Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesQuestions du temps présent2021Da mediação à incorporação social...

2021

Da mediação à incorporação social: lugar e ação da intelectualidade na América Central contemporânea

From mediation to social incorporation: place and action of the intellectuality in contemporary Central America
Fred Maciel

Résumés

O presente texto objetiva expor considerações para pensar o lugar e o rol da intelectualidade em tempos contemporâneos, especialmente na região centro-americana – espaço marcado pela atuação de figuras letradas engajadas em décadas passadas. Através de pontuações acerca do contexto regional e do histórico de relações em torno das temáticas de incorporação e participação social, seria possível refletir sobre a plausível manutenção de um papel protagônico dos intelectuais em meio ao panorama democrático atual.

Haut de page

Notes de l’auteur

O presente trabalho foi realizado com apoio do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES).

Texte intégral

  • 1 A noção será desenvolvida no decorrer do texto. Mas, como parâmetro conceitual, partiremos da idei (...)

1A região centro-americana é comumente reconhecida por suas etapas de intensa atividade de movimentos políticos de cunho revolucionário e pelos atuais cenários de condições sociais debilitadas. Ditas agitações políticas que permearam seguidas décadas desde meados do século XX também são recorrentemente apontadas tanto como catalizadoras quanto como propagadoras dos descontentamentos populares e alterações no ordenamento do campo sociopolítico nos países do istmo. A consideração de certa fragmentação (em diversas instâncias) como condição histórica a ser superada recairia, então, na necessidade de análise de traços característicos dessa difícil conjuntura, tentando mapear possíveis ligações entre consideráveis fragilidades institucionais e limitações no quadro social, especialmente envolvendo questões de desigualdades, acessibilidade e participação política. Para tanto, uma alternativa seria o estudo do impacto de determinados atores sociais no ambiente regional, sobretudo de setores que tradicionalmente estão enredados nos planos micro e macronacionais, e principalmente nas mudanças sociopolíticas. Nessa perspectiva, os intelectuais1 podem ser personagens relevantes não apenas na compreensão dos elementos culturais, mas igualmente na interpretação de realidades e na mediação de “vozes” sociais.

2Dessa forma, a proposta inicial do presente texto é apresentar considerações acerca do papel e lugar do intelectual envolvido em meio às transformações sociopolíticas na citada região centro-americana. Aproximando-se de um ensaio teórico sobre referido tema, tentar-se-á elucidar a possibilidade de manutenção de figuras intelectuais como protagonistas nos ambientes cultural e sociopolítico do istmo, consideração que perpassa por recolocações e reestruturações de funções desses personagens letrados.

  • 2 Sánchez-Ancochea, Diego; Martínez Franzoni, Juliana, La incorporación social en Centroamérica: tra (...)

3Em meio à tal condição, promover exercícios analíticos acerca de políticas sociais e suas repercussões em outros campos refletiria preocupações que implicam associações com as condições institucionais do Estado, a estrutura econômica e o grau de influência de setores das elites (econômicas, culturais e sociopolíticas), por exemplo. Assim, a constatação de tópicos específicos da região, como o caráter excludente perpetrado pelas citadas elites (substancialmente as econômicas), o limitado dinamismo na esfera da economia, além das debilidades estatais2, conduziriam a algumas explicações para a falta de integração social percebida nos países centro-americanos.

  • 3 E.g. Molina, Carlos Gerardo (ed.), Universalismo básico: Una nueva política social para América La (...)

4Estudos recentes3 indicaram a temática do universalismo como possibilidade e desafio no aprofundamento da compreensão da incorporação social, aplicando-a como um dos caminhos para minimizar as desigualdades regionais. Nesse ponto de vista, o exame de políticas sociais emerge como concessão de autonomia a atores sociais visando tratada incorporação. Ou seja, garantir que os mais variados grupos da sociedade consigam ter bem-estar e capacidade para atuarem em campos decisórios. É claro que a existência da democracia (e o respeito à mesma) é uma pré-condição para projetos igualitários e de reorganização, englobando o acesso facilitado aos meios políticos, seja através de partidos, movimentos ou lideranças particulares.

5É justamente nesse último traço que a participação de membros da intelectualidade pode ser considerada relevante. O reconhecimento de figuras letradas na condição de interlocutores e mobilizadores de culturas políticas e/ou de projetos socioculturais permitiria conectar a eficácia de determinados personagens na intervenção dentro de dinâmicas de poder, aglutinando a legitimidade de certos papéis sociais e a organização de grupos de pressão alocados próximos à opinião pública.

6Nesse sentido, com elementos culturais articulados a dispositivos de poder concretos (político, econômico), a presença de intelectuais com visões politizados e, da mesma forma, logrando incentivar a participação de outros atores se tornaria um quadro factível para a América Central. A produção e atuação de intelectuais locais favoreceria também uma melhor compreensão dos processos históricos na região, uma vez que o cumprimento de atribuições próprias de articuladores da cultura facilitaria a propagação de explicações sobre contextos presentes e de leituras do nacional.

7Desse modo, este texto pretende apresentar, em um primeiro momento, características do ambiente atual centro-americano em relação a questões de incorporação social sob os regimes democráticos vigentes, direcionando, posteriormente, a análise para a participação de intelectuais e seus possíveis papéis enquanto articuladores e mobilizadores de questões nacionais, expondo viáveis renovados critérios de orientação para atuação de representantes intelectuais no ambiente democrático recente. O foco espacial será dirigido especialmente ao exemplo da Nicarágua, país que sintetiza várias das transformações políticas e sociais ocorridas na região desde meados do século passado e onde, no momento atual, políticas sociais e tentativas de articulação de projetos coexistem com um regime de traços personalistas e viés autoritário. Ademais, o recorte temporal considerará as décadas finais do século XX e, substancialmente, o início do século XXI, buscando demarcar referido período contemporâneo como representativo de possíveis transformações na presença e atuação da intelectualidade.

Transição à democracia e caminhos para a incorporação

  • 4 Collier, Ruth Berins; Collier, David, Shaping the Political Arena: Critical Junctures, the Labor M (...)

8A elaboração de uma reconstrução histórica de inúmeros padrões políticos, sociais, culturais e econômicos evidenciaria as dificuldades da região centro-americana nos quesitos de incorporação e participação social. Seja por suas fragmentações no tecido social ou pelo caráter excludente de modelos econômicos aplicados, a extensão de conflitos ao redor da questão social esteve vinculada, por exemplo, ao comportamento de elites com interesses particulares e à não concretização de demandas populares variadas4. Essas mesmas reivindicações, que constantemente foram reprimidas, se tornariam impulsos aos mencionados movimentos revolucionários e de contestação recorrentes nas décadas finais do século XX centro-americano.

9A oposição popular basicamente respondia a uma ampla e persistente situação de domínio oligárquico, refletida na organização do trabalho (no campo econômico) e nas posições sociais diante das instâncias de poder político. O quase sistemático exercício da violência por parte de governos despóticos reforçou a opção da via armada como caminho viável para a alteração dos quadros nacionais a favor da democratização. Esse foi também o contexto da emergência de posturas radicalizadas de personagens não-estatais, destacando-se setores intelectuais e jovens.

10De maneira geral, a atividade contundente de grupos considerados marginalizados esteve ligada diretamente ao ambiente e às circunstâncias do meio, por isso a necessidade de perceber como se deram as mudanças de modo mais amplo, atentando à aplicação das tentativas de participação social como esforço regional. Nessa lógica, a ideia de participação social seria interligada às noções de coesão social e coordenação da sociedade civil, compreendendo motivações direcionadas à ação política, e com a viabilidade de refletir os intelectuais agindo no fomento aos sentimentos de pertencimento à comunidade política e no alcance da participação em assuntos públicos.

