Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesDébats2024A viagem das notícias: percepções...

2024

A viagem das notícias: percepções do Terremoto de 1755 no Rio de Janeiro

The news journey: perceptions of the 1755 earthquake in Rio de Janeiro 
Anita Correia Lima de Almeida

Résumés

O grande sismo de 1º de novembro de 1755, conhecido como Terremoto de Lisboa, gerou uma onda de notícias que se espalhou rapidamente e cruzou o Atlântico. Este artigo pretende examinar o impacto que o conhecimento sobre o desastre causou no Rio de Janeiro colonial. Logo que os primeiros ecos da tragédia chegaram, procissões percorreram as ruas, suplicando perdão para os pecados. Ao mesmo tempo, a necessidade do envio de donativos para ajudar na reconstrução da capital foi comunicada às autoridades locais. Assim, na América portuguesa, os moradores tiveram contato com os antigos entendimentos da calamidade como uma punição divina, mas também com as enérgicas medidas tomadas por Sebastião José de Carvalho e Melo, o futuro Marquês de Pombal. Tudo isso parece ter contribuído para que o evento ficasse longamente gravado na memória da cidade.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 It was on the morning of this fatal day, between the hours of nine and ten, that I was set down in (...)

Foi na manhã desse dia fatal, entre as nove e as dez horas, que me sentei em meus aposentos, terminando uma carta, quando os papéis e a mesa em que escrevia começaram a tremer suavemente [...]. Enquanto eu refletia a que se devia isso, mas sem ter a menor compreensão da verdadeira causa, toda a casa começou a tremer desde os alicerces [...].
Rev. Charles Davy. The Earthquake at Lisbon.1

  • 2 "[...] that city, which is now no more [...]". "An Account of the late terrible Earthquake, with R (...)

1Naquela manhã de 1º de novembro de 1755, um sábado, dia de Todos os Santos, Lisboa tremeu por vários minutos e, quando os abalos se acalmaram, as águas do Tejo invadiram a cidade. Ao mesmo tempo, começava um incêndio devastador. Nos dias que se seguiram, além de todo o horror da catástrofe, uma preocupação a mais se instalou na mente dos sobreviventes, era preciso dar a notícia de que a rica e poderosa capital do reino, como expressou-se um contemporâneo, não existia mais,2 havia sido reduzida a escombros pela força conjunta do terremoto, do tsunami e do fogo.

  • 3 Carta de Mariana Victoria a sua mãe Isabel Farnesio. Belém, 4 de novembro de 1755. Archivo Históri (...)

2À rainha d. Mariana Vitória ocorreu que precisava escrever com urgência à sua mãe na Espanha: "Minha querida mãe, esta vai por um despacho extraordinário do Rei. Recomendei muito que vos seja enviada depressa, antes que vos chegue alguma falsa notícia que vos deixe em cuidados. Nós estamos todos vivos e de boa saúde, mil graças sejam dadas a Deus". Das tendas improvisadas em que estava abrigada, ela falou então do horrível tremor de terra que havia ocorrido no sábado e dos abalos que ainda eram sentidos de tempos em tempos; não tão fortes, mas que mesmo assim continuavam a aterrorizá-la. E, afinal, resumiu: "Lisboa está praticamente toda por terra e há muita gente esmagada".3

  • 4 Mendonça, Joachim Joseph Moreira de, Historia universal dos terremotos que tem havido no mundo, de (...)

3Entre as numerosas narrativas surgidas depois do terremoto, Joachim José Moreira de Mendonça, funcionário régio responsável pelo Cartório do Tombo da Câmara de Lisboa, também publicou a sua. Sobre a dificuldade de narrar o desastre, de que tinha sido testemunha, escreveu: é "uma lástima mais para ser sentida do que relatada [...]. Tanto objeto lastimoso me representa a lembrança, que [...] a mágoa me embaraça o discurso para a narração", e completou: "Sentido o Terremoto tudo foi horror, tudo desordem, confusão tudo."4

  • 5 Subtil, José, "O Terramoto Político (1755-1759) – Portugal aflito e conturbado", in Maria Fernanda (...)
  • 6 Carta-circular de Jacome Esteves Nogueira [Secretário Geral do Conselho do Santo Ofício] para a In (...)

4Mas, lamentavelmente, era necessário relatar o ocorrido, expedindo cartas, e não apenas as privadas, como a da rainha. Os negócios públicos também precisavam encontrar meios de fazer a informação circular. O caos que se instalou nos primeiros tempos, no entanto, com a destruição das condições materiais e funcionais da administração régia,5 certamente trouxe empecilhos para o fluxo normal dos correios, e não é difícil imaginar que todas as instituições instaladas na cidade tenham experimentado algum tipo de dificuldade com a correspondência. Em carta-circular do Santo Ofício de Lisboa enviada à Mesa da Inquisição de Goa, datada de abril de 1756, por exemplo, o secretário-geral do conselho, Jacome Esteves Nogueira, avisa que sobreviveu, mas que se sente tão consternado que não encontra alento para escrever particularmente a cada um dos membros da Mesa, como costumava. Afirma ainda que estavam sendo enviados a Goa relatos dos estragos sofridos no dia de Todos os Santos, em que "Deus foi servido castigar-nos com um tremor de terra, a que se seguiu o mais violento fogo do céu".6 O secretário conclui informando que, embora a misericórdia divina tivesse poupado muitos sobreviventes, a maior parte da cidade estava inabitável.

5Entre as inúmeras providências a serem tomadas, a administração régia precisou fazer com que todas as possessões do reino, inclusive as capitanias da América portuguesa, tomassem conhecimento dos funestos acontecimentos que haviam se abatido sobre a capital. Os ecos do terremoto chegarão, assim, ao Rio de Janeiro e o que se pretende aqui é examinar alguns aspectos de como a notícia foi recebida na cidade.

Impactos do Terremoto

  • 7 Alguns autores apontaram para a complexa coexistência das diversas matrizes explicativas de que o (...)
  • 8 Originalmente usada no teatro, catástrofe, que vem do grego, significava uma reviravolta no final (...)
  • 9 Ver Belo, André, "A 'Gazeta de Lisboa' e o terramoto de 1755: a margem do não escrito", Análise So (...)
  • 10 Mercier-Faivre, Anne-Marie, "La catastrophe dans les gazettes du XVIIIe siècle: un art du chaos", (...)

6Estudiosos têm se voltado para o exame do notável impacto que o Terremoto de 1755 alcançou no campo das ideias e mesmo no das concepções culturais.7 Considerado por muitos como um verdadeiro ponto de virada entre o entendimento das calamidades como castigo divino e o surgimento do conceito não religioso de "desastre natural", o evento também tem sido compreendido como parte de uma transformação mais ampla, que já foi chamada de "invenção da catástrofe", na acepção moderna do termo.8 Paralelamente, todo o papel da imprensa europeia nesse processo vem sendo escrutinado,9 inclusive com a percepção de que um gênero jornalístico acabaria por surgir – a notícia de desastre,10 que se tornaria tão usual no Oitocentos.

  • 11 Ver Petit-Breuilh Sepúlveda, María Eugenia. "Textos impresos sobre el origen de los terremotos y t (...)
  • 12 No campo científico, a avaliação da magnitude do sismo de 1755 segue em discussão entre os geólogo (...)

