Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesDébats2021Para assegurar a saúde do corpo e...Cuidar da alma e cuidar do corpo ...

2021
Para assegurar a saúde do corpo e da alma: prevenção e cura na Europa e no Ultramar do século XVI ao XVIII

Cuidar da alma e cuidar do corpo nas viagens espanholas de ultramar (Século XVI)

Taking care of the soul and taking care of the body on Spanish overseas trips (16th century)
Maria Emília Granduque José

Résumés

No século XVI, período de expansão marítima e de incentivo à produção de novas obras que ajudassem os navegantes em suas missões, diferentes letrados procuraram orientar os homens que se dispunham a se deslocar até a América. Com ênfase nesse tipo de material edificante, como o Libro de los inventores del arte de marear y de muchos trabajos que se pasan en las galeras (1539), de frei Antonio de Guevara, que narra o cotidiano a bordo, e em outras obras como a Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa (1544-1545), de frei Tomás de la Torre e a Carta escrita al licenciado Miranda de Ron (1573), de Eugenio de Salazar, a proposta deste trabalho consistirá em analisar a regulação do cotidiano de uma embarcação espanhola do século XVI. Mais precisamente, o presente estudo examinará medidas tomadas por esses autores para auxiliar os navegantes a cuidarem de suas almas e de seus corpos durante as viagens marítimas. Cruzando diferentes prescrições, este estudo buscará, desse modo, interrogar como esses espanhóis deveriam se alimentar, se vestir, se higienizar e preservar a sua própria salvação.

Haut de page

Texte intégral

1No Libro de los inventores del arte de marear y de muchos trabajos que se pasan en las galeras, publicado em 1539, o frei dominicano Antonio de Guevara, autor de diversos tratados que discorrem sobre a vida e os costumes na corte e no campo, elaborou um importante registro acerca da vivência dos espanhóis no mar. Evocando a sua própria experiência a bordo de uma embarcação que havia viajado para Túnis em 1535, como parte da expedição imperial comandada pelo monarca Carlos V, o religioso apresentou uma imagem bastante negativa da viagem ao apregoar:

  • 1 Nesse estudo, optou-se pela tradução de todas as citações de documentos no corpo do texto e a manu (...)

Para que o homem conheça o que faz o mar deve olhar o que tem, pois mar não quer dizer outra coisa do que amargura; porque se as águas são muito amargas, as condições são amarguíssimas. O mar é inimigo de tudo o que sustenta a vida humana, porque nele o peixe é flemoso, o ar importuno, a água é salgada, a umidade é danosa e a navegação é perigosa.1

  • 2 Sobre a organização e o cotidiano a bordo de um navio ver Russel-Wood, A. Men under stress: the so (...)

2Guevara ponderou que a vida no mar, contrariamente ao que muitos pensavam, não se assemelhava à vida em terra por faltar as condições mínimas e necessárias para a saúde de seus tripulantes. Nem mesmo aqueles que dispunham de certos privilégios nas embarcações, como o capitão,2 escapavam de privações de diferentes naturezas, tendo dificuldades para manter as suas almas e os seus corpos em sanidade. Como todos estavam expostos às variações climáticas, à má qualidade da água e dos alimentos e à insalubridade, sofriam com problemas respiratórios, mal-estares, desnutrição, achaques estomacais e outras doenças que acometiam os navegadores, além de angústias e dos medos experimentados, como retratou Guevara de forma ainda mais acentuada na seguinte passagem:

  • 3 “La mar a nadie tráelos contento de cuantos en ella andan navegando, porque los cuerpos tráelos ca (...)

O mar não traz contentamentos a ninguém que navega, porque tornam os corpos cansados com a má vida e os corações sobressaltados frente a alguma perigosa tormenta. Como tem os ares delicados, o mar faz dos estômagos sempre famintos, mas logo altera a vontade de comer pela força que os fazem vomitar. O mar permite [aos viajantes] que seja visto, navegado e assenhorado, mas, junto a isso, tira a jurisdição de todos os que nele entram e os impossibilitam de mudar a sua condição.3

  • 4 “la vida del cuerpo”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

3Embora os navegantes pouco poderiam fazer para se esquivar dos males trazidos durante a permanência no mar, Guevara não deixou de salientar certas medidas para amenizar os padecimentos sofridos pelos viajantes. O Libro de los inventores del arte de marear... tinha como propósito justamente orientar esses aventureiros para saberem como se preparariam para a viagem antes mesmo do embarque. Como a proposta de Guevara era mostrar o modo como os espanhóis comuns viajavam nas galeras, o seu livro era um guia de conselhos com “muitos avisos”, segundo indica o próprio título, e instruções de caráter prático distribuídas em dez capítulos para auxiliar esses homens a contornar os mais diversos males que poderiam lhes debilitar gravemente a saúde. Conselhos e instruções que haviam servido para o próprio Guevara recobrar “a vida de seu corpo”,4 como ele aventou no final do livro, e que agora passariam a ser úteis também a outros viajantes.

  • 5 A missão dos dominicanos na América passou inicialmente por Peru, México e Colombia e, num segundo (...)

4Mas Guevara não foi único a retratar o cotidiano marítimo com a intenção de mostrar aos leitores da sua época a face desconhecida das viagens oceânicas. Dois outros letrados, frei Tomás de la Torre e Antonio de Salazar, igualmente deixaram registradas as suas experiências vivenciadas na travessia do Atlântico rumo ao Novo Mundo. Professor do Mosteiro de San Esteban, cargo que renunciou para integrar o projeto missionário, Tomás de la Torre buscou narrar na sua Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa o ambiente em uma nau durante os mais de doze meses em que tardaram – de 1544 a 1545 – para chegar à América Central. Nomeado para ser o cronista da viagem, esse autor descreveu na obra os percalços sofridos por uma tripulação majoritária de religiosos – um total de 47 pregadores dominicanos5 – organizada por frei Bartolomé de las Casas para servir na recém-criada diocese de Chiapas, no México. Muito próximo do que havia escrito Antonio de Guevara, Tomás de la Torre também deixou uma impressão bastante pessimista da vida no mar ao relatar um dos muitos momentos difíceis pelo qual ele e os seus companheiros tinham passado. Disse ele:

  • 6 “En breve nos dio la mar a entender que no era allí la habitación de los hombres y todos caímos al (...)

Rapidamente o mar nos deu a entender que ali não era habitação para os homens; todos caímos mareados como mortos, pois não bastava no mundo mudarmos de lugar; somente ficaram em pé o padre vicário e outros três; mas estes não podiam fazer nada, somente o padre vicário servia a todos e colocava bacias e baldes para que nós pudéssemos vomitar [...].6

  • 7 Martínez, José Luis. Pasajeros de Indias. Viajes transatlánticos en el siglo XVI. Madrid: Alianza (...)
  • 8 “[...] siempre enfermos y en trabajo mientras duró la navegación”. Torre, Tomás de la. Historia de (...)

5A dura rotina o levou a afirmar que aquele espaço, ainda que temporário, não poderia servir de morada aos homens, já que mesmo os religiosos mendicantes, mais acostumados às condições de uma vida austera, não podiam suportar com resignação os frequentes mal-estares, como os ocasionados pelo balanço da nau descrito na referida passagem, as carestias alimentares, a falta de asseio, os pecados cometidos e tantos outros obstáculos que dificultavam a manutenção de uma conduta correta e decorosa.7 Os passageiros que enfrentavam o mar pela primeira vez suportavam menos ainda o trajeto, segundo o relato, não apenas porque desconheciam as condições a bordo e, portanto, não sabiam como se comportar, mas também porque não haviam se preparado adequadamente para a viagem. Esse foi o caso de muitos religiosos presentes na expedição para Chiapas, como frei Luis de Cuenca, frei Martín de la Fuente, frei Jerónimo de San Vicente, frei Francisco Quezada – para ficarmos com alguns nomes – que, nas palavras de Tomás de la Torre, estiveram “sempre enfermos e em dificuldades enquanto durou a navegação”.8

  • 9 Frei Tomás de la Torre repercutia a mesma ideia partilhada pelos homens da sua época de que a chav (...)
  • 10 “[...] primeramente el navio es una cárcel muy estrecha y muy fuerte de donde nadie puede huir aun (...)

