Navegação – Mapa do site
Colóquios | 2018
Registrando la violencia política. Tecnologías, usos y efectos – Coord. Oriana Bernasconi R. y Manuel Gárate
Maria Paula Nascimento Araujo

A construção de acervos áudio visual sobre a violência no Brasil: especificidades teóricas e possibilidades de uso

The construction of violence audio-visual collections in Brazil: theoretical specificities and possibilities of use
[05/10/2018]

Resumos

Este texto apresenta e discute acervos de depoimentos sobre a violência de Estado no Brasil. Tomamos como base acervos produzidos por nosso Núcleo de História Oral e Memória, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Estes acervos cobrem o período da ditadura militar e o contexto democrático As reflexões aqui apresentadas concernem tanto aos pressupostos teóricos e metodológicos de um trabalho que tem por base o registro da violência, como também à contribuição específica que acervos deste tipo aportam para a historiografia e a possibilidade de seu uso para o ensino de história nas escolas. O argumento central do texto é que acervos de depoimentos que registram e denunciam a violência, dando visibilidade às vítimas, podem contribuir não apenas para o conhecimento da história, mas também para o aprofundamento democrático, para a promoção da empatia em relação às vítimas de violência e para a divulgação e valorização de uma cultura baseada nos Direitos Humanos.

Topo da página

Texto integral

1Neste texto pretendo desenvolver algumas questões teóricas e metodológicas a respeito da construção de acervos audiovisuais de depoimentos sobre a violência no Brasil e as possibilidades de uso deste tipo de fonte na história e no ensino da história recente do país. Abordarei dois acervos distintos, mas de certa maneira complementares, que integram o Núcleo de História Oral e Memória da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). São eles: Marcas da Memória e Vozes de Antígona. O primeiro contém depoimentos de pessoas que tiveram suas vidas impactadas pela ditadura militar que vigorou no Brasil entre 1964 e1985. Ou seja, familiares de mortos e desaparecidos; vítimas da ditadura atingidas por prisões, torturas, clandestinidade, exílio; militantes de organizações políticas, de movimentos sociais e de grupos de direitos humanos; membros da Igreja progressista; intelectuais, jornalistas, parlamentares e advogados de presos políticos. O segundo acervo reúne depoimentos de mães e familiares de vítimas da violência de estado, perpetrada principalmente por agentes policias, já em contexto democrático, contra jovens negros, pobres, moradores de periferias e favelas. Estes dois acervos nos mostram que a violência não foi exclusividade da ditadura militar, não pode ser encarada como um passado, mas sim como um elemento da cultura política brasileira, que precisa ser analisado e entendido para ser superado. Trabalhei com minha equipe de alunos de graduação e pós graduação nos dois projetos, que tinham por objetivo recolher depoimentos e organizar acervos audiovisuais com o intuito de promover o registro, a denúncia e a reflexão sobre a violência e as formas de superá-la. Memória, trauma, violência, reparação e justiça eram os principais elementos que buscávamos registrar, denunciar e analisar. O primeiro projeto foi desenvolvido entre 2010 e 2013; o segundo, ainda em curso, foi iniciado em 2017 e tem seu encerramento previsto para 2019. Ambos os projetos foram realizados com a metodologia de História Oral e contaram com parcerias e financiamentos diferentes – da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, da UFRJ e do Cnpq (Conselho Nacional de Pesquisa).

Contextualização da criação dos acervos

  • 1 Estes projetos foram coordenados, respectivamente, pelos professores Maria Paula Araujo, Antônio Mo (...)
  • 2 Grossman, Jonathan, “Violência e Silêncio: reescrevendo o futuro”, Revista de História Oral, n. 3, (...)

