Navigation – Plan du site
Débats | 2012
Atravesando fronteras 2. Circulación de población en los márgenes iberoamericanos. Siglos XVI-XIX – Coord. Maria Regina Celestino de Almeida et Sara Ortelli
Izabel Missagia de Mattos

Povos em Movimento nos Sertões do Leste (Minas Gerais, 1750-1850)

[30/01/2012]

Résumés

The present study examines a network of indigenous peoples affiliated to the Maxakali linguistic family during one century. The study starts at the formation of a single group known as “Aldeia do Capitão Tomé” (Capitain Tome's village) in the 1700s, which would later be fragmented in many sub-groups identified by many different ethnonyms. This novel interpretation gives visibility to the existence of this network, distinguishing it from other known networks of peoples affiliated to the Botocudo linguistic family (Naknenuk and Giporok), which co-occupied the same region in the 1800s. It is also discussed how the state and indigenous strategies are entrenched in the identity reconfiguration processes of these peoples.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

  • 1  Mata, Sérgio da, “Chão de Deus: catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em Minas Gerais. S (...)

1Ao longo dos Setecentos e Oitocentos, os chamados “Sertões do Leste” da Província de Minas eram considerados “infestados” pela presença numerosa de populações indígenas e figurados como antítese do espaço “cristão” – instaurável sob o “espírito solidarista” enquanto fundamento da vida religiosa nas Minas de então, como demonstrou S. da Mata em seu estudo sobre os núcleos proto-urbanos em Minas Gerais1.

2Neste artigo abordarei o processo de abertura daquela fronteira e os impasses gerados pela presença indígena, bem como as estratégias indígenas e estatais adotadas, sobretudo nas primeiras décadas dos Oitocentos, caracterizadas por negociações e conflitos interétnicos.

  • 2 Para uma história etnográfica dos povos filiados à família lingüística Botocudo nos Oitocentos ver (...)

3A descrição e interpretação de movimentos indígenas, tanto no que diz respeito aos deslocamentos espaciais quanto em sua constante reconfiguração societária será aqui realizada tendo em vista o contexto semântico da formação do Estado brasileiro. Para explorar algumas facetas da história de uma rede de povos filiados à família lingüística Maxakali em suas relações com os demais povos da região, por meio dos registros que permaneceram na correspondência da Diretoria Geral dos Índios da Província da Minas, a transcrição de algumas fontes, inéditas em sua maioria, se mostrou necessária, uma vez que esta documentação primária fundamenta a interpretação adotada2.

  • 3 Tudo indica que a antropofagia alegada pelos colonizadores a esses povos não constituía, de fato, u (...)
  • 4 Tendo em vista a já exaustiva exploração deste Decreto por autores diversos (Espíndola, 2005; Morel (...)
  • 5  Langfur, Hal Lawrence, “The Forbidden Lands: frontier settlers, slaves, and Indians in Minas Gerai (...)

4A Carta Régia de 13 de maio de 1808, que declarou guerra aos Botocudos “antropófagos”3 constituiu um dos motivos para que a “catequese” – um modelo de administração indígena baseada na “brandura” – não se encontrasse na pauta das políticas públicas para os indígenas de Minas Gerais4. Há evidências, no entanto, que este decreto de guerra assinado por D. João VI logo de sua chegada ao Brasil marca, de fato, um dos momentos da transformação gradativa daqueles sertões que, de muralhas contra o contrabando (zona proibida) no século do ouro, passaram a ser concebidos, durante os oitocentos, como Eldorado para aventureiros e degredados em busca de riquezas5.

A reconfiguração dos Maxakali6

  • 6 Os povos hoje conhecidos como Maxakali se autodesignam tikmũ’ũn, que significa “nós”, “gente”. Uma (...)
  • 7 Maxakali e Botocudo, sendo povos filiados à famílias lingüísticas distintas, podem ser, no entanto, (...)

5O exercício de localizar os Maxakali no processo histórico marcado por constante movimento de reconfiguração societária que caracterizou a região ao longo de sua “civilização”, que será realizado a seguir, visa a esclarecer alguns equívocos causados pela proximidade histórica e espacial dos povos de língua Maxakali com aqueles falantes do idioma Botocudo7.

6O estudo etnográfico da situação histórica que envolveu os Maxakali, bem como o acompanhamento sistemático de sua trajetória espaço-temporal, permitiu ainda revelar aspectos específicos de suas estratégias capazes de configurar-lhes formas distintas de mobilização naquele espaço de fronteira, ao longo dos Oitocentos.

  • 8  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (186 (...)

7Os fatores da hegemonia indígena na história do Mucuri, ao longo dos Setecentos, seria imputada pelo barão Johan Jakob von Tschudi8, autodesignado “súdito austríaco”, à presença do “capitão” Tomé, líder de um povo falante do Maxakali e que reunia, em torno de seu próprio agrupamento, um conjunto diversificado de etnias, em um tipo de vida quase sedentária e em aliança com um círculo maior de índios “nômades”. Com o desaparecimento daquela liderança política, ao final dos Setecentos, teve lugar disputas intertribais que vieram a favorecer a penetração dos colonizadores naquelas matas.

  • 9  Heckenberger Michael; kuikuro J. Et al., “Pre-Columbian urbanism, anthropogenic landscapes, and th (...)

8Como os poucos vestígios arqueológicos e históricos sobre os povos da floresta não têm permitido precisar acerca de algumas de suas características demográficas, as informações reunidas sobre a populosa aldeia capitaneada por Tomé no alto Mucuri são de grande relevância para o estudo da historia dos índios, vindo ao encontro de informações acerca da complexa estrutura recentemente revelada de aldeias indígenas na floresta amazônica, existentes antes ao descobrimento9.

  • 10 Na Relação fornecida pelo capitão-mor João da Silva Santos a respeito da aldeia do Capitão Tomé con (...)

9Diversos registros históricos remetem, com efeito, para a existência de uma rede de povos filiados à família linguística Maxakali, estabelecida na região do alto Mucuri sob a liderança do legendário Tomé, a partir de meados do século XVIII. O populoso aldeamento ali se estabelecera através de um acordo de “paz” com as autoridades governamentais: o chefe indígena portava uma permissão assinada pelo governador da Capitania10 para ocupar os altos do Mucuri, ainda que dentro de limites bem determinados.

  • 11  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasi (...)
  • 12  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasi (...)

10O mapa de Arrow-Smith e Wied11, que representa a estrada construída por Bento Lourenço em 1811, chega a apontar a localização desta aldeia, que no entanto não mais existia à época da visita da comitiva chefiada pelo príncipe Maximiliano de Wied. Os vestígios materiais da povoação indígena, no entanto, ainda estavam presentes: “a aldeia há muito tempo não existe, tendo o chefe morrido, mas no local em que esteve situada, bananeiras e outras plantas crescem em estado selvagem, sendo agora utilizadas pelos índios nas suas excursões”, observou o austríaco12.

  • 13 Francisco Teixeira Guedes aparece no relatório do diretor geral dos índios, Severino Barbosa de Oli (...)

11Em novembro de 1834, quando a Presidência da Província projetava alocar um degredo para criminosos no interior daqueles sertões, informava Francisco Teixeira Guedes13 à Câmara Municipal de Minas Novas sobre o local onde se estabelecera, no passado, a aldeia Maxakali capitaneada por Tomé:

12Aquém de Todos os Santos, três ou quatro léguas, [na] antiga habitação dos índios Maxacalis que a abandonaram pelo impulso e força do Botocudo, denominado Aldeia do Capitão Tomé, corre um ribeirão de água permanente e é neste lugar ou nas margens do rio Todos os Santos que oferece todos os cômodos tanto pelo terreno como pela distância desta vila, para o estabelecimento de criminosos (degredados), ou mesmo para colônia (apud Otoni, 1848: 24).

13A relação de “aliança” estabelecida entre o mestre de campo e explorador de lavras, João da Silva Guimarães, e os índios falantes do Maxakali, por sua vez, remete para a utilização da mão de obra indígena na mineração ocorrida nos Setecentos naquelas serras reputadas como ricas em jazidas minerais, quando bandeirantes paulistas exploraram “descobertos” de ouro e pedras preciosas.

  • 14  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (186 (...)

14A desarticulação política subsequente ao desaparecimento da importante liderança do “cabo” indígena, falante da língua Maxakali, foi o motivo atribuído para a dizimação daquela “coalizão” de povos, perseguida pelos Botocudos no início dos Oitocentos, quando estes passaram a conquistar a hegemonia de uma ampla zona14.