  • 5 Serra Vázquez, Luis Héctor, “Participación ciudadana y movimientos sociales”, Encuentro, año XXXV, (...)

11Ao ponderarmos a concepção de participação política como uma atividade prática e reflexiva de transformação e disseminação da realidade, além de concomitantemente estimular identidades coletivas e a gestão dos atores sociais envolvidos, uma vertente em especial se sobressai em relação à região latino-americana: a participação cidadã. Trabalhada com frequência crescente em estudos mais localistas, a ideia abarca uma diversidade de usos e normalmente está em confluência com aquelas práticas de interação entre atores da sociedade civil e Estado: “Es decir, que el concepto alude a las acciones de intervención de ciudadanas y ciudadanos, de forma individual y colectiva, ante las instituciones del Estado, sea como elector, fiscalizador, contribuyente, asociado o proponente de políticas públicas5.

  • 6 Serra Vázquez, Luis Héctor, Op. cit., 2003.
  • 7 Giroux, Henry A., “Los profesores como intelectuales públicos”, Paulo Freire. Revista de Pedagogia (...)

12O ponto da distribuição de recursos materiais e políticos à sociedade pode recair no papel de condução de processos e na articulação de demandas adjuntas a tais recursos, abrindo espaço para a inserção de figuras de liderança e de promoção de comportamentos. De forma pessoal ou representando interesses, os intelectuais poderiam instrumentalizar esse encadeamento, apresentando-se como artífices de presumíveis mudanças e ajustes nos planos político e sociocultural. Ao lado dos movimentos sociais, pode-se inclui-los como forças preponderantes nas instâncias aglutinadoras de participação cidadã6. Dita elaboração estaria em confluência com a percepção de certa ineficiência ou insuficiência de outros mecanismos no jogo sociopolítico recente, tal como com os partidos políticos e outros meios da democracia representativa. Dada a limitada produtividade desses instrumentos em relação ao fomento da inserção social, a chance de conciliação de demandas cidadãs acaba incidindo sobre figuras (ou grupos) que possuem algum respaldo nas sociedades, buscando dinamizar a impulsão de direitos e exigências. Sabe-se que que em concepções mais clássicas acerca da intelectualidade, as noções de modos de intervenção estão mais associadas a certas definições sociais dos intelectuais. Na transposição para o século XXI, as intervenções no e sobre o presente podem refletir ainda mais o poder das ideias sobre as realidades, reforçando o sentido e a capacidade para atuar7 de determinados atores sociais, sobretudo de figuras intelectuais que já possuem essa legitimidade como lideranças.

  • 8 Canivell, María Odette, El poder de la pluma: los intelectuales latinoamericanos y la política, Sa (...)

13O histórico prestígio direcionado à intelectualidade na América Latina, majoritariamente tratados como personagens próximos aos setores sociais, em oposição à aversão tradicional na Europa e Estados Unidos ao termo (isolados na “torre de marfim”, supostamente preferindo se beneficiar do status de classe do que atuar em transformações sociais), se relaciona às conjunturas institucionais da região, precisamente às citadas fragilidades das mesmas em referência às estruturas de poder. Nas palavras da pesquisadora María Odette Canivell8:

La excepción confirma la regla, y en este caso, en Latinoamérica el panorama pinta diferente. Los intelectuales latinoamericanos se sienten orgullosos de aceptar la denominación de clase asumiendo, sin visos de crisis, el origen político del término y trabajando en su rol de portavoces de la comunidad, así como desempeñando el papel de activistas políticos que defienden los intereses de sus conciudadanos. Escritores, académicos y teóricos sociales que habitan la América hispana disfrutan un estatus privilegiado.

  • 9 Em 1894, o oficial do exército francês de origem judaica Alfred Dreyfus foi condenado à prisão per (...)

14Frente aos problemas e às deficiências estatais e sociais, certa “obrigação” em agir impulsionaria os intelectuais. O “poder das letras” emanaria como uma salvaguarda para as disfuncionalidades imperantes na região. A noção dos intelectuais como produtores e transmissores de ideias, símbolos e visões de mundo, mediante o uso da palavra, remonta às elaborações mais conhecidas a respeito do termo, notadamente após a passagem para o século XX e com o desenrolar do caso Dreyfus9. Nessa perspectiva, o estabelecimento de figuras intelectuais como criadores e mediadores culturais, sob a concepção de engajamento, dava mostras de um exercício de poder através da persuasão, permitindo pensar o rol dessa mesma intelectualidade em um espectro mais amplo: entre o sentir político e popular, de explanação e condicionamento das realidades.

15O debate sobre como esses personagens podem (ou devem) participar ativamente nos caminhos da sociedade como um todo recoloca a vivência das contradições como uma etapa a ser experimentada e superada, especialmente através do radicalismo/engajamento. As questões nacionais trouxeram consigo uma carga de presença política decisivamente tomada por personalidades de influência como os intelectuais. O olhar da população reconhece e credita esses atores, associando o nome “intelectual” ao compromisso (político e social) e à posição privilegiada frente a instâncias e instituições. Por outro lado, o autorreconhecimento como liderança letrada e cultural é uma condição relevante para a real colocação da posição de intelectual e de seu alcance entre os demais setores sociais.

  • 10 Intelectuais vinculados aos pensamentos teosófico-espiritualistas e vitalistas tiveram destaque na (...)
  • 11 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012, p. 24.

16A razão estrutural pode ser apresentada como elemento significativo no uso ampliado e até mesmo positivo do termo “intelectual” (como substantivo e adjetivo) na América Latina. A criação das nações na região invariavelmente possuía personagens das elites letradas como participantes da edificação dos projetos locais ao redor do nacional. Como exemplos, podem ser mencionados o hondurenho José Cecilio del Valle e sua relevância no período de transição colonial à independência e redes intelectuais que influenciaram a opinião pública e as construções identitárias nacionais da região (o salvadorenho Alberto Masferrer e o nicaraguense Salvador Mendieta podem ser aqui enquadrados)10. O intelectual como representante da consciência social e meio de ligação com o Estado institucionalizado pareceu um caráter relativamente recorrente, ainda em épocas mais recentes: “Su función, es pues, ayudar a la creación de la nación latinoamericana. Los intelectuales se enfrentan a este reto a través de ‘crear historia’ escribiendo y documentando a la vez la historia de la nación de la que son protagonistas y fundadores11. A concretização do escritor-literato que imagina e ajuda a construir o elemento nacional foi uma plataforma importante para a visualização da influência da intelectualidade enquanto força de organização e de mobilização perante sociedades já historicamente fragmentadas (em tempos atuais, as obras do nicaraguense Sergio Ramírez e do salvadorenho Horacio Castellanos Moya podem evocar um olhar histórico-cultural a elementos locais, mesmo através de uma linguagem ficcional).

17A redefinição das funções dos intelectuais talvez seja ainda uma etapa em desenvolvimento, mas pensar os mesmos na relação de tensão entre discurso e ação, espírito e política, revela-se um aporte no estudo acerca dos processos contemporâneos de transformação política na América Latina, percebendo como se adaptaram aos novos panoramas e que participação tiveram no desenho das também novas condições socioculturais e institucionais presentes nas democracias regionais, já que reconhecidamente sua inserção nas esferas latino-americanas vem se perpetuando desde os períodos de independência:

  • 12 Monsiváis, Carlos, “De los intelectuales en América Latina”, América Latina Hoy, no 47, 2007, p. 1 (...)