7O século XVIII conheceu um fluxo constante de informações sobre desastres, com a impressão de numerosas obras sobre o tema. Exemplos podem ser colhidos na esfera das possessões espanholas, em que essa produção foi alimentada por eventos traumáticos, como o terremoto de 1746, em Lima e El Callao, o de Santo Domingo (na atual República Dominicana), em 1751, o que atingiu Concepción, no Chile, no mesmo ano, e, ainda, o de Quito, em 1755.11 No mesmo caminho, a tragédia de Lisboa, em toda sua grandiosidade12 – e com a destruição de uma capital europeia – irá gerar um número muito expressivo de impressos, como compêndios, relações, discursos morais, dissertações filosóficas, notícias ou poemas, e até relatos iconográficos, publicados nos meses e anos seguintes.

Imagem 1 – Casa da Ópera

Imagem 1 – Casa da Ópera

Colleçaõ de algumas ruinas de Lisboa causadas pelo terremoto e pelo fogo do primeiro de Novemb.ro do anno de 1755 debuxadas na mesma cidade por MM. Paris et Pedegache e abertas ao buril em Paris por Jac. Ph. Le Bas. Paris, 1757.

Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Brasil.

  • 13 Sobre a obra, ver Ferreira, Jorge; Lopes, Maria Margareth, "O fogo é o agente, que causa tantas ma (...)

8A notícia do tremor de 1º de novembro se espalhou rapidamente pela Europa, e pensadores como Voltaire, Rousseau e Kant travaram acaloradas discussões sobre as origens da calamidade. Uma profusão de nomes menos conhecidos também tratou do tema. Em Portugal, o já citado Moreira de Mendonça, em sua História Universal dos Terremotos, publicada em 1758, investigou possíveis causas físicas para os sismos, como a ação do "fogo subterrâneo".13 O terremoto de Lisboa constituiu-se num momento de inflexão que, no entanto, não surgiu do nada, mas assentou-se num solo anterior.

  • 14 Sobre a importância do manuscrito, ver Bouza, Fernando, Corre manuscrito: una historia cultural de (...)

9Tomando-se o fato de que essas transformações profundas nas concepções a respeito dos desastres vão se verificar muito em consequência do próprio Terremoto de 1755 – e das discussões filosóficas e teológicas que gerou – não é de se esperar que esses novos entendimentos já estivessem presentes na América portuguesa nos momentos imediatamente posteriores ao evento. Assim, o que interessa examinar aqui, em primeiro lugar, são os velhos meios de fazer uma notícia circular,14 como as cartas manuscritas ou o sermão do padre na igreja, e a força das já muito antigas concepções sobre os desastres.

10Aos poucos, no entanto, em função das transformações que começam a se processar no reino, a circulação da informação vai ganhando outros nexos. Como se pretende mostrar, o Rio de Janeiro (que passará a abrigar o vice-rei a partir de 1763) não deixará de ser impactado pelos variados modos de se tratar o tema do desastre que ainda conviviam naquele momento, reagindo na chave das concepções religiosas, mas também inserido, de algum modo, nos novos tempos.

O medo chegou ao Rio de Janeiro

  • 15 Ver Santos, Marília Nogueira dos, "O império na ponta da pena: cartas e regimentos dos governadore (...)
  • 16 Nesse momento, Gomes Freire estava fora, tratando de questões de fronteira no Sul, que também fazi (...)

11Atento à importância da correspondência nos modos de governar15 e movido pela urgência de comunicar o que havia se passado, o secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Diogo de Mendonça Corte Real, enviou um ofício ao governador do Rio de Janeiro, Gomes Freire de Andrade,16 datado de 11 de novembro. Conservado no Arquivo Histórico Ultramarino, o documento descreve a tragédia ocorrida havia pouco mais de uma semana. O secretário inicia seu relato mencionando os desafios impostos à própria administração:

  • 17 Ofício do [secretário de Estado da Marinha e Ultramar], Diogo de Mendonça Corte Real, ao [governad (...)

Pela Nau de Licença do contrato de Tabaco recebi cartas de V. Exa., escritas no mês de Dezembro do ano passado, e de Janeiro deste ano; e pelo Iate, que agora volta recebi as cartas escritas em Fevereiro, e farei muito por dar resposta a tudo, sem embargo da justa aflição em que nos achamos pelo fatal sucesso, que aconteceu, não só em Lisboa, mas em todo o Reino, com o Terremoto nunca visto pela intenção e extensão dele, no dia 1º deste mês às 9 horas, e meia da manhã.17

12Seguindo na narração dos eventos, diz que houve "muita mortandade de gente em Lisboa, por terem caído a maior parte das Igrejas, e arruinado todos os edifícios; a que se seguiu imediatamente o fogo, que pegou em várias partes", saltando de um edifício ao outro e consumindo sucessivamente a Patriarcal, o Paço, a Casa da Índia, a Ribeira das Naus e a Alfândega. Para descrever a extensão do tsunami, apela para a memória da geografia da cidade que o governador certamente ainda possuía:

  • 18 Ofício do [secretário de estado da Marinha e Ultramar], Diogo de Mendonça Corte Real, ao [governad (...)

A estes dois elementos de terra, e fogo se seguiu o da água; porque passado pouco tempo depois do Terremoto, entrou o Mar pela Barra dentro, como uma montanha, e fez sair este rio tão rapidamente fora do seu limite [...] que cobriu a ponte da Junqueira, de que V. Exa. se há de lembrar da distância, que fica até a praia.18

13Por fim, informa que a família real se salvou, em perfeita saúde, mas que até aquele momento as réplicas do tremor ainda podiam ser sentidas.

  • 19 Ofício do Governador Gomes Freire de Andrade para Diogo de Mendonça Corte Real. Rio de Janeiro, 22 (...)
  • 20 Citado em Amador, Filomena, "O terramoto de Lisboa de 1755: colecções de textos do século XVIII", (...)

14Não era a primeira vez que notícias de um terremoto chegavam à América Portuguesa. O próprio Gomes Freire havia remetido para Lisboa cartas recebidas do governador de Buenos Aires sobre o já mencionado sismo chileno de 1751, que definiu como um "grande tremor de terra, e elevação do mar, que destruiu inteiramente a cidade da Conceição, e arruinou muita parte da de S. Thiago de Chile".19 Em meados do século XVIII, notícias sobre desastres podiam percorrer um caminho intrincado. Uma curiosa publicação, que faz parte do acervo da Biblioteca da Ajuda, pode servir de exemplo. Impressa em Lisboa, no mesmo ano de 1751, a obra tem um título tão longo quanto complicado: Nova Relação das Grandes Mortandades, ruinas, e assolações, que têm causado os grandes, e Horríveis Terremotos, que têm havido neste presente ano de 1751 em África, como consta em certeza por uma carta, que um sujeito escreveu do Reino do Peru a um seu amigo espanhol, a quem sendo entregue em Sevilha, veio remetida a esta Real, e nobre Corte de Lisboa, e ultimamente transladada em português.20

  • 21 O geólogo Alberto Veloso analisou evidências de que o tsunami de 1755 atravessou o Atlântico e alc (...)
  • 22 Traslado de uma carta vinda do Rio de Janeiro com a notícia das preces que a Nosso Senhor se fizer (...)

