Navigation – Plan du site
Colloques | 2015
Espacios y actores de la actividad minera en América Latina. Siglos XVI al XIX – Coord. David Navarrete G.
Débora Bendocchi Alves

Uma região mineradora. Minas Gerais, Brasil, segunda metade do século XIX

[10/03/2015]

Résumés

Este artigo pretende salientar a relação de interdependência entre as companhias britânicas de mineração e as sociedades locais na província de Minas Gerais durante o século XIX. De um lado, as vilas e o mercado de trabalho se desenvolveram em função das mineradoras que, com sua presença, reativaram uma região economicamente em decadência desde o final do século XVIII, de outro, essas grandes empresas britânicas dependiam do mercado de mão de obra local – escrava e livre –, dos gêneros alimentícios produzidos nos arredores e da prestação de vários tipos de serviço fornecidos pelos moradores da região. Pretende-se mostrar as adaptações feitas por essas empresas para poder contornar as leis promulgadas na Grã-Bretanha contra o trabalho cativo, assim como as mudanças que ocorreram no mercado de trabalho brasileiro durante o longo processo de abolição da escravidão. Como fontes primárias, utiliza-se o diário inédito do comerciante alemão Ernst Hasenclever e o livro do cônsul inglês Richard Burton que visitaram a região no século XIX.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Através dos diários de viagem, ainda inéditos, de Ernst Hasenclever sobre sua visita à região aurífera de Minas Gerais, em 1839, procura-se compreender o impacto que as empresas britânicas tiveram nessa área, onde a produção de metais preciosos se achava, desde o fim do século XVIII, em decadência. O impacto das atividades britânicas nessa região não se restringiu apenas ao mercado de trabalho, mas, sim, englobou vários setores como o da produção de gêneros alimentícios, de prestação de serviço e do meio ambiente. Enfim, transformou uma grande área onde as empresas mineradoras estavam inseridas e revitalizou a produção de ouro no país.

2Para aprofundar o tema, sobretudo na segunda metade do século XIX, temos o importante relato de Richard Burton, que esteve na região trinta anos depois de Hásenclever, em 1867. A abordagem neste artigo são as observações, não muito extensas, feitas pelos dois viajantes, sobre alguns aspectos sociais e econômicos considerados de menor importância, mas que não são secundários já que tratam de grupos sociais submetidos, direta ou indiretamente, às empresas britânicas. Escravos, trabalhadores livres nacionais, pequenos agricultores, prestadores de serviço dependiam, em parte, da existência desses empreendimentos na região, mas as mineradoras, por sua vez, não podiam existir sem os trabalhos desses grupos subalternos. Portanto, interessa problematizar a interdependência entre as empresas britânicas e o mercado local e, sobretudo, refletir sobre os arranjos estabelecidos entre eles durante o longo processo de mudança do sistema de trabalho – do escravo para o livre – no Brasil no século XIX.

Ernst Hesenclever e Richard Francis Burton no Brasil

  • 1 Pratt, Mary L., Os Olhos do Império, relatos de viagem e transculturação, Bauru, EDUSC, 1999, p. 25 (...)
  • 2 Pratt, op. cit., p. 257.

3Ernst Hasenclever (1814-1869) fazia parte da chamada vanguarda capitalista bem definida por Mary Pratt.1 Chegou ao Brasil, em 1837, para ajudar nos negócios da família. Seu interesse era comercial e as viagens que fez pelo país tinha, também, finalidades econômicas, ainda que não relatadas em seu diário de viagem. Era um representante da expansão mercantil europeia, no caso, a alemã, que via o Brasil e os países da América Latina, pós-independência, como um grande mercado promissor. Ainda que se surpreendesse com a beleza da paisagem, não era a flora nem a fauna que despertavam seu interesse. Diferente dos viajantes naturalistas, relatou detalhadamente as dificuldades logísticas encontradas no interior do Brasil para um europeu, as privações que fora submetido, as estradas de difícil acesso que percorrera, os problemas com cavalos e mulas, além de alguns incômodos físicos. Em suas palavras, se considerava um verdadeiro herói por ter suportado as condições adversas oferecidas no interior do país. Mas tudo valia a pena para conhecer as riquezas minerais que procurava em Minas Gerais em 1839.2 Daí seu extenso relato sobre as minas de ouro de Gonco Soco, Morro das Almas e Cata Branca, e de seu encanto pelos veios auríferos que observou, além do desenvolvimento tecnológico empregado pelos ingleses nessas minas. Viu na região as possibilidades extrativistas e admirou o afinco e a energia dos europeus.

  • 3 Hoje Estado da Renânia do Norte-Vestfália.
  • 4 Oehm, Die Rheinisch-Westindische Kompagnie, Neustadt/Aisch 1968, p. 12.
  • 5 Schmoeckel, G., “Skizzen, Tagebücher, Geschäftsbriefe. Die Reisen des jungen Exportkaufmanns Ernst (...)
  • 6 Hasenclever & Cia. Rio de Janeiro 1830 -1930, p. 15-17.
  • 7 Schmoeckel, op. cit.
  • 8 A referida documentação é propriedade da família e ainda não foi publicada. No momento, estamos pre (...)

4Ernst Hasenclever pertencia à tradicional família de comerciantes da cidadezinha de Ehringhausen, localizada no antigo centro industrial de produtos de cutelaria de Remscheid e Solingen, no Ducado de Berg.3 Nessa região, eram produzidas, sobretudo, ferramentas pequenas, como foices, gadanhas, machados, limas e ferramentas de corte, tais como faca, tesoura, espada e sabre. Durante o século XVIII, os produtos dessa região eram considerados de muito boa qualidade e, junto com os tecidos de Wuppertal, sua exportação atingiu proporções consideráveis. Os produtos de ferro de Remscheid chegavam ao Novo Mundo pelos Países Baixos. Assim, apesar das dificuldades impostas pelo Bloqueio Continental (1806-1814), a firma se expandiu durante a primeira metade do século XIX, conquistou outros mercados e diversificou sua produção.4 Desde 1819, os Hasenclever mantinham transações comerciais com Boston, Nova York, Baltimore, Philadelphia, Havana e Rio de Janeiro.5 Além da casa comercial, a família possuía forjas próprias na região de Remscheid, onde o aço temperado e alfanges eram fabricados. Logo após a Independência, em 1822, a firma começou a exportar diretamente para o Brasil operando pelos agentes comerciais estabelecidos na Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro. Josua Hasenclever, tio de Ernst, percebeu que os negócios ganhariam muito com o estabelecimento de uma sucursal na capital do Império e, em 1830, enviou seu sobrinho Johann Gottfried Hasenclever (1806-1865), que havia trabalhado alguns anos na firma, para o Rio de Janeiro onde chegou em 28 de setembro com algumas mercadorias e logo abriu, na Rua do Sabão, uma filial que deveria importar e revender não só as mercadorias produzidas pelas firmas Hasenclever, mas também aquelas produzidas pelas indústrias da região.6 Como havia previsto Josua, os negócios da filial se desenvolveram tão bem que Gottfried logo pediu à matriz que fosse enviado alguém da família para ajudá-lo. Em 20 julho de 1837, Ernst Hasenclever deixava Remscheid e iniciava sua longa viagem com destino ao Rio de Janeiro. Embarcou no dia 28 de julho no brigue Boa Christina e, depois de 79 dias de viagem em alto-mar, aportou na capital do Império do Brasil. Ernst ficou hospedado na casa de Gottfried, com quem trabalhou até 1844.7 Durante a sua estadia de um pouco mais de seis anos no Brasil, empreendeu várias viagens pelo país. Em abril de 1838 foi a São Paulo, em julho de 1839 visitou as províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais e, em 1840, esteve na colônia suíça de Nova Friburgo e em Cantagalo. Seguindo a moda da época, escreveu vários cadernos em que relatou suas viagens pelo interior do país e deixou 100 desenhos a lápis de vilas e paisagens por onde passou.8

  • 9 Ferri, Mário, Apresentação, in Richard Burton, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, Brasília, Se (...)