  • 15  Moura, José Pereira F. de, “Botocudos e Aymorés (Dezembro de 1809- Lorena dos Tocoyos)”. RAPM. Ano (...)
  • 16  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980

15O diretor do aldeamento de Lorena do Tocoiós (1797), José Pereira Freire de Moura, em carta dirigida ao Conde de Linhares, em janeiro de 1810, comentou sobre o relato do capitão-mor João da Silva Santos que possibilitava o exame da “posição da aldeia em que se ajuntaram os restos das nações Camanachos, Capoches, Pantime e Maquari, fugindo da sua total destruição pelos Botocudos do rio Doce”15. O acompanhamento etnográfico da trajetória da numerosa população de falantes do Maxakali reunida sob a liderança do capitão “cabo” Tomé ao longo do século XVIII revela os motivos do grande desastre que se abateria sobre esse povo – praticamente dizimado nos Oitocentos. Segundo M. Rubinger16, vários fatores teriam atuado para a dizimação e expropriação do território dos Maxakali durante o período enfocado, a saber:

  • 17  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980 (...)

 “a) aumentou o número de bandeiras que insistiram em encontrar a ‘Serra das Esmeraldas’ ou procuraram descobrir ouro e pedras preciosas, e tais grupos acabavam se fixando na área; b) alguns grupos procuravam aldear índios e transformá-los em soldados para lutar contra os Botocudos, que impediam com guerrilhas e emboscadas suas explorações econômicas – organizaram-se frentes de caça aos Botocudos...; c) deu-se início a exploração de madeiras e ervas, principalmente a poaia17.

16O lugar onde se estabelecera a grande aldeia nas cabeceiras do Mucuri transformou-se na região onde foi estabelecida, no ano de 1814, em um quartel ou divisão militar de fronteira, de acordo com as táticas de guerra ofensiva ordenadas pela Carta Régia expedida em 1808 por D. João VI. A localidade, conhecida no século XIX como Alto dos Bois, situava-se a cerca de 60 quilômetros de Minas Novas, importante vila mineradora no período.

  • 18  Freireyss, George Wilhelm,. “Viagem a varias tribus de selvagens na capitania de Minas Gerais; per (...)
  • 19  Freireyss, George Wilhelm,. “Viagem a varias tribus de selvagens na capitania de Minas Gerais; per (...)

17As sedes das Divisões Militares na fronteira, nas primeiras décadas dos oitocentos, aparecem nas fontes como “quartéis” ou “presídios”, termo que, segundo o s naturalista sueco G. W. Freireyss18 significa “lugar de guarda limite contra os índios” na situação de “aldeamento” – e remontava o uso do termo “ao estabelecimento de criminosos que, fugidos da justiça, instalaram-se entre os índios e, mais tarde, solicitavam e recebiam do governo alguns soldados para a sua segurança”19.

  • 20  Otoni, Teófilo Benedito, Notícia sobre os Selvagens do Mucuri em uma carta dirigida pelo Sr. Teóf (...)
  • 21  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980
  • 22  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980 (...)
  • 23  Jose, Oiliam. Marlière, o Civilizador. Esboço Biográfico. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1958.

18Sabe-se que os Maxakali eram recrutados nos “quartéis” ou “presídios” como soldados para combaterem os Botocudos, em cumprimento do Decreto de Guerra Justa20. Este fator, segundo Rubinger21, também teria atuado para a depopulação dos Maxakali observada nas fontes oitocentistas. Deste modo, os povos que viviam na região do Alto Jequitinhonha e Doce entre fins do século XVIII e início do XIX, em virtude principalmente da atividade de uma “frente de penetração exploradora e aventureira”, teriam passado, segundo este autor, “por inúmeros processos de ‘descida’ ou destribalização, massacres e aldeamentos de cativeiro”22. De acordo com as características da mineração no período, o escritor e historiador Oiliam José23, por sua vez, afirma que os aventureiros subiam a região:

  • 24  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980 (...)

“sequiosos de encontrar ouro e pedras preciosas, fugidos da justiça ou desejosos de dominar novas terras, ou ainda querendo prear mulheres indígenas para com as mesmas praticar as maiores loucuras do sexo, como é o caso dos colonos Antônio dos Santos e Antônio Tomé, assim narrador por Marlière”24.

19O barão J. J. von Tschudi, no ano de 1858, investigou as origens dos índios então existentes em Alto dos Bois, esclarecendo detalhes de sua história e composição:

  • 25  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (186 (...)

Antes de 1787 os Malalis formavam uma tribo que contava com mais de 500 indivíduos. Após terem sido forçados a se deslocar para o oeste naquele ano pelos Botocudos devido a uma guerra destruidora, não tinham mais do que 150 cabeças na região do quartel. Quando eles se reuniram novamente nas proximidades de Antônio Gomes Leal após uma nova volta à floresta e a uma nova derrota, eram apenas 26. Apesar de já estarem residindo lá há 70 anos e não estarem sujeitos a nenhum perigo especial e viverem sem serem incomodados, segundo suas tendências, e lá desempenharem trabalhos regulares e não sofrerem de nenhuma falta de alimentos, o seu número não aumentou ainda para mais do que 30 e poucos indivíduos… Parece que até agora eles não se misturaram com outros índios25.

  • 26  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasi (...)

20Os Macuni e Malali “aquartelaram-se” no Alto dos Bois no ano de 1794, junto à família do português Antônio Gomes Leal, ali estabelecida, fugidos dos Botocudos. Os Malali, no entanto, sucumbiriam às febres que grassaram nas matas do Peçanha, para onde se deslocaram, permanecendo apenas os Macuni em Alto dos Bois, de acordo com J. C. Machado (2000, p. 46). Com efeito, o príncipe Maximiliano de Wied, um dos primeiros naturalistas estrangeiros a descrever os índios daquelas matas, localizou os Malali, por volta de 1815, muito reduzidos, vivendo sob “proteção” militar no quartel do Peçanha, no alto rio Doce, enquanto os Macuni, mais numerosos, ainda faziam face aos ataques dos Botocudos. Também na correspondência do diretor de índios Guido Marlière se pode conferir que soldados de língua Maxakali serviram no quartel de Peçanha, pertencente à 5a. Divisão Militar do rio Doce. Os propriamente ditos Maxakali, por sua vez, seriam localizados pelo príncipe viajante na costa marítima26.

21Somadas todas as informações, percebe-se a mudança da geopolítica dos povos fililados à família linguística Maxakali reunidos sob a liderança de Tomé desde meados dos setecentos, os quais, no início do XIX, localizavam-se em quatro diferentes localidades, designados sob etnônimos distintos: Malali (Peçanha), Macuni (Alto dos Bois), Maxakali (Lorena de Tocoiós e costa marítima).

  • 27  Rubinger, Marcos M, Projeto de Pesquisa Maxakali, Grupo Indígena do Nordeste de Minas Gerais, Mime (...)

22O povoado do Peçanha, antiga zona de mineração fundada em meados do século XVIII pelos bandeirantes e situada às margens do Suaçuí, tributário do médio Doce em sua margem norte, testemunhou – assim como as demais povoações surgidas no período de violenta expansão da frente extrativista mineradora ocorrida com a interiorização das fronteiras de Minas, a saber, Diamantina, Serro, Minas Novas – o “descimento” da numerosa população indígena pertencentes à família lingüística Maxakali. M. Rubinger27 identificou aquela região como local de “correrias” destes povos.

23O viajante Saint-Hilaire, ao passar, em 1817, por Alto dos Bois, segundo informações fornecidas pelo diretor de índios, relatou como a instalação do quartel militar do Peçanha relacionava-se aos ataques dos Botocudos ali ocorridos.

  • 28  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

perseguidos pelos soldados da 5a. Divisão (a de Passanha), [os Botocudos] refluíram para as Minas Novas, devastaram campos de milho, e mataram alguns habitantes. Os portugueses e índios abandonaram as matas; retiraram-se, em 1809, para o planalto em que está atualmente a aldeia, e lá não mais tiveram a temer os Botocudos, que jamais atacam de frente um inimigo armado e numeroso28.

  • 29  Stern, Steve J, org., Resistence, Rebellion and Consciousness in the Andean Peasant World, Madison (...)

24Fracionados em uma multiplicidade de sub-grupos, os Botocudos podiam também ser encontrados em localidades próximas aos quartéis, negociando com portugueses. Os Maxakali, distintamente, adotariam estratégias coletivas visando a coesão de sua forma societária, seja reagindo aos maltratos dos soldados através de uma imediata e avassaladora “rendição”, seja recuando das proximidades dos “protetores” com os quais passavam a manter uma espécie de servidão apenas na aparência, dissimulando sua resistência por meio de falsa submissão, em um tipo de estratégia semelhante à descrita por S. Stern29 para populações andinas, que denominou de “resistência adaptativa”.As informações do explorador esclarecem a localização da aldeia onde, durante muitas décadas, fixaram-se aqueles povos indígenas. Cerca de cem anos depois do mestre de campo João da Silva Guimarães ter estabelecido relações de aliança com a aldeia de Tomé, outro explorador, Francisco Teixeira Guedes, notificou sua penetração no lugar. A passagem a seguir, redigida por este em dezembro de 1829, descreve a mesma viagem relatada anteriormente à Câmara de Minas Novas, destacando, no entanto, os acontecimentos anteriores ao assassinato do intérprete – após o qual os viajantes entraram em pânico, batendo em retirada.