6Ao trazer o exemplo desses religiosos, Tomás de la Torre não deixou de pontuar algumas medidas que os futuros viajantes poderiam empregar para se proteger contra os achaques sofridos nesse ambiente. Segundo ele, era importante saber moderar as condutas humanas a fim de se evitar que qualquer exagero desequilibrasse a saúde dos tripulantes.9 Direcionando-se a esse público, ele também preocupou-se em descrever como era o ambiente interno das naus em que se faziam as viagens transoceânicas para apresentar aos futuros viajantes as difíceis condições de vida durante o traslado, alertando que “[...] o mar é um cárcere muito estreito e muito forte de onde ninguém pode fugir ainda que não tenha nem cadeias nem grilhões, e tão cruel que não faz diferença entre os presos, pois trata e oprime igualmente todos: é grande a estreiteza, o abafamento e o calor [...].10

7Mas, embora Tomás de la Torre transmitisse um quadro completo sobre a vida a bordo de uma nau, a reprodução mais detalhada desse ambiente saiu da pena do cronista e funcionário real Eugenio de Salazar, na sua Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, particular amigo del autor, en que pinta un navio, y la vida y ejercicios de los oficiales y marineros del, y como lo pasan los que hacen viajes por el mar, escrita em 1573. Na carta enviada a um amigo, como indica o título, esse oficial narrou a vivência no período em que durou a viagem feita das ilhas Canárias até Santo Domingo, nas Índias Ocidentais, onde se instalaria para ocupar o cargo de ouvidor. Logo nas primeiras linhas, Salazar comparou o navio em que estava a uma cidade em funcionamento com problemas muito mais elevados e difíceis de conviver – como a divisão em espaços pequenos, o deficiente abastecimento da população, a precariedade da assistência aos doentes e os quase inexistentes momentos de lazer e oração – que o levaram a concluir que não havia ali um modelo de sociedade viável. Referindo-se à essa cidade, ele escreveu:

  • 11 “Porque no vi en ella templo sagrado, ni casa de justicia, ni a los moradores se dice misa, ni los (...)

Não vi nela templo sagrado, nem casa de justiça, nem os moradores celebram missa, nem os habitantes vivem sujeitos à lei da razão. Há aposentos tão fechados, escuros e mal-cheirosos que parecem cofres ou caixões de defunto. Esta cidade é triste e escura, negra por fora e negríssima por dentro, com solo negros, paredes negrunas, hatitantes negrazos e oficiais negretes.11

8Ao detalhar o espaço em que viviam as diferentes classes de ofícios da população do navio e como elas agiam para poder se nutrir, se vestir, se limpar e cumprir os compromissos religiosos – como as missas e orações, os cantos e as celebrações em dias santos – que faziam parte da vida de qualquer cristão, Salazar forneceu uma impressão complementar à imagem veiculada anteriormente por Guevara e Tomás de la Torre. Na esteira desses autores, esse cronista também não se esquivou de mostrar as ações mais corretas para os homens colocarem em prática durante a viagem, como também aquelas que teriam de recusar para proteger suas almas e seus corpos.

  • 12 Somente em 1805 há notícia de um tratado em castelhano voltado a orientar de que modo navegadores (...)
  • 13 De acordo com Pedro Tomé Martín e Andrés Fábregas Puig, “el autor, fray Tomás de la Torre, sabe mu (...)

9Em uma época em que crescia a intensidade das viagens marítimas, dada a conquista do império espanhol de novos domínios fora da Europa, a escrita dessas obras ajudou a mostrar, a partir da experiência dos próprios narradores, as dificuldades apresentadas a bordo de um navio. Diante da ausência de textos específicos escritos em castelhano para orientar os navegantes sobre a vivência no mar,12 uma vez que as viagens eram recentes e não havia muitos letrados nesse meio, os relatos de religiosos como Antonio de Guevara e Tomás de la Torre, assim como os elaborados por oficiais da coroa, como Eugenio de Salazar, cumpriram a tarefa de contar os bastidores de um cenário nada aprazível para um público que desconhecia os percalços e os sofrimentos experimentados por quem já havia viajado. Ao articularem avisos e prescrições sobre como preservar a alma e como cuidar do corpo nessa nova cidade, esses relatos também anteciparam para os seus leitores modos corretos de agir nesse ambiente.13

Cuidar da alma

  • 14 De acordo com Francisco Contente Domingues, havia a “convicção partilhada por muitos, propalada pe (...)
  • 15 Nas naus en que viajavam religiosos, “os sacerdotes procuravam chamar a atenção dos fiéis para a n (...)
  • 16 “[...] ni por Pascua de Cristo, o día de algún gran sancto o ser día de domingo, no dejen en ella (...)
  • 17 “[...] coman carne en la Cuaresma, en las cuatro Temporas, en los Viernes, en las Vigilias, en los (...)

10Dentre as orientações relatadas nessas obras, cuidar da alma de quem viajava aparece como uma das primeiras medidas propostas pelos autores, especialmente os religiosos, que vinculavam o mau comportamento dos viajantes ao fracasso da navegação. Mais precisamente, esses autores acreditavam que os homens viciosos poderiam interferir no destino da viagem na medida em que condenavam a embarcação a sofrer coletivamente os eventuais castigos e punições pelos seus desvios.14 Muitos foram os testemunhos que relacionavam as epidemias e outros entraves ocorridos às condutas impróprias dos navegadores que se excediam e praticavam os mais variados pecados ao ingressarem no mar.15 Em uma das passagens mais ilustrativas do cotidiano vivenciado, Antonio de Guevara observou a indisciplina da maioria dos tripulantes em relação a um regime de vida cristã ora desconhecido por uns ora abandonado por outros após o embarque. Em uma das passagens de sua obra, esse frei relatou que “[...] nem na Páscoa de Cristo ou em dia de algum santo ou em dia de domingo os remeiros e passageiros deixam de jogar, furtar, adulterar, blasfemar, trabalhar nem navegar [...]”16. Já em outra altura do relato, ainda descrevendo os maus hábitos de boa parte dos viajantes que dividiam com ele o mesmo barco, narrou a ocorrência de outra transgressão muito mais comum nesse ambiente: a ingestão de carne, segundo ele, “durante a quaresma, nas quatro têmporas, nas sextas-feiras, nas vigílias, nos sábados e em todos os outros dias vetados” sem nenhum pudor e sem “nenhuma vergonha, nem mesmo consciência” que todo bom cristão deveria possuir.17 Tendo em vista o baixo nível dessa gente do mar – formada por pajens, grumetes, marujos – que ingressava na nau com a única expectativa de melhorar de vida, não era incomum a prática de delitos heréticos tanto pela ignorância sobre o significado de seus atos, já que muitos não haviam recebido uma formação religiosa adequada, quanto pela transgressão de uma vida ordenada ao se encontrarem expostos em um ambiente completamente hostil e contrário ao que estavam acostumados.

  • 18 “Como yo algunas veces les riñese y amonestase que no lo comiesen, respondíanme ellos que pues los (...)

11Nesse cenário, religiosos como Antonio de Guevara buscaram instruir os praticantes desses desvios com a espera de reverter todo um quadro pecaminoso que se apresentava a bordo. Embora fosse mais um tripulante vivendo sob as mesmas condições que os demais, esse frei não se furtou do dever religioso de pregar sobre os dogmas cristãos e instruir aqueles que pecavam no curso da viagem. Ele mesmo relatou cenas em que advertia quem agia de modo contrário ao comportamento cristão, como esclarecesse no seguinte trecho: “algumas vezes eu repreendi e admoestei [estes tripulantes] para que não comessem” nos dias santos.18 Mais incisivo do que os demais autores aqui estudados, Guevara atuou para que muitos desses homens se emendassem e se livrassem dos erros que cedo ou tarde prejudicariam todos. Tal esforço, contudo, nem sempre era bem-sucedido dadas as condições completamente atípicas que impediam muitos de manterem uma vida ajustada às normas cristãs, exceto nos momentos em que se encontravam em situações limites e mais próximos da morte, como é o caso dos tripulantes que se mostravam mais preocupados em cuidar de suas almas em momentos em que as suas vidas estavam em grave perigo.

  • 19 “[...] se ponen a rezar, se ocupan en suspirar, se toman a llorar” [...] “las promesas que hiciero (...)

12Os exemplos são inúmeros e mostram que mesmo os viajantes mais indisciplinados não deixavam de se curvar em busca da salvação de suas almas diante de uma eminente partida. Antonio de Guevara relatou ter sido essa a reação dos tripulantes da embarcação em que viajava frente aos perigos trazidos pelas tormentas e ao sentimento de que viviam os seus instantes finais. De acordo com ele, em momentos como esse, marinheiros, remeiros e aventureiros “passam a rezar, se ocupam em suspirar e começam a chorar” e, tão logo a ameaça acaba, revelam para os outros “as promessas que fizeram”.19 Já outros, diante das reações de desespero que os levavam a gritar e a se desorientar, encontravam consolo nas orações e nos cantos em coro e, no caso dos religiosos, celebravam missas e participavam de romarias depois de salvos, como se pode observar a seguinte passagem vivenciada e contada por frei Tomás de Torre:

  • 20 “El sábado en la noche fue peor que hasta allí, porque llovía terriblemente y las olas parecían qu (...)