Hacer la Patria, construirla; desterrar la ignorancia y denunciar la desigualdad. A la vanguardia de los intelectuales de un largo período le infunde sentido y dirección un conocimiento fundacional: el principio de sus obras es “la escritura de la Nación”, sus códigos éticos, sus revisiones de la mentalidad despótica, su elogio de las clases populares, sus sistemas educativos, sus exigencias culturales12.

  • 13 Garategaray, Martina, Reano, Ariana, “Apuntes para una historia intelectual de la transición democ (...)

18Ao tomarmos a presença dos intelectuais como um procedimento em constante curso na história regional, a análise da política social, por exemplo, pode preocupar-se com o reflexo dessa participação nas estruturas estatais, socioculturais e político-econômicas. Assim, o reconhecimento da citada falta de dinamismo e das debilidades institucionais incluiria a reflexão em torno da probabilidade de interferência de atores não-estatais e seu grau de cobertura na impulsão de medidas de incorporação. Se remontarmos à segunda metade do século passado (especialmente nos anos 1960 e 1970), tal questão passava por certa obsessão da intelectualidade em construir uma ponte com os setores tidos como subalternos, mesmo com o risco de “homogeneização”. Uma conexão com as linguagens políticas pode ser feita, de modo a pensar as transições democráticas e como as vozes dos intelectuais podem ter contribuído para devolver à sociedade a capacidade de pensar publicamente a política13. Isto é, as tentativas de articulação de sentidos sendo promovidas por setores da intelectualidade, trazendo não apenas a possibilidade do político ser problematizado, mas também dos esforços de significação em si como processos políticos.

19As transições democráticas nas últimas décadas do século XX, substancialmente nos anos 1990 no istmo centro-americano, trouxeram o debate acerca de uma participação mais inclusiva e efetiva como uma das prioridades na reorganização política e social dos países, um tema a ser explorado em face aos contextos de modernização dos Estados e de expansão da globalização. Na Nicarágua, em particular, a passagem para um novo governo de viés liberal no início dos 1990, oposto ao então vigente regime liderado pela Frente Sandinista na década anterior, políticas de corte universalista tentaram ser atreladas às amplas mudanças pós-Revolução Sandinista. Sabe-se que a própria existência de um período político com atividades direcionadas à democratização e à ampliação da participação de setores sociais (ainda que os resultados possam ser contestados) serviu de suporte à criação de posteriores novas propostas de políticas sociais de incorporação. Ademais, o fato da transição dar-se através de eleições (realizadas em fevereiro de 1990) contribuiu à sedimentação da ideia da democracia como pré-requisito ao melhor desenvolvimento de programas de acessibilidade e oportunidades de inserção dos variados grupos sociopolíticos, reforçando a diversidade na aplicação de medidas de alcance nacional.

20Se o processamento de políticas públicas se configura também como uma etapa de constituição da cidadania, para além do lado assistencialista, a consolidação da democracia envolveria a reconceitualização do Estado, assim como de suas relações com a sociedade. Nesse rumo, os intelectuais poderiam desempenhar funções como ponte e guia para o acesso a informações e para dar voz às reivindicações? Na reflexão permeada pela noção da participação cidadã, o acesso à informação e aos mecanismos de inclusão não necessariamente são suficientes para exprimir demandas e fazê-las ouvidas:

  • 14 Vargas, Jean Paul, “De la representatividad política a la participación ciudadana: el camino hacia (...)

Aún cuando el ciudadano posea el interés, necesidad o convicción de hacer valer sus pensamientos, no toda la ciudadanía cuenta con las capacidades básicas para accesar a la información y transmitir sus ideas, así como para contar con plataformas de acción comunitaria, especialmente cuando se carece de espacios de participación ciudadana14.

21Em tais casos, a carência se faz evidente em relação aos meios institucionais para a apropriação e transformação da informação/oportunidades de acesso em formas reais de ação na esfera política. No espaço coletivo, as múltiplas necessidades locais e/ou individuais concorrem por canais ainda limitados de operação, exigindo uma canalização de condutas para um âmbito de sensibilização mais eficaz junto aos organismos estatais correspondentes. Lideranças sociais com respaldo abrangente, tal qual os intelectuais no ambiente latino-americano, poderiam fomentar os processos de maturação da participação, externando vontades políticas antes marginalizadas.

  • 15 Sánchez-Ancochea, Diego; Martínez Franzoni, Juliana, Op. cit., 2015, p. 43.

22No entanto, a busca pela legitimação social, por vezes, teve seus resultados limitados por barreiras de segmentação sociocultural historicamente arraigadas, produzindo incorporações não tão abrangentes. Por mais que nas décadas passadas novos atores políticos e econômicos tenham surgido nos países centro-americanos, resultado de uma maior dinamização dos ambientes nacionais, e que os mesmos apresentassem condições de canalizar reivindicações, os avanços foram muito mais restritos, de modo que “el siglo XX fue para Centroamérica un siglo de desincorporación más que de incorporación15. Ainda assim, a presença e incremento do rol de movimentos sociais e de lideranças letradas tornaram-se um traço que já despontava no arranjo político-social do istmo.

O lugar do intelectual na América Central

23Economicamente, a diversificação de setores produtivos pouco foi alterada com a passagem ao século XXI na América Central. De fato, a exportação de produtos primários divide lugar de preponderância com as manufaturas (da banana e café passou-se a um espaço maior aos produtos têxteis, maquinários e óleos), porém permanece uma lógica de orientação com escasso desenvolvimento tecnológico e considerável controle detido por grandes grupos econômicos. A transposição desse quadro para o plano político teve suas implicações na manutenção de elites econômicas como forças prevalecentes, influenciando as parcelas de gastos sociais. Todavia, a concorrência com os mencionados novos grupos e atores, advindos do contexto de transformações revolucionárias, de certa forma forçou a redefinição de plataformas sociais nos programas partidários e eleitorais.

24Apesar das agendas inclusivas, a maioria dos partidos justificava a diminuta atuação em função das frequentemente citadas debilidades estatais, dificultando a consolidação de propostas que principalmente certifiquem direitos civis e meios de participação. Novamente tendo a Nicarágua como parâmetro, a aproximação com as demandas populares teve seu auge no período revolucionário e o retorno da Frente Sandinista ao poder em 2007, mesmo com a inegável transfiguração do movimento em um partido de traço centralizador e personalista, foi uma esperança renovada na mesma direção. Contudo, a simples presença de uma organização política dita de esquerda não foi suficiente para a concretização de melhorias nos setores de políticas sociais e incorporação política, defrontando-se com a baixa institucionalidade e com o excessivo trato clientelista/paternalista nas relações com o eleitorado.

25Ademais, os escassos níveis de consenso entre partes governamentais e setores sociais acarretou mudanças na lógica e nas formas de atuação de grupos com demandas e interesses de inserção. Movimentos sociais e referências culturais assumiram missões mais protagônicas, permitindo a constituição de redes locais ao redor de temáticas específicas ou influídas por culturas políticas de cobertura nacional ou regional.

26A alteração de fatores macropolíticos (dentre eles, a qualidade do regime democrático, a caracterização do sistema de partidos e a proximidade das unidades governantes com os demais setores sociais, por exemplo) podem interferir diretamente nos caminhos da incorporação social. Se a mesma aponta para uma linha mais restrita, e a capacidade de criação do Estado não favorece o incremento da autonomia para a população de maneira geral, a consolidação de espaços de manifestação e de ação tentará meios extraestatais para efetivá-los. Por mais que os mencionados problemas estruturais históricos sigam como uma difícil barreira a ser superada (substancialmente a manutenção da força político-econômica de poucos grupos dominantes que gera um sistema excludente e quase inteiramente ausente de mecanismos democráticos), os desafios para a suplantação de tal quadro podem encontrar alguma esperança justamente no incremento da influência e ação de novos atores, ou na redefinição do papel de setores já atuantes, de forma a modelar formas inovadoras de inserção no aparato estatal, sem falar na possibilidade de criação de certa disposição suficientemente forte para exercer pressão mesmo sem a penetração na burocracia governamental.