No dia três de setembro… atravessamos o rio Macuri, e logo subindo ao cume de uma grande serra divulgamos que a margem deste rio é toda ocupada de capoeiras, e produtíveis; como perguntado, informou o índio guia, asseverando serem aqueles sítios os de sua antiga residência, e de mais outras nações – Macunin, Capoxes – expulsos pela fereza do gentio boticudo; sendo que já ali habitou um João da Silva com escravos em outro tempos. Na distância de oito léguas pouco mais demos aqueles seis buticudos, e mais benigna família que em seguimento junta, e após de nós como gente amiga acompanhava se apartou, e com aceleração precipitada, avisando-nos que em breve outros índios de Nação Ioporok eram senhores daquelas terras e que pelos rastros que observaram estavam perto de nós; razão porque eles se retiravam, e porque era Nação Brava, e no entanto que no regresse prometiam sair conosco. No dia 17 com efeito seguindo nosso trabalhos encontramos com três gentios, que caçavam e falando-lhes o língua para que se chegassem a nós, não assentiram e dando um não retiravam-se. Em o dia 20 ao amanhecer seguiram nossos escravos ao pasto a fim de trazerem animais ao rancho, é quando entre outros fogem a ter no rancho dois feridos e corre o sangue pelas roturas que fizeram as flechas nestes animais, e no tempo que este assustador ato encaramos é o mesmo em que não escapa a nossas vistas a divulgação de um gentio ainda dantes não visto, que corre.

Imediatamente prosseguimos sobre ele, e com a Companhia dos Línguas chegados ao lugar, fazemos que o língua chamasse por ele; a este anúncio respondem e perguntam se estamos em guerra, a resposta nossa foi que viessem a nós, pos queríamos deles a amizade: apresentarem-se 11 mancebos de horrenda catadura; e com as mais estudiosas carícias e maxavelismo (sic) podemos conseguir que viessem ao abarracamento, onde para os convencer brindamos com machados, fitas, miçangas e comidas, não lhes sendo estranha a farinha porque precipitadamente a comeram, contudo não duvidaram a maneira como dela se usava; rejeitando somente a comida feijão; e entre eles divisamos que um trazia pendente a colo um pedaço de Serra.

Estes 11 mancebos nos acompanharam com sisudeza por um quarto de légua, distância que vagueamos até encontrar com o rio Todos os Santos…(Guedes apud Timmers, 1969: 279-280).

  • 30 Para visualizar a distribuição geográfica dos Giporok, por ocasião da liquidação da Companhia do Mu (...)

25Esta passagem evoca o caráter das relações estabelecidas entre os “gentios” entre si e com os “invasores” brancos. A distinção entre os povos de língua Maxakali e os Botocudos, em suas divergentes facções (os Giporok – “bravos”, que recusavam o contato e os demais – Naknenuk, Aranã, Bakuên – que “comerciavam” com os brancos) já se fazia notar, bem como as suas diferentes estratégias de comunicação com os viajantes e colonos30. O encontro com os “11 mancebos de horrenda catadura” que abordaram à expedição prenunciava o que ocorreria no início da atividade mineradora.

26Além de evidenciar a co-existência dos numerosos povos de língua Maxakali liderados pelo “capitão cabo” Tomé em uma suposta aliança com o mestre de campo, em sua incursão mineradora pioneira naquelas paragens em tempos antigos, o relato do expedicionário revela ainda a estratégia de grupos Botocudos que, mesmo “resistentes” ao comércio com os brancos, pareciam “seduzidos” pelas suas ferramentas, incorporadas não através da “troca” – tendo em vista ao contexto de guerra que “justificava” o apresamento indígena - , porém através da pilhagem, revelada através do assassinato do intérprete, da “Companhia dos Línguas” que acompanhava a expedição.

  • 31 O termo “bandeira”, utilizado na documentação arquivística sobre Minas na segunda metade do século  (...)

27A referida Companhia composta por intérpretes nativos, por sua vez, seria a Companhia de Pedestres, organizada após a Carta Régia de 1808, que propunha a subjugação dos “prisioneiros” nas Divisões Militares de Fronteira. As Divisões Militares eram compostas de mestiços e indígenas que, além de guiarem as expedições de guerra e bandeiras31, também trabalhavam em obras públicas, sobretudo na abertura de estradas. O relato do expedicionário Francisco Teixeira Guedes, precisa ser lido, portanto, no contexto bélico que caracterizou o período posterior ao decreto real de guerra contra os “botocudos antropófagos”.

28Acompanhando a trajetória dos povos de língua Maxakali do Mucuri sob o aspecto de sua estratégia de escambo com a população luso-portuguesa e sua conseqüente derrocada populacional, o relato do Ouvidor da capitania de Porto Seguro, de janeiro de 1764, informava, não sem demonstrar um especial interesse, sobre os indígenas existentes no Mucuri, potencialmente transformáveis em dóceis súditos de Sua Majestade.

Também me informaram, parece-me que com verdade, que à povoação de S. Mateus têm descido por várias vezes bastante gentios em tom de paz a fazer o seu negócio e que o mais que querem são facões e machados, dando por eles cintas de penas, e que suas aldeias são governadas por um João da Silva Guimarães que há anos desceu fugido das Minas.

  • 32  Pôrto, Reinaldo Ottoni, Notas Históricas do Município de Teófilo Otoni. Vol. I. Teófilo Otoni, 192 (...)

Logo por prevenção escrevi ao Vigário e Juiz recomendando-lhe eficazmente que no caso que eles descessem sem eu lá me achar, os animassem e acariciassem de forma que eles conhecessem que nós éramos seus amigos e que viessem … viver para aquela povoação em que haviam de ser honrados e favorecidos por S.M. que lhes mostrassem a Igreja e lhes fizessem todas as demonstrações de amizade. Tão bem lhes mandei carta para o mesmo João da Silva convidando-o a que descesse com os mesmos índios, que eu lhe prometi da parte de S.M. dar-lhe terra para ele fundar uma povoação e que se estabelecessem todos nas terras que ele quisesse que ao mesmo senhor representaria todo o bom serviço, que ele nesta parte lhe fizesse, para o premiar conforme o seu merecimento, e que não se intimidasse se tinha algum crime, porque S.M. usaria com ele de sua Real Clemência32.

  • 33  Pôrto, Reinaldo Ottoni, Notas Históricas do Município de Teófilo Otoni. Vol. I. Teófilo Otoni, 192 (...)

29Um outro aventureiro daquelas matas, habitante do povoado de São Mateus, Francisco Teixeira Álvares, enviou ao governo da Bahia um requerimento, no ano de 1780, pedindo permissão para entrar na matas do São Mateus e Mucuri até suas cabeceiras, a fim de catequizar sete aldeias de índios – conhecidos como Bacuani – e fazer explorações de ouro e pedras preciosas, pedindo ainda várias regalias e concessões. O peticionário referia-se à existência de “mais de treze aldeias onde assistiu por vários anos o coronel João da Silva Guimarães, já defunto, que os domesticou e agregou a si”33.

  • 34  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasi (...)

30Uma vez extinto aquele aldeamento, cujas descrições coincidem com aquele capitaneado por Tomé, permaneceriam no local, segundo o peticionário, apenas “bananeiras e outras plantas [crescendo] em estado selvagem, sendo agora utilizadas pelos índios em suas excursões”, como apontara Maximiliano de Wied34, com base no relato de Bento Lourenço, morador do povoado de Minas Novas que incursionou de forma pioneira naquela região, indicando o caminho inicial por onde futuros expedicionários percorreram.

31O aldeamento conhecido por “Tocoiós” no médio rio Jequitinhonha, estabelecido no final do século XVIII e dirigido por um notável político da Inconfidência Mineira, José Pereira Freire de Moura, refugiado com sua família e escravos, após a prisão de Tiradentes, localizava-se nas proximidades da confluência entre os rios Jequitinhonha e Araçuaí, região de fronteira natural entre as áreas de cerrado e de matas. O governador da Capitania de Minas, Bernardo José de Lorena, no ano de 1797, nomeou-o capitão-mor, devido suas relações de amizade adquiridas na Universidade de Coimbra, onde o inconfidente havia se diplomado em direito e engenharia. A partir de então a fazenda agrícola e pastoril por ele fundada e onde teria “civilizado uma tribo indígena da raça tapuia que errava naquelas paragens” tornou-se a primeira colônia oficialmente equipada para o aldeamento e civilização dos índios daquela região.

  • 35  Rocha, Joaquim, Geografia histórica da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pi (...)

32O nome “Tocoiós” tem suas origens nas guarnições da Companhia de Dragões instaladas a mando da Coroa ao longo do Jequitinhonha, após a desanexação do termo de Minas Novas da Capitania da Bahia, em 1757. Uma vez sujeitas à Capitania de Minas, guardas da Companhia de Dragões foram estabelecidas ao longo de extensas cinquenta léguas do diamantífero Jequitinhonha, para impedir o contrabando. A “Guarda de Tocaió”, formada por dois soldados na margem meridional do Jequitinhonha, pode, assim, ter emprestado o nome do futuro aldeamento35.