2O projeto Marcas da Memória foi uma iniciativa do Ministério da Justiça, coordenada pela Comissão de Anistia, iniciada durante o governo do Presidente Luis Inácio Lula da Silva. O projeto representou uma política de memória implementada pelo governo, com o objetivo envolver a sociedade num debate sobre o passado de violência política vivido durante a ditadura militar. Para tal a Comissão de Anistia convocou pesquisadores e professores universitários que trabalhavam com o tema para constituir um amplo acervo de História Oral. Três universidades federais capitanearam este projeto no Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul1. A ênfase inicial do projeto era enfocar prioritariamente as vítimas da ditadura, mas esta orientação mudou voltando-se também para os testemunhos de militantes políticos e pessoas que haviam participado da luta contra a ditadura. Apesar de reconhecer a enorme importância do registro e da divulgação das falas das vítimas, entendíamos, como historiadores, que era igualmente importante registrar as memórias e os depoimentos das pessoas que não tinham sido propriamente vitimadas pela ditadura, mas tinham lutado contra ela. Tão importante quanto destacar as vítimas produzidas pela violência era, para nós, valorizar o protagonismo da ação política. Como mostrou o historiador sul-africano, o foco nas vítimas coloca o sofrimento no lugar da ação política2. Nossa equipe optou por colocar o sofrimento ao lado da ação política, pois acreditamos que é assim que eles se manifestam, especialmente durante uma ditadura. Com isso o projeto passou a ter uma preocupação maior em delinear, através de depoimentos, um quadro geral da história da ditadura, da violência política, da luta e da resistência contra ela e da transição democrática. Um outro pressuposto teórico e metodológico assumido pela equipe de trabalho dizia respeito à pluralidade. Procuramos fazer com que o acervo abarcasse a pluralidade de experiências de violência, de confronto, de visões e análises políticas vividas no interior das esquerdas e dos movimentos sociais do período; assim como procurasse representar a pluralidade dos grupos de oposição ao regime – das organizações da esquerda armada aos movimentos de direitos humanos, dos partidos comunistas aos grupos da esquerda católica, de intelectuais a parlamentares, dos grupos mais radicais à oposição mais moderada, fugindo assim da perspectiva de uma história única, de um único ponto de vista ou de uma história oficial. O trabalho de coleta, transcrição, organização e análise dos depoimentos, ao longo de mais de três anos, teve como resultado a construção de um acervo áudio visual, cujo catálogo está disponível na internet, que tem servido como base para a produção de livros, artigos, teses e dissertações sobre a história da ditadura militar no Brasil.

  • 3 “Mães de Acari” foi um dos primeiros núcleos de mães de vítimas da violência policial, surgida em 1 (...)

3O projeto Vozes de Antígona, tem por objetivo coletar depoimentos de familiares, em especial mães, de vítimas da violência de estado em contexto democrático no Rio de Janeiro. A maior parte dessas vítimas são jovens negros e pardos, pobres, moradores de favelas e bairros periféricos da cidade. A maior parte das famílias e das mães luta por justiça e reparação. Esta pesquisa é realizada em parceria com diversas organizações, em especial, a Sub Comissão da Verdade na Democracia, batizada “Comissão Mães de Acari3, uma instância da Comissão de Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro que reúne advogados, professores, estudantes e ativistas. Também integram esta parceria a Clínica do Testemunho (organização de psicanalistas que prestam assistência psicológica às vítimas), o Movimento Moleque (que reúne mães de adolescentes e jovens infratores que estejam cumprindo medidas sócio-educativas) e a Rede de Familiares de Vítimas da Violência de Estado. O primeiro e mais importante pressuposto teórico de nossa pesquisa foi encarar essa violência não como “violência policial”, como é comumente apresentada pela imprensa e pela televisão, mas sim como violência de Estado e, portanto, como violência política. Entendemos que essa violência é política porque ela é perpetrada, em grande parte, por agentes institucionais do Estado, em especial por autoridades policiais e militares. Além disso, há uma quase impossibilidade de que as famílias consigam obter reparação e justiça contra os atos de violência cometidos contra elas. Esta quase impossibilidade de reparação e justiça é talvez a maior forma de violência. Uma violência que só é possível porque o Estado e uma grande parte da sociedade desprezam essas vítimas e essas famílias. Ou seja, é uma violência enraizada no racismo e na criminalização da pobreza.

