Navigation – Plan du site
Isabel Cristina Leite

Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria: memórias y olvidos,Buenos Aires: ed. Siglo veintiuno, 2009. 280 p.

[13/07/2011]

Notes de la rédaction

Une autre recension de cet ouvrage est également disponible en espagnol à l’adresse suivante : http://nuevomundo.revues.org/60259

Texte intégral

  • 1 Justiça de Transição e o “acerto de contas”, Entrevista com Glenda Mazzaroba, Jornal da Unicamp,
  • 2  Mezzaroba, op.cit. p. 10 ; Araújo. Maria Paula. Memórias comparadas das esquerdas no Brasil e na A (...)
  • 3 Em 2005, Oscar Del Barco, filósofo, antigo militante da organização Ejército Guerrillero del Pueblo (...)

1A agenda política dos países que viveram sob o julgo de regimes ditatoriais ao longo do século passado tem dado prioridade aos assuntos relacionados ao que se denomina de “justiça de transição”. Usamos tal denominação para as questões referentes à “maneira como as sociedades lidam com o legado de violações de direitos humanos (…) ou outras formas de trauma social severo”1, de forma a construir um futuro mais democrático e pacífico. Cada país tem buscado lidar com este passado e construir a memória sobre ele, levando em consideração sua realidade e seu modelo de transição democrática. Diversos autores apontam que a Argentina está à frente de outros países que passaram por fenômenos semelhantes nas questões que tangem à justiça de transição, como o julgamento e punição de culpados, evocação e problematização das memórias da guerrilha por parte de seus antigos adeptos2. Deste modo, passadas mais de duas décadas do fim da ditadura naquele país, os intelectuais de esquerda que estiveram ligados à luta armada estão em processo de revisão crítica deste modelo de luta. Esta crítica atual extrapola a discussão acerca da “eficácia” ou validade da luta armada, levando em consideração aspectos ético-morais da atuação dos guerrilheiros. Os próprios ex-combatentes resinificam suas ações e condenam suas atitudes, especialmente no que tange ao justiçamento de companheiros, rompendo, deste modo, com o silêncio das esquerdas sobre esta questão3.

  • 4 Vezzetti, Hugo, Pasado y presente. Guerra, dictadura y sociedad em la Argentina. Buenos Aires: ed S (...)

2Neste contexto, Hugo Vezzetti, professor na Universidad de Buenos Aires, escreveu Sobre la violencia revolucionaria: memorias y olvidos, publicado em 2009. O livro contempla um amplo debate historiográfico sobre as questões conexas ao campo da memória política e da violência revolucionária na Argentina, exacerbada nos anos 1970. Como o próprio autor relata na apresentação, este livro é uma espécie de continuação das reflexões de sua obra anterior4, cujo foco foi o julgamento das Juntas Militares e o aparecimento do Nunca Más como base para um primeiro consenso sobre o passado recente centrado na figura da vítima. Em Sobre la violencia revolucionaria, o autor quer revisar esta história recente partindo de outras premissas, levando em consideração a questão da violência revolucionária e seus adeptos.

3Este livro estrutura-se em quatro capítulos. O primeiro capítulo, La memoria justa: política e historia, tem como escopo a questão da memória e seu uso político. O autor apresenta seus questionamentos sobre o que seria a verdade para a memória e para a história, problematizando o papel do testemunho como peça – chave na construção desta história recente da ditadura e como os relatos foram fundamentais para a construção de uma certa memória sobre o período. Não obstante, seu contraponto, o esquecimento, também é levado em consideração, por ter função importante na reconciliação nacional, ou seja, para que o país acerte contas com o seu passado. Neste capítulo, Hugo Vezzetti faz um exaustivo debate historiográfico com autores clássicos que tiveram a memória como centro de seus estudos, como Pierre Nora, Paul Ricoeur, Maurice Halbwachs, Testvan Todorov e Andreas Huyssen, ao mesmo tempo que contextualiza o período final da ditadura e a emergência do movimento de direitos humanos, que foram cruciais na construção consensual de uma memória baseada nas vítimas do regime.