  • 36  Pimenta, Demerval J, “Aspectos do Povoamento do Leste de Minas”. Separata da Revista do Instituto (...)
  • 37 Aspectos significativos da biografia do fundador do aldeamento de Lorena dos Tocoiós, personagem si (...)
  • 38  Pereira, Leopoldo, O Município de Araçuaí. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1969, (...)

33De acordo com a pesquisa de A. Pimenta36 sobre a trajetória de José F. de Moura, o fundador do aldeamento de Tocoiós, alguns aspectos daquele estabelecimento e do destino da política indigenista e dos povos indígenas podem ser visualizados37. Os motivos que o levaram a refugiar-se naquele local remontam às origens de sua esposa, filha de um rico português, capitão-mor e senhor de numerosa escravaria, estabelecido em Água Suja (atual cidade de Berilo), importante região mineradora do século XVIII, por volta de 1728. O português, de nome Antônio Pereira dos Santos, recebera, por Carta Régia, um extenso território limitado pela confluência do Jequitinhonha com o Araçuaí, onde seria instalado o aldeamento de Lorena dos Tocoiós38.

34Lorena dos Tocoiós situava-se três léguas abaixo da confluência do Jequitinhonha com o Araçuaí, nascidos ambos a leste da comarca do Serro do Frio. Correndo emparelhados no sentido norte-sul, os rios misturam-se no Pontal de Itira, marco histórico para o transporte e o comércio regional, como os demais portos que se estabeleceram nas povoações ribeirinhas em todo o período da ocupação do médio e baixo Jequitinhonha. A instalação oficial da colônia de Lorena dos Tocoiós, em 1797, modificou toda a paisagem humana e econômica regional, incrementando o comércio e a navegação e, com isso, as entradas para os sertões, prefigurando a ocupação de caráter militar acelerada ao longo do Jequitinhonha a partir da Carta Régia de 1808.

  • 39  Suzannet, Conde de, O Brasil em 1845: semelhanças e diferenças após um século. Rio de Janeiro: Cas (...)

35De acordo com o conde de Suzannet, Tocoiós era indicado “em todas as cartas e trabalhos sobre o Brasil como tendo uma população de duas mil almas”. Em sua viagem pela região, em 1845, o viajante surpreendeu-se com a decadência do local, cuja existência esplendorosa foi, contudo, efêmera39.

36O caráter efêmero do aldeamento deveu-se à contradição entre a lógica nativa relativa ao contato e a natureza da política indigenista levada a cabo no século XIX. Para o aldeamento de Lorena dos Tocoiós refluíram indígenas do aldeamento do capitão Tomé, assim como migraram, a partir do início do século XIX - quando Tocoiós tornava-se um ponto de partida obrigatório para possíveis “descobertos” no interior da espessa mata – povoadores oriundos da região mineradora do alto Jequitinhonha em direção ao seu médio curso, consolidando na região uma nova estrutura de lugares conectados. Também os Maxakali da costa marítima subiram com facilidade o Jequitinhonha até o aldeamento de Tocoiós.

  • 40  Rubinger, Marcos M, Projeto de Pesquisa Maxakali, Grupo Indígena do Nordeste de Minas Gerais, Mime (...)

37M. Rubinger40 interpretou enquanto “resistência” o sentido do refluxo dos povos Maxakali da região de Alto dos Bois para o médio Jequitinhonha; segundo sua análise, neste local os índios estariam melhor protegidos contra seus “caçadores”. A estratégia de sobrevivência através do “escambo”, adotada por povos de língua Maxakali em busca de proteção contra os Botocudos, seria utilizada novamente no médio Jequitinhonha: a simulação de uma condição de submissão performatizada pelos índios ocultava seus efetivos esforços para a manutenção de suas relações tradicionais de sociabilidade.

38Com efeito, segundo pesquisou frei Olavo Timmers (1969), o vigário de Água Suja (atual cidade de Berilo) noticiou em 1794 ao arcebispo da Bahia a existência de um grupo de indígenas diferente dos “ferozes botocudos”, que saíram da mata e desejavam conhecer “a fé e o batismo”. Eram, na realidade, falantes do Maxakali batidos pelos Botocudos que sabiam negociar a imagem de “docilidade” necessária para conquistar apoio junto à catequese – estratégia que se repetiria posteriormente em Tocoiós. O vigário chegou, então, a solicitar recursos para o aldeamento dos Maxakali, junto ao arcebispo da Bahia (Ribeiro, 1997).

  • 41  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

39Segundo apurou Saint-Hilaire41 no ano de 1817, o aldeamento de Lorena de Tocoiós recebeu, para sua instalação, importantes subsídios do governo da Capitania. No decorrer da administração do aldeamento, no entanto, os governantes foram surpreendidos por um suposto “embuste” do qual teriam sido vítimas, protagonizado pelos Maxakali. O motivo inicial da oficialização do aldeamento havia sido a chegada de grupos Maxakali que ali “procuraram asilo” por volta de 1801.

  • 42  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

Querendo encontrar em Tocoios as mesmas vantagens que em Caravelas, empregaram a astúcia; fingiram sair pela primeira vez das selvas, e se apresentaram, sem dizer uma palavra em português, fazendo sinais para mostrar que se queriam tornar cristãos. Os habitantes de Tocoios foram enganados neste embuste, e escreveram para Vila Rica que uma nação indígena, até então desconhecida, tinha chegado à sua povoação; ... a administração concedeu socorros para civilizar os recém-vindos; deram-lhes ferramentas e roupas; mandou-se construir para eles uma capela; deu-se-lhes um sacerdote; encarregou-se um diretor de instruí-los ... Ignorando o que se passava em Tocoios, a junta de Vila Rica, encarregada de tudo o que concerne aos índios, consagrava sempre a civilização dos Machaculis, somas consideráveis; ... a câmara do Termo de Minas Novas, deu a conhecer o verdadeiro estado das coisas, e enviou-se a Tocoios um oficial que aí encontrou apenas de vinte a trinta indígenas. Fez seu relatório, e aconselhou a administração a nada mais despender com os Machaculis, e a distribuí-los entre os colonos da vizinhança42.

  • 43 Revista do Arquivo Público Mineiro (RAPM), vol. II, 1897, p. 31-32.
  • 44  Otoni, Teófilo Benedito, Notícia sobre os Selvagens do Mucuri em uma carta dirigida pelo Sr. Teóf (...)

40A expedição do capitão-mor João da Silva Santos, empreendida no ano de 1804, surpreendera em Tocoiós aqueles Maxakali aparentemente “recém-contatados”, que, na verdade, eram já velhos conhecidos de Caravelas, no litoral da Bahia. Ao ser encerrado, assim, precocemente, o funcionamento do aldeamento de Tocoiós, uma parcela dos Maxakali iria deslocar-se para os quartéis, onde passaram a servir como soldados na guerra logo decretada contra os Botocudos. De fato, em 1811, quando Julião Fernandes Leão foi estabelecer a Sétima Divisão em São Miguel do Jequitinhonha, o diretor de Tocoiós lhe forneceu instruções e recursos para a expedição, cedendo inclusive intérpretes indígenas43. No ano de 1859, o diretor da Companhia do Mucuri, Teófilo Benedito Otoni, baseado sobretudo em testemunhos e relatos orais, afirmava que “o coronel Julião, querendo opor aos botocudos os machacalis, levou-os para o Jequitinhonha, e deu-lhes por sesmaria o ribeirão dos Prates”, aonde estariam, naquela época, ainda assentados44.

41A expedição João da Silva Santos realizada em 1804, por sua vez, consolidou o caminho pelo Jequitinhonha, que, após sua entrada, passou a transportar mercadorias e produtos entre Minas Novas e Belmonte, cidade situada na foz do Jequitinhonha, onde Santos era capitão–mor. Os quartéis de Salto Grande e Arcos foram construídos pouco depois, em 1806, quando o ouvidor de Porto Seguro, a mando do governador da Bahia, o Conde de Arcos, subiu o Jequitinhonha até Lorena de Tocoiós para reconhecer o território sobre o qual projetava promover a ocupação e o povoamento.

42Os quartéis instalados naquela Sétima Divisão sob o comando do alferes Julião Fernandes Leão eram os de Itinga, São Miguel (atual cidade de Jequitinhonha), Vigia (atual Almenara), Água Branca (Joaíma) e Salto Grande (Salto da Divisa), para combater os índios “bravos” e fiscalizar o contrabando, captando os Maxakali dispersos no médio Jequitinhonha, que neles serviram como soldados, intérpretes e canoeiros.

