Navigation – Plan du site
Débats | 2011
Helder Alexandre Medeiros de Macedo

Sobre mestiçagens numa freguesia do sertão da América portuguesa: o caso do índio Tomé Gonçalves da Silva

[31/01/2011]

Résumés

Este artigo problematiza o fenômeno das mestiçagens na Freguesia do Seridó, instância da administração religiosa instituída no início do século XVIII no sertão da Capitania do Rio Grande, na América portuguesa. A pesquisa foi conduzida a partir de uma abordagem micro-histórica, centrada na trajetória do índio Tomé Gonçalves da Silva, efetuada por meio do cruzamento de fontes coloniais de diversas tipologias. Infere-se, a partir da pesquisa, que no território colonial do sertão do Rio Grande, malgrado a desagregação das sociedades tribais, a circulação de pessoas de várias partes do mundo conhecido favoreceu o aparecimento de mestiçagens entre seus corpos e suas práticas culturais: os colonos luso-brasílicos, os marinheiros vindos do reino, os africanos forros e escravos, os mestiços, os índios remanescentes das guerras de conquista.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O Seridó é uma região situada na área sertaneja do Rio Grande do Norte, na sua porção centro-sul, que se destaca das demais por características que singularizam seus habitantes: o apego à tradição, a forte religiosidade cristã, a hospitalidade e um sentimento de pertença ligado ao elo que une as gerações da contemporaneidade a parentelas que foram construídas desde os tempos coloniais. Foi, aliás, nos tempos coloniais, que se gestou, gradativamente, a produção de um território cujos contornos correspondem, grosso modo, aos limites que a região do Seridó possui hoje.

  • 1 Os reflexos da ocidentalização e da mestiçagem cultural fruto desse amplo processo estão contidos e (...)

2Estamos nos referindo ao território da Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó (desse ponto do texto em diante, Freguesia do Seridó), cujas fronteiras avançavam pelas Capitanias do Rio Grande e da Paraíba e que foi fundada em 1748. Essa fundação se deu no bojo de um processo mais amplo, o de ocidentalização1, movimento de difusão/imposição da cultura ocidental nas colônias dos impérios ultramarinos – em outras palavras, a conquista das almas, dos corpos e dos territórios do Novo Mundo. Esse movimento, levado à frente por castelhanos e posteriormente por portugueses, produziu situações de choque e enfrentamento de poderes entre os recém-chegados (os europeus) e os que se encontravam na terra firme (os nativos).

3Na Capitania do Rio Grande, o processo de ocidentalização se fez pari passu às variegadas frentes de expansão que são dedilhadas pela Coroa portuguesa, que equivalem a correntes de povoamento onde a cruz e a espada andaram juntas no sentido de implementar um novo mundo nos trópicos: desde o litoral, com a constituição de uma economia voltada prioritariamente para a atividade açucareira, até o sertão, que se vê inundado, no período pós-expulsão dos holandeses, por milhares de cabeças de gado em suas ribeiras, visando o abastecimento do mercado interno. Neste ensaio estabelecemos uma trajetória até a fase da ocidentalização que culmina, no sertão da Capitania do Rio Grande, com a construção de diferentes instâncias administrativas pela metrópole no solo percorrido pelo gado, na tentativa de consolidar cada vez mais a ocupação e o povoamento colonial. Uma dessas instâncias, de cunho eclesiástico, foi a Freguesia do Seridó, já aludida, criada com o objetivo de cuidar da espiritualidade do aprisco localizado nas ribeiras da porção centro-meridional da capitania, sendo desmembrada da Freguesia de Nossa Senhora do Bom Sucesso do Piancó.

  • 2 Copia fiel do Edital do Rmo Vizor Manoel Machado Freire, pelo qual se dividiu esta Freguesia de San (...)
  • 3 Copia do termo de designação do lugar que foi achado mais cômodo para a ereção da nova Matriz da Se (...)

4Numa época onde a demarcação das capitanias era vaga e a vastidão da Freguesia do Piancó reinava sobre a quantidade reduzida de ministros eclesiásticos, tornou-se interesse da Igreja Católica a racionalização do seu território. Essa preocupação tornou-se mais evidente quando dom frei Luís de Santa Teresa, bispo de Pernambuco, baixou ato em Olinda no dia 20 de fevereiro de 1747, ordenando ao padre Manuel Machado Freire que, em visita aos curatos do Icó e do Piancó, os dividisse da melhor forma possível, a fim de criar novas freguesias2. Em atenção à ordem de dom Luís, o padre Manuel Machado Freire, “Visitador Geral dos sertões da parte do Norte”, estando no Piancó, desmembrou da Freguesia de Nossa Senhora do Bom Sucesso uma nova unidade administrativo-religiosa, com título e invocação de “Santa Anna”. Era 15 de abril de 1748. Nascia, naquele momento, a Freguesia do Seridó, com sede na Povoação do Caicó, cujos limites também foram deliberados pelo visitador: a ribeira das Espinharas, das suas nascentes até a foz – de onde uma linha imaginária era percorrida até atingir os limites da Freguesia de São João Batista do Açu – e a do Seridó, com seus afluentes3.

  • 4 Estamos nos referindo aos trabalhos de Mattos, 1985. Dantas, 1996. Morais, 1999 ; 2004. Macêdo, 199 (...)
  • 5 Macedo, 2007.

5Estudos acadêmicos que se preocuparam com a história e a geografia do sertão norte-rio-grandense, tomando como referência do passado a criação da Freguesia do Seridó (1748), fizeram essa mesma reconstituição territorial4. São trabalhos que privilegiam, em suas análises, uma visão que poderíamos chamar de telescópica, considerando que tendem a enxergar o Seridó a partir de um olhar macro, enfatizando suas estruturas territoriais, sociais, econômicas e demográficas. Seguindo a trilha deixada por esses pesquisadores, desenvolvemos pesquisa sobre o fenômeno da ocidentalização no sertão da Capitania do Rio Grande, na tentativa de perceber as transformações ocasionadas nos territórios e nas populações nativas que aí habitavam após os trágicos eventos das Guerras dos Bárbaros5. Na primeira parte do estudo, revisitamos o processo de territorialização da Freguesia do Seridó, que foi criada e instalada sobre as antigas territorialidades nativas. Num segundo momento fizemos um estudo demográfico acerca da presença indígena junto aos demais grupos sociais da freguesia – brancos, mestiços, crioulos, pardos, mamelucos, usando as terminologias da documentação coeva.

6A sensação que tínhamos, na época, é de que nos faltava alguma coisa. Inspirados na leitura de Carlo Ginzburg e de Natalie Davis, começamos a perceber que a inspeção procedida nos assentos paroquiais da Freguesia do Seridó nos proporcionara apenas uma face da história. Nossa finalidade, ao examinar registros de batizados, casamentos e enterros, era a de perceber como os índios presentes nesse território comportavam-se, nos rituais cristãos, na qualidade de fregueses. Mesmo comentando alguns dos casos que encontramos dentro das séries populacionais formadas a partir dos livros de assento – para que não caíssemos, apenas, na armadilha do quantitativo –, os resultados apresentados tinham caráter genérico. Isto porque eram os números, nesse caso, que nos permitiram inferir determinados perfis dos fregueses de Santa Ana e, dentre eles, da população indígena que habitava no seu território.