Sábado à noite foi pior até aquele dia, porque chovia terrivelmente e as ondas pareciam querer chegar ao céu, quebravam o navio e muitas [vinham] por cima da popa, o que nos levou a pensar que havia chegado a nossa hora. De todos os religiosos, alguns se encomendavam modestamente a Deus, outros davam vozes chamando o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo [...]. Certo é que por tudo isso sentíamos consolados e não nos importava muito morrer, pois creio que se morrêssemos, a misericórdia de Deus nos salvava, e assim passamos a cantar hinos [...].20

  • 21 Para os homens dessa época, manter uma conduta ponderada também assegurava a saúde, já que as más (...)
  • 22 “Bendita sea luz y la Santa Veracruz”; “aunque sospecho que estamos en casa del diablo, he oído pa (...)
  • 23 Para Delphine Tempère, “Definitivamente los libros de devoción eran los más preciados y nos revela (...)
  • 24 Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 51.

13As manifestações religiosas eram incentivadas não apenas para ajudar a redimir esses homens dos pecados cometidos, mas também para consolá-los frente aos medos e desesperos que perturbavam as suas almas e propiciavam o adoecimento de seus corpos.21 Não é por menos que frei Tomás de Torre, na condição também de tripulante, manifestou sentir alívio e confiança ao lembrar das missas e orações que os seus irmãos da Igreja celebravam em terra a favor da sua expedição. Do mesmo modo, Eugenio de Salazar destacou esse amparo como imprescindível nos momentos de desesperança, fato que foi registrado na sua carta ao amigo Miranda de Ron, em que ele contou que logo no início da navegação, depois de se sentir no escuro e com bastante temor, restabeleceu o ânimo ao ouvir este trecho de prece: “Bendita seja a luz e a Santa Veracruz” e, em seguida, o Pai Nosso e a Ave Maria, dizendo: “ainda que suspeito que estamos na casa do diabo, ouvi palavras de Deus”.22 Mas o alívio da alma também poderia ser alcançado por meio de leituras religiosas23 – como a bíblia, os livros de horas ou a história de algum santo – feitas, muitas vezes, em voz alta para o proveito de todos, ou da realização de vigílias em datas festivas e até mesmo da prática de cantar hinos e cânticos. Eugenio de Salazar noticiou que se cantava desde o início da viagem, como forma de acompanhar os trabalhos necessários para a navegação, até a chegada ao porto final, pontuando que, tão logo começavam a entoar a Salve, “todos viravam cantores”.24

  • 25 “[...] encomendarse a algunos notables santuarios, arrepentirse de sus pecados, reconciliarse con (...)
  • 26 “[...] ora sea en nao ora sea en galera, se confiese y se comulgue y se encomiende a Dios como bue (...)

14Ao lado dessas atividades, os autores relatavam algumas medidas que também estavam relacionadas aos cuidados com a alma, como, por exemplo, as prescrições de Antonio de Guevara que orientavam os viajantes cristãos a como se comportar durante a viagem. Em um de seus avisos aos homens que já se encontravam no mar, recomendava que, frente às grandes tempestades e outros perigos, não deixassem de “[...] se encomendar a alguns notáveis santuários, arrepender-se de seus pecados, reconciliar-se com seus companheiros e rezar algo aos santos mais devotos, pois tudo isso que se faz a cada passo no mar, depois, tarde ou nunca se cumpre na terra”.25 Já para aqueles que ainda não haviam embarcado, Guevara tratava de mostrar como poderiam se organizar antes da viagem considerando os riscos de morte a que estariam submetidos. Nesse caso, os avisos previam que todo aquele que desejasse entrar no mar, “[...] ora em uma nau ora em uma galera, confesse, comungue e se encomende como bom e fiel cristão, porque o mareante leva a vida com aventuras assim como quem entra em uma batalha adiada”.26 Guevara destacava a importância de o viajante se preparar previamente a partir do cumprimento de alguns dos sacramentos cristãos, pois, se caso a morte chegasse, não teria nenhuma pendência que inviabilizasse o sossego de suas almas. Em uma outra altura do relato, esse religioso ainda complementava essa primeira fala aconselhando a todo bom cristão que providenciasse, segundo ele,

  • 27 “[...] su testamento, declare sus deudas, cumpla con sus acreedores, reparta su hacienda, se recon (...)

[...] seu testamento, declare suas dívidas, cumpra com seus credores, reparta os seus bens, reconcilie-se com seus inimigos, ganhe seus postos, faça suas promessas e absolva com perdões, porque, uma vez no mar, diante de alguma grande tormenta, nem por todos os tesouros dessa vida desejarás ter algum escrúpulo ou peso de consciência.27

  • 28 Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 64.

15Todas essas medidas buscavam livrar o viajante de deveres que nem sempre poderiam ser cumpridos a bordo dadas as condições adversas do traslado. No caso da confissão, por exemplo, aconselhava a sua realização antecipada, ainda em terra firme, já que em meio a uma tempestade ou durante um ataque de corsários ou um adoecimento repentino, seria muito mais difícil e, muitas vezes, até impossível, declarar os seus pecados em busca do perdão. Frei Tomás de la Torre comentava que em muitos momentos as dificuldades se impunham até mesmo para “rezar as horas”, de modo que oravam como podiam “tarde e mal” por não haver tempo e espaço para se dedicarem apropriadamente.28

  • 29 De acordo com Jean Delumeau, a “resistência das populações à confissão auricular obrigatória, sobr (...)
  • 30 “Es verdad que en algunas veces, burlándome con los remeros y marineros en la galera, como yo les (...)
  • 31 De acordo com pesquisador Paolo Prodi, a confissão era o instrumento em que o pecador, com o auxíl (...)
  • 32 Francisco Contente Domingues afirma que “havia a obrigatoriedade de todos os que adoeciam se confe (...)
  • 33 Longe de ser uma novidade, essa orientação de que se deveria curar somente após a confissão já est (...)
  • 34 SERÉS, Guillermo. La literatura espiritual en los Siglos de Oro. Madrid: Ediciones del Laberinto, (...)
  • 35 Campagne, Fabián Alejandro. Medicina y religión en el discurso antisupersticioso español de los si (...)

16Embora soubessem dos obstáculos confrontados nesse cenário, os tripulantes mais comuns, nomeadamente os não religiosos, pouco se importavam, segundo Guevara, em preparar as suas almas antes de entrar no mar.29 Em uma de suas visitas pelas repartições da embarcação, esse religioso constatou ser essa uma realidade ao conferir os dados dos passageiros que viajavam com ele pelo Mediterrâneo, dizendo: “É verdade que algumas vezes, quando interagi com os remeiros e os marinheiros na galera, pedi-lhes as cédulas de confissão e logo me mostraram cartas de baralho, dizendo-me que naquela santa confraria não aprendiam a se confessar, mas, sim, a jogar e a trasladar”.30 O que não deixava de ser um problema na hora de se tratar os doentes, afinal, médicos, barbeiros e cirurgiões do navio só podiam aplicar algumas das medidas terapêuticas após a confissão auricular31 do enfermo.32 Julgava-se que as intervenções no corpo teriam de ser feitas depois de assegurada a salvação da alma,33 já que não havia a garantia de que a terapia adotada reverteria o quadro de saúde do doente. Além disso, havia a crença de que a cura se dava primeiro pela esfera religiosa para somente depois ocorrer pela interferência humana. Mais precisamente, acreditava-se que primeiro o doente teria de se reconciliar com Deus solicitando o perdão pelos seus pecados – prática que se dava pela via purgativa em que ele purificava a sua alma rechaçando toda a sua culpa34 – para, em seguida, amenizar os danos causados em seu corpo com a aplicação da medicina e de seus meios curativos, como a sangria e purgação destinadas a retirar os maus humores que minavam o seu vigor.35

  • 36 De acordo com Vera Moya Sordo, nos final do século XVI pretendeu-se “obligar a los marineros a por (...)
  • 37 Martínez, José Luis. Pasajeros de Indias, p. 41.