5O inglês Richard Francis Burton (1821-1890) é bem conhecido na literatura de viagem do século XIX. Orientalista e explorador, visitou Meca, percorreu o interior da Somália e escreveu sobre a África Equatorial. Membro da Royal Geographical Society, ingressou, na década de 1860, no serviço diplomático britânico e, depois de ter sido cônsul em Fernando Pó, foi enviado para Santos, na província de São Paulo. No Brasil, empreendeu várias viagens e escreveu The highlands of the Brazil, publicado em 1869, traduzido para o português com o título de Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Nessa obra, descreveu com atenção e perspicácia a mina de Morro Velho, propriedade da St. John d’el Rey Mining Company, e nos deixou dois importantes capítulos sobre a vida nessa mina. Seu relato sobre a mina de Morro Velho é uma das fontes mais importante para o estudo do tema no século XIX. Após o Brasil, Burto foi enviado para Damasco e Trieste onde faleceu em 1890.9

Empreendimento britânico e comunidades locais

  • 10 Ellis, Mirian, “A Mineração no Brasil no século XIX”, in S. Buarque Holanda, HGCB, Tomo II, vol. 4, (...)
  • 11 Pratt, op. cit., p. 254. Para Loscertales e Montaud, a revolução industrial sobretudo na Grã-Bretan (...)
  • 12 Graham, R., Britain and the Onset of Modernization in Brazil 1850-1914, Cambridge, Cambridge Univer (...)
  • 13 Sobre as mineradoras inglesas em Minas Gerais durante o século XIX, há outros relatos de viajantes (...)

6A grande época da mineração aurífera no Brasil foi nos primeiros 60 anos do século XVIII. A partir daí, a produção entrou em decadência e, devido a isso, depois da Independência do Brasil, o imperador Dom Pedro I mudou as leis do Império que permitiram aos estrangeiros a compra das antigas minas desativadas ou em decadência. O decreto de 1824 taxava os investimentos estrangeiros em 5% a mais do que os nacionais que pagavam o quinto do ouro ao governo.10 Os investidores britânicos eram os mais interessados na mineração, dispunham de capital e tecnologia para investir no setor não só no Brasil, mas na América Latina.11 Como ressalta Graham, durante todo o século XIX, boa parte do capital britânico destinado à América Latina, foi investido no Brasil em vários setores como estrada de ferro, portos, sistema de comunicação e em minas de ouro.12 Com a permissão da entrada de capital estrangeiro no país, a partir da década de 1820 (principalmente de 1850), ocorreu uma revitalização da produção aurífera na província de Minas Gerais.13

  • 14 Alves, D. B., “Besuch eines jungen deutschen Kaufmanns in der Mine Gongo Soco, Brasilien 1839”, in (...)
  • 15 Freyberg, B. von, Die Bodenschätze des Staates Minas Geraes (Brasilien), Stuttgart, 1934, Tabelle 1 (...)

7Em 1824, Edward Oxenford fundou em Londres a Imperial Brazilian Mining Association, comprou a mina de Gongo Soco do Barão de Catas Altas e iniciou suas atividades em 1825. Esse foi primeiro empreendimento industrial estrangeiro no Brasil e Gongo Soco logo se tornou a mina mais rentável da região servindo de exemplo para as mineradoras inglesas nas décadas posteriores.14 Nos anos em que Hasenclever viveu no Rio de Janeiro, Gongo Soco era a mina mais importante do país, um modelo de administração e tecnologia ingleses. Durante sua existência, de 1824 a 1856, a produção foi de 12.887 kg de ouro e sua profundidade chegou a quase 100 metros.15

  • 16 Eakin, M., British Enterprise in Brazil. The St. John d’el Rey Mining Company and the Morro Velho G (...)
  • 17 Moura, C., Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo, 2005.
  • 18 Burton, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, 2001, p. 289.

8Em 1830, foi fundada, também em Londres, a St. John del Rey Mining Company, uma companhia acionista, que em 1834 adquiriu a mina de Morro Velho e transferiu suas atividades, até então em São João del Rey, para Congonhas de Sabará.16 A mina de Morro Velho visitada por Burton, em 1867, foi um dos mais lucrativos empreendimento inglês na América Latina e o maior em solo brasileiro.17 Entre 1830 e 1960 Morro Velho produziu 72.840,000 kg de ouro e a profundidade de seus poços chegou em 1867 a 415 metros.18

  • 19 Pratt, op. cit., p. 262.
  • 20 Hasenclever, 27/08/1839
  • 21 Henwood, W. J.,”Observations on metalliferous deposits. On the gold mines of Minas Geraes, in Brazi (...)

9As empresas inglesas de mineração, ao se instalarem no interior do Brasil, implementaram as company tows, vilas construídas para alojarem empregados e administradores. Essa prática, desconhecida no Brasil, era comum na Grã-Bretanha e nos EUA e, essas “vilas inglesas”, encantaram todos os viajantes europeus que percorreram a região mineradora no século XIX e, como Hasenclever, comparavam-nas com as “pobres e sujas vilas” do interior do Brasil. Além de terem modificado a paisagem ao edificarem suas vilas, os ingleses organizaram o espaço conforme os moldes conhecidos em seu país e que, aos olhos da vanguarda capitalista significava terem levado a civilização e a racionalização europeias para o hinterland do país.19 Segundo Hasenclever, a vila inglesa de Gongo Soco era formada por cerca de 100 casas enfileiradas, construídas nos dois lados da rua, de um só andar e pintadas de branco e verde, que contrastava com o vermelho das telhas e com o conjunto de árvores ou bananeiras que cada uma possuía a sua frente. No centro do lugarejo, havia uma praça com um jardim inglês, cercado e rodeado simetricamente por belas palmeiras, uma igreja e uma torre. Um pouco mais afastado da entrada da vila, encontravam-se o hospital e a estrebaria, duas construções parecidas com um quartel. O edifício principal de Gongo Soco, a Casa Grande, estava localizada próxima à igreja.20 O jovem não menciona o habitat dos escravos, mas pelo relatório de Henwood, o último superintendente de Gongo Soco, a população negra vivia em uma vila separada, situada a meio caminho entre a vila europeia e a mina.21

  • 22 “From E. Hasenclever to G. V. Duval, 1840”, in Thirtieth Report of the Directors of the IBMA, Londo (...)
  • 23 Ibidem.
  • 24 Burton, op. cit., p. 335-336.
  • 25 Souza, Rafael de F. e, Trabalho e Cotidiano na Mineração Aurífera Inglesa em Minas: A Mina da Passa (...)

