreensão do mundo, para além do conhecimento científico, as sensibilidades corresponderiam a este núcleo primário de percepção e tradução da experiência humana no mundo que se encontra no âmago da construção de um imaginário social. O conhecimento sensível opera como uma forma de reconhecimento e tradução do mundo que brota não do racional ou das construções mentais mais elaboradas, mas dos sentidos, que vêm do íntimo de cada indivíduo.  Às sensibilidades compete esta espécie de assalto ao mundo cognitivo, pois lidam com as sensações, com o emocional, a subjetividade, os valores, os sentimentos.

8Sandra diz: “medir o imensurável não é apenas um problema de fonte, mas de uma concepção epistemológica de compreensão da história”. Ela refere que a preocupação da História Cultural com as sensibilidades trouxe para os domínios de Clio a emergência da subjetividade nas reflexões do historiador. É a partir da experiência histórica pessoal que se resgatam emoções, sentimentos, idéias, temores ou desejos, o que não implica abandonar a perspectiva de que esta tradução sensível da realidade seja historicizada e socializada para os homens de uma determinada época. Os homens aprendem a sentir e a pensar, ou seja, a traduzir o mundo em razões e sentimentos.

  • 1  Pesavento, Sandra Jatahy. História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. 120p. p.5 (...)

As sensibilidades seriam, pois, as formas pelas quais indivíduos e grupos se dão a perceber, comparecendo como um reduto de representação da realidade através das emoções e dos sentidos. Nesta medida, as sensibilidades não só comparecem no cerne do processo de representação do mundo, como correspondem, para o historiador da cultura, àquele objeto a capturar no passado, à própria energia da vida. Sensibilidades se exprimem em atos, em ritos, em palavras e imagens, em objetos da vida material, em materialidades do espaço construído. Falam, por sua vez, do real e do não real, do sabido e do desconhecido, do intuído ou pressentido ou do inventado. Sensibilidades remetem ao mundo do imaginário, da cultura e seu conjunto de significações construído sobre o mundo. Mesmo que tais representações sensíveis se refiram a algo que não tenha existência real ou comprovada, o que se coloca na pauta de análise é a realidade do sentimento, a experiência sensível de viver e enfrentar aquela representação. Sonhos e medos, por exemplo, são realidades enquanto sentimento, mesmo que suas razões ou motivações, no caso, não tenham consistência real. 1

9Neste artigo, ao articular história, sensibilidade, literatura e saber psiquiátrico, gostaria de re-dimensionar algumas reflexões que surgiram ainda como mote de minha pesquisa de doutorado, sob orientação também de Sandra Pesavento.

10O espaço crítico do manicômio e o tratamento homogeneizante da psiquiatria revelaram-se historicamente eficazes para retirar do doente, ou do indivíduo tratado como louco, sua cidadania, sua autonomia – difícil de ser resgatada, inclusive atualmente, com o advento da luta anti-manicomial e da reforma psiquiátrica. A História Cultural e seus parâmetros interpretativos contribuem para elucidarmos um imaginário a respeito da loucura e a literatura redimensiona todo este “aparato histórico” concreto de práticas de exclusão no imaginário da sociedade e redireciona a discussão para representações pessoais dos indivíduos acometidos, tão contundentes e verdadeiras quanto às representações coletivas e sociais.

11Durante o estágio de doutorado na EHESS de Paris, propiciado pelo convênio CAPES-COFECUB, em projeto coordenado pelos professores Sandra Pesavento e Jacques Leenhardt, no primeiro semestre de 2003, foram realizadas uma série de reflexões que ajudaram a pensar meu objeto de pesquisa, qual seja, a loucura e sua relação com a história da Psiquiatria no Brasil. Gostaria de retomar, aqui, alguns aspectos destas reflexões. E é sobre a « loucura objeto de escrita » e « loucura experiência humana » que versa este texto.

12Partindo de noções estudadas sobre representação, ficção, sensibilidade e escritura/leitura que se pode entrecruzar os « textos literários–fonte » e assumir o ponto de vista de que uma narrativa histórica possível sobre o passado permite ao historiador re-contar a história, dar uma versão sensível do que um dia aconteceu …

  • 2  Estes textos serviram como material de pesquisa de minha tese de doutorado, cujo conteúdo foi publ (...)