15Para os habitantes do Rio de Janeiro, no entanto, nada será comparável às assustadoras informações sobre a devastação de Lisboa. Em carta enviada ao reino, assinada por Paulo de Souza Rocha (que, acredita-se, seria um padre), tratando do impacto que a notícia do Terremoto de 1755 causou na cidade, diz-se: "Nesta América não se experimentou o mesmo, mas é geral o temor em que todos vivemos de que também cá nos chegue o rigor da Divina justiça", principalmente sendo aqui "os pecados maiores, e havendo menos gente virtuosa"21. Segundo o que está dito no relato, logo que as primeiras informações, ainda pouco precisas, foram recebidas, o bispo resolveu-se a fazer três dias de graças públicas na Sé, mas como veio a Quaresma, não seguiu adiante; também teve medo de ser censurado pelos "muitos incrédulos que entendiam não ser o caso para tanto". Depois da Páscoa, no entanto, com a chegada de um navio, todos perceberam que aquilo que se dizia não era nem a metade do que, de fato, tinha acontecido. O prelado determinou, então, que as preces fossem retomadas, e o foram, segundo o autor da carta, com tal fervor, que o soluço do povo nas igrejas podia ser ouvido a grande distância. Além disso, realizou-se uma procissão de penitência, com o uso de corda no pescoço e coroa de espinhos. Como o ato religioso aconteceu à noite, não se permitiu que as mulheres participassem, mas foi possível ouvi-las clamando alto de dentro das casas: "Senhor Deus Misericórdia".22

  • 23 Ver Acciaiuoli, Filippo, O terrível terramoto da cidade que foi Lisboa: correspondência do Núncio (...)

16A realização das procissões de penitência na América portuguesa parece ecoar as reações ao desastre no próprio reino. Logo depois do terremoto, o núncio apostólico Mons. Filippo Acciaiuoli, representante da Santa Sé em Lisboa, iniciou a série de cartas que enviaria semanalmente a Roma ao longo dos oito meses seguintes, com a intenção de deixar o papa informado sobre os acontecimentos na corte portuguesa. Segundo o núncio, no terceiro domingo depois do desastre, uma procissão de penitência foi organizada, contando com a presença da família real e, daí em diante, a prática se repetiu nos meses seguintes.23

17Em uma das mais conhecidas representações do terremoto, a tela de João Glama, o anjo, no alto, à esquerda, lança sua espada de fogo, desembainhada, contra a cidade e seus pecadores.

Imagem 2 – Terramoto de 1755, de João Glama Ströberle, óleo, sem data.

Imagem 2 – Terramoto de 1755, de João Glama Ströberle, óleo, sem data.

Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, Portugal.

  • 24 Azevedo, Moreira de, “Igreja da Cruz", in O Rio de Janeiro: sua história, monumentos, homens notáv (...)
  • 25 Sobre o Convento, ver Martins, William de Souza, "Devoção, status e busca de autonomia: o Convento (...)
  • 26 Pérez-Mallaína, Pablo, "Las catástrofes naturales como instrumento de observación social: el caso d (...)

18No Rio de Janeiro, a procissão relatada na carta não foi a única realizada na cidade depois que circularam as primeiras notícias sobre o terremoto. Em 1757, a Oficina de Francisco Luiz Ameno imprimiu em Portugal a obra Sermão na procissão de penitência, que fez de noite a Reverenda Irmandade dos Clérigos de S. Pedro da Cidade do Rio de Janeiro por ocasião do Terremoto que houve em Lisboa no primeiro de Novembro de 1755. De acordo com a publicação, a pregação se deu no momento exato em que a procissão passava na porta da "Igreja da Cruz". O templo, que já havia abrigado a Sé, ficava na Rua Direita, no mesmo local onde, mais tarde, seria construída a Igreja da Santa Cruz dos Militares que chegou aos nossos dias. 24 Isso quer dizer que os fiéis percorreram o que, naquela altura, era o coração da cidade. O padre pregador foi Antônio Pereira da Câmara, natural da Bahia, onde havia sido confessor e diretor das religiosas que poucos anos antes tinham vindo ao Rio de Janeiro para fundar o Convento de Nossa Senhora da Conceição da Ajuda.25 A associação entre desastres, procissões e prédicas foi frequente na Europa e mesmo na América, como aconteceu em Lima depois do terremoto de 1746, quando "autênticos heróis da pregação chegaram a produzir mais de 70 sermões em apenas três meses".26

  • 27 Sermaõ na procissam de penitencia, Que fés de noite a Reverenda Irmandade dos Clerigos de S. Pedro (...)

19A procissão dos Clérigos de São Pedro teve lugar no dia 27 de fevereiro de 1756, anterior, portanto, àquela que o bispo organizou depois da Páscoa, mencionada na carta. Embora o desastre já tivesse ocorrido havia quase quatro meses, as providências parecem ter sido tomadas assim que as primeiras notícias chegaram, o que ajuda a estimar o tempo que a informação levou para cruzar o Atlântico. De acordo com o que ficou dito no Sermão, "Alguns foram de parecer, que se esperassem as notícias verdadeiras para com a certeza do caso assentar melhor a piedade do nosso sentimento". Contrariando essa opinião, no entanto, e com o coração tocado, diz padre Câmara, sem demora "entramos a recorrer a Deus a ver se podíamos abalar também o Céu por meio das maiores penitências, que jamais se viram nesta terra [...]";27 e que depois foram replicadas em todos os conventos, matrizes e capelas.

20Nas justificativas para o Sermão ter ido para o prelo no ano seguinte, em Portugal, estão expostas as dúvidas que organizaram toda a pregação:

  • 28 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 4.

Nem parecia justo que ficasse em silêncio uma tão grande demonstração, com que o Reverendo Clero dessa Cidade soube, devotamente sentido, chorar o sucesso mais trágico, que a Majestade divina não sei se por castigo, se por amor, ou se por uma, e outra cousa, que tudo podia ser, permitiu na Capital do nosso Reino, pois de outro igual se não recorda a memória.28

  • 29 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 16.

21Para responder à aparente ambiguidade, do castigo e, ao mesmo tempo, do amor de Deus pelos homens, padre Câmara irá recorrer à segunda Epístola de São Pedro. De acordo com a argumentação desenvolvida, o terremoto foi castigo divino para o pecado dos homens, pois "todos os que habitamos na terra [...] com desprezo total da salvação [...] parece que nos vamos sem remédio uns após dos outros precipitando miseravelmente nos abismos da eternidade" apesar dos repetidos avisos do Céu, e logo "experimentamos (e quando menos se imagina) as calamidades, e as ruínas que de tempos em tempos se veem no mundo".29 No entanto, segundo o ensinamento da Epístola: "Não tarda o Senhor a sua promessa, como alguns pensam; mas usa de paciência convosco, não querendo que nenhum pereça, mas que todos se convertam à penitência". Devendo, portanto, ser o "lamentável destroço" da corte entendido como um aviso de Deus.

  • 30 Mendonça, Joachim Joseph Moreira de, Historia universal dos terremotos que tem havido no mundo, de (...)
  • 31 Ver Álvarez García, Beatriz, "'La voz visible de Dios'. Estrategias comunicativas y ritualidad des (...)
  • 32 Citado por Xavier, Rodrigo Alexandre de Carvalho, "O fim do mundo como obra de arte em Portugal (p (...)

22Moreira de Mendonça lembra, em sua História Universal dos Terremotos, que alguns formularam a hipótese de que talvez a divina providência tenha reservado "esse fenômeno natural para flagelo dos Povos, por haver prometido não castigar o Mundo com outro Dilúvio".30 Na hierarquia dos desastres, em que também estão presentes a peste e a fome, o terremoto é considerado o de maior severidade,31 mas o dilúvio é ainda pior. No Dilúvio, Deus disse a Noé: "Eu [...] apagarei todas as coisas existentes".32 Assim, usando o recurso do tremor de terra, a ira divina não se lançava sobre os homens no sentido da aniquilação, mas para alertá-los, de modo que os sobreviventes pudessem ingressar numa vida sem pecados e todos, finalmente, garantissem a salvação da alma.