7Sentimo-nos atraídos, dessa forma, a conhecer mais que apenas o que os algarismos nos mostravam, mesmo quando olhávamos para as pessoas por trás deles. Interrogávamo-nos acerca do que mudou na vida das populações autóctones que sofreram os impactos do fenômeno da ocidentalização e viveram, no pós-Guerras dos Bárbaros, nas ribeiras do Seridó e afluentes, imersas no mundo colonial que gradativamente ia se construindo a partir do século XVIII. Um primeiro conjunto de respostas, fomentado pela análise demográfica, nos tinha informado: a) da existência de um pequeno contingente de índios vivendo junto aos outros grupos sociais na freguesia, entre o fim do século XVIII e início do século XIX; b) de que alguns índios desse período (mas, não todos) participavam dos rituais cristãos do batizado, do casamento e do enterro, como “fregueses” de Santa Ana, adequando-se ao que estava prescrito nas Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia, mais importante texto legislativo da cristandade estabelecida na América portuguesa no período colonial. Entretanto, somente os assentos paroquiais e as estatísticas que eles proporcionaram não nos respondiam satisfatoriamente.

  • 6 Ginzburg, 1987.
  • 7 Davis, 1987.
  • 8 Levi, 2000.

8Precisávamos ir mais além, conhecer o cotidiano dos índios que viviam na freguesia no período em estudo, suas estratégias de sobrevivência, a construção de laços de solidariedade com outros grupos sociais e, em última análise, a dinâmica dos processos de mestiçagem. Em outras palavras, precisávamos conhecer o indivíduo – no nosso caso, especificamente, o índio – na história. Uma preciosa fonte de inspiração para esse nosso intento foi a leitura das obras dos historiadores Carlo Ginzburg6, Natalie Zemon Davis7 e Giovani Levi8.

  • 9 Levi, 1992 : 136. Giovanni Levi, nesse texto em que faz um balanço da micro-história, caracteriza e (...)

9O exemplo desses estudos nos fez enxergar que seria necessário, para conhecer o indivíduo que estamos perseguindo, reduzir a escala de observação nesse amplo território que é a Freguesia do Seridó, situada no sertão das Capitanias do Rio Grande e Paraíba. Deixamos de observar, assim, as estruturas territoriais da Freguesia de Santa Ana e os perfis populacionais dos seus habitantes, partindo para esquadrinhar as tramas e tensões das vidas de seus fregueses índios. Esse procedimento metodológico tomou inspiração na micro-história, prática historiográfica que se baseia na redução da escala de observação, na análise microscópica e na prospecção e estudo intensivo das fontes sobre o objeto em questão9.

  • 10 A fonte de inspiração metodológica desse procedimento é tomada de Faria, 1998,onde a autora utiliza (...)
  • 11 Diehl, 2002 : 171.

10Não temos, contudo, a pretensão de isolar os casos dos índios e de tomá-los como típicos da Freguesia do Seridó. Dizendo de outra maneira, interessa-nos observar o exemplo e não o exemplar10, além de relacionar o individual com o coletivo e perceber as transformações em macro-escala. Isto porque concordamos com a perspectiva de que a pesquisa em escala microscópica envolve a necessidade de questionamentos sobre questões de ordem macroestrutural, senão “seria apenas uma coleção empírico-positivista (ingênua) de fatos, os quais o historiador não teria condições de aprofundar e nem qualificar”11.

  • 12 A metodologia de trato e coleta da documentação manuscrita foi balizada pelo método indiciário, pro (...)
  • 13 Sobre a escravidão indígena na América Portuguesa, conferir Monteiro : 1994.
  • 14 Dado o limite de páginas deste texto, deixamos de cruzar e discutir outros casos individuais de índ (...)

11Infiltrando-se pelas entrelinhas de inventários post-mortem, justificações de dívida, autos de contas, assentos paroquiais, escrituras de compra e venda e testamentos, conseguimos rastrear, através de indícios12, a vida de alguns índios e seus filhos entre o fim do século XVIII e início do século XIX: os tapuias Anastácio e Domingas, escravos da fazenda Pedra Branca13; o capitão Mateus de Abreu Maciel; o porteiro Tomé Gonçalves da Silva e o mestiço Policarpo Carneiro Machado. Um desses indivíduos – Tomé Gonçalves – será nosso interlocutor14 neste ensaio, que tem como objetivo problematizar o fenômeno das mestiçagens na Freguesia do Seridó, a partir de uma abordagem micro-histórica.

Tomé Gonçalves da Silva

  • 15  Auto de arrematação da mulatinha Ana e da cabrinha Teresa, 1812. Laboratório de Documentação Histó (...)
  • 16 Pregão de bens nas ruas públicas da Vila Nova do Príncipe, sem identificação, 1812. LABORDOC, FCC, (...)

12Encontramos Tomé Gonçalves a primeira vez no ano de 2001, quando fazíamos a organização de parte dos documentos avulsos do 1º Cartório Judiciário da Comarca de Caicó. Dentro de um códice reunindo folhas esparsas de inventários, acessamos o conteúdo de um auto de arrematação de duas escravas (a “mulatinha” Ana e a “cabrinha” Tereza) feito na Vila Nova do Príncipe em 1812. Nesse auto, figurou como porteiro do auditório a pessoa de Tomé Gonçalves da Silva, que assinou com uma cruz por não saber ler e nem escrever15. Posteriormente fizemos a leitura de um pregão de bens executado pelas ruas públicas da mesma Vila do Príncipe no mesmo ano, tendo como encarregado, também, o dito Tomé Gonçalves16. Até então, desconhecíamos o fato desse porteiro ser índio e talvez nunca soubéssemos, não fosse nosso contato com os assentos da Freguesia do Seridó. Esses, fornecidos pelos curas, foram os documentos onde a origem de Tomé Gonçalves veio à tona: era índio e natural da Vila de Mecejana, na Capitania do Ceará.

  • 17 Livro de Enterros nº 01 (LE nº 01), p. 3v., Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó (FGSS (...)
  • 18 LE nº 01, p. 28v., FGSSAS, APSC.

13Diferentemente dos demais índios que encontramos nos livros da freguesia, para quem não conseguimos encontrar mais que dois descendentes por casal, no caso de Tomé Gonçalves encontramos seis filhos do seu casamento com Maria Egipcíaca da Silva – que, em alguns dos assentos, aparece como Maria Ciriaca da Silva. Pouco sabemos a respeito dela, a não ser que era natural da Freguesia do Seridó e que, ainda no final do século XVIII, compareceu à Matriz de Santa Ana para dar sepultura aos seus párvulos José, em 1789 (tinha, então, pouco mais de um ano)17 e Teresa, em 179218.

  • 19 Livro de Casamentos nº 01 (LC nº 01), p. 128v., FGSSAS, APSC.
  • 20 Livro de Batizados nº 01 (LB nº 01), ficha 625, FGSSAS, APSC.

