Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesColloques2016Redes internacionales de apoyo y ...A construção da rede sindical rur...

2016
Redes internacionales de apoyo y solidaridad con grupos, actores y movimientos político-sociales latinoamericanos, 1955-1995

A construção da rede sindical rural entre os PCs de Itália e Brasil (1955-1965)

The construction of rural trade network by communist parties of Italy and Brazil (1955-1965)
Leonardo Soares dos Santos

Résumés

A literatura sobre história política tornou-se recentemente focada sobre experiências e atividades concretas de grupos e agentes. Desde os anos 20, a União Soviética, através do seu Partido Comunista e da Internacional Comunista (Comintern), criou várias redes de discussão e mobiliação. Aqueles contactaram vários partidos e organizações europeus e latino-americanos, transmitindo por Moscou informes, teorias, linhas, documentos, planos e propostas. Além do Krestintern (Peasantry International), no contexto rural, outras organizações relevantes foram a União das Federações Sindicais do Mundo (UFSM) e a União Internacional Sindical dos Trabalhadores Agrícolas e Florestais (UISTAF). Neste trabalho, irei descrever o relacionamento entre italianos e brasileiros naquelas organizações. No Brasil, o Partido Comunista do Brasil (PCB) criou a União dos Lavradores e Trabalhadores Brasileiros (ULTAB) para promover a expansão do comunismo e encorajar membros a participar nos assuntos rurais. Na Itália, os comunistas Ilio Bosi e Vincenzo Galetti revigoraram a atividade do Partido Comunista Italiano (PCI) colocando ênfase sobre a organização regional de sindicatos no Terceiro Mundo, pela UFSM e UISTAF. Desde os anos 50, Bosi e Galetti trabalharam a produzir conversações, eventos e parcerias entre PCI e PCB. Nesse período, os contatos envolvem membros do PCB como Lyndolpho Silva, Jose Silva e Nestor Vera.

Haut de page

Entrées d’index

Keywords:

Communism, PCB, PCI, Italy, Brazil

Palabras claves:

Brasil

Palavras Chaves:

comunismo, PCB, PCI, Itália, Brasil
Haut de page

Texte intégral

1Numa interessante coincidência, os anos de 1950 foram cruciais para a Itália e o Brasil no plano da questão agrária. Embora possuíssem várias peculiaridades próprias de seus respectivos processos de formação histórica, suas estruturas fundiárias eram extremamente concentradas. Mas foram exatamente naquele tempo que começaram a irromper diversos movimentos agrários de contestação política. Os quais se alastraram por diversas regiões, principalmente as áreas agrícolas do Sudeste e Nordeste do brasileiro, e, Sul (Sicília, Calábria e Puglia) e Centro italiano (Emilia-Romagna).

2Além da intensa e gigantesca mobilização das “massas rurais”, os agentes políticos externos (mediadores políticos) exerceriam grande papel na configuração de tais movimentos. E aqui vemos uma outra semelhança entre os dois contextos : tais mediadores eram na sua grande maioria militantes comunistas, vindos do meio urbano. E o detalhe mais notável é que muitos desses militantes, brasileiros e italianos, procuraram estabelecer relações, espaços de debate e intercâmbio de experiências, redes de cooperação e solidariedade.

3Neste texto procuro demonstrar a importância da rede sindical de caráter internacional tecida entre quadros do então Partido Comunista Brasileiro (PCB), como Lyndolphho Silva e Roberto Morena, e lideranças sindicais do Partido Comunista Italiano como Rocco Posca, Ilio Bosi, Umberto Fornari e Vincenzo Galetti.

Lyndolpho e o início da costura do movimento sindical

  • 1 Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro, p. 5429.

4Lyndolpho Silva nasceu no interior de São Paulo (Barretos) e foi morar muito cedo município do Rio de Janeiro, morou quase toda sua juventude em Mendes. Ainda jovem foi para Cruzeiro do Sul, em São Paulo, onde trabalhou em frigoríficos e padarias locais. Em 1942, de volta ao Rio de Janeiro, começou a trabalhar no centro do Distrito Federal, numa fábrica têxtil, foi quando teve os primeiros contatos com o PCB, filiando-se a ele em 1947.1

  • 2 Sanches, Luiz Elias, Lyndolpho Silva. Biografia de uma militância, Itaguaí, CPDA/ UFRRJ, Dissertaçã (...)

5Em 1952, por “deliberação partidária”, Lyndolpho começou a militar no campo, junto aos “posseiros” de Campo Grande, Santíssimo e Senador Camará, bairros que pertenciam à “jurisdição” do Comitê Distrital de Bangu do PCB. A este organismo, subordinava-se a “célula” em que Lyndolpho atuava.2

  • 3 Ibidem, p. 72.
  • 4 Ibidem.

6Nas muitas declarações que deu sobre a sua própria militância, Lyndolpho pouca coisa diz a respeito de sua atuação no Sertão Carioca, exceto ao que se refere à sua participação da luta na Fazenda Coqueiros. É provável que H. R. Faria já estivesse atuando ali antes de sua chegada. Diz ele que antes de “chegar lá”, “já existia um movimento e uma associação de posseiros na região”, a Associação de Lavradores da Fazenda Coqueiros.3 Segundo Lyndolpho, estes “estavam muito cheios de razão porque eles têm muitos anos lá e sabiam disso, mais de 30 anos [...] E era fácil você defender o direito desse pessoal...deles se defenderem inclusive pelo tempo que eles tinham nas terras.”4

  • 5 APERJ. Fundo DPS/ 1881 : “I Congresso dos Lavradores do Distrito Federal” (1953), fl. 7, doc. 8.
  • 6 Terra Livre, 2º quinzena de Julho de 1954, p. 3.
  • 7 Costa, Luiz Flávio Carvalho, Sindicalismo rural brasileiro em construção, Rio de Janeiro, Forense/ (...)
  • 8 Terra Livre, 2º quinzena de agosto de 1954, p. 5.

7Mesmo militando há pouco tempo na região, Lyndolpho conseguiu aprovar duas “Teses” no I Congresso dos Lavradores do Distrito Federal, realizado na sede da Associação de Lavradores da Fazenda Coqueiros em 1953. Todas referentes ao “benefício pessoal do lavrador” : a de nº 2 propunha “não ser admitida a retomada da terra trabalhada em culturas ou criação” ; e a de nº 3 defendia a proibição da “exploração, em parceria, ente o proprietário e o lavrador”.5 Nesse mesmo ano começou a atuar em instâncias nacionais do movimento rural, sendo eleito membro permanente da I Conferência Nacional dos Trabalhadores Agrícolas. Isso lhe conferiu certo peso para que no ano seguinte se tornasse diretor da Associação de Lavradores da Fazenda Coqueiros. Foi nessa condição que assinou, por exemplo, o manifesto de convocação da II Conferência Nacional dos Trabalhadores Agrícolas de 1954.6 Ainda em 1954, tornou-se um dos redatores-chefe do jornal Terra Livre, principal instrumento de agitação e propaganda no campo do PCB,7 e participou da criação da Associação dos Lavradores do Sertão Carioca (ALSC), sendo eleito seu vice-presidente.8

8O próprio Lyndolpho, numa entrevista dada ao prof. Luiz Flávio Costa em 1994, resumiria assim a guinada em sua vida como militante, a ida do Sertão Carioca para o âmbito nacional :

Em 1954, por ocasião da realização da II Congresso Nacional de Lavradores e Trabalhadores Agrícolas, foi criada a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil, aquela que ficou conhecida como ULTAB, uma entidade com base nacional, que pretendia continuar um trabalho, já iniciado, de organização dos trabalhadores rurais. Esse trabalho de organização dos trabalhadores do campo, aqui em nosso país, iniciou-se aí por volta de 1945 por decisão do Partido Comunista, naquele tempo do Brasil e, posteriormente, Brasileiro. Partia do entendimento de que a aliança operário-camponesa era um instrumento fundamental na luta pelo poder e pelo socialismo no país.