A contribuição de acervos orais para a historiografia

  • 4 Utilizamos a edição argentina do livro. LaCapra, Dominick. Escribir la historia, escribir el trauma(...)
  • 5 LaCapra, op. cit, p. 105.

4O historiador americano Dominick LaCapra considera o trauma como um elemento essencial da história. No livro Writing History, Writing Trauma, LaCapra4 analisa a importância do tema na história contemporânea. Para ele, após o Holocausto, a historiografia teve que incorporar a questão do trauma e, junto com ele, os depoimentos e testemunhos das vítimas e dos sobreviventes. LaCapra salienta também que: la importancia de los testimonios se hace más evidente cuando se piensa en que aportan algo que no es idéntico al conocimiento puramente documental5.

5Partimos dessa colocação de LaCapra para pensarmos qual a contribuição especifica para a historiografia brasileira que nosso acervo de depoimentos poderia dar. Entendemos que essa contribuição diz respeito, principalmente, à possibilidade de conhecer as experiências e os projetos de nossos depoentes e, desta forma, entenderemos mais profundamente o momento histórico em que vivem. Podemos separar experiência e projeto para dar conta da especificidade de cada um dos campos, mas na verdade, eles se interlaçam profundamente. O campo da experiência nos traz o conhecimento das vivências, sentimentos e sensações relatadas pelos depoentes; diz respeito, portanto à subjetividade. A meu ver esta é uma das grandes contribuições da História Oral: ela permite que se tome a subjetividade como um objeto de pesquisa histórica. Sentimentos e emoções são datados. As pessoas experimentam, registram, compartilham e expressam suas emoções inseridas num determinado tempo histórico. As formas como decodificam, demonstram, ocultam ou negam sentimentos e emoções como amor, raiva, medo, dor, desejo, esperanças, frustrações, alegrias são, em alguma medida, modeladas por um tempo histórico – ao mesmo tempo em que ajudam a tecer este mesmo tempo. Por isso são importantes, por exemplo, os depoimentos que nos revelam o medo e a angústia de militantes políticos acuados ou encarcerados, ou o sentimento de profunda impotência e a sensação de humilhação e injustiça de quem sofre o preconceito do racismo e da pobreza. Estes sentimentos revelados nos depoimentos nos falam de um tempo, de uma época, de uma sociedade, de uma configuração de Estado. O campo dos projetos nos mostra como as pessoas tentam enfrentar uma situação de adversidade com a construção de valores, de propostas, projetos, parcerias, códigos comportamentais. Assim como os sentimentos e sensações, as ações humanas com as quais as pessoas respondem e enfrentam uma realidade adversa e autoritária aparecem nos depoimentos orais. Estes depoimentos nos permitem entender os diferentes projetos políticos da esquerda na época, seus valores, os debates em torno das táticas políticas, assim como permite que os historiadores conheçam exemplos de como as famílias pobres, vítimas de violência de estado em contexto democrático, enfrentam essa situação, estabelecendo redes e parcerias com diferentes setores da sociedade e do estado. Os relatos desses sentimentos, emoções, vivências, projetos, propostas, valores configuram o aporte específico de acervos de depoimentos. Gostaríamos de trazer alguns exemplos a partir de trechos de depoimentos dos dois acervos em questão.

A experiência da violência

  • 6 Levi, Primo É isto um homem?, RJ, Editora Rocco, 1988
  • 7 Levi, op.cit. p. 7

6A narrativa do trauma, seja no relato escrito ou no oral, é sempre uma narrativa difícil, marcada tanto pela necessidade quanto pela dificuldade. Podemos tomar como referência o livro de Primo Levi, É isto um homem?6, escrito logo após o fim da Segunda Guerra, no qual Levi descreve sua experiência no campo de concentração. Segundo ele o livro foi escrito movido pela necessidade premente de contar aos outros essa experiência, com a finalidade de liberação interior.7 Mas ao lado dessa necessidade havia também uma imensa dificuldade: muitas vezes as pessoas não queriam escutar ou não queriam acreditar naquele relato. E muitas vezes os próprios sobreviventes duvidavam de que aquilo tinha realmente se passado daquela forma. Essa necessidade de falar e o medo de não se fazer entender/acreditar marca também os relatos traumáticos de quem experimentou a violência de estado em diferentes contextos do Brasil e da América Latina. Encontramos essa dolorosa dualidade nos depoimentos orais de nosso acervo.