13Toma-se como ponto privilegiado a narrativa do próprio louco - que descreve e narra sua condição como personagem de uma exclusão, tanto na « vida real », como numa obra ficcional. Há três textos (um romance simbolista de Rocha Pombo, as memórias de Lima Barreto e 12 cartas escritas pelo paciente TR dentro do próprio hospício) que, mesmo ao se mostrarem distintos em termos de gênero literário, bem como em termos de « grandeza » ficcional, revelam semelhanças nas narrativas e no imaginário dos escritores. 2

14É com as noções de representação (que bem pode ser « apresentar de novo », estando implícito que ela reapresenta algo de um passado que não mais existe – « cet absent du temps présent qu’est le passé révolu ») e de ficção, que melhor damos conta destes ajustes necessários para pensar como a loucura e a hospitalização em hospitais psiquiátricos eram sentidas na sociedade brasileira em início do século XX no Brasil. E é a re-apresentação dada pela ficção que poderá nos fazer atingir este objetivo.

15Ora, todo discurso literário está articulado num contexto, e é importante conhecer o contexto em que cada obra foi escrita, a fim de relacionar o tanto de ficção que cada uma comporta e o quanto esta nos dará a representação do que queremos. Estes discursos estão inseridos em contextos e gêneros literários diferentes, mas estão articulados somente com certas representações. O texto literário pode não ser um documento formal, mas ele remete ao imaginário de uma época, sempre retratando aquilo que o autor e o leitor podem enxergar…

  • 3  Utilizou-se para este texto, principalmente as obras « Au bord de la falaise » de Roger Chartier e (...)

16Rocha Pombo (RP), um historiador ligado à Academia Brasileira de Letras e ao Movimento Simbolista Brasileiro, cria uma aproximação com o tema em 1900, quando escreve seu romance « No Hospício ». Podemos perguntar: o que teria este historiador a ver com a loucura, para se interessar por escrever algo como este livro (onde o narrador interna-se num hospício para relacionar-se com um louco e com ele filosofar)? Fica claro, ao lermos o romance, que o autor em nenhum momento se coloca, isto é, não explicita sua subjetividade na textualização. Seria esta a experiência de alguém que ele conheceu? O texto está marcado pelo crivo de um homem de idéias, um pensador, um intelectual que pensa o seu mundo e, é provável, usou a loucura para re – apresentar discussões vigentes em seu momento histórico. RP tem uma formação que o acompanha em todo o texto, até o fazer romance. Existe distância e propriedade: não tem o seu « eu » no texto, ele safa-se todo o tempo de um comprometimento subjetivo, o qual, no entanto, é traído na ficção. Isto é, fica evidente que RP utiliza-se da representação (no romance) como interpretação, desde o seu lugar de historiador e homem político. O lugar do hospício está dado no corpo do texto o tempo todo e esta narratividade sustenta-se na ponte ficcional. E é aí que os conceitos de representação e cultura (como explicados por Roger Chartier e Paul Ricoeur 3) vêm para balizar e sustentar o percurso histórico do trabalho.

17Referimos-nos à historicização da instituição hospício em solo brasileiro, desde a fundação do primeiro (1857), e , em especial, nas primeiras três décadas do século XX – e, com isto, a necessidade da sociedade discutir sobre “alienação mental” e o que fazer com ela. Naquele momento histórico (na virada do XIX para o XX), as instituições estão “na boca do povo” e a discussão sobre elas marca o imaginário coletivo desta época. A construção de idéia de nação está premente (daí a idéia do modernismo e algumas rupturas) e as grandes instituições estão sendo postas; o hospício, o sanatório, o hospital são personagens da vida ordinária, é o momento do higienismo, ou higienização, e isto aparece nos jornais e nos romances. A literatura, talvez até mais ontem do que hoje, foi importante para a formação cultural do Brasil; podemos dizer que ela foi a vitrine para o processo histórico – pegava-se os temas da sociedade e fazia-se romance. Os escritores, muitos deles, eram professores, políticos, jornalistas… ; e, assim, eram pessoas que discutiam seu tempo e impulsionavam discussões em seus meios, influenciando pela ficção àqueles que poderia…

18Os outros dois textos pesquisados, embora apresentem dados da realidade de quem os escreveu – foram ambos, Lima Barreto e TR, internados em hospícios - também pela ficção representam a realidade. Talvez mais cruamente que o outro, ou talvez mais dolorosa, ou até poeticamente – quem sabe? São exatamente as diferenças discursivas que neles estão dadas que embasam nossa discussão sobre loucura e sua realidade na sensibilidade de uma outra época.

19Ao trabalharmos com estes três textos literários, abrimos uma janela do tempo – tempo histórico e tempo ficcional (e interpretando Paul Ricoeur, é tênue a fronteira entre estes dois « tempos ») – usamos o discurso da própria ficção para tentarmos responder questões que hoje ainda nos são postas : que loucura é esta? Ou, em outros termos, o que é loucura ? Pois é muito difícil achar quem assuma mesmo a loucura; é muito mais fácil a catalogarmos, a rechaçarmos, enclausurá-la no hospício… Ou mesmo medicá-la até acabar com o psiquismo de uma pessoa, que fica sem condições psicológicas de reagir à vida e ao mundo. E, ao mesmo tempo, é muito fácil criticarmos o próprio hospital... Será que a ficção não nos daria, neste aspecto, pistas interessantes? O terceiro termo da dialética dos tempos seria, então, o « récit » histórico, ou a imaginação histórica.