10As mineradoras inglesas empregavam um número grande de trabalhadores, tanto europeus quanto nacionais. Dentre os nacionais, havia homens e mulheres, livres e escravos e as empresas eram responsáveis pela alimentação toda dessa mão de obra, além dos mineiros ingleses, dos administradores e seus familiares. Hasenclever observou que grandes fazendas e criadores de gado forneciam a maior parte do que era consumido em Gongo Soco. Mas não eram só os grandes proprietários que abasteciam as minas. Os lavradores da redondeza forneciam parte significativa dos alimentos consumidos pelos trabalhadores e administradores e até os escravos da mina participavam na produção de gêneros alimentícios. Hasenclever, em carta escrita em 1840 a pedido da direção londrina da Imperial Brazilian Mining Association22 e Burton, em seu diário de viagem, ressaltam que tanto os negros de Gongo Soco quanto os de Morro Velho tinham o direito de cultivar hortas e pequenas roças, de criar galinhas e porcos. Para o jovem comerciante, a possibilidade de plantar legumes e consumi-los, era um adicional à alimentação dos negros que, comparada com a de muitos operários europeus, chegava a ser superior.23 Burton em 1867, escreveu que os animais criados eram consumidos em parte pelos próprios negros de Morro Velho, outra parte era vendida e compravam enfeites e outros artigos semelhantes, com o que arrecadavam da venda.24 Portanto, a possibilidade de terem uma economia própria dentro do sistema escravista nas minas permitia aos cativos complementarem sua alimentação diária e se capitalizarem. Certamente desempenhava ainda a função de reduzir os custos de seu sustento para as companhias e de deixá-los menos insatisfeitos com sua vida, já que podiam vender o excedente e juntar um pequeno pecúlio e participar, assim, do comércio local tanto como produtor quanto como consumidor. A atividade também era vista pelos proprietários como uma maneira de diminuir a tão criticada ociosidade dos negros.25 Durante a existência do sistema de trabalho escravo no Brasil, era dado aos cativos a possibilidade de comprar a sua alforria. Para tanto, era necessário que juntassem a quantia exigida pelo seu proprietário para a compra de sua liberdade. A venda do excedente de suas roças poderia servir também para esse fim.

  • 26 Hasenclever, 27/8/1839.
  • 27 Henwood, op. cit., p. 292.
  • 28 Libby, D., Transformação e Trabalho em uma economia escravista em uma economia escravista. Minas Ge (...)

11No relato de Hasenclever consta que havia, diariamente em Gongo Soco, pão fresco, manteiga e carne, mas a mina necessitava ainda de muitos outros gêneros e serviços vindos de fora.26 Henwood listou alguns outros produtos comprados pela empresa e fornecidos semanalmente aos trabalhadores como carne fresca, toucinho, fubá, feijão, farinha de mandioca, café, rapadura e água ardente.27 O vilarejo de Socorro, a 3 km de Gongo Soco, vivia quase exclusivamente em função da mina. Em 1831, entre livres e escravos, havia 30 carpinteiros, 12 carreiros, 4 pedreiros, 2 tropeiros, 22 ferreiros livres e 54 ferreiros escravos que forneciam seus serviços em tempo parcial ou integral à mina. Além dos 22 ferreiros, havia ainda 6 fábricas de ferro com seus operários cativos que vendiam a maior parte de sua produção a Gongo Soco. Para completar o quadro, havia ainda 27 negociantes, 4 alfaiates, fiandeiras e costureiras que tiveram suas atividades ligadas, direta ou indiretamente, à mina. Sabe-se que dos 1.144 moradores de Socorro, entre livres e escravos, apenas 11 indivíduos eram exclusivamente agricultores.28

12O anúncio publicado pela companhia de Gongo Soco no jornal de Ouro Preto O Universal, de 6 de agosto de 1830, ilustra a importância do mercado local para seu funcionamento:

  • 29 O Universal, Sexta-feira, 6 de Agosto de 1830, n° 476, p. 7.

“Quaesquer dos generos abaixo mencionados e em qualquer porção que seja, encontrarão sempre pronto mercado, a saber farinha, arroz, assucar, feijão, restillo, azeite, vellas de cebo, café, sal, galinhas, ovos, caça, porcos, cabritos, carneiros, hortaliças de toda qualidade para plantar, batatas, cenoiras &c. Ferro em barras, ferraduras tanto para cavallos como para burros, cravos, e algum taboado, assim como quaesquer fazendas próprias para vestuário dos negros, e panelas, tachos de burro, e potes & c. (...) Quaesquer oficiaes mechanicos, como Carpinteiro, Pedreiro, e trabalhadores encontrarão sempre bastante que fazer; e bem assim qualquer pessoa ou pessoas que dezejarem contratar ou fazer algumas rodas para engenhos de socar pedra ou edificarem cazas pequenas, fazer plantações &c.”29

  • 30 Burton, op. cit., p. 296.

13Richard Burton cita o abastecimento de algodão que a mina de Morro Velho recebia, procedente das regiões secas que ficavam a oeste do Distrito Diamantino. A matéria-prima era trabalhada no departamento de fiação de algodão no armazém da Companhia por operárias, moças negras e mulatas, muitas delas livres. As moças livres, trabalhavam por tarefa, moravam e comiam por conta própria e cada ganhava em média de 4 a 5 libras por semana.30

14Morro Velho necessitava ainda de outros materiais fornecidos pelos habitantes das redondezas como, por exemplo, pólvora. Burton ressalta que:

  • 31 Burton, op. cit., p. 297-298.

“O Capitão Joaquim Felizardo Ribeiro, cuja fábrica fica a cerca de três milhas de distância, firmou contrato com a Companhia, para fornecer pólvora, mediante pagamento de uma quantia fixa, sendo que a importância de 200 libras por mês corresponde à pólvora gasta em explosões para o desmonte de rochas nas minas. Aquele senhor usa carvão de boa madeira e recebe da Inglaterra, pelo preço do custo, enxofre e salitre da melhor qualidade, preparando o artigo nas proporções exigidas pelo estabelecimento. Um inglês, Mr. Gray, prepara as espoletas de tempo, que são sempre carregadas com pólvora vinda da Inglaterra. As demais espoletas são feitas pelas negras.”31

  • 32 Hasenclever, 20, 30 e 31/9/ 1839.

15A dinamite já era utilizada para o desmonte em 1839 como observa Hasenclever durante a sua visita às minas de Morro das Almas e de Cata Branca. Ambas necessitavam deste explosivo para fazer o desmonte pois, segundo ele, a formação de itacolomito, diferente da de Congo Soco que era de jacutinga, era muito dura para ser desmontada pelos mineiros.32

  • 33 Burton, op. cit. p. 243-244.
  • 34 Nabuco, Joaquim, “Escravos do Morro Velho”, in Joaquim Nabuco, Discuros. Biblioteca Digital, Câmara (...)

16A vila Nossa Senhora do Pilar de Congonhas de Sabará, a 1 km de Morro Velho, segundo Burton, foi construída para a mineração, decaiu com a mineração e “ressurgiu” com a mineração. Em 1830, tinha 1.390 almas; em 1840, cerca de 2.000; em 1864, possuía 4.000 habitantes, acrescentando-se 1.000 mineiros. Possuía, ainda, 20 estabelecimentos comerciais e os negros mineiros faziam suas compras no rancho de Mel & Cia.33 Como a vila de Socorro, Congonhas de Sabará fornecia vários produtos e serviços à mina de Morro Velho. Joaquim Nabuco, deputado e um dos grandes abolicionistas do Brasil, em discurso na Câmara em 1879, explicava que “no município de Sabará a companhia [St. John d’el Rey] é soberana. Quem tem matas, vende-lhes a lenha, quem tem animais, quem tem escravos, aluga tudo à companhia, que faz viver a zona onde estabelecida a mineração…”.34 Portanto, as minas exerciam grande influência econômica nas redondezas mas os trabalhadores livres da região, tinham a possibilidade de exercer atividades ligadas às minas sem, necessariamente, serem obrigados a ter uma relação empregatícia.

