Navigation – Plan du site
Carlos Zeron

Yves d’Evreux. Voyage au nord du Brésil (1615). Édition critique établie par Franz Obermeier, Kiel, Westenseeverlag-Verlag, 2012, 440 p., Col. Fontes Americanae

[29/09/2014]

Entrées d’index

Haut de page

Notes de l’auteur

Cet ouvrage est épuisé dans sa version imprimée, il est disponible en libre accès sur la page web http://macau.uni-kiel.de/

Texte intégral

  • 1 A primeira edição é uma tradução inglesa, “A Treatise of Brazil Written by a Portugal which Had Lon (...)
  • 2 MORAES, Rubens Borba de. Bibliographia Brasiliana: Rare Books about Brazil Published from 1504 to 1 (...)

1A colonização portuguesa da América notabilizou-se pela capacidade em restringir a circulação de informações sobre as suas terras e as suas gentes. O Tratado da Terra do Brasil de Pero de Magalhães Gandavo, por exemplo, que está na origem da sua História da Província de Santa Cruz, permaneceu em estado manuscrito até 1826. O Tratado descritivo do Brasil de Gabriel Soares de Sousa só foi impresso em 1851. A História do Brasil, de frei Vicente do Salvador, só foi publicada em 1889. A Informação da Província do Brasil, de Fernão Cardim só conheceu edição em língua portuguesa em 18851, enquanto a sua Narrativa epistolar só foi publicada em 1847 e Do princípio e origem dos índios do Brasil, dos costumes, adoração e cerimônias, em 1881. A Informação do Brasil e de suas capitanias, de José de Anchieta, em 1844, e a Informação dos primeiros aldeamentos da Bahia, em 1894. De algumas coisas mais notáveis do Brasil, de Francisco Soares, só veio a lume em 1904-1906 ; o Diálogo sobre as grandezas do Brasil, de Ambrósio Fernandes Brandão, em 1930, e assim por diante. Basta consultar a Bibliographia Brasiliana e a Bibliografia brasileira do período colonial, de Rubens Borba de Moraes, para dar-se conta da raridade das publicações sobre o Brasil durante os três séculos de sua colonização2. O exclusivo comercial tinha seu complemento na restrição da circulação de informações sobre as riquezas naturais e humanas do continente americano.

2Menos ciosos poderiam ser os demais europeus que disputavam com os portugueses as conquistas em terras americanas. Mesmo assim, também não foram muitos os títulos e as edições, comparativamente às outras partes da América.

  • 3 A edição publicada no Rio de Janeiro, em 2009, pela Fundação Darcy Ribeiro, não é uma edição crític (...)
  • 4 GARRAUX, Louis. Bibliographie brésilienne. Catalogue Des Ouvrages Français & Latins Relatifs Au Bré (...)

3Diante da parcimônia de informações provenientes do período colonial, surpreende que só agora, em 2012, venha à luz uma edição crítica do exemplar mais completo da riquíssima obra do capuchinho Yves d’Evreux, conservado na New York Public Library3. “Antes tarde do que nunca”, costuma-se dizer. Mas, não deixa de ser muito intrigante : por que só agora ? Afinal, o exemplar que serviu de base para esta edição crítica é conhecido desde o século XIX ! De fato, ele veio a conhecimento do público numa venda em 1884, em Paris. Louis Garraux e Rubens Borba de Moraes o descreveram, especificando inclusive a numeração das páginas a mais que contém4, comparativamente ao outro exemplar remanescente, conservado na França ; Rubens Borba de Moraes ainda reproduziu as duas gravuras dos índios Tupinambá vestidos à francesa para o seu batismo (da mesma maneira, outro exemplar delas só se encontra na França, separadas do livro, pois foi como folhas volantes que circularam originalmente), concluindo seu comentário por um lamento por não haver, até então, uma edição deste exemplar. E, no entanto, ainda tardaria meio século para isso acontecer. Franz Obermeier garante inclusive que foi ele quem abriu o exemplar reencadernado no século XIX, em 1995 (p.V).

4O livro de Yves d’Evreux teve, dessa maneira, uma circulação semelhante àquela das principais fontes sobre o período colonial : após uma circulação quase clandestina no século XVII, só ressurgiu no século XIX (notícia em 1835, ço em 1864), quando foi redescoberto por Ferdinand Denis.