  • 16 Martínez González, Víctor Hugo, “Transiciones y tensiones de los intelectuales en la política demo (...)

27No caso dos intelectuais, não apenas a transformação das sociedades centro-americanas interferiu na colocação dos mesmos na trama social, mas o incremento das atividades voltadas à interpretação e à reescrita das histórias nacionais instigou diversificadas atribuições em meio às “novas” democracias do subcontinente. A esse respeito, o pesquisador mexicano Víctor Hugo Martínez González16 pontuou:

La evolución del nexo entre intelectuales y política se ha hecho evidente con la legitimidad de la democracia como código político; esta historicidad resulta crucial para debatir el lugar de los intelectuales en sociedades contemporáneas. Tomarse en serio la democracia, como un desafío que trasciende el régimen para convertirse en un tipo influyente de cultura, presupone una reconversión intelectual al ambiente incierto de la política democrática.

  • 17 Molina Jiménez, Ivan, La estela de la pluma: cultura impresa e intelectuales en Centroamérica dura (...)

28Historica e cronologicamente, pode-se também identificar cenários diferentes nas duas metades do século XX, além de renovados caminhos no XXI. O limitado mercado cultural nas primeiras décadas do século passado e os escassos níveis de escolaridade da maioria das populações centro-americanas sofreriam transformações a partir dos anos 1960, com o incremento das ciências sociais junto às universidades e com novas inserções profissionais dos intelectuais, além da crescente radicalização política como marca significativa. A passagem ao novo milênio trouxe consigo as consequências das transições e movimentações políticas anteriores, frisadas na “desradicalização” intelectual e na “mercantilização” do conhecimento17.

  • 18 Iglesias, Daniel, “El aporte del análisis de las redes sociales a la historia intelectual”, Histor (...)

29Como indicamos, redefinir os papéis e lugares de atores sociais, instituições e formações políticas foi e permanece uma característica das transições democráticas regionais. Enquanto uma espécie de atmosfera/clima social, o regime democrático pode condicionar o grau de incursão da ideia de intelectual ativamente participativo no imaginário social. Por esse ângulo, uma hipotética democratização do conceito e da atuação da intelectualidade latino-americana estaria atrelada não apenas a transformações nas estruturas sociais, mas também pela inclusão de parâmetros mais elásticos às noções de liderança sociocultural e de participação política. Nesse sentido, a mediação se daria para além da condição social do sujeito/intelectual, envolvendo relações interpessoais como marcas distintivas; visto que, tal qual apontado anteriormente, os intelectuais podem atuar contemporaneamente no interior de espaços sociais e simbólicos heterogêneos. Sendo assim, os entornos sociais permitiriam intervenções públicas e poderiam ressaltar o peso da legitimidade daqueles reconhecidos historicamente como intermediários em meio às variadas esferas sociais18.

  • 19 Gilman, Claudia, Entre la pluma y el fusil. Debates y dilemas del escritor revolucionario en Améri (...)

30Sabe-se que o termo intelectual teve impacto significativo na América Latina nas décadas de 1960 e 1970, quando a perspectiva de engajamento era uma associação próxima à necessidade de participação a favor das transformações político-revolucionárias. Foi nesse período que a política se tornou parâmetro essencial no processo de legitimação da produção de vários setores da intelectualidade, sobretudo aquela ligada aos escritos literários19. Construções narrativas englobando demandas de compromisso sociopolítico e a inserção de grupos tidos como subalternos faziam parte de elaborações que diretamente respondiam aos cenários políticos (seja como crítica ou afirmação). A identidade progressista imersa em quase toda uma geração de homens das letras complementava diferentes perfis, aglutinados na imagem do “intelectual-escritor comprometido”:

  • 20 Gilman, Claudia, Op. cit., 2003, p. 144-146.

Hasta mediados de la época, la politización de los intelectuales se expresó con una notación: el compromiso. Esa noción no involucraba un programa de acción concreto ni era fácilmente definible. El mayor problema que presentaba la noción era el deslizamiento entre dos polos: compromiso de la obra y compromiso del autor. […] El compromiso no era un componente entre otros de la literatura sino su función de ser20.

31A passagem ao século XXI, aliada às reconversões democráticas, impôs alterações nessas concepções acima descritas. A modernização da cultura, frequentemente reconhecida como atividade comprometida, recebe, nos momentos contemporâneos, interligações com elementos dedicados à inclusão social e política no meio institucionalizado. Assim, entre as tarefas do intelectual estaria a de possibilitar (ou mediar) caminhos para essa inserção.

32Ao entendermos a democracia como algo além do regime político, com diversos matizes que denotam um sentido consensual de positividade – convertendo-a naquilo que Reinhart Koselleck abordou como um conceito de ordem superior, a legitimação do poder político poderia se generalizar através de instâncias que consagrariam demandas populares. Tal intento pressupõe formas de participação congruentes a um sentido viável de identificação coletiva que, por sua vez, responde a contextos mutáveis nos jogos políticos e culturais da região, repaginando estruturas sociais que tradicionalmente balizaram as concepções definidoras dos principais atores sociais. Assim, a perspectiva mais natural seria induzir a (re)adaptação de vários desses personagens, incluindo os intelectuais.

33Por outro lado, olhares mais questionadores poderiam aplicar a ideia de certo “mal-estar” dos regimes democráticos atuais, indagando os vieses atrelados aos regimes de poder e aos sistemas de representação. Nesse entendimento, o corrente estágio político de diferentes democracias latino-americanas estaria marcado por insuficiências e algumas limitações, fomentando comportamentos e posturas de oposição aos marcos tradicionais da política e à própria estrutura do Estado. A dúvida a ser investigada seria até que ponto tais objeções repercutiriam nos variados atores sociais, substancialmente nos não estatais. A recorrente imagem de vinculação da intelectualidade às esferas políticas poderia interferir em leituras externas sobre esse setor, o que consequentemente abriria espaço para figuras que potencialmente cumpririam os papéis dos intelectuais21.

34A alternativa viável para pensar os intelectuais, superando a perspectiva negativa exposta acima, estaria na desvinculação de um modelo normativo rígido à categoria “intelectual”. Logicamente a associação com contextos específicos é um traço insubstituível, contudo, isso não significa que a definição ou os representantes do grupo não possam passar por processos de adaptação e de adequação a panoramas contemporâneos.

  • 22 Pinheiro, Marcos Sorrilha, Op. cit., 2018.
  • 23 Martínez González, Víctor Hugo, Op. cit., 2018, p. 127.

35Da mesma maneira, a validade da consideração de que os intelectuais já não possuem o mesmo espaço orgânico dentro da comunidade política22 não necessariamente implica em um distanciamento em relação aos demais estratos sociais. Uma apreciação interessante é desconectar membros da intelectualidade de certa condição “a-histórica”, aproximando-os mais da identificação de recondicionamentos, ou de “evoluções” como expôs Martínez González23:

¿Qué factores explicarían la evolución del intelectual? Sociólogos y ensayistas señalan a la posmodernidad, la fragmentación del conocimiento o el mercado. Para estos análisis, el efecto de estas causas sería el declive del intelectual como aquella figura jerárquica que conducía el debate público, apropiado ahora por nuevos actores. Que académicos o comentaristas televisivos funjan como intelectuales emergentes es un síntoma vistoso de esta tendencia.

  • 24 De la Selva, Salomón, “El intelectual”, Revista Conservadora del Pensamiento Centroamericano, no 1 (...)