  • 33 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 18.

23Padre Câmara formula, então, a pergunta que ocorria um pouco por toda parte. Era difícil entender por que, afinal, Lisboa, uma cidade das mais pias e penitentes que havia, tinha sido escolhida para ser tão severamente castigada. E ele mesmo responde: "bem poderá ser, que o tenha Deus assim permitido por ser Corte de um Reino, que é a menina dos seus olhos". Em seguida, buscando fornecer uma explicação a seus ouvintes, diz: "sempre Deus teve por glorioso timbre da sua divina bondade, e por demonstração evidente do seu amor infinito castigar aos que ama".33

  • 34 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 29-30.

24No sermão pregado no Rio de Janeiro, contudo, vinha ainda exposto um temor particular, que o padre buscou infundir nos fiéis, e que nascia da comparação entre o reino e sua possessão. Se Lisboa tinha sido castigada com tanto rigor, a ira divina poderia igualmente voltar seu julgamento para a América portuguesa, onde os pecados eram bem maiores. Então, cada um precisava emendar a própria vida, e que se reformasse todo aquele que peca: o soberbo, o ambicioso, o lascivo, o vingativo, o invejoso, o ladrão  um vício tão capital  e ainda o murmurador (prendendo a língua e fechando a boca) e, finalmente, o homicida, cujo crime era um delito sem desculpa, que muito dificultava a salvação; pois só assim essa cidade se tornará "tão outra como santa" e então "embainhará Deus a espada da sua justiça", guardando-a, pois não encontrando mais pecados para castigar, ficará finalmente "em paz conosco".34

25Mas padre Câmara faz um alerta. Ele afirma que falava com entusiasmo na remissão dos pecados mais pelo seu grande desejo de que isso acontecesse que pela confiança que tinha na cidade, cujos habitantes não possuíam constância nem perseverança. O padre expõe suas razões para duvidar do arrependimento verdadeiro dos fiéis, perguntando-se:

  • 35 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 32.

que importam as demonstrações tão públicas, tão devotas, e tão penitentes, com que toda esta Cidade se tem portado depois logo das primeiras notícias, que tivemos de Portugal, sem esperarmos a averiguação da verdade; se passados estes primeiros fervores ocasionados talvez mais do receio próprio, que da calamidade alheia, houvermos de tornar miseravelmente ao que dantes éramos, esquecidos do que sempre nos devemos lembrar.35

  • 36 Para a mesma concepção do terremoto como castigo pelos pecados cometidos pelas mulheres, ver O'Phe (...)
  • 37 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 35-38.

26As preocupações em relação à cidade, contudo, se estendem para além da falta de perseverança nos arrependimentos. Segundo o padre, o maior problema é que os pecados eram numerosos, alguns comuns a todos os homens, outros mais locais e específicos. Por todo o orbe, reis, monarcas e imperadores arruínam reinos, destruindo províncias e "consumindo as conquistas com opressões, com tributos e outros impostos, com tanto prejuízo dos vassalos", prelados eclesiásticos procedem mal, ministros da justiça não possuem a circunspecção devida e os negociantes vendem sua mercadoria por preços exorbitantes. Além disso, existem as casas em que tudo é desgoverno, vaidade "e luxo da mulher", que, não se contentando com as poucas posses do marido, acaba por enchê-lo de dívidas, levando-o muitas vezes à prisão; e ainda há a falta de recato e recolhimento das filhas.36 Mas tudo pode ser ainda pior, porque na América portuguesa estão presentes "os vícios e soltura dos escravos", ou seja, a dissolução dos costumes, mas também o rigor com que são tratados e o excesso de castigos que recebem. Algumas pessoas, segundo padre Câmara, julgam que "uma das causas principais das misérias a que está hoje reduzido todo o Brasil nasce da tirania com que são tratados os escravos".37 Condena-se, assim, não a instituição da escravidão, mas os seus excessos.

  • 38 Marquese, Rafael de Bivar, Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o contro (...)

27Duas obras da primeira metade do século XVIII, escritas por jesuítas italianos radicados na Bahia, ajudam a compreender as preocupações do padre em relação à maneira como os cativos eram tratados na América portuguesa. Jorge Benci publicou Economia cristã dos senhores no governo dos escravos, em 1705, composto inicialmente como um sermão. Já Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, de João Antônio Andreoni, foi editada em 1711, sob o pseudônimo de Antonil. Segundo a análise que o historiador Rafael Marquese dedicou a essas obras, ambas traziam prescrições sobre o tratamento a ser dispensado aos escravos apoiadas no preceito bíblico das obrigações recíprocas. Os escravos deviam trabalho e obediência a seus senhores. Porém, precisavam receber em troca, além do pão espiritual, sustento material suficiente, descanso necessário e, ainda, uma aplicação equacionada dos castigos. Na concepção dos padres jesuítas, portanto, quando os senhores governavam seus escravos sem moderação, estavam desrespeitando os desígnios divinos. Como lembra Marquese, Antonil menciona a praga enviada aos egípcios como uma punição pelos maus tratos impostos aos hebreus, mas também a condenação que estes últimos receberam (o cativeiro no Oriente) por maltratarem seus escravos. Segundo Benci, na verdade, a ira divina já tinha começado a se abater sobre a América Portuguesa, com guerras, fome e peste, por conta do grande desgoverno dos senhores luso-brasileiros.38 Portanto, o medo expresso por padre Câmara em seu Sermão, o da punição pelo excesso com que os senhores costumavam castigar seus escravos, estava em perfeita sintonia com a reflexão produzida pelos inacianos no início do século.

  • 39 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 11.

28Diante da existência de tantos pecados e temendo o poder da justiça divina, o clero do Rio de Janeiro decidiu se apresentar "aos olhos do Céu na triste representação de tão humilde, e penitente espetáculo, como réus de culpa capital, que do delito vão caminhando para o suplício".39 Daí a realização de uma procissão de penitência, com o uso de alvas (a túnica branca), coroas de espinho nas cabeças, cordas no pescoço e pés descalços.

  • 40 Alberola Romá, Armando, "Procesiones, rogativas, conjuros y exorcismos: el campo valenciano ante l (...)

29Além dos sermões e das procissões, outras práticas religiosas também ocorreram na cidade. Armando Alberola Romá, investigador do campo da História dos Desastres, estudou uma praga de gafanhotos que assolou o reino de Valência, na Espanha, entre os anos de 1756 e 1758.40 O autor procurou olhar para a maneira como os contemporâneos reagiram ao acontecimento. A praga  um flagelo bíblico  foi associada ao castigo divino, e o medo da ira implacável de Deus e, afinal, da morte, se instalou. Examinando os vários meios utilizados para combater o desastre, Alberola Romá mostrou que houve esforços "técnicos", como os presentes na Instrucción vinda de Castela, mas também uma variada gama de atos religiosos, como procissões, sermões, missas, bênçãos, culto a relíquias e, ainda, orações suplicando a intervenção dos santos.

  • 41 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 20-21.
  • 42 Ver Álvarez García, Beatriz, "'La voz visible de Dios'. Estrategias comunicativas y ritualidad des (...)