  • 35 Hasenclever, 28/8/ 1839.
  • 36 Freyberg, op. cit., p. 104; Souza, Rafael, op. cit., p. 125.

17Mesmo com alguns avanços tecnológicos, a exploração de ouro no subsolo durante o século XIX era precária. Hasenclever comentou, espantado, ter visto no subsolo uma floresta de troncos grossos e acrescentou que, devido à falta de árvores de diâmetro adequado nas redondezas, a companhia se viu obrigada a negociar por sessenta contos de réis uma floresta localizada a seis milhas de distância de Gongo Soco e foi necessário abrir uma estrada até lá para trazer o material.35 Como as jazidas da mina eram de jacutinga, isto é, uma formação geológica menos resistente, eram necessários troncos enormes e espessos para escorar as galerias.36 As mesmas observações de espanto e admiração foram compartilhados por Richard Burton 30 anos depois.

  • 37 Burton, op. cit., p. 303-304.

“Não pude deixar de maravilhar-me com o formidável madeiramento que os olhos dilatados conseguiam divisar na escuridão: madeira em suportes; madeira em engates e buracos; madeira nas passagens e pontas de apoio; e madeira em plataformas para depositar minério, para fortalecer as paredes e para proteger os mineiros. Todas eram madeiras da mais resistente e melhor qualidade, e dificilmente se poderia conceber como tais madeiras pudessem se incendiar, em uma atmosfera tão úmida. A imunidade das cidades brasileiras resulta principalmente do uso de madeira superior à que usamos. Tinha-se a impressão de estar em uma vasta floresta subterrânea.”37

  • 38 Libby, D., Trabalho Escravo e Capital Estrangeiro no Brasil. O caso de Morro Velho, Belo Horizonte, (...)
  • 39 Eakin, M., “Business Imperialism and British Enterprise in Brazil”, HAHR, 1986, vol. 66 (n° 4), p.  (...)

18Durante todo o século XIX, não se conseguiu controlar satisfatoriamente a infiltração da água nas minas, vários acidentes ocorreram, soterrando um grande número de trabalhadores. Gongo Soco possuía uma grande bomba de drenagem. Apesar da bomba, a mina foi tomada pelas águas e abandonada após o acidente de 1856. Além do problema da drenagem, havia, na época, outras dificuldades técnicas que provocaram acidentes, como os dois grandes desastres ocorridos em Morro Velho: o primeiro, em dezembro de 1867, ao contrários do presságio de Burton, quando um incêndio devorou as vigas de madeira dos escoramentos e provocou o desmoronamento praticamente de toda a mina e a morte de 21 escravos e um mineiro inglês;38 o segundo, considerado o maior acidente da história de Morro Velho, ocorreu em 1886, quando o sistema de escoramento cedeu devido à pressão exorbitante de terra e pedra. A mina só foi reaberta em meados da década de 1890.39

  • 40 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 79.
  • 41 Courcy, Ernest de, Seis semanas nas minas de ouro do Brasil, Belo Horizonte, Centro de Estudos Hist (...)

19As minas necessitavam de grande quantidade de madeira, não só para o sistema de escoramento das galerias, mas também para fabricar carvão vegetal utilizado em vários setores. Morro Velho possuía várias matas na sua redondeza, das quais retirava parte da madeira que consumia, mas a grande maioria era fornecida por lenhadores da região.40 Portanto, além de venderem lenha para as minas como observou Joaquim Nabuco, quem era proprietário de uma floresta, vendia os troncos mais espessos para a construção, no subsolo, do madeirame, os demais lenhadores supriam as minas com carvão vegetal. O resultado foi o desmatamento de grandes áreas da região mineradora e a modificação da paisagem. Ernest de Courcy em 1886, vinte anos depois da visita de Burton, observou: “Hoje não há mais vestígios dessas matas imensas (Mata Atlântica), tudo foi queimado, cortado, devastado pelos primeiros mineradores, as montanhas que separam Mariana e Ouro Preto são agora áridas e desoladas.”41

Mão de obra livre e escrava

  • 42 Alves, D. B., “Ernst Hasenclever em Gongo-Soco: exploração inglesa nas minas de ouro em Minas Gerai (...)
  • 43 Alves, D. B., “Besuch eines jungen deutschen Kaufmanns …”, p. 77 ss.
  • 44 Em alemão Negerinspektor, Hasenclever, 28/08/1839.
  • 45 Hasenclever, 27/8/1839.

20Hasenclever, ao relatar sua visita à mina de Gongo-Soco, explicou o sistema organizacional de trabalho da companhia em solo brasileiro.42 A mina estava dividida em departamentos administrados por europeus e sob a chefia de um diretor que recebia, em 1839, salário anual de £ 3.500. Abaixo dele, havia quatro capitães e oito oficiais, além de oitenta mineiros ingleses que eram auxiliados pelos escravos de propriedade da Imperial Brazilian Mining Association.43 Cada mineiro inglês recebia por ano £ 80, divididas em parcelas mensais. Durante a sua visita às profundezas da mina, Hasenclever foi acompanhado por dois capitães de minas, título usado nas minas da Cornualha e empregado também no Brasil para designar os oficiais responsáveis pelo Departamento de Minas que se incumbia da produção de ouro, controle de todo o sistema hidráulico e pela descoberta e exploração de novos veios auríferos. O jovem alemão comentou que, ao se dirigir à mina, passou em frente à casa do “inspetor dos negros”,44 isto é, o chefe do Departamento dos Negros que cuidava da alimentação, vestimenta e habitação desses trabalhadores, além de sua disciplina. Esteve ainda em duas outras construções: a primeira, a ferraria, onde as ferramentas e instrumentos necessários na mineração eram fabricados e, a segunda, uma bela construção de três andares, o armazém, que guardava a provisão consumida por todos os trabalhadores da empresa, que também servia de moradia aos mineiros europeus. O complexo mineiro possuía ainda um hospital e, conforme explica, a empresa mantinha um médico e um capelão. A casa grande servia de moradia para o diretor e o primeiro comissário, com suas famílias e abrigava ainda o escritório, no qual era feita a administração e toda a contabilidade da empresa em solo brasileiro.45

  • 46 Henwood, op. cit., p. 290. Sua tabela nos fornece o seguinte número de escravos para 1840: de propr (...)
  • 47 28th Report of the Directors of the Imperial Brazilian Mining Association, London, 1840, p. 22.
  • 48 Gardner, G., Viagem ao interior do Brasil, principalmente nas províncias do Norte e dos distritos d (...)
  • 49 Souza, op. cit., p. 87 e ss.
  • 50 Libby, Transformação e Trabalho, 1988, p. 317-319.