7Falar da dor e da angústia provocadas pela violência política é sempre uma enorme dificuldade tanto para aquele que relata como para aquele que registra. Num acervo sobre a história da ditadura militar brasileira estes relatos registram e denunciam a violência da ditadura, mas também nos contam como esta violência foi vivenciada e enfrentada pelas vítimas e pelos opositores da ditadura. Nesse sentido, além do relato direto da dor os depoimentos nos mostram formas de resistência, estratégias de enfrentamento, construção de redes de solidariedade, o empenho no estabelecimento de relações de apoio, afeto, cumplicidade e cuidado. Os relatos que narram a experiência da prisão, da tortura, do exílio, da clandestinidade abrem para o historiador um campo importante de conhecimento acerca da vivencia humana em tempos de arbítrio. Ou seja, estes relatos contribuem para um conhecimento particular da história humana: como homens e mulheres respondem a situações – limites em suas vidas.

8Darei alguns exemplos nesse sentido, reproduzindo trechos de depoimentos do acervo Marcas da Memória.

9Flavia Schilling, uma brasileira exilada no Uruguai, onde se tornou militante do grupo de esquerda Tupamaros, vivenciou a clandestinidade e a prisão no Uruguai. Em seu depoimento ela nos fala destas duas experiências. Sobre a clandestinidade:

  • 8 Depoimento de Flávia Schilling concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no (...)

A clandestinidade é a tua morte social, é uma situação que até hoje eu não gosto de lembrar, porque é um tempo em que você não vive socialmente, é um tempo em branco, um espaço vazio. É de uma inutilidade, de uma brutalidade...A clandestinidade realmente é um momento terrível, porque você não faz nada, você só se esconde, você não existe...8

10Maria José Nahas, a Zezé, militante da organização armada COLINA (Comando de Libertação Nacional) enfatiza o sofrimento do isolamento:

  • 9 Depoimento de Maria José Nahas (Zezé) concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Ani (...)

Na cela de castigo, na surda da penitenciária, eu fiquei cinco meses ali, isolada. Cinco meses completamente isolada. Só saía dali para fazer depoimento. O próprio diretor da penitenciária falou ‘Não, ela aguenta isso! Ela teve treinamento em Cuba.’ Aí começa a fantasia. Porque ainda não tinha acontecido isso, uma pessoa ficar cinco meses lá e não enlouquecer né?!9

11Ivan Seixas, militante de organização armada, preso com 16 anos de idade junto com seu pai, narra sua experiência de confronto com a tortura:

  • 10 Depoimento de Ivan Seixas concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Bras (...)

Porque na tortura, uma coisa muito importante de dizer, não tem valente, não tem covarde. Tem o bom e o mau administrador do medo, porque o medo todo mundo sente. Ninguém tá preparado pra ser torturado, ninguém tem controle absoluto. O que tem é controle do medo, então se eu tenho um bom controle do medo, eu percebo que eu tenho a informação. Eles podem me matar, mas se eles me matarem eles perdem a fonte que, possivelmente, vá fornecer informação. É um jogo que você tem que, minimamente, dominar. Você tem que entender que isso daí é o seu capital. 10

12Ivan sobreviveu, seu pai morreu sob tortura.

13Mas os depoimentos também nos fazem conhecer o enorme esforço de manter uma rotina de vida saudável e positiva na prisão: falam de grupos de estudo, práticas de atividades físicas, enfeites das celas, leituras. Recorro mais uma vez ao depoimento de Flávia Schilling, em dois trechos em que nos fala de cotidiano prisional.

  • 11 Depoimento de Flávia Schilling concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no (...)