  • 9 Op. cit., Sanches, 2000, p. 70.
  • 10 Terra Livre, 1º quinzena de 1954, p. 6.

9Dos militantes comunistas que atuaram no Sertão Carioca, Lyndolpho Silva era o que talvez tivesse maior inserção junto à direção nacional do PCB. Por conta disso, Luiz Sanches argumenta que Lyndolpho era primordialmente um homem do aparato partidário no movimento dos trabalhadores rurais, disciplinadamente imbuído da tarefa de defender as posições do Comitê Central no interior do movimento.9 Portanto, na prática, isso exigia que Lyndolpho, como líder sindical e redator do Terra Livre, agisse no sentido de fortalecer o movimento sindical no campo por meio da criação de organizações e da realização de eventos, como as Conferências e Congressos de âmbito regional e nacional. Em função disso, tornava-se imperativo que as organizações criadas no Sertão Carioca não se limitassem à resolução de problemas que só dissessem respeito aos seus lavradores. É nítida a preocupação de seus dirigentes, entre eles Lyndolpho Silva, em fazer com que essas organizações se constituíssem elas mesmas em engrenagens da rede sindical que os comunistas procuravam tecer por todo país. Por isso mesmo a assembléia de fundação da Associação de Lavradores do Sertão Carioca, “realizada com 19 pessoas e o apoio de 80 lavradores”, tratou, entre tantas coisas, justamente de eleger 11 delegados à II Conferência Nacional.10

10Nesse evento foi criada a ULTAB – União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil. E o seu primeiro presidente eleito foi o próprio Lyndolpho. Segundo ele um dos principais motivos para isso teria sido sua atuação no Sertão Carioca :

  • 11 Entrevista dada a Luiz Flavio Costa, 1994.

é critério do Partido, naturalmente, critério natural, quer dizer, de colocar na frente da União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil, na frente do trabalho da União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil ... pessoas na direção, aqueles companheiros que tiveram um certo destaque, mas não só destaque... mas a importância do trabalho que desenvolveram mesmo sem muito destaque, vamos dizer assim publicamente, mas desenvolveram algum trabalho com alguma eficiência em algum lugar onde atuavam. Então, pra você ver o seguinte : quem constitui a executiva da ULTAB, propriamente dito, que veio para cá, foi o Tibúrcio, eu, e o José Portela... Tibúrcio lá de Goiás, que participou da campanha... da luta...que se não me falha a memória foi a luta de Formoso...veio o Portela que era arrendatário aqui na Alta Sorocabana, companheiro de toda época de colheita e venda de algodão, tinha luta séria ali na região...alguém de luta de posseiros, nas quais ele participou...e eu, que na verdade estava começando um trabalho de organização dos trabalhadores do campo, na área sobretudo de posseiros, no Estado do Rio de Janeiro. Então, esses...não é a toa, entendeu, que foram esses os companheiros que integraram aqui a direção da executiva... do trabalho do dia a dia da ULTAB.”11

  • 12 DHBB, p. 5429.

11Em 1955, como dirigente da ULTAB, Lyndolpho deixou o Distrito Federal para militar no interior de São Paulo, onde daria especial atenção à categoria dos “bóias-frias”.12

A União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil

  • 13 Op. cit., Costa, 1996, pp. 50-1. Outro importante trabalho sobre a atuação do Terra Livre é de auto (...)

12Era o órgão oficial da União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil (ULTAB), entidade ligada ao PCB. Tinha sido concebido como principal instrumento de agitação e propaganda dos comunistas no campo. Segundo Luiz Flávio Costa, “seu surgimento prendia-se às necessidades levantadas pelo Partido Comunista no sentido de que era preciso criar um órgão que pudesse orientar as lutas e socializar as experiências no campo”.13

13Segundo o que consta no seu estatuto, essas seriam as “finalidades” da ULTAB :

14a) Organizar os pequenos e médios produtores agrícolas, bem como empregados rurais, sem distinção de cor, sexo, raça, concepções políticas, filosóficas ou religiosas, em defesa dos seus interesses e direitos ;

15b) Promover e estreitar os sentimentos de fraternidade entre todos os trabalhadores ;

16c) Conceder, na medida das possibilidades, assistência jurídica, médica, dentária e outras ;

17d) Colaborar com os poderes públicos e com as entidades de modo geral no estudo e solução dos problemas atinentes à vida rural ligados aos interesses de suas filiadas e da Nação ;

18e) Promover e realizar congressos e conferências. Participar, quando for do interesse da entidade, de reuniões internacionais ;

19f) Divulgar por todos os meios e modos ao seu alcance, conhecimentos e ensinamentos tendentes à melhoria da prática rural ;

20g) Assistir e orientar as filiadas em matéria de ordem econômica, jurídica e técnica, bem como adotar medidas no sentido de facilitar a aquisição do material necessário ao exercício das atividades rurais.

  • 14 Depoimento de Lyndolpho Silva a Ricci, Rudá, Terra de ninguém : representação sindical rural no Bra (...)

21Por algum tempo, foi para a ULTAB mais do que um órgão de divulgação de suas diretrizes, tendo cedido até mesmo sua sede para que aquela pudesse desenvolver seus trabalhos.14 Seu público-alvo era os trabalhadores do campo, de poder aquisitivo baixíssimo, e como não tinha verbas de publicidade o Terra Livre dependia quase que integralmente dos recursos que lhe despendia a tesouraria do Partido Comunista Brasileiro. O qual nem sempre podia fazê-lo, daí as inúmeras falhas em sua periodicidade. A maior delas foi sem dúvida o período que coincidiu com a grave crise interna ocorrida por conseqüência do XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética em 1956, quando houve as denúncias dos crimes de Stálin. Os conflitos entre o grupo “renovador”, liderado por Agildo Barata, e o grupo “stalinista”, encabeçado por Diógenes Arruda, Francisco Grabois e João Amazonas, em torno do relatório de Kruschev teriam levado o partido à beira da desintegração. Lindolpho Silva assim comento o caso :

  • 15 Cunha, Paulo Ribeiro Rodrigues da, “Aconteceu longe demais”, A luta pela terra dos posseiros de For (...)

