Navigation – Plan du site
Enfermería e historia: Género y Estado en América Latina Siglo XX – Coord. par María Soledad Zárate Campos
Ana Paula Korndörfer

A Fundação Rockefeller e a formação de quadros para a enfermagem (Brasil: 1917-1951)

The Rockefeller Foundation and the training of cadres for nursing (Brazil: 1917-1951)
[08/10/2019]

Résumés

A Fundação Rockefeller (FR), instituição filantrópica norte-americana, teve, no plano mundial, uma importante atuação na concessão de bolsas de estudos para a ciência médica e a saúde pública. Nossa proposta, neste texto, é discutir a atuação da Fundação na formação de quadros para a saúde pública e, em especial, para a enfermagem brasileira recorrendo, principalmente, ao método prosopográfico. A partir de informações disponíveis em diretório de bolsistas da instituição, sabemos que, entre 1917 e 1951, 28 profissionais residentes no Brasil receberam 31 bolsas para realizar estudos na área da enfermagem. A análise toma por objeto estas 28 bolsistas, destacando o processo de sua seleção por parte da instituição norte-americana e seu perfil social, bem como a formação que receberam. Assume-se que o objetivo da concessão de bolsas era a formação de pessoal para atuar ulteriormente em posições estratégicas em agências de saúde oficiais ou como diretores e/ou professores em escolas de higiene, saúde pública e/ou enfermagem nos países de origem e, desta maneira, determinar orientações institucionais e prioridades, refletindo algumas das ideias e práticas apoiadas e valorizadas pela Fundação Rockefeller e com as quais haviam se familiarizado durante o período de estudos.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Catherine Barkley em Hemingway, Ernest, Adeus às armas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2013, p. 4 (...)

“Uma enfermeira é como um médico. Tem que estudar muito”.1

1Entre 1917 e 1951, 88 pesquisadores e profissionais ligados a instituições e/ou departamentos governamentais brasileiros receberam 92 bolsas da Divisão Internacional de Saúde – International Health Division (IHD) – da Fundação Rockefeller (FR) para realizar estudos, no Brasil e no exterior, nas áreas de saúde pública, enfermagem, medicina e ciências biológicas. Através da concessão de bolsas de estudos, a instituição filantrópica norte-americana objetivava a formação de homens e mulheres para atuarem em posições estratégicas em agências de saúde oficiais ou como diretores e/ou professores em escolas de higiene, saúde pública e enfermagem. Através da ocupação de cargos de chefia em instituições e/ou departamentos governamentais em seus países de origem, os bolsistas podiam determinar orientações institucionais e prioridades, refletindo algumas das ideias e práticas com as quais haviam se familiarizado durante o período de estudos.

  • 2 Este projeto de pesquisa, desenvolvido junto ao Programa de Pós-graduação em História da Universida (...)
  • 3 Chegamos ao número de bolsistas aqui indicado a partir da análise dos dados disponíveis em The Rock (...)
  • 4 Receberam bolsas da IHD/FR para estudar enfermagem Glete de Alcântara, Célia Peixoto Alves, Zulema (...)

2O projeto “Filantropia e cooperação científica internacional: a Fundação Rockefeller e a formação de altos funcionários para a saúde pública no Brasil (1917-1951)”2, ainda em desenvolvimento, objetiva analisar a atuação da Rockefeller na formação de quadros em saúde pública, nas primeiras décadas do século XX, através, principalmente, da distribuição de bolsas de estudos, meio pelo qual a instituição norte-americana buscava difundir ideias e modelos, e sua relação com o desenvolvimento de instituições e políticas de saúde pública no Brasil. Através da realização de estudo prosopográfico que toma por objeto os 88 bolsistas brasileiros3 da International Health Division da Fundação Rockefeller, entre 1917 e 1951, é possível discutir, entre outros aspectos, o processo de seleção destes bolsistas por parte da Fundação, o perfil dos bolsistas, a formação que receberam através das bolsas, bem como a trajetória profissional dos mesmos, levando-se em consideração os objetivos das bolsas acima indicados. Neste texto, discutiremos brevemente a atuação da Fundação Rockefeller na formação de profissionais para a saúde pública e apresentaremos alguns dados sobre o perfil das 28 bolsistas de enfermagem4 e a formação que receberam através das bolsas.

  • 5 Farley, John, To cast out disease: a history of the International Health Division of the Rockefelle (...)
  • 6 Birn, Anne-Emanuelle, Marriage of convenience: Rockefeller International Health and revolutionary M (...)

3Segundo John Farley5, antes da fundação da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1948, a International Health Division foi, provavelmente, a agência de atuação em saúde pública mais importante do mundo. No mesmo sentido, Anne-Emanuelle Birn6 afirma que, durante a primeira metade do século XX, nenhuma agência teve tanto alcance ou foi tão ativa na promoção da saúde pública internacional quanto a Fundação Rockefeller.

  • 7 Faria, Lina, Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro (...)
  • 8 Marinho, Maria Gabriela S. M. C., Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller (...)
  • 9 Ibid., p. 14.

4A Fundação, instituição filantrópica norte-americana, é definida, por Lina Faria, de maneira geral, como uma “organização beneficente, não governamental, que utiliza recursos próprios para financiar atividades de bem-estar social em vários países do mundo”7. Maria Gabriela Marinho afirma que a Fundação “[...] encontra-se no cerne do processo que gerou e constituiu o campo de atuação do que posteriormente foi caracterizado como filantropia científica”8, entendida como a destinação de recursos privados para a produção de conhecimento científico9. A Fundação foi criada em 1913 com o objetivo de incorporar, em uma única organização, instituições pertencentes à família Rockefeller como a General Education Board e a Sanitary Commission for the Eradication of Hookworm Disease. As ações da família Rockefeller na área da saúde remontam a 1909, ano em que foi criada a Sanitary Commission, comissão cujo objetivo era o combate à ancilostomíase em estados do sul dos Estados Unidos.

  • 10 Farley, To cast…, cit., p. 2; Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 9.

5A Divisão Internacional de Saúde foi criada em 1913 com o objetivo de estender o trabalho de combate à ancilostomíase da Sanitary Commission para outros países. A Divisão chamou-se International Health Commission (IHC) entre 1913 e 1916, International Health Board (IHB) entre 1916 e 1927 e International Health Division (IHD) entre 1927 e 1951 e, ao encerrar as suas atividades em 1951, havia estado presente em mais de 80 países do mundo, incluindo todos os países da América do Sul. Entre 1913 e 1951, a International Health Division havia atuado no combate à ancilostomíase, à febre amarela e à malária e em outras campanhas de saúde pública no sul dos Estados Unidos e em quase uma centena de outros países ao redor do mundo. Durante o mesmo período, a IHD fundou uma série de escolas de saúde pública na América do Norte, Europa, Ásia e Brasil e distribuiu milhares de bolsas de estudos para profissionais da saúde10.

  • 11 Faria, Lina; Costa, Maria Conceição da, “Cooperação Científica Internacional: Estilos de Atuação da (...)
  • 12 Ibid. p. 164-165; Faria, Saúde..., cit., p. 80-81.

6Entre as décadas de 1920 e 1960, a Fundação ajudou a “[...] construir e implantar uma extensa rede de instituições científicas que propiciaram a difusão e a consolidação de um modelo de ciência. Neste sentido, é correto afirmar que a atuação da Rockefeller pode ser vista como decisiva na institucionalização da ciência em escala mundial”.11 A Fundação atuou, com recursos técnicos e/ou financeiros, na criação de faculdades médicas; de novas disciplinas nas áreas de patologia, anatomia, histologia e microbiologia; de institutos de higiene e escolas de saúde pública e enfermagem para a formação de profissionais na área da saúde. A London School of Hygiene (Inglaterra), a Peking Union Medical College (China), a Escola de Cirurgia e Medicina de Havana (Cuba), o Instituto de Higiene de São Paulo (Brasil) e a Escola de Enfermagem Anna Nery (Brasil), que aqui nos interessa particularmente, são alguns exemplos deste campo de atuação da instituição12.