20Avançar mais, no contexto histórico do Brasil, é perceber como estas questões estão ligadas à cultura: a cultura do dia-a dia, de estar vivo e estar inserido na sociedade, em plena e permanente dinâmica de movimentação, transformação. E mostrar como o discurso sobre saúde no Brasil, na época pesquisada (pela questão do higienismo, por exemplo), estava constituído. E como a literatura e a ficção foram vitrines que retrataram também este tema.

21A partir daí, as três obras ficcionais distintas escolhidas para demonstrar outras perspectivas, fez mostrar outro movimento de cultura e representação: o da loucura e seus parâmetros subjetivos. Elegeu-se três discursos ficcionais – ficção aqui chamada de « o anjo da ausência » - para mostrar como se  insere esta questão no tempo.

22Este anjo da ausência da ficção (que denota a ausência do tempo real acontecido, histórico) é o anunciador do símbolo, elemento constitutivo de toda e qualquer representação. E este, o símbolo, é interpretado e compreendido no pacto escritor/leitor, mapeando, assim, a sensibilidade da época histórica em que esta relação se estabelece.

23Usando a noção de palimpsesto, trabalhada em alguns seminários e utilizada por alguns autores contemporâneos, podemos dizer que, na verdade, o mundo já está todo criado e dado; e o que fazemos são apropriações e reapropriações de temas e idéias: escreve-se por cima do que já é dado como mundo. Faz-se representações da realidade que já é. Desta forma o olhar do historiador, utilizando-se do olhar daquele que faz ficção, re- apresenta o mundo, sempre de novo…Dando mais voz ao objeto pesquisado e tentando enxergar através destas entrelinhas borradas do passado, traçamos, talvez, um novo caminho para a história das representações sobre a loucura.

24Insisto no contexto histórico, pois é ele que vai, no movimento dialético com o texto, dar sustento à ficção, em relação à sensibilidade de um outro momento. E, também inversamente, insisto na interpretatividade da ficção, pois é da sua capacidade de simbolização (re-apresentação) – no anjo da ausência – que nascerão novos matizes à historicidade da realidade externa. Assim, entende-se que se torna legítimo colocar em relação os três textos literários escolhidos e, com isto, lançar mais uma luz a este « objeto » instigante…

25A categoria da ficção é o ponto teórico, dentro da reflexão da História Cultural, que melhor pode fundamentar estas análises, bem como respaldar a utilização da literatura como fonte histórica. Tanto quanto a discussão da “loucura” como ponto fronteiriço entre a sanidade e a criação humana, isto é, como uma possibilidade de conter em si o germe do processo criador, arremata o que se pretendeu demonstrar.

26A ficção, e no caso presente ficção literária, através de sua linguagem simbólica, coloca em evidência o poder da representação na vida cotidiana humana. Ela comporta o “estatuto do real” intrínseco à capacidade de representação de todo ser humano, isto é, seu sistema simbólico.

27Todo o sistema simbólico de representações que ela traz em si significa a projeção do que estava até então no inconsciente humano, isto é, seus sentimentos, sensações, pensamentos, maneiras de ser e ver o mundo, os mais íntimos, próprios de cada um (subjetivo) e/ou de cada época (objetivo, ou o “espírito” da época). Através deste sistema imaginário, o estabelecimento da “verdade” unívoca desaparece por inteiro através da tarefa mais interessante e promissora que é o questionamento da “narrativa das sensibilidades”.

28Assim como a literatura comporta a ficção, a escrita histórica também comporta elementos de ficcionalidade em sua ontologia, desde que bem amparados em bases “documentais”, em fontes, como preza e precisa o historiador. O entrecruzamento de história e literatura - esta como fonte das sensibilidades de um passado - se dá, pois, através do plano ficcional, onde as representações do sensível aparecem nos personagens e narrativas literárias.

  • 4  LEENHARDT, Jacques. & PESAVENTO, S (orgs.). Discurso histórico e narrativa literária. Campinas: Un (...)

29Conforme refere Leenhardt, tanto a narrativa histórica como as de ficção somente existem, enquanto fenômeno social (histórico), devido a uma demanda da sociedade por representações imaginárias. Seguindo Paul Ricoeur, este autor afirma que a literatura de ficção fornece ao leitor um reconhecimento de mundos verossímeis ao seu, que o levam a um processo de identificação, numa "relação de reconhecimento, conhecimento e imaginação". 4 Mas para ele, ainda, a leitura se efetua em diferentes níveis "nos quais se exercem também diferentes competências, sensíveis, memoriais, ou enciclopédicas e, enfim, intelectuais". A leitura, assim, não se constitui no resultado de um simples processo de compreensão:

  • 5  LEENHARDT, Jacques. As luzes da cidade - Notas sobre uma metáfora urbana em Jorge Amado. Texto apr (...)