17Os conselhos emitidos por religiosos como Antonio de Guevara ou mesmo o próprio testemunho deixado por Tomás de la Torre indicavam aos futuros tripulantes que frente às muitas adversidades que encontrariam no mar, melhor seria prepararem as suas almas e aliviarem as suas consciências antecipadamente.36 Ao reproduzirem as ordenações reais divulgadas para guiar o público composto pela gente do mar nesse primeiro momento, esses autores ajudaram a fixar e a naturalizar um conjunto de ações que deveriam ser seguidas nas viagens, como o preparo espiritual e o corporal, e a organização de tudo o que fosse necessário para a jornada de três meses a bordo – tais como cédulas de confissão, vestimentas, mantimentos, remédios e demais itens para o seu proveito pessoal. Pode-se dizer que havia uma espécie de código ou regramento oficial que estava controlado pela Casa de la Contractación, órgão responsável não apenas pela autorização de quem se dispunha a navegar, mas também pela prescrição sobre o que deveria ser feito antes e durante as viagens, pela indicação de quais os itens a embarcação teria de oferecer e o que cada membro do navio deveria portar.37

Cuidar do corpo

18Com o mesmo peso que esses homens davam aos cuidados com a alma em seus textos, os avisos referentes aos cuidados com o corpo também aparecem com destaque nas suas descrições. Nos relatos aqui analisados, os autores preocuparam-se em abordar os meios que os viajantes poderiam empregar para se proteger e, obviamente, se tratar, frente aos diversos padecimentos sofridos no curso da viagem. Um dos primeiros avisos deixados nesses escritos diziam respeito aos problemas ocorridos tanto pela mudança das águas, tornadas mais agitadas e com um maior volume de ondas logo que as embarcações ingressavam em alto mar, quanto pela variação do ar em decorrência da alteração de temperaturas, ora mais altas ou frias ora mais secas ou úmidas dependendo das zonas em que atingiam. Acerca da mudança das águas, os autores reportavam ser frequente a ocorrência de achaques estomacais, como enjoos e vômitos, provocados pelo balanço das naus, assim como a incidência de comorbidades menos comuns, como palpitações e tonturas, que acometiam aqueles pouco acostumados ao movimento repentino das velas e à comoção sentida nos momentos iniciais da navegação. Descrevendo esse primeiro contato dos espanhóis com o mar, Eugenio de Salazar reportou os efeitos contrários sentidos por todos ao entrarem nas águas oceânicas, testemunhando que:

  • 38 “[...] en entrando la fuerza del mar, hizo tanta violencia en nuestros estómagos y cabezas, que pa (...)

[...] a força do mar veio com tanta violência em nossos estômagos e cabeças, que [todos nós], pais e filhos, velhos e moços, ficamos com cor de defuntos e começamos a “dar a alma” (que é vomitar) [...] e lançar pela boca tudo o que nela havia entrado naquele dia e no antecedente; e os jorros vinham uns com fria e pegajosa fleuma, outros com ardente e amarga cólera e alguns com terrestre e pesada melancolia.38

19Relato bastante similar deixou frei Tomás de la Torre ao transmitir o que ele e os seus companheiros haviam passado não muito tempo depois de a nau em que estavam começar a navegar, dizendo que:

  • 39 “[...] fueron el padre vicario y sus compañeros y fray Jorge de León, y aunque por la mar no hay m (...)

[...] viajaram o padre vicário, seus companheiros e o frei Jorge de León, e embora não houvessem passado no mar mais de três léguas, sofreram mais de mil apuros porque todos, exceto o padre vicário, enjoaram e vomitaram infinito, trazendo, como se diz, a “alma entre os dentes”, experimentando ali o que iriam padecer ao longo do mar.39

20Embora esses efeitos fossem experimentados logo no começo do trajeto, os relatos transmitem a ideia de que os tripulantes eram acometidos por mal-estares no curso inteiro da viagem, sobretudo nos períodos em que a embarcação enfrentava a ação violenta das tormentas. Por isso, era necessário saber agir para impedir que os danos causados se prolongassem e debilitassem ainda mais seus corpos. No Libro de los inventores del arte de marear..., Antonio de Guevara deixou um importante aviso sobre como os viajantes poderiam se prevenir dos problemas digestivos que os afetariam durante o caminho, escrevendo:

  • 40 “Es saludable consejo que el curioso mareante ocho o quinze días antes que se embarque, procure de (...)

É um saudável conselho que o curioso navegante, oito ou quinze dias antes do embarque, procure se limpar e evacuar o corpo ora com mel rosada, ora com rosa Alexandrina, ora com boa canafístula, ora com alguma pílula bendita, porque naturalmente o mar será muito mais piedoso com os estômagos vazios do que com os repletos de maus humores.40

21Nos conselhos seguintes deixados no seu relato, o religioso complementou essa primeira orientação dizendo ser

  • 41 “Es saludable consejo, y aun necesario y provechoso, que cada pasajero trabaje en la mar de tener (...)

[...] proveitoso e ainda necessário que cada passageiro que trabalhe no mar tenha sempre o estômago muito equilibrado e não sobrecarreado com manjares, isto é, que coma pouco e beba menos, porque se em terra [esse ato] é indecoroso, no mar também é, ainda mais no tempo das tormentas, em que é perigoso comer até empanturrar-se e beber até vomitar.41

  • 42 “[...] ni se le revolverá el estómago ni se le desvanecerá la cabeza”. Guevara, Antonio de. Libro (...)

22A recomendação tinha como finalidade evitar que os homens, uma vez no mar, expelissem o que haviam ingerido enquanto estavam em terra. Considerando que a mudança das águas afetaria rapidamente o equilíbrio de seus corpos, esse religioso aventava que os viajantes sentiriam menos os impactos no mar se mantivessem uma dieta controlada. Essa medida tinha como objetivo prevenir os problemas digestivos causados pela falta de comedimento de muitos viajantes que se excediam ao comer e ao beber. Já para amenizar os enjoos causados pelo movimento das naus, a receita era colocar um papel de açafrão sobre o coração e permanecer quieto com a garantia de que “nem revirará o estômago nem desvanecerá a cabeça”.42

  • 43 “Aos grumetes, quase sempre jovens adolescentes, restava cumprir com o que se esperava de quem ocu (...)
  • 44 “[...] porque a los pies le hará mal la humidad y a la cabeza el sereno”. Guevara, Antonio de. Lib (...)

23Ao lado das afecções trazidas pela mudança das águas, os autores reportavam os incômodos à saúde causados pela oscilação do ar conforme as embarcações seguiam o seu caminho. Ao rumar para o sul, por exemplo, abaixo da linha do Equador, os viajantes sofriam com a queda brusca da temperatura sem dispor de condições necessárias para se manterem protegidos. O quadro piorava nos navios que percorriam a Carreira das Índias por serem embarcações que não ofereciam muitos espaços cobertos para acomodar todos os tripulantes e, menos ainda, para acolher quem trabalhava na área externa do navio, caso dos marinheiros, grumetes e pajens.43 Nessa situação, muitos estavam propensos a desenvolver doenças pleuro-pulmonares que se manifestavam com o aparecimento de resfriados, febres, tosses e catarros e, em alguns casos, se agravavam para quadros mais sérios dada a umidade e o mofo desse ambiente. Antonio de Guevara, a esse respeito, orientava os viajantes que não ousassem andar com os pés descalços pelo pátio nem dormir à noite com a cabeça descoberta, porque, segundo ele, “a umidade fará mal aos pés e o sereno à cabeça”.44 Alertava, na sequência dessa passagem, que quem não se cuidava muito bem no mar não escapava de sair de lá com o peito carregado de catarro ou, o que seria pior, com alguma surdez.

  • 45 “[...] más provechosa que vistosa”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marea (...)

24Se a friagem ocasionava problemas sérios à saúde, a elevação da temperatura quando as naus atingiam as zonas tropicais tornava o cenário marítimo ainda mais nocivo aos homens, não apenas porque a exposição ao sol sem nenhuma proteção causava queimaduras na pele, mas também porque o excessivo calor facilitava a propagação de doenças em um ambiente onde todos viviam aglomerados. Tendo de conviver com essas adversidades, os viajantes podiam tomar alguns cuidados para amenizarem os efeitos do clima quente durante a navegação. No Libro de los inventores del arte de marear, Antonio de Guevara repetiu o mesmo conselho dado para o enfrentamento das baixas temperaturas ao recomendar que os homens vestissem roupas apropriadas nas galeras. Argumentando que as roupas teriam de ser “mais proveitosas do que vistosas”,45 ele orientou o uso de algumas peças específicas – como “sandálias de cortiça, sapatos, calças marinheiras, gorros, cintos” – para a proteção dos pés e da cabeça.

  • 46 “[...] pantuflas de corcho, zapatos doblados, calzas marineas, bonetes monteros, agujetos doblados (...)
  • 47 Para Pérez Mallaína, a ausência de água limpa significava a pior das carestias já que esse item fa (...)
  • 48 Mira Caballos, Esteban. La vida y la muerte a bordo de un navío del siglo XVI: algunos aportes. Re (...)
  • 49 “[...] perfumes, menjuí, estoraque, ámbar, o aloes”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores (...)
  • 50 Torre, Tomás de la. Libro de los inventores del arte de marear, p. 72.