36Romper o histórico elo com o poder político não é uma tarefa simples tanto na apreensão social quanto nas análises investigativas. Como apontado anteriormente, ainda é forte a visão do intelectual como intérprete das realidades que está inserido; acepção essa reconhecível em produções desde o início do século XX na região, como em Salomón de la Selva24 que indicava os intelectuais como indivíduos comprometidos com o desenvolvimento sociocultural e institucional. Porém, as transformações sociopolíticas e igualmente as transfigurações democráticas na região romperam a exclusividade de dita alcunha pertencente aos setores letrados. O desafio nas figurações recentes perpassa, então, em (re)pensar novos modos de traduzir e de se inserir no panorama político, tendo a democracia como noção expansiva e o entorno cultural como campo aberto em disputa nas leituras do fazer político.

37No contexto nicaraguense, de modo mais específico, a participação de intelectuais foi marca perceptível na reorganização política e cultural do país após a vitória do movimento revolucionário em 1979, com envolvimentos relevantes de figuras como Sergio Ramírez (vice-presidente no período 1985-1990), Ernesto Cardenal e Gioconda Belli. Ainda que na passagem para o século XXI ocorreu certo distanciamento dos intelectuais do plano institucionalizado, a imagem como personagens influentes e importantes na análise e interpretação da realidade do país e da região permanece.

  • 25 Castillo-Fernández, Dídimo, “El pensamiento crítico, la crisis de los actores y el papel de los in (...)

38O estabelecimento de critérios de orientação se converte em preceito essencial em um hipotético reposicionamento dos intelectuais. Atualmente, em meio aos debates públicos, mais do que a relevância de posturas engajadas, é a existência de certa criticidade que parece aportar proeminência enquanto voz ativa. A amplificação dos meios de difusão e acesso ao conhecimento, bem como a diversificação no tecido social, parecem ter diluído a condição de exclusividade de determinadas elites culturais. Nesse sentido, a presença de “pensamentos críticos”, com contribuições atreladas aos variados setores e agentes (estatais e não estatais), tem se revelado um caminho para a compreensão de problemáticas associadas à região latino-americana. A partir de diversos ângulos e enfoques, contextos históricos podem ser avaliados por personagens (não obrigatoriamente membros da intelectualidade) que se figuram como comprometidos com as transformações sociais e políticas – até mesmo com elos éticos e morais como modeladores –, tentando interpretar as realidades locais. Imersos ou permeando tais cenários cada vez mais recorrentes, os intelectuais trariam sua parcela de contribuição com a inclusão nesse esforço de compreender as sociedades e seus processos de transformação25. Em espaços cada vez menos especializados, as novas modalidades de atuação e intervenção pública conformariam renovados circuitos de ideias, mas com a ação intelectual ainda permanecendo.

  • 26 Passiani, Enio, “Figuras do intelectual: gênese e devir”, Sociologias, no 47, 2018.
  • 27 Castillo-Fernández, Dídimo, Op. cit., 2017, p. 84.

39Outro âmbito de atuação, esse ainda por enquanto menos ameaçador para o predomínio intelectual, se vincula ao meio acadêmico, este último enquanto elemento histórico relevante na constituição do campo intelectual, acolhendo e colaborando na formação de “profissões intelectuais”26. Mesmo com essa ressalva, as renovadas articulações do saber profissional e engajado nas universidades podem conduzir a interpretações ramificadas acerca dos rumos da produção científica e da participação social ligada aos setores intelectuais. Para o sociólogo panamenho Dídimo Castillo-Fernández27:

Se redefinió el papel del intelectual y cambiaron las formas de organización y gestión de la investigación científica. Frente a la supuesta sobreideologización académica de las décadas de 1960 y 1970, se promovió y generó una respuesta del profesional ‘puro’, apareciendo así una forma de ciencia neoliberal o neoliberalizada en la que, bajo la figura del ‘experto’, se tiende a vender todo.

  • 28 Rama, Ángel, La ciudad letrada, Montevideo, Arca, 1998.

40Percebe-se uma conjectura que aproximaria o intelectual de um perfil mais “mercadológico”, produzindo com e para seus pares, tal qual uma “cidade letrada28” exclusivamente acadêmica. Isso não impediria a reflexão sobre temas políticos ou socioculturais circunscritos às grandes questões nacionais/regionais, contudo, o alcance e impacto precisariam ser mais bem avaliados perante os demais segmentos da sociedade.

41A complexidade e variedade dos panoramas contemporâneos da América Latina (e principalmente do istmo centro-americano) são inegáveis, com a inserção ativa de múltiplos personagens e de dinâmicas sociais em constante remodelação. Nessa perspectiva, levando em consideração as posições de “incremento” acima apresentadas, pode-se cogitar a compreensão da forçosa reestruturação dos intelectuais, de suas funções e de seus papéis desempenhados. Mais do que uma hipotética contestação do status enquanto elite, seriam objeções aos modos de transmissão e contato com os setores sociais, fundamentalmente pela expansão do caráter plural desses últimos. Uma reprodução quase passiva dos conteúdos mediados pela intelectualidade – quadro até certo ponto comum em meados do século passado – perpassa hoje por esforços de recriação e reinterpretação por parte daqueles que recebem esses conteúdos. Ou seja, talvez a anterior rigidez e confiança absoluta no papel de transmissão das figuras intelectuais pareça não condizer totalmente com os quadros contemporâneos de diversidade e incorporação sociocultural e política. Mais uma vez, essa cena não impreterivelmente desqualificaria ou sobrepujaria o valor dos intelectuais, mas sim ressaltaria uma reorganização das dinâmicas das sociedades. Os novos arranjos das instituições e dos atores, em tal entendimento, requereriam ressignificações de noções e procedimentos de interação para adequar possíveis apreensões das articulações entre intelectuais, setores sociais e política, abrangendo a complexidade e multidimensionalidade dessas e nessas relações.

42O próprio fenômeno da expansão das cidades ajudou na dissolução dos espaços exclusivos de uma minoria letrada, além da dilatação do acesso aos meios de comunicação e à informação que passaram a fornecer diferentes formas de inclusão nas temáticas de alcance mais amplo. O risco de recair em sectarismos e funções inócuas trouxe a necessidade de gestão de renovados estímulos à intelectualidade, mesmo em regiões consideradas ainda em desenvolvimento (nos campos econômicos, político e institucional) como a América Central. Por outro lado, o crescimento do número de instituições universitárias de ensino e pesquisa resultaram em um aporte importante principalmente para as áreas das ciências humanas e sociais, com mais espaços de divulgação, debate e exposição de ideias. Ainda assim, é possível considerar plausível a ideia de que, apesar da profusão de periódicos acadêmicos, eventos e potenciais canais de sociabilidade, o público envolvido é reduzido. O exercício intelectual de produzir e transmitir mensagens culturais, leituras sociais e interpretações da realidade que os cerca permanece como característica marcante, as circunstâncias das últimas décadas é que podem interferir no rol atual. Conforme mencionado, a alteração nos quadros democráticos, ou melhor, o incremento frente aos novos problemas emergidos reformulou as maneiras de determinados atores sociais inter-relacionarem-se com os meios sociopolíticos:

  • 29 Monsiváis, Carlos, Op. cit., 2007, p. 34.

Surge […] “una inteligencia diferente a la humanista o de avantgarde que trabaja en instituciones de gobierno y universidad, sobre todo en las privadas”. Esta nueva clase ya no es ni le interesa ser letrada, son expertos, economistas, abogados reducidos estrictamente a su especialidad, administradores de empresas rebosantes de discursos en homenaje a la eficiencia, la transparencia, la desregulación, con un olvido sistemático de la pobreza y las represiones. A un buen número de casas editoriales, fundamentales en el desarrollo de los grupos de intelectuales y escritores, las absorben los holdings internacionales. De modo complementario, el mercado libre norma una porción básica de la vida literaria, y el crecimiento de la industria académica masifica la ciudad letrada, un término cuya definición ya para la década de 1990 casi nada tiene que ver con la original29.