5Impresso em 1615, a Suitte de l’Histoire des choses plus memorables aduenuës en Maragnan, ès années 1613 & 1614 teve destino semelhante a outra obra fundamental escrita durante o período colonial, a Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, de João Antônio Andreoni, publicada em 1711, qual seja, a destruição dos exemplares recém-impressos. Com a diferença que a ordem de destruição dos exemplares do livro escrito pelo jesuíta italiano partiu diretamente do rei de Portugal, enquanto um dos exemplares remanescentes e parcialmente destruído do livro escrito pelo capuchinho francês foi, ao contrário, oferecido ao seu rei por um militar membro da empresa colonial francesa no Maranhão, François de Rasilly, quem ainda acrescentou um prefácio.

6Não se sabe ao certo quais as razões da destruição dos exemplares impressos em 1615. Especula-se em torno da circunstância do casamento entre Luís XIII e Ana de Áustria, Infanta espanhola, mas a explicação parece um pouco exagerada e contraditada em boa medida pela publicação em 1614 da Histoire de la Mission des Peres Capucins en l’Isle de Maragnan et terres circonuoisines, de Claude d’Abbeville, da qual o livro de Yves d’Evreux é a Suite. Mais incerto ainda é o critério para certas folhas terem sido arrancadas dos poucos exemplares remanescentes (três exemplares, talvez quatro, dos quais hoje restariam apenas dois : o terceiro despareceu sob os bombardeios de Chartres, em 1944 ; o quarto, localizado a certa altura em Roma, podendo ser o mesmo que hoje se encontra em Nova York e contamos aqui como segundo). Mais certa é a hipótese que explicaria a intervenção de François de Rasilly, que salvou um dos exemplares interessado em divulgar os eventos relacionados à colonização do Maranhão e, por este meio e do prefácio que acrescentou, promover-se junto ao monarca. Para Rasilly, contudo, bastava salvar um exemplar, justamente aquele que ofereceu ao jovem rei. Talvez ele esteja na origem do resgate também do segundo. Entre os dois exemplares remanescentes, coincidem algumas páginas faltantes, mas o de Nova York é mais completo. Possivelmente Rasilly, cujo prefácio encontra-se nos dois exemplares, teve o cuidado de arrancar algumas folhas a mais antes de oferecer um deles ao rei : as folhas 97r-104v, 113r-120v, 297r-304v e 337r-344v, totalizando 64 páginas (as folhas definitivamente perdidas correspondem estimativamente a 80 páginas : o fim do prefácio de Yves d’Evreux, contendo a descrição do frontispício que possivelmente não chegou a ser gravado, mais as folhas 9r-16v, 33r-40v, 185r-192v e 365r em diante).

7A diferença entre os exemplares de Paris e Nova York corresponde a quatro folhas inteiras do livro ainda não encadernado, as quais seriam dobradas e cortadas em suas bordas no processo de edição, totalizando 64 páginas. O que elas contêm é do maior interesse para os estudiosos da colônia francesa, especificamente, e da história da colonização das terras americanas, em geral ; mas, também, e, sobretudo, para a história dos índios ali descritos, isto é, as transformações pelas quais passaram aquelas sociedades sobre as quais Yves d’Evreux tomou notas, a partir do contato com portugueses e franceses, e, então, da sua participação nos processos históricos relacionados à colonização do Maranhão.

8O primeiro conjunto (p. 97r-104v) abrange o capítulo XXIII, “De la consanguinité, qui est parmy ces sauvages”, onde Yves d’Evreux trata do matrimônio e do papel da mulher na reprodução dos índios ; também descreve o cunhadismo e o acolhimento dos mestiços pelos Tupinambá. Além disso, escreve sobre os “escravos” e as regras da antropofagia. Nestas páginas encontra-se igualmente o capítulo XXIV, “Règles et moyens purement naturels, observez des Sauuages, par lesquels ils menent une vie fort douce & plaisante”, onde afirma e demonstra que os índios possuem a luz natural da razão, com base em concepções aristotélicas e tomistas. A partir disso, Yves d’Evreux enaltece as virtudes dos índios, de onde decorre naturalmente a autoridade dos chefes, por oposição aos príncipes europeus, cuja autoridade apoia-se apenas nas regras de sucessão e do poder : entre os índios Tupinambá prevalecem valores como a igualdade, a liderança derivada do convencimento e a modéstia ; na Europa, prevalecem a hierarquia, a autoridade derivada da ambição, a avareza e a ostentação.