30O recurso a santos protetores contra calamidades, ou a outras instâncias, como a Nossa Senhora, tinha uma longa tradição na Europa. Conforme explicado no Sermão de padre Câmara, considerava-se que os santos nem sempre possuíam força contra a ira divina, como ocorreu em Lisboa no 1º de novembro "em que tão irado se portou Deus contra nós, que nos não valeu a grandeza, e privilégio do dia [de Todos os Santos]", e assim "se vê que quando Deus não quer, Santos não rogam".41 Mas os sobreviventes frequentemente atribuíam sua salvação a essa intervenção e a proteção dos santos contra desastres era solicitada com frequência.42

Imagem 3 – Ex-voto a Nossa Senhora da Estrela

Imagem 3 – Ex-voto a Nossa Senhora da Estrela

A Nossa Senhora da Estrela. Voto que no terremoto de 1755 fez Leonardo Rodrigues porque faltando-lhe uma filha de 3 anos, invocando a dita Senhora a achou depois de 7 horas nas ruínas das suas casas com uma tão perigosa ferida na cabeça, que atribui a sua vida à intercessão da Soberana Senhora. Ex-voto, sem data.

Museu de Lisboa, Portugal.

  • 43 Carta dos oficiais da Câmara do Rio de Janeiro ao rei, em 23 de julho de 1757. AHU ACL CU 17, Cx. (...)

31No Rio de Janeiro, as preces por proteção também foram realizadas. Em julho de 1757, os oficiais da Câmara escreveram a Lisboa informando o cumprimento da ordem régia que obrigava que se comemorasse com missa solene o dia da festa em honra de São Francisco de Borja. A Companhia de Jesus havia conseguido com o papa que o santo fosse declarado protetor de Portugal e de seus domínios contra terremotos. A mesma Câmara foi ordenada a agradecer também a Nossa Senhora, pois, por sua intervenção, de acordo com o entendimento do soberano, "foram os meus reinos preservados da maior, e última ruína, e conservada ilesa ainda do mais leve prejuízo a minha real pessoa, e família, no horroroso terremoto do primeiro de Novembro". Uma ordem régia foi editada determinando que no domingo de dezembro em que se celebrasse a festa do Patrocínio de Nossa Senhora se fizesse uma procissão solene, com jejum e ação de graça à "soberana rainha dos anjos" pelo benefício alcançado, quando se devia implorar, ainda, o seu "mesmo patrocínio para o futuro".43

32Hoje é difícil conhecer em profundidade todas as variadas reações dos habitantes do Rio de Janeiro, sobretudo no âmbito da religiosidade popular, à notícia do Terremoto de 1755. As ações elencadas aqui, contudo, deixam perceber que, a partir do entendimento que o clero da cidade se empenhou em oferecer para o desastre, seus moradores estiveram envolvidos em numerosos esforços para aplacar a ira divina.

Donativos para a reedificação de Lisboa

  • 44 Malagrida, Gabriel, Juizo da verdadeira causa do terremoto, que padeceo a corte de Lisboa, no prim (...)

33O padre jesuíta Gabriel Malagrida escreveu no seu Juízo da verdadeira causa do terremoto (1756), em formulação não muito distante daquela presente no apocalíptico Sermão de padre Câmara: "os únicos destruidores de tantas casas e palácios, os assoladores de tantos templos e conventos, homicidas de tantos seus habitadores", em Lisboa, não são "cometas, não são estrelas, não são vapores ou exalações, não são fenômenos, não são contingências ou causas naturais, mas são unicamente os nossos intoleráveis pecados". Para ele, é inconcebível que "se possa atrever um sujeito católico a atribuir unicamente a causas e contingências naturais a presente calamidade deste tão trágico terremoto", pois como "hão de humilhar-se e buscar a Deus com a penitência", com a existência de todas essas doutrinas perniciosas, ele se pergunta. E afinal exclama: "Oh, assim visse eu tanta resolução e fervor para esta penitência quanta vejo em armar barracas e erigir habitações".44 Malagrida, como se sabe, será executado num auto de fé em 1761.

  • 45 Ofício de Sebastião José de Carvalho e Melo [secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Guer (...)

34Enquanto o padre formulava essas reflexões, no seu Juízo, Sebastião José de Carvalho e Melo, o futuro Marquês de Pombal, dava os primeiros passos no enfrentamento ao desastre e nos planos para a reedificação da capital. Entre as muitas tarefas a que precisou fazer frente, o ministro manteve correspondência com as capitanias da América portuguesa. Em abril de 1756, escreveu a Gomes Freire, e avisou: "As novas que V. Exa. receberá desta Corte com a chegada da Frota, que ultimamente se fez à vela, devem ser muito menos alegres de que todos desejaríamos", isso porque "padecemos um horroroso terramoto [...]". E que sendo igual àquele a que se refere Garcia de Resende, em sua Miscelânea, por haver arruinado a cidade de Lisboa no ano de 1531, ainda teve o acréscimo de ter sido seguido de irremediáveis incêndios. O ministro afirma que, no primeiro momento, os sobreviventes fugiram apavorados, abandonando suas casas aos saqueadores, mas as prontas providências tomadas pelo rei remediaram essa situação. Além disso, em poucos dias, foi possível sepultar os mortos e alimentar a população, evitando-se uma fome geral. Finalmente, trata dos planos, já em andamento, para a reedificação da cidade destruída, informando sobre a retirada dos escombros.45

  • 46 Aviso de Diogo de Mendonça Corte Real [secretário de Estado da Marinha e Ultramar] a Gomes Freire (...)
  • 47 Aviso de Diogo de Mendonça Corte Real a Gomes Freire de Andrade. AHU ACL CU 17, Cx. 50, D. 4992.
  • 48 Ofício do presidente da Junta do Depósito Público, desembargador João de Sousa Caria. Lisboa, 11 d (...)

35Nessa altura, o secretário de Estado da Marinha e Ultramar, Diogo de Mendonça Corte Real, já havia assinado um aviso, a ser enviado a todos os governadores da América, contendo cópia de uma carta régia dirigida aos juízes, vereadores e oficiais das câmaras relativa à arrecadação de donativos para a reconstrução da capital.46 No documento, escrito poucos dias depois do desastre, em 16 de dezembro de 1755, o rei informa sobre a perda de vidas, e de bens, inclusive das mercadorias que estavam na Alfândega. E acrescenta: "Me pareceu participar-vos logo este infausto sucesso por confiar da lealdade e honradas propensões dos meus fiéis vassalos", não apenas "nos louvores com que agradecem à divina misericórdia por não ter nos aniquilado", mas "também por aquela natural correspondência, que todas as partes do Corpo Político têm sempre com a sua cabeça". Isso para, afinal, avisar que, em função da necessidade de se ver prontamente reedificada a cidade de Lisboa, deixa ao arbítrio de cada câmara a escolha dos meios que forem julgados mais apropriados ao envio dos donativos necessários "a tão glorioso fim".47 Em outubro de 1758, as autoridades responsáveis trocam informações sobre o tema e constata-se que a remessa da contribuição do Rio de Janeiro já se encontrava plenamente implantada, tendo sido despachada para o reino na nau almiranta N. Sra. do Livramento e S. José.48

  • 49 Ver Bicalho, Maria Fernanda, "As noções de capitalidade no Rio de Janeiro sob a política pombalina (...)
  • 50 Ver Ferro, Carolina Chaves, Terremoto em Lisboa, tremor na Bahia: um protesto contra o donativo pa (...)
  • 51 Gouvêa, Maria de Fátima, "O impacto do terramoto de Lisboa na governação da América Portuguesa", i (...)