14Outro filho, Manuel Pereira Raimundo, contraiu casamento em 1806 com Simplícia Maria, também natural do Seridó e filha de Joaquim José de Santa Ana e de Vicência Pereira19, no mesmo ano em que Tomé Gonçalves e Maria Egipcíaca viram nascer a pequena Clara, batizada na Matriz de Santa Ana. Foi apadrinhada por Antonio Ferreira Barreto, solteiro, e por sua mãe, dona Antonia Maria Cortês, moradores na fazenda Pedra Branca20, vizinha à Suçuarana. Era nesta fazenda, situada a pouca distância da Vila do Príncipe e de onde se divisava a belíssima visão da colossal Serra do Samanaú, que moraram Tomé Gonçalves e sua família.

  • 21 LC nº 02, p. 145-145v., FGSSAS, APSC.
  • 22 LC nº 02, p. 166-166v., FGSSAS, APSC.

15Não sabemos se Clara sobreviveu, já que, pelo menos nos livros da freguesia, não encontramos mais seu nome nas relações posteriores. Mais de dez anos após o seu nascimento outra filha de Tomé Gonçalves e Maria Egipcíaca, chamada Florência Maria da Conceição, veio a casar-se. Na cerimônia, oficiada na Matriz do Seridó numa manhã de fevereiro de 1819, Florência contraiu matrimônio com o pardo José Ferreira, escravo da viúva Luzia Fernandes, ato que foi testemunhado pelo crioulo forro Caetano Soares Pereira de Santiago e por Manuel da Paixão21. Um ano depois seria a vez de Joaquina Maria da Conceição, irmã de Florência, abraçar a vida marital, recebendo as bênçãos da Igreja na Capela de Nossa Senhora dos Aflitos do Jardim das Piranhas, onde aceitou como seu esposo Manuel José dos Santos, pardo, natural da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação da Cidade do Rio Grande. O irmão mais velho de Joaquina, Manuel Pereira Raimundo, testemunhou a cerimônia junto com Dionísio Corrêa Jardim22.

  • 23 Estamos nos referindo à fazenda Suçuarana que ficava nas proximidades da Vila do Príncipe, a julgar (...)
  • 24 LE nº 01, p. 28v., FGSSAS, APSC
  • 25 LE nº 01, p. 32v., FGSSAS, APSC

16Percebemos, através da análise dos casamentos acima, que Tomé Gonçalves conseguiu interagir com pessoas de diferentes origens, formando uma espécie de teia em que estavam conectados seus filhos índios, pardos e mesmo brancos – não é forçoso lembrar que ele e Maria Egipcíaca eram “compadres” de dona Antonia Maria Cortês, branca, senhora da fazenda Pedra Branca. Examinando os livros de assento de enterro da freguesia do período em que o casal viveu no Seridó – do final do século XVIII até a década de 1840 – encontramos outros fregueses que habitavam a Suçuarana23 e que, curiosamente, tinham sobrenomes assemelhados ao de Tomé: Inácio Gonçalves da Silva e Maria Gonçalves de Jesus. O primeiro, casado com Joana Maria, sepultou dois filhos – Manuel, com oito dias de nascido, e Ana, com um ano e dois meses – no corpo da Matriz do Seridó no mês de agosto de 179224. Em se tratando de Maria Gonçalves, os documentos paroquiais não indicam se era casada ou se tinha filhos legítimos. Todavia, desde o ano de 1786, aproximadamente, criava uma índia, Teresa, que foi exposta em sua casa e que morreu em 1792, sendo enterrada no corpo da Matriz de Santa Ana25.

17Acreditamos não ser mera coincidência o fato dos únicos moradores do mesmo lugar que Tomé Gonçalves e Maria Egipcíaca, num largo espaço de tempo, terem os mesmos sobrenomes do primeiro e um deles – Maria Gonçalves – ter abrigado, em sua residência, uma índia abandonada por pais ignorados. Daí supormos que a teia de sociabilidade que Tomé Gonçalves traçara entre os filhos e seus cônjuges fosse mais complexa, conectando, também, esses outros moradores da Suçuarana, quiçá seus parentes próximos.

18Uma pergunta que nos fizemos, ao adentrar na história de vida de Tomé Gonçalves, diz respeito à sua procedência. O que teria feito ele migrar da Vila de Mecejana para o termo da Vila do Príncipe? Uma resposta poderia estar ligada ao primeiro surto exportador do algodão que se sucedeu na América Portuguesa, a partir dos anos 70 do século XVIII. Momento em que os Estados Unidos, tradicionais fornecedores de algodão para o mercado inglês – cada vez mais ávido por matéria-prima para o provimento de suas fábricas têxteis, cuja preeminência consolidava-se com a Revolução Industrial –, encontravam-se atravancados com as suas guerras de independência.

  • 26 Takeya, 1985 : 25.
  • 27 Monteiro, 2000 : 102. A autora considera, a propósito, que a “pequena produção de açúcar dos engenh (...)

19Na América Portuguesa, especialmente no Maranhão e depois nas outras capitanias do Norte, o algodão que era usado apenas “para a confecção dos tecidos de que se servia a massa da população colonial”26 foi requisitado para suprir o mercado internacional. O resultado é que o algodão da colônia lusitana passou a ser cultivado em larga escala, sendo exportado para a Inglaterra através de Portugal. No Rio Grande, segundo Denise Mattos Monteiro, a expansão do cultivo do algodoeiro trouxe desenvolvimento comercial para a capitania, além de haver diversificado a economia, até então quase que centrada principalmente na atividade pecuarística27. As exportações decorridas desse surto algodoeiro começaram a cessar, todavia, decorrido o fim das guerras de independência dos Estados Unidos, em 1783, quando a produção do algodão americano voltou a ter o seu papel de abastecedora do mercado interno.

  • 28 Monteiro, 2000 : 103.
  • 29 Monteiro, 2000 : 101.
  • 30 Inventário de Vicência Lins de Vasconcelos, 1786, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 02 – 1775-1789.
  • 31 Inventário de Manuel Pereira Monteiro, 1822, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 08 – 1822.
  • 32 Inventário de João Ferreira Godinho, 1799, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 03A – 1798-1799.
  • 33 Escritura de hipoteca que fazem Manuel Lopes Roraima e sua mulher Verônica Lins de Vasconcelos, na (...)
  • 34 Mappa dos preços correntes na Parochia da Vila do Principe no mez de Janeiro e no ano de 1802, por (...)

20Tomé Gonçalves e também outros índios provenientes de lugares da Paraíba, do Ceará e do próprio Rio Grande, assim, teriam migrado para a Freguesia do Seridó com a finalidade de plantio e coleta do algodão, que podia ser desenvolvido em pequenas propriedades e através do trabalho livre, manifestado em diversas formas de arrendamento (o parceiro, o foreiro/arrendatário e o morador de condição)28. Os inventários post-mortem da Comarca de Caicó não mencionam expressamente as roças de algodão nos catálogos de bens, mas, indicam que havia, como afirmado anteriormente, o seu cultivo para atender a uma “agricultura de auto-abastecimento”29. Uma evidência disso, por exemplo, é a presença de um tear de fabricar tecidos de algodão na lista dos bens da fazenda da Acauã, de Vicência Lins de Vasconcelos, em 178630, assim como a existência de um artefato dessa mesma natureza na fazenda Serra Negra, sita na Ribeira das Espinharas, em 182231. Não podemos deixar, também, de mencionar referências a fregueses que tinham dívidas a saldar com algodão em arroba32 ou em pluma33, indicativo da importância do produto como moeda de troca no sertão e, acima disso, como gênero de exportação da freguesia34.