Meus pais me mandaram um livro de yoga, imagina um livro de yoga,! e eu lá decifrando as posições, eu fazia yoga mais de uma hora de manhã, mais uma de tarde. A questão da respiração foi fantástica para mim.11

14Flávia também fala do esforço das presas em enfeitar a cela com coisas bonitas, alegres e coloridas que as famílias traziam nas visitas quinzenais:

  • 12 Idem

Outra coisa por exemplo era: enfeitar a cela com coisas coloridas. Eu lembro de uma colcha absurdamente colorida. Também alguma foto, enfim, um enfeite, né? Era um ambiente muito menor que essa sala., mas a gente enfeitava a cela, a gente realmente se apropriava do espaço, tentava mudar o tempo todo, bem naquele sentido da resistência, de Foucault.12

15Nesta mesma direção reproduzo também um trecho do depoimento de um ex-preso político, Alberto Schprejer:

  • 13 Depoimento de Alberto Schprejer concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia n (...)

Uma coisa muito importante na minha vida, eu li o “Grande Sertão: Veredas” na prisão. Todo o tempo do mundo para ler! E foi muito importante porque eu descobri o que era a literatura. Eu lia livros, mas não imaginava o que um livro podia fazer com uma pessoa que, no caso, estava presa e que lendo “Grande Sertão: Veredas” estava num mundo livre, correndo naquelas guerras, entre Diadorim e Riobaldo. E a coisa era tão forte que um dos meus maiores sofrimentos dessa época era o livro ficando fino. (...) Acabando. Eu falava: ‘E agora? Pode ter outro livro, mas eu não quero que acabe esse’.13

16Alberto Schprejer atualmente é um editor. Sua editora é especializada em Ciências Humanas e Sociais.

  • 14 Operação policial que verifica a documentação de carros considerados suspeitos.
  • 15 Depoimento de Jorge Roberto, concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 18 de outubro de 2017.
    Ace (...)

17O acervo Vozes de Antígona nos mostra um outro panorama de experiências e projetos. A violência e a dor que aparecem nos depoimentos deste acervo nos falam da vivência da discriminação, da marginalização, do racismo; nos falam também de uma dor que é invisibilizada e da dificuldade em obter justiça e reparação pela violência sofrida. Jorge Roberto fala da morte de seu filho, com 16 anos, que estava indo com amigos de carro comemorar seu primeiro emprego. Passaram por uma blitz policial14, os policiais deram ordem de parada e logo em seguida metralharam o carro por considerar que um veículo com cinco jovens negros seria necessariamente um carro de bandidos. Eram todos jovens entre 16 e 18 anos. Foram 111 tiros. O pai declara emocionado: Eles executaram os garotos por racismo. Só porque eles eram negros. Eles obedeceram a ordem de parada e foram executados, pela quantidade de tiro15.

  • 16 Depoimento de Márcia Jacinto concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de agosto de 2017. Acer (...)

18As trajetórias de vida das mães e pais de vítimas da violência de estado são inteiramente marcadas pelo evento da violência. Em busca de justiça e reparação as famílias transformam suas vidas: organizam-se em coletivos regionais e nacionais, mobilizam instâncias jurídicas, recorrem ao Ministério Público, demandam audiências públicas, organizam feiras para obter fundos, estabelecem pontes de apoio com sindicatos e movimentos sociais, participam de eventos nacionais e internacionais sobre o tema, recorrem à mídia. Os familiares comparecem a todos os eventos com camisetas com as fotos de seus filhos estampada. Além de justiça e reparação muitos familiares lutam para limpar a honra do filho. É o caso de Márcia Jacinto, uma das poucas mães que obteve sucesso nesta empreitada. Márcia conseguiu provar a inocência de seu filho, morto pela Polícia Militar do Rio de Janeiro, também aos 16 anos. Ela instaurou e venceu um processo judicial e dois policiais foram condenados e expulsos da Policia Militar. Seu filho Hanry foi inocentado e reconhecido como cidadão e estudante. Para Márcia essa era uma questão fundamental, romper o estigma da pobreza identificada com o crime: Para mim era questão de honra, não só botar eles (os policiais) no banco de réu e ver eles pagando pelo que fizeram, mas limpar o nome do meu filho, isso eu consegui16

19Um elemento dos mais significativos que todos os depoimentos ressaltam, e que nós já mencionamos neste texto, é a importância da organização e da articulação das redes de mães e pais das vítimas.