“Quando estourou a questão ao do culto do Kruschev sobre a questão do Stalin...entrou também o problema do combate ao culto à personalidade. Essa questão toda refletiu no interior da Direção Nacional, e sobretudo da Comissão executiva, dessa mesma direção, de tal maneira, que paralisou o Partido. Alguns queriam efetivamente enfrentar o problema, outros não queriam, porque estavam demasiadamente comprometidos com esse passado todo, né...isso paralisou o Partido e como conseqüência, as finanças do Partido também caíram. A direção impotente diante...de seu trabalho, do trabalho coordenado e direção do Partido...começou a...como se diz, a se livrar de alguns quadros...pesando alguns do ponto de vista político, outros do ponto de vista financeiro...né ?”15

  • 16 Rodrigues, Leôncio Martins, “O PCB : os Dirigentes e a Organização”, História Geral da Civilização (...)
  • 17 Ibidem. A situação seria parcialmente restabelecida com o aparecimento do semanário Novos Rumos, ma (...)

22Em maio de 1957, Barata romperia com o partido, levando com ele outros “renovadores”. Além disso o partido também perdeu Bruzzi Mendonça, o único deputado federal pelo partido, a maior parte dos intelectuais da imprensa comunista, grande parte da intelectualidade, como também muitos dirigentes regionais, principalmente de São Paulo.16 A crise financeira seria atribuída exatamente à saída de Agildo Barata, que por muito tempo foi o responsável pelas finanças do partido. No caso específico da imprensa comunista, a crise financeira somou-se a perda de muitos de seus profissionais. Por um certo momento depois dessa crise o Terra Livre, o Imprensa Popular, o Voz Operária e o Notícias de Hoje (São Paulo) deixariam de circular.17

  • 18 Op. cit., Medeiros, 1995.

23A linha geral da atuação do Terra Livre tinha como princípio fundamental a necessidade de veicular a política pecebista no campo e potencializar o trabalho de seus militantes. Dentro desta linha o jornal procurava exercer funções que estivesse em conformidade com a atuação da ULTAB no campo. Segundo Leonilde Medeiros, os papéis exercidos por esta eram : porta-voz dos trabalhadores do campo junto aos poderes constituídos ; mediadora jurídica dos trabalhadores do campo ; mobilizadora e porta-voz dos trabalhadores rurais no espaço público ; e “educadora” (formadora de dirigentes mediante a generalização das experiências).18

  • 19 Ibidem, p. 51.

24No Terra Livre a preocupação de implementar cada um daqueles princípios da ULTAB ficava bem nítida, por exemplo, quando publicava freqüentemente modelos de documentos necessários à fundação de sindicatos e outros procedimentos necessários para sua constituição.19

  • 20 Terra Livre, 1° quinzena de Setembro/1954, p. 3.

25No caso do Sertão Carioca, é bem nítido o esforço do jornal em impulsionar os “lavradores” a criarem as suas próprias organizações. Próprias em certo sentido, já que se buscava, na verdade, que estas organizações orbitassem em torno da ULTAB e, conseqüentemente, do PCB. Em todo caso, ganhava sempre amplo destaque as iniciativas dos lavradores que apontassem para tal caminho. Certa feita, o jornal noticiou que em Campo Grande a primeira medida de um grupo de lavradores ameaçados pelo grileiro Benedito Velasco teria sido “se organizar e participar da segunda Conferência Nacional de trabalhadores Agrícolas”, já tendo marcado “uma reunião na qual será fundada uma Associação para a defesa de seus direitos”.20 Em outra ocasião, ao cobrir a realização do 2° Congresso dos Lavradores do Distrito Federal, o Terra destacava que :

  • 21 Terra Livre, 2° quinzena de dezembro/1954, p. 1. Este Congresso, contudo, não seria realizado.

“Através dessa importante reunião, maior desenvolvimento tomarão as lutas dos posseiros, arrendatários, pequenos e médios proprietários e assalariados agrícolas do DF no sentido de sua organização e unidade e da defesa de seus direitos e reivindicações.”21

  • 22 Terra Livre, 2° quinzena de Agosto/1954, p. 5.

26Em certos momentos os papéis de porta-voz, mobilização e “educação” eram realizados simultaneamente pelo jornal. Foi o que ocorreu quando da cobertura da fundação da Associação dos Lavradores do Sertão Carioca. Segundo o repórter que assinava a matéria, o “Terra livre deu uma grande contribuição à formação desta Associação, transmitindo experiências e as lutas dos lavradores de outros Estados”.22 O nome deste repórter era Lyndolpho Silva, que era também vice-presidente daquela Associação e principal liderança da ULTAB.

27Mas teria sido o Terra Livre um jornal realmente influente junto aos trabalhadores do campo ? A proposta de se tornar a voz dos “camponeses” e importante ponto de apoio de suas lutas teria realmente conseguido superar os limites da mera retórica partidária ? Os depoimentos de ex-lideranças camponesas disponíveis sobre esse assunto nos levam a responder negativamente. Ressalta-se desde já que a imagem que se constrói sobre o Terra Livre é indissociável da imagem da ULTAB. Tais ex-lideranças, inclusive do próprio PCB, são unânimes em afirmar que tanto a ULTAB como o Terra Livre eram na verdade órgãos de cúpula. Segundo Francisco Julião :

  • 23 Op. cit., Sanches, 2000, p. 90.

“Todo mundo estava percebendo que a ULTAB não era mais que um apêndice do Partido Comunista, que pretendia chegar ao campo através dessa organização e não chegou, porque ela estava completamente fora da realidade, da cultura e da vida dos camponeses. Por isso, considero que não vingou. Vingou através dos jornais – tinha o papel de denunciar. Mas não passava disso, não teve capacidade para organizar e unir as massas camponesas.”23

  • 24 WELCH, Cliff e GERALDO, Sebastião. Sebastião. Lutas camponesas no interior paulista : memórias de I (...)

28Se no depoimento de Julião – a liderança que talvez tenha sido o maior rival dos comunistas no campo – o Terra Livre é poupado de críticas mais sérias, o mesmo não acontece no depoimento de Irineu Moraes, liderança camponesa do PCB no interior paulista. Para ele nem o Terra Livre nem a ULTAB trabalhavam no campo : “era coisa de cúpula mesmo, que não ajudava nada.24 “Para dizer a verdade, a ULTAB só tinha essas cinco letras. A ULTAB era uma organização que significava a representação nacional dos camponeses pelo partido. Mas de fato, era só uma organização de cúpula, só tinha essas cinco letras e nada mais”.

29E o que tinha o próprio Lyndolpho Silva a dizer sobre isso ? Já como ex-militante do partido ele reconheceria as afirmações de seus ex-“companheiros” :

  • 25 Op. cit., Ricci, 1999, p. 110 (nota 45).

“A ULTAB era uma criação de cúpula, com pouca base, que depois se desenvolveu. Não possuía sede [...] utilizávamos a sede do jornal Terra Livre. Os três elementos da direção da ULTAB [ele, Geraldo Tibúrcio e José Porfírio] viajavam para o interior, quando era preciso, quando chamavam, quando podíamos, ms era um trabalho muito tênue [...]. Na verdade, a gente só começou a se apoiar novamente nos dois pés lá pelo ano de 1959, quando se realizou a I Conferência da ULTAB.”25

  • 26 Ibidem, pp. 72-74. Ver também MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópo (...)