21O jovem comerciante afirma que Gongo Soco possuía 650 escravos próprios, soma exagerada se comparada aos números fornecidos por Henwood. Segundo o superintendente, em 1839, a mina tinha 415 escravos, sendo 172 homens, 115 mulheres, 65 rapazes e 63 moças.46 Além dos escravos havia ainda 208 trabalhadores brasileiros e 135 europeus, um total de 758 pessoas.47 Como os indivíduos, com ou sem liberdade jurídica, trabalhavam lado a lado, sem grande distinção do tipo de atividade, o comerciante alemão concluiu que todos os negros eram cativos, mas havia entre os “operários brasileiros”, escravos e livres, como observou Georg Gardner em 1840, ao visitar a mesma mina.48 Portanto, as empresas inglesas empregaram a mão de obra livre nacional antes mesmo da proibição do tráfico transatlântico de escravos, em 1850, e a adoção de ambas as formas de relação de trabalho foi uma constante durante o período de transição do trabalho escravo para o livre.49 Morro Velho, por exemplo, entre 1848 e 1871, manteve em média um contingente de escravos acima de mil e a sua redução numérica só se deu a partir de 1872, sobretudo na década de 1880, quando a mão de obra livre passou a ser majoritária, isto é, às vésperas da abolição da escravidão ocorrida em 1888.50

  • 51 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 61.
  • 52 Burton, op. cit., p. 334.
  • 53 Ibidem.
  • 54 Ibidem, p. 325-326. A carta escrita por Hasenclever em 1840 e publicada no Thirtieth Report of the (...)

22A preferência dos ingleses e dos brasileiros pela mão de obra escrava era conhecida. Havia uma ideia corrente de que o mercado nacional, mesmo depois de 1850, não permitia a criação de uma força de trabalho assalariada em grande escala. Mas a lei de Lord Brougham, promulgada na Inglaterra em 1843, trouxe algumas dificuldades para as mineradoras inglesas no Brasil. A lei proibia os súditos de sua majestade, em qualquer parte do mundo, participar do comércio negreiro, impedia-lhes de comprar, vender e possuir novos cativos, mas permitia manter aqueles adquiridos antes de sua promulgação. Devido à lacuna no texto, ou às inúmeras petições das companhias mineradoras ao Privy Council for Trade, não havia referência ao aluguel de escravos, essa foi a saída encontrada pelas empresas de mineração no Brasil para manter o estoque de força de trabalho, isto é, alugar escravos dos senhores de terra das redondezas ou de outras companhias auríferas em decadência ou em crise.51 A mina de Gongo Soco, ao falir em 1856, teve seus 414 escravos alugados a St. John d’el Rey52 e o aluguel da mão de obra escrava de antigas minas falidas era visto como muito vantajoso, pois eram trabalhadores treinados com grande conhecimento de seu ofício. Burton ressaltou que, em 1867, Morro Velho gastava £1.400 por mês com os contratos de aluguel de escravos e beneficiava, com isso, os grandes proprietários dos arredores.53 Mas as pressões do parlamento inglês e da Anti-Slavery Society eram enormes e os capitalistas britânicos se defendiam perante ambos alegando que eram obrigados a usar a força de trabalho escrava, pois o trabalhador livre brasileiro não estava acostumado ao trabalho regular, não comparecia em época de plantio ou de festas religiosas e não tinha apreço ao trabalho sistemático, à rotina.54

  • 55 Eschwege, W. L. von, Pluto Brasiliensis, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1944, vol. 2, p. 42 (...)

23O engenheiro de mina, Wilhelm Ludwig von Eschwege (1777-1855), enfrentou esse problema de arregimentação e disciplina de trabalhadores livres em sua empresa mineradora em Passagem, fundada por ele em 1819. Referia-se, já na década de 1810, a uma certa independência econômica ou à autonomia dos homens livres pobres e à aversão geral ao trabalho na sociedade brasileira. Eschwege escreveu que era praticamente impossível, no Brasil, fazer prosperar uma indústria, quando se dependia do concurso dos homens livres e que não havia meios eficazes de obrigar os homens ao cumprimento de seus deveres e de torná-los perfeitamente submissos e obedientes. Como observou, os homens livres nacionais não dependiam exclusivamente de seu salário, da venda de sua força de trabalho e a atividade nas minas era vista como complementar à agrária. 55

  • 56 Rodrigues, Jaime, “Ferro, trabalho e conflito: os africanos livres na fábrica de Ipanema”. História (...)
  • 57 Lamonier, M., Da escravidão ao trabalho livre, Campinas, Papirus, 1988, p. 61-65 e p. 100 e ss.

24A qualidade da mão de obra livre continuou a ser criticada durante toda a segunda metade do século XIX. O mercado brasileiro de trabalhadores livres, do ponto de vista das elites, tinha falhas, era incerto e a mão de obra servil foi sempre preferida, quando a escolha era possível, pois em um regime escravagista, a disciplina para o trabalho regular era alcançada, sobretudo, por métodos violentos e pela coerção. Fica evidente que as perspectivas de Eschwege, das elites e dos empreendedores ingleses para a chamada mão de obra livre do país era a de que ela se submetesse ao trabalho sistemático, assalariado e sob as ordens de um patrão.56 A preocupação dos grandes proprietários e empreendedores com a falta de mão de obra, uma vez abolida a escravidão, era tão grande que, além da defesa da imigração europeia para as áreas economicamente dinâmicas do país, importantes leis foram outorgadas para regulamentar o mercado de trabalho livre como, por exemplo, as leis de locação de serviço de 1830, 1837 e 1879 e a Lei do Ventre Livre de 1871 que obrigavam o ex-escravo a se contratar durante cinco anos.57

  • 58 Hasenclever, 28/8/1839.
  • 59 Souza, op. cit., p. 179.
  • 60 Souza, op. cit., p. 183.

25Em relação ao trabalho feminino, Hasenclever comenta que a mina de Gongo Soco utilizava a mão de obra de negras nas atividades de superfície, principalmente na lavagem da areia aurífera. Conforme seu relato, as negras, bem vestidas e asseadas, uma ao lado da outra, lavavam com muita habilidade a areia que era trazida em tinas do moinho de trituração. A lavagem era feita em bateias e a areia era passada de uma mão para outra até o diretor qualificá-la de “ouro puro”. Daí o ouro era pesado cuidadosamente e guardado em caixas de ferro. O local onde as negras trabalhavam ficava sempre trancado, ninguém podia sair, ou entrar, sem autorização.58 A presença de mulheres – escravas, forras e livres – na mineração inglesa em Minas Gerais foi constante durante o século XIX nas tarefas efetuadas na superfície, o departamento de redução era dominado por elas.59 Além de trabalharem na lavagem da areia e no departamento de redução, eram empregadas ainda no hospital, no armazém, na costura, na fiação, na cozinha, nos cuidados das crianças e nos serviços domésticos nas residências dos ingleses.60

  • 61 Burton, op. cit., p. 334.
  • 62 Libby, Transformação e Trabalho, 1988 p. 320; Souza, Rafael, op. cit., p. 100; Burton, op. cit., p. (...)

26Os contratos de aluguel de escravos variavam muito, mas habitualmente tinham duração de três a cinco anos, podiam ser renovados, caso fosse do interesse das empresas. Durante esses anos, os escravos não podiam ser libertados. Era feito um seguro pelo escravo durante um período fixado mediante uma dedução de 10$000 a 20$000 por ano. Se ele morresse antes de expirar o prazo, seu proprietário recebia da empresa mineradora a quantia do seguro, mas se o escravo fugisse, o pagamento era suspenso.61 Em 1858, em Morro Velho, o aluguel anual de um escravo variava entre 90$000 e 240$000 e dependia de sua categoria, dada conforme sua robustez.62

  • 63 Martins Filho, Amilcar e Martins, Roberto B. “Slavery in a nonexport economy: nineteenthcentury Min (...)
  • 64 Martins Filho e Martins, Roberto op. cit., p. 543, tabela II.
  • 65 Libby, Transformação e Trabalho, p. 94-95.