20A inspiração para esta rede veio das Mães de Acari organização que surgiu em 1990 com o objetivo de obter informações sobre o desaparecimento de 11 jovens da favela carioca de Acari que, segundo testemunhas, tinham sido levados por policiais militares. Seus corpos nunca foram encontrados. As mães desses jovens iniciaram um movimento de busca por seus filhos que se transformou num movimento por justiça. Foram à imprensa, rádio e televisão, mas não obtiveram nenhuma informação e tampouco justiça. Vinte e oito anos depois, a maioria das mães de Acari já morreu e nenhum passo foi dado para atender suas demandas. No início do milênio a articulação entre mães de vítimas ganhou novo impulso, especialmente 2005 e 2006, em dois momentos que são lembrados por Márcia Jacinto. Em 2005 a realização do Fórum Social Internacional foi um marco para diversas organizações da sociedade civil se conectarem entre si. Em 2006 foi criado o Movimento Mães de Maio, na capital paulista, impulsionado pela terrível chacina ocorrida naquele mês em São Paulo. Segundo o Relatório da Comissão Especial “Crimes de Maio”, criada pela Secretaria de Direitos Humanos em 2010 para apurar os fatos, a chacina foi uma resposta a uma série de ações do crime organizado que orquestrou rebeliões em presídios e ataques a delegacias e postos policiais. Estes atos foram atribuídos à organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Ainda segundo o Relatório

A polícia então promoveu uma “onda de resposta” a esses ataques. Este “revide”, perpetrado por agentes estatais e grupos de extermínio, foi marcado pela violência exacerbada, execuções sumárias, chacinas, centenas de homicídios e diversos desaparecimentos17 .

21O Relatório também menciona que, apesar de não haver estatísticas oficiais sobre o número de atingidos, com base em boletins de ocorrência e laudos periciais de mortes causadas por armas de fogo, chegou-se a um universo de 564 mortos e 110 feridos. O Relatório também apresenta o perfil das vítimas, sendo a maioria de homens jovens, negros e pardos, pobres e primários (ou seja, sem passagem anterior pela policia). O Movimento Mães de Maio, formado por familiares das vítimas da chacina, foi criado em resposta a esta violência com as demandas de justiça e responsabilização dos agentes policiais responsáveis. Esta organização foi um impulso importante para a criação de outras organizações do mesmo tipo em todo Brasil.

22Esta rede variada de familiares e mães de vítimas da violência atua no suporte aos novos familiares e às novas mães que, a todo momento, enfrentam perda e luto. As associações se multiplicam e se proliferam nos bairros populares e nas favelas cariocas. Fátima Pinho, que teve o filho morto por policiais, faz parte do grupo “Mães de Manguinhos” (bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro que abriga várias favelas). São esses grupos e essas redes que sustentam emocionalmente e politicamente as famílias.

  • 18 Justiça Global é uma organização não governamental de defesa dos direitos humanos.
  • 19 Depoimento de Fátima Pinho concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de maio de 2017. Acervo d (...)

Aí eu conheci a Rede, conheci as Mães de Maio, a Justiça Global18 e outras pessoas. Aí se formaram as Mães de Manguinhos, (...) as mães que perderam os filhos. Só que tem outras mães que perderam os filhos, mas nem todas caíram pra luta, né? Porque muitas têm medo, muitas foram ameaçadas, muitas estão com problema de saúde. Eu também tenho problema de saúde muito sério, mas mesmo assim eu vou me arrastando.(...) 19

  • 20 Idem.