30Entretanto, em 1959 ainda se ouvia críticas no interior do partido, especialmente de militantes ligados ao campo, quanto a persistência de uma linha sindical comunista que ainda subestimava o “trabalho de massas e o trabalho sindical em particular” e superestimava o trabalho de cúpula. Essa linha teria sido intensificada com a definição da política de frente única sancionada pela “Declaração de 58”, quando a ação contra a estrutura sindical corporativista foi abandonada em favor da luta pelo reconhecimento dos sindicatos oficiais, federações e eleições de dirigentes em Confederações de Trabalhadores.26

  • 27 Tal questão é discutida por Marcelo Rosa em seu estudo sobre os movimentos de luta pela terra em Pe (...)

31Mesmo assim, penso que tais depoimentos continuam a deixar uma questão em branco : afinal, quais eram nesses órgãos de cúpula os mecanismos de encaminhamento das reivindicações dos trabalhadores do campo ? Pode-se pensar que se trata de uma pergunta sem sentido, pois se eram órgãos de cúpula conseqüentemente não haveria nenhum espaço para o encaminhamento das “verdadeiras” reivindicações de quem constituía a base. Entretanto, estudos mais recentes têm demonstrado que algumas organizações representativas dos “novos” movimentos sociais, que sempre se pautaram pela defesa das decisões a partir da base por exemplo, também possuem mecanismo de mediação semelhantes aos das organizações ligadas a antiga e, segundo R.Ricci, “pouco ativa” estrutura sindical pré-64.27

A luta pela reforma agrária na Itália

32Ainda vivendo os rescaldos da II Guerra Mundial, vivenciando ainda uma serie crise economica, a Italia. Os índices de inflação e de desemprego galopavam. Guido Fabiani lembra que o caos tem importantes desdobramentos no plano político.

33O governo era dominado pelos liberais, que socorridos pelo grosso dinheiro advindo do plano Marshall, buscavam modernizar a estrutura social italiana, destruindo por completo o legado fascista, mesmo que para isso, significasse destruir alguns direitos trabalhistas.

34A oposição de esquerda, até por isso, era feroz. Mas esta se encontrava dividida entre social-democratas, socialistas, comunistas. Mas eram estes últimos que detinham a hegemonia sobre o CGIL (Confederazione Generale Italiana del Lavoro) e buscavam se expandir pelo meio rural. Outras associações importantes eram a Federmezzadri (Federazione Nazionale coloni e mezzadri) e a Federbraccianti (Federazione nazionale de braccianti e salariati agricoli).

  • 28 Comenta Matteo Sommariga que “na agricultura, portanto, a linha Pella-Einaudi se traduz na manutenç (...)

35A crise acaba se espraiando pelo campo, onde ainda no final da década de 1940. Por um lado, a imensa maioria da agricultura italiana sofria com as tecnicas arcaicas e formas de gestao atrasadas, em especial na chamada "Italia meridional". Por outro lado, os efeitos de tal situacao era enormemente potencializados pela grande concentracao de terras. Na Calábria, por exemplo, um quarto das terras era dominado por pouco mais de 200 proprietários.28

36Tais fatores conjugados serviram de catalizador para um imenso movimento de luta pela terra e reforma agrária que passa a tomar conta do meio rural italiano já a partir de meados da década de 1940 – quando a II Guerra ainda se desenrolava.

37Entre 1949 e 1950, o Governo tentará debelar os movimentos por meio de bastante repressão. Mas o volume da insatisfação e amplitude das ações “camponesas” parecia ser imparável. E a radicalidade só aumentava.

38O governo intervém nesse caso de maneira abusiva. Os episódios de violência iam dos blocos das estradas, à destruição de feixes à danificação de máquinas agrícolas. Linhas inteiras de vidro foram cortadas, numerosa palha jogada no fogo, quem não aderisse ao protesto era insultado.

39Contra a polícia foram disparados diversos tiros de arma de fogo, se registrando lançamentos de bomba à mão e sequestro de pessoas.

  • 29 “Il Governo si pose in questo caso come un abuso. Gli episode di violenza andavano daí blocchi stra (...)

40Um proprietário foi espancado por 500 manifestantes. A reação do filho resultou em tragédia. Neste clima imediato foi levada à aprovação um projeto de lei sobre a reforma dos contratos de arrendamento e de aluguel.29

41Em Melissa, na região de Crotone (Calábria), a penúria dos trabalhadore rurais acabou dando ensejo a uma série de conflitos. Quase quinhentos camponeses partiram resolvidos a ocupar fazendas devolutas, repartiram as terras entre eles e iniciaram ali mesmo o cultivo e trato dos lotes.

42Em Palermo, as forças públicas de segurança tiveram que intervir para impedir uma onda de invasão de terras. Em Brescia, um fazendeiro idoso chegou a ser morto.

  • 30 A esse respeito anota Fabiani : “Os camponeses pobres e os assalariados que no período 1919-20 havi (...)

43Guido Fabiani diz que as lutas dessa época eram bem diferentes daquelas vivenciadas no período 1919-1920. Se ali a invasão de terras era fruto de um ato de desespero, as refregas do período 1949-1950 demonstravam a apropriação do próprio ato da “invasão” como estratégia de luta, um meio de obter mais e mais terra. Além disso, por conta da grande influência de forças políticas de esquerda (PCI, PSI) junto aos movimentos, os “camponeses” não almejavam apenas um remédio momentâneo para o seu problema imediato (um lote de terra que fosse), eles queriam muito mais : queriam revolucionar a própria estrutura fundiária e social como um todo, que eles identificavam como as grandes produtoras de injustiça.30

44Em 1952 surge a Alianza Contadina (Aliança Camponesa), mais um grupo pressionando por transformações efetivas no campo italiano. Além da reforma agrária, os grupos “camponeses” lutavam por melhorias dos contratos e dos salários e mais crédito para a compra de instrumentos, maquinários, sementes etc.

45Como forma de resposta, os governos liberais de De Gasperi procurou minorar a situação parcelando e distribuindo um significativo número de lotes rurais, beneficiando 200 mil famílias. Embora longe de resolver os problemas fundiários e agrícolas da Itália houve uma melhoria das condições de vida no campo e um aumento da própria produção agrícola.

46Alessandra Zarconi assim sintetiza todo aquele momento :

“No curso de 1950 foi aprovada a reforma agrária : previa a eliminação do latifúndio via expropriação (sob indenização) de cerca de 700 000 hectares no Mezzogiorno, pela criação de uma pequena propriedade camponesa, sem nenhuma concessão à cooperativa. Não se verifica um excessivo fracionamento, [o] que determina a falência da reforma. Analogamente ao que ocorreu depois da eliminação dos fascistas, a resposta nesse momento é a emigração, desta vez até a Itália Setentrional.”31

47A situação conflitiva do meio rural italiano era um dos maiores focos de tensão social de toda a Europa nos anos 50. E isso chamava muito atenção do Brasil, em especial dos militantes comunistas. Há que se destacar que no início tal interesse se revelaria nas matérias sobre os eventos italianos fartamente divulgados na imprensa do Partido Comunista, como a Tribuna Popular, a Imprensa Popular, Voz Operária, Classe Operária e Terra Livre.