  • 35 Silva, 2002 : 91-9.
  • 36 A respeito da implantação do Diretório dos Índios no Brasil verificar Moreira Neto, 1988.Domingues, (...)

21Outro elemento que poderia ter influenciado a migração de Tomé Gonçalves seria a fuga do controle do Diretório dos Índios. Mecejana, de onde se originou, era o antigo aldeamento missionário de Paupina, erigido em vila em 1760, em decorrência do conjunto da legislação pombalina de liberdade dos índios35. No âmbito de vilas como Mecejana, a população indígena passava por um gradativo processo de condução até o estágio de “civilizada”, quando era obrigada a trabalhar compulsoriamente, de preferência para os  colonos, com remuneração vil e a incorporarem a cultura ocidental, especialmente a língua portuguesa, a religião católica e a residência em um espaço planejado e monitorado pelos diretores. Ou seja, por trás da liberdade concedida aos índios através da legislação exarada pelo Marquês de Pombal estaria um conjunto de atitudes que cerceavam a maneira nativa de viver, sobretudo as práticas de deslocamentos para a caça em terrenos fora da vila e de cultos cuja origem estava assinalada antes da chegada dos missionários. Além disso, essas atitudes também tinham como meta incorporar os índios no estatuto de vassalos de El-rei, o que significava, em outras palavras, a obrigatoriedade de sua inserção no universo do trabalho – fosse para manter sua própria sobrevivência, fosse para executar serviços, nas vilas e fora delas, aos colonos, recebendo, por isso, miseráveis remunerações em relação ao que era pago aos brancos36.

22No Príncipe, erigido oficialmente em 1788, não existia a figura do diretor, característica dos núcleos urbanos nascidos sob a égide da legislação pombalina, mas, tão somente, as autoridades próprias de uma vila setecentista: o pároco, o capitão-mor, o juiz ordinário e de órfãos e os vereadores que compunham o Senado da Câmara. Não queremos afirmar, com isso, que, para as minorias sociais da época morar na Vila do Príncipe ou nas suas redondezas fosse ter acesso a uma vida pródiga. As condições eram semelhantes às que haviam em outras vilas coloniais, inclusive reguladas pelos mesmos dispositivos legais. A diferença é que os índios que moravam na Freguesia de Santa Ana não experimentaram a mesma coação que tinham que passar nas vilas do diretório, em especial no que concerne ao trabalho. Pelo contrário, tinham como alternativas trabalhar nas lides do criatório, na lavoura de subsistência (cultivada nas chãs das serras) ou de exportação (a do algodão, expandida no fim do século) e ainda em pequenos ofícios no tecido urbano, quando dispunham de habilidade para isso. Nem sempre, todavia, os índios – naturais da freguesia e imigrados de outras plagas – ajustavam o seu modo de vida ao ritmo acelerado do trabalho branco, recaindo em situações de pobreza, miserabilidade e errância.

  • 37 Trata-se de cargo que, embora vinculado ao Senado da Câmara, exercia atribuições da Justiça Pública (...)
  • 38 Wehling & Wehling, 2000 : 151.
  • 39 Wehling & Wehling, 2000 : 151.

23Acreditamos que esta não foi a situação de Tomé Gonçalves, que constituiu família com uma freguesa de Santa Ana – provavelmente índia – e morou na fazenda da Suçuarana, considerando, ainda mais, que exerceu um ofício remunerado na Vila do Príncipe, o de porteiro do auditório do Senado da Câmara37. Na hierarquia dos cargos públicos coloniais, discutida por Arno Wehling e Maria José Wehling, o de porteiro ocupava o setor inferior, junto com escrivães de meirinhos, contínuos, guardas-menores, meirinhos das câmaras, patrões de escaler, guardas-marinhas, guarda-livros, médicos, barbeiros e procuradores de índios38. Eram pré-requisitos gerais, para a investidura de um cargo desses, ser “maior de vinte e cinco anos ou emancipado, ser mentalmente capaz, ser católico e pertencer ao sexo masculino”39, acrescidos de itens mais específicos dependendo da habilitação a que se desejava.

24No caso de Tomé Gonçalves, acreditamos que o mesmo deveria ter algum conhecimento, ainda que rudimentar, de aritmética – embora não soubesse ler e escrever, assinando com uma cruz nos documentos – já que, ao porteiro de auditório, no Príncipe, era imputada a função de cuidar dos pregões. Estes, determinados pelo juiz ordinário e de órfãos, aconteciam quando era premente a necessidade de leiloar, em público, bens – geralmente semoventes, incluindo escravos – para o pagamento de dívidas que vinham à tona por ocasião da abertura de processos judiciais, a exemplo de ações cíveis e inventários post-mortem. Dessa forma, é possível que Tomé Gonçalves soubesse o básico das quatro operações matemáticas.

  • 40 Inventário de José Ferreira dos Santos, 1805, Comarca de Acari (CA), Inventários post-mortem (IPM), (...)

25Revirando os papéis da Comarca de Caicó e os da Comarca de Acari encontramos Tomé Gonçalves exercendo o ofício de porteiro do auditório em inventários de 1795, 1798, 1805, 1809, 1810, 1813, 1814 e 1822. Claro que não estamos diante de todos os pregões que o índio participou em vida, mas, de fragmentos que apareceram em anexo aos inventários post-mortem, dando conta das suas atividades no Príncipe. Um bom exemplo de como ele atuava podemos extrair do arrolamento dos bens que ficaram pelo falecimento do português José Ferreira dos Santos, da fazenda Picos de Cima, em 180540.

26O inventário foi julgado por sentença de 08 de dezembro de 1805, do juiz Tomaz de Araújo Pereira, tendo ficado separados escravos e gado para o pagamento de uma dívida que o defunto tinha com um morador da Praça de Pernambuco. Em maio do ano posterior (1806), na Vila do Príncipe, compareceu o citado credor, Bernardo José Lopes de Morais, a fim de obter o pagamento do que lhe devia o defunto. Afirmou, em sua petição, que a dívida de José Ferreira dos Santos, no valor de 331$263, era decorrente de um ajuste que fizera com ele, em 1803, objetivando adquirir uma fazenda. O pernambucano apresentou à Justiça, como testemunhas da formalização da dívida, três homens brancos e casados: os capitães Manuel Antonio Dantas Corrêa (cunhado do defunto José Ferreira) e Francisco Gomes da Silva (concunhado do defunto e natural de Pernambuco) mais José Ferreira Barreto, esposo de dona Antonia Cortês – coincidentemente, natural do Recife e madrinha de uma das filhas de Tomé Gonçalves e Maria Egipcíaca no mesmo ano de 1806. Em função do requerimento de Bernardo Lopes, foi feito o pregão público dos bens que haviam sido separados pelo juiz para a quitação da dívida, objetivando sua venda para quem desse o maior lance.

  • 41 Alguns elementos desse auto de arrematação nos fornecem a medida de como as relações entre índios, (...)