23A partir do apoio recebido as mães que ingressam na rede passam a apoiar as novas mães que surgem na estatística macabra da violência policial que só faz crescer nos bairros pobres do Rio de Janeiro. Fátima reforça: a gente vai lá e dá apoio, uma palavra de conforto, pra ela não desistir do filho dela... independente do que o filho dela era ou que foi, eles não tem direito de matar20.

  • 21 Depoimento de Janaína Mattos, concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de maio de 2018. Acerv (...)

24Mães de Acari, Mães de Maio, Mães de Manguinhos, Mães do Borel, Mães da Baixada – mães de favelas e bairros populares do Rio, de São Paulo e de vários estados do Brasil. E do mundo. Em maio de 2018 foi realizado na Universidade Federal da Bahia, em Salvador, o III Encontro Internacional de Mães de Vítimas da Violência do Estado reunindo um amplo conjunto de organizações de familiares de vítimas e de grupos de direitos humanos – do Rio, São Paulo, Espírito Santo, Belém, Manaus, e também dos Estados Unidos, da Colômbia, do México. Janaína Mattos, integrante das “Mães do Boréu” participou do Encontro na Bahia e em seu depoimento comenta que as mães de vítimas norte americanas eram mulheres negras, mães de jovens negros e que isso estabelecia uma ligação forte com as mães brasileiras21. Uma rede de dor, de vulnerabilidade à violência e ao racismo liga essas mulheres do Rio, do Brasil e de outras partes do mundo.

A contribuição dos acervos orais para além da pesquisa histórica

25Acredito que este tipo de acervos orais que registram e denunciam a violência podem contribuir para o aprofundamento da democracia na medida exatamente em que o registro e a denúncia podem ajudar na proteção e suporte das vítimas e de seus familiares. Os acervos são importantes também porque dão voz e visibilidade a dor de homens e mulheres em condições de fragilidade frente ao poder. O registro dos depoimentos pode também ajudar na revelação da verdade factual, nos casos em que o depoimento é também um testemunho. O acervo Marcas da Memória, marcadamente político, estabeleceu conexões e trocas com a Comissão Nacional da Verdade. Já o acervo Vozes de Antígona contribui para dar visibilidade à violência contra jovens pobres e negros e pode amplificar a voz das mães e dos familiares.

26Penso também que acervos deste tipo podem contribuir para o ensino e formação de jovens nas escolas, centros culturais e museus. Um acervo áudio visual sobre a violência pode ser também divulgado e trabalhado por professores do ensino fundamental e médio (especialmente o ensino médio, voltado para adolescentes e jovens adultos). Estes depoimentos podem ser trabalhados em sala de aula com o objetivo de criar justamente uma postura de condenação à violência e de respeito aos direitos humanos. O objetivo deste trabalho de divulgação e reflexão sobre os depoimentos é criar empatia com a dor da vítima procurando assim ampliar e consolidar uma cultura baseada na solidariedade, na tolerância às diferenças, na valorização do diálogo e na defesa dos direitos humanos como um valor universal.

27Finalizando este texto eu gostaria de afirmar um ponto de vista sobre a pesquisa histórica e sobre a criação de acervos áudio visuais que registram a violência de estado. A riqueza destes acervos está justamente na força dos depoimentos e no conhecimento que eles aportam. Os depoimentos permitem uma compreensão da história diferente, eu diria que é uma compreensão humanista da história, que coloca em destaque as experiências de vida e as reflexões de homens e mulheres no enfrentamento da violência e do trauma político. Nesse sentido eles ajudam a que se compreenda com empatia esta experiência; uma empatia que, a meu ver, é fundamental para a consolidação de uma cultura de respeito aos direitos humanos e de rejeição à violência. Este é o papel histórico e político de acervos deste tipo.

Topo da página

Bibliografia

Araujo, Maria Paula; Montenegro, Antonio; Rodeghero, Carla (Orgs) Marcas da Memória: história oral da anistia no Brasil, Recife, Editora da UFPE, 2012

Grossman, Jonathan, “Violência e Silêncio: reescrevendo o futuro”, Revista de História Oral, n. 3, junho de 2000, p. 7-24.