25Já para se defender das moléstias infecciosas que aumentavam nos períodos mais quentes, esse religioso destacou a importância de se manter a limpeza pessoal dos viajantes. Um de seus conselhos para quem iria embarcar era levar “três ou quatro camisas limpas”,46 pois, como nem sempre existia a chance de lavar as roupas em razão da escassez da água doce47 e da inviabilidade de se usar a água do mar, as vestimentas sobressalentes garantiriam a troca sempre que fosse necessário. Não menos importante do que levar mudas de roupas era se limpar alguns dias antes da viagem, já que os banhos seriam igualmente difíceis nessas condições.48 De igual modo, era importante portar em suas bagagens, especialmente quem tinha “estômagos delicados”, essências variadas de “perfume, benjoeiro, estoraque, âmbar ou aloés”49 para espantar os maus odores que subiam dos porões, que saiam debaixo das coberturas e que se faziam sentir em todos os espaços quando o cabo da nau se movimentava.50

  • 51 De acordo com Pérez Mallaína, “si al hacinamiento unimos el calor de las navegaciones tropicales y (...)
  • 52 “Y porque los que no saben de la mar entiendan algo de lo que en ella se padece, especialmente a l (...)

26Todos esses conselhos visavam auxiliar os viajantes a saber como se manter nesse lugar “sujo e impuro”, segundo a afirmação de frei Tomás de la Torre, em que muitos se destinavam a passar pelo menos um período de suas vidas.51 Com a intenção de contar “aos que não sabem nada sobre o mar”, principalmente os principiantes, a fim de que “entendam o que lá se padece”52, esse religioso dedicou uma parte do seu diário para expor o espaço insalubre em que viajavam os diferentes tipos de homens, dizendo:

  • 53 “[...] no hay hospital más sucio y de más gemidos que aquél: unos iban debajo de cubierta cociendo (...)

[...] uns iam debaixo da cobertura cozinhando vivos, outros assando ao sol sobre a cobertura, largados ao solo, maltratados, pisoteados e sujos que faltariam palavras para explicar; e ainda que ao cabo de alguns dias íam se recompondo, não conseguiam servir os outros que estavam maus.53

27Complementava essa imagem a descrição deixada um pouco depois por Eugenio de Salazar ao mostrar como era a dita cidade em que ele havia viajado por alguns meses pelo Atlântico, valendo-se das seguintes metáforas:

  • 54 “Hay árboles en esta ciudad, no de los que sudan saludables gomas y licores aromáticos, sino de lo (...)

Há árvores nessa cidade, mas não daquelas que expelem gomas saudáveis e licores aromáticos, mas aquelas que escorrem continuamente porcas gorduras e sebos hediondos. Há também rios que fluem, mas não de correntes de águas doce e cristalina, mas sim de espessa sujeira, e não cheios de grãos de ouro como em Cibao ou em Tajo, mas sim de grãos de aljôfar mais do que comum, que são granulados de piolhos [...]. Das partes para dentro há um grande número de baratas, que ali chamam curiana e grande montaria de ratos [...].54

28Em meio à tanta imundície, não apenas as condições sanitárias se deterioravam ao longo da viagem, mas a própria alimentação a bordo sofria com os efeitos do calor e da falta de um correto armazenamento. Frei Tomás de la Torre reclamava que embora houvesse “muita pouca vontade de comer” por se encontrarem mal dispostos e vivendo entre vômitos e maus odores, “a gana de beber não faltava” porque ali, complementava ele, “a sede que se padecia era incrível” em razão da grande quantidade de sal presente nas carnes que ingeriam. Já Eugenio de Salazar relatou que mesmo se houvesse água doce disponível seria necessário “perder os sentidos do gosto, olfato e vista para conseguir bebê-la” dado o seu mau estado, assim como os alimentos, segundo a sua descrição, também se encontravam igualmente “corrompidos e hediondos” pela ação do calor e da umidade.

  • 55 Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 47.
  • 56 Moreno Cebrian, Alfredo. La vida cotidiana en los viajes ultramarinos. España y el ultramar hispán (...)

29A situação a bordo piorava ainda mais nos momentos de calmaria, isto é, quando a frequência dos ventos diminuía e prejudicava a locomoção das embarcações. Eugenio de Salazar destacou em sua carta que nesses casos, quando se deparavam com uma “calma no meio do mar”, os suprimentos levados para a viagem, já em quantidades racionadas, poderiam perecer e, assim, os “estômagos que estavam quietos voltariam a roncar e os humores que estavam equilibrados subiriam à cabeça”.55 O resultado era terrível para a saúde dos viajantes, pois, sem realizar uma dieta apropriada, estariam mais vulneráveis à ação de doenças, como, por exemplo, “o mal de calmarias” ou “mal das gengivas”, assim chamado à época o escorbuto, que afetava justamente os viajantes desnutridos pela falta de nutrientes, como a vitamina C, presentes em frutas e em legumes.56

  • 57 “[...] el pan, el queso, el vino, el tocino, la carne, el pescado y las legumbres [...]”. Guevara, (...)
  • 58 As listas de produtos levados pelos viajantes para as viagens à Índias, conservadas no Arquivo de (...)
  • 59 “[...] porque dado caso que son manjares rústicos, y vascosos, no son delicados para se marear [.. (...)

30Como não seria possível manter a qualidade dos alimentos por muito tempo, Antonio de Guevara instruía os viajantes a levarem, além do “pão, queijo, vinho, toucinho, carne, pescado e legumes”57 que faziam parte de seus provimentos triviais,58 outras comidas que fossem mais difíceis de estragar, como as passas, ameixas, amêndoas, cidras, geleias, os figos e biscoitos brancos. Em outra prescrição, recomendava ainda que cada viajante carregasse na bagagem um pouco de alho, cebola, vinagre, azeite, sal, porque, para ele, “dado que são manjares rústicos e viscosos, não são delicados para se navegar [...] e pode ser que com migalhas, água, sal e azeite se faça um tal gazpacho que lhe será melhor do que um animal em outro tempo”.59 Tais alimentos também eram mais fáceis de consumir em momentos de tormentas, quando não havia como cozinhar, e outros, como os biscoitos brancos, por exemplo, por ser leves e secos, complementavam, ao lado das galinhas, as dietas especiais destinadas aos doentes. Esses cuidados alimentares estavam inseridos, portanto, numa ampla rede de prescrições que visavam preservar o corpo por meio de dietas e cuidados com a limpeza pessoal. Como os tripulantes nem sempre podiam contar com a ajuda de médicos, cirurgiões ou boticários, muitas vezes faltos nas viagens iniciais para as Índias dado o alto custo desses profissionais, a prevenção de doenças dependia de seus próprios esforços, daí a importância desses relatos na vida de quem embarcava nessa época, sobretudo porque esses avisos não ficavam restritos ao círculo letrado e rapidamente corriam pelos portos de Cádiz e de Sevilha alcançando um público mais geral.

  • 60 Jáuregui-Lobera, Ignacio. Nevagación e historia de la ciencia: la vida a bordo de los hombres de l (...)

31Com o aumento do fluxo das viagens, os problemas a bordo passaram a ser pouco a pouco amenizados por uma série de medidas aplicadas pela própria Coroa. As cédulas de 1557 e 1567, por exemplo, indicam a preocupação com as condições sanitárias ao estipular a obrigatoriedade de haver um médico, um barbeiro e de três ou quatro barbeiros-cirurgiões como membros presentes nas viagens, já a cédula de 1580 reafirma essa atenção com os marinheiros ao ordenar o embarque de um barbeiro encarregado de cuidar da higiene pessoal desse grupo e de um cirurgião para tratar exclusivamente dos enfermos. Todas estas medidas são reforçadas um pouco depois, em 1674, quando se estabelece a construção de hospitais localizados em portos estratégicos para garantir maior assistência aos doentes e a orientação aos encarregados pela embarcação de assegurar o amparo espiritual a quem mais necessitava.60

Considerações finais

32Guardadas as diferenças que separam os três relatos aqui mencionados – o Libro de los inventores del arte de marear... de Antonio de Guevara, a Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa de Tomás de la Torre e a Carta escrita al licenciado Miranda de Ron... de Eugenio de Salazar – é possível dizer que todos eles guardam em comum um conjunto de prescrições voltadas para amparar as ações dos espanhóis durante suas viagens no século XVI. Se os relatos de Tomás de la Torre e de Salazar não foram tão pródigos em orientar esses homens a agir na esfera marítima como o de Guevara, que compôs um verdadeiro guia com conselhos e avisos para os navegantes, nem, por isso, deixaram de serializar orientações pontuais para os cuidados da alma e do corpo voltados a auxiliar os navegantes. Essas obras ajudaram, desse modo, a ensinar certas ações a serem tomadas antes e durante a viagem para os viajantes presentes e futuros protegerem suas almas e não macularem seus corpos. Mais precisamente, ao proporem um quadro de prescrições, esses textos hierarquizavam os conselhos e tomavam o cuidado com a alma como o estágio mais importante da preparação para uma longa viagem marítima. Enfatizando a importância da confissão dos viajantes, esse quadro de recomendações ganha relevo em decorrência do aparecimento de uma política mais ordenada no século XVI de disciplinamento do corpo com vistas à salvação da alma.