43Seguindo sempre os caminhos já abertos pelos próprios índios, o reconhecimento do terreno realizado na expedição de João da Silva Santos prosseguia, de forma curiosa, encontrando nos Botocudos aliados mais prováveis, tendo em vista as hostilidades experimentadas no sul da Bahia pelos seus rivais Pataxó. Esta maleabilidade relativa aos atributos étnicos dos diversos grupos indígenas da região ao longo dos Oitocentos, é revelada com frequência nos relatos históricos, tendo sempre por base um critério geo-político. Deste modo, a descrição da expedição de João da Silva Santos, tal como relatada por Diogo Vasconcelos, imputava aos Botocudos um caráter mais amistoso que o dos Pataxó do sul da Bahia.

  • 45  Vasconcelos, Diogo L. A, 1948. História Antiga das Minas Gerais. Vol. I. Rio de Janeiro: Imprensa (...)

a margem do sul admite uma estrada de carro de 80 léguas, contanto que se removam algumas dificuldades e que sempre se vão seguindo as picadas dos índios, que atalham as voltas e rodeios do rio, especialmente da barra de São João para baixo. O maior perigo que considera nas hostilidades dos catachós, ao mesmo tempo que deixa a temer por esta parte, uma vez que vista sua relação da qual nos consta que, sendo por eles acometida sua bandeira com uma descarga de pólvora aos ares, os pôs em retirada. Menos temíveis inculta os botocudos, que sempre achou de paz nos encontros que com eles teve45.

44A visita de inspeção do tenente Felipe J.C. de Castro, no ano de 1832, em quatro das sete Divisões Militares da Província mineira, buscou esclarecer a composição dos indígenas “habitantes das matas da nossa Província unicamente dos lugares por onde [andara]”. Na Divisão do Jequitinhonha outrora dirigida pelo padre José Pedro Lidoro, assentava-se então uma aldeia Maxakali, na localidade denominada Rubim, onde os índios exibiam “alguma cousa da civilização que lhe deu o Padre”, aplicando-se à agricultura e navegação. Os habitantes Maxakali de Rubim faziam “alguns tessumes, como redes bem delicadas e cestas de cipó”, enquanto os Naknenuk – falantes do Botocudo – instalados a apenas um quarto de légua daquele aldeamento, pelo mesmo vigário haviam então abandonado suas “casas cobertas de telha e fabricadas de madeira lavrada”. Tentando explicar tal disparidade entre os comportamentos, o inspetor assim julgava os Botocudos: “essa gente, enquanto acha roças ou mantimento para o seu sustento está presente, mas apenas chega o tempo de plantações e que se exige trabalho, ausenta-se para se sustentarem nos matos de caçadas e frutas, contanto que não trabalhem” (Castro, 1913 [1832]: 85).

45Em sua visita a São Miguel, sede da 7a. Divisão do Jequitinhonha, Saint-Hilaire preocupou-se em observar atentamente as populações indígenas. Os Maxakali, que seguiram o alferes Julião até São Miguel desde Tocoiós, por ocasião de sua fundação, ali receberam terras; mediante o assédio das índias pelos soldados, no entanto, preferiram arredar-se Jequitinhonha abaixo, onde foram visitados pelo viajante.

  • 46  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

46O capitão Joaíma, Botocudo, ao contrário, encontrava-se com sua gente em São Miguel, mantendo com o comandante uma relação “amistosa”46. descreveu o momento em que se deparou com o povo de Joaíma na casa do alferes, onde se hospedara; ao terminarem o trabalho em que estavam ocupados, de bater feijão, os indígenas teriam ido

  • 47  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

“sem cerimônia meter-se na sala; as mulheres agacharam-se, os homens sentaram-se ou estenderam-se no chão... Homens e mulheres estavam completamente nus. Sua pele, amarelada... era ainda lambuzada de diversos modos, de vermelho e preto, conforme o gosto de cada indivíduo”47.

  • 48  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizon (...)

47Segundo o viajante francês, Joaíma anunciava “graça e vivacidade” e possuía traços fisionômicos que o impressionaram “por sua singular semelhança com os dos chineses”. O “capitão”, então - como de costume entre os Botocudos - apertou o francês com um forte abraço, pedindo-lhe, logo em seguida, uma faca; com isso Joaíma demarcava os limites de seu acolhimento, oferecido através do estabelecimento de troca de interesses48.

  • 49 Casimiro ficou conhecido por liderar, no ano de 1847, uma revolta no quartel militar de Santa Cruz (...)

48Décadas depois, em 1854, segundo o diretor da Companhia do Mucuri, Joaíma apareceu no Mucuri com “o grandioso projeto de assassinar os capitães que estavam fazendo estrada” (Otoni, 2002 [1859]: 84). Inicialmente Joaíma aliara-se com o capitão Casimiro49 contra os Naknenuk que “alugavam-se” aos fazendeiros em época de colheitas. Casimiro e Joaíma foram localizados nos picos mais elevados da serra das Esmeraldas, nas cabeceiras do córrego do Ouro, no relato do diretor da Companhia do Mucuri, que descreveu suas ousadas ameaças contra os “portugueses, que lhes estavam tomando as suas terras”, proferidas pessoalmente em uma visita ao diretor da colônia militar do Urucu (Otoni, 2002 [1859], p. 84). No Mucuri, o povo de Joaíma seria identificado à “coalizão” Giporok, contrária aos “capitães” Botocudos que mantinham relações com os colonizadores nos altos do Mucuri e Todos os Santos - os Naknenuk (Gomes, 1862: 37-38).

49A associação de recrudescimento da violência dos índios após tentativas supostamente bem-sucedidas de “pacificação” – atribuída a índole “falsa” e inconstante dos índios – servia como justificativa para o temor das autoridades em assistir a população indígena, que significava fornecer-lhes uma “instrução” capaz de “disciplinar-lhes a rebeldia” . Apontando para as origens mestiças da população regional do Jequitinhonha, José de Sousa Pizarro observou que o processo de colonização ali ocorrido foi apenas possibilitado pela instalação das Divisões Militares, guarnecidas por “índios menhãs aldeados … e por outros indivíduos e casais dispersos da sua comarca” (Pizarro apud Timmers, 1969).

  • 50  Marlière, Guido Thomaz, “Ofícios”. RAPM X, 1905, p. 506-507, 512.

50O capuchinho frei Domingos de Casale, contemporâneo de frei Bernardino de Lagonegro, chegara no Jequitinhonha, em cumprimento ao Regulamento das Missões de 1845, para dirigir o aldeamento oficialmente estabelecido para os Maxakali. À época da Companhia do Mucuri (1851-1861), os Maxakali aldeados pelo missionário eram considerados excelentes canoeiros e industriosos na arte da cerâmica. Além disso auxiliavam “os moradores na repressão dos botocudos, cujas ofensas passam de pais à memória dos filhos” (Otoni, 2002 [1859]: 92). Ao final da década de 1860, frei Domingos estava cego e bastante idoso; novos missionários eram insistentemente solicitados pelos moradores dos sertões para a direção dos índios.Após o desmantelamento da aldeia capitaneada por Tomé, notícias dos Macuni que ali permaneceram são fornecidas pela correspondência do Diretor dos Índios, Guido Marlière que, em janeiro de 1828, respondera os quesitos sobre “o estado atual da civilização dos índios”, para “servir à estatística da província”, informando que o aldeamento indígena existente na comarca de Minas Novas, na localidade denominada Alto dos Bois, existia apenas 20 indivíduos Macuni, que se ocupavam de agricultura, tendo como diretor o Sr. Antônio Gomes Leal. Os Macuni de Alto dos Bois seriam outrora, segundo o Diretor, “numerosos, mas as emigrações ao beira-mar, a guerra que os botocudos lhes faziam, as bexigas, o sarampo, os têm reduzido ao pequeno número em que os achei em 1821 quando os inspectei. – Nunca receberam socorro outro do que do seu benfazejo e pobre diretor”50.

51Com o Regulamento para a catequese, a Província adotaria mais claramente o sistema de administração indígena que circunscrevia os limites jurídicos da “tutela” dos índios sob a direção de curadores civis regionais, em substituição ao sistema antigo dos quartéis das Divisões Militares que configurou a Diretoria dos Índios, sob o comando do coronel Guido Marlière.

52Uma revolta dos índios, ocorrida no quartel militar de Santa Cruz do Rio Preto, seria pressentida por frei Bernardino de Lagonegro, missionário capuchinho para lá enviado em 1847, que presenciara os maus tratos sofridos pelos indígenas. O ofício enviado em setembro de 1848 pelo presidente da Província ao Comandante da Companhia dos Pedestres do Jequitinhonha registrou suas impressões de então. Além do sargento do quartel de Santa Cruz, diversos soldados foram mortos pelos Botocudos liderados por Casimiro na ocasião.

  • 51  Ofício enviado pelo presidente da Província, Bernardino José de Queiroga, ao comandante da Companh (...)