  • 5 Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria : memórias y olvidos. Buenos Aires: Siglo veintiu (...)

4O conceito de memória justa é utilizado neste debate, visto como um fundamento ético-político que busca superar os obstáculos que a sociedade argentina enfrenta para rememorar as divergências, os conflitos e até mesmo os crimes, mas de um modo mais apaziguado, como diz o autor: si no hay consensos, es mejor discutir el pasado que tratar de imponer una narración que de todos modos, terminará por quedar debilitada em la dinámica de una memoria que en Argentina está lejos de perder la vitalidad5. Trata-se mais de aceitar que é necessário um tempo para a elaboração deste passado, levando em consideração os dissensos, do que de decretar uma reconciliação que anule os conflitos.

5O segundo capítulo denominado La política y la violência é o capítulo central. Vezzetti historiciza a violência revolucionária e a crítica a ela. A violência da guerrilha acompanha a sociedade argentina pelo menos desde a década fins da década 1950, antes da última ditadura militar naquele país (1976-1983). O autor, ao longo do capítulo, vai relatando os diferentes tipos de ação e algumas linhas programáticas dos principais grupos de guerrilha existentes: o Ejercito Guerrillero del Pueblo, Montoneros; e Ejercito Revolucionario del Pueblo.

6O debate sobre a temática da violência pode ser acompanhado sob diversas formas e fontes; diferentes testemunhos, pesquisas, críticas e autocríticas. Antes mesmo da crítica realizada por Oscar del Barco em 2005 e sua repercussão, um longo caminho foi percorrido no sentido de se criticar a luta armada. As representações e os julgamentos sobre a violência e o terrorismo revolucionários, as análises críticas e as formas de rememoração foram se modificando nos últimos 35 anos e estas modificações no discurso foram observadas por Vezzetti através de diversos trabalhos acadêmicos, relatos e dos periódicos La Opinión e Controversia. O primeiro período de tratamento público, político e intelectual, sobre a guerrilha ocorreu entre os anos de 1973 a 1976, momento em que o próprio Juan Perón caracteriza os guerrilheiros – incluindo os Montoneros, peronistas – como criminosos. O segundo momento ocorreu no início da década de 1980, quando os militantes passaram a fazer a crítica desde seu exílio, onde lembravam das responsabilidades da guerrilha, não se eximindo de algumas culpas. Buscavam edificar suas memórias na figura dos mártires mortos pelo regime.

7Após estas explanações há um extenso debate historiográfico com as principais obras jornalísticas ou acadêmicas que nortearam a discussão sobre a violência e que auxiliaram na construção de uma memória dos guerrilheiros como vítimas, e de certa forma, como jovens inocentes. Esta imagem reforçada pelos atuantes movimentos de direitos humanos e o aparecimento do Nunca Más, foram fundamentais para a aplicação das punições aos envolvidos com o regime militar.

8O terceiro capítulo, Les vimos la cara de Dios, trata da violência como parte do ethos

  • 6 Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria : memórias y olvidos. Buenos Aires: Siglo veintiu (...)

9 revolucionário, por vezes comparando-a ao sexo e à religião. Citando Hannah Arendt o autor demonstra como a guerra forma uma “confraternidade do perigo”, unida sob os mesmos valores e laços de lealdade ao ponte de haver a anulação de indivíduo em prol do coletivo. Através de exemplos pontuais, mostra como era o cotidiano militante, sua dedicação exclusiva ao grupo e o imaginário existente em torno da figura do guerrilheiro, ou melhor, do líder guerrilheiro: “los guerrilleros tenían que ser fantásticos, vivían para la guerra”6. Como Deus, o líder teria poder sobre as vidas dos demais militantes. Matar ou morrer pela revolução era uma possibilidade real, uma vez que o guerrilheiro era imbuído de toda sorte de virtudes como: coragem, audácia e disposição ao sacrifício. Relacionada a esta última virtude há uma lógica da criação dos heróis guerrilheiros, do culto a estes, e a crença de que “morreram os melhores”. Por outro lado, uma análise complementar à do herói diz respeito à figura do “traidor”, que mais que uma figura de memória, é um rótulo negativo, não passível de perdão por parte dos demais, que pouco querem ouvir suas razões.