36Nos documentos enviados aos governadores está firmada a promessa de que o donativo não excederia ao que ficasse ajustado: no caso de ser oferecido por quantia ou tempo determinados, assim que expirasse o prazo ou se completasse a soma, sua majestade, com sua benignidade, cessaria a arrecadação. Mas não foi isso o que aconteceu. Convocado, em maio de 1756, o Senado da Câmara do Rio de Janeiro decidiu que seria remetido a Lisboa o rendimento de dois e meio por cento, ou um milhão e duzentos mil cruzados, sobre a dízima que o comércio pagava na Alfândega da cidade, por um período de dez anos. Em 1780, no entanto, o subsídio já vinha sendo enviado havia duas décadas, e a Câmara ainda solicitava o seu encerramento, alegando o prazo estabelecido originalmente.49 São conhecidas as reclamações de diversas câmaras e até um protesto na Bahia, quando um abaixo-assinado contra o tributo chegou a ser elaborado.50 Em 1795, quarenta anos depois do desastre, o donativo, então canalizado para a construção do novo palácio real, ainda seguia em discussão.51

37Ao contrário do que ocorre com outras câmaras, a documentação para o Rio de Janeiro é escassa, provavelmente em decorrência do incêndio que destruiu o prédio ocupado pelo órgão e todo o seu arquivo, em 1790, e o fato é que isso dificulta o conhecimento mais aprofundado sobre como o donativo terá sido tratado. De qualquer forma, é razoável supor que esse foi um tema muito presente na cidade, e por várias décadas.

Considerações finais

  • 52 Trata-se de uma temática muito investigada, com abordagens diversas. Para um estudo clássico, ver (...)

38Os moradores do Rio de Janeiro, sobretudo os comerciantes – no caso dos donativos –, serão afetados pelas consequências do Terremoto de 1755 em pelo menos dois sentidos, quase opostos. O primeiro está relacionado ao entendimento religioso de que o desastre foi alvo. O outro, derivado de providências concretas, enérgicas e de viés secular, refere-se ao tratamento dispensado pela Coroa ao evento, sobretudo através das ações de seu poderoso ministro, o futuro Marques de Pombal.52

  • 53 Requerimento do mestre alfaiate Bartolomeu Jacomano. Lisboa, ant. 1756, fevereiro, 26. AHU ACL CU (...)

39De fato, na cidade colonial, as possibilidades de contato com a notícia do desastre provavelmente foram múltiplas. Não se limitaram ao que era ouvido no púlpito das igrejas e nas procissões nem, tampouco, às reações da Câmara às medidas administrativas; e talvez tenham ultrapassado até mesmo aquilo que as cartas deixavam saber. Um documento conservado no Arquivo Histórico Ultramarino ajuda a alimentar essa suposição. O mestre alfaiate Bartolomeu Jacomano e sua mulher, Catherina, moradores de Lisboa, solicitaram às autoridades, em algum momento antes de fevereiro de 1756, permissão para se transferirem ao Rio de Janeiro, onde o filho, um negociante, poderia recebê-los. O casal justificou o pedido alegando a pobreza em que ficaram depois de todos os seus bens serem queimados por ocasião do terremoto.53 Vê-se, assim, que havia diversos caminhos para os moradores se manterem informados, entre eles, o contato com sobreviventes vindos da área afetada. Então, embora a escassez de fontes não deixe conhecer em detalhes essas interações, é razoável imaginar que houve entendimentos a respeito do sismo derivados de percepções mais relacionadas às sociabilidades, quer no seio das famílias, quer no contexto urbano.

  • 54 Diario do Rio de Janeiro, 23 de julho de 1826, p. 4. Esta provavelmente era a obra Memorias das pr (...)
  • 55 Gomes, Francisco Luiz, Le Marquis de Pombal: esquisse de sa vie publique. Lisbonne, Impr. Franco-P (...)

40Seja como for, a memória do evento trágico parece ter perdurado longamente na cidade. Aqui, dois exemplos tirados da imprensa oitocentista. O morador que folheou a seção de anúncios do Diario do Rio de Janeiro, de 23 de julho de 1826, ficou sabendo que era possível adquirir a obra intitulada Memórias das principais providências, que se deram no terremoto que padeceu a Corte de Lisboa no ano de 1755. Bastava dirigir-se à rua dos Latoeiros, n. 89.54 Já o que comprou exemplares do mesmo jornal, em janeiro de 1870, pôde ler a tradução de uma biografia do Marquês de Pombal, escrita originalmente em francês e publicada no ano anterior em Lisboa, cujo quinto capítulo era totalmente dedicado ao terremoto.55 Afinal, o desastre daquele 1º de novembro tinha acontecido havia mais de um século, mas, de alguma forma, a sua memória continuava viva, um pouco por toda parte, e também no Rio de Janeiro.

Haut de page

Notes

1 It was on the morning of this fatal day, between the hours of nine and ten, that I was set down in my apartment, just finishing a letter, when the papers and table I was writing on began to tremble with a gentle motion [...]. Whilst I was reflecting with myself what this could be owing to, but without having the least apprehension of the real cause, the whole house began to shake from the very foundation [...]. Davy, Charles, Rev., "The Earthquake at Lisbon", in Eva March Tappan (ed.), The World 's Story: A History of the World in Story, Song and Art, 14 vols., Boston, Houghton Mifflin,1914, v. 5. p. 618-628.

2 "[...] that city, which is now no more [...]". "An Account of the late terrible Earthquake, with Reflections on that awful Phaenomenon", in The Universal Magazine of Knowledge and Pleasure, 1755, v. 17, London, John Hinton, p. 271.

3 Carta de Mariana Victoria a sua mãe Isabel Farnesio. Belém, 4 de novembro de 1755. Archivo Histórico Nacional, Madrid, leg. 2312, A., "Personas Reales – Isabel Farnesio – Cartas autógrafas [...] de los años 1746-1759". O original, em francês, foi transcrito por Caetano Beirão, em "O Terramoto de Lisboa de 1755 – Novos Documentos", Panorama, 1956, III Série, no 1.

4 Mendonça, Joachim Joseph Moreira de, Historia universal dos terremotos que tem havido no mundo, de que ha noticia, desde a sua creação até o seculo presente. Com huma narraçam individual Do Terremoto do primeiro de Novembro de 1755 [...], Lisboa, Na Offic. de Antonio Vicente da Silva, 1758, p. 114 e 115. Sobre narrar a catástrofe, ver Buescu, Helena Carvalhão, "Ver demais: o terramoto de 1755 na literatura", Convergência Lusíada, 2006, v. 20, no 22, p. 17-40, consultado a 20 de outubro de 2023. URL: https://www.convergencialusiada.com.br/rcl/article/view/647

5 Subtil, José, "O Terramoto Político (1755-1759) – Portugal aflito e conturbado", in Maria Fernanda Rollo, Ana Isabel Buescu e Pedro Cardim (coord.), História e ciência da catástrofe. 250º aniversário do terramoto de 1755, Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, 2007.

6 Carta-circular de Jacome Esteves Nogueira [Secretário Geral do Conselho do Santo Ofício] para a Inquisição de Goa. Lisboa, 8 de abril de 1756. Inquisição de Goa, Manuscrito 25, 1, 009, no 012. Biblioteca Nacional. Brasil. A ortografia dos documentos citados foi atualizada, mantendo-se a pontuação original.

7 Alguns autores apontaram para a complexa coexistência das diversas matrizes explicativas de que o fenômeno foi objeto. Ver Quenet, Grégory, Les tremblements de terre aux XVIIe et XVIIIe siècles. La naissance d’un risque, Seyssel, Champ Vallon, 2005, e Walter, François, Catastrophes. Une histoire culturelle. XVIe - XXIe siècle, Paris, Seuil, 2008.