9No segundo conjunto (p. 113r-120v), o capítulo XXVI, “De l’œconomie des Sauuages”, trata das concepções econômicas dos índios, partindo da estrutura familiar, novamente analisada a partir de concepções fundamentalmente aristotélicas (no que diz respeito à descrição da sua estrutura e hierarquia natural). Yves d’Evreux também desenvolve um comentário sobre a organização da economia indígena a partir da oposição entre o necessário e o supérfluo. No capítulo XXVII, “De l’inclination generale que les Sauuages ont de paroistre, que la Nature leur donne, tant-en leurs gestes qu’à rechercher des noms honorables”, ele trata da aspiração dos homens à honra, fama e glória para tratar das guerras indígenas e dos objetos de valor a elas associados (as cicatrizes no corpo – cotiare –, os nomes tomados a partir da morte dos seus inimigos), o que lhe permite fazer uma crítica aos comportamentos dos cristãos, especialmente os cortesãos europeus (chamados “mignons”).

10O terceiro conjunto (p. 297r-304v) contém o capítulo IX, “Des principaux moyens, par lesquels le Diable a retenu ces paures Indiens vn si long-temps dans ses cadenes”, e o início do capítulo X do segundo tratado, “Des ministres de Sathan, lesquels luy ont aidé à retenir ces Peuples en sa captiuité”. Se nos dois conjuntos anteriores podemos ler críticas aos europeus em moldes semelhantes ao de Montaigne (no seu conhecido ensaio “Sobre os Canibais”), aqui Yves d’Evreux introduz uma diferenciação entre os franceses e os portugueses : estes últimos são duramente criticados por suas crueldades no trato com os índios e pela sua redução ilegítima à escravidão. Yves d’Evreux tem o cuidado de isentar de culpa os reis de Portugal e Espanha, e ainda tece elogios aos jesuítas, que aconselharam os reis e puderam salvar os índios que ainda não tinham fugido. Mas a ação tirânica de soldados e administradores reais explica, para o capuchinho, porque o diabo pode agir tão livremente entre os índios que se dedicavam à vingança e à antropofagia, que não tinham vergonha da nudez e adotavam comportamentos lúbricos e praticavam inclusive a “prostituição”. Aqui, Yves d’Evreux já não adota o mesmo relativismo das passagens anteriores, o que se explica tanto porque se trata, agora, de criticar os comportamentos dos portugueses e sua influência nefasta sobre os índios, como de legitimar e justificar a ação colonizadora dos franceses. Yves d’Evreux contribui para construir, nesta passagem, uma tópica que terá longa vida entre cronistas e, mais tarde, entre historiadores (de Ferdinand Denis, no auge do colonialismo oitocentista francês, a Andrea Daher, quando a historiografia passou a se interessar por mestiçagens, acomodações e traduções) : à tirania dos portugueses se opunha a “doçura” dos franceses e sua contrapartida, a “sujeição voluntária” e o “desejo de conversão” dos índios.

11No quarto conjunto, enfim (p. 337r-344v), encontram-se os capítulos XIV, “Que les enfans du Bresil termineront & finiront le Royaume de Lucifer, & commenceront à establir le Royaume de Iesvs Christ”, e XV, “Des points de nostre religion, ausquels facilement les Sauuages prestent leur consentement : Et des diuerses questions qu’ils nous faisoient”. Aqui, o capuchinho faz relatos de conversão dos índios, procurando provar de fato a sua capacidade de obter a graça e a salvação como qualquer francês. Em algumas passagens, retoma o relativismo dos capítulos anteriores, opondo a moralidade natural dos índios e a sua capacidade e disposição para compreender a fé à imoralidade e obstinação dos europeus. Isso lhe permite projetar o futuro religioso da colônia, propondo a criação de escolas (onde os índios seriam catequizados, mas onde também aprenderiam a língua francesa e ofícios manuais adequados à colonização do Maranhão) e inclusive calcular as necessidades financeiras para a manutenção e a promoção do empreendimento colonial.

  • 5 DAHER, Andrea. Les singularités de la France Équinoxiale. Histoire de la mission des pères capucins (...)

12Por este breve resumo, vê-se claramente a importância das páginas contidas no exemplar conservado em Nova York que agora, finalmente, recebe uma edição crítica. Diante disso, é mais do que justa a crítica da Franz Obermeir (p.IV) ao desinteresse injustificável de alguns especialistas : não apenas Hélène Clastres (que preparou uma edição do livro de Yves d’Evreux, em 1985, que, além de desconsiderar o exemplar de Nova York, ainda amputou mais 56 p. do exemplar parisiense que lhe serviu de base), mas também de Andrea Daher (que nem sequer refere o exemplar de Nova York, mesmo após Obermeier divulgar um ensaio analítico a seu respeito, reforçando novamente a publicidade sobre ele, após Garraux e Moraes ; mais grave, ela assume que, “dans un parti pris de commodité [sic !], nous citerons ici très souvent cette édition récente [de Hélène Clastres !], car le seul [sic !] exemplaire original du récit est difficilement consultable, l’édition de M. Ferdinand Denis étant tout aussi rare”5).