O verdadeiro saber ler, se for tomado este termo a sério, na sua complexidade, é, em realidade, a soma das variadas competências que um sujeito é capaz de realizar face a um texto literário dado. (...) Cada gênero, mais ainda do que cada obra, faz apelo a um dispositivo de compreensão ou interpretativo, diferentemente constituído. 5

30Une-se o ato de ler - que, conforme Leenhardt, pode constituir-se, como atividade simbólica, em um modelo de atividade construtora do vínculo social - ao ato de fazer história - pois a partir da análise da narrativa literária, conforme Pesavento, uma versão histórica pode ser construída -, através da fonte, que é o texto literário.

31Se, por um lado, não se pode negar a existência dos processos sociais e culturais aos quais está submetida uma sociedade, em uma dada época, e sua influência sobre as práticas nela exercida – sociedade, esta, que é ela mesma a idealizadora e realizadora destes processos -, por outro, também não se pode fechar os olhos a determinadas maneiras de ver e sentir o mundo, muitas vezes independentes das correntes sociais da superfície.

32Em outras palavras, a escritura de cada autor revela um mundo de sensibilidades que, embora sendo específicas a cada um, também demonstram certa continuidade de percepções sobre a loucura e suas práticas.

33Intenta-se lançar novas luzes sobre esta problemática tão antiga – a loucura – que não encontra sua discussão somente em manuais de psiquiatria. Ela é uma questão histórica, e, portanto, cultural e social, mais ampla, e não somente uma preocupação médica ou de correntes psicológicas. E, por isso, vale a pena, sempre e de novo, debruçar-se sobre seus labirintos e, neste caleidoscópio de imagens e discursos, presenças e ausências, verdadeiros e falsos, correr o risco de emitir novos olhares e de criar novas interpretações, mesmo sabendo que é apenas mais uma tentativa de esclarecimento. Embora tenha sempre trabalhado com fontes diversas, é a fonte literária aquela que, em meu entender, mais se aproxima de forma profícua das sensibilidades e das realidades que se exprimem nos delírios (nem tão delirantes assim) de seus personagens loucos. A literatura é um tipo muito especial de fonte, pois entre tantas outras funções, possui o papel de dialogar com o seu tempo de forma sensível e profunda, pois é criação e é simbólica. A ficção, e no caso presente ficção literária, através de sua linguagem simbólica, coloca em evidência o poder da representação na vida cotidiana humana. Ela comporta o “estatuto do real” intrínseco à capacidade de representação de todo ser humano, isto é, seu sistema simbólico, como foi evidenciado acima. Assim, na literatura utilizada como fonte histórica, revela-se o conjunto de pressupostos da História Cultural, isto é, podemos perceber onde e de que forma as representações, o imaginário, e as sensibilidades estão atuando.

34Parte-se da constatação de que estes três escritores produziram gêneros literários diferentes, em três momentos históricos diferentes, sob condições de vida diferentes. As obras são bastante distintas, não somente nos tempos em que foram escritas, mas, também, em relação às condições de vida de cada um de seus autores e do lugar de onde escreveram ou de onde partiram seus escritos. Porém, em seus textos, expressam sensibilidades comuns...

35Sendo psiquiatra, sempre defendi a idéia de que o diagnóstico social de loucura não deveria significar um parâmetro de exclusão de qualquer indivíduo de seu meio sócio – cultural. Por quê? É comprovado cientificamente que a grande maioria dos primeiros ‘surtos’ ou crises da doença mental/loucura pode ser evitada, ou plenamente tratada com sucesso, fora do ambiente hospitalar e quando diagnosticados no início de sua evolução, desde que não tenham sido ainda manipulados com medicamentos, eletro-choque ou outros meios deteriorantes de terapias.

36Como médica, sempre tive uma preocupação em compreender a loucura desde o ponto de vista daquele que a imagina, a sofre e a vive desde dentro - e não somente através da visão do saber médico institucionalizado e "apto" cientificamente para identificá-la e dominá-la - em suma, sempre partilhei da idéia de que o médico não sabe tudo e não pode saber tudo a respeito de uma doença ou de um paciente doente. A voz do doente sempre teve ressonância dentro mim, mesmo quando não entendia o que isto poderia significar.