Haut de page

Bibliographie

Campagne, Fabián Alejandro. Medicina y religión en el discurso antisupersticioso español de los siglos XVI a XVIII: un combate por la hegemonía. DYNAMIS. Acta Hisp. Med. Sci. Hist. Illus. 2000, 20.

Delumeau, Jean. O pecado e o medo. A culpabilização no Ocidente. (séculos 13-18), v. II. São Paulo: EDUSC, 2003.

Domingues, Contente; Guerreiro, Inácio. A vida a bordo na carrera da India (século XVI). Revista da Universidade de Coimbra, V. XXXIV, 1988.

Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear y de muchos trabajos que se pasan en las galeras. Valladolid, 1539. Fundación El libro total. Disponivel em: https://www.ellibrototal.com/ltotal/?t=1&d=3461.

Hernández Méndez, Rodolfo Esteban (Coord.). La orden de los dominicanos en el reino de Guatemala. 1535-1700. Universidad de San Carlos de Guatemala, 2000.

Jáuregui-Lobera, Ignacio. Nevagación e historia de la ciencia: la vida a bordo de los hombres de la mar en el siglo XVI. JONNPR, 2020; 5 (3).

Lopes, Antonio; Frutuoso, Eduardo. Vida a bordo nas naus da Carreira da Índia. Disponível em: https://alvarovelho.net/images/patrono/Viver_no_mar.pdf. Acesso em: 22/08/2020.

Martínez, Jose Luis. Pasajeros de Indias. Viajes transatlánticos en el siglo XVI. Madrid: Alianza Editorial, 1984.

Mira Caballos, Esteban. La vida y la muerte a bordo de un navío del siglo XVI: algunos aportes. Revista de Historia Naval, n. 108, Madrid, 2010.

Monardes, Nicolás. In: Sevillana medicina. Que trata el modo conservativo y curativo de los que habitan en la muy insigne ciudad de Sevilla, la cual sirve y aprovecha para cualquier otro lugar de estos reinos. Sevilla: Imprenta de Enrique Rasco, 1885.

Moreno Cebrian, Alfredo. La vida cotidiana en los viajes ultramarinos. España y el ultramar hispánico hasta la ilustración. I Jornadas de historia marítima. Instituto de Historia y Cultura Naval, 1989.

Moya Sordo, Vera. El miedo en el escenario del viaje Atlántico ibérico. Siglos XV-XVI. Cuardenos de estudios galegos, T.60, nº 126, 2013.

Pérez Mallaína, Pablo. El hombre frente al mar: naufragios en la Carrera de Indias durante los siglos XVI y XVII. Sevilla: Universidad de Sevilla, 1997.

Pérez Mallaína, Pablo. Los hombres de las rutas oceánicas hispanas en el siglo XVI. In: RIBOT GARCÍA, Luis Antonio; DE ROSA, Luigi (Coords.) Naves, puertos e itinerarios en la época moderna. Espanha: Editorial Actas, 2003.

Prodi, Paolo. Uma história da justiça. Do pluralismo dos foros ao dualismo moderno entre consciência e direito. Tradução Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Prosperi, Adriano. Tribunais da consciência. Inquisidores, confessores, missionários. São Paulo: EdUSP, 2013.

Russel-Wood, A. Men under stress: the social environment of the Carreira da Índia. 1550-1750. In: II Seminario Internacional de Historia Indo-Portuguesa. Lisboa: IICT-CEHCA, 1985.

Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, particular amigo del autor, en que pinta un navio, y la vida y ejercicios de los oficiales y marineros del, y como lo pasan los que hacen viajes por el mar. In: Cartas de Eugenio de Salazar, vecino y natural de Madrid, escritas á muy particulares amigos suyos. Madrid: Imprenta y esterotipia de M. Rivadeneyra, 1866.

Serés, Guillermo. La literatura espiritual en los Siglos de Oro. Madrid: Ediciones del Laberinto, 2003.

Synodicon Hispanum. Extremadura: Badajoz, Coria-Cáceres y Plasencia. Edición critica dirigida por Antonio Garcia y Garcia. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 1990.

Tempère, Delphine. Vida y muerte en alta mar. Pajes, grumetes y marineros en la navegación española del siglo XVI. Iberoamericana, II, 5, 2002.

Tomé Martín, Pedro; Fabregas Puig, Andrés. Introducción. In: Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa. Madrid: CSIC, 2011.

Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa. Madrid: CSIC, 2011.

Haut de page

Notes

1 Nesse estudo, optou-se pela tradução de todas as citações de documentos no corpo do texto e a manutenção dos originais em notas de rodapé. “La mar, para que conozcan lo que hace miren el hombre lo que tiene, pues el mar no quiere decir otra cosa sino amargura; porque si en las aguas es muy amarga, en las condiciones es muy más amarguísima. La mar es enemiga de todo lo que se sustenta la vida humana, porque el pescado es flemoso, el aire importuno, el agua es salobre, la humidad es dañosa y el navegar es peligroso”. GUEVARA, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear y de muchos trabajos que se pasan en las galeras. Valladolid, 1539. Fundación El libro total. Disponivel em: https://www.ellibrototal.com/ltotal/?t=1&d=3461, p. 21.

2 Sobre a organização e o cotidiano a bordo de um navio ver Russel-Wood, A. Men under stress: the social environment of the Carreira da Índia. 1550-1750. In: II Seminario Internacional de Historia Indo-Portuguesa. Lisboa: IICT-CEHCA, 1985.

3 “La mar a nadie tráelos contento de cuantos en ella andan navegando, porque los cuerpos tráelos cansados con la mala vida y los corazones están con sobresalto de alguna peligrosa tormenta. La mar, como tiene los aires muy delicados, hace a los estómagos que estén siempre hambrientos, mas ya le perdonará la gana que nos pone de comer por la fuerza con que nos hace revesar. La mar de todos se deja ver, se deja pescar, se deja navegar y se deja enseñorarse; mas junto con esto, a todos los que en ella entran les quita la jurisdicción y ninguno es poderoso para mudar ella la condición”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 21.

4 “la vida del cuerpo”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

5 A missão dos dominicanos na América passou inicialmente por Peru, México e Colombia e, num segundo momento, penetrou em outras regiões fundando bispados e conventos que seriam ocupados por um número considerável de religiosos. Hernández Méndez, Rodolfo Esteban (Coord.). La orden de los dominicanos en el reino de Guatemala. 1535-1700. Universidad de San Carlos de Guatemala, 2000.

6 “En breve nos dio la mar a entender que no era allí la habitación de los hombres y todos caímos almareados como muertos, que no bastara el mundo a hacernos mudar de un lugar; solamente quedaron en pie el padre vicario y otros tres; pero tales estaban los tres que no podían hacer nada, sólo el padre vicario nos servía a todos y nos ponía bacines y almofías para vomitar [...]”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa. Madrid: CSIC, 2011, p. 64.

7 Martínez, José Luis. Pasajeros de Indias. Viajes transatlánticos en el siglo XVI. Madrid: Alianza Editorial, 1984, p. 216.

8 “[...] siempre enfermos y en trabajo mientras duró la navegación”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 69.

9 Frei Tomás de la Torre repercutia a mesma ideia partilhada pelos homens da sua época de que a chave para se manter saudável estava na moderação dos hábitos alimentares e na condução ordenada das ações. O médico sevillano Nicolás Monardes, por exemplo, ao escrever o prefácio à edição da obra Sevillana medicina, de Juan de Aviñon, em 1545, aconselhava a todo homem procurar “conservar en salud y preservar lo más que pudiere de caer en enfermidades” para não desequilibrar a ordem que regia o seu corpo. MONARDES, Nicolás. In: Sevillana medicina. Que trata el modo conservativo y curativo de los que habitan en la muy insigne ciudad de Sevilla, la cual sirve y aprovecha para cualquier otro lugar de estos reinos. Sevilla: Imprenta de Enrique Rasco, 1885, p. 4.