10O quarto e último capítulo El hombre nuevo, dialoga mais diretamente com o terceiro. Vezzetti vai discutir o conceito de “homem novo”, que nasceria após a revolução, conceito que ele vai historicizar, buscando raízes desde a Revolução Francesa e usando-o para o diálogo com o humanismo de tradição marxista. Aqui o autor discute a literatura que influenciou os guerrilheiros – como Guerra de Guerrilhas, de Che Guevara – e mais uma vez ressalta as virtudes do guerrilheiro-herói e seu desprendimento de sua classe burguesa. Traça uma relação entre organizações revolucionárias e fascismos, onde reforça o caráter autoritário assumido pelos primeiros e destaca algumas práticas semelhantes, como o culto ao líder, por exemplo.

11Hugo Vezzetti acredita que na violência revolucionaria se conjugam três mitos: o mito político (violência agudiza as contradições); o mito epistemológico (revela a verdadeira natureza das relações de poder) e um mito moral (ativa os sujeitos e evidencia o que há de melhor neles). Este livro nos possibilita pensar sobre os processos que constituem a construção de memórias e narrativas plurais sobre o passado recente auxiliando na problematização destas. Sobre la violencia revolucionaria é bem fundamentado, com referências bibliográficas úteis para o entendimento da atuação dos grupos guerrilheiros na Argentina, sobretudo, de como a violência foi utilizada por estes e, não raras vezes, ferozmente criticada por seus pares.

Haut de page

Notes

1 Justiça de Transição e o “acerto de contas”, Entrevista com Glenda Mazzaroba, Jornal da Unicamp,

09/ Nov/2008, p. 9

2  Mezzaroba, op.cit. p. 10 ; Araújo. Maria Paula. Memórias comparadas das esquerdas no Brasil e na Argentina : o debate da luta armada, In : Anais do X Encontro Nacional de História Oral, Recife, 2010, p. 3.

3 Em 2005, Oscar Del Barco, filósofo, antigo militante da organização Ejército Guerrillero del Pueblo se manifestou publicamente dizendo que “(…) no existe ningún “ideal” que justifique la muerte de un hombre, ya sea del general Aramburu, de un militante o de un policía. El principio que funda toda comunidad es el no matarás. No matarás al hombre porque todo hombre es sagrado y cada hombre es todos los hombres”. Esta e outras declarações reacenderam o debate sobre a violência de esquerda no país no meio intelectual. Cf. Carta de Oscar del Barco. Publicado originalmente na revista La intempérie, em 2005. Retirado de : http://www.elinterpretador.net/15CartadeOscarDelBarco.htm

4 Vezzetti, Hugo, Pasado y presente. Guerra, dictadura y sociedad em la Argentina. Buenos Aires: ed Siglo veintiuno, 2002.

5 Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria : memórias y olvidos. Buenos Aires: Siglo veintiuno, 2009, p. 58. ISBN :978-987-629-079-01

6 Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria : memórias y olvidos. Buenos Aires: Siglo veintiuno, 2009, p. 134

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Isabel Cristina Leite, « Vezzetti, Hugo, Sobre la violencia revolucionaria: memórias y olvidos,Buenos Aires: ed. Siglo veintiuno, 2009. 280 p. », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Comptes rendus et essais historiographiques, mis en ligne le 13 juillet 2011, consulté le 21 septembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/61531

Haut de page

Auteur

Isabel Cristina Leite

Doutoranda em História Social, UFRJ

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page