  • 13 Ibid. p. 163-164; Faria, Saúde..., cit., p. 79.

7A possibilidade de treinamento no exterior a partir da concessão de bolsas de estudos foi um aspecto importante da dimensão científica da atuação da Rockefeller. A Fundação teve, no plano mundial, uma atuação pioneira na concessão de bolsas de estudos para a ciência médica e a saúde pública13.

  • 14 Birn, Marriage of convenience…, cit.
  • 15 Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 197.

8Para Wickliffe Rose, Diretor da IHD entre 1913 e 1923, a educação profissional era um componente essencial para o avanço da saúde pública em âmbito internacional. Na concepção de Rose, um seleto grupo de especialistas em saúde pública difundiria o conhecimento adquirido em seus respectivos países através da pesquisa, da administração e do ensino. Na interpretação de Anne-Emanuelle Birn14, esta abordagem não apenas economizaria recursos financeiros, permitindo que a Fundação implementasse programas em um número maior de lugares, como também os bolsistas internacionais estariam em melhor posição com relação aos representantes da Fundação Rockefeller para disseminar, de maneira relevante, teorias, práticas e valores para pesquisadores, agências governamentais, comunidades profissionais e o público em geral. Tendo estabelecido laços com universidades de ponta dos Estados Unidos (como Harvard, Yale e Johns Hopkins), os bolsistas, ao retornarem aos seus países de origem, manteriam uma relação com as instituições e ideias norte-americanas durante suas trajetórias profissionais. Ainda segundo Birn, entre as “eventuais” vantagens da distribuição de bolsas de estudos estariam o desenvolvimento de relações com líderes e futuros líderes de outros países e o intercâmbio científico internacional.15

9Segundo Marcos Cueto e Steven Palmer,

  • 16 Cueto, Marcos; Palmer, Steven, Medicina e Saúde Pública na América Latina: uma história, Rio de Jan (...)

supunha-se que os beneficiários dos auxílios concedidos, uma vez de volta para casa, reproduziriam o modelo norte-americano de educação médica, saúde pública e pesquisa científica (quase sempre tomando como protótipo a Universidade Johns Hopkins, não apenas o modelo no qual muitas escolas dos Estados Unidos se atualizavam, mas também a instituição onde muitos bolsistas latino-americanos se formavam).16

10Um resultado dessas bolsas era, segundo os pesquisadores, o aumento da influência dos Estados Unidos em relação a França e Alemanha, considerados por alguns a Meca dos estudos médicos.

  • 17 Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 201.
  • 18 Ibid., p. 215.

11Através da concessão de bolsas de estudos, a FR objetivava a formação de pessoal para atuar em posições estratégicas em agências de saúde oficiais ou como diretores e/ou professores em escolas de higiene, saúde pública e enfermagem. Através da ocupação de cargos de chefia em instituições e departamentos governamentais em seus países de origem, os bolsistas podiam determinar orientações institucionais e prioridades, refletindo algumas das ideias e práticas com as quais haviam se familiarizado durante o período de estudos. Neste sentido, como bem destaca Birn, os bolsistas eram profissionais transnacionais, movendo ideias e práticas através das fronteiras. A influência direta ou indireta dos bolsistas poderia ser sentida por muitas décadas, pois estes, além de orientarem o trabalho em instituições e/ou departamentos de saúde, eram também, muitas vezes, professores em seus países, influenciando, desta maneira, outras gerações de funcionários da saúde pública17. Através dos bolsistas, a Fundação e, no caso específico de nosso estudo, a International Health Division, poderia ter um efeito duradouro na teoria e na prática de saúde pública nos diversos países e regiões em que atuava18.

12O Brasil recebeu apoio técnico e financeiro da International Health Division da Fundação Rockefeller na formação de quadros através de instituições, como a Escola de Enfermagem Anna Nery – EEAN, por exemplo, e se beneficiou de um elevado número de bolsas de estudos.

  • 19 Faria, Saúde..., cit., p. 18.
  • 20 Ibid.; Löwy, Ilana, Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e polít (...)
  • 21 Korndörfer, Ana Paula, “An international problem of serious proportions”: A cooperação entre a Fund (...)

13Dezenas de países contaram com a cooperação da Fundação Rockefeller, mas, segundo autores como Lina Faria, “o Brasil foi o país do continente americano no qual a Rockefeller investiu maior soma de capitais. De cerca de 13 milhões de dólares, aplicados em programas sanitários e de educação em países deste continente, sete milhões foram direcionados para o desenvolvimento do ensino médico, de pesquisas científicas e campanhas sanitárias no Brasil”19. Para exemplificar, a Fundação atuou, no país, no combate à ancilostomíase (1916-1923), à malária (1919-1928) e à febre amarela (1923-1940). No que se refere especificamente às bolsas de estudos, vários são os autores que destacam o elevado número destas concedidas pela Fundação Rockefeller ao Brasil no contexto latino-americano20. A análise das informações contidas em um diretório de bolsistas da FR entre 1917 e 1970 The Rockefeller Foundation. Directory of Fellowships and Scholarships (1917-1970). Nova York: The Rockefeller Foundation, 1972 – indica, porém, que o número de bolsas concedidas pela IHD ao Brasil foi significativo não apenas no contexto latino-americano, mas no contexto geral: do total de 2.056 bolsas distribuídas pela IHD a profissionais de mais de 80 países entre 1917 e 1951, 92 bolsas (4,4%) foram concedidas a profissionais que atuavam no país21.

  • 22 Ibid.

14Este número pode, à primeira vista, parecer pequeno, o que torna necessária aqui uma observação. Do total de 2.056 bolsas, distribuídas entre 1.990 bolsistas (64 bolsistas receberam duas bolsas cada um e um recebeu três), 622 (30,2%) foram concedidas a profissionais que atuavam nos Estados Unidos; 207 (10%), a profissionais que atuavam no Canadá e 114 (5,5%), a profissionais que atuavam na Índia. O Brasil, com suas 92 bolsas (4,4%), ocupou o quarto lugar em uma lista composta, recordemos, por mais de 80 países. Somadas as bolsas recebidas por profissionais que atuavam nos Estados Unidos, no Canadá, na Índia e no Brasil, obteremos um total de 1.035 bolsas distribuídas a profissionais que atuavam em quatro países, ou seja, mais da metade das bolsas (50,1%). O México, segundo país latino-americano em número de bolsas concedidas pela International Health Division, ocupou o 6º lugar na tabela geral, com 68 bolsas (3,3%), seguido pela Venezuela, em 8º, com 44 bolsas (2,1%)22.

  • 23 Castro Santos, Luiz Antonio de; Faria, Lina, “A cooperação internacional e a enfermagem de saúde pú (...)

15Luiz Antonio de Castro Santos e Lina Faria afirmam que, se houve efeitos positivos e duradouros da ação da Fundação Rockefeller no Brasil, estes efeitos se concentraram, principalmente, “no assentamento das raízes da educação médica e das profissões de saúde”. Segundo os autores, “as origens da profissionalização médica, sanitarista e da enfermagem em saúde pública [...] estão fortemente associadas aos trabalhos desta instituição no Brasil”23.

