Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesComptes rendus et essais historio...2013André Rosemberg, De Chumbo e fest...

Patricia Sampaio Silva

André Rosemberg, De Chumbo e festim, uma história da polícia paulista no final do Império, Sao paulo, Editora da universidade de Sao Paulo, Fapesp, 2010. 472 p.

[18/02/2013]

Entrées d’index

Palabras claves :

Brasil, historia, paulismo, policía, imperio
Haut de page

Texte intégral

1Com sua obra De Chumbo e festim, uma história da policia paulista no final do Império, André Rosemberg, nos oferece um trabalho original de história socio cultural sobre um tema, até pouco tempo considerado de interesse menor.

2O autor rompe definitivamente com a visão simplista de uma força policial destinada unicamente a servir os intéresses das classes dominantes e embasado numa ampla pesquisa realizada junto aos mais diversos arquivos, analisa habilmente a polícia em suas variadas e contraditorias dimensões. André Rosemberg nos revela assim como esta instituição foi ao mesmo tempo um ramo essencial do Estado, um representante da defesa da propriedade e da ordem, uma força social atuante no cotidiano da sociedade, uma corporação dotada de interesse e preceitos próprios e produzindo uma força de trabalho específica, mas antes de tudo uma corporação composta de pessoas, com nomes, sobrenomes, origens, anseios e necessidades.

3Olhando a instituiçao de dentro para fora o livro retraça a realidade de praças e guardas, principalmente os de baixa patente, sem descuidar do arcabouço insitutional, nem das relaçoes, não raro conflituosas, com os outros agentes da estrutura juridico-administrativa, como delegados, sub delegados ou chefes de policia.

4Tendo como pano de fundo a consolidação do Estado nos finais do Império, o problema da escravidao e sua superação, os ideais europeainizantes das elites, a questão da constiutição de uma mão de obra livre, o autor retraça a formação das forças responsáveis pelo policiamento da província Ou seja o Copo Policial Permanentes (CPP) a Companhia dos Urbanos e a Policia Local.

5Precursor da atual Policia Militar, o CPP (criado em 1831 ) foi idéalizado apos a reforma de 1868, como uma força capaz de disseminar uma missao civilizadora. Ele deveria portanto ser composto de homens horados, moralmente aptos e de preferencia brasileiros, sem distinçao de cor ou altura, que sobretudo ingressassem volontariamente nesta corporaçao. O voluntariado deveria por si só diferencia-los dos praças das linhas de tropa e da majurada, cujo o recrutamento compulsório constituía uma mácula social.

6Inspirado no sistema gendarmico françês, o Corpo dos Permanentes era ao mesmo tempo uma força militarizada ligada à uma administraçao civil que se destinava au patrulhamento rural, onde teoricamente deveria estar de forma omnipresente (seja pela presença de quarteis, seja por diligencias) e que era requisionnada para cumprir as mais variadas tarefas. De um ponto ao outro da província, além da responsabilidade da preservação da segurança da ordem social - por meio da vigilância e ameaça de sanção- os praças eram chamados para debelar quilombos, combater inssureções escravas, enfrentar trabalhadores contratados para construir estradas de ferro, mediar conflitos, apagar incendios , escoltar alienados.

7Por sua vez, a Companhia dos Urbanos, fundada em 1875 e operando exclusivamente na Capital era, segundo os moldes da polícia londrina, uma polícia de prevenção, desmilitarizada, que deveria primar pela polidez e amabilidade no trato com a população. Já a Polícia Local, organizada à nivel municipal, mas financiada pelos cofres provincias, era concebida como uma força auxilar do Corpo dos Permanentes. Criticada pela cupula du CPP, como sendo um mero instrumento dos grandes fazendeiros e fugindo ao modelo do policial idéalizado pelas autoridades, esta força foi extinta em 1877, reativada em 1884, mas por apenas 4 anos.