27O pregão aconteceu na Praça Pública do Pelourinho da Vila Nova do Príncipe, onde, no período de 28 de maio a 07 de junho de 1806 o porteiro Tomé Gonçalves colocou os bens em hasta, de dia à noite, na presença do juiz de órfãos, capitão Miguel Pinheiro Teixeira, e do escrivão Manuel Pereira da Silva Castro. Nenhum interessado apareceu nesses onze dias para adquirir as sete cabeças de gado vacum, cinco de cavalar e os três escravos (Maria e Ana, crioulas, de 8 e 7 anos, respectivamente, além de Domingos, do Gentio de Angola, que tinha 25 anos) cujo equivalente em dinheiro deveria ser pago a Bernardo Lopes. Somente em 08 de junho ocorreu um lance – o primeiro e único – nos bens, curiosamente, por um dos partidores que cuidou da repartição dos bens deixados pelo defunto José Ferreira, o crioulo forro Caetano Soares Pereira de Santiago. Dado e arrematado o rol de bens, Caetano Soares depositou a quantia de 333$800 em juízo no dia 10 de outubro de mesmo ano, passando a ser possuidor, oficialmente, das reses, cavalos e cativos, ao passo que o juiz expediu o pagamento da dívida a Bernardo Lopes41.

Considerações finais

28O intuito deste artigo, anunciado nas páginas iniciais, era o de problematizar o fenômeno das mestiçagens na Freguesia do Seridó, tema de nossa investigação de doutorado, a partir de uma abordagem micro-histórica. Tomé Gonçalves, cujos passos seguimos neste texto, é fragmento de uma realidade histórica mais ampla, através da qual podemos estabelecer algumas ideias, ainda que em nível de hipótese, acerca de como se processou o fenômeno das mestiçagens na Freguesia do Seridó. Antes disso, faz-se necessário que reafirmemos algumas posturas no que diz respeito à utilização de uma abordagem micro-histórica.

  • 42 Revel, 2000 : 35. O debate acerca do uso das escalas na micro-história é levantado pelo autor do pr (...)

29A primeira diz respeito à questão da escala. Ao reduzirmos a escala de observação, focando nossos olhares na história de vida de Tomé Gonçalves, não significa dizer que estamos, apenas, tentando reconstruir a sua biografia. Nossa preocupação vai mais além, pois, essa biografia (talvez fosse mais apropriado, nesse momento da investigação, falarmos de fragmentos biográficos) se constitui enquanto uma possibilidade através da qual podemos compreender a maneira como as mestiçagens se processaram no Seridó no período em estudo. Esse através, a que nos referimos, implica aceitarmos a ideia de que, mais que proceder a uma redução de escala, o micro-historiador deve trabalhar com jogos de escalas, utilizando o micro para atingir o macro e alternando entre essas duas lentes de observação. No prefácio à obra de Giovanni Levi, Jacques Revel admoesta, a propósito, um dos cuidados que o micro-historiador deve ter: o de não estudar o micro pelo micro, mas, de perceber diferentes realidades a cada nível de leitura que empreende nos documentos compulsados, de modo a “conectar essas realidades em um sistema de interações múltiplo”. Isto porque, segundo o historiador francês, “Os acontecimentos são, naturalmente, únicos, mas só podem ser compreendidos, até mesmo em sua particularidade, se forem restituídos aos diferentes níveis de uma dinâmica histórica”42.

  • 43 Levi, 1992 : 135. Esse mesmo posicionamento quanto à necessidade de um procedimento dialógico entre (...)

30Disso decorre uma segunda atitude: a de que não devemos desvincular a abordagem micro-histórica de uma análise que privilegie, também, a problematização do contexto. Embora tenhamos a certeza de que é impossível reconstruir a realidade inteira por meio de um fragmento – aqui, tomado como a trajetória de Tomé Gonçalves –, esse mesmo pedacinho do passado pode nos fornecer algo da realidade social, dependendo da forma como é analisado. A lição que Giovanni Levi nos proporciona é a de que o indivíduo, historicamente, está ligado a uma realidade normativa. Por conseguinte, “toda ação social é vista como o resultado de uma constante negociação, manipulação, escolhas e decisões do indivíduo”, diante dessa mesma realidade marcada por normas e maneiras de agir. A tarefa do historiador, nesse sentido, é a de “definir as margens– por mais estreitas que possam ser – da liberdade garantida a um indivíduo pelas brechas e contradições dos sistemas normativos que o governam”43.

  • 44 Levi, 1992 : 154.

31A história de vida de Tomé Gonçalves nos lembra outra postura: a de que a escolha de sua trajetória individual foi feita não porque se trata de exemplo típico do período, encontrado fartamente na documentação – senão, poderia ser, até mesmo, passível de serialização. Sua vida, tomada enquanto fragmento da realidade, nos permite inferir que o acesso ao conhecimento do passado, mediado por “indícios, sinais e sintomas”, tem como ponto de partida a perspectiva do particular – “um particular que com frequência é altamente específico e individual, e seria impossível descrever como um caso típico”, usando as palavras de Giovanni Levi44.

32Tomé Gonçalves, assim como o moleiro Menocchio, o camponês Martin Guerre e o padre-exorcista Giovan Battista Chiesa, estudados, respectivamente, por Carlo Ginzburg, Natalie Davis e Giovanni Levi, são singularidades do seu tempo. Personagens atípicos, muitas vezes anônimos sob o peso dos arquivos, sobre os quais talvez não soubéssemos nenhuma informação, não fosse o trabalho de pesquisa dos historiadores que desencavaram suas vidas e as discutiram em suas pesquisas. Exceção para a sua época, Tomé Gonçalves era anônimo para a historiografia que estuda o Seridó até o momento em que o desentranhamos dos arquivos e começamos a perseguir seus passos.

  • 45 Aqui entendido partindo-se da problematização levantada por Ares Queija & Gruzinski, 1997.

33O exame de sua trajetória de vida permite-nos caracterizá-lo enquanto agente mediador45, ou seja, enquanto um personagem que transitou entre dois mundos – o nativo e o colonial –, contribuindo para a intensificação da fluidez entre suas fronteiras no século XVIII. Uma mediação que pode ser compreendida quando atentamos para o Tomé Gonçalves que era índio, natural de uma vila do Diretório Pombalino (antiga missão, portanto) e que, gradativamente, integra-se ao mundo colonial que se estruturava nas capitanias do Norte no decurso do século XVIII. O percurso desse personagem condiz com o dos mestiços peruanos no distante século XVI, estudados por Berta Ares Queija e marcado por uma grande mobilidade espacial e étnica, trânsito entre culturas e intermediação. O mestiço, para a autora, é pensado como:

  • 46 Ares Queija, 1997 : p. 37-8.

alguien que, situado en una posición intersticial, está acostumbrado a desenvolverse en ámbitos distintos con relativa fluidez, a manejarse habitualmente en dos lenguas, a ‘traducir’ de un universo simbólico al otro y, en definitiva, a traspasar uma y otra vez fronteras mentales y de todo tipo, en una permanente confrontación que, sin duda, le permite adquirir consciencia de lãs semejanzas y diferencias46.

  • 47 LE nº 02, p. 145, FGSSAS, APSC.
  • 48 LE nº 03, p. 25, FGSSAS, APSC.