16O primeiro profissional que atuava no Brasil a receber uma bolsa de estudos da International Health Division foi Carlos Pinheiro Chagas em 1917. Depois dele, outros 87 indivíduos ligados a instituições e/ou departamentos governamentais do país receberam, entre 1917 e 1951, bolsas da IHD, totalizando 88 bolsistas que receberam 92 bolsas, uma vez que quatro bolsistas (Nuno Guerner, Edith Fraenkel, Zilda Almeida Carvalho Hughes e Alayde Borges Carneiro Paraense) receberam duas bolsas cada um.

  • 24 Para uma maior discussão sobre a prosopografia, ver também Stone, Lawrence, “Prosopografia”, Revist (...)

17Mas, apesar do número significativo de bolsistas brasileiros da IHD da Fundação Rockefeller, não há estudos específicos sobre este aspecto da cooperação, sobre estes bolsistas e sobre o impacto, a influência que exerceram sobre as instituições e/ou agências governamentais onde atuaram e, consequentemente, sobre as políticas de saúde pública desenvolvidas no país, o que buscamos realizar através do estudo prosopográfico24 que toma por objeto os bolsistas brasileiros da International Health Division, entre 1917 e 1951. Segundo Christophe Charle, o princípio da prosopografia ou biografia coletiva é simples, consistindo em

  • 25 Charle, Christophe, “A prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas”, in Flávio Hein (...)

[...] definir uma população a partir de um ou vários critérios e estabelecer, a partir dela, um questionário biográfico cujos diferentes critérios e variáveis servirão à descrição de sua dinâmica social, privada, pública, ou mesmo cultural, ideológica ou política, segundo a população e o questionário em análise. [...] Uma vez reunida a documentação, e esta é a parte mais longa do trabalho, o exame dos dados pode recorrer a técnicas múltiplas, quantitativas, contagens manuais ou informatizadas, quadros estatísticos ou análises fatoriais, segundo a riqueza ou a sofisticação do questionário e das fontes.25

18Neste texto, como já afirmamos, apresentaremos alguns dados sobre o perfil das 28 bolsistas de enfermagem e a formação que receberam através das bolsas. Antes, porém, de passarmos a esta análise, será importante discutirmos qual era, segundo a própria Fundação Rockefeller, o perfil desejável dos bolsistas da International Health Division.

  • 26 Information concerning fellowships awarded by the International Health Board of the Rockefeller Fou (...)

19Em documento de junho de 1924, intitulado Information concerning fellowships awarded by the International Health Board of the Rockefeller Foundation26, o escritório da Fundação em Nova York estabelecia que

  • 27 Information concerning, 1924, p. 1.

Fellowships granted by the International Health Board are designed to meet definite needs in public health service. They are granted only to persons carefully selected for the work that needs to be done and with the understanding that the persons receiving them will, on the completion of their training, be appointed to important positions in the official health services of their own country or in schools of hygiene27.

  • 28 Os objetivos do programa de bolsas da Fundação são expressos, também, em History of the Fellowship (...)
  • 29 Information concerning, 1924.

20A FR objetivava, como já apontamos, a formação de pessoal para atuar, em seus países de origem, em posições estratégicas em agências de saúde oficiais ou como diretores e/ou professores em escolas de higiene, saúde pública e enfermagem.28 Entre as exigências para concorrer a uma bolsa estavam alta qualificação profissional e científica, bem como confiabilidade e qualidades de liderança. As bolsas seriam distribuídas, preferencialmente, a candidatos com menos de 35 anos. A seleção preliminar era realizada pelos representantes locais da FR, em acordo com as autoridades oficiais de saúde. As inscrições e a documentação exigida eram, então, enviadas ao escritório em Nova York para a decisão final. A documentação incluía histórico pessoal em formulário a ser fornecido pela Fundação, exame médico realizado por profissional confiável, uma declaração de cursos especiais em medicina, ciências e saúde pública realizados pelo candidato, uma lista de suas publicações sobre temas médicos e científicos, uma declaração de sua experiência profissional desde o doutoramento (no original, “since receiving the doctorate”), bem como uma declaração de assuntos que o candidato desejava estudar a partir da bolsa. Ou seja, o candidato já deveria ter concluído a educação formal. As bolsas podiam ter duração variada, não ultrapassando um ano. Prorrogações e extensões estavam condicionadas a um histórico satisfatório e recomendações dos responsáveis pela indicação. A Fundação se reservava o direito de cancelar a bolsa em caso de conduta considerada inadequada ou prejudicial aos objetivos da Fundação29.

21Passemos, então, a analisar a atuação da Fundação Rockefeller na formação de profissionais de enfermagem no Brasil através da concessão de bolsas de estudos, enfocando, em especial, alguns dados sobre o perfil das 28 bolsistas e a formação que receberam através das bolsas.

22Um primeiro aspecto que gostaríamos de sublinhar é a relação numérica entre as bolsas concedidas nas áreas da saúde pública e da enfermagem. Tomando o conjunto de bolsas concedidas pela IHD a profissionais de diferentes países entre 1917 e 1951 – 2.056 bolsas – aproximadamente 75% destas foram para a realização de estudos na área da saúde pública e aproximadamente 21%, na área da enfermagem. No caso específico das bolsas concedidas a profissionais do Brasil, esta diferença é significativamente reduzida: das 92 bolsas distribuídas, 53% destas foram concedidas para a realização de estudos na área da saúde pública e 33,6%, na área da enfermagem. Acreditamos que esta distribuição menos desigual entre as bolsas para saúde pública e para a enfermagem no Brasil esteja relacionada à participação e aos investimentos da Fundação Rockefeller no desenvolvimento da enfermagem no país.

  • 30 O nome conferido à Escola foi uma homenagem à pioneira enfermeira brasileira Anna Nery, que viveu e (...)
  • 31 Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 136.

23Segundo Marcos Cueto e Steven Palmer, a criação da Escola de Enfermagem Anna Nery30, no Rio de Janeiro, foi “um resultado dos esforços conjuntos da Fundação Rockefeller e das autoridades locais”31.

  • 32 Barreira, Ieda de Alencar et al., “A Primeira República: a implantação da enfermagem laica e seus d (...)
  • 33 MOREIRA, Martha Cristina Nunes. A Fundação Rockefeller e a construção da identidade profissional de (...)

24Em 1921, Carlos Chagas, então diretor do Departamento Nacional de Saúde Pública – DNSP, solicitou a cooperação da International Health Board para o desenvolvimento de um serviço de enfermagem em conexão com o Departamento. Aceito o convite, foi enviada ao Brasil a enfermeira Ethel Parsons, chefe da Missão Técnica de Cooperação para o Desenvolvimento da Enfermagem. A “Missão Parsons”, como ficou conhecida, tinha como objetivo realizar a avaliação das condições existentes para a organização de uma escola ou cursos de treinamento, bem como para o desenvolvimento de serviço público de enfermagem no Brasil. O projeto da Missão visava “à criação de uma sólida base para a introdução de uma nova categoria profissional no campo da saúde no Brasil”32. Havia a necessidade, segundo Martha Cristina Nunes Moreira, de se ultrapassar uma história anterior, na qual as ações de cuidado se encontravam espalhadas pelo tecido social, sem controle.33 Em 1923, Chagas criou o Serviço de Enfermeiras, sob a direção de Parsons, assistida por outras sete enfermeiras norte-americanas.

  • 34 As informações sobre a Escola estão em Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Públ (...)