27A prática de alugar escravos não era exclusiva da mineração, seu emprego era bem difundido desde o período colonial, sobretudo nos centros urbanos. O emprego de escravos alugados pela região mineradora de Minas Gerais é um indicador dos arranjos feitos pela província com o maior plantel de escravos do Brasil no fim do Império. Mesmo depois do fim do tráfico de cativos, em 1850, a província passou a importar escravos em grande quantidade de outras regiões do país para o trabalho na região cafeeira da zona da mata mineira e, sobretudo, para os setores agropecuário e manufatureiro.63 Se em 1819 a Província contava com 168.543 escravos, em 1873 esse número era de 381.893.64 Em 1872, os escravos alugados, ou também ditos assalariados, mesmo que seus donos recebessem pelos serviços prestados, correspondiam a 12% da força de trabalho cativa masculina em Minas Gerais; o setor agrícola da província foi o que mais se utilizou desse arranjo.65

  • 66 Eakin, “Business Imperialism…”, 1986, p. 713. Em Morro Velho, um escravo custava, em 1867, 25% meno (...)
  • 67 Lima, Lima, Henrique Espada, “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberd (...)

28Como no sistema de trabalho livre, o aluguel de cativos dava mobilidade à mão de obra, ou melhor, mais flexibilidade a seus proprietários e aos empregadores, para seguir as demandas do mercado de trabalho na região. Além do mais, a força cativa, própria ou alugada, era passível de ser mais explorada além de ser mais barata.66 Na segunda metade do século XIX, as companhias mineradoras dependeram fortemente da combinação da mão de obra livre e escrava disponíveis na região para suprir suas demandas o que não era uma peculiaridade do mercado brasileiro. Em nenhum país escravagista o fim do sistema de trabalho cativo se deu de forma homogênea e, por algumas décadas, não houve a separação clara entre o trabalho servil e o livre. Havia, conforme Espada Lima, vários graus de “liberdade” e de compensação financeira pelo trabalho.67 A oposição entre trabalho escravo e trabalho livre só foi possível no campo teórico e nos debates parlamentares durante o século XIX no Brasil. Na prática, as duas forças de trabalho coexistiram até a abolição em 1888.

29Considerações Finais

  • 68 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 84.
  • 69 Burton, op. cit., p. 336-337. Segundo o autor, entre 1848 e 1866, havia 123 candidatos negros à man (...)
  • 70 Lima, op. cit., p. 297
  • 71 Ferrand, P., O ouro em Minas Gerais (Brasil), Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, 1998, p. 257.

30No século XIX, a presença das companhias inglesas de mineração foi responsável pelo desenvolvimento econômico local, gerou empregos não só para mineiros, mas também para carpinteiros, tropeiros, ferreiros, alfaiates, fiandeiras, lavadeiras, costureiras etc., que prestavam serviço ou vendiam produtos agrícolas, madeira e lenha às minas e a seus moradores. Segundo Libby, as grandes empresas mineradoras, dentro da racionalidade capitalista, optaram por se concentrar na produção de ouro comprando produtos e serviços de fornecedores externos.68 Com isso, contribuíram para revitalizar uma região outrora decadente e absorver um número considerável de mão de obra livre ou escrava. Mas, se de um lado, vitalizaram a região, passaram também a depender de serviços, de produtos e, sobretudo, da mão de obra fornecidos pelos vilarejos vizinhos. Em relação à mão de obra, além de seus escravos próprios, alugavam um número grande de cativo de grandes proprietários da região ou de antigas minas falidas e viviam à procura de trabalhadores livres nacionais. Queixaram-se, ao longo do século, do trabalhador livre brasileiro, da sua irregularidade no comparecimento ao trabalho e da sua “indolência” para justificar a necessidade da utilização da mão de obra escrava. Na realidade, reclamavam da relativa independência desses homens que, se de um lado, tinham a necessidade de se assalariarem, essa necessidade não era constante, fato difícil de ser entendido dentro da lógica capitalista inglesa. Daí preferirem o trabalho escravo controlado pela violência. Mas, mesmo os escravos, conseguiram algumas regalias. Segundo Burton, o trabalhador cativo era recompensado com presentes em dinheiro; podia sair dos terrenos da companhia, mesmo ir a vila de Sabará; era promovido a lugares de confiança e melhores pagos; podia tornar-se feitor ou capataz, entre sua própria gente; nas revistas, usava tiras e emblemas de bom comportamento e era candidato a manumissão.69 Essa política de premiação por desempenho e boa conduta foi introduzida pelos ingleses em Morro Velho a partir de 1846. São características definidoras do trabalho livre mas não eram incomuns nas relações escravistas.70 Tinham a função de incentivar os escravos a se empenhar nas atividades laborais e, com a perspectiva de alforria, não se revoltar ou fugir. Os prêmios e compensações dados não deixavam de ser também uma forma de controle por parte das companhias. De outro lado, desejavam atrair e manter seus trabalhadores, livres ou escravos, para garantir e aumentar sua produção. Isso fez com que introduzissem o sistema de premiação, dessem permissão aos negros para cultivar uma pequena roça, oferecessem tratamento médico e melhor alimentação. Enfim, foram obrigadas a “inventar” mecanismos de atração e retenção da força de trabalho e a negociar com esses grupos socias subordinados. Isso não as fez melhores nem mais humanas, mas trouxe, talvez, pequenas melhorias aos trabalhadores que tinham plena consciência da importância de sua força de trabalho e da dependência das mineradoras estrangeiras em relação a eles. Nas últimas décadas do século XIX, o professor francês da Escola de Minas de Ouro Preto, Paul Ferrand, salientou que as companhias britânicas reforçaram “o pessoal em cerca de um terço, para se ter o efetivo completo para os trabalhos” tentando, assim, contornar o “absenteísmo” ao trabalho existente entre a mão de obra livre nacional.71 Logo, havia mão de obra suficiente no mercado local. O que não havia eram pessoas que se submetessem livremente às exigências dos capitalistas ingleses ou, de um outro prisma, a “indolência” do trabalhador livre nacional pode ser entendida como estratégia de resistência silenciosa por parte desse grupo social subalterno, e negociações tiveram que ser feitas em vários níveis, principalmente durante a segunda metade do século XIX.

Haut de page

Bibliographie

Alves, Débora Bendocchi, “Besuch eines jungen deutschen Kaufmanns in der Mine Gongo Soco, Brasilien 1839. Anatomie eines Bergwerks in der Reiseliteratur“, in Taddei, Müller, Rebbisch (org.), Migration und Reisen. Mobilität in der Neuzeit, Innsbruck, Studien Verlag, 2012.

Alves, Débora Bendocchi, “Ernst Hasenclever em Gongo-Soco: exploração inglesa nas minas de ouro em Minas Gerais no século XIX”, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, Janeiro-Março 2014, vol. 21 (n° 1), p. 281-298.

Burton, Richard, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, tradução David Jardim Júnior, Brasília, Senado Federal, 2001.

Courcy, Ernest de, Seis semanas nas minas de ouro do Brasil, tradução Julio Castañon, Belo Horizonte, Centro de Estudos Históricos e Culturais, Fundação João Pinheiro, 1997.