37Como pesquisadora, meu interesse ampliou-se ao percurso histórico que as técnicas organicistas fizeram em nosso meio hospitalar e clínico, ganhando cada vez mais um amplo espaço, bem como o imaginário e as representações que a sociedade possuía sobre loucura e sobre as pessoas ditas “loucas”, respaldadas tanto pela “voz comum do povo”, como pela Medicina.

38Como historiadora, procuro compreender as origens destas práticas de exclusão, pois diferentes idéias/representações, de cunho histórico e cultural, permeiam esta discussão, todas relacionadas às representações que estão em sua base. Cito como exemplo, entre tantas algumas representações do imaginário coletivo/social: a doença mental vista como degeneração moral do ser humano, vigente ainda nos séculos XVIII e XIX; a doença como um ‘mal’ em si ou como uma degenerescência da raça, o que fez constelar a noção de eugenia tão realizada nos regimes totalitários do início do século XX; distúrbio psíquico causado pela sexualidade "pervertida" ou reprimida, ligada ou não ao meio sócio/cultural do indivíduo, como pregou Freud em seu dogma psicanalítico, tentando criticar a sociedade vitoriana da qual era caudatário; doença mental como “doença da alma”, noção esta vinda de alguns povos ditos primitivos e mesmo dentro de algumas concepções religiosas, como o espiritismo nascido no século XIX, etc.

39Há mais de vinte anos trabalhando com pacientes psiquiátricos a partir do referencial da Psicologia Analítica, questiono a eficácia terapêutica destes métodos puramente organicistas respaldados pela ciência contemporânea, empregados na maioria de nossos hospitais e ensinados nas faculdades de Medicina. Neste início do século XXI, em um momento em que se discute amplamente o fim dos hospícios, isto é, a desinstitucionalização da loucura  - cujo processo inverso iniciou em meados do XIX no Brasil -, vê-se uma crescente proliferação de novos medicamentos e condutas terapêuticas, respaldados nas neurociências que tomam um vulto quase hegemônico na atualidade. A “camisa-de-força” de pano foi substituída pela “camisa-de-força” química? Seria isto uma evolução nos tratamentos ou apenas uma substituição corroborada pela ciência do momento? Eu, realmente, questiono isto.

40Por um lado, no momento em que o doente é excluído do convívio social, sendo internado com suposto diagnóstico de doença mental no Hospício, tem-se, já, uma primeira representação que é a de “não-cidadão”. A sua identidade, assim, foi privada de sentido social, sendo estigmatizada; e sua cidadania constrangida em “camisas-de-força sociais”, sejam estas camisas confeccionadas pela sociedade como um todo, pela medicina ou pela família.

41Por outro lado, podemos debruçar-nos sobre imaginário do louco, ou, em outras palavras, mostrar a pertinência de seu imaginário como algo “não louco”. Isto significa, de certa forma, um desafio, que orienta uma leitura em direção ao simbólico, pois o que se chama delírio, nada mais é do que conteúdo simbólico do imaginário de uma pessoa, retratando, muitas vezes, também um imaginário coletivo.

42A literatura, como uma portadora fiel de um imaginário que se encontra "do outro lado" do concreto, pode constituir-se numa "narrativa do sensível" fidedigna sobre a loucura, no momento em que mostra a voz do paciente revelada pelo personagem .... O "louco", através de um discurso "não oficial", mostra o outro lado da realidade. Em outras palavras, existe o discurso oficial, uma "instituição" (leia-se cultura) consciente de normas e padrões a serem aceitos e realizados, e, em contrapartida, existe sempre uma subcorrente de fantasias inconscientes complementares.

  • 6  Pombo, Rocha. 1905/1970.  No Hospício. Rio de Janeiro: INL, 1970. 325p. Barreto, Lima. 1920/1956. (...)

43Vou citar alguns trechos destes textos, que são bastante exemplares de um imaginário e de uma sensibilidade sobre o ser louco, ou estar louco. 6

Rocha Pombo – No hospício

44 “Mas era só isto que ele fazia: só vagueava pelas ruas?”, perguntou o narrador a sóror Teresa. “Só, é exato... mas a questão é que ele saía mal trajado, e muitas vezes dizem que as irmãs o encontravam assim, e voltavam chorando para casa ... as coitadinhas ... Afinal a família cansou e o remédio foi este – entregá-lo ao hospício. Ao menos aqui ele não sofre e não envergonha a família...” Fica explícito neste parágrafo do texto que a exclusão servia à família. Porém, um paradoxo estranho é aí colocado: não "envergonhando a família", Fileto não sofria. Sendo assim, o hospício passa a ser, ou aparece como, um "bom lugar" ao louco, onde este escapa, ele também, das incomodações e críticas familiares.