25Também em 1923, o Departamento criou, com recursos da Fundação Rockefeller, uma escola de enfermagem34 em instalações anexas ao Hospital Geral São Francisco de Assis, no Rio de Janeiro. A criação da escola foi oficializada pelo Decreto 16.300, de dezembro daquele ano, e que determinava que o Serviço de Enfermeiras do DNSP teria a seu cargo uma escola para instruir e diplomar enfermeiras. O objetivo da escola era educar enfermeiras profissionais para serviços sanitários e trabalhos gerais ou especializados de hospitais e clínicas privadas.

26A primeira turma da Escola de Enfermeiras do DNSP, com 15 alunas, formou-se em 1925. No ano seguinte, em 1926, a Escola de Enfermeiras passou a se chamar Escola de Enfermeiras D. Anna Nery. Naquele mesmo ano, em virtude do crescimento da instituição, foram inauguradas novas instalações, localizadas próximas ao Hospital São Francisco de Assis, construídas com apoio da Fundação Rockefeller.

27Em 1931, com a regulamentação do ensino da enfermagem no Brasil (Decreto n. 20.109, de 15 de junho), que fixou as condições para a equiparação das escolas do país, o título de enfermeira ou enfermeiro diplomado só era reconhecido depois de registrado no DNSP, e a Escola de Enfermeiras D. Anna Nery, subordinada ao Departamento, foi considerada a escola-padrão oficial.

  • 35 Outro subproduto importante da missão norte-americana, segundo Cueto e Palmer, foi a criação, em 19 (...)

28Em 1937, a então Escola de Enfermagem Anna Nery foi incorporada, como instituição complementar, à Universidade do Brasil. Em 1965, passou a denominar-se Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.35

29Como veremos nas próximas páginas, a atuação da Fundação Rockefeller na formação de profissionais para a enfermagem através da concessão de bolsas de estudos esteve associada, em grande medida, à sua atuação na criação e organização da Escola de Enfermagem Anna Nery.

  • 36 Informações sobre Edith Magalhães Fraenkel podem ser encontradas em Secaf, Victoria; Costa, Hebe C. (...)
  • 37 Martin, Ana Laura, “Mujeres y enfermería: una asociación temprana y estable (1886-1940)” in Carolin (...)
  • 38 Ibid., p. 257.
  • 39 Lombardi, Maria Rosa; Campos, Veridiana Parahyba, “A enfermagem no Brasil e os contornos de gênero, (...)

30A primeira bolsista brasileira de enfermagem da Divisão Internacional de Saúde foi Edith Magalhães Fraenkel. Neta de Benjamin Constant, formada pela Escola de Enfermagem da Cruz Vermelha, Fraenkel estudou enfermagem no Philadelphia General Hospital entre 1922 e 1925. Ao retornar ao país, tornou-se instrutora e coordenadora de ensino na Anna Nery.36 Das 31 bolsas concedidas a pesquisadores e profissionais que atuavam no Brasil para que realizassem cursos na área da enfermagem, todas foram concedidas a mulheres. Em outras palavras, 28 mulheres receberam as bolsas de estudos para a área da enfermagem, enquanto praticamente a totalidade das bolsas para saúde pública, medicina e ciências biológicas foram concedidas a profissionais do sexo masculino. Apenas em 1948, praticamente no final do período aqui analisado, Mary Barhyte Waddell recebeu uma bolsa da IHD para estudar saúde pública nos Estados Unidos. É importante sublinhar que vários trabalhos que se dedicam a analisar o desenvolvimento da enfermagem enfocam a perspectiva de gênero. Ana Laura Martin, por exemplo, afirma que “[...] la enfermería fue considerada una extensión de lo doméstico y maternal y se convertió en ‘profesión atajo’ para conciliar el mundo femenino y el mundo laboral”37. Ainda segundo a autora, no início do século XX, o mercado da enfermagem já apresentava uma segmentação cujo eixo organizador era o gênero, o que se manteve ao longo de praticamente todo o século.38 Maria Rosa Lombardi e Veridiana Parahyba Campos, por sua vez, afirmam que “desde o início, entretanto, [a enfermagem] foi uma profissão pensada sobre e para uma determinada concepção de feminino, em que o ‘amor’ e ‘cuidado ao próximo’ se imbricavam e conformavam uma área de trabalho adequada a esse gênero”.39

  • 40 As informações referentes às bolsistas e às bolsas foram coletadas em Directory of Fellowships and (...)

31Mas qual era o perfil destas mulheres que receberam bolsas para estudar enfermagem? Que formação possuíam? A quais instituições estavam vinculadas quando receberam as bolsas? Que formação receberam através deste investimento da Divisão Internacional de Saúde da Fundação Rockefeller?40

  • 41 As informações referentes à cor e à religião foram declaradas, por exemplo, em documentos como o fo (...)

32As 28 brasileiras que receberam bolsas da IHD/FR para realizar estudos na área da enfermagem não eram casadas quando receberam as bolsas (24 solteiras, 03 viúvas e 01 divorciada), e, até onde nos foi possível verificar, eram brancas (13 brancas e 15, sem informação).41

33Como indicamos anteriormente, as bolsas da FR seriam distribuídas, preferencialmente, a candidatos com menos de 35 anos. A média de idade das bolsistas brasileiras de enfermagem era de 27,5 anos. A mais jovem das bolsistas foi Olga Campos Salinas Lacorte, com 19 anos, e a mais velha, Agnes Waddell Chagas, que contava com 42 anos quando recebeu a bolsa. É fácil depreender que uma longa carreira se abria às ex-bolsistas, o que era de interesse da Fundação, uma vez que a instituição havia investido na formação destas enfermeiras. Porém, a análise desenvolvida por Karina Inés Ramacciotti e Adriana Valobra sobre o perfil das alunas de enfermagem da Escuela de Enfermería da Secretaria de Salud Pública de Buenos Aires em 1947 (as alunas deveriam ter entre 17 e 32 anos e serem solteiras ou viúvas sem filhos) nos abre outras possibilidades de interpretação para os cortes etário e de condição civil das bolsistas de enfermagem da FR. Segundo as autoras,

  • 42 Ramacciotti, Karina Inés, Valobra, Adriana, “Feminización y profesionalización de la enfermería (19 (...)

Ambos requisitos, el corte por edad y la condición civil, se asociaban a la creencia de que toda mujer “normal” en su etapa de fertilidad poseía el “instinto maternal”. Al no canalizarlo en la gestación y en la crianza de sus propios hijos, estaría capacitada “naturalmente” para trasladar esas dotes de cuidado hacia la atención de los enfermos. De este modo, se suponía que las que fueran madres no podrían cumplir con las tareas socialmente asignadas a la domesticidad, pues eran incompatibles con los horarios y turnos de la práctica de la enfermería.42

34Mulheres solteiras e viúvas sem filhos canalizariam, em seu período de fertilidade, o “instinto maternal” para o cuidado dos enfermos e teriam disponibilidade para cumprir horários e turnos exigidos na prática da enfermagem.

35No que se refere à formação destas mulheres antes de receberem as bolsas, das 17 para as quais conseguimos informações sobre a formação escolar, 15 foram normalistas, ou seja, poderiam atuar no magistério. Já no que se refere à formação para atuar na área da saúde, 21 haviam realizado seus estudos na Escola de Enfermagem Anna Nery, quatro, no Instituto de Higiene de São Paulo, uma, na École des Enfermiéres de L´Assistance Publique (Paris), uma, na Escola de Enfermagem da Cruz Vermelha e uma, no Toronto General Hospital.