34Essa consideração podemos estender a Tomé Gonçalves da Silva, que morreu em 1836, vitimado por “retenções de urinas”, sendo o seu corpo sepultado na Matriz do Seridó47. Maria Egipcíaca, sua mulher, deixou de existir seis anos depois (1842), com morte causada por moléstia de peito, sepultando-se, também, no mesmo templo48. A história desse índio, que deixou o Ceará Grande para morar na Freguesia do Seridó, onde exerceu o ofício de porteiro, pode nos ajudar a compreender as possibilidades de sobrevivência dessa população em meio ao mundo colonial. Tomé Gonçalves, embora índio de nascimento, era um mestiço, partindo do pressuposto discutido por Serge Gruzinski de que a ocidentalização, além de gerar mestiçagens biológicas, acarretou, também, mestiçagens culturais, envolvendo saberes, práticas e modos de viver.

  • 49 Esse jogo de expressões utilizadas para definir a população não-branca encontra-se no bojo da polít (...)

35No caso de Tomé Gonçalves, o exercício de cargo público provavelmente lhe deu certo destaque em relação à comunidade onde vivia, aproximando ele e sua família do mundo dos brancos. Não sendo incomum, dessa maneira, o fato de que os registros paroquiais, a partir do início do século XIX, gradativamente deixassem de lhe chamar de índio, omissão que se estendia para os seus filhos, quando muito, tidos como pardos49. Tomé Gonçalves, dessa maneira, foi um indivíduo que, a julgar pelos indícios fornecidos pelas fontes analisadas, integrou-se ao mundo colonial, considerando que era casado em face da Igreja e prestou serviços ao Senado da Câmara.

  • 50 Gruzinski, 2001 : 110.
  • 51 Holanda, 1994.

36A imersão dessa personagem – e de outras, certamente, ainda encobertas pela poeira nos arquivos – no mundo colonial é uma evidência de que, como disse Serge Gruzinski, a ocidentalização não acarretou o total arrasamento das culturas autóctones. Por outro lado, produziu mestiçagens, entendidas como “um esforço de recomposição de um universo desagregado e como um arranjo local dos novos quadros impostos pelos conquistadores”50. Ou, nas palavras de Sérgio Buarque de Holanda, um novo estilo de vida, mestiço, parte europeu, parte nativo51, do qual Tomé Gonçalves fazia parte.

37Essas histórias individuais, reconstruídas por meio do cruzamento intenso de fontes de naturezas diversas (notas cartoriais, registros de paróquia, inventários post-mortem), nos oferecem pistas para pensarmos que o fenômeno das mestiçagens, na Freguesia do Seridó, era bem mais complexo do que a ideia de, apenas, uma mistura biológica. Nesse território colonial, malgrado a desagregação das sociedades tribais, a circulação de pessoas de várias partes do mundo conhecido favoreceu o aparecimento de mestiçagens entre seus corpos e suas práticas culturais: os colonos luso-brasílicos, os marinheiros vindos do reino, os africanos forros e escravos, os mestiços, os índios remanescentes das guerras de conquista.

38A ocidentalização, pois, mesmo ao fraturar a organização pré-colonial das sociedades indígenas, ofereceu-lhes chance de sobrevivência por meio da mistura com outros grupos sociais, sem que deixassem de ser diferenciadas do restante da população, como aconteceu com Tomé Gonçalves, agente mediador entre o mundo nativo e o mundo ocidental.

Haut de page

Bibliographie

Almeida, Maria Regina Celestino de, Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2003.

Araújo, Douglas, Surgimento e decadência das oficinas de carne seca do Rio Grande do Norte, Natal, CCHLA, 1994. (Col. Humanas Letras).

Araújo, Douglas, A morte do Sertão Antigo no Seridó: o desmoronamento das fazendas agropecuaristas em Caicó e Florânia (1970-90), Tese de Doutorado em História da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

Ares Queija, Berta, “El papel de mediadores e la construcción de un discurso sobre la identidad de los mestizos peruanos (siglo XVI)”, Ares Queija & Gruzinski, Serge (coords.), Entre dos mundos: Fronteras culturales y Agentes mediadores, Sevilla, Escuela de Estúdios Hispano-Americanos/Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, 1997 (Anais do 1º Congresso Internacional sobre Mediadores Culturais, de 1995): 37-59.

Azevedo, Anna Elizabeth Lago de, O Diretório Pombalino em Pernambuco, Recife, 2004, Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Pernambuco.

Barros, José D’Assunção, “Sobre a feitura da micro-história”, Opsis, 7/7 (Catalão, 2007): 167-85.

Dantas, Eugênia Maria, Retalhos da Cidade: revisitando Caicó, 1996, Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Davis, Natalie Zemon, O retorno de Martin Guerre, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

Diehl Astor A., “Apontamentos teórico-metodológicos em torno da microistória”, Cultura historiográfica, Bauru, Edusc, 2002: 159-84.

Domingues, Ângela, Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

Faria, Sheila de Castro, A colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial, Rio de Janeiro, Objetiva, 1998.

Ginzburg, Carlo, “Micro-história: duas ou três coisas que sei a respeito”, O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício, São Paulo, Companhia das Letras, 2007: 249-279. 

Ginzburg, Carlo, Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

Ginzburg, Carlo, “O inquisidor como antropólogo”, Revista Brasileira de História, 1/21 (São Paulo, 1990/1991): 9-20.

Ginzburg, Carlo, O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição, São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

Ginzburg, Carlo, “O nome e o como: troca desigual e mercado historiográfico”, A micro-história e outros ensaios, Lisboa, Difel, 1989: 169-78.

Gruzinski, Serge, A colonização do imaginário: sociedades indígenas e ocidentalização no México espanhol (séculos XVI-XVIII), São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

Gruzinski, Serge, O Pensamento mestiço, São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

Holanda, Sérgio Buarque de, Caminhos e fronteiras, 3.ed., São Paulo, Companhia das Letras, 1994.

Levi, Giovanni, A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000.

Levi, Giovanni, “Sobre a micro-história”, Burke, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas, São Paulo, Edunesp, 1992: 133-61.

Lima, Henrique Espada, A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2006.

Lopes, Fátima Martins, Em nome da liberdade: as vilas de índios do Rio Grande do Norte sob o Diretório Pombalino no século XVIII, 2005, Tese (Doutorado em História do Brasil), Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Macedo, Helder Alexandre Medeiros de, Ocidentalização, territórios e populações indígenas no sertão da Capitania do Rio Grande, 2007, Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Macedo, Helder Alexandre Medeiros de, Vivências índias, mundos mestiços: relações interétnicas na Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó entre o final do século XVIII e início do século XIX, 2002, Monografia (Graduação em História), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Caicó.

Macêdo, Muirakytan Kennedy de, A penúltima versão do Seridó: espaço e história no regionalismo seridoense, 1998, Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Macêdo, Muirakytan Kennedy de, Rústicos cabedais: patrimônio familiar e cotidiano nos sertões do Seridó (século XVIII), 2007, Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Mattos, Maria Regina Mendonça Furtado, Vila do Príncipe - 1850/1890. Sertão do Seridó - Um estudo de caso da pobreza, 1985, Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Medeiros Filho, Olavo de, Cronologia Seridoense, Mossoró, Fundação Guimarães Duque/Fundação Vingr-Un Rosado, 2002 (Mossoroense, Série C, v.1268).

Monteiro, Denise Mattos, Introdução à História do Rio Grande do Norte, Natal, EDUFURN, 2000.

Monteiro, John, Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo, São Paulo, Companhia das Letras, 1994.