10 “[...] primeramente el navio es una cárcel muy estrecha y muy fuerte de donde nadie puede huir aunque no lleve grillos ni cadenas y tan cruel que no hace diferencia entre los presos, igualmente los trata y estrecha a todos: es grande la estrechura y ahogamiento y calor [...]”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 65.

11 “Porque no vi en ella templo sagrado, ni casa de justicia, ni a los moradores se dice misa, ni los habitantes viven sujetos a la ley de razón. Hay aposentos tan cerrados, oscuros y olorosos, que parecen bóvedas o carneros de difuntos. Es esta ciudad triste y oscura; por defuera negra, por dentro negrísima; suelos negrales, paredes negrunas, habitadores negrazos y oficiales negretes [...]”. Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, particular amigo del autor, en que pinta un navio, y la vida y ejercicios de los oficiales y marineros del, y como lo pasan los que hacen viajes por el mar. In: Cartas de Eugenio de Salazar, vecino y natural de Madrid, escritas á muy particulares amigos suyos. Madrid: Imprenta y esterotipia de M. Rivadeneyra, 1866, p. 39.

12 Somente em 1805 há notícia de um tratado em castelhano voltado a orientar de que modo navegadores e oficiais deveriam agir para se cuidar e para tratar as enfermidades contraídas durante as viagens marítimas: o Tratado de las enfermedades de la gente de mar escrito por Pedro María González.

13 De acordo com Pedro Tomé Martín e Andrés Fábregas Puig, “el autor, fray Tomás de la Torre, sabe muy bien que no escribe ni para él, ni para aquellos que con él fueron, sino para quienes quedaron, para quienes no viajaron; para aquellos a los que debe explicar cómo es un lugar que solamente a través de la imaginación pueden llegar a ver. Y el fraile sabe muy bien que serán sus palabras el adecuado vehículo para excitarla”. Tomé Martín, Pedro; Fabregas Puig, Andrés. Introducción. In: TORRE, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa. Madrid: CSIC, 2011, p. 18.

14 De acordo com Francisco Contente Domingues, havia a “convicção partilhada por muitos, propalada pelos sacerdotes nas suas intervenções apostólicas, de que o êxito da viagem dependia do permanente estado da pureza espiritual que cada um devia procurar manter a bordo, para evitar as tentações divinas, punidas com violentas tormentas, prolongadas calmarias e destruidoras epidemias”. Domingues, Contente; Guerreiro, Inácio. A vida a bordo na carrera da India (século XVI). Revista da Universidade de Coimbra, V. XXXIV, 1988, p. 212.

15 Nas naus en que viajavam religiosos, “os sacerdotes procuravam chamar a atenção dos fiéis para a necessidade de evitar certos comportamentos a bordo, criticando fortemente a imoralidade de muitas dessas práticas quotidianas e atribuindo as culpas de diversos males passados à degradação dos costumes”. Lopes, Antonio; Frutuoso, Eduardo. Vida a bordo nas naus da Carreira da Índia. Disponível em: https://alvarovelho.net/images/patrono/Viver_no_mar.pdf. Acesso em: 22/08/2020, p. 13.

16 “[...] ni por Pascua de Cristo, o día de algún gran sancto o ser día de domingo, no dejen en ella los remeros y pasajeros de jugar, hurtar, adulterar, blasfemar, trabajar ni navegar [...]”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 19.

17 “[...] coman carne en la Cuaresma, en las cuatro Temporas, en los Viernes, en las Vigilias, en los Sábados, y en todos los otros días vedados"; "[...] sin ninguna vergüenza, ni menos conciencia”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear. p. 20.

18 “Como yo algunas veces les riñese y amonestase que no lo comiesen, respondíanme ellos que pues los de tierra se atrevían a comer el pescado que sale de la mar, en cualquier día, que también ellos comenla carne que traían de la tierra”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 20.

19 “[...] se ponen a rezar, se ocupan en suspirar, se toman a llorar” [...] “las promesas que hicieron”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 20.

20 “El sábado en la noche fue peor que hasta allí, porque llovía terriblemente y las olas parecían querer llegar al cielo, ya quebraban el navío y muchas por cima de la popa, que ya pensábamos ser llegada la hora postrera. De los religiosos, algunos se encomendaban modestamente a Dios, otros daban voces llamando el nombre de Nuestro Señor Jesucristo [...]. Por cierto que con todo esto íbamos consolados y no se nos daba mucho morir, y creo que si muriéramos, la misericórdia de Dios nos salvaba y así comenzamos a cantar himnos [...]”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 82.

21 Para os homens dessa época, manter uma conduta ponderada também assegurava a saúde, já que as más condutas propiciavam emoções que seriam negativas para o equilíbrio do corpo como, por exemplo, a tristeza, a raiva e o medo.

22 “Bendita sea luz y la Santa Veracruz”; “aunque sospecho que estamos en casa del diablo, he oído palabras de Dios”. Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 36.

23 Para Delphine Tempère, “Definitivamente los libros de devoción eran los más preciados y nos revelan, en realidad, la importancia que estos objetos sagrados tenían durante el viaje para rezar, implorar la intercesión celestial o para cumprir os deberes inherentes a cualquier cristiano”. Tempère, Delphine. Vida y muerte en alta mar. Pajes, grumetes y marineros en la navegación española del siglo XVI. Iberoamericana, II, 5, 2002, p. 113.

24 Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 51.

25 “[...] encomendarse a algunos notables santuarios, arrepentirse de sus pecados, reconciliarse con sus compañeros y rezar algo a los sanctos sus más devotos, lo cual todo y aun mucho más a cada paso en la mar se hace y después tarde o nunca en la tierra se cumple”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 15.

26 “[...] ora sea en nao ora sea en galera, se confiese y se comulgue y se encomiende a Dios como bueno y fiel cristiano, porque tan en ventura lleva el mareante la vida como el que entra en una aplazada batalla.” Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 22.

27 “[...] su testamento, declare sus deudas, cumpla con sus acreedores, reparta su hacienda, se reconcilie con sus enemigos, gane sus estaciones, haga sus promesas y se absuelva con sus bulas, porque después en la mar ya podría verse en alguna tan espantable tormenta que por todos los tesoros desta vida no se querría hallar con algún escrúpulo de consciencia”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 22.

28 Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 64.

29 De acordo com Jean Delumeau, a “resistência das populações à confissão auricular obrigatória, sobretudo quando era feita, como era regra em princípio, ao vigário da paróquia que se conhecia muito bem” podia ser explicada pela vergonha de muitas pessoas contarem seus pecados para conhecidos. Delumeau, Jean. O pecado e o medo. A culpabilização no Ocidente. (séculos 13-18), v. II. São Paulo: EDUSC, 2003, p. 259. No caso dos viajantes, essa resistência se dava porque em um ambiente desregrado como o das embarcações, muitos não eram constrangidos a seguirem os compromissos cristãos.

30 “Es verdad que en algunas veces, burlándome con los remeros y marineros en la galera, como yo les pidiese las cédulas de confesión, luego ellos me mostraban una baraja de naipes diciendo que en aquella sancta cofradía no aprendían a se confesar, sino a jugar y trafagar”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 19.

31 De acordo com pesquisador Paolo Prodi, a confissão era o instrumento em que o pecador, com o auxílio de um clérigo, se conscientizaria de seus delitos. Prodi, Paolo. Uma história da justiça. Do pluralismo dos foros ao dualismo moderno entre consciência e direito. Tradução Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 231. Sobre a importância da questão da consciência e da confissão, ver Prosperi, Adriano. Tribunais da consciência. Inquisidores, confessores, missionários. São Paulo: EdUSP, 2013.

32 Francisco Contente Domingues afirma que “havia a obrigatoriedade de todos os que adoeciam se confessarem antes de receber tratamento”. Um dos exemplos trazidos é de Francisco de Monclaro, um religioso que viajou para as Índias em uma expedição portuguesa deixando a seguinte declaração: “Com os enfermos [...] sempre se teve em conta no spiritual, não nos curando o corpo sem primeiro serem curados na alma”. Similarmente, o irmão Jácome de Braga, também citado por Domingues, confirmava essa premissa dizendo que “tamto que hum enfermava, o faziamos aparelhar para se confesar, primeiro que nenhuma cousa, e depois de confesado e excersitado, estar conforme em tudo com a vomtade de Deus”. Contente Domingues, Francisco. A vida a bordo na carreira da Índia (Século XVI), p. 214.