Tabela 01 – Instituição de formação antes do recebimento da bolsa

Instituição / formação

Educação Sanitária

Enfermagem

Samaritana

Total

École des Enfermiéres de l´Assistance Publique (Paris)

---

01

---

01

Escola de Enfermagem Anna Nery

---

21

---

21

Escola de Enfermagem da Cruz Vermelha

---

---

01

01

Instituto de Higiene de São Paulo

04

---

---

04

Toronto General Hospital

---

01

---

01

Total

04

24

01

28

Fonte: Tabela elaborada pela autora

  • 43 Barreira et al., “A Primeira República...”, cit., p. 237.
  • 44 Moreira, “A Fundação...”, cit., não paginado. Moreira (1999) e Barreira et al. (2015) realizam inte (...)

36Ao considerar o perfil das bolsistas indicado até aqui, inclusive no que se refere à formação escolar das mesmas antes do recebimento da bolsa e sua formação para atuar na área da saúde, é interessante pensar nos critérios de ingresso na Anna Nery, umas vez que 21 bolsistas de enfermagem, como vimos, haviam realizado seus estudos nesta escola. Com relação ao perfil das alunas da Escola de Enfermagem Anna Nery, Ieda de Alencar Barreira at al. afirmam que as moças deveriam ser solteiras, de boa aparência, instruídas, de modos educados e capazes de obter cartas de recomendação de homens bem colocados43. Segundo Martha Cristina Nunes Moreira, o diploma da Escola Normal funcionaria como um “pré-requisito”, triando social e culturalmente as candidatas à Escola. Havia, ainda, um critério não formalizado: ser branca: “tentou-se assim barrar o acesso à profissão não apenas às mulheres originárias das classes menos favorecidas, como àquelas oriundas do contingente populacional majoritário de negros e mestiços”.44

  • 45 Como a Escola de Enfermagem estava subordinada ao Departamento Nacional de Saúde Pública, é possíve (...)

37No que se refere ao vínculo institucional quando receberam a bolsa, 12 possuíam vínculo com a Escola de Enfermagem Anna Nery, oito, com o Departamento Nacional de Saúde (Pública)45, quatro, com o Instituto de Higiene de São Paulo, uma estava vinculada ao Toronto General Hospital, uma, ao Serviço Especial de Saúde Pública, uma, à Escola de Enfermagem da Bahia e para uma, não possuímos informação.

38Como podemos observar, várias bolsistas (21) haviam estudado na EEAN e 12 possuíam vínculo com a instituição quando foram contempladas com a bolsa. Já indicamos que a Fundação participou da criação e organização da Escola. Segundo Barreira et al., havia, desde 1925, ano de formatura da primeira turma da Anna Nery, um projeto de formação de uma “elite nativa”,

  • 46 Barreira et al., “A Primeira República...”, cit., p. 238.

[...] que pudesse garantir uma inserção vantajosa da enfermagem na sociedade brasileira e, também, viesse a manter uma interlocução privilegiada com as líderes da enfermagem norte-americanas.46

39Este projeto de formação de uma “elite nativa” apontado por Barreira et al nos parece contemplado pelos objetivos gerais do programa de bolsas da FR já indicados neste texto. Pode nos ajudar a pensar esta questão a definição do termo “elite” elaborada pelo sociólogo suíço Giovanni Busino e recuperada por Flávio Heinz:

  • 47 Busino, 1992, p. 4 apud Heinz, Flávio (org.), Por outra história das elites, Rio de Janeiro, Editor (...)

[...] o termo [elite] faz referência à “minoria que dispõe, em uma sociedade determinada, em um dado momento, de privilégios decorrentes de qualidades naturais valorizadas socialmente (por exemplo, a raça, o sangue etc.) ou de qualidades adquiridas (cultura, méritos, aptidões etc.). O termo pode designar tanto o conjunto, o meio onde se origina a elite (por exemplo, a elite operária, a elite da nação), quanto os indivíduos que a compõem, ou ainda a área na qual ela manifesta sua preeminência. No plural, a palavra ‘elites’ qualifica todos aqueles que compõem o grupo minoritário que ocupa a parte superior da hierarquia social e que se arrogam, em virtude de sua origem, de seus méritos, de sua cultura ou de sua riqueza, o direito de dirigir e negociar questões de interesse da coletividade”.47

40As enfermeiras capacitadas no exterior através do programa de concessão de bolsas da institução norte-americana adquiriam, através desta formação, “qualidades” que as posicionariam, possivelmente, enquanto uma “elite nativa” da enfermagem moderna que começava a se desenvolver no Brasil. Estas enfermeiras, almejava a FR, deveriam ocupar posições estratégicas no país.

  • 48 As listas das formandas das turmas de 1925 a 1931 estão disponíveis em Sauthier e Barreira, As enfe (...)
  • 49 Iracema dos Santos Cabral faleceu em naufrágio quando retornava do período de estudos nos Estados U (...)

41Como parte deste projeto de formação de “uma elite nativa”, as melhores alunas de cada classe recebiam bolsas para cursos nos Estados Unidos, em diferentes campos de atuação da enfermagem, como saúde pública, administração hospitalar, pedagogia, organização de escolas de enfermagem, psiquiatria e pronto-socorro. Ao analisarmos as listas de formatura da EEAN48, observamos que seis formandas de 1925 receberam bolsas (Zulema Lima Castro Amado, Luiza Antônio de Barros Thenn Araújo, Maria do Carmo Ribeiro Prado, Olga Campos Salinas Lacorte, Maria de Castro Pamphiro e Laís Moura Netto dos Reys), assim como três formandas de 1926 (Iracema dos Santos Cabral49, Sylvia Arcoverde de Albuquerque Maranhão e Zaíra Cintra Vidal) e quatro de 1927 (Alaíde Duffles Teixeira Lott, Aurora Gipsofila de Afonso Costa, Célia Peixoto Alves e Iracema dos Guaranys Mello), totalizando 14 bolsistas selecionadas entre as formandas das três primeiras turmas da Escola.

42No que se refere aos diferentes campos de atuação da enfermagem, a maioria das bolsistas brasileiras recebeu formação em saúde pública, mas observamos que campos como administração e ensino, por exemplo, também foram contemplados.

Tabela 2 – Formação das bolsistas de enfermagem de acordo com campos de atuação

Campo de atuação da enfermagem

Número de bolsistas

Saúde pública

10

Sem informação

09

Administração

03

Doenças contagiosas

01

Saúde pública / educação

01

Ensino

01

Saúde pública / pediatria / obstetrícia

01

Nutrição

01

Pediatria / obstetrícia

01

Total

28

Fonte: Tabela elaborada pela autora

  • 50 Segundo Cueto e Palmer, “a Faculdade de Enfermagem, da Universidade de Toronto, que, em 1943, foi a (...)

43Apesar do destaque conferido à Escola de Enfermagem da Universidade de Toronto quando se discute a formação de enfermeiras, a maioria das bolsistas brasileiras de enfermagem da IHD realizou seus estudos nos Estados Unidos, mais especificamente no Philadelphia General Hospital, que recebeu 15 bolsistas. Sete das 28 bolsistas foram enviadas para a University of Toronto School of Nursing, no Canadá50. Isto pode ser explicado, pelo menos em parte, pelo fato de que a Escola de Enfermagem da Universidade de Toronto foi criada, como recursos da FR, no início da década de 1930, e várias bolsistas de enfermagem vinculadas ao Brasil foram enviadas ao exterior para realizar estudos ainda na década de 1920. É importante sublinhar que os bolsistas da Fundação não ficavam restritos à instituição onde realizavam sua formação, mas visitavam escolas, universidades, associações e departamentos governamentais durante o período de estudos.