Eakin, Marshall C., British Enterprise in Brazil. The St. John d’el Rey Mining Company and the Morro Velho Gold Mine, 1830-1960. Durham and London, Duke University Press, 1989.

Eakin, Marshall C, “Business Imperialism and British Enterprise in Brazil: The St. John d’el Rey Mining Company, Limited, 1830-1960”, Hispanic American Historical Review, 1986, vol. 66 (n°4), p. 697-741.

Ellis, Mirian, “A Mineração no Brasil no século XIX”, in Sérgio Buarque Holanda, História Geral da Civilização Brasileira, Tomo II, vol. 4, São Paulo, 1974, p. 7-27.

Eschwege, Wilhelm Ludwig von, Pluto Brasiliensis, tradução Domício de Figueiredo Murta São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1944, vol. 2.

Ferrand, Paul. O ouro em Minas Gerais (Brasil), tradução Júlio Castañon Guimarães, Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, 1998.

Freyberg, B. von, Die Bodenschätze des Staates Minas Geraes (Brasilien), Stuttgart, Schweizerbart, 1934.

“From E. Hasenclever, Esq. to G. V. Duval, Esq., dated Rio, 24th May, 1840”, in Thirtieth Report of the Directors of the Imperial Brazilian Mining Association, London 1841, p. 25-29.

Gardner, George, Viagem ao interior do Brasil, principalmente nas províncias do Norte e dos distritos do ouro e diamante durante os anos de 1836-1841. Belo Horizonte, Itatiaia, São Paulo, EDUSP, 1975.

Graham, Richard, Britain and the Onset of Modernization in Brazil 1850-1914, Cambridge, Cambridge University Press, 1968.

Hasenclever, Ernst, Reise in den Provinzen Rio de Janeiro und Minas Geraes. De 31 de julho a 18 de outubro de 1839, cadernos 1 a 3, Acervo pessoal de Regina Harlfinger, Remscheid.

Hasenclever & Cia.., Rio de Janeiro 1830-1930, livro comemorativo dos 100 da firma no Brasil. (Não constam nome do autor, editora e ano de publicação).

Henwood, William Jory, ”Observations on metalliferous deposits. On the gold mines of Minas Geraes, in Brazil”, Transactions of the Royal Geological Society of Cornwall, Penzance, 1871 (n° 8), p. 168-370.

Lamonier, Maria Lúcia, Da escravidão ao trabalho livre, Campinas, Papirus, 1988.

Libby, Douglas Cole, Trabalho Escravo e Capital Estrangeiro no Brasil. O caso de Morro Velho, Belo Horizonte, Itatiaia, 1984.

Libby, Douglas Cole, Transformação e Trabalho em uma economia escravista. Minas Gerais no século XIX, São Paulo, Brasiliense, 1988.

Lima, Henrique Espada, “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade de trabalho no século XIX”. Topoi, Rio de Janeiro, jul.-dez. 2005, vol. 6, (n°11), p. 289-326.

Loscertales, Vicente Gonzales e Montaud, Ines Roldan de, “La Mineria del Cobre em Cuba. Su organización, problemas administrativos y repercusiones sociales (1828-1849).” Revista de Indias, 1980, p. 255-299.

Martins Filho, Amilcar e Martins, Roberto B., “Slavery in a nonexport economy: nineteenthcentury Minas Gerais Revisited”. Hispanic America Historical Review, 1983, vol. 63 ( n°3), p. 537-568.

Moura, Clóvis, Dicionário da Escravidao Negra no Brasil. São Paulo, EDUSP, 2005.

Nabuco, Joaquim. “Escravos do Morro Velho”, in Joaquim Nabuco, Discuros. Biblioteca Digital, Câmara dos Deputados, Brasília. 2010; Sessão de 30-9-1879, p. 250-256. URL:http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/4363/joaquim_nabuco_2ed.pdf?sequence=3 (consultado em: 9 de outubro de 2014).

Oehm, Hans-Joachim, Die Rheinisch-Westindische Kompagnie, Neustadt/Aisch, 1968.

Pratt, Mary Louise, Os olhos do Império: relatos de viagem e transculturação, tradução de Jézio Hermani Bonfim Gutierre, Bauru, EDUSC, 1999.

28th Report of the Directors of the Imperial Brazilian Mining Association, London 1840.

Rodrigues, Jaime, “Ferro, trabalho e conflito: os africanos livres na fábrica de Ipanema”. História Social, Campinas, 1997/1998 (n° 4/5), p. 29-42.

Schmoeckel, Gisela, “Skizzen, Tagebücher, Geschäftsbriefe. Die Reisen des jungen Exportkaufmanns Ernst Hasenclever”, in Bergischer Almanach, Heimatjahrbuch der Bergischen Blätter, Wuppertal, Bergische Blätter Verlag, 1992.

Souza, Rafael de Freitas e, Trabalho e cotidiano na mineiração aurífera inglesa em Minas Gerais: A Mina da Passagem de Mariana [online], São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2009, Tese de Doutorado em História Social. [consultado em 10 de novembro de 2014].
URL:
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-02122009-114854/

Haut de page

Notes

1 Pratt, Mary L., Os Olhos do Império, relatos de viagem e transculturação, Bauru, EDUSC, 1999, p. 251-267.

2 Pratt, op. cit., p. 257.

3 Hoje Estado da Renânia do Norte-Vestfália.

4 Oehm, Die Rheinisch-Westindische Kompagnie, Neustadt/Aisch 1968, p. 12.

5 Schmoeckel, G., “Skizzen, Tagebücher, Geschäftsbriefe. Die Reisen des jungen Exportkaufmanns Ernst Hasenclever”, in Bergischer Almanach, Heimatjahrbuch der Bergischen Blätter, Wuppertal, Bergische Blätter Verlag, 1992.

6 Hasenclever & Cia. Rio de Janeiro 1830 -1930, p. 15-17.

7 Schmoeckel, op. cit.

8 A referida documentação é propriedade da família e ainda não foi publicada. No momento, estamos preparando uma edição de sua viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais a ser publicada, em breve, no Brasil.

9 Ferri, Mário, Apresentação, in Richard Burton, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, Brasília, Senado Federal, 2001. Neste artigo usaremos os diários originais de Ernst Hasenclever e, como ainda não foram publicados, indicaremos os dias e o ano dos trechos referidos por nós.

10 Ellis, Mirian, “A Mineração no Brasil no século XIX”, in S. Buarque Holanda, HGCB, Tomo II, vol. 4, 1974, p. 7-27.

11 Pratt, op. cit., p. 254. Para Loscertales e Montaud, a revolução industrial sobretudo na Grã-Bretanha, foi o fator que desencadeou o resurgimento das minas de cobre no Chile, na Austrália e na parte oriental de Cuba assim como o descobrimento de algumas minas em outras regiões da ilha. Loscertales e Montaud, “La Mineria del Cobre em Cuba. Su organización, problemas administrativos y repercusiones sociales (1828-1849)”, Revista de Indias, 1980, p. 255-299.

12 Graham, R., Britain and the Onset of Modernization in Brazil 1850-1914, Cambridge, Cambridge University Press, 1968, p. 4-5.

13 Sobre as mineradoras inglesas em Minas Gerais durante o século XIX, há outros relatos de viajantes estrangeiros como, por exemplo, os de Georg Gardner (1840), do Conde de Suzannet (1844), de Francis de Castelnau (1843) e de Ernest de Courcy (1886), que nos fornecem detalhes das técnicas empregadas e da mão de obra, livre e escrava.