8 Originalmente usada no teatro, catástrofe, que vem do grego, significava uma reviravolta no final do enredo, causada por imprevistos. Ver Mercier-Faivre, Anne-Marie; Chantal, Thomas (dir.), L’Invention de la catastrophe au XVIIIe siècle: du châtiment divin au désastre naturel, Genève, Droz, 2008.

9 Ver Belo, André, "A 'Gazeta de Lisboa' e o terramoto de 1755: a margem do não escrito", Análise Social, v. 34, no 151/152, Inverno 2000, p. 619-637.

10 Mercier-Faivre, Anne-Marie, "La catastrophe dans les gazettes du XVIIIe siècle: un art du chaos", in Penser la catastrophe à l’âge classique: modèles et théories, vol. 2 [no prelo], consultado a 20 de outubro de 2023. URL: https://hal.science/hal-02006780/document

11 Ver Petit-Breuilh Sepúlveda, María Eugenia. "Textos impresos sobre el origen de los terremotos y tsunamis a mediados del siglo XVIII: circulación de ideas entre los territorios de la América española y la metrópoli", Nuevo Mundo Mundos Nuevos, posto online em 17/10/2022, consultado em 10 de outubro de 2023. URL: http://journals.openedition.org/nuevomundo/88694

12 No campo científico, a avaliação da magnitude do sismo de 1755 segue em discussão entre os geólogos, ver Fonseca, João F. B., "A Reassessment of the Magnitude of the 1755 Lisbon Earthquake", Bulletin of the Seismological Society of America, February 2020, v. 110, no 1, consultado em 30 de outubro de 2023. DOI: 10.1785/ 0120190198

13 Sobre a obra, ver Ferreira, Jorge; Lopes, Maria Margareth, "O fogo é o agente, que causa tantas maravilhas. A América e as explosões subterrâneas na História Universal dos Terremotos de 1758", Varia Historia, 2017, v. 33, p. 591-623. URL: https://doi.org/10.1590/0104-87752017000300004.

14 Sobre a importância do manuscrito, ver Bouza, Fernando, Corre manuscrito: una historia cultural del Siglo de Oro, Madrid, Marcial Pons, 2001; Varriale, Gennaro, "De las cartas oficiales al rumor. La comunicación de los terremotos en la Monarquía Hispánica (siglo XVII)", Nuevo Mundo, Mundos Nuevos, posto online em 17/10/2022, consultado a 20 de outubro de 2023. URL: https://journals.openedition.org/nuevomundo/88550; Belo, André, "La nouvelle du tremblement de terre: de Lisbonne à Genève et retour", Atlante. Revue d'Études Romanes, automne 2014, consultado em 17 de novembro e 2023. DOI: https://doi.org/10.4000/atlante.19660

15 Ver Santos, Marília Nogueira dos, "O império na ponta da pena: cartas e regimentos dos governadores-gerais do Brasil", Tempo, Niterói, no 14, v. 27, 2009, p. 101-115, consultado a 18 de novembro de 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-77042009000200008. Ver também Cardim, Pedro; Baltazar, Miguel, "La diffusion de la législation royale au Portugal et dans ses possessions atlantiques, 1621-1808", Nuevo Mundo Mundos Nuevos, posto online em 14/06/2018, consultado a 20 de outubro de 2023. URL: http://journals.openedition.org/nuevomundo/72281

16 Nesse momento, Gomes Freire estava fora, tratando de questões de fronteira no Sul, que também fazia parte de sua ampla jurisdição.

17 Ofício do [secretário de Estado da Marinha e Ultramar], Diogo de Mendonça Corte Real, ao [governador do Rio de Janeiro e Minas], Gomes Freire de Andrade. Lisboa, 11 de novembro de 1755. AHU_ACL_CU_17, Cx. 49, D. 4937.

18 Ofício do [secretário de estado da Marinha e Ultramar], Diogo de Mendonça Corte Real, ao [governador do Rio de Janeiro e Minas], Gomes Freire de Andrade. Lisboa, 11 de novembro de 1755, doc. cit.

19 Ofício do Governador Gomes Freire de Andrade para Diogo de Mendonça Corte Real. Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 1752. AHU_ACL_CU_17, Cx. 66, Doc. 15.546. Ver também Carta de José Antonio Freire de Andrade para Monsenhor Paulo Carvalho e Mendonça. Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 1752. AHU_ACL_CU_17, Cx. 66, D. 15.537. Sobre o terremoto do Chile, ver Palacios Roa, Alfredo, "Dominio y catástrofe. Los terremotos en Concepción, Chile: 1550-1751", Anuario de Estudios Americanos, 2012, 69 (2), p. 569-600, consultado a 20 de outubro de 2023. URL: https://doi.org/10.3989/aeamer.2012.2.07

20 Citado em Amador, Filomena, "O terramoto de Lisboa de 1755: colecções de textos do século XVIII", História, Ciência, Saúde - Manguinhos, mar. 2007, v. 14, no 1, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://doi.org/10.1590/S0104-59702007000100014

21 O geólogo Alberto Veloso analisou evidências de que o tsunami de 1755 atravessou o Atlântico e alcançou praias no nordeste brasileiro, fazendo duas vítimas. Já para o sudeste, embora roncos estranhos no mar "em certas praias do Rio de Janeiro" tenham sido mencionados, o geólogo julgou que a documentação é insuficiente para o estabelecimento de uma conexão nessa região. Ver Veloso, José Aberto Vivas, Tremeu a Europa e o Brasil também, Lisboa, Chiado Editora, 2015.

22 Traslado de uma carta vinda do Rio de Janeiro com a notícia das preces que a Nosso Senhor se fizeram em a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro com a notícia do terramoto que houve em Lisboa [...] escrita por Paulo de Souza Rocha em 15 de junho de 1756. Recopilada em Nipho y Cagigal, Francisco Mariano, Memorias Tragicas de todos os Terramotos, Naufragios Tempestades, Pestes, e Eclypses, e Cometas que tem havido em Portugal [...], 1758, p. 107, 107 v. e 108. Sobre essa carta e outros escritos religiosos do momento, ver Paixão, Anne Elise Reis da, "'Só́ a lembrança nos faz ainda tremer': o terremoto de 1755 e as indulgências", in No cárcere divino: purgatório, indulgências e missas pelas almas no Rio de Janeiro Setecentista, Belo Horizonte, Fino Traço, 2022, p. 169-182.

23 Ver Acciaiuoli, Filippo, O terrível terramoto da cidade que foi Lisboa: correspondência do Núncio Filippo Acciaiuoli (Arquivos Secretos do Vaticano), prefácio de Arnaldo Pinto Cardoso, Lisboa, Alêtheia Editores, 2005.

24 Azevedo, Moreira de, “Igreja da Cruz", in O Rio de Janeiro: sua história, monumentos, homens notáveis, usos e curiosidades, Rio de Janeiro, Brasiliana, 1965.

25 Sobre o Convento, ver Martins, William de Souza, "Devoção, status e busca de autonomia: o Convento de Nossa Senhora da Conceição da Ajuda no Rio de Janeiro, c.1750", Clio, 2011, v. 29, no 2, p. 1-20, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaclio/article/view/24224.