Tabela 3 – Instituição em que a bolsista realizou sua formação

País

Instituição

Total

Estados Unidos

Philadelphia General Hospital

15

Western Reserve University School of Nursing

02

Durand Hospital

01

East Harlem Nursing and Health Service

01

Teacher’s College

01

Training School for Nurses, Charles V. Chapin Hospital

01

Canadá

University of Toronto School of Nursing

07

Total geral

28

Fonte: Tabela elaborada pela autora

44Com relação ao tempo de duração dos estudos no exterior, observamos que as bolsas para a área da enfermagem tiveram duração, em sua grande maioria, de mais de um ano: uma bolsa durou menos de seis meses, quatro bolsas duraram entre seis e 12 meses, 11 bolsas tiveram duração entre 12 e 18 meses, quatro, entre 18 e 24 meses e 08 tiveram duração superior a 24 meses.

Tabela 04 – Bolsas por área e tempo de duração

Área/tempo de duração da bolsa

Menos de 6 meses

6 a 12 meses

12 a 18 meses

18 a 24 meses

24 meses ou mais

Total

Ciências Biológicas

---

02

01

01

---

04

Enfermagem

01

04

11

04

08

28

Medicina

01

04

02

01

---

08

Saúde Pública

04

21

10

06

07

48

Total

06

31

24

12

15

88

Fonte: Tabela elaborada pela autora

45Percentualmente, 82 % das bolsas para enfermagem tiveram duração superior a um ano, enquanto apenas 48 % das bolsas concedidas para a realização de estudos na área da saúde pública excederam este período, apenas para comparar as duas áreas que concentraram o maior número de bolsas. Uma explicação possível para a maior duração da formação em enfermagem pode estar no fato de que os bolsistas das área de ciências biológicas, medicina e saúde pública já possuíam formação acadêmica anterior, majoritariamente em medicina.

46Como salientamos no início deste artigo, este é um projeto em desenvolvimento. No entanto, alguns aspectos com relação ao perfil das 28 bolsistas de enfermagem da IHD da FR vinculadas ao Brasil, entre 1917 e 1951, já puderem ser observados: eram mulheres, solteiras, com uma média de idade de 27,5 anos, formadas, majoritariamente, pela Escola de Enfermagem Anna Nery e que realizaram cursos de formação nos Estados Unidos com duração superior a um ano. As informações relativas à trajetória profissional dos bolsistas brasileiros da Divisão Internacional de Saúde da Fundação Rockefeller, por sua vez, que podem permitir uma discussão sobre o impacto, a influência que estes excerceram sobre as instituições e/ou agências governamentais onde atuaram e, consequentemente, sobre as políticas de saúde pública desenvolvidas no país, ainda estão sendo levantadas. As informações já compiladas, porém, indicam que várias bolsistas de enfermagem vinculadas ao país ocuparam cargos de direção em instituições e/ou agências governamentais onde atuaram, como Glete de Alcântara, diretora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (1953-1970) e presidente da Associação Brasileira de Enfermagem em duas oportunidades (1952-1954 e 1972-1974); Agnes Stuart Waddell Chagas, diretora do Curso de Auxiliares Hospitalares de Belém (1943-1944) e chefe do Serviço de Enfermagem da Repartição Sanitária Pan-Americana (1948); Aurora Gipsofila de Afonso Costa, diretora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense; Haydee Guanais Dourado, diretora da Escola de Enfermagem da Bahia (1946-1949) e enfermeira-chefe do Serviço Nacional de Tuberculose (1951-1953); Edith Magalhães Fraenkel, superintendente do Serviço de Enfermeiras do Ministério da Educação e Saúde (1931-1938), diretora da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo – USP (1942-1955) e presidente da Associação Brasileira de Enfermagem em três oportunidades (1927-1938, 1941-1943 e 1948-1950); Olga Campos Salinas Lacorte, diretora substituta da Escola de Enfermagem Anna Nery (1948-1950); Yolanda Lindenberg Lima, presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (1978-1981); Rachel Haddock Lobo, diretora da Escola de Enfermagem Anna Nery (1931-1933) e uma das fundadoras da Revista Brasileira da Enfermagem; Maria de Castro Pamphiro, diretora da Escola Profissional de Enfermeiras Alfredo Pinto e diretora interina da Escola de Enfermagem Anna Nery (1933-1934); Maria Rosa Sousa Pinheiro, diretora da Escola de Enfermagem da USP (1955-1978), presidente do Conselho Federal de Enfermagem (1975) e presidente da Associação Brasileira de Enfermagem em duas oportunidades (1954-1956 e 1956-1958), e Laís Moura Netto dos Reys, diretora da EEAN (1938-1950) e da Escola de Enfermagem Carlos Chagas (atual Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, 1933-1938).

47Se retomamos o objetivo geral do programa de bolsas da FR indicado no início do texto – formar pessoal para atuar em posições estratégicas em agências de saúde oficiais ou como diretores e/ou professores em escolas de higiene, saúde pública e enfermagem – ou o objetivo mais específico da atuação da IHD/FR na enfermagem brasileiras apontado por Barreira et al. – um projeto de formação de uma “elite nativa” –, as informações aqui apresentadas indicam que estes objetivos parecem ter sido, em grande medida, alcançados no que se refere às bolsistas brasileiras de enfermagem. Esta questão merece, todavia, maior discussão.

  • 51 Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 137.

48Marcos Cueto e Steven Palmer afirmam que a “história da enfermagem na América Latina é um campo novo e vai demorar algum tempo para desenvolver perfis significativos das tendências da enfermagem na região”.51 Esperamos que este trabalho contribua, em certa medida, com este campo em desenvolvimento, lançando algumas luzes sobre a atuação de uma instituição filatrópica norte-americana como a Rockefeller na formação de altos funcionários para a saúde pública no Brasil e, em especial, para a área da enfermagem.

Haut de page

Bibliographie

Barreira, Ieda de Alencar et al., “A Primeira República: a implantação da enfermagem laica e seus desdobramentos (1889-1930)”, in Maria Itayra Padilha, Miriam Süsskind Borenstein e Iraci dos Santos (org), Enfermagem: história de uma profissão. São Caetano do Sul, Difusão Editora, 2015, p. 225-258.

Birn, Anne-Emanuelle, Marriage of convenience: Rockefeller International Health and revolutionary Mexico, Rochester, University of Rochester Press, 2006.

Castro Santos, Luiz Antonio de; Faria, Lina, “A cooperação internacional e a enfermagem de saúde pública no Rio de Janeiro e São Paulo”, Horizontes, 2004, vol. 22-2, p. 123-150.

Charle, Christophe, “A prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas”, in Flávio Heinz (org.), Por outra história das elites. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006.

Cueto, Marcos (ed.), Missionaries of science: the Rockefeller Foundation and Latin America, Bloomington, Indiana University Press, 1994.

Cueto, Marcos; Palmer, Steven, Medicina e Saúde Pública na América Latina: uma história, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2016.

Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, in Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil, 1832-1930 – Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz, consultado a 5 de setembro de 2012. URL : http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/P/pdf/escenfan.pdf

Faria, Lina; Costa, Maria Conceição da, “Cooperação Científica Internacional: Estilos de Atuação da Fundação Rockefeller e da Fundação Ford”, Dados – Revista de Ciências Sociais, 2006, vol. 49-1, p. 159-191.

Faria, Lina, Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2007.

Farley, John, To cast out disease: a history of the International Health Division of the Rockefeller Foundation (1913-1951), Nova York, Oxford University Press, 2004.

Hemingway, Ernest, Adeus às armas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2013.

Heinz, Flávio (org.), Por outra história das elites, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006.