48Num segundo momento o interesse brasileiro seria correspondido por um vivo interesse italiano pelo que se passava no meio rural daqui. E quando se inicia a montagem de grande rede envolvendo militantes da questão agrária dos dois países, principalmente os que eram ligados a seus respectivos Partidos Comunistas. São os casos de Lyndolfo Silva e Vincenzo Galetti, mas de alguns outros nomes.

Algumas lideranças do meio rural italiano

49Um importante nome foi o de Gori Lombardi, militante do Partido Comunista Italiano. Foi um dos delegados da primeiro congresso da Federal Comunista Camponesa, em 27 de fevereiro de 1947. Meses depois, Gori organizaria o Comitato di Liberazione Nazionale in Terra di Lavoro (Comitê de Liberação Nacional da Terra de Trabalho). Junto a Corrado Graziade de várias lutas camponesas, organizando marchas de ocupação de terra inculta de Carinola (Campania). Por todo seu empenho ele acaba sendo designado para dirigir a sessão agrária da Federação de Caserta em 2 de junho de 1946.

  • 32 Ele dizia que “per la richiesta di terre incolte è necessario precisare il luogo ove esistono, se s (...)
  • 33 Nesse sentido Angelo Martino reitera que “quindi quello di Gori Lombardi è un approccio pragmatico (...)

50A base da ação de Gori era a luta constante pela reforma agrária, usando como principal estratégia a ocupação de terra. O maior alvo dessa iniciativa eram as terras incultas.32 Tal estratégia de luta nortearia como uma idéia-força as ações das lideranças comunistas que atuavam junto aos “camponeses”.33 A partir de junho de 1946 ele passa a :

  • 34 No original : “a dirigere la sezione agraria della Federazione di Caserta. Infatti Gori Lombardi è (...)

“A dirigir a seção agrária da Federação de Caserta. De fato, Gori Lombardi é o homem no qual a federação põe fé e ele não frustrou as expectativas. Na sua intervenção do dia da posse, fez um discurso em que explicita que ‘pela luta de terra inculta é necessário precisar o lugar onde existem, se são verdadeiramente incultas, quais são os marcos, a extensão”.34

51Em termos de estrutura sindical dos trabalhadores do campo outro nome de destaque foi o de Eli Bosi, também comunista.

52Nascido em 4 de outubro no seio de uma família paupérrima, Ilio Bosi começou a militar na fração terceiro-internacionalista do Partido Socialista, contra a maré fascista que estava se consolidando. Em 1924 foi para o Partido Comunista, atuando de maneira clandestina no Mezzogiorno. Em 1926 foi preso em Catania, sendo condenado em 10 anos sob regime de reclusão. Saiu em pouco tempo após ter a pena abreviada.

53Seria preso novamente em 1934, pegando quase 18 anos de cadeia. Solto após a queda do fascismo, Ilio passou a organizar a Resistencia nos vales de Comacchio. Depois seguiu para Milão, como inspetor do Comando Geral da Brigada Garibaldi.

54Após a Liberação contra as forças nazistas, Bosi foi chamado a Roma pela direção nacional do Partido Comunista. Logo depois se dirigiu para Ferrara. Eleito constituinte em 1946, Bosi foi confirmado por quatro legislaturas sucessivas, período no qual foi secretário da Confederterra e passou a atuar em nível internacional, participando de eventos e debates com organizações de outros países. Foi nesse momento que ele conheceu Lyndolfo Silva e a própria ULTAB.

55Outra liderança domovimento sindical agrário italiano – e o principal para os propósitos dessa apresentação – foi Vincenzo Galetti.

56Galetti nasceu em Bolonha. O início da sua trajetória de vida é incrivelmente semelhante ao de Lyndolpho, e quase na mesma época.

57Filho de lavradores muito pobres do vilarejo de San Pietro de Casale, foi muito cedo para a cidade de Galliera, onde frequentou a escola – por pouco tempo. Ainda adolescente se tornou aprendiz de eletricista e, mais tarde, tornou-se operário de uma fábrica local, isso no verão de 1942, bem no meio da II Guerra. Após o armistício de 8 de setembro, passa a ser um dos organizadores da Liberação de Galliera.

58Após se inscrever no Partido Comunista Italiano na virada do ano de 1944-45 ele se torna o responsável por toda a zona dessa região na Bolonha. Ao longo de 10 ocuparia uma série de cargos no Partido. Por volta de 1954 assume o carto de inspetor do Comitê regional. No mesmo ano decide militar na estrutura sindical, ocupando importante posição na Confederazione Generale Italiano di Lavoro. Em pouco tempo é transferido pelo Partido para Praga de modo a ocupar o cargo de secretário-geral da União Internacional dos Sindicatos de Trabalhadores Agrícolas e Florestais (UISTAF).

  • 35 Segundo Dina Lida Kinoshita, a FSM foi “criada logo após o fim da II Guerra Mundial, foi concebida (...)

59A UISTAF era subordinada a Federação Sindical Mundial35, criada pelo Cominform e que teria o papel de rivalizar com a ONU no seio do blodo socialista

60É durante a sua passagem por Praga que ele passa a se interessar mais pelo que ocorre em termos de questão agrária na América Latina, principalmente no que diz respeito ao Brasil e a Cuba.

61Em 1964 volta a Bolonha para assumir um posto no Comite federal do Partido e em 1966 chega ao cargo de secretário-geral da Federação comunista bolonhesa.

62Além dos vários cargos no Partido Comunista Italiano e nas organizações supranacionais (como a União Internacional dos Sindicatos de Trabalhadores Agrícolas e Florestais), Galetti ainda foi eleito para varios públicos como os de conselheiro comunal de Bolonha (1064-75) e presidente da Comissão governativa nacional (1975-79).36

As correspondencias entre ULTAB e UISTAF

63Das 106 correspondencias passivas de Lyndolpho Silva, 39 são de autoria de Vincenzo Galetti. O segundo com mais cartas é Eli Bosi, tendo escrito seis. Elas cobrem o período de 1958 a 1970.

64Outros italianos que aparecem como missivistas no Arquivo Lyndolpho Silva é Rocco Posco, Loris Abbiati e Umberto Fornari.

65 Os contatos entre as duas entidades começaram quando o secretário da ULTAB era Pedro Renaux Duarte e o da UISTAF Ilio Bosi.

66As cartas de Bosi já sinalizam aspectos que serão reafirmados poucos anos depois nas correspondências de Galetti. Nos anos 1950, o Brasil, por sua extensão e pelo enorme número de associações e conflitos agrários era o país que mais interessava os militantes comunistas do Velho Continente. Numa carta de abril de 1959, Bosi assim formula a questão :

“Es justamente en ese pais donde nuestra atención debe detenerse con mayor cuidado y meditación. Las experiencias que alli se obtengan pueden ser inútiles para todos los trabajadores del campo y la firmeza con que se consoliden las organizaciones y su unidad, permitirá a organizaciones de otros paises contar siempre con el apoyo de los trabajadores brasileros ; estos pueden constituir un sòlido bastión para la unidad y para las luchas de los trabajadores agrícolas y de los campesinos de toda la América Latina o de buena parte de ella”.