26 Pérez-Mallaína, Pablo, "Las catástrofes naturales como instrumento de observación social: el caso del terremoto de Lima en 1746", Anuario de Estudios Americanos, Sevilla, v. 62, no 2, 2005, p. 69, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://estudiosamericanos.revistas.csic.es/index.php/estudiosamericanos/article/view/49

27 Sermaõ na procissam de penitencia, Que fés de noite a Reverenda Irmandade dos Clerigos de S. Pedro Da Cidade do Rio de Janeiro por ocaziaõ do Terremoto que houve em Lisboa no primeiro de Novembro de 1755. Offerecido a El Rei D. José I. Nosso Senhor. Pregado á porta da Igreja da Crus ao passas da Procissão, pelo padre Antonio Pereira da Camara. Lisboa, Na Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1757.

28 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 4.

29 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 16.

30 Mendonça, Joachim Joseph Moreira de, Historia universal dos terremotos que tem havido no mundo, de que ha noticia, desde a sua creação até o seculo presente. Com huma narraçam individual Do Terremoto do primeiro de Novembro de 1755, Lisboa, Na Offic. de Antonio Vicente da Silva, 1758, p. 2.

31 Ver Álvarez García, Beatriz, "'La voz visible de Dios'. Estrategias comunicativas y ritualidad desde el púlpito en torno a las catástrofes de origen natural en el sur de Andalucía (1678-1684)", Hipogrifo, 2022, v. 10, no 2, p. 663, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=8705055

32 Citado por Xavier, Rodrigo Alexandre de Carvalho, "O fim do mundo como obra de arte em Portugal (parte 1): o terramoto de 1755 em Lisboa", Convergência Lusíada, 2018, v. 29, no 40, p. 25, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://convergencialusiada.com.br/rcl/article/view/273

33 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 18.

34 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 29-30.

35 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 32.

36 Para a mesma concepção do terremoto como castigo pelos pecados cometidos pelas mulheres, ver O'Phelan Godoy, Scarlett, "La moda francesa y el terremoto de Lima de 1746", Bulletin de l'Institut Français d'Études Andines, 2007, no 36 (1), p. 19-38. URL: https://journals.openedition.org/bifea/4595

37 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 35-38.

38 Marquese, Rafael de Bivar, Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860, São Paulo, Companhia das Letras, 2004.

39 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 11.

40 Alberola Romá, Armando, "Procesiones, rogativas, conjuros y exorcismos: el campo valenciano ante la plaga de langosta de 1756", Revista de Historia Moderna, Alicante, 2003, no 21, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://doi.org/10.14198/RHM2003.21.17

41 Sermaõ na procissam de penitencia [...], op. cit., p. 20-21.

42 Ver Álvarez García, Beatriz, "'La voz visible de Dios'. Estrategias comunicativas y ritualidad desde el púlpito en torno a las catástrofes de origen natural en el sur de Andalucía (1678-1684)", Hipogrifo, 2022, v. 10, no 2, p. 651-669, consultado a 10 de outubro de 2023. URL: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=8705055

43 Carta dos oficiais da Câmara do Rio de Janeiro ao rei, em 23 de julho de 1757. AHU ACL CU 17, Cx. 52, D 5237.

44 Malagrida, Gabriel, Juizo da verdadeira causa do terremoto, que padeceo a corte de Lisboa, no primeiro de novembro de 1755, Lisboa, Na Officina de Manoel Soares, 1756. A revista Teresa (USP), 2021, no 21, publicou uma versão transcrita e fixada desse texto.

45 Ofício de Sebastião José de Carvalho e Melo [secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Guerra] a Gomes Freire de Andrade. Lisboa, 14 de abril de 1756. AHU ACL CU 17, Cx. 50, D. 5036.

46 Aviso de Diogo de Mendonça Corte Real [secretário de Estado da Marinha e Ultramar] a Gomes Freire de Andrade. Lisboa, 11 de fevereiro de 1756. AHU ACL_CU_17, Cx. 50, D. 4992.

47 Aviso de Diogo de Mendonça Corte Real a Gomes Freire de Andrade. AHU ACL CU 17, Cx. 50, D. 4992.

48 Ofício do presidente da Junta do Depósito Público, desembargador João de Sousa Caria. Lisboa, 11 de outubro de 1758. AHU_ACL_CU_17, Cx. 54, D. 5372.

49 Ver Bicalho, Maria Fernanda, "As noções de capitalidade no Rio de Janeiro sob a política pombalina", in Araújo, Ana Cristina et al. (org.), O Terramoto de 1755: impactos históricos, Lisboa, Livros Horizonte, 2007, p. 257-267.Ver também Cavalcanti, Nireu Oliveira, "Ecos do terremoto na cidade do Rio de Janeiro", in Araújo, Ana Cristina et al. (org.), op. cit., p. 471-479.

50 Ver Ferro, Carolina Chaves, Terremoto em Lisboa, tremor na Bahia: um protesto contra o donativo para a reconstrução de Lisboa (1755-1757), Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal Fluminense, 2009.

51 Gouvêa, Maria de Fátima, "O impacto do terramoto de Lisboa na governação da América Portuguesa", in Araújo, Ana Cristina et al. (org.), op. cit., p. 247-255.

52 Trata-se de uma temática muito investigada, com abordagens diversas. Para um estudo clássico, ver França, José-Augusto, Lisboa pombalina e o Iluminismo, Lisboa, Livraria Bertrand, 1987 [1ª ed. 1965].

53 Requerimento do mestre alfaiate Bartolomeu Jacomano. Lisboa, ant. 1756, fevereiro, 26. AHU ACL CU 17, Cx. 50, D. 5014.

54 Diario do Rio de Janeiro, 23 de julho de 1826, p. 4. Esta provavelmente era a obra Memorias das principaes providencias, que se deraõ no terremoto, que padeceo a Corte de Lisboa no anno de 1755, Lisboa, 1758, publicada sob o pseudônimo de Amador Patrício de Lisboa, que se julga ser Francisco José Freire. Uma edição comentada foi publicada em 1755 - Providências do Marquês de Pombal, Lisboa, Fundação Luso-Americana, Público, 2005.

55 Gomes, Francisco Luiz, Le Marquis de Pombal: esquisse de sa vie publique. Lisbonne, Impr. Franco-Portugaise, 1869. Diario do Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 1870, p. 1.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1 – Casa da Ópera
Légende Colleçaõ de algumas ruinas de Lisboa causadas pelo terremoto e pelo fogo do primeiro de Novemb.ro do anno de 1755 debuxadas na mesma cidade por MM. Paris et Pedegache e abertas ao buril em Paris por Jac. Ph. Le Bas. Paris, 1757.
Crédits Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, Brasil.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/95835/img-1.jpeg
Fichier image/jpeg, 493k
Titre Imagem 2 – Terramoto de 1755, de João Glama Ströberle, óleo, sem data.
Crédits Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, Portugal.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/95835/img-2.jpeg
Fichier image/jpeg, 603k
Titre Imagem 3 – Ex-voto a Nossa Senhora da Estrela
Légende A Nossa Senhora da Estrela. Voto que no terremoto de 1755 fez Leonardo Rodrigues porque faltando-lhe uma filha de 3 anos, invocando a dita Senhora a achou depois de 7 horas nas ruínas das suas casas com uma tão perigosa ferida na cabeça, que atribui a sua vida à intercessão da Soberana Senhora. Ex-voto, sem data.
Crédits Museu de Lisboa, Portugal.
URL http://journals.openedition.org/nuevomundo/docannexe/image/95835/img-3.jpeg
Fichier image/jpeg, 743k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Anita Correia Lima de Almeida, « A viagem das notícias: percepções do Terremoto de 1755 no Rio de Janeiro »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 21 juin 2024, consulté le 19 juillet 2024. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/95835 ; DOI : https://doi.org/10.4000/11vre

Haut de page

Auteur

Anita Correia Lima de Almeida

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search