Korndörfer, Ana Paula, “An international problem of serious proportions”: A cooperação entre a Fundação Rockefeller e o governo do estado do Rio Grande do Sul no combate à ancilostomíase e seus desdobramentos (1919-1929), Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

Lombardi, Maria Rosa; Campos, Veridiana Parahyba, “A enfermagem no Brasil e os contornos de gênero, raça/cor e classe social na formação do campo profissional”, Revista da ABET, 2018, v. 17-1.

Löwy, Ilana, Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política, tradução de Irene Ernest Dias, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2006.

Martin, Ana Laura, “Mujeres y enfermería: una asociación temprana y estable (1886-1940)” in Carolina Biernat; Juan Manuel Cerdá e Karina Inés Ramacciotti (org), La salud pública y la enfermería en la Argentina, Bernal, Universidad Nacional de Quilmes, 2017.

Marinho, Maria Gabriela S. M. C., Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952), Campinas, São Paulo, Autores Associados; São Paulo, Universidade São Francisco, 2001.

Moreira, Martha Cristina Nunes, “A Fundação Rockefeller e a construção da identidade profissional de enfermagem no Brasil na Primeira República", História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 1998-1999, v. 5- 3, não paginado.

Ramacciotti, Karina Inés; Valobra, Adriana, “Feminización y profesionalización de la enfermería (1940-1955)” in Carolina Biernat; Juan Manuel Cerdá e Karina Inés Ramacciotti (org), La salud pública y la enfermería en la Argentina, Bernal, Universidad Nacional de Quilmes, 2017.

Sauthier, Jussara; Barreira, Ieda de Alencar, As enfermeiras norte-americanas e o ensino de enfermagem na capital do Brasil: 1921-1931, Rio de Janeiro, Editora da Escola de Anna Nery / UFRJ, 1999.

Secaf, Victoria; Costa, Hebe C. Boa-Viagem A, Enfermeiras do Brasil: história das pioneiras, São Paulo, Biblioteca 24 horas, 2010.

Referências documentais:

Fellowship Cards (RAC, RF, RG 10.2).

History of the Fellowship Program at the Rockefeller Foundation (RAC, RF, RG 10.2, Fellowship Recorder Cards).

Information concerning fellowships awarded by the International Health Board of the Rockefeller Foundation (Acervo Histórico da Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Documentação, Caixa 09, Doc. 57, 1924).

The Rockefeller Foundation, Directory of Fellowships and Scholarships (1917-1970), Nova York, The Rockefeller Foundation, 1972.

Haut de page

Notes

1 Catherine Barkley em Hemingway, Ernest, Adeus às armas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2013, p. 40.

2 Este projeto de pesquisa, desenvolvido junto ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul – FAPERGS (Edital 01/2017 – ARD) e a colaboração de Maiara Rebelatto (graduanda em História – bolsista Unibic/Unisinos).

3 Chegamos ao número de bolsistas aqui indicado a partir da análise dos dados disponíveis em The Rockefeller Foundation, Directory of Fellowships and Scholarships (1917-1970), Nova York, The Rockefeller Foundation, 1972. O Diretório apresenta informações sobre aproximadamente 9.500 bolsistas, dos quais 496 são apontados como residentes no Brasil quando receberam a bolsa (Country of residence at time of award), informação considerada para organizar os dados referentes ao Brasil. As informações sobre os bolsistas apresentadas no Diretório são as seguintes: 1. Name [sobrenome e nome], 2. Country of residence at time of award, 3. Date and country of birth, 4. Academic degree held at time of award with name of granting institution and date, 5. Institution where employed or studying at time of award, 6. Foundation program designation and dates of award, 7. Country of study, 8. Degree received during award with name of granting institution and date e 9. Field of study. As informações foram confirmadas a partir da consulta à documentação da Fundação Rockefeller (Rockefeller Archive Center – RAC, Rockefeller Foundation – RF, Record Group – RG 10.2 Fellowship Cards).

4 Receberam bolsas da IHD/FR para estudar enfermagem Glete de Alcântara, Célia Peixoto Alves, Zulema Lima Castro Amado, Luiza Antônia de Barros Thenn Araújo, Iracema dos Santos Cabral, Agnes Stuart Waddell Chagas, Aurora Gipsofila de Afonso Costa, Haydee Guanais Dourado, Edith Magalhães Fraenkel, Zilda Almeida Carvalho Hughes, Lúcia Jardim, Hilda Anna Krisch, Olga Campos Salinas Lacorte, Josette Marie Ledoux, Yolanda Lindenberg Lima, Rachel Haddock Lobo, Alaíde Duffles Teixeira Lott, Sylvia Arcoverde de Albuquerque Maranhão, Iracema dos Guaranys Mello, Delizeth de Oliveira Cabral Miyoshi, Maria de Castro Pamphiro, Alayde Borges Carneiro Paraense, Radcliff Dourado dos Santos Pereira, Maria Rosa Sousa Pinheiro, Maria do Carmo Ribeiro Prado, Maria de Oliveira Regis, Laís Moura Netto dos Reys e Zaíra Cintra Vidal (The Rockefeller Foundation, 1972). Josette Marie Ledoux não era brasileira (nasceu na Bélgica, segundo informações contidas em documentação da Fundação Rockefeller – RAC, RF, RG 10.2 Fellowship Cards, Series LEDOUX, Josette Marie), mas foi incluída na lista, pois é associada ao Brasil que Ledoux aparece no Diretório (1972), uma vez que sua bolsa está vinculada a atividades que desenvolveria no país.

5 Farley, John, To cast out disease: a history of the International Health Division of the Rockefeller Foundation (1913-1951), Nova York, Oxford University Press, 2004, p. 2.

6 Birn, Anne-Emanuelle, Marriage of convenience: Rockefeller International Health and revolutionary Mexico, Rochester, University of Rochester Press, 2006, p. 15.

7 Faria, Lina, Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2007, p. 103, nota 2.

8 Marinho, Maria Gabriela S. M. C., Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952), Campinas, São Paulo, Autores Associados; São Paulo, Universidade São Francisco, 2001, p. 14.

9 Ibid., p. 14.

10 Farley, To cast…, cit., p. 2; Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 9.

11 Faria, Lina; Costa, Maria Conceição da, “Cooperação Científica Internacional: Estilos de Atuação da Fundação Rockefeller e da Fundação Ford”, Dados – Revista de Ciências Sociais, 2006, vol. 49-1, p. 164.

12 Ibid. p. 164-165; Faria, Saúde..., cit., p. 80-81.

13 Ibid. p. 163-164; Faria, Saúde..., cit., p. 79.

14 Birn, Marriage of convenience…, cit.

15 Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 197.

16 Cueto, Marcos; Palmer, Steven, Medicina e Saúde Pública na América Latina: uma história, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2016, p. 135.

17 Birn, Marriage of convenience…, cit., p. 201.

18 Ibid., p. 215.

19 Faria, Saúde..., cit., p. 18.

20 Ibid.; Löwy, Ilana, Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política, tradução de Irene Ernest Dias, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2006; e Cueto, Marcos (ed.), Missionaries of science: the Rockefeller Foundation and Latin America, Bloomington, Indiana University Press, 1994.

21 Korndörfer, Ana Paula, “An international problem of serious proportions”: A cooperação entre a Fundação Rockefeller e o governo do estado do Rio Grande do Sul no combate à ancilostomíase e seus desdobramentos (1919-1929), Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013, p. 286.

22 Ibid.

23 Castro Santos, Luiz Antonio de; Faria, Lina, “A cooperação internacional e a enfermagem de saúde pública no Rio de Janeiro e São Paulo”, Horizontes, 2004, vol. 22-2, p. 124.