Sendo informado por ofício de frei Bernardino de Lagonegro, Missionário Apostólico, encarregado da catequese e civilização dos indígenas do Mucuri, datado do 1o. do corrente [setembro de 1848], que um aldeamento de índios, a sete léguas de distância do quartel do Rio Preto, onde se acha estacionada uma força da companhia do seu comando, fora invadido por alguns soldados, os quais, esquecidos de seus deveres, em vez de concorrer para serem chamados aqueles selvagens ao grêmio da religião e à civilização praticaram atos de sensualidade tais, que sobremaneira os irritava, destruindo assim os efeitos que suas palavras apostólicas haviam produzido nos ânimos dos mesmos, quando os visitou pela primeira vez através de grandes dificuldades pela falta absoluta de uma picada, e sendo tal procedimento diametralmente oposta aos fins que o governo teve em vista, quando com sacrifícios de todo o gênero mandou abrir a estrada de Minas Novas até o quartel acima referido e colocou nele o dito destacamento, cumpre que Vmce, mantendo a mais severa disciplina na companhia do seu comando, faça cessar semelhantes abusos, punindo com todo o rigor os soldados que cometeram os atentados de que se queixa o missionário, a quem prestará todos os auxílios de que ele precisar, para levar a efeito a missão de que se acha encarregado, proibindo expressamente às praças do destacamento a visita dos aldeamentos. O que lhe hei por muito recomendado, prevenindo-o de que neste sentido oficio tanto ao dito missionário como ao diretor geral dos índios, recomendando ao primeiro que volte, quanto antes, para o lugar do seu destino, donde ultimamente se retirou, desgostoso do procedimento dos soldados51.

53O barão J. J. von Tschudi encontrou em Alto dos Bois, no ribeirão Trindade, índios Malali, não relacionados pelo viajante à antiga aldeia do capitão Tomé nem tampouco ao grupo que assassinara o sargento Coelho. A existência histórica do povo de fala Maxakali “capitaneado” por Tomé havia, no entanto, sido apontada em seu levantamento histórico sobre os índios da região. Ao observar a localização do reduzido grupo Malali nas nascentes do Mucuri, sob a administração militar do presídio Alto dos Bois, Tschudi concluiu apenas – certamente a partir das informações fornecidas pelo amigo Teófilo Otoni – que procuraram “refúgio e proteção junto a este posto de fronteira”, estabelecido em 1778, devido aos ataques dos Naknenuk. Forçados, no entanto, a tornar-se soldados que eram punidos “duramente pelos menores erros”, os Malali optaram por abandonar aquele posto:

  • 52  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (186 (...)

Todos os malalis desapareceram durante uma noite dos arredores do quartel. Eles pagaram caro por seu empreendimento. Os naknenuks caíram novamente sobre eles e praticamente extinguiram a tribo. Os restantes fugiriam novamente para Alto dos Bois, tendo sido recebidos amigavelmente por Antônio Gomes Leal em sua fazenda São Pedro52.

54O diretor da Companhia do Mucuri dedicou parte de sua descrição sobre os índios do Mucuri aos conflitos entre os Malali e seus administradores. O capitão Casimiro, apontado como responsável pelo assassinato do sargento e os soldados e identificado por Otoni como um dos líderes Botocudos mais hostis à instalação da Companhia “em seu território”, associara-se à Joaíma em seu “projeto” de deter a construção de estradas naquelas matas (Otoni, 2002 [1859]: 84).

  • 53 Diferente era a posição do diretor dos índios do rio Doce, coronel Guido Marlière que, em outubro d (...)

55Apesar de adepto de uma catequese leiga, baseada numa espécie de “filantropia pura”, Teófilo Otoni não demonstrava nenhuma condescendência em seu julgamento dos métodos militares adotados pelo indigenismo oficial, como se pode depreender da passagem a seguir sobre a “tribo dos Malalis”, cujos “restos” se contavam em torno de 20 indivíduos, nas matas do Ribeirão Trindade, em proximidade com a fazenda de Casimiro Gomes Leal53.

Considerações finais

56A complexidade dos processos vivenciados na história dos povos indígenas em seus constantes movimentos constituem um desafio para o historiador e para o etnólogo na investigação das diferentes identidades, lógicas e estratégias em regiões de fronteira – aqui concebida em seu caráter de espaço propiciador de processos de redefinição identitária.

57No caso examinado observamos que os deslocamentos seriam motivados por atores de categorias sociais e étnicas diversificadas, e que suas relações oscilavam entre estratégias de alianças, conflitos, simulações e resistências.

58Os deslocamentos semânticos e reconfigurações étnicas e sociais aqui observados e analisados indicam que a história desses povos não pode ser resumida apenas à sua “derrota” perante as frentes colonizadoras, uma vez que as são visíveis tentativas de negociação. Estas, de fato, atuaram para a definição de políticas oficiais destinadas a solucionar o “problema indígena” naquela região de fronteira na qual atuaram os diversos povos em suas criativas estratégias, bem como os poderes e interesses dos colonizadores da região.

59O acompanhamento da dinâmica dos povos de língua Maxakali ao longo da história de colonização do Mucuri revela, assim, não apenas os impactos populacionais certamente por eles vivenciados, como também os rearranjos societários e simbólicos protagonizados. Dentre eles incluem-se a negociação, dos próprios atores indígenas sobre as categorias a eles atribuídas pelas políticas públicas de administração indígena – como observado no “passaporte” concedido ao “capitão” Tomé para liderar seu povo (1750) ou, mais tarde, no aldeamento de supostas populações ainda não reduzidas no aldeamento de Tocoiós (1801). Esses mecanismos de recomposição, por sua vez, configuram novas identidades indígenas, produzidas por meio de imbricações complexas e diversificadas entre política indígena e políticas indigenistas e estatais, na qual atuaram povos aldeados e não-aldeados de diferentes categorias étnicas, tais como Maxakali e Botocudos – cujas relações de hostilidade não impediram momentos de aliança estratégica – bem como de escravos fugidos e até de dissidentes políticos da coroa portuguesa, como foi o caso do inconfidente mineiro J. P. Freire de Moura.

60O estudo aqui realizado vem, assim, ao encontro dos trabalhos reunidos no presente dossier que vêm enfatizando os trânsitos e as intensas relações intersocietárias nos espaços de fronteira por meio da observação e descrição de um constante movimento caracterizado por uma diversa gama de processos protagonizados pelos indígenas. Dar visibilidade aos povos Maxali no interior deste complexo processo foi um dos objetivos deste trabalho.

Haut de page

Bibliographie

Brandão, Jozé da Silva, “Os Índios de Lorena dos Tocoyós”. RAPM XVII, 1913 [1799], p. 431-435.

Carneiro da cunha, Manuela, Legislação Indigenista no século XIX. São Paulo: Edusp/Comissão Pró-Índio, 1992

Espíndola, Haruf S., Sertão do Rio Doce. Bauru: Edusc /Univale/Instituto Terra. 2005

Freireyss, George Wilhelm,. “Viagem a varias tribus de selvagens na capitania de Minas Gerais; permanência entre ellas, descripção de seus usos e costumes” . Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo VI, 190, p. 236-252.

Heckenberger Michael; kuikuro J. Et al., “Pre-Columbian urbanism, anthropogenic landscapes, and the future of the Amazon” Science 29 August 2008:Vol. 321. no. 5893, 2008, p. 1 214-1 217.

Jose, Oiliam. Marlière, o Civilizador. Esboço Biográfico. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1958.

Langfur, Hal Lawrence, “The Forbidden Lands: frontier settlers, slaves, and Indians in Minas Gerais, Brazil, 1760-1830”, 1999. Tese Ph.D. University of Texas-Austin, EUA.

Langfur, Hal Lawrence, “Uncertain Refuge: frontier formation and the origins of the Botocudo war in the late colonial Brasil”. Hispanic American Historical Review 82:2, 2002, p. 215-256.

Machado, José Carlos, Senhora da Graça de Capelinha. Capelinha, Ed. do Autor, 2000.

Marcato, Sônia de A. “A repressão contra os Botocudos em Minas Gerais”. Boletim do Museu do Índio, Rio de Janeiro: Ministério do Interior/FUNAI, nº1, maio, 1979.

Marlière, Guido Thomaz, “Ofícios”. RAPM X, 1905, p. 382-668.

Mata, Sérgio da, “Chão de Deus: catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em Minas Gerais. Séculos XVIII-XIX”. Tese de Doutorado em História Ibérica e Latino-Americana, Universität zu Köln, 2002.

Mello e souza, Laura de. Norma e Conflito: aspectos da história de Minas no Século XVIII. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

Missagia de mattos, Izabel Missagia de, Civilização e Revolta: os Botocudos e a catequese na Província de Minas. Bauru: Edusc/Anpocs, 2004.

Monteiro, John M, org., Guia de Fontes para a História Indígena e do Indigenismo em Arquivos Brasileiros. Acervo das Capitais.São Paulo, NHII-USP/Fapesp, 1994.

Morel, M. “Independência, vida e morte: os contatos com os Botocudos durante o Primeiro Reinado”. Dimensões Revista de História da Ufes, Vitória, v. 14, n. 1, 2002, p. 91-115.

Moreno, Cezar, A Colonização e o Povoamento do Baixo Jequitinhonha: a guerra contra os índios. Belo Horizonte: Canoa das Letras, 2001

Moura, José Pereira F. de, “Botocudos e Aymorés (Dezembro de 1809- Lorena dos Tocoyos)”. RAPM. Ano II, 1897 [1809], p. 28-36.