45Estranho! Mas, não se imagine que me foi muito difícil fingir os desequilíbrios, que atestam a loucura. Ser louco é o que há de mais fácil no mundo. Parece que quando penetrei naquela casa, conduzido por um amigo, já eu não era o mesmo homem, que ali costumava ir são: tudo em mim – o meu andar, a minha voz, os meus gestos, o meu olhar – tudo era de um verdadeiro louco. Creio que se dava em mim um fenômeno muito fácil de ser constatado por qualquer pessoa inteligente, que o deseje. A certeza de que o médico me tinha por louco mudara inteiramente o meu moral e todo o meu ser...

46Demais, eu me senti logo tão bem no meu novo papel...Se eu falava, o médico me ia escutando com tanto interesse...Eu podia dizer as coisas mais leais, mais finas, mais altas...Podia discutir moral, religião, ciências exatas e afirmar as coisas mais belas ou mais absurdas...Podia mostrar-me bem materialista e ateu, ou fazer-me beato e infinitamente místico...Podia revesar palavras tímidas ou gritar como um possesso... – Tudo que eu fizesse era de doido...Podia zangar-me, ser brusco, ir até a insolência...Podia fazer críticas irreverentes ao narizs do doutor, chamá-lo de ilustre ou de besta, pedir-lhe um cigarro ou mandá-lo às favas... – tudo me era permitido. Oh! Que vida deliciosa! Eu chorava, eu ria à vontade, sem que ninguém se importasse com a minha gargalhada ou com o meu pranto. (p. 38)

47Bom, pelo menos havia lógica na inconsciência do pedante [do médico]. Somos afinal uns doidos inofensivos, que não reclamam nenhum rigor do regime. É exatamente a única coisa que nos interessa. O que nós ambos queremos é passar naquele retiro sem que nos incomodem. Uma vez que não temos direito algum desde que nos encontramos com a sapiência dos doutores que regem o nosso destino, e que dispõem, como árbitros supremos, da nossa vida, o que há de mais razoável é acomodar do melhor modo a nossa loucura com as contingências em que a sorte nos pôs. (p.70)

Lima Barreto – Diário de hospício e cemitério dos vivos

48Amaciado um pouco, tirando dele a brutalidade do acorrentamento, das surras, a superstição das rezas, exorcismos, bruxarias, etc..., o nosso sistema de tratamento da loucura ainda é o da Idade Média: o seqüestro. (...) Aqui no hospício, com as suas divisões de classes, de vestuário, etc, eu só vejo um cemitério: uns estão de carneira e outros de cova rasa. Mas, assim e assado, a Loucura zomba de todas as vaidades e mergulha todos no insondável mar de seus caprichos incompreensíveis. (DH,p.76)

49O hospício é bem construído e, pelo tempo em que o edificaram, com bem acentuados cuidados higiênicos. As salas são claras, os quartos amplos, de acôrdo com a sua capacidade e destino, tudo bem arejado, com o ar azul desta linda enseada de Botafogo que nos consola na sua imarescível beleza, quando a olhamos levemente enrugada pelo terral, através das grades do manicômio, quando amanhecemos lembrando que não sabemos sonhar mais... Lá entra por ela adentro uma falua, com velas enfunadas e sem violentar; e na rua embaixo passam môças em traje de banho, com as suas bacias a desenharem-se nítidas no calção, até agora inúteis. (p. 38)

50...mas afinal, a maior, senão a única ventura, consiste na liberdade; o Hospício é uma prisão como outra qualquer, com grades e guardas severos que mal nos permitem chegar à janela. Para mim, porém, tem sido útil a estadia nos domínios do senhor Juliano Moreira. Tenho coligido observações interessantíssimas para escrever um livro sobre a vida interna dos hospitais de loucos. Leia o Cemitério dos Vivos. Nestas páginas contarei, com fartura de pormenores, as cenas mais jocosas e as mais dolorosas que se passam dentro destas paredes inexpugnáveis. Tenho visto cousas interessantíssimas. (ENTREVISTA)

51É uma triste contingência, esta, de estar um homem obrigado a viver com semelhante gente. Quando me vem semelhante reflexão, eu não posso deixar de censurar a simplicidade de meus parentes, que me atiraram aqui, e a ilegalidade da polícia que os ajudou. Caído aqui, todos os médicos temem pôr logo o doente na rua. Mas seguro morreu de velho e é melhor empregar o processo da Idade Média: a reclusão. (DH, p. 72)

52Não me incomodo muito com o hospício, mas o que me aborrece é essa intromissão da polícia na minha vida. De mim para mim, tenho certeza que não sou louco; mas devido ao álcool, misturado com toda a espécie de apreensões que as dificuldades de minha vida material, há seis anos, me assoberbam, de quando em quando dou sinais de loucura: deliro. (DH, p.33)