43A produção constante de informações e leituras atuais dos inúmeros segmentos pode colocar em questão a confiabilidade de vários meios. Caberia às elites (letradas ou não) conseguir se posicionar de maneira privilegiada em tais contextos. Os possíveis desafios estariam relacionados a embates com os avanços de lógicas de mercado e da tecnocracia como meio de provimento para setores de relevância institucional e estatal.

  • 30 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012, p. 29-30.

44Para além desse panorama laborioso para os setores intelectuais, o contexto centro-americano traz consigo a particularidade da presença de escritores e figuras literatas desempenhando ações de intérpretes da realidade, por vezes concentrando a imagem da intelectualidade na região, assim como ressaltado por María Odette Canivell30:

Los escritores del área, conscientes de su rol como “escribidores” de la realidad que viven, plasman en sus obras imágenes de la vida latinoamericana que, lejos de acentuar el costumbrismo regional, se hermanan en el retrato vivo de un escenario social plagado por problemas socio-políticos – aparentemente insalvables – pero comunes a todo el mundo hispanoamericano.

  • 31 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012.

45A importância dessas produções literárias recai também na disseminação da atenção à América Latina em horizontes extrarregionais, explorando traços que, ainda segundo Canivell31, perfilam preocupações pela identidade local e pelos desafios que se defrontam aos países.

46Nessa perspectiva, a identificação de figuras intelectuais específicas como exemplos da relevância “letrada” no quadro espacial em questão revela-se um exercício válido. Produções literárias, ensaios, discursos e manifestos individuais e coletivos podem servir como admissível demonstração do grau de participação de setores da intelectualidade nas democracias contemporâneas, bem como suas elaborações acerca da percepção de elementos regionais de sociabilidade. Por esse ângulo, obras de autores já consagrados como o nicaraguense Sergio Ramírez, o guatemalteco Rodrigo Rey Rosa e o salvadorenho Horacio Castellanos Moya podem combinar-se com as de escritores emergentes tal como Vanessa Nuñez Handal (El Salvador), Denise Phé-Funchal (Guatemala) e Warren Ulloa (Costa Rica) na apreensão da história e realidade locais, remontando à relação (mesmo indireta) entre prática sociopolítica e escrita. O esforço ao redor de uma visão conjunta (promovida em eventos e encontros na região) dá mostras de ir além do aspecto estritamente literário e é possível associá-lo ao empenho nas tentativas de renovação política, em uma espécie de estímulo a novos personagens, uma exigência por novas vozes comprometidas com a sociedade, e não apenas com uma causa política específica. A título de exemplo, os eleitos presidentes da República da Costa Rica (mandato iniciado em maio/2018), Carlos Alvarado, um jovem político (41 anos) de carreira acadêmica e escritor, e de El Salvador, Nayib Bukele (40 anos, empossado no início do mês de junho de 2019) podem ser considerados algumas dessas renovadas lideranças em emergência no istmo centro-americano.

  • 32 Maciel, Fred, “Alterar la historia haciédonla, no solo contándola”: intelectualidade e cultura pol (...)

47Os usos das narrativas como recursos ficcionais atrelados a contextos e realidades concretas32, configurando “mentiras verdadeiras”, pode ser considerado um mecanismo eficiente no tratamento de questões de relevo político e cultural, além de estabelecer formas de expressão para intelectuais-escritores advogarem a favor de projetos de nação, práticas mobilizadoras ou até mesmo de aplicações mais personalizadas.

48Um legado literário poderia, então, apresentar-se como produto de influência de membros letrados da sociedade centro-americana, combinando divulgação cultural com a elaboração de documentos históricos significativos para a apreensão das realidades regionais do istmo. Tais escritos “meta-ficcionais” são outro exemplo do posicionamento da intelectualidade frente aos panoramas mais recentes e igualmente uma maneira de conscientização das funções desses representantes em planos abrangentes.

49Associado a esses possíveis novos espaços de difusão e sociabilidade intelectual, pode-se pensar na relação entre tais caminhos de diálogo e o uso da memória; esta última ao mesmo tempo imersa na turbulência política e da violência desde a segunda metade do século XX, e aplicada por vários intelectuais como um sentido de pertencimento. Assim, reconstruir parte dessa memória para que não se perda a História e que, a partir desse esforço, surjam objetos de leitura, reflexão e debate seria uma plausível “tarefa” da intelectualidade. Segundo o anteriormente citado Castellanos Moya: “[...] cada país centroamericano tiene una historia que por lo general se tiende a olvidar […]. Y yo creo que una obligación intelectual es tratar de leer la Historia de una manera mucho más amplia33. Nesse sentido, a viabilidade da ampliação de discussões e os elos estabelecidos em uma possível rede de intelectuais que dialoga entre si contribuiriam igualmente à renovação no setor intelectual, que por sua vez, pode refletir indagações e anseios de uma jovem geração que busca construir uma identidade própria.

50É claro que esse exercício de produção pode se vincular também a certo afã de exaltar e justificar a intelectualidade enquanto categoria, mas a construção de elementos interligando história e realidade contribui ao entendimento da promoção de sentimentos de pertencimento – tal qual citado no início do presente texto, descortinando perante à sociedade brechas de inclusão, além de fornecer subsídios para leituras mais particulares a respeito do contexto presente.

  • 34 Córdova, Ricardo; Maihold, Günther, Democracia y ciudadanía en Centroamérica. Perspectivas hacia e (...)

51A questão, então, poderia se desenrolar na influência de algumas figuras intelectuais para uma espécie de complementaridade democrática, na condição de mediadores do complexo quadro centro-americano de abertura política e exclusão social. Se, em tese, um sistema político formalmente igualitário não se apresenta como uma condição que basta para o advento de uma sociedade materialmente equitativa, um “aperfeiçoamento” das relação internas da mesma precisaria ser viabilizado (ou ao menos tentado). A pretensão de um protagonismo da sociedade civil (entendida como conjunto a reunir personagens e setores não ligados ao Estado e ao mercado) necessitaria da preparação de novas lideranças e da gestão de uma maior coesão social que também integrasse os países da região, para que assim reflexões sejam geradas e discutidas nas esferas locais antes de se dissiparem para os ambientes macropolíticos34. Isto é, a partir dessa concepção, os intelectuais teriam a possibilidade de serem relevantes no incremento da qualidade dos atores sociais, fortalecendo o tecido social e ajudando a encontrar novas formas de ação social conjunta para evitar a fragmentação das estruturas sociais. Ademais, em um contexto histórico-social consideravelmente fragmentado e desigual (muitas vezes intolerante) como o atual, setores da intelectualidade poderiam, a despeito de diferentes intencionalidades, atuar como “intercessores” ou “intérpretes”, criando elos entre realidades plurais.

52Desse panorama, o que podemos tirar é justamente a aparente necessidade de certa arbitragem – entre os diferentes setores sociais em si e em relação com os aparatos institucionais – e consolidação dos meios de participação. A democracia como referencial segue uma lógica por vezes paradoxal, percebida como fonte de desencanto para alguns, mas ainda substancial para a transposição da política em meio à vida cotidiana da população. A crescente descrença nos caminhos institucionais e no jogo político tradicional pode precisamente converter-se na (re)abertura ao influxo de variados (e renovados) atores no encadeamento das sociedades centro-americanas; evidenciando também a exigência de adequação e reafirmação das elites sociais e culturais, especialmente da intelectualidade enquanto agente transformador.