24 Para uma maior discussão sobre a prosopografia, ver também Stone, Lawrence, “Prosopografia”, Revista de Sociologia Política, 2011, vol. 19-39, p. 115-137; e Heinz, Flávio; Codato, Adriano, “A prosopografia explicada para cientistas políticos” in Renato Perissinotto e Adriano Codato (org.), Como estudar elites, Curitiba, Ed.UFPR, 2015, p. 249-275.

25 Charle, Christophe, “A prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas”, in Flávio Heinz (org.), Por outra história das elites, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006, p. 41.

26 Information concerning fellowships awarded by the International Health Board of the Rockefeller Foundation (Acervo Histórico da Escola de Enfermagem Anna Nery – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Documentação, Caixa 09, Doc. 57, 1924).

27 Information concerning, 1924, p. 1.

28 Os objetivos do programa de bolsas da Fundação são expressos, também, em History of the Fellowship Program at the Rockefeller Foundation: “Thus the functions of the Rockefeller Foundation (RF) fellowship program have been to select individuals of outstanding promise in the fields of interest defined by the general program of the Foundation, and to help to prepare individuals to make significant contributions to research and teaching or public health in the future” (RAC, RF, RG 10.2, Fellowship Recorder Cards).

29 Information concerning, 1924.

30 O nome conferido à Escola foi uma homenagem à pioneira enfermeira brasileira Anna Nery, que viveu entre 1814 e 1880 e ganhou fama na Guerra do Paraguai (Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 136).

31 Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 136.

32 Barreira, Ieda de Alencar et al., “A Primeira República: a implantação da enfermagem laica e seus desdobramentos (1889-1930)”, in Maria Itayra Padilha, Miriam Süsskind Borenstein e Iraci dos Santos (org), Enfermagem: história de uma profissão, São Caetano do Sul, Difusão Editora, 2015, p. 233-234.

33 MOREIRA, Martha Cristina Nunes. A Fundação Rockefeller e a construção da identidade profissional de enfermagem no Brasil na Primeira República. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 1999, vol. 5, n° 3, p. 621-645. Cueto e Palmer, ao analisarem a organização de escolas de enfermagem nas primeiras décadas do século XX, afirmam que “[...] elas desafiaram a abordagem tradicional da enfermagem em hospitais que, em sua maioria, eram administrados pela Igreja, e onde as mulheres religiosas, com alguma formação especial, preenchiam as principais divisões e serviços, sendo o pessoal comum da enfermagem constituído de homens e mulheres das classes populares, sem nenhuma formação” cf. Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 138.

34 As informações sobre a Escola estão em Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, in Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil, 1832-1930, consultado a 5 de setembro de 2012. URL : http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/P/pdf/escenfan.pdf; e em Barreira et al., “A Primeira República...”, cit., p. 225-258. A atuação das enfermeiras norte-americanas no Rio de Janeiro foi discutida por Sauthier, Jussara; Barreira, Ieda de Alencar, As enfermeiras norte-americanas e o ensino de enfermagem na capital do Brasil: 1921-1931, Rio de Janeiro, Editora da Escola de Anna Nery / UFRJ, 1999.

35 Outro subproduto importante da missão norte-americana, segundo Cueto e Palmer, foi a criação, em 1926, de uma associação brasileira de enfermeiras diplomadas, que se filiou, alguns anos depois, ao Conselho Internacional de Enfermeiros e começou a publicar a Revista Brasileira de Enfermagem na década de 1930 (Cueto e Palmer, Medicina..., cit.).

36 Informações sobre Edith Magalhães Fraenkel podem ser encontradas em Secaf, Victoria; Costa, Hebe C. Boa-Viagem A, Enfermeiras do Brasil: história das pioneiras, São Paulo, Biblioteca 24 horas, 2010, p. 17-27.

37 Martin, Ana Laura, “Mujeres y enfermería: una asociación temprana y estable (1886-1940)” in Carolina Biernat, Juan Manuel Cerdá e Karina Inés Ramacciotti (org), La salud pública y la enfermería en la Argentina, Bernal, Universidad Nacional de Quilmes, 2017, p. 257.

38 Ibid., p. 257.

39 Lombardi, Maria Rosa; Campos, Veridiana Parahyba, “A enfermagem no Brasil e os contornos de gênero, raça/cor e classe social na formação do campo profissional”, Revista da ABET, 2018, v. 17-1, p. 30.

40 As informações referentes às bolsistas e às bolsas foram coletadas em Directory of Fellowships and Scholarships (1917-1970) (The Rockefeller Foundation, 1972), nas fichas dos bolsistas salvaguardadas no Rockefeller Archive Center (RAC, RF, RG 10.2 Fellowship Cards), em registros da Escola de Enfermagem Anna Nery (Acervo Histórico da Escola de Enfermagem Anna Nery – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Documentação) e em publicações como Secaf e Costa, Enfermeiras do Brasil..., cit.

41 As informações referentes à cor e à religião foram declaradas, por exemplo, em documentos como o formulário de inscrição para a bolsa: The Rockefeller Foundation, International Health Division, Personal History Record and Application for Fellowship.

42 Ramacciotti, Karina Inés, Valobra, Adriana, “Feminización y profesionalización de la enfermería (1940-1955)” in Carolina Biernat, Juan Manuel Cerdá e Karina Inés Ramacciotti (org), La salud pública y la enfermería en la Argentina, Bernal, Universidad Nacional de Quilmes, 2017, p. 295.

43 Barreira et al., “A Primeira República...”, cit., p. 237.

44 Moreira, “A Fundação...”, cit., não paginado. Moreira (1999) e Barreira et al. (2015) realizam interessante reflexão sobre o processo de seleção das alunas da EEAN, que, segunda Martha Cristina Nunes Moreira, estava baseado em critérios de classe, gênero, raça e moralidade.

45 Como a Escola de Enfermagem estava subordinada ao Departamento Nacional de Saúde Pública, é possível inferir que algumas bolsistas vinculadas ao Departamento estivessem vinculadas à Escola.

46 Barreira et al., “A Primeira República...”, cit., p. 238.

47 Busino, 1992, p. 4 apud Heinz, Flávio (org.), Por outra história das elites, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006, p. 7, grifos nossos.

48 As listas das formandas das turmas de 1925 a 1931 estão disponíveis em Sauthier e Barreira, As enfermeiras..., cit., p. 189-192.

49 Iracema dos Santos Cabral faleceu em naufrágio quando retornava do período de estudos nos Estados Unidos.

50 Segundo Cueto e Palmer, “a Faculdade de Enfermagem, da Universidade de Toronto, que, em 1943, foi a primeira escola do Canadá a oferecer uma licenciatura em enfermagem – foi a destinatária de grandes pacotes de financiamento da Fundação Rockefeller, sobretudo no seu início, quando era um pequeno departamento dentro da Escola de Saúde Pública. O programa de Toronto tornou-se um favorito para as mulheres latino-americanas que queriam fazer os estudos de pós-graduação em enfermagem em saúde pública”, cf. Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 137. Uma discussão sobre a participação da Fundação Rockefeller na organização da Toronto School of Hygiene e da University of Toronto´s School of Nursing pode ser encontrada em Farley, To cast…, cit., p. 216-238.

51 Cueto e Palmer, Medicina..., cit., p. 137.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Paula Korndörfer, « A Fundação Rockefeller e a formação de quadros para a enfermagem (Brasil: 1917-1951) », Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Questions du temps présent, mis en ligne le 08 octobre 2019, consulté le 09 décembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/76226 ; DOI : 10.4000/nuevomundo.76226

Haut de page

Auteur

Ana Paula Korndörfer

aninha.korndorfer@gmail.com
Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page