53Todas estas explicações da origem da loucura, me parecem absolutamente pueris. Todo problema de origem é sempre insolúvel; mas não queria já que determinassem a origem, ou explicação; mas que tratassem e curassem as mais simples formas. Até hoje, tudo tem sido em vão, tudo tem sido experimentado; e os doutores mundanos ainda gritam nas salas diante de moças embasbacadas, mostrando os colos e os brilhantes, que a ciência tudo pode.. (DH, p.54)

54Olham-se os quartos e todos aqueles homens, muitas vezes moços, sem moléstia comum, que não falam, que não se erguem da cama nem para exercer as mais tirânicas e baixas exigências da nossa natureza, que se urinam, que se rebolcariam no próprio excremento, se não fossem os cuidados dos guardas e enfermeiros, pensa-se profundamente, dolorosamente, angustiosamente sobre nós, sobre o que somos; pergunta-se a si mesmo se cada um de nós está reservado aquele destino de sermos nós mesmos, o nosso próprio pensamento, a nossa própria inteligência, que, por um desarranjo funcional qualquer, se há de encarregar de levar-nos àquela depressão de nossa própria pessoa, àquela depreciação da nossa natureza, que as religiões querem semelhante a Deus, àquela quase morte em vida. Parece tal espetáculo com os célebres cemitérios de vivos, que um diplomata brasileiro, numa narração de viagem, diz ter havido em cantão, na China. Nas imediações dessa cidade, um lugar apropriado de domínio público era reservado aos indigentes que se sentiam morrer. Dava-se-lhes comida, roupa e o caixão em que se deviam enterrar. Esperavam tranqüilamente a morte. (CV, p.185/7)

TR – Cartas de hospício – Carta número 11

55Meu pae esteve aqui me visitando no sabbado passado. Eu querendo conseguir mais liberdade em casa, disse-lhe em resposta a sua pergunta se já tinha deixado a mania de escrever que se era loucura porque não me deixa esta. Foi quanto bastou para que pouco depois sahisse...[re]almente se despediu de mim. Para mim acho que esta contrariedade até é uma vantagem, pois que tenho notado, quando me incomodam, tenho até mais inspiração. É verdade que as vezes desanimo um pouco e não faltava muito me convencer da minha loucura...  (TR, 1937, carta 11)

56Se o mundo continuar nesta marcha a hecatombe universal é inevitável. Uns devorarão aos outros, como lobos famintos...Vianna Moog disse: “No Brasil tudo muda, ninguém se entende e tudo vai bem!” O que se dá no Brasil dá-se com a maioria dos paizes. Nem o facismo, nem comunismo, nem ismo nenhum dará ao mundo a prosperidade se os povos não se convencerem de seu egoísmo. Comunismo e facismo não passam de um jogo passa-tempo. Onde surge o comunismo surge o anticomunismo. Onde surge o nazi e o fasci surge o adversário. Poderão nascer destas “creanças” quantas quizerem, nada adiantará...O Brasil deve e está deixando de coxilar naquella confiança inerte de que amanhã descobriremos um homem que pagará as dívidas do paiz, com seu bom governo. No Brasil tem de tudo menos união, e somente esta poderá salvá-lo de sua ruína completa. Deus foi brasileiro e ainda é,(...) (TR, 1937, carta 11)

57Aproveito ainda a estadia aqui no hospital para escrever algumas idéias e considerações porque sei estas estão tendo bôa aceitação junto ao meio literário e autoritário do meu país por partirem de quem tem relativamente pouca cultura. Admiro-me as vezes que ainda há pessôas que me olham como quem está deparando com o milagre do século. Ora sabemos que destes pequenos milagres há milhões mundo afora, mas que não tem a petulância de se prevalecer da bondade e paciência de seu proximo como faço eu. Continuarei apezar, a escrever sei que contribuo com as minhas modestas linhas para a obra dos que pensam com sensatez nos problemas da atualidade mundial...Se os pequenos pensam como os grandes é signal seguro de que ambos estão certos. Disse que escreveria enquanto estou aqui porque em casa não poderei faze-lo, devido que pae mãe esposa irmãos se anteporem a mim como uns endemoniados por julgarem que estou louco.(TR, 1937,  carta 11)

"...attestando o meu estado de hyper-excitação nervosa, que claramente transparece naqueles versinhos rudes, pelo facto de reviver dias amargos e estar actualmente adoentado e em tratamento achando-me sob o açoite da medicina que desequilibra para equilibrar..." (TR, 1937,  carta 11)