Considerações finais

53As memórias das décadas de conflito e dos engajamentos enquanto ativismos políticos diretos (até mesmo armado) seguem como um marco de parâmetro para a delimitação em torno da noção de intelectual latino-americano. No caso da América Central, e especificamente da Nicarágua, tais memórias podem abarcar tanto a concepção sociocultural, de elaboração e organização coletiva das formas de dialogar com o passado no presente, quanto o gênero literário escrito normalmente por membros da elite política e cultural que recontam acontecimentos e momentos históricos sob um viés particular, tal como nos breves exemplos citados anteriormente.

54Principalmente a partir da última década do século XX, as obras e produções literárias de figuras destacadas tornaram-se um amparo na construção das imagens recentes da intelectualidade que lê e analisa as sociedades locais. Sejam em composições como autorretratos ou como reflexões contextuais mais amplas, a edificação da representação letrada em um panorama pós-revolucionário (ou pós-conflitivo) reafirma ambivalências atreladas às demandas pela recriação de figuras públicas com alcance e aceitação extensivas, tentando superar o modelo discursivo da luta armada como direcionamento hegemônico de participação sociopolítica.

  • 35 Fumero, Patricia, “Intelectuales y trabajos transdisciplinarios en Centroamérica”, Alternativas, n(...)

55A persistência do elemento cultural intrinsicamente ligado ao político, e ao poder notadamente, em conjunto com os tipos de formações sociais e experiências oriundas das agitadas décadas finais do século passado, parecem confluir para a tratada forte vocação política e visão crítica dos intelectuais centro-americanos35. Nessa conjuntura, a articulação de identidades políticas variadas ajudaria a constituir um rol amplificado para a intelectualidade, indo além do recurso da palavra como ação. Ou seja, os cenários mais recentes envolvem a identificação e reconhecimento de diferentes formações identitárias, levando, por exemplo, à reformulação de noções que permeiam as relações entre os atores sociais, como as de cidadania e participação política, campos estes que poderiam reafirmar as relações contemporâneas entre mediação e incorporação social por parte dos intelectuais. Enquanto renovadas categorias de análise, os setores historicamente tidos como subalternos hoje possuem reconhecida relevância na compreensão dos processos históricos que culminaram nas realidades do istmo. Assim, se anteriormente cabia aos intelectuais e figuras letradas darem voz e falarem por ditos setores, atualmente a ampliação dos canais de inserção oportunizaram participações ativas através de discursos e usos dos espaços públicos, marcando posições e sublinhando o caráter plural das sociedades. No entanto, os intelectuais ainda podem atuar como mediadores desses grupos com as esferas estatais e institucionais, mas sob uma atualização nos meios de compreender as formas de incorporação e interlocução. Ou seja, independentemente de hipotéticas considerações de “crises” dos intelectuais, tais figuras dão mostras que não podem ainda ser desconsiderados ou dispensados.

56A questão do crescente caráter de instrumentalização ao redor de membros da intelectualidade também poderia proporcionar brechas de atuação para outros atores e grupos, uma vez que as lógicas de mercado e de organização contemporânea das universidades presumivelmente interfeririam na ação de representantes letrados. Sendo assim, intelectuais mais acadêmicos abririam espaço para a atividade de diferentes personagens no interior da esfera pública, com incorporações visíveis em meios de comunicação ou através de movimentos sociais organizados, por exemplo.

57Desse modo, a verificação de personagens atuantes no istmo perpassa tanto pelo reconhecimento de figuras renomadas (por exemplo, Sergio Ramírez e Gioconda Belli na Nicarágua, Joaquín Villalobos em El Salvador, Óscar Arias e Rebeca Grynspan na Costa Rica) quanto pela identificação de novas lideranças político-sociais, independentemente de posicionamentos e espectros partidários (Gloria Álvares na Guatemala e Isabel Saint Malo no Panamá podem ser citadas). Uma análise mais aprofundada (que não caberia no presente texto) dessas figuras poderia comprovar percepções hipotéticas de que, por meio de suas interlocuções, seria possível perceber a construção de uma nova rede de intelectuais na região, como lideranças renovadas, não necessariamente atuantes na estrutura política institucionalizada, mas geralmente contrários aos tradicionais partidos e personagens políticos. Nesse pressuposto estaria também a geração de uma decisiva influência na participação de novos atores, notadamente jovens, acadêmicos e literatos.

  • 36 Passiani, Enio, Op. cit, 2018.

58A consolidação de formas de ação social conjuntas, paralelas à centralidade do Estado, traria consigo elementos que respondem às particularidades nacionais e regionais, trazendo à tona a força do componente local (comunitário e/ou familiar) e a insuficiência da intermediação em variados canais. Isso não quer dizer necessariamente que os intelectuais se tornaram incapazes de realizar possíveis pontes da sociedade com os grupos governamentais, mas que talvez a complexificação social tenha atingido níveis que extrapolariam a tradicional capacidade de ação dos mesmos. Daí decorre a mencionada demanda de constante remodelação e “atualização” por parte dos setores intelectuais, estruturando renovadas formas de intervenção nos espaços sociais sem prejudicar a autonomia de outros campos de produção cultural36.

59Esse quadro exporia, ademais, certa debilidade dos aparatos burocráticos em relação à atuação direta com a heterogeneidade dos segmentos sociais. As etapas de pacificação e reconversão democrática iniciadas no fim do século XX na América Central proporcionaram o impulsionamento de setores e coletividades em geral antes completamente distantes do arranjo sociopolítico, além do questionamento do status de outros segmentos privilegiados. Nesse sentido, não seria errôneo pensar em produções de saber mais desinstitucionalizadas, diluídas na variedade e multiplicidade dos campos de presença social/popular.

60O predomínio da política informal, produto histórico de uma região marcada pelo fortalecimento tardio do Estado e de suas instituições, alterou também a organicidade da antiga comunidade política estabelecida em meados do século anterior. Portanto, é compreensível que espaços sociais antes ocupados exclusivamente por elites letradas estejam progressivamente sendo preenchidos igualmente por figuras que exerçam atividades comumente direcionadas aos intelectuais. Além disso, existe a consideração presente da dificuldade dos representantes intelectuais centro-americanos (os nicaraguenses de maneira destacada) em se constituírem como classe unitária, com prerrogativas e objetivos comuns. Haja vista as reconhecidas dificuldades de diálogo e de estabelecimento de alternativas políticas na citada Nicarágua. Ainda nesse mesmo exemplo nicaraguense, são notáveis as oposições às ações do regime Ortega-Murillo, mas as possibilidades de construção de opções políticas concretas recaem em desentendimentos e posições rígidas, evidenciados na fragmentação de movimentos contrários à manutenção do governo orteguista, cada um deles sem força suficiente para erigir-se como real opção e, ao mesmo tempo, com dificuldades de conciliação com outros grupos.

61Desse modo, pensar o papel e o lugar dos intelectuais na região centro-americana, substancialmente em suas relações com os demais atores sociais, implica analisar o grau de coesão e a profundidade das camadas de interligação das sociedades em questão. Para tanto, os meios de incorporação devem se tornar um mecanismo de “quebra” da cultura política verticalizante predominante nos arranjos institucionais centro-americanos. Os desafios presentes ainda recaem em fragilidades internas próprias às complicadas composições do Estado na região. E justamente por esse motivo ações de mediação ganham relevância nas tentativas de coordenação de demandas e falas da sociedade civil. Historicamente com dificuldades para a promoção do consenso social, os países da América Central demonstram a necessidade de uma espécie de restauração na conceituação do Estado e de suas relações com a sociedade. A partir da legitimidade da democracia como parâmetro político, aprimorar e intensificar o rol de atuação dos variados grupos e atores – com desempenho decisivo daqueles já respaldados e consagrados como os intelectuais – revela-se um caminho seguro para a problemática do fortalecimento da governabilidade e da consolidação da participação como ferramenta imprescindível para o funcionamento das sociedades locais como um todo.