8Ora apesar das forças policias serem o orgão mais burocratisado da provincia, como revela Rosemberg, o seu quotidiano foi na verdade marcado pela probreza : munidos de armamentos obsoletos e de difícil manuseio, vestindo fardamentos estragados, os permanentes destacados eram acasernados em quartéis improvisados e acabavam, como o policial local, por vigiar cadeias rotas que gardavam ébrios costumazes, algum escravo fugitivo ou o alienado de plantão. Nem os guardas urbanos, concebidos como a elite da policia paulista, escapavam da penuria. Patrulhando desçalcos esta força, retomando as palavras do autor, instituída como balarte da modernidade, polidez e civismo não conseguia, tal como um pomposo cisne, esconder as patas impróprias.

9Da mesma forma, a indigencia material que assolou a policia impedia a estruturação das casernas como unidades pedagógicas, o estabelecimento de exercícios rotineiros, ou a criação de centros de treinamento, necessários para transformar tanto o policial como o oficialato em agentes portadores de um saber, de uma tecnica especfica e de comportamentos não compartilhados pelo resto da população.

10Neste universo precário, o engajamento pour periodos de quatro à seis anos no CPP, aparecia, no final das contas, como uma das várias opções de sobrevivencia para homens jovens e na maioria nao brancos. Constantemente deslocados, tendo seus salarios desviados com frequência por intermediários ou simplemente não pagos por falhas administrativas, muitos lá se deixavam ficar na espera de uma oportunidade melhor. Sendo assim, emplacar uma carreira policial era mais o resultado do acaso e de circunstâncias contingentes do que uma aspiração vocacional do recruta ou o resultado de uma política do governo. Por outro todavia, mesmo se as baixas e os engajamentos multiplos eram uma outra constante, por mais précaria que fosse a situaçao do policial, o ingresso na policia, como desvenda André Rosemberb, recobria outros aspectos.

11O engajamento constituia um asilo eficaz para escravos fugitivos e para estes como para jovens pobres, geralmente libertos, este ingresso funcionava como uma espécie de passaporte para a existencia no mundo formal. De fato ele porporcionvava a acquisição de uma identitade civil - pois lhes eram imediatament atribuidos um sobrenome muitas vezes fajutos - representando a oportunidade de uma inserção social para os que vinham da senzala.

12Originários de um mundo que a elite intelectualizada pretendiam “civilizar”, compartilhando as mesmas práticas culturais, o policial - parcamente treinado e só parcialemente indentificado com a instutuiçao – interage assim com este mundo, mas enquanto autoridade. O uso do uniforme, o porte de armas, a possibilidade do uso da violencia legítima e presença lícita em lugares suspeitos ( como tabernas, jogos de azar, bailes populares) criavam situaçoes que os policias buscaram tirar o melhor proveito. As avantagens, por vezes miúdas, são entretanto negociadas caso a caso nos interstícios do tecido social e levam em conta os códigos establecidos e as barreiras de classe.

13Excluidos com fréquencia por motivos de “ embriaguez” ou “desordem”, as relaçoes os praças estabelem com a população são assim marcadas por uma série de tensões, mas tambem de ajustes e proteções. Fugindo mais uma vez da visão simplista que associa a violencia policial às suas origens, que a ligaria exclusivamente à defesa da escravidão, André Rosemberg, detalha todo o leque interações que se estebelecem entre os policiais e o publico, que vai desde o abuso do poder ao papel de mediadores de conflitos, prestadores de auxilio esperado e protetores de escravos fugitivos.

14Atraves desta minuciosa e sutil história socio cultural do cotodiano da polícia e dos policias ( que incluem as questões, não só de origem social, mas tambem de moradia, alimentação, doença, religiosidade, lazer, diversao) o livro de André Rosemberg consitui, na verdade, uma importante contribuiçao para a história da formação do Estado brasileiro, à partir da realidade concreta des seus atores. Este trabalho representa uma contribuiçao importante.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Patricia Sampaio Silva, « André Rosemberg, De Chumbo e festim, uma história da polícia paulista no final do Império, Sao paulo, Editora da universidade de Sao Paulo, Fapesp, 2010. 472 p. », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Comptes rendus et essais historiographiques, mis en ligne le 18 février 2013, consulté le 27 février 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/65102 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.65102

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search