58Mas o meu grande amigo é o futuro e eu confio plenamente nele. Tenho esperança de sair completamente curado deste hospital pois que a meu ver o fator máximo de minha moléstia é o excesso de trabalho físico e intelectual, para meu corpo enfermo, se bem que há outros fatores. Enfim uma causa age sobre a outra resultando o desequilíbrio da saúde. Terei errado dizendo tudo isso? Pouco já me importa. Tive que desabafar uma vez o que me ia no íntimo, mesmo que isso seja erro. O meu estado de saúde tem melhorado muito graças a atuação por parte dos cientistas inclusive o diretor deste hospital e quando me lembro da possibilidade de minha completa cura, tenho vontade de ficar mais um ou dois anos, não obstante ter muita saudade de esposa e filho que vejo uma vez por semana. (TR, 1937,  carta 11)

59Procurou-se resgatar a loucura por meio de suas representações, de suas imagens, de seus discursos e, por isso mesmo, das “sensibilidades” ou “releituras” sobre esta temática tão "delicada". É uma reflexão em aberto, que propicia a cada novo olhar a certeza de que uma nova dimensão se abre para pensarmos a loucura. Ao folhear o "livro da loucura" nestes trinta anos de Brasil, vê-se que pouco ou nada mudou de concreto, na prática sobre a doença mental. De trás para a frente, de frente para trás, ele mostra sensibilidades, gritos de socorro, reflexões agudas que não foram compreendidas por seus contemporâneos. E talvez até hoje não o sejam, se falarmos em práticas sociais e culturais coletivas.

60Esta pesquisa ganhou em profundidade durante e após o doutorado. Continuo neste percurso, de pensar e repensar a loucura em nosso meio, intentando dar um rumo mais humano a estas discussões e mesmo à praxis, às práticas sociais exercidas sobre ela. E, mais uma vez, agradeço sobremaneira à minha orientadora, Sandra Pesavento, que me permitiu diálogos tão profícuos com a disciplina histórica e com a História Cultural. Foi a partir desta(s) oportunidade(s) que pude sair do referencial tão estreito da Medicina, enquanto disciplina que intenta ter o poder sobre algo que é, a meu ver um problema social e histórico, e rumar para outras terras, para outras paragens, mais dignas e profícuas para seres humanos em sofrimento.

Haut de page

Notes

1  Pesavento, Sandra Jatahy. História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. 120p. p.58.

2  Estes textos serviram como material de pesquisa de minha tese de doutorado, cujo conteúdo foi publicado no livro: Santos, Nádia Maria Weber. Histórias de sensibilidades e narrativas da Loucura.Porto Alegre, Ed. da Universidade/ UFRGS, 2008. 320p. São eles: o romance simbolista de Rocha Pombo No Hospício, publicado em 1905, no Rio de Janeiro; o Diário do Hospício de Lima Barreto, inserido na edição de sua obra (romance) inacabada Cemitério dos Vivos, que relata suas memórias e reflexões durante uma internação no Hospício Nacional de Alienados do Rio de Janeiro, entre janeiro e fevereiro de 1920; e as doze cartas de TR, um paciente internado no Hospital Psiquiátrico São Pedro (HPSP) de Porto Alegre/RS, em 1937, às quais se denominou Cartas de Hospício.

3  Utilizou-se para este texto, principalmente as obras « Au bord de la falaise » de Roger Chartier e « La mémoire, l’histoire et l’oubli » de Paul Ricoeur. Roger Chartier, Au bord de la falaise. L'histoire entre certitudes et inquiétude, Paris: Albin Michel, 1998. RICOEUR, Paul. La mémoire, l’histoire, l’oublie. Paris: Ed. du Seuil. 2000.

4  LEENHARDT, Jacques. & PESAVENTO, S (orgs.). Discurso histórico e narrativa literária. Campinas: Unicamp, 2000. p.54

5  LEENHARDT, Jacques. As luzes da cidade - Notas sobre uma metáfora urbana em Jorge Amado. Texto apresentado no I Simpósio Nacional de História Cultural - ANPUH/RS. Porto Alegre, PUC/RS, setembo de 2002.

6  Pombo, Rocha. 1905/1970.  No Hospício. Rio de Janeiro: INL, 1970. 325p. Barreto, Lima. 1920/1956. Cemitério dos Vivos. São Paulo: Brasiliense, 1956. 295p. TR 1937/2005. Cartas de Hospício. 48p In: SANTOS, N.M.W. Histórias de sensibilidades: espaços e narrativas da loucura em três tempos; Brasil 1905/1920/1937. 2005. Porto Alegre, RS. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, 379p. 2 vol. Tomo II, Anexos, 384p.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nádia Maria Weber Santos, « Nas asas do anjo da ausencia: um ensaio sobre ficcção, sensibilidades e representação... Quando psiquiatria e historia cultural se encontram... », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 29 janvier 2010, consulté le 26 juin 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/58871 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.58871

Haut de page

Auteur

Nádia Maria Weber Santos

Doutora em História pela UFRGS. Médica-psiquiatra. nmws@terra.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page