Oliveira, José Joaquim M. de, "Documento sobre a Colonização dos Botocudos do Rio Doce". RIHGB VII, 1865 [1841], p. 223-227.

Otoni, Teófilo Benedito, Condições para Incorporação de uma Companhia de Comércio e Navegação do Rio Mucuri. Rio de Janeiro: Tipografia de Imp. e Const. De J. Villeneuve e Companhia, 1847.

Otoni, Teófilo Benedito, Notícia sobre os Selvagens do Mucuri em uma carta dirigida pelo Sr. Teófilo Benedito Otoni ao Sr. Dr. Joaquim Manuel de Macedo”, (1858). Revista do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo XXI, p. 191-238. Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro. Disponível em http://biblio.wdfiles.com/local--files/ottoni-1858-noticia/ottoni_1858_noticia_harvard.pdf (acesso em 13/10/2011).

Paraíso, Maria Hilda B, “O Tempo da dor e do Trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste”. Tese de Doutorado em História. FFLCH – USP, 1998.

Pereira, Leopoldo, O Município de Araçuaí. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1969.

Pimenta, Demerval J, “Aspectos do Povoamento do Leste de Minas”. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais XIV, 197, p. 369-392.

Pôrto, Reinaldo Ottoni, Notas Históricas do Município de Teófilo Otoni. Vol. I. Teófilo Otoni, 1928.

Pôrto, Reinaldo Ottoni, “A Bandeira de João da Silva ‘O Mestre de Campo’, o Todos os Santos e os Selvagens do Mucuri”. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais II, 1946, p. 142-177.

Rocha, Joaquim, Geografia histórica da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1995 [1780].

Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.

Rubinger, Marcos M, Projeto de Pesquisa Maxakali, Grupo Indígena do Nordeste de Minas Gerais, Mimeo, 1963.

Saint-hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830).

Soares, G., org. Na Trilha Guerreira dos Borun. Ed. Metodista. Belo Horizonte, 2010

Stern, Steve J, org., Resistence, Rebellion and Consciousness in the Andean Peasant World, Madison. Univ. Wisconsin Press, 1987.

Suzannet, Conde de, O Brasil em 1845: semelhanças e diferenças após um século. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1975.

Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (1866).

Vasconcelos, Diogo L. A, 1948. História Antiga das Minas Gerais. Vol. I. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Wied neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasiliana, São Paulo.

Haut de page

Annexe

Documentos manuscritos

Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte.

TIMMERS, O. (1969). “O Mucuri e o Nordeste Mineiro no passado e seu desenvolvimento segundo documentos e notícias recolhidas por Frei Olavo Timmers OFM em lembrança do 100o aniversário de Teófilo Benedito Ottoni. 1869 – 17 de Outubro de 1969”. Teófilo Otoni. Datilografado com emendas manuscritas. 535 fls. Arquivo Público Mineiro.

Códices da Seção Provincial (1821-1890)

Documentação encadernada:

SP 76 – registro de pareceres e indicações do Conselho do Governo (1830 – 1832);

SP 379 – originais de avisos e portarias do Conselho Militar (1846);

SP 412 – registro de ofícios do Governo aos Comandantes de Forças (1848 – 1849);

SP 508 – originais de ofícios e mais papéis sobre negócios eclesiásticos, eleições e catequese (1854);

SP 540 – registro de ofícios e mais atos do Governo sobre catequese (1854 – 1860);

SP 565 – originais de ofícios e mais papéis dirigidos ao Governo sobre negócios eclesiásticos, catequese, Câmaras, Secretaria e Assembléia (1855); SP 1379 - originais de ofícios e mais papéis dirigidos ao Governo sobre a indústria, catequese, terras e terrenos diamantinos (1870).

Documentação não encadernada:

“Relatório e esboço da picada para o Urucu”. De Roberto Scholbach para Teófilo Otoni.

Fundo: Presidência da Província

Série: correspondência recebida

Sub-série: obras públicas

Cx. 76. Doc. 6.

Códices da Secretaria de Governo (1863-1894):

SG 04: expediente da Diretoria Geral dos Índios da Província de Minas Gerais (1863-1869);

SG 8: registro de correspondência referente à catequese e demarcação de terras (1872-1875);

SG 9: conta corrente do Aldeamento da Imaculada Conceição do Rio Doce (1872-1877); SG 12: expediente da Diretoria Geral dos Índios (1873 – 1874);

SG 14: quadro de pessoal empregado na catequese dos índios e matrícula dos empregados da catequese da Província de Minas Gerais (1863-1894);

SG 15: expediente da Diretoria Geral dos Índios (1874-1878);

SG 16: inventário dos bens pertencentes ao aldeamento central do rio Doce (1874);

SG 17: Despesas feitas pelo Rev.mo Diretor Frei Miguel Ângelo Marina de Troina por compras de objetos e gêneros para o Estabelecimento da Imaculada Conceição do Etuet e Indígenas (1874-1879);

SG19: inventário dos bens do Aldeamento Central do Etueto (1878);

SG 20: expediente da Diretoria dos Índios (1878 - 1880);

SG 21: correspondência recebida pela Diretoria Geral dos Índios (1879 - 1884);

SG 22: expediente da Diretoria dos Índios (1886-1887);

SG 24: correspondência recebida pela Diretoria dos Índios (1885 - 1888);

SG25: expediente da Diretoria dos Índios (1887 – 1894).

VII. Arquivo Nacional, Rio de Janeiro

Lançamento do expediente relativo à catequese e civilização dos índios. 4a Seção da Secretaria d’Estado dos Negócios do Império em 5 de setembro de 1849. Livro no 280B. Ministério da Justiça e Negócios Interiores. Secretaria do Estado. 4a Seção. Catequese e Civilização. Fundo IA7 4 – 1849.

Relatórios dos presidentes da Província de Minas Gerais. Fundo “Exposições, Falas, Mensagens e Relatórios Provinciais/Estaduais”.

Haut de page

Notes

1  Mata, Sérgio da, “Chão de Deus: catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em Minas Gerais. Séculos XVIII-XIX”. Tese de Doutorado em História Ibérica e Latino-Americana, Universität zu Köln, 2002.

2 Para uma história etnográfica dos povos filiados à família lingüística Botocudo nos Oitocentos ver Missagia de Mattos, 2004.

3 Tudo indica que a antropofagia alegada pelos colonizadores a esses povos não constituía, de fato, uma de suas práticas rituais, tais como as comprovadamente adotadas pelos povos Tupi do litoral, não tendo sido diretamente observada na farta documentação pesquisada.

4 Tendo em vista a já exaustiva exploração deste Decreto por autores diversos (Espíndola, 2005; Morel, 2002; Moreno, 2001; Paraíso, 1998; Marcato, 1979), a guerra justa contra os Botocudos será aqui abordada apenas tangencialmente. A íntegra da Carta Régia que ordenou a guerra pode ser conferida em Carneiro da Cunha, org., 1992. Com a efeméride desta Guerra Ofensiva, uma síntese bem documentada sobre suas conseqüências foi organizada pela indigenista G. Soares (2010) com auxílio de representantes indígenas.

5  Langfur, Hal Lawrence, “The Forbidden Lands: frontier settlers, slaves, and Indians in Minas Gerais, Brazil, 1760-1830”, 1999. Tese Ph.D. University of Texas-Austin, EUA.

6 Os povos hoje conhecidos como Maxakali se autodesignam tikmũ’ũn, que significa “nós”, “gente”. Uma versão original deste estudo foi apresentada na 25ª. Reunião Brasileira de Antropologia (2006), baseando-se em dados de minha pesquisa de doutorado (Missagia de Mattos, 2002) e se encontra disponível no site Os Índios na História do Brasil: informações, estudos, imagens. (http://www.ifch.unicamp.br/ihb/Textos/GT48Izabel.pdf, último acesso em 21/09/2011).

7 Maxakali e Botocudo, sendo povos filiados à famílias lingüísticas distintas, podem ser, no entanto, classificados no interior do mesmo tronco lingüístico cultural Macro Jê. Na Enciclopédia dos Povos Indígenas do Instituto Sócio Ambiental e Wikipédia, por exemplo, os Maxakali são caracterizados erronecamente como os Naknenuk (Botocudos) que negociaram com Teófilo Benedito Otoni os acordos para a instalação na região da Companhia do Mucuri (1851-1861) (Ver http://pib.socioambiental.org/pt/povo/maxakali e http://pt.wikipedia.org/wiki/Maxacalis).

8  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (1866).

9  Heckenberger Michael; kuikuro J. Et al., “Pre-Columbian urbanism, anthropogenic landscapes, and the future of the Amazon” Science 29 August 2008:Vol. 321. no. 5893, 2008, pp. 1214 – 1217.