67Na visão de Bosi a grande extensão do país tornava tudo muito mais complexo, a começar pela grande variedade de categorias de trabalhadores, o que tornava o meio rural brasileiro o mais “complexo do mundo”.

68Nenhuma das cartas trocadas entre Vincenzo e Lyndolpho são pessoais – assim como as trocadas com Ilio. As correspondencias foram cambiadas entre um representante da então ULTAB (União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil) e UISTAF (União Internacional dos Sindicatos de Trabalhadores Agrícolas e Florestais). Todas foram enviadas de Praga, rua Opletalová 57 (sede da UISTAF) e endereçadas à sede da ULTAB, na avenida Rangel Pestana, 2163, 1º andar – sala 11.

69Nas cartas de Galleti a Lyndolpho (há outras poucas enviadas a Carlos Marighella, Jose Francisco da Silva, Armando Ziller, Carlos Prestes e Nestor Vera) vários aspectos ficam evidenciados.

70Um primeiro é a dificuldade estrutural e financeira das entidades. O que se revela pela dificuldade de financiamento de eventos por elea organizados e da ida de militantes eventos fora do país, o que é admitido em uma das cartas pelo próprio Galetti. A falta de “pessoal” (trabalhadores da parte administrativa) também se revela na extrema demora da obtenção de resposta da parte da ULTAB e às indagações e demandas da UISTAF. Fato este que implicará, por várias vezes, em apelos e críticas de Galetti aos “camaradas” da ULTAB e do próprio Partido Comunista Brasileiro.

71Por várias vezes Galetti se mostra impaciente com a morosidade das informações. São frequentes perguntas como “E la preparazione della conferenzia, come procede ? Hai notizie ?”

72Numa outra carta, no mesmo ano, assim ele inicia o texto : “Carol Silva. Vorrei attirare la tua attenzione sul fatto che, dopo il nostro ultimo incontro a Praga, non ho fui avuto notizie del lavoro di preparazione della nostra conferenza”. Em mais uma de agosto de 1961, Galetti, em tom resignado desabafa a Lyndolpho : “Tu te demostrastes muy interessado y me prometistes hacerme conocer las decisiones que tomarias con éste propósito”.

73Um segundo ponto relevado pelas correspondências é o grande interesse dos italianos – e dos europeus em geral – ao que se passava na América Latina. O que se desdobrará na articulação de uma ampla rede de militantes que abarcará países como Peru, Chile, Equador, México, Argentina, Cuba, Venezuela, Brasil e Haiti. As iniciativas de intercambio conseguiam alcançar lugares mais longínquos ainda, como China e Japão, que sediaram eventos sobre a questão dos trabalhadore agrícolas e florestais. Tratava-se de uma rede de militantes comunistas de caráter mundial.

74Mas uma rede ainda precária, sem grandes recursos, tendo que lidar com os obstáculos (seríssimo para a época) das grandes distâncias, não só da América Latina em relação à Europa, como no interior mesmo da região do “novo Mundo”.

75Não obstante, tal rede logrará organizar alguns eventos, tanto “lá como cá”, reunindo militantes comunistas dos diferentes países. E é sempre bom lembrar que tal rede se mostraria vital na salvação de militantes que passariam a fugir dos regimes militares implantados no Cone sul a partir de 1964.

76Um terceiro aspecto a se destacar é que desde sempre a UISTAF priorizava os contatos com os Comunistas brasileiros. E a partir de 1959, ano da Revolução Cubana, as preocupações também passam a se direcionar com mais intensidade para a ilha caribenha.

77O quarto aspecto a se destacar é que a rede então viabilizada pelos contatos com a UISTAF ajudavam a fomentar um intenso intercâmbio de informações sobre a conjuntura europeia e a italiana em particular. Há que se ampliar mais as pesquisas sobre esse aspecto, mas é muito possível que tais contatos tenham influenciado para a leitura que o próprio PCB tinha sobre o meio rural brasileiro, e, mais precisamente, sobre a questão da luta pela terra no interior do país.

78É possível que o maior conhecimento do que se passava no universo agrário italiano, observando assim o conturbado processo de reforma agrária naquele lugar na segunda metade da década de 50, com frequentes casos de ocupação de terra, tenha exercido notável impacto em algumas inflexões de orientação do PCB a respeito das estratégias a serem desempenhadas nos conflitos envolvendo posseiros e grandes proprietários pelo domínio de terras. Não parece ter sido ao acaso e nem completa coincidência a decisão deste partido em fomentar a ocupação de terras mais ou menos na mesma época.

Conclusões

79Os acontecimentos referentes às lutas do movimento de trabalhadores rurais no Brasil tiveram grande ascensão nos anos 1950. Não demorou muito para que ele conseguisse grande reconhecimento no continente europeu, principalmente por parte de partidos e associações ligadas ao movimento comunista sob a influência soviética.

80A recíproca também era verdadeira. E o interesse do Brasil pelo que acontecia na Itália, principalmente o que dizia respeito à luta pela reforma agrária era até anterior, tendo se iniciado ainda na década de 1940, como prova a ampla cobertura dos jornais do Partido Comunista Brasileiro.

81E esse interesse dos dois acabou se desdobrando numa importante rede de colaboração e solidariedade entre os dois movimentos, destacando-se aquelas efetivadas por militantes brasileiros e italianos (estes ligados ao Partido Comunista Italiano). Sendo os principais nomes os italianos Ilio Bosi e Vicenzo Galetti, representado a UISTAF e os brasileiros Pedro Renaux e Lyndolpho Silva, representando a ULTAB. Tal rede em pouco tempo acabou se espraiando por vários países da América Latina. A questão agrária deste continente deveu muito de sua visibilidade e reconhecimento na Europa por conta dos esforços daqueles militantes italianos.

82Além de toda a troca de experiências, idéias e observações, essa rede cumpriu importante papel na viabilização de exílio em favor de alguns militantes brasileiros perseguidos pelo regime militar instaurado a partir de 1964.

Imagem 1 – Lindolfo em evento de apoio a Revolução Cubana.

Imagem 1 – Lindolfo em evento de apoio a Revolução Cubana.

Acervo : Jornal Novos Rumos, agosto de 1961.

Imagem 2 – Lyndolpho Silva na conferência de Francisco Julião no Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Santo André, SP, ao lado de Miguel Guinle, diretor do Sindicato, 5/7/1961.

Imagem 2 – Lyndolpho Silva na conferência de Francisco Julião no Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Santo André, SP, ao lado de Miguel Guinle, diretor do Sindicato, 5/7/1961.

Acervo : Arquivo Lyndolfo Silva/UFRRJ.

Imagem 3 – Ilio Bosi. Década de 60.

Imagem 3 – Ilio Bosi. Década de 60.

Acervo L’Unità.

Imagem 4 – Galetti em foto do final da década de 1970.

Imagem 4 – Galetti em foto do final da década de 1970.

Acervo L’Unità.

Imagem 5 – Galetti em conferência da FSM ocorrida entre os dias 14 e 16 de dezembro de 1962.

Imagem 5 – Galetti em conferência da FSM ocorrida entre os dias 14 e 16 de dezembro de 1962.