33 Longe de ser uma novidade, essa orientação de que se deveria curar somente após a confissão já estava presente no sínodo celebrado por Gutierre Alvarez de Toledo, 20-25 de febrero de 1499, que ordenava o modo como o médico deveria agir na primeira visita sua ao doente: “[...] le diga se confiese e resçiba el santo Sacramento e ordene su testamento e haçienda, diçiendole que el no le puede curar, si esto no haçe [...]”. Synodicon Hispanum. Extremadura: Badajoz, Coria-Cáceres y Plasencia. Edición critica dirigida por Antonio Garcia y Garcia. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 1990, p. 347.

34 SERÉS, Guillermo. La literatura espiritual en los Siglos de Oro. Madrid: Ediciones del Laberinto, 2003, p. 25.

35 Campagne, Fabián Alejandro. Medicina y religión en el discurso antisupersticioso español de los siglos XVI a XVIII: un combate por la hegemonía. DYNAMIS. Acta Hisp. Med. Sci. Hist. Illus. 2000, 20, p. 436.

36 De acordo com Vera Moya Sordo, nos final do século XVI pretendeu-se “obligar a los marineros a portar cédulas de confesión, mientras que algunas ordenanzas españolas recomendaban que el capitán vigilara que su tripulación viviera ‘christianamente y en el temor de Dios’. El miedo era no poder alcanzar la gloria divina, pero también no poder ser enterrado una vez muerto. Esto constituía una verdadera desgracia, pues se creía que un cuerpo a la deriva no podría encontrarse para la resurrección general, por lo que las almas estaban condenadas a vagar, expresando sus lamentos en el sibido del viento y el graznido de las gaviotas”. Moya Sordo, Vera. El miedo en el escenario del viaje Atlántico ibérico. Siglos XV-XVI. Cuardenos de estudios galegos, T.60, nº 126, 2013, p, 250.

37 Martínez, José Luis. Pasajeros de Indias, p. 41.

38 “[...] en entrando la fuerza del mar, hizo tanta violencia en nuestros estómagos y cabezas, que padres y hijos, viejos y mozos quedamos de color de difuntos, y comenzamos a dar el alma (que es el almadiar) [...] y lanzar por la boca todo lo que por ella había entrado aquel día y el precedente; y a las vueltas, unos fría y pegajosa flema, otros ardiente y amarga cólera, y algunos terrestre y pesada melancolía”. Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 36.

39 “[...] fueron el padre vicario y sus compañeros y fray Jorge de León, y aunque por la mar no hay más de tres leguas pasaron mil de más quebrantos porque todos excepto el padre vicario se marearon y revesaron infinito y tuvieron como dicen el alma entre los dientes y gustaron allí lo que a la larga por la mar había de padecer”. Torres, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 57.

40 “Es saludable consejo que el curioso mareante ocho o quinze días antes que se embarque, procure de alimpiar y evacuar el cuerpo, ora sea con miel rosada, ora con rosa alejandrina, ora con buena caña fístula, ora con alguna píldora bendita; porque naturalmente la mar muy más piadosamente se ha con los estómagos vacíos que con los repletos de humores malos”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 22.

41 “Es saludable consejo, y aun necesario y provechoso, que cada pasajero trabaje en la mar de tener siempre el estómago muy templado y no de manjares cargado; es a saber, comiendo poco y bebiendo menos; porque si en la tierra es inhonesto en la mar es inhonesto, y para el tiempo de la tormenta muy peligroso comer hasta regoldar y beber hasta revesar. GUEVARA, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

42 “[...] ni se le revolverá el estómago ni se le desvanecerá la cabeza”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

43 “Aos grumetes, quase sempre jovens adolescentes, restava cumprir com o que se esperava de quem ocupava o lugar mais baixo na hierarquia: os trabalhos pesados, acompanhados dos maus tratos a que eram frequentemente

sujeitos e sofrendo as piores condições de vida a bordo. Do mesmo escalão etário eram os pagens, mas com um tratamento e funções completamente diferentes, próximas das de mandaretes”. Domingues, Contente; GUERREIRO, Inácio. A vida a bordo na carrera da India (século XVI), p. 241.

44 “[...] porque a los pies le hará mal la humidad y a la cabeza el sereno”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

45 “[...] más provechosa que vistosa”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 23.

46 “[...] pantuflas de corcho, zapatos doblados, calzas marineas, bonetes monteros, agujetos doblados y tres o cuatro camisas limpias”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 24.

47 Para Pérez Mallaína, a ausência de água limpa significava a pior das carestias já que esse item fazia muito mais falta para o corpo do que os demais suplementos. Pérez Mallaína, Pablo. El hombre frente al mar: naufragios en la Carrera de Indias durante los siglos XVI y XVII. Sevilla: Universidad de Sevilla, 1997, p. 27.

48 Mira Caballos, Esteban. La vida y la muerte a bordo de un navío del siglo XVI: algunos aportes. Revista de Historia Naval, n. 108, Madrid, 2010.

49 “[...] perfumes, menjuí, estoraque, ámbar, o aloes”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 25.

50 Torre, Tomás de la. Libro de los inventores del arte de marear, p. 72.

51 De acordo com Pérez Mallaína, “si al hacinamiento unimos el calor de las navegaciones tropicales y la suciedad, que era produto, tanto de las costumbres de la época, como de la falta de agua dulce con la que se lavarse, tendremos completo un cuadro que no dudaríamos en pintar como terrible”. Pérez Mallaína, Pablo. Los hombres de las rutas oceánicas hispanas en el siglo XVI. In: Ribot García, Luis Antonio; De Rosa, Luigi (Coords.) Naves, puertos e itinerarios en la época moderna. Espanha: Editorial Actas, 2003.

52 “Y porque los que no saben de la mar entiendan algo de lo que en ella se padece, especialmente a los principios [...]”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 70.

53 “[...] no hay hospital más sucio y de más gemidos que aquél: unos iban debajo de cubierta cociendose vivos, otros asándose al sol sobre cubierta, echados por los suelos, pisados y hollados y sucios que no hay palabras con que lo explicar, y aunque al cabo de algunos días iban volviendo algunos en si, pero no de arte que pudiesen servir a los otros que iban malos”. Torre, Tomás de la. Historia de la venida de los religiosos a la provincia de Chiapa, p. 70.

54 “Hay árboles en esta ciudad, no de los que sudan saludables gomas y licores aromáticos, sino de los que corren contino puerca pez y hediondo sebo. También hay rios caudales, no de dulces , corrientes aguas cristalinas, sino de espesísima suciedad; no llenos de granos de oro como el Cibao y el Tajo, sino de granos de aljófar más que común, de granados piojos […]. De las cercas adentro tiene grandísima copia de volatería de cucarachas, que allí llaman curianas, y grande abundancia de montería de ratones […]”. Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 38.

55 Salazar, Eugenio de. Carta escrita al licenciado Miranda de Ron, p. 47.

56 Moreno Cebrian, Alfredo. La vida cotidiana en los viajes ultramarinos. España y el ultramar hispánico hasta la ilustración. I Jornadas de historia marítima. Instituto de Historia y Cultura Naval, 1989, p. 131.

57 “[...] el pan, el queso, el vino, el tocino, la carne, el pescado y las legumbres [...]”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 16.

58 As listas de produtos levados pelos viajantes para as viagens à Índias, conservadas no Arquivo de Índias de Sevilha, dão conta que algumas embarcações levavam “bizcocho, vino, puerco y pescados salados; vac,a probablemente como cecina; habas, guisantes y arroz, queso, aceite y vinagre, ajos y toneles de agua”. También era posible comer carne fresca. [...] los barcos que iban a las Indias en busca de tesoros [...] se proveían de vacas, corderos, cerdos y gallinas, que eran repuestos al tocar las Canarias”. Martínez, José Luis. Pasajeros de Indias, p. 60.

59 “[...] porque dado caso que son manjares rústicos, y vascosos, no son delicados para se marear [...] y más allende de esto, ya puede ser que de migajas, y agua, y sal y aceite, haga un tal gazpacho, que le sepa mejor que un capón e otro tiempo”. Guevara, Antonio de. Libro de los inventores del arte de marear, p. 24.

60 Jáuregui-Lobera, Ignacio. Nevagación e historia de la ciencia: la vida a bordo de los hombres de la mar en el siglo XVI. JONNPR, 2020; 5 (3), p. 175.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Emília Granduque José, « Cuidar da alma e cuidar do corpo nas viagens espanholas de ultramar (Século XVI) »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 24 juin 2021, consulté le 30 juillet 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/84499 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.84499

Haut de page

Auteur

Maria Emília Granduque José

Profa. Dra., Pos-doutoranda em História pela Universidade Estadual Paulista - UNESP Bolsista FAPESP

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search