10 Na Relação fornecida pelo capitão-mor João da Silva Santos a respeito da aldeia do Capitão Tomé consta que “no ano de 1786 em que o dito Gentio me saiu de paz a primeira vez apresentou-me um que entre eles se fazia cabo por nome Tomé um passaporte firmado pelo Sr. D. Manuel quando governou Vila Rica e dizia o dito passaporte “Ao Cabo Tomé de Nação do Gentio bárbaro deixarão andar esquadrinhando com a sua patrulha as cabeceiras do Ribeiro S. Bárbara”. Fonte: Inventário dos Documentos Relativos ao Brasil. Arquivo de Marinha e Ultramar de Lisboa. Bahia, t. V, p. 230-272, nn. 27108-27111 e 27113-27114. Volume XXXVII dos Anais da Biblioteca Nacional.

11  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasiliana, São Paulo.

12  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasiliana, São Paulo.

13 Francisco Teixeira Guedes aparece no relatório do diretor geral dos índios, Severino Barbosa de Oliveira, como diretor dos índios da quinta circunscrição – criada em outubro de 1871 -, sob cuja jurisdição se estabeleciam as “muitas aldeias” conhecidas, porém sem denominação, computando um total de 500 índios. Francisco Teixeira Guedes não respondera aos ofícios da Diretoria Geral desde dezembro de 1879 (10 de setembro de 1880. SG22, p. 12v-13. APM).

14  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (1866), p. 229.

15  Moura, José Pereira F. de, “Botocudos e Aymorés (Dezembro de 1809- Lorena dos Tocoyos)”. RAPM. Ano II, 1897 [1809], p. 28-36.

16  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.

17  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980, p. 23.

18  Freireyss, George Wilhelm,. “Viagem a varias tribus de selvagens na capitania de Minas Gerais; permanência entre ellas, descripção de seus usos e costumes” . Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo VI, 190, p. 236-252.

19  Freireyss, George Wilhelm,. “Viagem a varias tribus de selvagens na capitania de Minas Gerais; permanência entre ellas, descripção de seus usos e costumes” . Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo VI, 190, p. 237.

20  Otoni, Teófilo Benedito, Notícia sobre os Selvagens do Mucuri em uma carta dirigida pelo Sr. Teófilo Benedito Otoni ao Sr. Dr. Joaquim Manuel de Macedo”, (1858). Revista do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo XXI, p. 191-238. Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro. Disponível em http://biblio.wdfiles.com/local--files/ottoni-1858-noticia/ottoni_1858_noticia_harvard.pdf (acesso em 13/10/2011).

21  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.

22  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980, p. 28.

23  Jose, Oiliam. Marlière, o Civilizador. Esboço Biográfico. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1958.

24  Rubinger, Marcos M et. al Indios Maxakali: resistência ou morte. Belo Horizonte: Interlivros, 1980, p 18-19.

25  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (1866), p 216.

26  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasiliana, São Paulo, p. 299.

27  Rubinger, Marcos M, Projeto de Pesquisa Maxakali, Grupo Indígena do Nordeste de Minas Gerais, Mimeo, 1963.

28  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830), p. 49.

29  Stern, Steve J, org., Resistence, Rebellion and Consciousness in the Andean Peasant World, Madison. Univ. Wisconsin Press, 1987.

30 Para visualizar a distribuição geográfica dos Giporok, por ocasião da liquidação da Companhia do Mucuri, temos as informações reunidas pelo comissário do governo imperial J. C. Gomes (1862), que asseverava que “desde que se entra no vale do rio Urucu e passando ao do Todos os Santos, predominam exclusivamene os indios Giporoka, quer dizer, bravos, tendo suas aldeias a rumos diversos” (Gomes, 1862: 37). O engenheiro da Companhia do Mucuri, Roberto Schlobach, por sua vez, ao traçar o esboço da picada entre Filadélfia e a Colônia do Urucu, em 1854, iria identificar os terrenos como sendo “dos Gypocks da Saudade” e dos “Gyporocks do Urucu” (SP; documentação não encadernada; fundo Presidência da Província; série: Correspondência Recebida; subsérie: Obras Públicas; Cx. 76, Doc. 6, reproduzido em Missagia de Mattos, 2004: 121).

31 O termo “bandeira”, utilizado na documentação arquivística sobre Minas na segunda metade do século XVIII, não pode ser confundido com as bandeiras dos paulistas dos seiscentos. As primeiras eram menores tanto quanto ao número de participantes quanto ao tempo de duração e a extensão das entradas (cf. Langfur, 2002: 243).

32  Pôrto, Reinaldo Ottoni, Notas Históricas do Município de Teófilo Otoni. Vol. I. Teófilo Otoni, 1928, p. 11.

33  Pôrto, Reinaldo Ottoni, Notas Históricas do Município de Teófilo Otoni. Vol. I. Teófilo Otoni, 1928, p. 11.

34  Wied Neuwied, Maximiliano de, 1958 [1823]. Viagem ao Brasil, Companhia Ed. Nacional, Coleção Brasiliana, São Paulo, p. 174.

35  Rocha, Joaquim, Geografia histórica da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1995 [1780], p. 1441.

36  Pimenta, Demerval J, “Aspectos do Povoamento do Leste de Minas”. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais XIV, 1959,197, p. 369-392.

37 Aspectos significativos da biografia do fundador do aldeamento de Lorena dos Tocoiós, personagem singular na história dos índios e do indigenismo em Minas, foram relatados por A. Pimenta (1939).

38  Pereira, Leopoldo, O Município de Araçuaí. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1969, p. 34.

39  Suzannet, Conde de, O Brasil em 1845: semelhanças e diferenças após um século. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1975, p. 163-164.

40  Rubinger, Marcos M, Projeto de Pesquisa Maxakali, Grupo Indígena do Nordeste de Minas Gerais, Mimeo, 1963.

41  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830).

42  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830), p. 271-272.

43 Revista do Arquivo Público Mineiro (RAPM), vol. II, 1897, p. 31-32.

44  Otoni, Teófilo Benedito, Notícia sobre os Selvagens do Mucuri em uma carta dirigida pelo Sr. Teófilo Benedito Otoni ao Sr. Dr. Joaquim Manuel de Macedo”, (1858). Revista do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo XXI, p. 191-238. Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro. Disponível em http://biblio.wdfiles.com/local--files/ottoni-1858-noticia/ottoni_1858_noticia_harvard.pdf (acesso em 13/10/2011), p. 191.

45  Vasconcelos, Diogo L. A, 1948. História Antiga das Minas Gerais. Vol. I. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, p. 150-151

46  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830).

47  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830), p. 248.

48  Saint-Hilaire, Auguste de, Viagens pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975 (1830), p 248.

49 Casimiro ficou conhecido por liderar, no ano de 1847, uma revolta no quartel militar de Santa Cruz do Rio Preto, na qual teria assassinado o sargento Coelho (Missagia de Mattos, 2004).

50  Marlière, Guido Thomaz, “Ofícios”. RAPM X, 1905, p. 506-507, 512.

51  Ofício enviado pelo presidente da Província, Bernardino José de Queiroga, ao comandante da Companhia dos Pedestres do Jequitinhonha, tenente Joaquim Martins Fagundes. 20 de setembro de 1848. SP. Códice 412. APM.

52  Tschudi, Johan Jakob von, Reisen durch Sudämerika, 5 vols, Vol II, Stuttgart: Brockhaus, 1971 (1866), p. 216

53 Diferente era a posição do diretor dos índios do rio Doce, coronel Guido Marlière que, em outubro de 1827, manifestou-se favorável a um requerimento de Antônio Gomes Leal, Diretor dos índios Macunis no Alto dos Bois, reconhecendo o trabalho “civilizatório” dos índios levado por ele e seu falecido pai, homônimo, que era português.

Senhor, como V. Majestade me ordena em provisão de 27 do passado, informo sobre o requerimento de Antônio Gomes Leal, Diretor dos Índios Macunis, aldeados no Alto dos Bois nesta Província: que o suplicante é um dos entes raros que a Providência fez nascer em Minas, que à imitação de seu falecido pai foi afeto aos índios e na sua pobreza os tem protegido, educado e cristianizado. Em 1821 inspectei aquele aldeamento e fiquei edificado da ordem nele existente.

É constante que além das despesas que aquele benemérito cidadão fez com eles, muitas vezes tem exposto na sua frente a própria vida em defesa dos seus concidadãos, contra as hostilidades dos Botocudos então bravos, assim como sou testemunha de que esta aldeia tem fornecido e fornece muitos e leais soldados à 5a Divisão do meu comando. Não há na verdade (?) que mande remunerar aos diretores dos índios; mas temos outro que manda indistintamente recompensar todo o servidor benemérito da Pátria como este (RAPM XII. 1907, p. 409-603).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Izabel Missagia de Mattos, « Povos em Movimento nos Sertões do Leste (Minas Gerais, 1750-1850) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 30 janvier 2012, consulté le 24 août 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/62637 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.62637

Haut de page

Auteur

Izabel Missagia de Mattos

belmissagia@gmail.comUniversidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page