LaCapra, Dominick. Escribir la historia, escribir el trauma, Buenos Aires, Nueva Visión, 2005.

Levi, Primo É isto um homem?, RJ, Editora Rocco, 1988

Relatório da Comissão Especial “Crimes de Maio”, p. 2. Disponível em: www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao

Fontes primárias:

Acervos de Depoimentos do Núcleo de História Oral e Memória do Laboratório de Estudos do Tempo Presente/ Instituto de História/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ):

Marcas da Memória

Vozes de Antígona

Topo da página

Notas

1 Estes projetos foram coordenados, respectivamente, pelos professores Maria Paula Araujo, Antônio Montenegro e Carla Rodeghero e resultaram no livro Araujo; Montenegro e Rodeghero (Orgs.) Marcas da memória: história oral da anistia no Brasil. Recife, Editora da UFPE, 2012

2 Grossman, Jonathan, “Violência e Silêncio: reescrevendo o futuro”, Revista de História Oral, n. 3, junho de 2000, p. 18.

3 “Mães de Acari” foi um dos primeiros núcleos de mães de vítimas da violência policial, surgida em 1990. Falaremos mais sobre esta associação no decorrer do texto.

4 Utilizamos a edição argentina do livro. LaCapra, Dominick. Escribir la historia, escribir el trauma, Buenos Aires, Nueva Visión, 2005.

5 LaCapra, op. cit, p. 105.

6 Levi, Primo É isto um homem?, RJ, Editora Rocco, 1988

7 Levi, op.cit. p. 7

8 Depoimento de Flávia Schilling concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil” (Equipe do Rio de Janeiro – UFRJ). São Paulo, 18 de julho de 2011. Acervo do Núcleo de História Oral e Memória/UFRJ

9 Depoimento de Maria José Nahas (Zezé) concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil” (Equipe do Rio de Janeiro – UFRJ). Belo Horizonte, 27 de novembro de 2011. Acervo do Núcleo de História Oral e Memória/UFRJ

10 Depoimento de Ivan Seixas concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil” (Equipe do Rio de Janeiro – UFRJ). São Paulo, 27 de janeiro de 2012. Acervo do Núcleo de História Oral e Memória /UFRJ

11 Depoimento de Flávia Schilling concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil” (Equipe do Rio de Janeiro – UFRJ). São Paulo, 18 de julho de 2011. Acervo de Núcleo de História Oral e Memória/ UFRJ

12 Idem

13 Depoimento de Alberto Schprejer concedido ao projeto “Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil” (Equipe do Rio de Janeiro – UFRJ). Rio de Janeiro, 2 de maio de 2013. Acervo de Núcleo de História Oral e Memória da UFRJ

14 Operação policial que verifica a documentação de carros considerados suspeitos.

15 Depoimento de Jorge Roberto, concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 18 de outubro de 2017.
Acervo de Núcleo de História Oral e Memória da UFRJ

16 Depoimento de Márcia Jacinto concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de agosto de 2017. Acervo de Núcleo de História Oral e Memória da UFRJ

17 Relatório da Comissão Especial “Crimes de Maio”, p. 2. Disponível em www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao

18 Justiça Global é uma organização não governamental de defesa dos direitos humanos.

19 Depoimento de Fátima Pinho concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de maio de 2017. Acervo de Núcleo de História Oral e Memória da UFRJ

20 Idem.

21 Depoimento de Janaína Mattos, concedido ao projeto “Vozes de Antígona” em 23 de maio de 2018. Acervo de Núcleo de História Oral e Memória da UFRJ

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Maria Paula Nascimento Araujo, « A construção de acervos áudio visual sobre a violência no Brasil: especificidades teóricas e possibilidades de uso », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [Online], Colóquios, posto online no dia 05 outubro 2018, consultado o 26 agosto 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/72777 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.72777

Topo da página

Autor

Maria Paula Nascimento Araujo

Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
mp-araujo@uol.com.br

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Topo da página