Haut de page

Notes

1 A noção será desenvolvida no decorrer do texto. Mas, como parâmetro conceitual, partiremos da ideia apresentada pelo historiador francês Jean-François Sirinelli acerca da compreensão e extensão do termo, perpassando por uma acepção ampla e sociocultural (como criadores e mediadores culturais) e por outra mais estreita, vinculada à imagem de engajamento. Ver: Sirinelli, Jean-François, “Os intelectuais”, in Rémond, Réné (org.), Por uma história política, Rio de Janeiro, FGV, 2003.

2 Sánchez-Ancochea, Diego; Martínez Franzoni, Juliana, La incorporación social en Centroamérica: trayectorias, obstáculos y oportunidades, Ciudad de México, Naciones Unidas/CEPAL, 2015.

3 E.g. Molina, Carlos Gerardo (ed.), Universalismo básico: Una nueva política social para América Latina, Washington, D.C., Banco Interamericano de Desarrollo/Editorial Planeta, 2006 e Araújo, Jailton Macena de, “Direitos humanos e solidariedade: entre o universalismo e o relativismo, por uma teoria dialógica dos direitos humanos”, Revista de Informação Legislativa, vol. 53, no 212, out./dez. 2016.

4 Collier, Ruth Berins; Collier, David, Shaping the Political Arena: Critical Junctures, the Labor Movement, and Regime Dynamics in Latin America, Notre Dame, Indiana, University of Notre Dame Press, 2002; Sánchez-Ancochea, Diego; Martínez Franzoni, Juliana, Op. cit., 2015.

5 Serra Vázquez, Luis Héctor, “Participación ciudadana y movimientos sociales”, Encuentro, año XXXV, no 64, 2003, p. 3.

6 Serra Vázquez, Luis Héctor, Op. cit., 2003.

7 Giroux, Henry A., “Los profesores como intelectuales públicos”, Paulo Freire. Revista de Pedagogia Crítica, ano 1, no 1, 2002.

8 Canivell, María Odette, El poder de la pluma: los intelectuales latinoamericanos y la política, Saarbrücken, Editorial Académica Española, 2012, p. 4.

9 Em 1894, o oficial do exército francês de origem judaica Alfred Dreyfus foi condenado à prisão perpétua por traição. Baseada em documentos falsos, a condenação ganhou repercussão principalmente com o artigo do escritor Emile Zola, “J’accuse”. Publicado em 1898, expunha os equívocos judiciais e acusava o alto escalão militar sobre o erro cometido. O substantivo “intelectual” emergiria em meio ao caso como categoria social, tendo como ponto de partida a missão do intelectual em expor a verdade, em luta contra o poder. Um manifesto assinado por inúmeros escritores, pensadores e artistas apoiou o artigo de Zola, tal como um ato coletivo de protesto político. Anos depois, em 1906, a sentença foi cassada e Dreyfus reintegrado ao exército.

10 Intelectuais vinculados aos pensamentos teosófico-espiritualistas e vitalistas tiveram destaque na passagem e início do século XX centro-americano, influenciando nas posições da intelectualidade em meio à sociedade. De acordo com Marta Casaús Arzú: “El afán regeneracionista de los intelectuales en su sociedad, esta nueva función de agentes transformadores de la realidad social, de testigos presenciales de la injusticia y de formadores de opinión pública, a través de la narrativa del discurso, emergió a raíz de la crisis finisecular”. Ver: Casaús Arzú, Marta, “Las redes intelectuales centroamericanas y sus imaginarios de nación (1890-1945)”, Circunstancia, año III, no 9, 2006.

11 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012, p. 24.

12 Monsiváis, Carlos, “De los intelectuales en América Latina”, América Latina Hoy, no 47, 2007, p. 18.

13 Garategaray, Martina, Reano, Ariana, “Apuntes para una historia intelectual de la transición democrática”, A Contracorriente, vol. 14, no 2, 2017, p. 265.

14 Vargas, Jean Paul, “De la representatividad política a la participación ciudadana: el camino hacia la consolidación democrática en Centroamérica”, Anuario de Estudios Centroamericanos, vol. 29, no 1/2, 2003, p. 44.

15 Sánchez-Ancochea, Diego; Martínez Franzoni, Juliana, Op. cit., 2015, p. 43.

16 Martínez González, Víctor Hugo, “Transiciones y tensiones de los intelectuales en la política democrática”, Andamios, vol. 12, no 27, 2018, p. 123.

17 Molina Jiménez, Ivan, La estela de la pluma: cultura impresa e intelectuales en Centroamérica durante los siglos XIX y XX, Heredia, EUNA, 2004.

18 Iglesias, Daniel, “El aporte del análisis de las redes sociales a la historia intelectual”, Historia y Espacio, vol. 13, no 49, 2017, p. 30-31.

19 Gilman, Claudia, Entre la pluma y el fusil. Debates y dilemas del escritor revolucionario en América Latina, Buenos Aires, Siglo XXI Editores, 2003.

20 Gilman, Claudia, Op. cit., 2003, p. 144-146.

21 Pinheiro, Marcos Sorrilha, A traição dos intelectuais, disponível em <https://medium.com/@marcos.sorrilha/a-traição-dos-intelectuais-3330a0a637e2>, acesso em 04 set. 2021.

22 Pinheiro, Marcos Sorrilha, Op. cit., 2018.

23 Martínez González, Víctor Hugo, Op. cit., 2018, p. 127.

24 De la Selva, Salomón, “El intelectual”, Revista Conservadora del Pensamiento Centroamericano, no 106, vol. XXI, 1969. O artigo foi publicado originalmente em 1932.

25 Castillo-Fernández, Dídimo, “El pensamiento crítico, la crisis de los actores y el papel de los intelectuales”, La Colmena, no 93, p. 81-85, 2017.

26 Passiani, Enio, “Figuras do intelectual: gênese e devir”, Sociologias, no 47, 2018.

27 Castillo-Fernández, Dídimo, Op. cit., 2017, p. 84.

28 Rama, Ángel, La ciudad letrada, Montevideo, Arca, 1998.

29 Monsiváis, Carlos, Op. cit., 2007, p. 34.

30 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012, p. 29-30.

31 Canivell, María Odette, Op. cit., 2012.

32 Maciel, Fred, “Alterar la historia haciédonla, no solo contándola”: intelectualidade e cultura política sandinista em Sergio Ramírez, 2018, Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2018.

33 Disponível em < https://www.bbc.com/mundo/noticias-44154694>, acesso em 06 set. 2021.

34 Córdova, Ricardo; Maihold, Günther, Democracia y ciudadanía en Centroamérica. Perspectivas hacia el 2020 (CA 2020: Documento de trabajo # 9), Hamburg, Institut für Iberoamerika-Kunde, 2000.

35 Fumero, Patricia, “Intelectuales y trabajos transdisciplinarios en Centroamérica”, Alternativas, no 3, 2014.

36 Passiani, Enio, Op. cit, 2018.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fred Maciel, « Da mediação à incorporação social: lugar e ação da intelectualidade na América Central contemporânea »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Questions du temps présent, mis en ligne le 16 décembre 2021, consulté le 17 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/86015 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.86015

Haut de page

Auteur

Fred Maciel

Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar Sociedade e Desenvolvimento, Universidade Estadual do Paraná

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Nuevo mundo mundos nuevos est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search