Monteiro, John, Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo, 2001, Tese (Livre-docência em Etnologia – História Indígena e do Indigenismo), Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Morais, Ione Rodrigues Diniz, Desvendando a cidade: Caicó em sua dinâmica espacial, Brasília, Centro Gráfico do Senado Federal, 1999.

Morais, Ione Rodrigues Diniz, Seridó norte-rio-grandense: uma geografia da resistência, 2004, Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Moreira Neto, Carlos de Araújo, Índios da Amazônia, de maioria a minoria (1750-1850), Petrópolis, Vozes, 1988.

Pires, Maria Idalina da Cruz, Resistência Indígena nos sertões nordestinos no Pós-Conquista Territorial: legislação, conflito e negociações nas vilas pombalinas  (1757 – 1823), 2004, Tese (Doutorado em História), Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Revel, Jacques (org), Jogos de escalas: a experiência da microanálise,  Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1998.

Revel, Jacques, “Prefácio: a história ao rés-do-chão”, Levi, Giovanni, A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000: 7-37.

Silva, Isabelle Braz P. da, Vilas de Índios no Ceará Grande: dinâmicas locais sob o Diretório Pombalino, 2002, Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Universidade Estadual de Campinas,  Campinas.

Takeya, Denise Monteiro, Um outro Nordeste: o algodão na economia do Rio Grande do Norte (1880-1915), Fortaleza, BNB/ETENE, 1985.

Vainfas, Ronaldo (dir.), Dicionário do Brasil Colonial (1500-1822), Rio de Janeiro, Objetiva, 2000.

Wehling, Arno & Wehling, Maria José, “O funcionário colonial entre a sociedade e o rei”, Priore, Mary Del, Revisão do paraíso: os brasileiros e o Estado em 500 anos de história, Rio de Janeiro, Campus, 2000: 139-59.

Haut de page

Notes

1 Os reflexos da ocidentalização e da mestiçagem cultural fruto desse amplo processo estão contidos em Gruzinski, 2001 ; 2003. A temática dos intercursos culturais entre povos de diferentes origens, no Brasil, já encontrara refúgio na obra do historiador Sérgio Buarque de Holanda. Referimo-nos a Caminhos e Fronteiras (Holanda, 1994), onde o autor discute a proposta de aculturação tanto dos indígenas quanto dos portugueses. Essa atitude de aculturação do europeu ocasionou-se, segundo o autor, devido ao meio hostil e inseguro que fez com que os marinheiros (como eram chamadas as pessoas que vinham do Velho Mundo pelo mar) renunciassem a uma vida nobiliárquica e sedentária, assimilando os usos e costumes indígenas para sobreviver – o que acarretava um novo estilo de vida, mestiço, parte europeu, parte nativo.

2 Copia fiel do Edital do Rmo Vizor Manoel Machado Freire, pelo qual se dividiu esta Freguesia de Santa Ana do Seridó, da, de Nossa Senhora do Bom Sucesso do Piancó ou Pombal em 15 de abril de 1748. Arquivo da Paróquia de Sant’Ana de Caicó (APSC), Livro de Tombo da Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó (1748-1906).

3 Copia do termo de designação do lugar que foi achado mais cômodo para a ereção da nova Matriz da Senhora Santa Anna, em 26 de julho de 1748, APSC, Livro de Tombo da Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó (1748-1906).

4 Estamos nos referindo aos trabalhos de Mattos, 1985. Dantas, 1996. Morais, 1999 ; 2004. Macêdo, 1998 ; 2007. Araújo, 2003. Macedo, 2002.

5 Macedo, 2007.

6 Ginzburg, 1987.

7 Davis, 1987.

8 Levi, 2000.

9 Levi, 1992 : 136. Giovanni Levi, nesse texto em que faz um balanço da micro-história, caracteriza essa prática com as seguintes questões e posições, comuns entre seus utilizadores : “a redução da escala, o debate sobre a racionalidade, a pequena indicação como um paradigma científico, o papel do particular (não, entretanto, em oposição ao social), a atenção à capacidade receptiva e à narrativa, uma definição específica do contexto e a rejeição do relativismo” (Levi, 1992 : 159). Diehl, 2002 : 162-5, aponta a micro-história como sendo a vertente da história social mais desenvolvida, não chegando a superar ou a ser um novo paradigma historiográfico, concentrando como características freqüentes o apego à narrativa e a tendência ao empirismo. Henrique Espada Lima, em estudo mais recente acerca da micro-história, considera-a como sendo detentora de quatro marcas principais : o tratamento intensivo e qualitativo das fontes ; o estudo intenso sobre comunidades, grupos familiares ou indivíduos ; a combinação de fontes seriais com outras tipologias de fontes ; e o método “nominativo” (Lima, 2006 : 62-3).

10 A fonte de inspiração metodológica desse procedimento é tomada de Faria, 1998,onde a autora utiliza-se da prática da micro-história na análise de histórias individuais de diversos grupos sociais e de sua mobilidade espacial e cultural nos Campos dos Goitacases no Período Colonial.

11 Diehl, 2002 : 171.

12 A metodologia de trato e coleta da documentação manuscrita foi balizada pelo método indiciário, problematizado por Carlo Ginzburg, para o qual as fontes não se apresentam enquanto janelas abertas, tampouco como muros fechados – mas, como elementos da realidade marcados por indícios, sintomas, rastros. Esses sinais podem ser decifrados por meio de um procedimento investigativo analítico e que envolva o cruzamento de discursos das mais variadas naturezas, observados em fontes produzidas por diferentes instâncias sociais. A gênese do método indiciário e sua emergência no âmbito das Ciências Humanas e Sociais encontra-se discutida em Ginzburg, 1989. Ver, acerca de como as fontes de aparelhos repressivos (sobretudo, a Inquisição) podem ser utilizadas pelo historiador, a partir dos indícios deixados, Ginzburg, 1/21 (São Paulo, 1990/1991) : 9-20.

13 Sobre a escravidão indígena na América Portuguesa, conferir Monteiro : 1994.

14 Dado o limite de páginas deste texto, deixamos de cruzar e discutir outros casos individuais de índios e mestiços que tiveram lugar na Freguesia de Santa Ana do Seridó, a exemplo das histórias de Anastácio e Domingas, Mateus de Abreu Maciel e Policarpo Carneiro Machado. Para verificar o alcance da abordagem micro-histórica em relação a esses indivíduos, consultar Macedo, 2007, especialmente o Capítulo 4.

15  Auto de arrematação da mulatinha Ana e da cabrinha Teresa, 1812. Laboratório de Documentação Histórica (LABORDOC), Fundo da Comarca de Caicó (FCC), 1º Cartório Judiciário (1ºCJ), Série Temática dos “Diversos” (DIV), Caixa 1, Cód. Folhas esparsas de inventários, vol. 1º, diversas épocas.

16 Pregão de bens nas ruas públicas da Vila Nova do Príncipe, sem identificação, 1812. LABORDOC, FCC, 1ºCJ, DIV, Caixa 1, Cód. Folhas esparsas de inventários, vol. 1º, diversas épocas.