14 Alves, D. B., “Besuch eines jungen deutschen Kaufmanns in der Mine Gongo Soco, Brasilien 1839”, in Taddei, Muller, Rebbisch (org.), Migration und Reisen, Mobilität in der Neuzeit, Innsbruck, Studien Verlag, 2012, p. 84-85.

15 Freyberg, B. von, Die Bodenschätze des Staates Minas Geraes (Brasilien), Stuttgart, 1934, Tabelle 18, p. 105.

16 Eakin, M., British Enterprise in Brazil. The St. John d’el Rey Mining Company and the Morro Velho Gold Mine, 1830-1960, Durham and London, Duke University Press, 1989, p. 23-24.

17 Moura, C., Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo, 2005.

18 Burton, Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho, 2001, p. 289.

19 Pratt, op. cit., p. 262.

20 Hasenclever, 27/08/1839

21 Henwood, W. J.,”Observations on metalliferous deposits. On the gold mines of Minas Geraes, in Brazil, Transactions of the Royal Geological Society of Cornwall, Penzance, 1871 (n° 8), p. 168-370 (p. 290).

22 “From E. Hasenclever to G. V. Duval, 1840”, in Thirtieth Report of the Directors of the IBMA, London 1841, p. 25-29. A carta foi escrita para defender a companhia e seu diretor, Duval, das críticas que recebiam na Inglaterra por empregarem escravos, Ibidem, p. 28.

23 Ibidem.

24 Burton, op. cit., p. 335-336.

25 Souza, Rafael de F. e, Trabalho e Cotidiano na Mineração Aurífera Inglesa em Minas: A Mina da Passagem de Mariana, São Paulo, USP, 2009, p. 284.

26 Hasenclever, 27/8/1839.

27 Henwood, op. cit., p. 292.

28 Libby, D., Transformação e Trabalho em uma economia escravista em uma economia escravista. Minas Gerais no século XIX, São Paulo, Brasiliense, 1988, p. 302-303.

29 O Universal, Sexta-feira, 6 de Agosto de 1830, n° 476, p. 7.

30 Burton, op. cit., p. 296.

31 Burton, op. cit., p. 297-298.

32 Hasenclever, 20, 30 e 31/9/ 1839.

33 Burton, op. cit. p. 243-244.

34 Nabuco, Joaquim, “Escravos do Morro Velho”, in Joaquim Nabuco, Discuros. Biblioteca Digital, Câmara dos Deputados, Brasília. 2010; Sessão de 30-9-1879, p. 250-256.

35 Hasenclever, 28/8/ 1839.

36 Freyberg, op. cit., p. 104; Souza, Rafael, op. cit., p. 125.

37 Burton, op. cit., p. 303-304.

38 Libby, D., Trabalho Escravo e Capital Estrangeiro no Brasil. O caso de Morro Velho, Belo Horizonte, Itatiaia, 1984, p. 63.

39 Eakin, M., “Business Imperialism and British Enterprise in Brazil”, HAHR, 1986, vol. 66 (n° 4), p. 714-715.

40 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 79.

41 Courcy, Ernest de, Seis semanas nas minas de ouro do Brasil, Belo Horizonte, Centro de Estudos Históricos e Culturais, Fundação João Pinheiro, 1997, p. 78

42 Alves, D. B., “Ernst Hasenclever em Gongo-Soco: exploração inglesa nas minas de ouro em Minas Gerais no século XIX”, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, janeiro-março 2014, vol. 21 ( n° 1), p. 281-298.

43 Alves, D. B., “Besuch eines jungen deutschen Kaufmanns …”, p. 77 ss.

44 Em alemão Negerinspektor, Hasenclever, 28/08/1839.

45 Hasenclever, 27/8/1839.

46 Henwood, op. cit., p. 290. Sua tabela nos fornece o seguinte número de escravos para 1840: de propriedade da companhia havia 167 homens, 113 mulheres e 135 meninos e meninas. Além desses, a companhia havia alugado 50 homens e 10 mulheres perfazendo um total de 475 escravos.

47 28th Report of the Directors of the Imperial Brazilian Mining Association, London, 1840, p. 22.

48 Gardner, G., Viagem ao interior do Brasil, principalmente nas províncias do Norte e dos distritos do ouro e diamante durante os anos de 1836-1841, Belo Horizonte, Itatiaia, São Paulo, Edusp, 1975, p. 221.

49 Souza, op. cit., p. 87 e ss.

50 Libby, Transformação e Trabalho, 1988, p. 317-319.

51 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 61.

52 Burton, op. cit., p. 334.

53 Ibidem.

54 Ibidem, p. 325-326. A carta escrita por Hasenclever em 1840 e publicada no Thirtieth Report of the Directors of the IBMA serviu para “comprovar o tratamento digno” dado pela companhia aos seus escravos. Tratava-se da opinião “imparcial” de um comerciante alemão não ligado à companhia.

55 Eschwege, W. L. von, Pluto Brasiliensis, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1944, vol. 2, p. 422.

56 Rodrigues, Jaime, “Ferro, trabalho e conflito: os africanos livres na fábrica de Ipanema”. História Social, Campinas, 1997/1998 (n° 4/5), p. 29-42 (p. 33).

57 Lamonier, M., Da escravidão ao trabalho livre, Campinas, Papirus, 1988, p. 61-65 e p. 100 e ss.

58 Hasenclever, 28/8/1839.

59 Souza, op. cit., p. 179.

60 Souza, op. cit., p. 183.

61 Burton, op. cit., p. 334.

62 Libby, Transformação e Trabalho, 1988 p. 320; Souza, Rafael, op. cit., p. 100; Burton, op. cit., p. 334.

63 Martins Filho, Amilcar e Martins, Roberto B. “Slavery in a nonexport economy: nineteenthcentury Minas Gerais Revisited”, HAHR, 1983, vol. 63 (n° 3), p. 537-568 (p. 551)

64 Martins Filho e Martins, Roberto op. cit., p. 543, tabela II.

65 Libby, Transformação e Trabalho, p. 94-95.

66 Eakin, “Business Imperialism…”, 1986, p. 713. Em Morro Velho, um escravo custava, em 1867, 25% menos que um trabalhador livre nacional; em 1879, 45% menos; Libby, Transformação e Trabalho, 1988, p. 360-361.

67 Lima, Lima, Henrique Espada, “Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade de trabalho no século XIX”. Topoi, jul.- dez. 2005, vol. 6 (n°. 11), p. 289-326 (p. 295).

68 Libby, Trabalho Escravo, 1984, p. 84.

69 Burton, op. cit., p. 336-337. Segundo o autor, entre 1848 e 1866, havia 123 candidatos negros à manumissão em Morro Velho mas “destes, 6 perderam o benefício por embriaguez, 2 foram mortos na mina e 14 morreram”, p. 340-341.

70 Lima, op. cit., p. 297

71 Ferrand, P., O ouro em Minas Gerais (Brasil), Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro, 1998, p. 257.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Débora Bendocchi Alves, « Uma região mineradora. Minas Gerais, Brasil, segunda metade do século XIX », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 10 mars 2015, consulté le 19 septembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/67741 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.67741

Haut de page

Auteur

Débora Bendocchi Alves

Instituto de História Ibérica e Latino-Americana
Universidade de Colônia, Alemanha
dbendocc@uni-koeln.de

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page