Acervo L’Unità.

Haut de page

Bibliographie

Jornais :

Classe Operária

Imprensa Popular

Novos Rumos

Tribuna Popular

Voz Operária

L’Unitá

La Republica

Artigos e livros :

Abreu, Alzira Alves de e Israel Beloch et alii. Dicionário Histórico-biográfico Brasileiro Pós 1930. Rio de Janeiro : FGV/Cpdoc Ano, 2009.

Assis, Gleyson Nunes de. “Lyndolpho Silva e a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil - ULTAB (1954-1964)”, em Anais do XIII Encontro de História Anpuh/Rio, Niterói, 2008.

Azevedo, Fernando, As Ligas Camponesas, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

Camargo, Aspásia, Brésil, Nordest : mouvements paysans et crise politique, Paris, Thése de 3 cycle, École Pratique dês Hautes Études, 1973.

Camargo, Aspásia, “A Questão Agrária : crise de poder e Reformas de Base (1930-1964)”, História Geral da Civilização Brasileira, tomo III, volume 3, São Paulo, Difel, 1986.

Costa, Luiz Flávio Carvalho, Sindicalismo rural brasileiro em construção, Rio de Janeiro, Forense/ UFRRJ, 1996.

Costa, Luiz Flávio Carvalho, “Prática política no campo : uma experiência da militância comunista – entrevista : Nazareno Ciavatta”, Estudos Sociedade e Agricultura, 1995, nº 5.

Cunha, Paulo Ribeiro Rodrigues da, “Aconteceu longe demais”, A luta pela terra dos posseiros de Formoso e Trombas e a política revolucionária do PCB no período 1950-1964, São Paulo, PUC, Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, 1994.

Fabiani, Guido, L'agricoltura in Italia, Tra sviluppo e crisi (1945-1947), Bologna, Il Mulino, 1979.

Grynszpan, Mário, Mobilização camponesa e competição política no estado do Rio de Janeiro (1950-64), Rio de Janeiro, PPGA/MN, Dissertação de mestrado em Antropologia Social, 1987.

Kinoshita, Dina Lida, Organização Comunista na América Latina no pós II Guerra Mundial : Rastros do Comintern [em linha], São Paulo, PPS, 2013, URL : http://portal.pps.org.br/portal/showData/142355, Consultado em 24 de abril de 2015.

Lama, Luisa, Vincenzo Galetti, [em linha], URL : http://www.comune.bologna.it/storiaamministrativa/people/detail/36352/0, Consultado em 24 de abril de 2015.

Macedo, Marcelo Ernandez, Zé Pureza - etnografia de um acampamento no norte fluminense, Tese de doutorado, Rio de Janeiro, PPCIS/UERJ, 2003.

Marques, Jose Antonio e Stampa, Inez Terezinha, O mundo dos trabalhadores e seus arquivos [em linha], Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2014, URL : http://www.portalmemoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/media/Livro_Mundo_Trabalhadores.pdf, Consultado em 23 de abril de 2015.

Martino, Angelo, Gori Lombardi, segretario della Federterra negli anni delle lotte contadine [em linha], URL : http://www.comunedipignataro.it/?p=21486, Consultado em 25 de abril de 2015.

Martins, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil, Petrópolis, Vozes, 1983.

Medeiros, Leonilde Sérvolo de, “Os trabalhadores rurais na política : o papel da imprensa partidária na constituição de uma linguagem de classe”, Estudos Sociedade e Agricultura, 1995, nº4.

Medeiros, Leonilde Sérvolo de, Lavradores, trabalhadores agrícolas, camponeses. Comunistas e a constituição de classes no campo, Tese de doutorado - IFCH, UNICAMP, Campinas, 1995.

Medeiros, Leonilde Sérvolo de. “Dimensões políticas da violência no campo”, Tempo, 1996 vol. 1.

Medeiros, Leonilde Sérvolo de, História dos movimentos sociais no campo, Rio de Janeiro, FASE, 1989.

Medeiros, Leonilde Sérvolo de, “Luta por terra e organizações dos trabalhadores rurais : a esquerda no campo nos anos 50/60”, en Royo, Marcos Del e Moraes, João Quartim (orgs.), História do marxismo no Brasil, vol. 4, São Paulo, Ed. da Unicamp, 1998.

Ricci, Rudá, Terra de ninguém : representação sindical rural no Brasil, Campinas, ed. da Unicamp, 1999.

Rodrigues, Leôncio Martins (1986). “O PCB : os Dirigentes e a Organização”, História Geral da Civilização Brasileira, tomo III, volume 3, São Paulo, Difel, 1986.

Sommariga, Matteo. Contro i grandi proprietari terrieri. Disponivel em : http://cronologia.leonardo.it/mondo34a.htm. Acesso em : 25 de abril de 2015, p. 94.

Welch, Cliff e Geraldo, Sebastião. Sebastião. Lutas camponesas no interior paulista : memórias de Irineu Luís de Moraes. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1992.

Haut de page

Notes

1 Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro, p. 5429.

2 Sanches, Luiz Elias, Lyndolpho Silva. Biografia de uma militância, Itaguaí, CPDA/ UFRRJ, Dissertação de mestrado em Ciências Sociais, 2000, p. 53 e 72.

3 Ibidem, p. 72.

4 Ibidem.

5 APERJ. Fundo DPS/ 1881 : “I Congresso dos Lavradores do Distrito Federal” (1953), fl. 7, doc. 8.

6 Terra Livre, 2º quinzena de Julho de 1954, p. 3.

7 Costa, Luiz Flávio Carvalho, Sindicalismo rural brasileiro em construção, Rio de Janeiro, Forense/ UFRRJ, 1996, p. 50.

8 Terra Livre, 2º quinzena de agosto de 1954, p. 5.

9 Op. cit., Sanches, 2000, p. 70.

10 Terra Livre, 1º quinzena de 1954, p. 6.

11 Entrevista dada a Luiz Flavio Costa, 1994.

12 DHBB, p. 5429.

13 Op. cit., Costa, 1996, pp. 50-1. Outro importante trabalho sobre a atuação do Terra Livre é de autoria de Medeiros, Leonilde Sérvolo de, “Os trabalhadores rurais na política : o papel da imprensa partidária na constituição de uma linguagem de classe”, Estudos Sociedade e Agricultura, 1995, nº4.

14 Depoimento de Lyndolpho Silva a Ricci, Rudá, Terra de ninguém : representação sindical rural no Brasil, Campinas, ed. da Unicamp, 1999, p. 110 (nota 45).

15 Cunha, Paulo Ribeiro Rodrigues da, “Aconteceu longe demais”, A luta pela terra dos posseiros de Formoso e Trombas e a política revolucionária do PCB no período 1950-1964, São Paulo, PUC, Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, 1994, p. 74-5.

16 Rodrigues, Leôncio Martins, “O PCB : os Dirigentes e a Organização”, História Geral da Civilização Brasileira, tomo III, volume 3, São Paulo, Difel, 1986, p. 425.

17 Ibidem. A situação seria parcialmente restabelecida com o aparecimento do semanário Novos Rumos, mas desde então, o PCB, que possuíra uma das principais cadeias de jornais e publicações do país, ficava sem nenhum jornal diário.