17 Livro de Enterros nº 01 (LE nº 01), p. 3v., Freguesia da Gloriosa Senhora Santa Ana do Seridó (FGSSAS), APSC.

18 LE nº 01, p. 28v., FGSSAS, APSC.

19 Livro de Casamentos nº 01 (LC nº 01), p. 128v., FGSSAS, APSC.

20 Livro de Batizados nº 01 (LB nº 01), ficha 625, FGSSAS, APSC.

21 LC nº 02, p. 145-145v., FGSSAS, APSC.

22 LC nº 02, p. 166-166v., FGSSAS, APSC.

23 Estamos nos referindo à fazenda Suçuarana que ficava nas proximidades da Vila do Príncipe, a julgar pelos registros comentados acima localizarem as cerimônias na Matriz de Santa Ana. Existia outra fazenda de mesmo nome, desta feita, localizada na Ribeira do Seridó, onde hoje fica o município de Parelhas. Encontramos dois registros no livro mais antigo de enterros que são de moradores dessa outra fazenda Suçuarana : o de Manuel, com oito dias de nascido, filho de José Antonio dos Santos e Damiana Maria, sepultado em 1804 na Capela do Acari (LE nº 01, p. 101v-102, FGSSAS, APSC) e o de outro Manuel, de um ano, filho de José e Antonia, sepultado na Capela da Conceição em 1812 (LE nº 02, p. 6, FGSSAS, APSC). Esses dados confirmam nossa afirmação supra, vez que as capelas do Acari e da Conceição localizam-se geograficamente bem mais próximas da fazenda Suçuarana cujos contornos pertencem, na atualidade, a Parelhas. Os moradores da fazenda homônima, próxima da Serra do Samanaú – Tomé Gonçalves e sua família –, até mesmo pela distância, praticavam seus ritos na Matriz de Santa Ana do Seridó.

24 LE nº 01, p. 28v., FGSSAS, APSC

25 LE nº 01, p. 32v., FGSSAS, APSC

26 Takeya, 1985 : 25.

27 Monteiro, 2000 : 102. A autora considera, a propósito, que a “pequena produção de açúcar dos engenhos litorâneos do Rio Grande, durante todo o período colonial e até meados do século XIX, destinou-se muito mais ao mercado interno do que à exportação para o exterior”.

28 Monteiro, 2000 : 103.

29 Monteiro, 2000 : 101.

30 Inventário de Vicência Lins de Vasconcelos, 1786, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 02 – 1775-1789.

31 Inventário de Manuel Pereira Monteiro, 1822, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 08 – 1822.

32 Inventário de João Ferreira Godinho, 1799, LABORDOC, FCC, 1ºCJ, IPM, Caixa 03A – 1798-1799.

33 Escritura de hipoteca que fazem Manuel Lopes Roraima e sua mulher Verônica Lins de Vasconcelos, na Serra dos Canudos, de uma dívida de 33 sacas de algodão em pluma a João Machado da Costa, Comarca de Caicó (CC), Livro de Notas nº 02 (LN nº 02), 1792-1799, p. 28.

34 Mappa dos preços correntes na Parochia da Vila do Principe no mez de Janeiro e no ano de 1802, por Cipriano Lopes Galvão, LABORDOC, Fundo José Augusto Bezerra de Medeiros (FJABM). Esse mapa, que estabelece um perfil dos gêneros exportados, importados e consumidos na freguesia, indica que no ano de 1802 a arroba do algodão exportado variava de 4$000 a 5$500. Cifra que aumentou, em 1810, para o intervalo entre 5$500 e 6$000 (mapa publicado por Medeiros Filho, 2002 : 175-6).

35 Silva, 2002 : 91-9.

36 A respeito da implantação do Diretório dos Índios no Brasil verificar Moreira Neto, 1988.Domingues, 2000. Almeida, 2003. Especificamente para a Capitania de Pernambuco e anexas consultar Pires, 2004. Azevedo, 2004.Silva, 2002. Lopes, 2005.

37 Trata-se de cargo que, embora vinculado ao Senado da Câmara, exercia atribuições da Justiça Pública, vez que, no Antigo Regime, eram tipicamente indiferenciadas as atribuições legislativas, judiciárias e executivas (Vainfas, 2000 : 17). As atribuições do cargo de porteiro estão previstas nas Ordenações Filipinas (Ordenações Filipinas, Livro Primeiro, Título LXXXVII, 1).

38 Wehling & Wehling, 2000 : 151.

39 Wehling & Wehling, 2000 : 151.

40 Inventário de José Ferreira dos Santos, 1805, Comarca de Acari (CA), Inventários post-mortem (IPM), Maço 01, Processo nº 14.

41 Alguns elementos desse auto de arrematação nos fornecem a medida de como as relações entre índios, negros e brancos eram complexas na Freguesia do Seridó nos tempos coloniais. Observemos, assim, dois fatos infreqüentes para a região, até onde chega o nosso conhecimento. O primeiro deles : a pessoa que estava oficiando o pregão do gado e dos cativos, o índio Tomé Gonçalves, teria, treze anos mais tarde (1819) um escravo (o pardo José Ferreira) como genro. Outro : o crioulo forro Caetano Soares Pereira Santiago, que em outros documentos judiciais aparece como pardo e negro, sendo possuidor de escravos. Acreditamos que se tratasse de uma pessoa com certa visibilidade na Vila do Príncipe, já que a documentação o menciona, repetidas vezes, como sacristão e como pessoa que vive da arte de pintar. Reservemos essa problemática, todavia, para estudos futuros.

42 Revel, 2000 : 35. O debate acerca do uso das escalas na micro-história é levantado pelo autor do prefácio em Revel, 1998. Carlo Ginzburg também comunga dessa necessidade de diálogo entre o micro e o macro, justificando-o como necessário, até mesmo, como componente que norteará a narrativa historiográfica (Ginzburg, 2007 : 276-7).

43 Levi, 1992 : 135. Esse mesmo posicionamento quanto à necessidade de um procedimento dialógico entre o micro e o macro, na análise micro-histórica, é reivindicado por Barros, 7/7 (Catalão, 2007) : 170-1.

44 Levi, 1992 : 154.

45 Aqui entendido partindo-se da problematização levantada por Ares Queija & Gruzinski, 1997.

46 Ares Queija, 1997 : p. 37-8.

47 LE nº 02, p. 145, FGSSAS, APSC.

48 LE nº 03, p. 25, FGSSAS, APSC.

49 Esse jogo de expressões utilizadas para definir a população não-branca encontra-se no bojo da política colonial de controle dessas mesmas populações. Esse controle passava, assim, pela construção de novas categorias sociais (ou, no limite, ao “ressurgimento” de antigas categorias no contexto da Ocidentalização), que o historiador John Monteiro chama de “marcadores étnicos genéricos” – citando “carijós”, “tapuias” e mesmo “índios”. Expressões essas que, além de responderem às estratégias de assimilação dos não-brancos, “buscavam diluir a diversidade étnica, ao mesmo tempo [que] se tornaram referências importantes para a própria população indígena” (Monteiro, 2001 : 58-59).

50 Gruzinski, 2001 : 110.

51 Holanda, 1994.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Helder Alexandre Medeiros de Macedo, « Sobre mestiçagens numa freguesia do sertão da América portuguesa: o caso do índio Tomé Gonçalves da Silva », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 31 janvier 2011, consulté le 25 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/60824 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.60824

Haut de page

Auteur

Helder Alexandre Medeiros de Macedo

Doutorando em História, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil, Bolsista CAPES, heldermacedox@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page