13A edição de Franz Obermeier abre-se com uma introdução de 72 páginas, onde historia as vicissitudes da edição original do livro de Yves d’Evreux, especulando sobre as razões do que chamou de dupla censura (i.e. os dois conjuntos de páginas laceradas, atribuindo-a não apenas às circunstâncias imediatas do casamento de Luís XIII, mas inserindo-as mais amplamente na conjuntura teológica e política), repassando o conteúdo das páginas arrancadas, situando a obra na relação com outras semelhantes, contemporâneas, bem como dentro do contexto de colonização do Maranhão. O estudo, vê-se, é bastante completo, e aprofunda-se ainda, pontualmente, nas mais de 400 notas ao texto. Poucas críticas podem ser feitas a esta edição, e elas parecerão mesquinhas diante do valor de trazer enfim à luz o exemplar de Nova York acompanhada do referido estudo (fruto de uma tese de doutoramento). Por exemplo, Obermeier confunde o jesuíta António Serafim Leite com o capuchinho Francisco Leite de Faria, atribuindo a um inexistente Serafim Leite de Faria obras escritas distintamente por aqueles dois autores. De consequências um pouco maiores são a falta de uma revisão do francês ; a opção pelo título dado por Ferdinand Denis (Voyage au nord du Brésil) em detrimento do original (Suite de l’Histoire de la mission des choses plus memorables advenues en Maragnan, aux années 1613 et 1614), o que empobrece o conteúdo e o sentido da obra ; a escolha de uma tripla paginação (a original, sobreposta à adotada por Ferdinand Denis, além da própria desta edição) sem motivos convincentes (v. p. XXXV-XXXVII), uma diagramação demasiado simples que dificulta inclusive identificar os capítulos, acrescida da surpreendente falta de um índice ; a falta de análise, enfim, da iconografia que reuniu no livro. Por tudo o que esta obra representa, e que o próprio Obermeier ressalta enfaticamente, um capricho final corresponderia melhor à importância da empreitada.

Haut de page

Notes

1 A primeira edição é uma tradução inglesa, “A Treatise of Brazil Written by a Portugal which Had Long Lived There”, em Samuel Purchas, Hakluytus posthumus or His Pilgrims, vol. 4, Londres, 1625. Essa publicação em língua inglesa se explica pelo naufrágio e captura de Fernão Cardim, em 1601, pelo inglês Francis Cook.

2 MORAES, Rubens Borba de. Bibliographia Brasiliana: Rare Books about Brazil Published from 1504 to 1900 and Works by Brazilian Authors of the Colonial Period. 2. ed. (1ª ed.: Amsterdam: Colibris, 1958/1959) Rio de Janeiro/Los Angeles, UCLA/Kosmos, 1983. Idem. Bibliografia brasileira do período colonial. São Paulo, I.E.B., 1969.

3 A edição publicada no Rio de Janeiro, em 2009, pela Fundação Darcy Ribeiro, não é uma edição crítica, nem sequer indica as passagens até então desconhecidas que trouxe ao conhecimento do público. De fato, não faz mais do que uma menção, à p. 18, de que é uma tradução do exemplar da New York Public Library, “o mais completo que existe”.

4 GARRAUX, Louis. Bibliographie brésilienne. Catalogue Des Ouvrages Français & Latins Relatifs Au Brésil (1500-1898). Paris: Ch. Chadenat Libraire; Jablonski, Vogt et Cie., 1898, p. 314-315. MORAES, Rubens Borba de. Bibliographia Brasiliana. Op. cit., vol. II, p. 948-954. Rubens Borba de Moraes (p. 952) menciona erradamente uma das numerações, grafando 334 ao invés de 337.

5 DAHER, Andrea. Les singularités de la France Équinoxiale. Histoire de la mission des pères capucins au Brésil (1612-1615). Paris: Honoré Campion, 2002, p.89, n.1.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carlos Zeron, « Yves d’Evreux. Voyage au nord du Brésil (1615). Édition critique établie par Franz Obermeier, Kiel, Westenseeverlag-Verlag, 2012, 440 p., Col. Fontes Americanae », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Comptes rendus et essais historiographiques, mis en ligne le 29 septembre 2014, consulté le 23 septembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/67310

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page