18 Op. cit., Medeiros, 1995.

19 Ibidem, p. 51.

20 Terra Livre, 1° quinzena de Setembro/1954, p. 3.

21 Terra Livre, 2° quinzena de dezembro/1954, p. 1. Este Congresso, contudo, não seria realizado.

22 Terra Livre, 2° quinzena de Agosto/1954, p. 5.

23 Op. cit., Sanches, 2000, p. 90.

24 WELCH, Cliff e GERALDO, Sebastião. Sebastião. Lutas camponesas no interior paulista : memórias de Irineu Luís de Moraes. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1992, p. 134.

25 Op. cit., Ricci, 1999, p. 110 (nota 45).

26 Ibidem, pp. 72-74. Ver também MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis : Vozes, 1983, p. 87.

27 Tal questão é discutida por Marcelo Rosa em seu estudo sobre os movimentos de luta pela terra em Pernambuco - ROSA, Marcelo, O Engenho dos Movimentos : Reforma Agrária e significação social na zona canavieira de Pernambuco, Rio de Janeiro, IUPERJ, Tese de doutorado em Antropologia Social, 2004. (especialmente a parte 3).

28 Comenta Matteo Sommariga que “na agricultura, portanto, a linha Pella-Einaudi se traduz na manutenção de uma situação tecnológica extremamente atrasada, em limitados programas paliativos, em medidas pela produção que não vai além da tradicional sustentação de preços e da acumulação, numa politica de custos, que tende à resultar numa ‘emigração em massa’, ao invés de contribuir para uma ‘melhor distribuição da terra’” - Contro i grandi proprietari terrieri, [em linha] URL : http://cronologia.leonardo.it/mondo34a.htm, consultado em 25 de abril de 2015, p. 94.

29 “Il Governo si pose in questo caso come un abuso. Gli episode di violenza andavano daí blocchi stradali, alla distruzione di covoni al danneggiamento di macchine agricole. Interi filari di vitri furono tagliati, a numerosi pagliai fu appicato il fuoco, chi non aderiva allo sciopero veniva malmenato. Contro la polizia furono esplosi diversi colpi di arma da fuoco, si registrano lanci di bombe e mano e sequestri di persona. Un proprietario fu bastonato da 500 braccianti. La reazione del figlio sfociò in tragedia. In questo clima immediate fu l’approvazione di un disegno di legge sulla riforma dei contratti di mezzaadri e di affitto.” Sommariga, Matteo. “Contro i grandi proprietari terrieri” [em linha], URL : http://cronologia.leonardo.it/mondo34a.htm, consultado em 25 de abril de 2015.

30 A esse respeito anota Fabiani : “Os camponeses pobres e os assalariados que no período 1919-20 haviam visto mais que outros, na invasão da terra do latifúndio, o único meio para solucionar uma situação que era vista por eles como momentaneamente insustentávavel”, p. 102.

31 Zarconi, Alessandra, “La ripresa del movimento contadino” [em linha], URL : http://mnemonia.altervista.org/antimafia/dopog.php, consultado em 24 de abril de 2015. No original : “Nel corso del 1950 viene approvata la riforma agraria : prevedeva l'eliminazione del latifondo tramite l'espropriazione (su indennizzo) di circa 700 000 ettari nel Mezzogiorno, per la creazione di una piccola proprietà contadina, senza nessuna concessione alle cooperative. Ne deriva un eccessivo frazionamento che determina il fallimento della riforma. Analogamente a quanto era accaduto dopo la sconfitta dei Fasci, anche questa volta la risposta primaria è l'emigrazione, questa volta verso l'Italia Settentrionale”.

32 Ele dizia que “per la richiesta di terre incolte è necessario precisare il luogo ove esistono, se sono veramente incolte, quali sono i confini, il moggiatico”.

33 Nesse sentido Angelo Martino reitera que “quindi quello di Gori Lombardi è un approccio pragmatico alla questione del latifondo. Oltre alle grandi lotte contadine, non disdegnò l’impegno politico nel partito con la volontà di svolgere un ruolo di dirigente, e in questo sogno era sostenuto da Corrado Graziadei e da Enzo Raucci. Come evidenzia Adolfo Villani, era “o período no qual os dirigentes do PCI estavam convencidos que só afrontando o tema da reforma agrária, da relação entre agricultura e indústria, só considerando o papel central dos camponeses meridionais na revolução italiana, se poderia superar os equilíbrios políticos e sociais sobre os quais era baseado o regime fascista”.

34 No original : “a dirigere la sezione agraria della Federazione di Caserta. Infatti Gori Lombardi è l’uomo nel quale la federazione pone fiducia e lui non delude le attese. Nel suo intervento del giorno dell’incarico, tiene un discorso in cui esplicita che “ per la richiesta di terre incolte è necessario precisare il luogo ove esistono, se sono veramente incolte, quali sono i confini, il moggiatico”.

35 Segundo Dina Lida Kinoshita, a FSM foi “criada logo após o fim da II Guerra Mundial, foi concebida à imagem da Organização das Nações Unidas para congregar todas as organizações sindicais numa única organização internacional. Em 1949 várias organizações sindicais do mundo ocidental abandonaram a FSM. O motivo imediato consiste na disputa com relação ao apoio ao Plano Marshall. Na verdade, a grande disputa ocorre em torno da cisão que ocorre devido à Guerra Fria. Em 1949, os social-democratas formam a Confederação Internacional de Organizações Sindicais Livres (CIOSL) que, por sua vez, se funde em 2006 à Confederação Mundial dos Trabalhadores (CMT), formando a maior central sindical, a Central Sindical Internacional (CSI).” In - Organização Comunista na América Latina no pós II Guerra Mundial : Rastros do Comintern.

36 Lama, Luisa, Vincenzo Galetti, [em linha], URL : http://www.comune.bologna.it/storiaamministrativa/people/detail/36352/0, consultado em 24 de abril de 2015.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1 – Lindolfo em evento de apoio a Revolução Cubana.
Légende Acervo : Jornal Novos Rumos, agosto de 1961.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/69678/img-1.png
Fichier image/png, 309k
Titre Imagem 2 – Lyndolpho Silva na conferência de Francisco Julião no Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Santo André, SP, ao lado de Miguel Guinle, diretor do Sindicato, 5/7/1961.
Légende Acervo : Arquivo Lyndolfo Silva/UFRRJ.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/69678/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Imagem 3 – Ilio Bosi. Década de 60.
Légende Acervo L’Unità.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/69678/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Imagem 4 – Galetti em foto do final da década de 1970.
Légende Acervo L’Unità.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/69678/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Imagem 5 – Galetti em conferência da FSM ocorrida entre os dias 14 e 16 de dezembro de 1962.
Légende Acervo L’Unità.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/69678/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 129k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Leonardo Soares dos Santos, « A construção da rede sindical rural entre os PCs de Itália e Brasil (1955-1965) »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 10 octobre 2016, consulté le 14 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/69678 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.69678

Haut de page

Auteur

Leonardo Soares dos Santos

Professor da UFF e UFRJ
Pesquisador do IHJA
leossga@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search